Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Figure de Altri Tempi

Ascoltemo la stória strucando soto:

 

                      


               Figure de Altri Tempi

    Sti ani indrio, quando el dolor fea parte dela vita e,  i medicamenti e dotori i zera s-ciari come l`é mosche bianche,  ai maladi restea solche una medissina primitiva, praticata par persone sensa gnancaun stùdio, ma parone de`n cognossimento singolar  eredità dela speriensa del passà e, co  la capacità de far el socorso a tanta gente.

   Cossì che zera el brau laoro dela partera che ga iutà a nasser sentinai de bambini. Sempre che ciamada la vignea svelta, anca soto piova e fredo.  La gavea  l`man picinine par el caso del bambin nò esser ben incasà, poder ribaltarlo ancora rento del ventre materno. La so prinsipal feramenta zera l`fòrbese che taiea el cordon del ombìgolo. Dopo la netea el pena nato e, spieghea el tempo giusto del bagno e, el tempo del riguardo dela mama e, quelo che podea magnar e bever ntel perìodo dela quarantena.   

    Altra persona benedeta zera  l`segnadora e curandera. Ntel dolse silènsio de so encanto, intanto che la preguea, con un rameto de ruda in mam la fea el seno de na stela in crose, mensonando i santi, insieme de Gesù e la Sacra Fameia. Co la so fede iremovìbile ntela Divinità, la gavea capasità par scompartiliar ensegnamenti,  passiensa par scoltar i maladi e sapiensa par tratarli con preghiere e sià de erbe, cossì la serchea de remediar l`salute e curar malatie. Sensa  gnancaun cognossimento de ipnose,  co`l poder dela mente, la fea el malà creder che zera possibile traverso dela so pròpia fede curarse.  L`é so preghiere gavea anca el poder de calmar el vent e,  s-ciarir l`tempesta.

   Altro che ga iutà tanta gente l`é sta el rangiador de nervi e ossi fora de posto. Sensa gnancaun corso de fisioterapista, el savea cossa quel fea parchè  el gavea svilupà na tènica tuta soa,  savea el punto giusto ndove palpar par far tuto ritornar a so posto e con meno dolor al passiente tratà sensa anestesia.

    Però el laoro pi bruto l`éra del cavador de denti, che de odontologia l`éra scarso de cognossimenti. In tanti paesei el caregon del dentista zera quel del barbero, che fora de taiar cavei, gavea anca el ofìssio de far siapa e cavar denti. Quando nò gavea ancora anestesia l`caciassa calmea el dolor e, dopo  sià de malva par resentar la boca e far gargareso, fin che ga vignesto el èter par far la indòrmia, alora l`é sta un solievo par tutiquanti.

    Gràssie infinite a queste figure del tempo antico, che nò ga i mai negà socorso a nissun.  Persone che nò  domandea paga par el so brau laoro, se paghea quelo che se podea e, par la so capacità, bontà e carità, l`é ga assà par noantri un legado quel progresso ga desmentegà par esser cose del passà.

Ademar Lizot.

                    Figuras do passado

         Naqueles tempos em que a dor fazia parte da vida e, os remédios e médicos eram raros, só restava aos doentes procurar uma medicina rústica, exercida par pessoas simples do povo, mas possuidoras de um conhecimento singular, herdado de gerações passadas e, embora sem nenhum estudo tinham a capacidade de socorrer e curar as pessoas.

       A parteira que ajudou a nascer centenas de crianças, era uma senhora de mãos pequeninhas, justas para se preciso virar o bebe de um lado a outro ainda dentro do ventre materno, pois muitas vezes ele não estava no ponto certo e bem encaixado para o nascimento. A sua principal ferramenta era a velha tesoura que cortava o cordão umbilical. Era também sua função dar o primeiro banho no recém nascido e explicar para a mamãe o tempo certo para o repouso e, ensinar o que ela podia e não podia fazer, o que poderia comer e beber e, o tempo e a temperatura certa da agua para o banho da criança.

      Abençoada eram as benzedeiras e curandeiras, no doce silencio de seu encanto, enquanto rezavam baixinho, com um ramo de arruda nos dedos faziam o sinal de uma estrela em cruz, citando além de Jesus a Sagrada Família.  Possuidora de fé irremovível tinham a capacidade de compartilhar ensinamentos, paciência para escutar os enfermos e sabedoria para amenizar suas dores. Com orações e chás de ervas procuravam remediar a saúde e curar enfermidades. Sem nenhum conhecimento de hipnose, só com o poder da mente induziam o paciente a acreditar que com o poder de sua fé era possível curar-se e, assim as suas orações tinham o poder de suavizar o vento e acalmar a tempestade.

       Outro que muita gente ajudou foi o arrumador de ossos e músculos que era um fisioterapeuta pratico, sem curso nenhum. Era quase sempre um homem velho que havia desenvolvido uma técnica toda sua. Com braços longos e mãos fortes, tinha uma técnica particular para apalpar o osso e musculo machucados e depois faze-los retornar ao ponto certo.

       Porém o trabalho mais bruto era do tirador de dentes que de odontologia tinha poucos conhecimentos, em alguns lugares a cadeira do dentista era aquela do barbeiro, que além de cortar cabelos tinha o oficio de fazer chapas e arrancar dentes, as vezes sem anestesia, só a cachaça acalmava um pouco a dor e, o chá de malva para lavar a boca e fazer o gargarejo. Depois quando chegou o ‘éter’ foi o alivio que todos esperavam.

       Muito obrigado a todas essas figuras do tempo antigo, que jamais negaram socorro aos aflitos. Pessoas que não pediam nada em troca e, que por sua bondade, dedicação e caridade, deixaram um legado que o progresso esqueceu por ser coisa do passado.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 4 de maio de 2021

Grupo Brasil Talian - O começo de uma nova história

 

Essa é uma postagem história e marca início de uma nova era. É o início do GRUPO BRASIL TALIAN. 

Depois do Gruppo Italiani in Brasile que deixou de existir em maio de 2017 com o último clipe gravado intitulado Cara Mama agora eis que o destino me traz mais uma vez a alegria de poder cantar em TALIAN. Em 2017 infelizmente por circunstancia de mudança não só de cidade mas tbm de estado (do RS para o PR) precisei me afastar dos palcos e a banda deixou de existir. Depois de 4 anos aqui em Corbélia-PR já a um bom tempo conheci Os Irmãos Bandiera e fiz uma proposta pra eles e eles aceitaram prontamente. Estamos de volta, ou melhor, ainda se preparando já que ainda estamos em período de pandemia e não está saíndo festas, mas assim que voltar ao normal estaremos animando festas, jantares dançantes, casamentos, festas tradicionais, não só voltado a música italiana/talian mas também a música gaúcha e moda de viola com sertanejo raiz para explorar ao máximo o talento desses irmãos.

Hoje no cano gravamos 2 clipes musicais que estarão disponíveis já nos próximos dias no Canal Brasil Talian, trata-se de MAMMA e NON TI VOGLIO PIU.

Em fim, resolvi fazer essa postagem hoje mesmo assim mais de forma de notícia mesmo porque hoje dia 04-05-2021 nasce uma nova história. É o começo do Grupo Brasil Talian


Confira nosso primeiro clipe musical:



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Tosato cantando ensieme co'l nono - Vìdio

 

Questo vìdio chi ne ga mandà ze stato el maestro Vinícius Benvegnú. Ntel vìdio dela sanca par la drita ze lu(Vinícius Benvegnú), el nono Inelson Grison, el toso studente de mùsica Vitor Grison, dopo la so nona Rosa Variani Grison e el violonista e mastro Tito.

El vìdio ze stato fato par de drio dela casa dela fameia in Serafina Correa-RS. Me ga piasesto tanto saver che ancora ga gente con la preocupassion de ensegnar talian ai cei.

Me ga piasesto anca quela tola piena de cose bone, vin, pan, panòcie e altre cose bone.

Varda el vìdio:
 
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

La stòria del Bepon - Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto:

 

 

                      


                          La Stòria del Bepon

         Compare impresteme paia e un tochetin de fun, che intanto che parecio un paieron, te conto l`stòria del Bepon.

    Giuseppe zera el so nome, ma i ghe ciamea de Bepon, parchè el zera grando e, san come un pal de guasuvira. Quei che par la prima volta lo cognossea, i se spaurea par la bruta figura quel fea; co de pi de metro e otanta de altessa e, altro tanto de larghessa, storto de`n òcio e, mostàcii longhi, sempre impastàdi de sebin, pròpio giusti par scolar i moschin del vin. El gavea el costume de giusto ntel punto del meso di, capitar ntela casa dei visin e, la so pansona podea contegner tantìssima polenta, formaio e scodeghin. Ma tutiquanti lo volea ben parchè el zera un giovenot de ìndole bonassa e, paron de una forsa prodigiosa, come quela del bò brasino e, ancora de bambino el so piaser de cristian zera  ntela Santa Mesa far el mistier de Sacristan. Quando el zera drio laorar, el tintinar dele feramente lo assava tanto contente e, quando el zera a laorar in colònia, i brasiliani quei passea par la stradeta in serca de bodega e caciassa, intra de lori i se disea: ’-Oigalete!  Mas que gringo trabalhador.’

     La vècia Michelina che l`éra la so nona, anca Ela una figurassa, che fumea sìgaro paiero e bevea caciassa e, solche lori due i gavea na vita bonassa.  Però se ga fini questa tranquilità quando el se ga impassionà e, perso la tramontana, parvia de una tosa de nome Mariana. “-Smorosar con me fiola gnanca pensar, parchè te se mèso fiaco dei sarvei e soratuto scarso de schei.” Dopo de questa risposta piena de brontolamento el povero Bepon ga intra in constante patimento e, quando fea de pi de`n ano quel zera tristo e malincolico, co la vita indrio cul, ga vignesto la notìsia che ntel sabo de quela stimana  andea maridarse la so Mariana. Alora ntel giorno del matrimònio, el ga restà pensativo e, un sciantin vanti sera, dopo de darghe un baso rispetoso a so nona, el ga dito che`l andea tor legna e, dopo de una sboconada de una pura caciassa el ga ciapà paià, fun e una sogheta e, co`l capelon in testa el ga anda fin al bosco e, de soto dela pianta pi saliente, un angico imponente, el se ga fermà e, come se fusse l`ùltima volta quel fea quel mistier, el ga parecià e impissà el sìgaro e, intanto quel molea par ària na fumana, el ga rampegà sù par l`pianta e, el ga ligà l`sogheta nte`n galio ben riforsà e, vanti de finir de fumar el se ga passà ntel col la sogheta e, co`i òcii ben verti, nte`n colpo el ga saltà  zo.

    Ntela domènega de matina un tosatel lo ga incontrà, de soto dela pianta impicà. El zera co`i òcii spalancadi a rabalton, ntela testa ancora el capelon e, ntel viso la spression de chi se ga copà parvia de una passion, confermando che nò se pol mia viver sensa amor.

   E adesso ntela so tomba ga scrito; -Qua riposa el Giuseppe, che ga perso la tramontana parvia dela bela Mariana.

Ademar Lisot.

(Trad.)                               A História do Bepão

Compadre, me empresta paia e fumo, que te conto a história do Bepão!

Giuseppe era seu nome, mas o chamavam de Bepão, pois era grandão e são como um tronco de guajuvira. Quem o via pela primeira vez até se assustava com sua figura, com mais de metro e oitenta de altura e outro tanto de profundidade, cara de brabo, meio torto de um olho e, bigodes empastados de graxa. Ele tinha o costume de no ponto do meio dia visitar os vizinhos e, em sua barriga cabia três litros de vinho e muita polenta e radicii. Mas todos o queriam bem, pois era um jovem de  boa índole e possuidor de uma força prodigiosa, quase como a do boi brasino e, ainda de menino o seu prazer de cristão era na Santa missa fazer o serviço de sacristão. Quando estava trabalhando, o tinido do aço das ferramentas o deixavam contente e, aqueles que o viam diziam: ‘ Oigalè! Mas que gringo trabalhador.’

   Não tinha irmãos nem pais, só a velha Michelina sua avó, ela também uma figurassa que fumava palheiro e bebia cachaça e, só eles dois viviam felizes. Porém esta tranquilidade terminou quando ele se apaixonou por uma moça de nome Mariana. “-Namorar com minha filha nem pensar, pois tu és fraco de dinheiro e ideias.” Depois desta resposta o pobre Giuseppe entrou em constante tristeza e, quando fazia mais de ano que estava depressivo, então veio a notícia que naquela semana iria casar-se a sua Mariana. No sábado do matrimónio ele permaneceu pensativo e um pouco antes do anoitecer, beijou a testa da vovó e disse que ia buscar lenha e, depois de beber um trago de uma pura cachaça, botou o chapelão na testa e pegou paia, fumo e uma soga. Quando chegou no mato parou abaixo de uma arvore saliente, um angico imponente, então picou o fumo e preparou o paiero e, enquanto fumava trepou na arvore e no galho mais reforçado atou a soga. Fumou mais um pouco e, antes de terminar o cigarro passou o nó da corda no pescoço e, com os olhos bem abertos, de supetão saltou para o infinito.

   No domingo de manhã um menino o encontrou pendurado no galho do angico. Estava com os olhos esbugalhados, na testa o chapelão, na boca preso nos destes o toco do palheiro e, no rosto a expressão de quem havia se matado de paixão.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 20 de abril de 2021

Ricordi de Soledade - Ademar Lizot

 Ascolta la stòria spulciando soto: 


 

                                                                Ricordi de Soledade

           


            Questo l`é un relato de quando nò gavea mia gnancaun pecato!

     Gavea poca età quando a la cità de Soledade gavemo ndato de star. Dei ani sessanta zera el prinsìpio e, par nostra fameia un novo scominsio.  Nte quel tempo Soledade zera una cità  vibrante, in che la vestimenta a moda gaussa l`éra predominante.  L`é done de vestì longhi, porteva un fioreto ntei cavei e, i omeni de stivai, bombàcie e, fassoleto nel col,  la seda bianca dei ‘ximanghi’ e, de color de sangue dei ‘maragati’ e, in onor a quel pano i se copea se pressiso.  La cità gavea fama de violenta, ma ancora cossì, el pupà ga volesto andar la de star e, el se ga stabilio come paron de una sorascaria. La carne de piegorin el comprea del vècio Firmin,  de bovino vignea del stansiero Riograndino e, quela de porcel, dela granza del Natanel. El camerier zera el Tonin del Bepon e, la parona dela cosina, la signora Gioachina, na donassa che pesea de pi de novanta e, par cosinar gavea na man Santa.  Cossì in poco tempo gavemo conquistà na fedele clientela e, sinsieri amicii  gavemo catà.  Un zera el Assis un libanes pròpio cortes.  Gavea anca el Demaman,  un bon cristian, ma squasi sempre co`l bicier de vin in man.  Un tipo saliente l`éra el vècio Vicente, rivolussionàrio nel 23, mèso orbo de`n òcio, sensa e una rècia e un tochetin del naso, ma ancora valente. Ricordo del Aparicio Santana, che de cativo gavea la fama, svelto par manesar el cortel, ma fiaco de sarvel.  Gausso aotentico l`éra el negro   Dorival, maragato domador de cavai, cristian de fondamento, el zera la pròpia imàgine dela Provìnsia de San Piero. 

 De quel tempo indesmetegàbile un momento presiosso l`é sta quando par l`é onde dela ràdio Guaiba se scoltea un ciamamento del goernador Brisola, un vero clarin de guera convocando i gaussi par difender la Legalità, alora el mio  pupà, che no`l zera mia de quei  spaurà, el ga ligà nel co`l un fassoleto de seda bianca, ornà co`l distintivo  del Rio Grande e, de volontàrio el se ga presentà.

     E cossì  finisso questo relato de quando nò gavea mia gnancaun pecato e, se anca la poca età, solche co le gambe rento de una bombàcia me  sentiva a volontà e, adesso dopo de tanti ani, de Soledade, fora la saudade el ùnico  presiosso ben che me resta l`é un fassoleto de seda bianca,  relìchia de mio pupà.

Ademar Lizot.

                                                  Lembranças de Soledade

      Este é o relato de quando eu não tinha nenhum pecado!


   Tinha menos de cinco anos de idade quando, à cidade de Soledade fomos residir. Era o principiar dos anos sessenta e, para nossa família um novo recomeço. A cidade era vibrante com a tradição predominante. A maioria dos habitantes trajavam à moda gaúcha; as mulheres de vestidos longos e uma flor no cabelo e, os homens de botas, bombacha e lenço ao pescoço, a seda branca dos chimangos e, a cor de sangue dos maragatos e, por aquele pano morriam se preciso. Toda aquela região tinha fama de violenta, mas nosso pai, assim mesmo decidiu por lá residir e comprou no ponto central uma churrascaria. A carne de ovelha comprava do velho Firmino, a de bovino vinha do estancieiro Riograndino  e, da granja Natanel a de suíno. O garçom era o Antoninho do Bepão e, a cozinheira a senhora Joaquina, que mais de noventa kilos pesava e mais de cem pratos preparava  Assim em pouco tempo conquistamos uma   fiel clientela e, sinceros  amigos, como o compadre Cobalchini, sempre elegante de terno e gravata. Muito cortes era o Assis, um jovem Libanês e, apaixonado por nossa irmã, porém seu amor não era correspondido.  Ainda lembro do velho Demaman, um bom cristão, mas sempre com o copo de cachaça em mão. Um tipo saliente era o velho Vicente, revolucionário em 23, sem uma orelha e do nariz um pedaço, meio cego de um olho, mas ainda valente.  Fama de brabo tinha o Aparício Santana, meio fraco das ideias, mas ligeiro no manejo do facão. O gaúcho mais autêntico era o negro Dorival, maragato domador de cavalos. Era um tipo de fundamento verdadeiro representante do Rio Grande antigo.

    De todo aquele tempo, o momento mais inesquecível foi quando pelas ondas da rádio Guaiba se fazia sentir o chamamento do Governador Brisola, convocando os gaúchos em defesa da Legalidade, então meu pai, que não era dos mais assustados, atou no pescoço um lenço de seda branca com o escudo do Rio Grande e, com suas “ferramentas” se apresentou voluntário.

    Assim finalizo este relato de quando tinha tão pouca idade e, só com as pernas dentro de uma bombacha me sentia à vontade e, agora depois de tantos anos, de Soledade além da saudade o único precioso bem que resta é um lenço de seda branca, relíquia de meu pai.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 13 de abril de 2021

I marangoni de na volta - Vìdio e testo in talian

 Sti ani indrio gaveva professin che incoi non gavemo pi. I scarperi, i spassacamin, i impissadori de candele e anca i marangoni.

In questo vìdio son ndato catar un amigo mio che fa el marangon. Non come se fea sti ani in drio ma me ga fato ricordar el me nono. 

Me nono gavea in cantina una tola grossa de legno che zera el posto de far repari nele cose che se spacha. Anca par par màneghi par sapa, ronconi, manara e altri atresi.

Te invito a vardar el vìdio e comentar se anca ti te ga visto una cosa cossìta e anca se te ga piasesto del vìdio non sta mia desmentegar de iscriverti. Strucon, a presto.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 10 de abril de 2021

El Vècio Contadin - Ademar Lizot

Ascolte la stòria spunciando soto:

 

 

                   


                        El Vècio Contadin

    Sentà nte`n bancheta fata a facon un vècio contadin beve el simaron. L`é un s-ciantin vanti sera e, ntela man sanca el ga la cuia e ntela drita la l`sialera. la barba grisa ghe impresta una imàgine de profeta e, insieme el ga un cagnet che contento ghe fà na festa. Par l`é  so man storte e piene de calossità, se pol veder el  tanto quel ga laorà.  Ntele rughe del viso, la vita trè parole  ga scrito;  onestità,  umiltà e  dignità.

    Adesso el ze meso fiaco par i fredi de lùio e, sensìbile al vent gelà del agosto e, la so principal paura ze la ombria del futuro e de nò saver pi far gnente in un mondo che sà tuto e, fora la malinconia, ghe resta solche la consolassion del caldo dela cuia ntela palma dela man, insieme dei ricordi del passà e dela saudade che de so vita se ga imparonà.

    El so clarin de guera l`é el ronco del simaron, quando  el pensa ntela tera che`l ga assà alontan e, intanto quel beve quela aqua con gusto agrodolso de pitanga, i pensieri ghe cascà dosso come una canga e, cossì meso sbassà, el se domanda se el tempo ga passà o, l`é sta Lu che ga passà, parchè el mondo si ga cambià, la colonia l`é squasi sità, el ciareto in làmpada fiorente ga daventà e, la aqua pura dela fontana con venen i ga contaminà e, parvia dela modernità i fioi e nipotini se ga dispersà, tutiquanti in serca de studiar, parchè l`é mèio esser dotori che andar sapar.

   El so vero amico l`é el vècio simaron, che atento scolta i so desgusti e, afetuoso che oferta el so sàngue verdoso, co`l profumo del zasmin, dela sàlvia e del rosmarin e, se ancora cossì, una furtiva làgrima vol moiàrghe el viso, alora in quel momento presisso el se ricompoe, parchè pianzer nò l`é mia un lusso de`n contadin gausso e, gnanca una atitudìne dessente de chi gà taià a colpi de manera el angico imponente.

   E quando el sol l`é sconto alontan e, l`sialera tuta voda in man, alora el se parecià un sìgaro paiero, parchè nte quel s-ciantin,  molar par ària na fumana l`é  el ùltimo piaser che resta a un vècio contadin. 

 

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 3 de abril de 2021

La Fionda - Ademar Lizot

 Ascolta la stòria:

 


                                                                 La Fionda

 


       I ricordi dela infansa,  tanto pressiosi, tanto  bei,  i fà parte del mèio capìtolo del libro dela  vita.

    De  pòvero tosatel l`é stà la mia infansa, però anca rico me considerea parchè visin ndove se stea gavea un rieto in che l`aqua cristalina corea par sora de sasseti, rotondi  sintilanti e pressiosi, parche i doperea de munission ntela  fionda, che fora de esser un scherso, la zera anca un  mistier dela mia stima, fato co le me man e, la mia siènsia.  Ma nò zera mia poche le dificultà che  incontrea par construir una bela fionda. Prima bisognea trovare un rameto, co la grossessa e la biforcassion pi coreta par esser la forchilia, che se lighea coi elàstiche de goma che se otegnea dele càmere  de una  bicicleta e, come  no go mai buo una quando  seri ceo, parche i schei del pupà i zera massa scarsi,  alora me tochea domandar al ‘borassero’, o far el cambio par una dùsia de ovi, tutiquanti catadi su nel punaro sensa la mama veder. Par acomodar el sasseto, bisognea un tochetin de coro, che  domandea al Scarparo,  che in quei ani  gaveva tanti, parché quando le siole dele scarpe l`é zera cossí guaste che se zera boni de dir el valor de na  moneda, se per caso se ghe pestesse sora a una, alora se mandea consertar  l`é scarpe, nò come di d`ancoi che se compra nantra nova. dopo de ligar i elàstiche de goma a la forchilia e a un tochetin de coro e, zera pronta na bela fionda. Ma  aver la arma e no ver munission, l`é stesso che no ver gnente, alora andea tor i sasseti  soto l`aqua del rieto, tuti tondi, ben calibradi par la dimensione dela fionda e, dopo andea in serca dei ogetivi par esersitare la mira, prima ntei palanchi, dopo ntele piante e, se anca gavea la mira ben giustada, a le volte sbàliea la sassada e spachea el viero dela finestra, alora tochea soportar l`é conseguense, che zera la confiscassion e destruission dela fionda par parte dei genitori. Ma dopo de una stimanina, quando i se desmenteguea del viero spacà,  pareciea nantra fiondina e, fora sassade. Una sassada che nò go mai desmentegà l`é sta quela che go copà el mio primo oselet. La go molada  fora sensa mirar, ma  la ga ndata drita al peto dela bestioleta,  che batendo l`é ale el ga cascà par tera pien de sangue e, quel senàrio me ga comovesto, parche  gavea meno de sèi ani de età  e, nò gavea mia  el capimento dela rovina che una sassada fà e, al vederlo cossì mal ciapà, de mai pi far quele robe go giurà e, co la speransa de poder salvarlo,  lo go mena casa, ma l`éra tardi. Alora la mama co dolcessa la me ga dito:..’-Nò sta mia disperàrte, parchè questo l`é un pecatin perdonàbile e, el Signor te perdonarà, parché el ga visto el patimento de to ànima, ma te racomando de sepolirlo ntel giardin, de soto dei gilii bianchi che compagno dei fiori quei rinasse ntela primavera, el ga de rinarsser ntel nido dela pianta più bela del bosco.’

  Quela note go  insognà co`l pòvero oselet e, dopo ntel transcorso dela  vita par tante volte me go sentisto stesso a  Lu, co na sassada nel peto e sensa poder far gnente.

Ademar Lizot.

 (trad.)                     Meu Bodoque

       As lembranças da infância, tanto preciosas, tanto belas, fazem parte do melhor capítulo do livro de nossas vidas!

 

    Embora de menino pobre tenha sido minha infância, eu até bem rico me considerava, pois perto onde morava tinha um riacho com agua cristalina que corria sobre pedrinhas redondas e cintilantes, que para mim eram preciosas, pois as utilizava em meu bodoque, um brinquedo de minha estima, pois o fazia com minhas mãos e minha ciência. Mas não eram poucas as dificuldades para fazer o bodoque: Primeiro tinha que por encontrar um galho com a grossura e a bifurcação mais correta para ser a ‘forquilha’, onde depois iria atar os elásticos de borracha de uma câmera que  pedia ao borracheiro, ou então  trocava por uma dúzia de ovos, todos catados no galinheiro sem a mamãe saber. Assim depois de reunir todos estes apetrechos era só atar as tiras de borracha à forquilha e a um pedacinho de couro e, estava pronto um belo bodoque e, só restava providenciar as pedrinhas depositadas no leito do riacho, todas redondas e bem calibradas e,  com os bolsos da calça curta cheios, procurava onde exercitar a mira; palanques da cerca, galhos da arvore, latas velhas e, as vezes também acertava os vidros das janelas, então tinha que suportar as consequências que eram a confiscação e destruição do bodoque por parte de meus pais. Mas depois de uma semana providenciava outro e, já saia distribuindo bodocadas e, foi com uma sem intenção de acertar que tirei uma lição para toda a vida;  pois mesmo sem mirar atingi o peito de um passarinho, que batendo as asas caiu no chão sangrando e,  aquele cenário me comoveu, pois tinha menos de sete anos de idade e não tinha o entendimento do estrago que uma pedrada faz e, ao velo assim ferido, fiz o juramento de jamais matar, de nunca mais  caçar e, como ele ainda estava vivo, com a esperança de salva-lo, correndo o levei para casa, porem era tarde, então minha mãe vendo meu pranto me abraçou e com ternura falou para não desesperar-me, pois aquele foi um pecadinho perdoável, cometido sem intenção e com arrependimento,  depois mandou sepulta-lo  no canteiro do jardim, pois como as flores que renascem na primavera, ele haveria de renascer em um dos ninhos da arvore mais bela do bosque.

  Aquela noite sonhei com o pobre bichinho e, depois no transcurso da vida, por algumas vezes me senti como Ele, com uma pedrada no peito e sem nada poder fazer.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 1 de abril de 2021

In mezzo al mare - Letra e vídeo

 Para ver ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.
Para baixar o áudio dessa música clique aqui.


Valdir Anzolin

Obs: Essa música tem nome "In Mezzo al mare" mas como o Valdir Anzolin fez ajustes para o talian traduzi no vídeo para "In meso al mare".

Talian

In meso al mare ghe un bastimento che sensa vento no'l pol marciar

In meso al mare ghe un scolio è un grande sbrolio per marinar

In meso al mare ghe una scarpeta è la barcheta del marinar

In meso al mare siel sol e stele son le sorele del marinar.


E viva el mar, e viva el mar e viva l' amor.


In meso al mare splende la luna è la fortune del marinar

In meso al mare ghe la boràcia che bela fàcia fa i marinar

In meso al mare ghe la tempesta ma non se resta in marinar

In meso al mare ghe una colona è la Madona del marinar.


E viva el mar, e viva el mar e viva l' amor.


In meso al mare ghe un pra di erba sensa la serva non si pol star

In meso al mare ghe un bel sasso serve ragasso del marinar

In meso al mare ghe una garafa sensa caciassa non si pol star

polenta dura formai de Olanda è la vivanda del marinar.


E viva el mar, e viva el mar e viva l' amor.


Português


Em meio ao mar tem um navio que sem vento não pode navegar

Em meio ao mar tem os recifes (rochedos) verdadeiras armadilhas para os marinheiros

Em meio ao mar tem uma sapatilha é o barquinho do marinheiro

Em meio ao mar céu, sol e estrelas são as irmãs dos marinheiros


E viva o mar, e viva o mar e viva o amor


Em meio ao mar a lua se esplende, é a sorte do marinheiro

Em meio ao mar tem uma garrafa(deágua) che bela espressão facial fazem os marinheiros (ficam felizes)

Em meio ao mar tem temporal mas não se pode continuar navegando

Em meio ao mar tem uma coluna, é a Santa dos marinheiros.


E viva o mar, e viva o mar e viva o amor.


Em meio ao mar tem uma pastagem sem a empregada não se pode ficar

Em meio ao mar tem uma linda pedra é o rapaz ajudante do marinheiro

Em meio ao mar tem uma garrafa, sem cachaça não se pode ficar

polenta dura queijo da Holanda é a comida dos marinheiros.


E viva o mar, e viva o mar e viva o amor






Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 27 de março de 2021

La Nona de tuti noi - Ademar Lizot

Ascolta la stòria: 

 

         


                     La Nona de tuti noi

        Questa ze l`stòria de una nona che go sempre ntela  memòria!

        La par i ani setanta, In quel tempo che se spalanchea porte  e se verdea el cuor, gavea una nona che la zera tuta dolcessa e benevolensa ai fioi e nipotini e, anca la distribuía i so afeti ai nipotini dei altri.  Arminda zera el so nome e, par Ela  la gavea solche un s-ciantin del tempo che ghe restea, ma serenità e terenesa ghe vansea.  Ntela so casa acoliente,  La ricevea a tuti c`un soriso calmo e sereno, sempre parlando la verità, La distribuía consìlii che la vècia sapiensa contempla, quela che decifra la inchietudine dela ànima e, insegna che l`é el pròpio omo che alsa su l`é so tempeste e, el tanto che de pi el inventa, meno capimento el ga dela so vita e, meno el cognosse a si pròpio.    Cossì par tanti quela nona la zera una fada confidente che  calmea l`é so aflissione e angustie,  confermando che la dignità fà parte del spìrito umano.

    Adesso tantíssimi ani fà che ga parti de questo mondo quela nona che gavea tanta dolcessa e umanità ntei òcii, ma la so imàgine iluminàta de serenità e pace, sempre me fà ricordar de na època tanto felisse e, questi ricordi se anca i ze predestinadi a fenirse, i sopravive driti ntela  memòria, parché fà parte dela ànima amar i momenti e posti felisse e, anca in pensiero ritornar a lori, l`é come se gavesse el poder de ritornar squasi cinquanta ani nte`n s-ciantin solo, par esser nantra volta ntel paesel che se stea, con so casete de taùle, símplice e ùmile, ma tutequante co le porte e finestre verte, co`i visini parlando in completa fradelansa e i toseti drio giugar e schersar, tutiquanti co la benedission de una signora de cavei grissi, semblante sereno e òcii pieni de umanità, la nona de tuti nòi.

Ademar Lizot.

       

                                                    A Vovó de todos Nós.

                         Esta é a história de uma vovó que tenho sempre na memória!  

       Lá pelos anos setenta, quando ainda se escancaravam portas e se abriam corações, tinha uma vovó que era toda bem-querença a seus filhos e netos e, também distribuía seus afetos a outros filhos e netos, de outros pais e avós. Arminda era seu nome e, para Si, Ela tinha apenas uma pontinha do tempo que lhe restava, mas o que lhe sobrava era ternura em seus olhos tão humanos. Em sua casa acolhedora recebia a todos com um sorriso calmo e sereno, sempre falando a verdade, distribuía conselhos que a antiga sabedoria contempla, aquela que decifra as inquietudes da alma e, ensina que é o próprio homem que cria seus abismos, pois quanto mais ele inventa, menos decifra seus traumas e, menos conhece a si mesmo. Assim para muitos aquela vovó era uma fada confidente que acalmava angustias e aflições, confirmando que a dignidade faz parte do espírito humano.

    Tantos anos se passaram desde que a vovó de olhos tão humanos partiu deste mundo, mas a sua imagem iluminada de serenidade e paz, me faz lembrar de uma época feliz e, essas preciosas lembranças, embora voltadas ao fenecimento, ainda assim sobrevivem, perenes eretas como uma pirâmide no plano de minha memória, pois faz parte da natureza humana amar os lugares onde foi feliz e, em pensamento retroceder a eles, é  como se eu pudesse  voltar quase cinquenta anos em um só momento e, estar novamente num dos  pátios de minha infância de cujas saliências e recantos não esqueço, depois sair a caminhar  pela inesquecível  Frei Caneca, sempre calma, sempre serena, com suas casas de madeira, algumas com paredes frágeis ao vento, outras com telhados amigo de goteiras, umas com flores nos gramados, outras nas soleiras das janelas, mas todas  de portões e portas  abertas, os vizinhos fraternos conversando e, nas calçadas as crianças brincado tranquilas, felizes e, abençoadas por uma senhora de cabelos tão prateados,  face tão serena e, olhos tão humanos, a vovó de todos nós.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 25 de março de 2021

El prete - Dialeto veronese e tradussion par talian

Dialeto veronese

Secondo Giovanni Novello sto dialeto ga parole de Verona e anca de Brescia

An òn al va a sonar al campanel.


a casa de l prete
e l prete l ghe dis:
- L entre, l entre sior, al vègne dentro,
al vègne su par le scale.
- Ste qua no le se ciama scale,
le se ciama salisendi - dis al òn.
E dopo l ghe fà - Ben ben,
ve dormande da dormir! -.
Alora al prete l ghe dis:
- Ve porte su l talvà,
dove che l é l fén -.
- Ma questo no l é l fén,
l é l posto de le cento erbe! -.
- Orco can, - dis al prete
- vardé che ò anca na gata -.
- Ma sta qua, no l é na gata,
l é la Madona de i Spàsimi,
parché l à do oci che slusega come fogo al ciar de luna -.
- Traverson al coridoio... -.
- Ma sto qua no l é al coridoio,
al se ciama traversoio
- dis sempre sto òn..-
Questa l é la me camera co l me let -.
- Ma sto qua no l se ciama let,
al se ciama riposoio! -.
- Queste l é le me zavate -.
- Queste no l é le zavate,
queste l é le frìtole-fràtole! -.
Intant, a forza de dai e dai,
i pasa davanti al loc indé
che i era picadi tuti i saladi.

L òn l dis: -
Varda qua, al Reverendo
quanti saladi che l à -.
- Questi no i é saladi!
- ghe responde l prete,
che l volea rifarse de le menade
- i se ciama angeli e arcangeli -.
- Sto qua l é l osacòl!
- continua l òn
-.No - dis al prete
- no l é osacòl,
l é al Signor Idio -.
Rivadi al talva, al òn al dis:
- Varda ti, ghe n é anca la fontana -.
- Ma sta qua no se ciama fontana,
la se ciama bondanza! -.
I se saluda e i va a dormir,
ma te l bel de la not l òn,
al ciama a gran vose al prete,
e l ghe ziga:

- Sior Paroco, sior Paroco,
al lève su dal ripo§oio,
al traverse al traversoio,
al méte su le frìtole fràtole,
al vae do par le salisendi
che la Madona de i Spà§imi
la slùsega gravemente
su l posto de le cento erbe,
e, se la vostra bondanza no ve iuta,
la calònega se brusa su tuta!.
Mi me ne vae
co i angeli e arcangeli,
ve lasio solo al Signor Idio
parché l sac al é pien
e no pòse portarmelo drio!



Tradussion par talian


Un omo el va a sonar el campanel
a casa del prete, el prete ghe dise:
- Vigné rento sior, vegné dentro,
vegné su par le scale.
- Ste qua no le se ciama scale,
le se ciama salissendi(su e zo) - dise l'omo.
E dopo l'ghe dise - Ben ben,
ve dormanda par dormir!
 -.Alora el prete l'ghe dise:
- Ve porto su'l paiaro,
dove che ze el fen -.
- Ma questo no l'é el fen,
ze el posto dele cento erbe! -.
- Orco can, - dise el prete
- vardé che go anca na gata -.
- Ma sta qua, no l'é mia na gata,
l'é la Madona dei Spàsimi,
parché la ga due òcii
che slùsega come fogo al ciaro de luna -.
- Traverson al coridoio.
- Ma sto qua nol'é el coridoio,
el se ciama traversoio
- dise sempre sto omo..-
Questa l'é la me càmera co'l me leto.
- Ma sto qua no'l se ciama leto,
el se ciama riposoio! 
- Queste l'é le me savate 
- Queste no ze le savate,
queste ze le frìtole fràtole! 
Intanto, i passa davanti al posto dove
che i zera picadi tuti i salami.
El omo el ghe dise al Reverendo:
- Varda qua, quanti salami che ga -.
- Questi no i ze i salami!
- Ghe risponde el prete,
che el volea rifarse dele menade in giro
- I se ciama àngeli e arcàngeli -.
- Sto qua el ze el ossacol!
Continua el omo
-.No - Dise el prete
- no'l ze ossacol,
Ze el Signor Dio -.
Rivadi al talva, el omo el ghe dise:
- Varda ti, ghené anca la fontana -.
- Ma sta qua no se ciama fontana,
la se ciama bondansa! -.
I se saluda e i va dormir,
ma te'l bel dela note el omo,
el ciama a alta vose al prete,
E'l ghe osa:

- Sior Pàroco, sior Pàroco,
Leve su del riposoio,
Traverse el traversoio,
Méte su le frìtole fràtole,
Va zo par le salisendi
Che la Madona dei Spàsimi
la slùsega gravemente
su'l posto dele cento erbe,
e, se la vostra bondansa no ve aiuta,
la calònega se brusa su tuta!.

Mi me ne vao
co'i àngeli e arcàngeli,
ve lassio sol el Signor Dio
parché el saco el ze pien
e no posso portàrmelo drio! 

Enviada por: Fábio Dalló
Postada e traduzida por: Jaciano Eccher

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 24 de março de 2021

La traversa dea nona - Fábio Dalló

 LA TRAVERSA DEA NONA.

 
   

La prima utilitá dea traversa dea nona, zera non sbregar el vestito. Dopo, se doperea come guanti, par tirar le padele del fogon. Ma quando i putei piandea se sugava le làcrime e anca se netava la fàcia sporca. Se portava biava ntel punaro e ritornava con ovi e anca i piti intro. Quando se vardava gente stragna se doperea par nasconder i tosati. Se el tempo fea fredo, alora con la traversa se escaldava o furse se sventolava par impissar le bronse del fogon, ma quando zera caldo se sugava el sudor. Mio amico dino ambròsio i suoi fradei al meso el fango, fea la racolta del riso con la traversa. Quando che la impienia se butava intro el saco e scominsiea nantra volta el laoro.
   Era lí che portava le patate e la legna seca ntela cosina. Del orto, servia come un sestel par butar intro pomodori, panòcia, ségole, teghe, ma anca tante pomi che cascava per tera. Furse qualchedun meso smarso, ma par far dolse zera boni.
   E quando la nona vardava par la finestra che veniva gente, di suito con questa benedeta traversa la tocava de netar la tola e le careghe. E prima de brustolar e basnar el cafè,  se sventolava fora le scorse giugando su e zo con la traversa e sufiando.
   Passarà tanti ani prima de vegner fora un`altra roba de questa, che ze par tanta utilità; la traversa dea nona.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 20 de março de 2021

Víver in colònia - Juvenal dal Castel.

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui

Para baixar essa música, clique aqui.


 

 Talian (original)



Parona, mi vui dirve na roba: I pol rider ma mi non go mia vergonha.

Tornemo indrio e ndemo viver in colònia.

____

Là ghè galine, gati, rati, cagni, pioti, rospi, oche, faraone, bèstie de mato

porchi, boi, cavre su pa’i potreri, gai che canta e tatù.

Là ghè vedei che i ciùcia ‘e tete de’e vache, anaroti, ozei che i canta su pa’e capoere,

sabià, ciraciore, poiane, corbi, colombi, saracure, e gnambù.

Brespe, ragni pelosi, lagardi e moschini che i beca i calcagni.

Stivaloni ai zenòcii par le giralache no becarne su.

____



Là ghè me pare, me mare me nona e cognada che fà bon de magnar e n’ocore pagar e vao coi toseti sensa guastar gnanca’n teston.

Lori i fà tanta question che ndemo troarli se ghe portemo presenti, o se ghe imprestemo soldi sensa giuro e ricever in truco de formaio e pan.

Su i due tre giorni i se stufa de noantri e i scomìnsia sufiar e noantri ne toca tórsela prima che ne tache adrio i can. (estrib)

_____

Là ghè fontane de àqua fresca, farfale que zola, lusariole, de note un mùcio de stele, e proemo ciapar barbastrii, ma i ze pi zvelti che noantri.

Can cativi toca mansarli e anca insegnarghe solche a sbaiarghe adrio ale bèstie e spaentar e spaurarle sensa darghe morsegoni.

Um giorno, doménega, in ciesa ghera na toseta piena de vergonha e go cognossesto felice la cosa pi bela del mondo. (estrib)

Tradução



Patroa quero te dizer uma coisaa: Podem até rir mas eu não tenho vergonha

Vamos voltar atrás e viver na roça.

____

La tem galinhas, gatos, ratos, cães, pintinhos, sapos, ganços, galinhas de angola, animais selvagens

porcos, bois, cabritos nos potreiros, galos que cantam e tatu.

La tem bezzeros que mamam nas tetas das vacas, patos, pássaros que cantam nas capoeiras,

sabiá, curuiras, gaviões, corvos, pombas, saracuras, e nambúi

Vespas, aranhas peludas, lagartos e mosquitos que mordem meus calcanhares.

botas até a altura do joelho para as jararacas não me morder.

____


La tem meu pai. minha mãe, minha avó e a cunhada que faz comida gostosa e não precisa  pagar e volto com as crianças sem gastar nenhum centavo.

Eles fazem muita questão que a gente vá visita-los se a gente levar presentes, ou se emprestamos dinheiro sem cobrar juros e receber em troca de queijo e pão. 

Em dois ou três dias eles enjoam da gente e começam cochichar então temos que sair de lá antes que tocam os cachorros na gente

_____

La tem fonte de água fresca, borboletas que voam, vaga-lumes, de noite muitas estrelas, e tentamos pegar morcegos mas são mais rápidos que nós.

Cachorros raivosos nós precisamos amansa-los e também ensinar a latir atrás das vacas e assustar e intimida-las sem morder.

Um dia, domingo na igreja encontrei uma menina envergonhada e assim feliz conheci a coisa mais linda do mundo.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 19 de março de 2021

Sogno co`l nono - Ademar Lizot

Ascolta la stòria:

 

 

         

 Sogno co`l Noneto

   Gieri sera me go insonià co`l  Nono, Lo go visto de capeleto in testa e, molando par ària na fumana de so pipade.

   Bona sera, go ghe dito!

   E alora caro Noneto, come steo li sù, ntei confini del firmamento?  Lé fin un pecà che nò son mia bon de scoltarte, ma porta passiensa che  voglio dirte sora i pensieri che go adosso e, te sicuro che questa ciacola nò la va mia longa.

    Nono, bisogna che te sèpie, che qua zo in tera semo drio patir bruti tempi, parché el mondo el ze malà e despedi dei dotori, par fin quel ga cambià de posto par fermarse de soto de una bruta pandemia che la se slonga par depi d`ano, con patimento a tutiquanti, come sei fusse drio viver par sora d`un stragrando formigher, ma de quei pròpio cativi.

   Nò, no`l ze mia la gripe spagnola, quela de sti ani de quando Te zera giovenot, questa  l`é nantra, pi cativa, pi crudele, che porta via  vècii e bambini, tutiquanti sensa poder tirar el fià e, l`umanità sacrificà parvia de questa soferansa camina sensa coraio e sensa speransa, soto el pianzamento de tante ànime che ga sparì.

   Si, caro nono, Lo so che un omo no`l pianze, anca del pupà go scoltà che un omo no`l se lamenta,  nò ocore mia spiegarme el vero senso de questa frase e, gnanca farme ricordar  che  nò go mia el mèdesimo  coraio che Ti e to fiol gavea, ma bisogno dirte che se go el semblante cossì triste, l`é parvia dela aflission e angustia che porto rento del peto, aflission par tanta gente  drio morir in agonia e, angustia parché l`umanità nò le mia bona de capir  che questa pandemia l`é un  mensàgio dela Divinità par tutiquanti  cambiar la so condota, par la vita esser pi semplisse e fraterna, parché nò se pol mia viver de sta manera, a rabalton, scarsi de sentimenti e, alontanadi dei insegnamenti de Nostro Signor Gesù Cristo.

  Gràssie infinite caro Noneto, par scoltàrme con passiensa e, adesso con vostro permesso  indenòcio  m`anima par dir na Ave Maria a la Madonina, domandar la so intersession, par cavar fora  el mondo  de questa bruta aflission.

Ademar Lizot.

(trad.)                    Conversa com o Nono

    A noite passada sonhei com meu Avô, mais o menos assim lhe falei...

    Boa noite, como estas ai nos confins do firmamento? Sim, sei que não posso ouvir-te, mas ainda assim necessito dizer-te da aflição que tenho no peito e, te garanto de ser breve.

   Nono, preciso que saibas que aqui na terra estamos passando por maus momentos, pois o mundo trocou de ponta e, se posicionou abaixo de uma cruel pandemia que a mais de um ano se alonga levando sofrimento ao povo.

  Não, não é a gripe espanhola, aquela que veio no século passado quando Tu eras jovem, esta é mais braba e, como aquela mata pobres e ricos todos sem poder respirar e, assim a humanidade sacrificada caminha sem coragem e sem esperança.

Prezado Nono, aqui em baixo está terminando este verão de dias sombrios em que a tristeza fez brotar um pranto sentido.  Sim, eu sei que um homem não chora, pois de meu pai também escutei que um homem não se lamenta, não precisa nem me explicar o sentido desta frase e, nem lembrar que minha coragem não é nem a sombra da de meu pai, mas saiba que meu semblante é tão tristonho porque trago dentro do peito aflição e angustia. Aflição por ver tantos inocentes morrer em completa agonia e, angustia por sentir que a humanidade ainda não entendeu que esta pandemia é um sinal, uma mensagem da Divina Providencia para que mudemos nossas condutas, para que a vida seja mais simples e fraterna, entender que não podemos viver assim sem sentimentos e distante dos ensinamentos de Nosso Senhor Jesus.

 Muito te agradeço meu Nono, por teres me escutado com paciência e, agora te peço licença para botar minha alma de joelhos e rezar uma Ave Maria, para que a mãe Aparecida, com a sua intercessão libere o mundo desta aflição.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 18 de março de 2021

Come zera la scola ani indrio

 


La nostra scàtola dei ricordi ze sempre piena de sentimenti boni e bruti. I sentimenti bruti sempre serchemo de smentegar ma i bèi ricordi i fa noantri zolar a ani indrio e reviver nantra volta quei bei momenti ùnichi dela vita.

Mi son sicuro che el tempo dela scola ze un tempo che noantri portemo un bel poco de sti ricordi. Ntel scola gavemo fato amicìssia, gavemo forsi cognossesto la prima passion, la prima moroseta, gavemo imparà cose che portemo fin incoi ntei nostri sarvei.

Alora parquesto che go fato sto vìdio parlando un poco del tempo dela scola. E intanto che scrivo ste parolete me ga vignesto in mente la ùltima mùsica che go fato che a mi piase tanto I dise che incoi ze mèio. In questa mùsica anca risgato un per de cose bone de sti ani.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 17 de março de 2021

Amici miei - Letra - Tradução e vídeo

 Para ver letra e tradução de outras músicas clique aqui

Para baixar o áudio dessa música clique aqui

Confira o vídeo:


Italiano

Quando ti prende la malinconia Pensa che c'è qualcuno accanto a te Vivere non è sempre poesia Quante domande senza un perché

Ma l'amicizia, sai, è una ricchezza È un tesoro che non finirà Metti da parte questa tua tristezza Canta con noi, la tristezza passerà Rit: Amici miei Sempre pronti a dar la mano Da vicino e da lontano Questi son gli amici miei Amici miei Pochi e veri, amici miei Mai da soli in mezzo ai guai Questi son gli amici miei Quando ritorna la malinconia Questa canzone canta insieme a noi La tua tristezza poi se ne andrà via E scoprirai in noi gli amici tuoi A volte basta solo una parola Detta ad un amico che è un po' giù Fare un sorriso che in alto vola Torna la vita e di nuovo si va su Rit: Amici miei Sempre pronti a dar la mano Da vicino e da lontano Questi son gli amici miei Amici miei Pochi e veri, amici miei Mai da soli in mezzo ai guai Questi son gli amici miei.


Português


Quando a melancolia te pega Pensa que tem alguém a seu lado Viver nem sempre é uma poesia Quantas perguntas sem respostas

Mas a amizade saibas que é uma riqueza É um tesouro que nunca acaba Deixe de lado essa sua tristeza Canta conosco que a tristeza vai passar Ref: Meus amigos Sempre prontos a dar uma mão De perto ou de longe Esses são os meus amigos Meus amigos Poucos e verdadeiros meus amigos Nunca me deixam sozinho em meio aos problemas Esses são os meus amigos Quando volta a melancolia Cante essa canção com a gente A sua tristeza então vai embora E descobrirá em nós seus amigos As vezes basta apenas uma palavra Dita a um amigo que está pra baixo Sorrir que assim voa alto E a vida novamente voltará Ref: Meus amigos Sempre prontos a dar uma mão De perto ou de longe Esses são os meus amigos Meus amigos Poucos e verdadeiros meus amigos Nunca me deixam sozinho em meio aos problemas Esses são os meus amigos





Postado por: Jaciano Eccher

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 16 de março de 2021

Una sbranca de frasi con dòpio senso nel talian

Te conossi frasi come, "su con le récie", "me fa vegner pel de oca", "daghe paia", "zo scarpon", "avanti con la stassion" e altre? Frasi in talian che ga dópio senso. Cose de sti ani desmentegade nel tempo. Questo ze el obietivo de questo vìdio. El vidio ze stato un sugerimento de Claudio da Silva Leira. Alora te domando. sei mia iscrito sul Canal Brasil Talian? El nostro canal va benìssimo con nùmero de visualisassion e anca iscriti però 80% dele persone che vàrdano i ze mia iscriti. Alora faghe la conta de quanti iscriti se podaria gaver... Ndemo zontar forsa par dassar nostro canal ancora pi grande. Tute le stimane gavemo vìdio novo, sipia de interviste, curiosità, mùsiche o altre robe.
 Adesso basta de parlar e ndemo al vìdio.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 15 de março de 2021

Un atreso de sti ani - Casemiro e Ernani Fazolo

 


A pochi giorni su'l canal BRASIL TALIAN Ernani fazolo ga metesto un vìdio che tante persone ga piasesto. El ga fato un'intervista co'l so nono Casemiro Fazolo e sto caro noneto parlea de un atreso che se doperea ani indrio par scaiar le tole para far bote e mastei. La bancheta saria una spèssie de scaiarol grandissimo e che con lu zera possìbile anca scaiar in grado. Una parte la tola diventava pi fina e l'altra pi grossa. Anca la scaiea in grado a modo che dopo de zontar una intacada a banda del'altra le tole feva la curvatura nessessària par far el sierco dela bote o del mastel. Vara el vìdio e se non te si scrito ancora fate furbo!!

Varda el vìdio

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 11 de março de 2021

Programa Daghe Paia Talian

 Português



Orgulhosamente apresentamos a vocês seguidores do nosso site e canal BRASIL TALIAN uma notícia fantástica. A partir do dia 17-03-2021 estreia mais um programa aqui no site e Ràdio Amici del Talian. Depois do Programa Brasil Talian (todas as quintas as 19:30) e Programa Filò co'l Gìgio (todas as segundas as 20:00) agora contaremos com o PROGRAMA DAGHE PAIA TALIAN todas as quartas-feiras das 19:30 as 20:30.

O programa será apresentado por Jacir Grando, cantor, radialista e criador das duas maiores páginas sobre cultura italiana no Facebook, a página Daghe Paia Talian e a página Taliani Bona Gente

Jacir tem 48 anos, mora em Erechim-RS e atualmente apresenta o programa Radise Taliane na Rádio Nova Onda-FM de Aratiba juntamente com José Zabot, já fez os programas, Talian la Nostra Vera Léngua na rádio Erechim-Am, programa Taliani in Festa na rádio Aratiba-AM junto com o professor Honório Tonial (in memorian) e programa I Nostri Ricordi na Rádio Gaurama. Ele também canta e compôs cerca de 30 músicas.

Para ouvir o programa basta acessar o site Brasil Talian (www.brasiltalian.com), caso você queira salvar o site no navegador do seu celular para facilitar clique aqui para saber como se faz isso.


Talian



Con gran onor presentemo a valtri amici del sito e canal BRASIL TALIAN una notìssia meraveiosa. Scomìnsia giorno 17-03-2021 nantro programa talian quan ntel sito e Ràdio Amici del Talian. Dopo del  Programa Brasil Talian (zóbia 19:30) e Programa Filò co'l Gìgio (luni a le 20:00) adesso gavaremo anca el PROGRAMA DAGHE PAIA TALIAN tuti i mèrcoli dele 19:30 a le 20:30.

El programa sarà presentà par Jacir Grando, cantor, radialista e paron dele due pi grande pàgine de cultura taliana su'l Facebook, la pàgina Daghe Paia Talian e la pàgina Taliani Bona Gente

Jacir ga 48 ani, ze da star in Erechim-RS e fin incoi presenta el programa Radise Taliane ntela Rádio Nova Onda-FM de Aratiba ensieme con José Zabot, anca el ga belche fato el programa Talian la Nostra Vera Léngua ntela rádio Erechim-Am, programa Taliani in Festa ntela rádio Aratiba-AM ensieme co'l maestro Honório Tonial (in memorian) e ancora programa I Nostri Ricordi ntela Rádio Gaurama. Lu anca el ghe canta e ga belche fato sirca de 30 mùsiche.

Par ascoltar el programa basta che vien rento nostro sito (www.brasiltalian.com), se te vol salvarghe sto programa su la fàcia del to telefoni par esser pi fàcile de catarlo fora struca qua par saver come si fa questo.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 8 de março de 2021

La Casa Vècia dei Noni - Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto:

 

 

                 

 La casa dei Noni (Per Ademar Lizot)

      La casa vècia dei mei antenati riposa calma par sora i monti ntela sera gaussa, Adesso visina a ela nò esiste più el giardin dela nona Carolina e, gnanca el vigal del nono Umberto, dentro dele so parede vode la guarda solche i segreti del passà. Dela cosina nò se sente pi el odor del formaio e gnanca del fogon el brustolamento dela polenta e, cossì sbandonada  la ga la someiansa de na sentenària signora,  co`l viso pien de rughe e òcii persi ntel infinito, ma l`é ancora davanti dele so parede che  vàu in serca dele mie radise, par mèio capir la mia orìgene e, anca par domandarghe se Ela recognosse ntel mio viso qualche segno, qualche indìssio dela brava gente che la ga visto nasser e morir.   

          Adesso, squasi sento ani fà, che dopo d`una quantità infinita de sforsi, í la ga alsada sù de taule de pin, taiade  ntela longhessa de sinque metri e dopo i ghe passea calsina par darghe vita longa. La fundassion de sassi, taiadi e metesti a posto con caprìssio, pròpio par durar de pi de sento ani, compagno l`é  finestre de guajuvira ben fate e, l`é porte de angico ben taiade. Cosina gavea due;   la  prinsipale rento dela casa e quelaltra un pochetin retirata  co`l fogon de matoni.  Ntel primo piano la stanza e  scala co diese scalin che portea  a  l`càmere co`i  lèti. L`éra una casa símplice  e, se anca scarsa de conforto, rispeto la gavea in abondansa.

   Sempre che vau visitar la casa vècia dei noni, go el testimònio dela crudeltà del tempo, nostro vero nemigo che porta via i sentimenti e restitui solche silénsio e scapoere. Alora nte quel momento davanti de le so parede,  me fermo in completo silènsio, co la ilussion de poder scoltar qualche vose del passà, fursi quela meso grave, meso rauca del nono, fursi quela ornata de dolcessa dela nona, però par ària scolto  solche el strèpito del vent che fà na cantiga de ninar ai so fantasmi e,  quel rumor me fà ricordar de quando la zera bela e imponente, co`l  vignal  de ua ‘isabela’ e, el giardin co`i più bei fiori; margherite gialde, garòfoli rossi, tulipe blu e rose de una bianchessa incantadora,  come la fàcia dela Madonina.

Ademar Lizot.

 

(trad...)


A casa dos Avós

   A velha casa de meus avós, em sua simplicidade e humildade repousa calma na solidão do lugar ‘Linha Bonita’, município de Dr. Ricardo. Em seu entorno, não existe mais o jardim da nona Carolina e, nem o parreiral do nono Umberto e, dentro de suas paredes vazias, somente os segredos do passado estão bem guardados e assim abandonada tem a aparência de uma senhora centenária, com rugas no rosto e olhar perdido no infinito, mas é em frente de suas paredes que vamos em busca de nossas raízes, de um  melhor entendimento de nossas origens, como que esperando que Ela reconheça em nossa face um sinal, um indício da brava gente que a construiu e habitou.

  A   Quase cem anos, depois de uma quantidade infinita de esforços, a construíram, de tabuas de pinho com cinco metros de comprimento. A base feita de pedras, cortadas e colocadas no lugar com capricho e paciência. As janelas de ‘guajuvira’ e as portas de ‘angico’, pra durar mais de cem anos. Cozinha tinha duas, dentro a principal e, ao lado um pouco mais retirada, a outra, com o fogão de tijolos e sempre com o fogo acesso. No primeiro pavimento a sala e escada com dez degraus que leva aos dormitórios. Uma casa tanto simples e humilde onde nossos avós criaram seus filhos e, se faltavam afetos, sobrava respeito.

   Sempre que posso retorno para visita-la, confirmo  que o tempo é nosso verdadeiro inimigo, pois retira nossos sentimentos e devolve somente saudade e capoeiras,  então a frente de suas paredes, me paro em silencio como se estivesse a escutar alguma voz do passado, talvez aquela meio grave, meio rouca do nono ou talvez a carregada de doçura da nona, porém o que escuto é somente o estrépito do vento, fazendo uma cantiga de ninar aos fantasmas que la do além me dizem que a morada já foi  bela e imponente, cheia de gente, com parreiras de uva boa e jardins das mais belas e perfumadas flores; margaridas, hortênsia, tulipas e rosas brancas iguais a face de Nossa senhora.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››