Pagine

Clique para entrar

Clique abaixo para pausar a rádio ou ajustar o volume

sexta-feira, 29 de junho de 2018

La Campana - Mario Ricardi - Letra, vídeo e Tradução

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.
Para baixar essa música, clique aqui.

Sugestão de postagem: Sonia Regina Piuco



Italiano

All'alba la doménica mattina
Rintocca nella valle la campana
È quella del paese su in collina
E dona a tutti la felicità.
Pian piano si spalanca la finestra
E nel paese l'aria di gran festa
è questa la campana del paese
Donando a tutti la felicità.

Parlato "La pizzica"*

All'alba la doménica mattina
Rintocca nella valle la campana
È quella del paese su in collina
E dona a tutti la felicità.
La gente con suo àbito piu bello
e un uomo con un fiore su'l occhiello
Cammina sulle strade del paese
E ed un profumo senti di caffè

All'alba la doménica mattina
Rintocca nella valle la campana
È quella del paese su in collina
E dona a tutti la felicità.
È questa la campana del paesello
Che suona a tutti quanti par oselo
È quela del paese su in colina
Donando a tutti la felicità.

Tradução para português

Ao amanhecer de um domingo de manhã
Toca no vale o sino
Aquele da cidade sobre as montanhas
E doa a todos a felicidade
Aos poucos se abrem as janelas
E na cidade ar de muita alegria
É esse o sino do vilarejo
Doando a todos a felicidade.

Ao amanhecer de um domingo de manhã
Toca no vale o sino
Aquele da cidade sobre as montanhas
E doa a todos a felicidade
As pessoas com suas vestes mais bonitas
e um homem com uma flor no ilhó
Caminha pela estrada da cidade
ESentindo um perfume de café.

Ao amanhecer de um domingo de manhã
Toca no vale o sino
Aquele da cidade sobre as montanhas
E doa a todos a felicidade
É esse o sino do vilarejo
Que toca a todos como um passarinho
Aquele da cidade sobre as montanhas
Doando a todos a felicidade.



Obs: A parte falada "La pizzica"* significa um tipo de dança, essa dança do vídeo.

Postagem e tradução: Jaciano Eccher
Sugestão de postagem: Sonia Regina Piuco




Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Sensa Vocassion

Ascoltemo el scritore far la narassion?



Sti ani, in quel tempo che quando se andea in ciesa í òmeni i andea de na banda e le done
de nantra, gaveva nte la campagna un toso, inteligente e pien de ambision anca franco e
sinsero zera una persona benévola, tuti i ghe voleva ben, el suo sogno zera andar andar de star
ntea cità, par stuadiar e la cumpir so destin, cossì no`l gaveva gnanca una volontà de laorar
ntea colonia. Suo martírio zera doperar el picon, la sapa e la manera, í ranconi, questi i so
nemighi.

Un giorno quando el gaveva 14 o 15 ani de eta, suo pupà se ga stufà de la so sensa vóia de
laorar ntea colònia e el ghe ga dito:..
-Fiol. Cosa l`é preferìbele par te. Andar ntea colònia sapar e ribaltar mato o star sensa far gniente, buta zo insieme dele formighe del vignal? 
El toso ga sbossà un soriso par dir:..
- Si, Si pupà mi preferisso butarme zo insieme dele formighe del vignal!

 In quel momento al paron ga vignesto su l`é fumane, penso mi che el ga mola anca due o tre porchi, quel vìssio bruto de bestemar, parvia che cossì zera costume locai i ga sempre vivesto cossì. Dopo con ràbia el paron lo ga ciapà par la récia par menarlo al vignal insieme dele formighe. Alora in quel momento che la emossion l`é più forte che la rason, la mama del toso una santa dona, co`l cuor pien de dolcessa, co`i òcii pieni de lácrime ga imparonà una decision e la ga dito a suo sposo:...

- Nò, nò Giuseppe per carità no sta mea far cossità, se no`l vol laorar ntea colònia che`l vaga studià come interno nte´n seminàrio, col intùito de farse prete o religioso.

Cossì el toso ga andato cumpir so destin, tutavia ntel primo mese che'l zera ntel seminàrio drio studiar par esser prete, el se ga incorto che no`l gaveva mia vocassion, par far quel mistier e no`l podea pi vederse la. Cossì el ga domandà al monsignor, paron del seminàrio, el permesso par ritornar a casa. El monsignor un santo omo, lo ga scoltà con passiensa e dopo con parole de sapiensa e suavità ga racomandà al toso par che se indenociesse zo e co l`ànima piena de umiltà far na mùcia de preghiere, par domandar scusa per i ogni sbàlii e tanti pecà, che dopo la vocassion bela e forte gaveva de vegner rento de so ànima e cuor.” Anca el ghe ga dito:

-“Bisogna che te cave via dei sarvei quel bruto projeto de andar via del seminário.”

L`é parole de sapiensa del monsignor no ga mia incontrà ripercussion, ntele rècie del
toso parché el gaveva deciso de andar via del seminário. Alora el ga medità par due o tre
giorni, par catar una stratègia de come far par guadagnar la so libertà. Cossì el ga adotà una
ciavada piena de simplissità. La ga fato funcionar dopo de una stimana che el gaveva parlà co`l
monsignor e nte una note, buta zo nel leto el ga fato un pissamento che tutiquanti i ga visto e
sentisto e dopo el ga scominsià a dir a tuti una granda busia, el parlea:..

- Scuse a tutiquanti parvia che me ga scampà, questa pissadela, penso mi che go de ver qualche guàio parché go sevità a pissar tuta la note. Alora ntea tersa note che el ga fato quela ciavada de pissamento in leto, ga vignesto su l`é fumane al monsignor e el ga perso la passiensa, cossì lo ga manda via
del seminàrio.

Contento el ga ciapà le so robe e presto el ga andato via casa. Però el ga stato pochi giorni
insieme de so genitore, parvia de come no`l volea mia laorar ntea campagna, ga toca andar via,
par compir so destin ntea cità granda e dopo de un tempo el se ga marida co una bela tosa e el
ga divetà un pupà che gaveva un comportamento che serviva d`esémpio a tutiquanti e come
el zera un toso de inteligensa e ambission co`l guadagno de suo laoro el ga impienisso l`é
scarsele de soldi.

Ademar Lizot.




Tradução para português


Houve um tempo em que na igreja os homens ficavam separados das mulheres, pois neste
tempo tinha na colônia um rapaz inteligente, ambicioso e também franco e sincero, bem
quisto na vizinhança, era pessoa divertida, seu sonho era morar na cidade, assim não tinha
vontade de trabalhar na roça. A enxada, a picareta e o machado eram seus inimigos.
Certo dia quando tinha 14 ou 15 anos de idade, o seu pai, cansado de sua pouca serventia,
lhe disse:
-Filho o que preferes, ir na roça trabalhar ou ir no parreiral deitar junto das formigas?



O rapaz até esboçou um sorriso para dizer: 

- Prefiro a companhia das formigas no parreiral! Seu
pai ficou furioso, o pegou pela orelha para conduzi-lo ao parreiral, então sua mãe, uma santa
mulher, implorou ao marido, assim numa decisão tomada em cima de emoção e não de razão,
sugeriu que o rapaz fosse encaminhado ao seminário para estudar a padre.

Assim o rapaz foi estudar, porem já no primeiro mês no seminário ele teve a certeza que não
era possuidor da vocação necessária para aquela nobre função, por isso solicitou permissão
para retornar a casa materna. O monsenhor o escutou com a paciência de um santo homem e
depois com palavras de sabedoria, o aconselhou a pedir em orações perdão dos vários
pecados que depois o Senhor lhe concederia a vocação.

As belas palavras do monsenhor não encontraram eco nas ouvidos do rapaz, pois ele já
estava decidido a não permanecer no seminário, assim por 2 ou 3 dias ele matutou numa
estratégia para conquistar sua liberdade. Adotou uma estratégia simples porem eficaz, que ele
botou em ação uma semana depois quando um dia de noite deitado na cama fez de proposito
uma mixada de bexiga cheia que molhou toda a cama e foi percebida por todos. Assim depois
da terceira noite de cama molhada o monsenhor liberou sua saída. Ele pegou suas roupas e
retornou contente para sua casa, porem depois de poucos dias, como não queria trabalhar na
roça, foi cumprir seu destino numa cidade grande. Depois de um tempo casou-se com uma
bela moça e tornou-se um ótimo pai de família e com inteligência e trabalho conquistou sua
independência financeira.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 27 de junho de 2018

A ORIGEM DO SUCESSO BELLA CIAO DE CASA DE PAPEL



Adesso el mondo el conosse una canson che noantri taliani e italiani la conossemo a dècade, de pi de un sècolo in verità. Si trata dela canson Bella Ciao (spùncia qua par veder la tradussion e testo).
El vìdeo che go fato li su ze in portoghese parché anca i brasiliani i possa capire, ma son sicuro che te piaserà e depì che questo condividerà co'i tui amici. Alora scrise anca ti su'l mio canale del You Tube personale.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 25 de junho de 2018

La fiama de San Gioan de sti ani

Tuti lo conosse o almanco i brasiliani le feste giunine e la Festa de San Gioan ma incoi vólio racontar per voaltri la festa ntela mia comunità.
La pa'i ani novanta ntela pìcola comunità de "Alto da Serra", ntel paeselo de Três Palmeiras ntel Rio Grande do Sul gaveva due sposi de nome "Agenor e Rosa Silveira" che ensieme co'i so fioi e el aiuto de tanti visini i ghin feva la Festa de San Gioan con la fiama, vin boiesto con altre condimenti che ntel Brasil se ciama "Quentão" e tanta, ma tanta mùsica e alegria.
I pareciamenti par la festa scominsiava due o tre stimane prima del di 23 de giugno. Chi gavea i giughi de bò con la careta o anca con le catene i giutea tirar via fora del bosco grosse bore de piante seche par far la Fiama de San Gioan.
L'era una festa sémplice ma che veniva gente de tuti cantoni de quela cità e anca de altre cità de avicinansa. La sucedea sempre ntela note del di 23 de giugno fusse el di dea stimana che fusse.

Nel di dela festa mi e me fradel, feva i bravi fioi, se dimenticava fin la pigrìssia de tosati noantri giutava i nostri genitori de paura che i dassesse noantri casa. E come l'era mia tanto lontan se ndea a pie o con la careta, sempre co'l feral in man par s-ciarir la strada e come i me genitori e anca noantri ancora da cièi se piasea cantar e sonar se porteva ensieme i violoni (chitare acùstiche) e la armónica e se canteva par tuta la strada.

Sonadori intorno a la fiama, tosati che i corea par de qua e par de la drio giocar, done che ciacolea fra de lore, cossì lera la festa che par me l'era la piu bela festa dela vita.
Ricordo che un colpo de questo noantri se gavemo dimenticà casa i fuminanti par impissar el fogo ntele bombete de far s-ciochi e semo ndati domandar a la Rosa, che zera la parona dea festa. Come ela sempre li gavea par via dei sigri, la ga scominsià tirar via par fora del portatete (sutiã) le carte, i soldi, pàia pa'i sigri, el fumo e fin che vien fora i sofanei (fuminanti).
El momento pi forte dela festa zera la mesa note in punto quando l'era ora de pestar su le brase che gaveva vansà dela Fiama de San Gioan belche smorsada. Una note de questa un omo visin de noantri ga bevesto tanto vin che ntel ora de pestar le brase el ga perso el fià e ga cascà ensieme le brase, poareto alora si el se gà cipà un bruto brustolon ntei bràssii.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 18 de junho de 2018

El Sonador de Gaita dela Colònia (campagna) - Ademar Lizot

Ascolta con la narassion del Lizot spunciando soto:


Talian

Suo nome nissun lo savea, penso mi che gnanca lu no savea. L`éra un giorno fredo de
inverno del ano de 1944, quando el ga capità ntel paeselo dei me noni. Che el vignea de un
posto a lontan, se podea veder in so òcii strachi, parvia del grando viàio montà a caval. Ntel
momento che el ga rivà ntea casa de mio nono Umberto, el ga domandà permesso, par
desmontar. alora el nono ga dito:
- “ Vien zo del caval, bever un bicier de vin.” 
El foresto ga desmontà, cavà via el capel dela testa e compagno de un nòbile de Spagna, el ga saludà a tuti quanti, cossì de man in man. El gaveva una vestimenta sensa lusso, bombàcia de brin mesa
vècia, capel co la strica de corame, mèio dir barbicasso, che el passea par soto del barbin, par el
vent nò portarlo via dea testa. Ntel sinturon, fora un cortel col mànego e la froda d'argento, el
porteva una s-ciopeta ( revolver), penso mi che de calibro 38, che in quei ani zera mistier de
necessità, soratuto par i viàii solitàrii. Ntei pié un bel per de stivai con le spore de cìnque dedi,
però sporchi de pantan (barro). Ntel col, el porteva un fassoleto bianco de seda, come se`l fusse na
cravata e nte le spale, ligada su par una cordeta de coro el portea una frinfrogna, mèio dir una
gaita de botoni, o come i parla í gaussi dela Provinsia de San Piero, una oto basso.

L`éra un omo de statura, de pi de 1.90 de altessa, cavei negri, mostacioni longhi e una vose
potente e ciara come quela de`n cantor de ciesa. Parleva sempre con la tranquilità de chi ga la
fedùcia de suo coràio. In quel giorno che el ga rivà, dopo de bever una sboconada de vin, con
civiltà el ga dito:
- Gràssie paron par la vostra ospitalità, permesso che me presento...
- Mio nome e anca soranome l`é “Serapião” e fau el laoro de sonar la gaita par far la animassion dei
baile e feste. El piasere dea me vita l`é veder l`é persone che baleva alegremente, bisogna che
sèpie che mi son nato ntei campi dela cità de Soledade, fiol de pupà brasilian e mama taliana.

De mio pupà, go imparà a sonar la gaita ancora de ceo e dela mia mama go impara a parlar el
idioma Talian e soratuto, con so dolcessa, la me ga insegnà l`preghiere e la credensa in Dio e la
Madona.

Alora el nono ghe ga ofrio ospedaletà, questi zera i costumi locai in quei tempi che l`é
persone gavea umiltà e simplissità. Cossì el foresto se ga acomodà nte una pìcola stansa del
paiol, andove se depositea el mìlio e quel zera vodo e lu alegro ga acetà. Dopo de quel giorno
fredo de inverno ntel ano de 1944, el ga risolvesto de star par due o tre mesi, ntel paeselo dei
noni, par sonar una múcia de baile e dopo de ciapar una sbranca de schei, andar via a altro
posto. Dopo par tanti ani el ga ritornà al paeselo dei noni, la par sora í monti e quando i savea
che la animassion del baile zera del Serapião vignea gente de altri posti a lontan.

Adesso go la fedùcia de dir che l`é stà el pi talentoso sonador de gaita che se gavea in quei
tempi. Nte so man grande el gavea la forsa par ribaltar un caval, però anca la suavità de chi
fà una magia e con perìssia e incanto fea suo ofìssio. Cossì quando i so dedi scominsiea
arpegiar í botoni dela gaita, vegnea fora la rissonansa de mila osèi, co`l sonar de la più
campana, insieme de una melodia che fea nostra ànima impienirse de contantessa. Par tanti
ani el ga ritornà, par riveder i amici e far la animassion de baile e feste in tuta la colonia.

Ntei ani otanta del sècolo passà, un giorno ga vignesto una notìssia che ga maltratà nostro
cour... El Serapião zera morto e la gaita vècia la ga portata via insieme nel casson.

Cossì zera el sonador dea campagna, che co suo talento, l`era un gran artista e co so ànima de bontà el ga menà alegria e felissità a quela gente dela colònia, scarsa de divertimenti e co`l son dea so
gaita de oto bassi ga dindola la passion de tanti morossi dea colonia. Dopo tanti ani, ntel
silénsio de me ànima, me par de scoltar ancora el tintinar de quela gaita vècia, el son più belo
che go mai sentisto!

Ademar Lizot.



O Gaiteiro da Colônia

Seu nome ninguém sabia, acho que nem ele mesmo sabia, foi num dia frio do inverno de
1944 que chegou na colônia de meus avós, “Linha Bonita”. Que vinha de longa distância, se
via nos seus olhos cansados, devido a longa viagem a cavalo. No momento da chegada o
forasteiro pediu permissão para desmontar, então meu avô lhe disse:...
-Apeie me acompanhe num vinho”.
O vivente apeou do cavalo, sacou o chapéu da testa e com fidalguia
cumprimentou a todos, assim de mão em mão. Todos virão que ele se vestia sem luxo, usava
bombacha de brim cinzenta, desgastada pelo tempo, chapéu de aba larga, preso num
barbicacho de couro que passava por baixo da barba negra. Na cintura uma guaica, para levar
os pilas e além de uma adaga de cabo prateado, trazia atravessado um trinta e oito,
ferramenta necessária naqueles tempos para quem viajava solito. Nos pés calçava um par de
botas, cano alto, presas num par de esporas de cinco dedos, estilo “chilenas”. Nos pescoço,
atado o lenço branco de seda e nas costas, atada por um cordão de couro trançado, trazia uma
gaita botoneira de oito baixos.
Era um Homem de estatura, mais de 1.90 de altura, tinha cabelos negros, bigode grande e
farto, voz potente e clara, igual os cantores de igreja. Falava sempre com a tranquilidade de
quem tem confiança em sua coragem. Naquele dia, depois de beber um gole de vinho, com
educação ele falou:...-Obrigado meu patrão por vossa hospitalidade, permita que me
apresente, meu nome e também meu apelido é “Serapião” e o meu serviço é tocar esta
sanfona na animação de bailes e festas por essa colônia afora. Meu prazer é ver as pessoas
alegres bailando. Sou dos campos de Soledade, meu velho pago querido, sou filho de pai
brasileiro e de mãe italiana. De meu pai aprendi o ofício de gaiteiro e de minha mãe aprendi a
falar o idioma Talian e principalmente a dizer as orações e ter fé em Deus e Nossa Senhora.

Naquele dia meu avô lhe ofereceu hospitalidade, o que era lei naqueles tempos de gente
simples e sincera. Foi acomodado num quartinho nos fundos da casa, o qual aceitou com
alegria. Assim depois daquele dia frio do inverno de 1944, o gaiteiro resolveu ficar por dois ou
três meses, para animar alguns bailes e festas e assim juntar uns pilas na guaica.

Foi num dia dos anos 80 do século passado que veio uma notícia que judio nossos corações, o
Serapião foi-se embora e a gaita velha foi no caixão. Sempre tive a certeza de dizer que aquele
gaiteiro foi o mais talentoso naqueles tempos. Suas mão tinham força para derrubar um
cavalo, mas também a suavidade e magia necessárias no manuseio da oito baixos. Assim com
talento de grande artista e com sua alma plena de bondade, muitas alegrias levou aquela
gente simples da colônia.

Agora depois de tantos anos, as vezes no silencio de minha alma, até parece que escuto
novamente o tinido da oito socos da gaita do Serapião, o som mais lindo que já ouvi.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 17 de junho de 2018

El ciùcio dei bambini - Ernani Fazolo

Son dato catar el nono la setimana drio e la ciàcola a medèsima de tante volte: Le cose de 'na volta. Gavemo scominsià a parlar dei bambini e el nono domanda chi saveva come che l'era el ciùcio dei picinini nte’l so tempo de bambim. Mi no saveva, però ì zii che ì zera insieme si. Alora el nono gà scominsià a spiegar, che el ciùcio de 'na volta l'era un fagotin fato de un strassoleto ligà con farina de polenta o anca sucro rento, (compagno se vede nte'l ritrato). Se rento gaveva sucro el resteva dolso e i picinini ciucieva fin che el sucro se feniva. Natra cosa che i genitori feva, l’era “sporcar” el ciùcio con butiro e dopo darghe ai bambini (no sò se par copar la fame, o par che “el restesse manco rugno” de tegner in boca). In tel quel giorno, un zio gà racontà anca che la so mama netea i ciùcii dei cèii con cafè. Dopo che i bambini vegneva pì grandi e i tocheva molar el ciùcio, i genitori i lo pociea nte’l azeo e deva par i pìcoli che i ciucesse, alora come l’era amaro, i lo molea e no i ciuceva mia pì. Maginàrsela che cosa bona che’l resteva?

Che son rivà casa, gò ciapa un strassoleto e farina e gò proa far un ciucieto par curiosità. L’è vegnesto fora bel, par quela gò fato el ritrato che se vede quà.

Ernani Luiz Fazolo
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 13 de junho de 2018

El Sìquerio de Sant`Antoni - Responsório - Por Ademar Lizot

Quando la nona, con la fàcia iluminata par la fiama de una candela, preghea el Sìquèrio de Sant`Antoni, fin la tempesta se s-ciarea.

Cossì la preghea:...

Se de un miràcolo gave el bisogno, contra el mal e la perversità
Risserca a Sant`Antoni, che presto te tenderà!
La so intersession,
Fá s-ciarir la tempesta,
Scampa via la pèstia, el sbàlio e la morte, El fiaco daventa forte,
Al infermo ritorna la salute,
Rompe el cárcere più perverso
Anca el recupero de quel che se gaveva perso!
La maledission dei òmeni la se moderà e se retira,
Cossì parla quei che ga visto, í Padoani e altri tanti!
Glòria al Pare, al Fiol e al Spìrito Santo!
Cossì come zera ntel prinsìpio
Adesso e sempre, par tuti í sècoli dei sècoli amem.

Ademar Lizot.



Responsório de Santo Antonio



Quando nossa avó, com a face iluminada pela chama de uma vela, rezava o responsório de Santo Antonio, até a tempestade cedia.

Assim ela rezava:...

Se milagres desejais, contra o mal e a perversidade,
Recorrei a Santo Antonio, que não lhe falhara jamais!
Pela sua interseção, foge a peste o erro e a morte,
Quem é fraco fica forte,
Mesmo o enfermo fica são!
Rompem-se as mais vis prisões,
Recupera-se o perdido,
Sede o mal embravecido dos mais fortes furacões!
Os males humanos, se moderam e se retiram,
Isto atestam os que viram, os Paduanos e outros mais!
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 12 de junho de 2018

El Sogno de la nona - O sonho da avó - Ademar Lizot


La nona Carolina, gavea na granda devossion con Sant`Antoni, anca la zera una persona
de credensa, de speransa e de carità. Credensa in Dio e so bontà, speransa de un mondo mèio
e carità, la regina de tute le virtù.
Ntel scomìnsio del sècolo 20, ano de 1913, un ano dopo del naufràgio e sfondamento del
“titanic”, quela nave maestosa la più granda e moderna del mondo e che ntel momento dea
partensa par el so primo grando viàio in diression a la Mérica, i engegneri responsàbile dela so
construssion, òmeni pòvari de spírito e sensa fede, i ga dito che quela nave gnanca el Signor-Dio la sfondaria, però vanti dela nave rivar in so destin, in meso al mar, la se ga spacà contro una
montagna de giasso. In questo ano de 1913, la nona Carolina gavea 30 ani de eta, la zera una
signora bela e imponente come zera la so credensa in Dio e rento de suo ventre la portea un
bambin. In quel ano, nte una note freda del mese de giugno la se ga insonià con Sant`Antoni, e
in quel sogno la ga visto el suo Santo de devossion, che ga capità davanti a so òcii, con
vestimente de simplissità e umiltà, con la fàcia iluminata de serenità e pace e co`l bambin Gesù
ntei brassi, e dopo el ga parla con dolcessa e verità:..
”- Signora Carolina, el picinin rento de tuo ventre le un màs-cio, belo e forte, el ga de nasser a sùbito, ntel giorno 13 de questo mese, medesimo giorno de mio compleano e el suo primo nome ga de èsser Antonio.
Cossì ntel giorno 13 de giugno de 1913, ntel paeselo dei noni, una signora bela e
imponente, a casa sua, ga partorìu un bambin, màs-cio, belo e forte de nome Antonio,
compagno del santo dea credensa dela so mama.
Questa stòria, me ga racontà la zia Gasparina, parvia che pròpio cossì la ga scoltà dea so
mama. Cossì tuti ani, ntel giorno de Sant`Antoni e anca giorno de mio pupà, ricordo de questa
stòria, una de le più bele dea nostra faméia.

Ademar Lizot.

Tradução para português

Minha avó Carolina, tinha devoção a Santo Antonio, era uma mulher de fé, esperança e
caridade. Fé em Deus e sua bondade, esperança de um mundo melhor e caridade, a rainha de
todas as virtudes.
No começo do século 20, ano de 1913, um ano depois do naufrágio e afundamento do
“Titanic”, aquele navio majestoso, o maior e mais moderno do mundo na época, e que no
momento de sua partida para a sua primeira viagem em direção a América, os engenheiros
responsáveis pela sua construção, homens pobres de espirito e sem fé, disseram que aquele
navio nem Deus afundaria. Porem antes de chegar ao seu destino, no meio do mar, contra
uma montanha de gelo se partiu. Neste ano de 1913, a senhora Carolina tinha 30 anos de
idade, era bela e imponente, igual era sua fé em Deus e dentro de seu ventre trazia uma
criança. Pois naquele ano, em uma noite fria de inverno do mês de junho, ela sonhou com
Santo Antonio, ela viu seu santo de devoção, que apareceu em frente aos seus olhos, com sua
vestimenta simples e humilde, com sua face iluminada de serenidade e paz, e segurando em
seus braços, ao lado do coração, o menino Jesus, depois com palavras de doçura e verdade Ele

falou:..-Senhora Carolina, o pequenino dentro de teu ventre é um menino, no dia 13 nascera e
belo e forte a de ser, seu nome será Antonio.
Estas palavras, escutei de minha tia Gasperina, pois bem assim sua mãe lhe contou e por isso
todos os anos, no dia de Santo Antonio e dia de meu pai, relembro com emoção desta história,
uma das mais belas de minha família.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 8 de junho de 2018

O Dojão (EL Dojon) Valdir Anzolin - Letra e tradução

Para ver letra e tradução de outras músicas ´clique aqui.
Para baixar essa música, clique aqui.

Sugestão de postagem: Walter - Ràdio Radise

Talian


Un giorno me go inrabià la me sapa go molà e go dito al me paron
Resto con la me metà, po'l esser che son sbalià  e vui comprarme un camignon
Son ndato a Porto Alegro go comprà de un bruto negro un Dojinho marelon
L'era tuto riformà, tre volte go rabaltà vanti  rivare a Mussun.

Lo go messo in ofissina, go impiniu de gasolina e ghe go sgionfà i penei
Son ndato cargar formento, patate e ua a Bento par vansarme qualche schei
Ntela safra cargo mìlio e la fiola del Zampilio che la ze zo dei sarvei
La vol esser me morosa me mama la vol na sposa per dar dei bambini bei

Cargo fumo e anca bore dele volte se ocore meno i malai al dotor
Meno ensieme me sorela par parar la manivela quando no'l ciapa el motor
Sto doje ga na maniera che'l tranca la cremaliera pol esser che sia el rotor
lL boie su par la riva dele volte el me incativa e me fa fin trucà el color

Un giorno par carità na mudansa go cargà de un che ndea star a Bento
Zo dela riva das "Anta" go impirà rento una pianta che le stato un spavento
Go spacà tuto el casson par sora, un tiro un sasson che me stora el catavento
dela paura chi sa le mudande go broà e zo par le braghe cramento.

Dopo de questo spauron lo'l go vendesto el dojon par finir de tribulare
Co'i soldi che go vansà na colònia go comprà le mèio ndar sapare
Cossì le stata la stòria quando la gente si vóia sol per la sapa volare
L'é mèio cavar la tera che parar la manivela se el motor no'l vol ciapar

Tradução para português

Um dia me embraveci joguei minha enxada fora e disse pro meu patrão
Fico com minha metade, pode ser que eu esteja enganado mas quero me comprar um caminhão
Fui para Porto Alegre e comprei de um negro feio um Dodge amarelo
Estava todo reformado, capotei três vezes antes de chegar em Muçum

Eu o levei pra oficina, enchi o tanque e calibrei os pneus
Fui carregar trigo, batatas e uva em Bento para sobrar-me um pouco de dinheiro
Na safra cargo milho e a filha do Zampilho que é fora da casinha
Ela quer ser minha namorada minha mãe quer uma mulher que dê lindos filhos

Carrego fumo e até lenha e as vezes se precisa levo um doente ao médico
Levo junto minha irmã pra tocar a manivela se o motor não quiser funcionar
Esse Dodge tem uma mania que tranca a cremalheira pode ser que seja o rotor
Ele ferve o motor na subida as vezes fico bravo que até troco de cor

Um dia por caridade carreguei uma mudança de um que ia morar em Bento
La na Serra do Rio das Antas eu acertei uma planta que foi um grande susto
Quebrou toda a carroceria por fora, um puxão, uma enorme pedra que me quebrou a ventoinha
Quem sabe do medo eu me borrei as cuecas e fiz nas calças

Depois desse baita susto eu vendi o Dodge para deixar de sofrer
Com o dinheiro que sobrou uma colõnia de terra comprei é melhor ir carpir
Assim termina a história de quando a gente tem vontade de fazer a enxada voar
É melhor capinar a terra do que tocar a manivela quando o motor não quer pegar

Postagem e tradução (não literária): Jaciano Eccher




Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 6 de junho de 2018

La scàtola de sendre

Quando vien fora questi giorni fredi me ricordo dela me infànsia, ricordo quando se zera ciei e el pupà el ghe catava fora una maniera de scaldar i nostri pie.
Cosa el feva? El ciapava la scàtola de sendre del fogon e meteva brose rento e dopo un per de stechete de legno par far come se fusse una grìlia (grelha) e noantri pestea su par scaldarse i pie.
La mama che la diventea cativa parché se sporchea la casa.
Ma intanto se scaldea em camin del fogon la fora em sufiea tanta fumana, bianca o anca mesa scura se'l legno fusse meso mòio e intanto el camin lo feva el so laoro anca noantri aspetava le patate brustolarse ensieme anca con la polenta e formàio.
Se zera poareti ma contenti in questi momenti. Altro di go ledesto una stòria del Ademar Lizot qua ntel sito e me go sentisto el personàio dela so stòria parché el ghe parlea dela matina darente el fogon.
Pochìssimi èrano i momenti che se gavea polenta e salame, ma col formàio, ovi o le patate come go dito prima sempre se gavea e le ze bone le patate dolse ensieme col cafè e late.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 2 de junho de 2018

La Matina de la mia infansa - As manhãs de minha infância - Ademar Lizot

Í me genitori sempre í se alsea sú bonora...
Vanti s-ciarir el di, a l`alba, sìnque ore, sìnque e un pochetin, la fiama del fogon l`era impissà
e l'àqua de la sialera drio boier, par far el simaron e dopo el café.

Prima de tuto, vanti alsarse sú del leto, í fea l`é so preghiere al Signor e la Madona, dopo in
cosina, intanto che la mama pareciava el simaron, el pupà impissea la fiama del fogon e dopo el
sentea in so carega predileta in torno del fogon, in testa suo capel de pàia de formento, el se
vestiva sempre con robe sensa lusso, la ùnica vestimenta de lusso che`l gaveva par vestise ntei
giorni de festa, zera una bombàcia grossolane de brin sénare de confession artegianal, fate in
casa par la mama, dopo un fassoleto bianco par strender nel col e un capel de feltro, che´l
porteva co l'ala scavensada in sú, caraterìstica de chi no ga mea dèbiti con nissun. La mama,
sempre bela con so fassoleto in testa, dopo de taiar la polenta par brustolar ntea siapa del
fogon, sentea par bever el simaron. In quel s-ciarir de di dea mia infansa, qualunche che
passea davanti dea nostra casa, podea veder la strissa de fumana del camin del fogon, drita in
diression al cielo. In quel tempo anca mi levea su bonora del leto e quando rivea ancora meso
indormesà ntea cosina, la mama me ciapea ntei bràssi un pochetin, dopo la me sentea dadrio
del fogon ntea cassa dea legna, el mèio posto dela residensa. Mi zera el pupin dea casa, gavea
4 o 5 ani de età, í me fradei pi vècii í zera belche maridadi e de star in altra casa a lontan. Sempre
penso che go nassesto par sbàlio, parvia de la difarensa de la mia età con la età de me fradei.

Tutavia sempre rigràssio al cielo, parvia che`l destin, ntea mia infansa me ga regalà co`i me
genitori solamente par me. In quei momenti de matina bonora ntea cosina, stea fermo su con
le récie, parvia che me piasea tanto scoltar l´é parole de verità, parole de due ànime gemele
che`i se volea tanto ben, che`i parlea sempre in Talian e par lori, quelo zera el mèio momento
del di, parvia che el rispeto e el amor fra de lori, stea ancora più forte e mi se anca picinin, go
imparà cossì, co`l esémpio de mio pupà, che la genorosità, la dolcesa, el rispeto e l`amor, ze
la mèio condota de un omo con so sposa. Questa imàgine la go par sempre rento dea mia
scátola dei ricordi.

Cossì zera el s-ciarir del di ntea mia infansa de tossatel povereto, scarso de robe, de scarpe o
de altri regali, però una infansa piena de contantessa, soratuto parché el mio pupà zera el
signor Antonio e la mia mama la Signora Luiza e lori i me ga fato con caprìcio, con òcii che vede
ben, cuor che bate forte e pien de amabilità e soratuto i me ga insegnà la credensa nte un
Signor-Dio, pien de bontà e giustìssia.

Ntele matine dea mia vita, no go mea portà avanti el àbito benedeto de levar sú bonora,
compagno de mei genitori, parvia che so un omo de altro tempo e adesso che so drio viver in
meso de paredoni de concreto, no go mea pi la gràssia de scoltar la orchestra benedeta de la
natura insieme del cantevo dei osei e gnanca el osamento del gal no'l go pi la gràssia de scoltar.

Tutavia í insegnamenti che go eredità del pupà e mama, í ze par sempre dento de me ànima.
Adesso de matina, quando insieme de mia sposa, ntea cosina, semo drio bever el simaron e
parlando con rispeto e dolcesa, quelo l`e par mi un s-ciantin che me vien el sentimento che`l
pupà Antonio e mama Luiza, i ze nantra volta vissini a me. Alora co´i òcii saradi me par de
sentir che`i me passa la cuia del simaron cossì de man in man e anca me vien la fedùcia che
con so ànima de simplissità, i ze drio benedir a noantri due.

Ademar Lizot.



Tradução para português



Meus pais sempre acordaram cedo demais...

Ao clarear o dia, pelas cinco horas, o fogo já estava aceso e a água para o chimarrão no
ponto certo. Antes de sair da cama eles diziam suas orações. Depois na cozinha, enquanto a
mãe preparava o chimarrão, meu pai acendia o fogo e aquentava a água para o mate sentado
em sua cadeira predileta ao redor do fogão, com seu chapéu de palha de trigo.

Sempre se vestiu sem luxo, suas única vestimenta de luxo para os dias de festa era uma bombacha de
brim cinzenta, simples e rustica, que a mãe mesmo costurava, tinha também um lenço branco
de seda para usar em volta do pescoço e um chapéu preto de feltro que ele usava com a aba
erguida na testa, característica de quem não deve nada para ninguém. A dona Luiza, sempre
bela com seu lenço na cabeça, cortava as fatias de polenta para sapecar na chapa do fogão e
depois sentava para beber o chimarrão.

Naquelas manhãs de minha infância, quem passa-se na frente de nossa casa, veria um filete
de fumaça em direção ao céu, saindo da chaminé de galo na ponta. Naqueles tempos eu
também saltava cedo da cama, chegava na cozinha ainda meio dormindo, ganhava o colo
gostoso da dona Luiza e depois sentava na caixa da lenha atrás do fogão, para mim o melhor
lugar da casa. Eu era nenê, tinha 4 ou 5 anos de idade, meus irmãos já estavam casados e
morando distante.

Eu nasci no tempo errado, devido a diferença de idade com meus irmãos, mas também
agradeço aos céus pelo destino em minha infância ter me presenteado com meus pais
somente para mim. Assim naquelas manhãs de minha infância, sentado na caixa da lenha, eu
ficava calado, porque gostava de escutar as palavras de meus pais, palavras sinceras de duas
almas que se queriam bem. Aqueles momentos eram os melhores do dia, porque o respeito, a
generosidade e a doçura revigorava o seu amor. Assim aprendi a maneira que um homem
deve tratar sua esposa, com respeito, doçura e amor.

Assim eram as manhãs de minha infância, de menino pobre, porem feliz, principalmente
porque o meu pai era o Seu Antonio e minha mãe a dona Luiza e eles me fizeram muito bem,
com boa visão e coração forte, que bate pela simplicidade e a generosidade e me ensinaram a
ter fé em um Deus de bondade e justiça.

Nas manhãs de minha vida eu não mantive o abito sagrado de meus pais de sempre
a levantar cedo demais, até porque sou um homem de outro tempo, entre os paredões de
concreto que vivo, não tem espaço para a orquestra divina dos pássaros e nem do canto galo
sou merecedor, porem nas manhãs de minha vida, sempre que estou mateando junto de
minha prenda querida, me vem o sentimento que a dona Luiza e o seu Antonio estão junto a
nos, mateando, passando a cuia assim de mão em mão e com sua autenticidade nos abençoando.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››