Pagine

Clique para entrar

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

La stòria de Júlio e Odila Aróssio - Per Ademar Lizot

 Tante volte í mei ricordi i ze sconti ntel profondo de un ritrato, ntea imàgine de un paeselo o dea imàgine de na  persona spessial  e adesso a lontan.  Quando son drio vardar questi ritrati , í me fa vegner su n`aria de felissità, però anca squasi sempre anca una làcrima vien zo dei òcii.
     Le persone spessiale,  sono quele che gavemo sempre dentro del cuor e i ritrati de queste persone,  qua ntea me casa,  í ze impicà su par l`é  parede, insieme de la imàgine de Santantoni e del Bambin Gesù.   Questo ritrato che ricordo ncoi l`é spessial e sempre che lo  lo vardo,  cavo via el capel in rispeto a mei antenati e anca bisogna dir che lo vardo sempre co´i  òcii de m`anima.  L`é  el ritrato dei noni Júlio e Odila Aróssio, l`é del ano de 1919, el nono gavea 30 ani de eta e la nona 25 ani e varde che bei cristiani, el nono con so mèio vestimenta, so capel, el lensiolo nel col e ntei  òcii e  mostaci el caráter de un omo che nó negossiea  mea la so onorabilità gnanca par tuto  l`oro del mondo, òcii  de un cristian che ga infrontà la vita con coràio e dignità.  Insime el ga la  nona Odila, sempre bela, co elegansa e soratuto co la dignità de una dona de coràio e amabilità, che ga alsà su dódese fioi co laoro e credensa em Dio e adesso par i so  ati, so laoro, so bontà la ze in paradiso insieme ai santi.
    Quando  vardo questo ritrato, ricordo la prima volta che go andato cognosser i noni Júlio e Odila, gavea sìnque ani de età, ricordo con emossion nel cuor, che zera un giorno che piovea e anca gavea n`aria freda che mai. Insieme dea mama, dopo de due giorni de viàio, semo arivadi. Dopo de sbàssar de la lìnea, bisognea  caminar par na stradeta postata tra meso el prá e el vignal e dopo gavea un belo giardin, in quela stardeta gavemo incontra el nono, che caminea soto la piova, sensa la umbrela, co la sapa in man e co´l  capel alsà su in testa. La mama lo ga saluda e abrassià, dopo lo go saluda con rispeto e co la franchessa de n'ànima límpida e pura de tosatel. Alora el me ga alsà su nei brassi e ga dito:..”Sacramento,  che belo tosatel.”  El gavea de piú de otanta ani de eta,  però l`èra ancora un omo de forsa e sempre  drio laorar nela colònia e mi se anca zera ancora picoleto go mai smentegà el so esémpio, de che con tanta eta, ancora el zera drio laorar.   Dopo semo rivadi insieme a casa e go cognossesto  la nona Odila sempre bela, go guadagnà un baso e un strucon e dopo la zupa de agnolini piú delissiosa che mai.  Vanti dormire la me ga conta na bela storieta del “sanguanel.” Ricordo che la gavea de piú de setanta ani de età, però la zera ancora bela e se anca la gavea í cavei bianchi, nó la zera mia ancora vècia.
    Sempre digo che´l orgòlio l`é  un sentimento che nó se pol mia menarlo rento del cuor, magari quando co  í òcii de m'ànima, vardo la imàgine dei noni e ricordo so esémpio de vita, laoro e carater pien de bontà e onestità, in che`l   s-ciantin me vien na sgionfada de orgólio nel cuor.

Ademar Lizot.

Tradução

  A minha saudade as vezes esta escondida no fundo de um retrato, na imagem de um lugar ou na estampa de uma pessoa querida e agora distante. Quando vejo estas fotografias, é sempre um momento de felicidade, porem quase sempre acompanhadas de uma lagrima que teima em cair.
    Pessoas especiais, são aquelas que temos sempre dentro do coração e as fotografias destas pessoas, aqui na minha casa estão fixadas nas paredes, junto da imagens de Santo Antonio e do menino Jesus. Esta fotografia que lembro hoje é especial e sempre que a vejo, tiro meu chapéu em respeito aos meus antepassados, pois sempre a vejo com os olhos de m´alma.  Esta é a fotografia dos nonos Júlio e Odila Arrósio, tirada no ano de 1919, é uma relíquia de nossa família. O nono tinha 30 anos e a nona 25anos, os dois na flor da idade, belos, ele com sua melhor vestimenta, seu chapéu batido na copa de gaúcho Rio Grandense, o lenço no pescoço e nos olhos e no bigode, o caráter de um homem que não negociava sua honra nem por todo o ouro do mundo. No seu olhar a força de um homem que fez o enfrentamento da vida com coragem e dignidade. Junto a ele a nona Odila, belíssima, com classe e elegância e principalmente a dignidade de uma mulher amorosa e coração valente, que criou doze filhos, com fé e esperança e que agora pelo seu trabalho, seus atos, sua bondade esta nos céus junto aos santos.
    Sempre que olho esta fotografia, lembro de quando fui conhecer meus avós, tinha 5 anos e com emoção no coração lembro que era um dia chuvoso e frio. Estava junto de minha mãe e depois de dois dias de viagem chegamos a colônia dos nonos. Depois que desembarcamos do ônibus, caminhamos por uma estradinha localizada entre o campo e o parreiral e depois tinha um jardim florido. Foi por ali que encontramos o nono Júlio que vinha sozinho, caminhando abaixo da chuva, com a enxada na mão, sem guarda-chuva e o chapéu fixo na testa. A mãe o abraçou e depois eu o cumprimentei com o  respeito e a sinceridade de uma alma límpida e pura de uma criança. Então ele me levantou nos braços e disse:..”Sacramento ma che belo tossatel”. Ele tinha mais de 80 anos, mas era ainda um homem de força e que estava ainda trabalhando na colônia, eu embora ainda criança, jamais esqueci seu exemplo de trabalho, embora a sua idade. Depois chegamos juntos na sua casa e la  nos esperando a nona Odila com a sopa de capeletti, talvez amais gostosa que já provei, ela nos abraçou e depois antes de que adormecesse ela contou uma bela historia. Ela tinha mais de setenta anos mas era ainda  bonita e embora seus cabelos brancos, não envelhecera ainda.
    Sempre digo que orgulho não se carrega no coração, mas quando, com os olhos d`alma vejo a imagem de meus avós e lembro de seu exemplo de vida, seu trabalho e seu caráter pleno de bondade e honestidade, a consciência que me perdoe, mas naquele momento sinto muito orgulho  no coração.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.