Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

terça-feira, 31 de março de 2020

El Benedeto Formento - Ademar Lizot

Ascoltemo la stòria:

 

                                          
El Benedeto Formento

    Altro giorno  go amirà una bela piantassion de formento drio querzer i campi con so color gialdo-oro e co l`é  so  spighe come se l`é fusse milioni de fassoleti indoradi sgorlando al vent, carghe de grani picinini, e piene de vita, un vero testimònio dela grandiossità dela natura e dela bontà del Signo-Dio, e osservando a pian quele spighe, me ga vignesto el sentimento che i omini i ze compagno a le spighe de formento,  drite in sù e orgoliose, quando vode e inclinade e ùmile, quando piene de grani maduri, par ofrir la so dàdiva a quei che i ga fato la piantassion co`l sudor che che corea zo par el viso, co`l  fadigoso laoro de arar i campi co`i bovini e dopo semenar i grani. Al di d`ancoi le ben difarente de sti ani, quando tuto l`era fato a la forsa dei bràssi, adesso la stessa màchina la taia le spiche, la fa la racolta e sgrana i grani. Ricordo che nte l´època dei nostri noni, zera nte l`primavera che se fea la racolta del formento, zera giorni de  festa, mèio dir giorni de completa fradelansa in che i visin i vignea  par iutar co le messore che taiea ben e i scominsiea el laoro  de matina bonora e la par le nove, un tossatel portea el sestel co`l merendin,  salame, formaio e na mùcia de fete de polenta brustolada e quando vignea un bon ano ntela rossa, se stea tuti contenti parchè se podea impienir i sachi de grani, dopo l`éra metesto al sol par che i se sechese e metesti via in cantina.  Questa zera la paga par tuta la fameia, zera la paga par la fadiga del laoro de un  ano, l`éra soratuto la garantia de no star mea  sensa el benedeto pan, che   par i  contadini, el gavea un stragrando valor, parchè el constituìa tante volte, insieme dela polenta,  la pi importante manera de mantègnerse ntel magnar de ogni giorni el zera anca considerà un mistier benedeto, che mai el zera butà via, se`l caschese par tera el zera tolto su e dopo se ghe dea un baso rispetoso, un baso de amicìssia e quando se gavea abondansa de formento, alora ntela colassion dela domènega,  la mama podea pareciar un magnar pi gustoso,   bìgoli, o la minestra de capeleti e al dopo el meso di la delíssia dei  grostòli.
     Al sabo de matina zera el momento de rostir el pan par tuta la stimàna, alora la mama  con so fassoleto in testa fea la misturà dela farina co àqua, levà e ovi, dopo lo mèscolea e lo batea, intanto quel  pupà infiamea el fogo e quando el pan l`éra   ben impastà lo acomodea rento del forno de sassi e matoni. In mesa ora se podea sentir el profumo del pan rostì, el meio  profumo dela mia infansa e come che zera bel  quando la mama lo tirea fora del forno, lo magneva ncora caldo, sensa paùra che ciapar qualche mal de testa o de pansa. Di d`ancoi me par de sentir ncora in boca el  gusto de quel pan boníssimo, però ntel transcorsso dela vita go imparà quel pan pi delicioso, che se magna a pian, con grando gusto, l`é el pan  spartilia  co`i fradei.

Ademar Lizot.


(Tradução)                 O Sagrado trigo
     Uma bela lavoura de trigo cobrindo os campos de amarelo-ouro e suas espigas como se fossem milhões de lenços dourados acenando ao vento com seus grãos tão pequenos, e tão cheios de vida é sempre um testemunho da grandiosidade da natureza e da bondade do Criador e observando detidamente as espigas do trigo, tenho a impressão que os homens são iguais a elas que se erguem orgulhosas, até arrogantes quando vazias e depois quando enchem e amadurecem, se inclinam e dobram humildemente para oferecer seus grãos aos que trabalharam lavrando a terra a boi e pisando no próprio suor. Hoje em dia a colheita do trigo é bem diferente daquela do tempo de nossos avós, quando fazia-se tudo na força dos braços, agora a mesma máquina corta as espigas e recolhe os grãos. No tempo de nossos avós era na primavera que se colhia o trigo, era um dia de festa, de completa fraternidade, quando os vizinhos também ajudavam, com suas foicinhas afiadas, o serviço começava de manhã bem cedo e la pelas 9 horas um menino trazia a merenda, salame, queijo e fatias de polenta sapecadas na chapa do fogão. Quando dava um bom ano na roça, todos ficavam contentes porque podiam encher os sacos e caixas de grãos, este era o pagamento pelo trabalho de um ano era também a garantia de não faltar o pão sagrado que para os colonos ele tinha um grande valor, pois constituía muitas vezes junto com a polenta o mais importante alimento de cada dia, assim era considerado sagrado e jamais desperdiçado, se caísse ao chão, era imediatamente recolhido, com um beijo respeitoso, um beijo de amizade. Quando se tinha farinha de trigo em abundancia, então o almoço de domingo era mais delicioso, com as massas, e as sopas de capeletti e a tarde os deliciosos grostòlis.
Aos sábados de manhã era o momento em que a mãe assava o pão de toda a semana, então ela misturava a farinha com água, fermento e ovos e depois batia a massa, enquanto o pai acendia o fogo. Quando a massa do pão estava crescida era colocada no forno já aquecido e da li um pouquinho sentíamos aquele aroma sublime de pão assado, o melhor aroma de minha infância.
  Depois de tantos anos, ainda parece que sinto na boca o gosto daquele pão que minha mãe assava, porem no transcurso de minha vida aprendi que o pão mais delicioso é aquele partilhado entre irmãos.
Ademar Lizot.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.