Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quarta-feira, 21 de julho de 2021

Movimento Ostrega de Urussanga-SC

 In questo vìdio ndemo conosser un poco del Movimento Ostrega de Urussanga-SC. Un vìdio divertente con mùsica, nostalgia, ricordi di filò e bele ridade. Varda el vìdio e non sta mia desmentegar de iscriverse ntel nostro canal se non te si ancora.

Adesso condivide co i amici.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 18 de julho de 2021

Ritratista del Tempo Antigo - Stòrie del Lizot

Par sbassar sto àudio struca qua.

Par veder tute le Stòrie del Lizot struca qua

Ascolta la stòria:


 

                      


      Ritratista del Tempo Antigo (Per Ademar Lizot)

     Tante volte i mei ricordi i ze sconti ntel profondo de`n ritrato, tanto antigo quanto la stòria dei mei antenati e, quel ritrato in bianco e negro, ornà de saudade e tempo, me fà ricordar del ritratista che a tantìssimi ani indrio lo ga tirà.  Zeferino Pagnussat l`éra el so nome, ma tutiquanti lo ciamea  de Zeferino Mesagamba, parchè dopo del sgagnon de una bissa giaralaca el ga restà co la drita pi curta che la sanca e, quando el ga assà là de laorar de contadin, el ga imparà dela fotografia i fondamenti. La prima càmera de tirar ritrati, el ga compra co`i soldi de na giunta de bovini che`l ga vendesto e, pianpianin el ga conquistà na tènica sufissiente par far el laoro de ritratista,  cossì el ga  registràr l`imàgine de tantìssime persone, momenti e sentimenti, come sei fusse na picinina frassion dela eternità.  El fea el suo ofìssio sempre co profissionalismo e simpatia, par i tosatei che`l ritratea el gavea sempre na scarselada de dolci e par l`é done e tosse un massolin di fiori, cossì el zera cognossesto in tuta la colonia. Par andar in torno el lighea co na cordeta  l`càmera de tirar ritrati, ntel portabagàlio dela bissicleta, dopo la par i ani sessanta el se ga comprà un zipe Ford modelo 44, na relìchia dela seconda guera mondial, una màchina de fedùcia, pròpio giusta par transitar in quele strade sensa asfalto.

     Nte quel tempo, i ritrati fora de esser solche in bianco e negro, i zera anca un vero lusso che l`maioransa dele persone nò podea mia pagar e, ntel s-ciantin de esser ritratadi, i ivitea de sorider davanti dela càmera, fursi parvia dei denti massa bruti, fursi parchè par s-ciocar cada ritrato dimorea de pi de diese minuti  e, nissuni suportea mantegner el soriso par tanto tempo, anca vergogna de sorider i gavea, parchè rider zera considera una stravagansa riservata solche ai ciuchetoni, altri tanti che`i  restea co la boca ciusa zera i sparagnoni, parchè ghe dispiasea guastar soldi co`l retratista. El fotografea anca persone e bambini pena morti,  parchè gavea un alto  ìndice de mortalità de fantolini.

   E al finir questo relato, ringràssio a Zeferino Mesagamba che`l gavea la drita pi curta che la sanca e, traverso de so nome ringràssio  a tutuquanti ritratisti del tempo antico,  che con suo brao laoro i ga eternisà  i òcii de dolcessa dela mama, el sguardo iremobìli del pupà, i mostàcii gialdi del nono e, i cavei grissi dela noneta. Con so màchine primitive,  i ga registrà l`imàgine de`n mondo che` l vent lo ga sùfia par i confini del firmamento e, no`l ritorna mai più.

 

   

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 13 de julho de 2021

Bruta Ciavada - Música Brasil Talian

 Para baixar o áudio dessa música, clique aqui.

Para ter acesso a outras músicas em ordem alfabética, clique aqui.


Abaixo do vídeo (aliás não deixe de se inscrever no canal) tem o texto da música.

 


Letra e música Jaciano Eccher.


Bruta Ciavada (talian)


Rit: Ze na bruta de ‘na ciavada, ma varda che la ghe vol tuta El goerno dis resteve casa ma se resto casa la dona barufa. Amici ve domando aiuto Giuteme sinò mi resto imatunio Sta maledeta quarantena de matina a sera pa'l amor de Dio. Me tocaria ndar spasso ber una caciassa e un bicier de vin Ma con tuta sta malatia non se pol ndar gnanca ntel visin. Ze stato nel sabo passà Me go parecià mi volea far festa Mi go compra caciassa e bira go dito a la dona che ndea a la pesca Ma pochi metri de me casa go visto el guarda che el parea na brespa Me ga ciavà bira e caciassa e fato tornar casa dopo de na sberla Con mal de testa rivo casa Me vècia spunciava come un porcospin La ga ciapà ‘na vècia scoa quela bruta scroa voleva el me fin Me ga ciamà de bruti nomi che me go sentisto un poro de un cagnin Se te fè nantra volta questo mi te taio fora anca el mestierin.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Contadin ntela Capital - Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto.

  

 Sbassa sto àudio strucando qua.

 


                                   Un Contadin Ntela Capital (Per Ademar Lizot)

       Transcorea i ani otanta, quando mio vècio pupà  gavea squasi setanta e, ghe ga tocà de andar a Porto Alegro in serca de dotori. Quela l`é stà la prima e anca la ùltima volta che'l ga cognossesto una cità granda. El ga ritornà casa dopo de`n mese e, meso stufo el ga dito:..

- “L`é meio sapar soto al sol, che viver nte una grande cità e, a mi, no i me ciapa mai pi nte quel paese con  tuta quela gente chi va e chi vien de partuti í cantoni, sensa rivar a parte nissuna, tutiquanti sensa saludarse, come se i gavesse perso la tramontana, de òcii spalancadi e fàcia de cativi e, che brute robe par travessar le vie, alora si... 

- “Madonina aiùteme”, parché se resta meso mati e, bisogna pròpio una pasiensia de mul vècio e star su co le récie parché  ga de pi  automòbili che moschin e, no i te assa mia travessar in pace, no i rispeta gnanca  la fassa de sicuressa e par disgràssia í mola fora na fumana  che fà smarsir tuta l`ària che se repira. Nte quele bande l`é pi fàcile catar la mancansa de moralità e rispeto, che una sboconadeta de pura arieta.  Ma el pedo de tuto l`é che bisogna star atenti par no assarse imbroiar, no se pol mia fidarse de tute le bele parole, parché la maioransa dele persone l`é ga sùlchero in boca e velen nel cuor.  No son mia bon de capir come che quela gente pol viver cossì a rabalton, che speransa che'i transmite ai so fioi? Che vision de futuro i pol ofrir ai nipotini?  Sarà che no i ga mia el capimento, che quando no se rispeta dei vècii l`é rughe e, dei bambini l`ingenuità, se va in serca del pròpio fin?

   Pòvero pupà, quela volta el ga ritornà casa cossì stufo parché el zera un contadin del tempo antico, quando l`onestità e el rispeto i zera enti consagradi e,  quel mese che'l ga passà ntela capital el se ga senti come un caval vècio fora del potrero,  parché quel bacan dela granda cità l`éra terìbile par l`é so rècie, acostumade solche al canto  dei oseleti e al ciacolamento de rospi e rane nel paltan. Ntela so aotentissità no l`éra mia bon de capir, come se pol viver scarsi de fradelansa e, sensa importarse con l`aria che se respira, sensa sentir el bon odor del vent, purificà par una piovesina co`l profumo del pin e, pol esser che'l gavea pròpio rason de dir che l`é preferìbili sapar soto al sol che viver ntela cità granda.   

Ademar Lizot.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 7 de julho de 2021

Ndove vetu Batista co'l derlo - Gruppo Bellunesi

Baixe o áudio dessa música clicando aqui.
 Para ter acesso a centenas de outras músicas clique aqui.

 Abaixo do vídeo temos a letra dessa música:
 

Testo in talian

Ndove vetu Batista co'l derlo Ndove vetu Batista co'l derlo Ndove vetu Batista co'l derlo E mi son ndato in volta al merca tra la la Refrão: Larin larin laralin larin larin lei la Lara lin lei lai Larin larin laralin larin larin lei lai Tra l alai E mi son’da dela me zia Lugia E mi son’da dela me zia Lugia E mi son'da dela me zia Lugia E la me a fat la menestra con lat. E si a fat una stracia di festa E si a fat una stracia di festa E si a fat una stracia di festa E l’é tre di che i é drio a sonar tra la la.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 2 de julho de 2021

Faustino e so Careta - Ademar Lizot

 Ascolta la stòria strucando soto:


   


                     


 Faustino e so Careta  (Per Ademar Lizot)

  In questo relato del nostro Brasil Talian, raconto un s-ciantin dela stòria de Faustino e so careta.

    Sempre che sguardo una vècia careta in rovina drio sderfarse, ricordo de quel tempo in che i camignoni i zera scarsi come l`é mosche bianche e, el transporto de mercansie l`éra fato par carete tirade par mule e cavai, par sora de stradete fate a picon. Alora ricordo de Faustino Capelari, che par de pi de trenta ani el ga caretià  e, del val del fiume Taquari ai campi de Soledade, tantìssime carghe el ga menà, sempre co l`entrega giusta, come el gavea tratà.  Par sora dela careta el ga invesià e, gnanca sentindo el peso dela età el se ga fermà, parchè el fea quel ofìssio con gusto e piaser. El gavea i piè sfesadi de tanto ntela brina pestar e, òcii strachi de tanti orisonti quel gavea sguardà. Ntela so simplicità  squasi gnancaun vìssio el gavea, la ùnica roba che ghe piasea, l`era  sìgaro paiero fumar, un tochetin de fun mastegar e par tera s-ciupar.   

    Al primo canto del gal, el disea a so fioleto;...’-Nene, su del leto, vien iutarme ciapàr l`é bèstie par mèteli soto l`careta che ancoi ndemo con destin a Soledade.’ Un s-ciantin vanti el meso di i rivea a la metà del camin e, i se fermea par magnar el merendin; pan con salame e un bicier de vin e, dopo de darghe aqua e milio a le bèstie i seghia el viaio, cadensià par el passeto de cinque mule e due cavai. Bèstie tratade a caprìssio, che formea un belo congiunto de forsa e resistensa, che nò ga mai negà na pestada.  

   L`é stà ntel ritorno de`n viaio quel ga catà el so destin final,  l`note caschea a pian e, el vècio Faustino vignea sèrio co`l pensiero perso alontan,  sensa saver che na s-cianta prima de rivar casa, come una roda de careta che se spacà, el suo cuor de potrìlio se ga fermà, quando un ataco fulminante lo ga copà. El ga restà sentà ntela bancheta co l`é rèdene ancora sicure nte le mam, alora l`é bèstie con so instinto primitivo, sensa nissun guiarli i  lo ga menà casa, ntel  viaio definitivo.   

  Dopo ga vignesto el progresso, camignoni, asfalto e, di`ancoi l`vècia careta la ze solche una legenda de`n tempo de dificultà e braura e, l`é par quelo che sempre che sguardo qualcheuna in rovina drio sderfarse, tanta saudade me vien de quando zera tosatel e scoltea par ària el scricon dela careta e, el osamento dei  bravi condutori, un tempo bon che nò ritorna mai più.

Ademar Lizot.                                                               


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 27 de junho de 2021

La Prima Comunion - Ademar Lizot

Struca soto par ascoltar.

 

 

                                 


             Prima Comunion (per Ademar Lizot)

         Questo l`é un ricordo che go par sempre intaià ntel fondo dela mia memòria!

   Nte`n domènega primaveril dei ani sessanta go fato l`prima comunion e, se anca el tempo  ga viaià ntele ale del vent,  nò go  mai desmentegà quela Santa serimónia rento de una cieseta de stilo romano, co`l sofito pintà co la imàgine dei Santi Apòstoli e, altar consagrà a la Madonina de Lourdes. De na banda la gavea una tore che sustegnea l`campana. Nte quela domènega la gavea l`é banchete tute ornàde de fiori e,  par ària sonea l`campana ciamando i cristiani. Ntel momento dela Santa Mesa, intanto che la comunità cantea na bela cancion, gavemo intrà ntela ciesa, un drio altro, i tosatei de na banda de fatiotina, co`l rosário e candela in man  e, l`é tosete de quel altra  con un vel de seda bianca ntela testa e, l`é man unite in preguiera e, cossì in fila se gavemo tirà davanti del sacro altar e, quando zera tuto parecià par scominsiar la celebrassion, se ga presentà Don Egìdio, el prete dela comunità, paramentà a rigor, de alba bianca, stola rossa e piaseta dorada, tuta carga de símboli litùrgiche, insieme el gavea i coroini, anca quei ben paramentàdi, co`l insenso e el turìbolo dela fumanina bianca e, dopo del ‘dominun uobiscum e del orate frates’, del púlpito el ga fato l`prèdica e, co parole carghe de sapiensa  el ga dito che la Santa Eucaristia l`é el pi belo sìmbolismo intra la fame del corpo e del spìrito sàssia ntela comunion e, la representea  un rito de passàgio, un vero marco emancipatòrio dela vita, par andar in serca dele trè più bele virtù de`n  cristian;  la fede in Dio e so bontà sensa fin, l`speransa de`n mondo mèio e l`generossità, la regina de tute l`é virtù.  Ntel momento dela consagrassion, intanto quel prete insensea la Santa òstia e, el sacristan fea sonar l´campanela, alora indenocià, co la testa sbassada, man postade par sora dei balaustri de legno, go ricevesto par la prima volta la Sacra Comunion e, nte quel s-ciantin nostro Signor Gesù Cristo se ga fato presente in m`ànima e, in tuto el mondo nò gavea mia un tosatel pi felisse che mi.  Dopo go ritornà a la bancheta par dir la preguiera che savea de memòria. 

   Nte quela domènega indesmentegàbili go guadagnà na atenssio special de tutiquanti e, ntel pranzo del mesdi la mama ga parecià un vero banchete e, el pupà ga liberà el so mèio vin par far el sagù.

   E cossì finisso questo relato, parchè el tempo dela gioventù no`l ritorna mai più!

 

Ademar Lizot.                                         


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 19 de junho de 2021

Giorni Grissi del Inverno - Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto:

 

 

                                   I Giorni Grissi del Inverno (par Ademar Lizot)

                    


          Scominsia nantro inverno i so giorni grissi i me fà ricordar de sti ani indrio, de quando zera tosatel, ancora tacà sù l`braghe de mio pupà, un tempo in che el calor dela fradelansa scaldea nostra ànima, parchè se vivea in completa simplicità e rispeto. Alora ricordo dela mia noneta che ntele note frede,  intanto che la fea el so scalda piè, la contea stòriete de streghe, che spaurea tutiquanti. Ricordo anca del noneto, quel savea del tempo i segreti e, intanto quel bevea cafè co graspa par scaldarse, el dissea che se de note el vent fermar, na bela matina de brina gavea de s-ciarar. Ricordo dela contantessa che gavea de spacar l`brina co`i piè scalsii, par dopo in torno del fogolaro scaldarse.

         Però quel tempo indesmentegàbile nò ritorna mai più e, adesso i giorni grissi del inverno i me deprime, soratuto quando scolto el mormòlio del vent che sùfia ingiassando l`rècie, l`é un sussurro mastegà de malinconia, come sel fusse el gèmito lamentoso dele ànime de tanti porigrami che patisse, scarsi de robe par difenderse del fredo inclemente e, che gnanca un canton suo par riposar nò i ga mia. Tutavia posso dir sensa paùra de sbàlio che di d`ancoi el fredo pi doloroso l`é quel intaià rento dela ànima dei omeni, el fredo del orgòlio, dela arogansa, dele parole de rudessa, el fredo de òcii rabiosi, sempre pronti par agredir.

         Magari scominsia nantro inverno, co so giorni, meso brina, meso piovesina e, quando l`luna  scominsia a sbassarse par sora de tera e mar, l`é el momento de ringràssiar al Signor-Dio par nantro giorno e dopo verder na botìlia de vin, par liberar l`anima dela ua, che con so profumo gradèvole  portà insieme na`arieta de piaser e, ntela prima sboconada de quel vin bonasso, me vien el sentimento che la mèio richessa l`é volerse ben, parchè la felicità l`é fata de de cose sìmplisse come na brustolada de pignoni ntela ciapa del fogon e, admirar el firmamento colmà de stele, insieme dela luna con so splendor d`argento.

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 15 de junho de 2021

In Mèrica non son mai stato - Testo e vìdio - Gruppo Belunesi

Clique aqui para baixar o áudio dessa música.

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.

Confira o vídeo:


 Testo in talian:


In Mérica no son mai stato Ma in Mérica voglio morire Oi bella vusto venire In Mérica insieme com me Oi bella vusto venire In Mérica insieme com me Mérica Mérica Mérica Cosa sara la sta Mérica Mérica Mérica Mérica Le un bel giardino di fior. No no mi no vado in Mérica La Mérica le troppo lontano Se fuse li a Milano Io vegnaria com te Se fuse li a Milano Io vegnaria com te In Mérica c’e tanta terra In Mérica c’e tanti lavori La se faremo siori Come i siori de Milan La se faremo siori Come i siori de Milan Quando siremo siori Faremo una grande festa Ghe baciaremo la testa Ai siori de Milan Ghe baciaremo la testa Ai siori de Milan Ghe taiaremo la testa Ai caponi e le galine Se tu no vuoi venire Soleto io andro Se tu no vuoi venire Soleto io andro.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 4 de junho de 2021

Campo dei Bulgari

Ascolta el audio strucando de soto:


 

 


                                          Campo dei Bulgari

          Questo relato l`é fondamentà ntel libro dela fameia Lisot, de autoria de Adroaldo Chanan e, el ga in realtà sucedesto nel mese giugno del remoto ano de 1882, quando Giosuè Lisot, un imigrante oriundo de Bellun nort d`Itália el ga rivà al Rio Grande del Sud e, al disbarcar, come tuti altri imigranti el ga dito:.. So de quelaltra banda de mar e, domando permesso par disbarcar, del paese d`ndove so vignesto nò podea pi soportar, laorea par el magnar e ancora cossì, fame tochea de passar!”  Insieme el gavea l`sposa Domenica e, trè fioi picinini.  Dopo de`n perìodo ntela cità de Porto Alegro, i ga imbarcà nel vapor che ndeva fin al porto ‘Guimarães’, tacà su a l`riva del fiume ‘Cai’, ndove gavea el condotor par guiarli in serca de so destin final; 90 km alontan, ntela serra gaussa. Nte quel tempo, strada veramente, no ghen zera, gavea solche un trodo, quei bulgari  gavea verto fora par ndove ormai se podea passar solche a piè o a caval e, i ghe metea na mùcia de giorni par far quel percorso.

     Al s-ciarir del di i ga scominsia el viaio e, nte quel ano el inverno se gavea presentà piovoso e gelà,  alora i ga sentisto cosa che l`é el vent ‘minuano’, che vien del fondo dele giassere dela Patagonia e, sùfia gelà e tanto furioso, che fà la piova cambiar de diression. Parea fin quei zera drio scampar via de`n flagelo. I fea pochi km al giorno parvia dela dificultà de caminar traverso dela fòresta vèrgine, par una stradeta piena d`insidente, menando su par l`spale l`valise dele robe e, sempre atenti par nò pestar doso ntei spin o qualche bissa velenosa.  

     Giosuè l`éra un omo dissiplinà e  d`ecelente constituission fìsica, el gavea imparà a sopraviver su par i monti del paese Veneto e, questa  speriensa la ghe ga dato forsa e coraio par guidar la fameia e, insieme dela sposa el ga serca de proteger i fioleti, l`bambina Rosa Maria i la involvesta nte`n manta d`lana e, i tosatei Amadeo e Umberto, co l`giachetina e, co`l capeleto sbassà, squasà fin ntei òcii.

     Dopo de 12 giorni de viaio i ga rivà al ‘Campo dei bulgari’, località ndove dopo se ga alsa sù la bela cità de Cassias del Sud e, la i ze stati acomodadi nte`n stragrando baracon, sensa gnancaun conforto e privacità, fin che`i ga fato el  confe-rimento dei documenti, par esser incaminadi a l`tera determinata per l`agente del goerno Imperial; lote 12 dela traversa Aliansa dela  lègoa 9, che di d`ancoi ze la località de San Giàcomo, visina al rieto ‘Tega.’

      I primi mesi I ga passà rento de una caseta querta de paia e, i gavea el sentimento de ritornar al paese de nassità, però questo l`éra impossìbile, alora i ga capi che l`Itàlia nò la zera pi la so mama, la zera solche na maregna che ga restà contenta quando i ga ndato via dei so piè e, cossì presto i se ga abituà ai costume dela Provìnsia de San Piero, che gavea acoiesto tutiquanti rento de so cuor.

 

Ademar Lizot.

 (Trad.)                              Campo dos Bugres

 

       Este relato é baseado no livro  da família Lisot de autoria de Adroaldo Chanan e, realmento aconteceu no transcurso do mês junho do remoto ano de 1882, quando o imigrante Giosué Lisot oriundo de Belluno, Itália, chegou no Rio Grande do Sul e, como todos os outros imigrantes falou:…”-Venho de longe e peço licença pra desembarcar, pois o país de onde vim não podia mais suportar, trabalhava pelo sustento e ainda assim  fome tinha que passar.” Junto tinha sua família, a espôsa Domênica e, três filhos pequenos. Depois de alguns dias na cidade de Porto Alegre, embarcaram no vapor com destino à ao ‘Porto Guimarães’ nas barrancas do rio ‘Cai”, onde estava o condutor para guialos  ao  destino final, 90 km distante, na serra gaucha e, estrada não existia, havia somente uma picada aberta pelos bugres e, para fazer aquele trajeto eram necessários vários dias.

      Ao amanhecer iniciaram a viagem e naquele ano o inverno se apresentou úmido e gelado, então sentiram a inclemência do vento minuano que vem do fundo das geleiras da patagônia e com  fúria assobia, faz a chuva mudar de, torna-a horizontal, penetra entre as dobras das roupas, enregela o nariz e os dedos.  Quem os via assiuem caminhando tinha a impreção  estavam fugindo de um flagelo e, assim percoriam poucos km por dia poise ram grandes as dificuldades de caminhar através da mata virgem, por uma picada cheia de imprevistos e, sempre atentos para não pisar em algum animal peçonhento.

    Giosué era um homem de excelente constituição física, pois tinha aprendido a sobreviver nas montanhas do norte da Itália e isto lhe deu força e coragem para conduzir sua família e proteger seus filhos, Rosa Maria uma bebe ainda de colo, foi envolvida numa manta de lã  e os meninos Amadeo e Umberto, com seus casacos e os chápeus fixos na cabeça abaixados até os olhos.

   Depois de 12 dias de caminhada chegaram ao ‘Campo dos Bugres”, atual cidade de Caxias do Sul. Então foram acomodados num grande baracão, sem nenhum conforto e privacidade, até que fizeram o conferimento dos documentos para serem encaminhados à terra destinada pelo agente do governo imperial; lote 12 da travessa aliança da légua IX, atual localidade de San Giácomo, junto ao riacho ‘Tega”.

  Os primeiros mêses passaram dentro de um ranchinho  coberto a capim e o sentiment predominante era de retornar a sua terra natal, mas isto era impossível, então compreenderam que a Itália não era mais a sua mãe, era sómente uma madrasta que ficou contente com os viu indo embora e, assim logo adotaram os costumes da terra que os acolheu dentro do coração.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 27 de maio de 2021

Una matina de maio - Ademar Lizot

Scolta la stòria strucando soto:

 

 

         


                  Una Matina de Maio  (Per Ademar Lizot)  

      L`éra un giorno fredo, de quei meso brina, meso piovesina, quando ga nassesto mia sorelina. Nostra mama sempre contea che ntela matina l`nèbia ga durà squasi fin el mesdi e, al s-ciarir del di la ga scominsià a sentir i forti dolori del parto e, intanto che`l pupà montava a caval partia svelto in serca dela partera, in silensio  la mama preghea:...

- Santantoni per carità fà el mio Toni co l`partera presto ritornar!”  

    L`éra luni, 29 maio del 44 e, intanto che'l capel e el giacheton  difendea el pupà del fredon el  so caval, un baio de fedùcia e rivador,  fea saltar fogo dele feradure. 

“- Avanti, avanti caro amico, sparte al meso questa brina, che nte`n s-ciantin ritornemo co la comare Pierina!”

 “- Comare, scusa la visita fora d`ora, ma son vignesto cossì bonora parché l`é drio rivar nantro bambin e, per carità ghe domando de ciapar  la fòrbese e, par far el parto tute le altre robe, parché la me Gigia l`é drio patir i dolori che solche le done ga forsa de soportar.”

 “- Sta calmo compare, che nte`n s-ciantin ndemo rivar.’

  “- Eco semo rivadi, adesso pòrteme in qua aqua calda e i pani bianchi che vao doperar e, ti cara Gigia te racomando de star tranquila parché el bambin l`é ben incassà e, presto el ga de spontar e, co la vècia fòrbese el cordon del ombìgolo go de taiar!”

  “- Vèrgine Maria, l`é una bambina, belìssima, pròpio perfeta.”

   “– Gràssie, gràssie infinite al Signor Dio!

    Intanto che la partera ghe dea el primo bagno a la toseta, la mama se anca esaurida, la ridea de felissità.

   La in torno i visin  contenti i disea:..

”-La Gigia la ga una bambina, con bel bochin e bel nasin, Leonilda ze el so nome!

   Dopo dei sèi primi mesi, la ga cressesto come l`orchìde del giardin dela nona e ga parlà e caminà vanti dela seconda fiorada del vignal del nono e, ntel paesel de ‘Linha Bonita’, la  par su dei monti dela Serra Gaussa, nissun gavea mai visto na toseta cossì incantadora, co la pel ciara dei Lisot e i cavei e òcii negri dei Arrosi e, dopo ntel transcorso dela so vita, sempre bela e elegante, la ga daventà una madre sensìbile in so afeti, una nona che ga acoiesto tutiquanti in so teneressa e, una bisnona che ga ensegnà a noantri el sentido dela parola dignità.

Ademar Lizot.

                    Uma Manhã de Maio                                           


   Era um dia frio, daqueles meio geada, meio garoa, quando nasceu nossa querida irmã Leonilda. A dona Luiza sempre contava que a neblina durou quase até o meio dia e, foi ao amanhecer que ela começou sentir as fortes dores do parto e, enquanto o seu Antonho montado a cavalo partiu em busca da parteira, ela em silencio rezava. ”- Santo Antônio, proteja o meu Antonho, faça que ele retorne sem demora.

   Era segunda-feira, 29 de maio de 44 e, enquanto o poncho e o chapéu de abas largas o defendiam do vento gelado, o seu cavalo, um baio de confiança e chegador, fazia saltar faíscas dos rompantes das ferraduras. “-Avante, avante meu amigo, reparte esta geada ao meio que num instante vamos voltar!”  

  “-Comadre, perdoe a visita fora de hora, mas se cheguei assim sem demora é porque está para nascer uma criança. Me faça o favor comadre, pegue a tesoura e os outros apetrechos do parto, pois a minha Luiza está com aquelas dores que só as mulheres podem suportar.”

 “-Fique calmo compadre Antonho, que a tempo haveremos de chegar!”

 “-Pronto chegamos, agora seja rápido e traga-me agua quente e panos brancos que vou precisar e, você comadre Luiza, fique tranquila, pois a criança está bem encaixada e logo vai espontar e o cordão umbilical a minha velha tesoura vai cortar.”

 “-Virgem Maria, é uma menina! Compadre Antonho e menino Ventura, venham ver que bela e plena de formosura!  

 “-Obrigado Meu Deus! Muito obrigado!”

 Enquanto a parteira dava o primeiro banho na recém nascida, a mãe embora exaurida sorria de felicidade e, os vizinhos também contentes diziam: ’- O Antonho e a Luiza tem uma menina e seu nome é Leonilda!

 Depois dos seis primeiros meses ela cresceu como as orquídeas do jardim da nona Carolina e caminhou e falou antes da segunda floração das uvas do nono  Umberto e, na localidade de ‘Linha Bonita’, nos altos da serra gaúcha, jamais se viu uma menina tão encantadora, com a pele clara dos Lisot e, os cabelos e olhos negros dos Arrosi e, depois no transcurso de sua vida, sempre elegante e bela, ela tornou-se uma mãe dedicada e sensível aos seus afetos, também uma avó que acolheu a todos em sua ternura e uma bisavó que nos ensinou o sentido da palavra dignidade.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 20 de maio de 2021

Una Casa Tricolore - Ademar Lizot

 Ascolta la stòria strucando soto:


 

           

       Una Casa Tricolore. (Per Ademar Lizot)

   L`éra una casa fata de taule de pin, con finestre e porte de cedrin. Verdo, bianco e rosso, i so colori el medèsimo tricolore del pano Italiano. Par rivar a ela, strada veramente no gavea mia, gavea solche un trodo pien de carchesa e rampeghina, dopo se passea par un un bosco e, un rieto de aqua cristalina che corea par sora de sasseti sintilanti, tanto pressiosi, tanto bei che incantea tutiquanti. 

   Traverso le sfese dele so parede se podea veder el firmamento con la luna che s-ciarea nostra ànima d`argento.  Pròpio scarsa zera  la mobìlia, gnancaun sofà no la gavea mia, careghe cinque o sèi, parché el paron l`éra scarso de schei e, picadi ntele parede dela stansa, insieme dela imàgine dela Sacra Fameia, gavea i retrati dei antenati.  Television no gavea,  solche un vècio ràdio movesto a bateria.  Ntela cosina, geladera e liquificador, no gavea mia, gavea solche una tàula  ndove se magnea pieni de alegria e, par acomodar i piati e pignate gavea un armàrio, vècio e storto come  l`ànima de Ponsio Pilato. Bela l`era l`casseta dela legna postata dadrio del fogon, anca quel belo, tuto smaltà e de bon fero, sempre co  la fumana drita al cielo.  Tacà a la cosina, impiantadi in vasin, gavea i pi importanti condimenti; sàlvia, basìlico e rosmarin e, ntel orto ben coltivà  gavea de tuto; salata, radicii, anca ravanel rùcola e carote, se comprea solche sùchero, petròleo e cafè. De na banda  gavea el vignal e de quel'altra el giardin con l`é più bele orchiedee, gilii e rose de`n sublime bianchin e, in torno sempre in giro,  gavea el cangnet e  el gatin  insieme de na mùcia de galine,  la pi  cativa zera l`cioca grisa, guai ndar darente dei so pitini, fin el gal, quel ze el paron del teren  gavea paùra.

     De pi o de meno, questa la imàgine che go conservà ntele mie retine dela casa tricolore e, dentro dela mia scatòla dei ricordi la riposa, sìmplece e sensa lusso, anca bela e imponente visina al bosco e al rieto de àqua cristalina che corea par sora de sasseti sintilanti che incantea a tutiquanti.

Ademar Lizot.

                    Uma Casa Tricolor

Era uma casa simples, feita de tábuas de pinho e janelas e portas de cedro. Verde branco e vermelho suas cores, o mesmo tricolor da bandeira italiana. Junto a ela tinha um bosque e um riacho onde a água cristalina corre por sobre pedrinhas cintilantes, tanto preciosas, tanto belas que encantam a todos.

  Através das frestas de suas paredes se pode ver o firmamento com a lua iluminando de prata nossa saudade.  Era uma casa desprovida de mobília, nenhum sofá, somente cinco ou seis cadeiras, aquelas com assento de palha, mas pendurado na parede da sala, junto da imagem da Sagrada Família estão os retratos dos antepassados. Televisão não existia, somente um rádio a bateria. Na cozinha nunca se viu geladeira e liquidificador, somente uma mesa grande, sempre com a família reunida em torno. Para acomodar as panelas e pratos, tinha um armário, velho e torto igual a alma de Pôncio Pilatos. Mas a caixa da lenha era nova e bela, igual o fogão esmaltado e de bom ferro, sempre mandando fumaça com direção ao céu. Junto a cozinha, plantados em canteirinhos tinha os mais importantes condimentos, salsa, alho e alecrim e, na horta bem cultivada tinha de tuto, salada, radicii, rúcula, cenoura e rabanete.  Ao lado direito tinha o vinhal e no esquerdo o jardim, com orquídeas, rosas, hortênsias e margaridas. Em torno sempre girando estão as galinhas, a mais braba é a choca carijó, ninguém chega perto de seus pintinhos, até mesmo o galo que se acha dono do terreno a respeita.

  Mais ou menos assim é a imagem que conservo em minhas retinas, daquela bela casa tricolor e, nas minhas mais caras recordações ela repousa, simples e sem luxo, mas também bela e imponente, vizinha ao bosque e a riacho de agua cristalina que corre sobre pedrinhas cintilantes que encantam a todos.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 16 de maio de 2021

Non te vui pi (Non te voglio piu) - Grupo Brasil Talian

 Para ver letra e tradução de outras músicas basta clicar aqui

Para baixar o áudio dessa música clique aqui


Non te vui pi é uma versão para talian adaptada por Jaciano Eccher da música carametade da Banda Katedral na composição de Zelcir Piaia


Confira o clip, logo abaixo letra e também a letra original em português da Banda Katedral, você vai perseber que não é exatamente como no vídeo:

 


Non te vui pi (Grupo Brasil Talian):

Tuto ga finiu!
Son vignesto qua par te dire ciao, non te vólio pi!
 
Tanto go spetà!
Tanto che go fato, tanto amor go dato,
Gnanca me ga vardà
 
Adesso te pol ndar!
Ma prima torna indrio con la ciave del me poro cor
Non vui saver de ti se non te ghe l’amor
Adesso amore adio!
 
Go te amà nela cor dei to òcii
Go donà el pi vero amor
Gò sbalià ogni di che credevo nei toi giuramenti.
 
Gò piandesto quanto go sofresto
Ma el to amor mi non go ricevesto
Me ga ciapà in giro, fra pianto e sospiro
Questo amor ga moresto


Carametade (Banda Katedral)


Tudo acabou!
Tô caindo fora tô virando o jogo, chega de te amar!
Eu sempre suportei!
Aturando você, mandando em mim,
Não me deixava viver
Pode se retirar!
Mas antes de partir devolva a chave do meu coração
Não quero mais te ver entrando nele não,
Tô largando você!
Eu te amei e na cor dos seus olhos
Entreguei o mais puro amor
Eu pensei que seria você minha cara metade
Mas chorei, me decepcionei
Seu amor não valeu, olhe bem pra mim
Você me desmontou, teu brinquedo de amor, hoje ganhou liberdade.





Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Figure de Altri Tempi

Ascoltemo la stória strucando soto:

 

                      


               Figure de Altri Tempi

    Sti ani indrio, quando el dolor fea parte dela vita e,  i medicamenti e dotori i zera s-ciari come l`é mosche bianche,  ai maladi restea solche una medissina primitiva, praticata par persone sensa gnancaun stùdio, ma parone de`n cognossimento singolar  eredità dela speriensa del passà e, co  la capacità de far el socorso a tanta gente.

   Cossì che zera el brau laoro dela partera che ga iutà a nasser sentinai de bambini. Sempre che ciamada la vignea svelta, anca soto piova e fredo.  La gavea  l`man picinine par el caso del bambin nò esser ben incasà, poder ribaltarlo ancora rento del ventre materno. La so prinsipal feramenta zera l`fòrbese che taiea el cordon del ombìgolo. Dopo la netea el pena nato e, spieghea el tempo giusto del bagno e, el tempo del riguardo dela mama e, quelo che podea magnar e bever ntel perìodo dela quarantena.   

    Altra persona benedeta zera  l`segnadora e curandera. Ntel dolse silènsio de so encanto, intanto che la preguea, con un rameto de ruda in mam la fea el seno de na stela in crose, mensonando i santi, insieme de Gesù e la Sacra Fameia. Co la so fede iremovìbile ntela Divinità, la gavea capasità par scompartiliar ensegnamenti,  passiensa par scoltar i maladi e sapiensa par tratarli con preghiere e sià de erbe, cossì la serchea de remediar l`salute e curar malatie. Sensa  gnancaun cognossimento de ipnose,  co`l poder dela mente, la fea el malà creder che zera possibile traverso dela so pròpia fede curarse.  L`é so preghiere gavea anca el poder de calmar el vent e,  s-ciarir l`tempesta.

   Altro che ga iutà tanta gente l`é sta el rangiador de nervi e ossi fora de posto. Sensa gnancaun corso de fisioterapista, el savea cossa quel fea parchè  el gavea svilupà na tènica tuta soa,  savea el punto giusto ndove palpar par far tuto ritornar a so posto e con meno dolor al passiente tratà sensa anestesia.

    Però el laoro pi bruto l`éra del cavador de denti, che de odontologia l`éra scarso de cognossimenti. In tanti paesei el caregon del dentista zera quel del barbero, che fora de taiar cavei, gavea anca el ofìssio de far siapa e cavar denti. Quando nò gavea ancora anestesia l`caciassa calmea el dolor e, dopo  sià de malva par resentar la boca e far gargareso, fin che ga vignesto el èter par far la indòrmia, alora l`é sta un solievo par tutiquanti.

    Gràssie infinite a queste figure del tempo antico, che nò ga i mai negà socorso a nissun.  Persone che nò  domandea paga par el so brau laoro, se paghea quelo che se podea e, par la so capacità, bontà e carità, l`é ga assà par noantri un legado quel progresso ga desmentegà par esser cose del passà.

Ademar Lizot.

                    Figuras do passado

         Naqueles tempos em que a dor fazia parte da vida e, os remédios e médicos eram raros, só restava aos doentes procurar uma medicina rústica, exercida par pessoas simples do povo, mas possuidoras de um conhecimento singular, herdado de gerações passadas e, embora sem nenhum estudo tinham a capacidade de socorrer e curar as pessoas.

       A parteira que ajudou a nascer centenas de crianças, era uma senhora de mãos pequeninhas, justas para se preciso virar o bebe de um lado a outro ainda dentro do ventre materno, pois muitas vezes ele não estava no ponto certo e bem encaixado para o nascimento. A sua principal ferramenta era a velha tesoura que cortava o cordão umbilical. Era também sua função dar o primeiro banho no recém nascido e explicar para a mamãe o tempo certo para o repouso e, ensinar o que ela podia e não podia fazer, o que poderia comer e beber e, o tempo e a temperatura certa da agua para o banho da criança.

      Abençoada eram as benzedeiras e curandeiras, no doce silencio de seu encanto, enquanto rezavam baixinho, com um ramo de arruda nos dedos faziam o sinal de uma estrela em cruz, citando além de Jesus a Sagrada Família.  Possuidora de fé irremovível tinham a capacidade de compartilhar ensinamentos, paciência para escutar os enfermos e sabedoria para amenizar suas dores. Com orações e chás de ervas procuravam remediar a saúde e curar enfermidades. Sem nenhum conhecimento de hipnose, só com o poder da mente induziam o paciente a acreditar que com o poder de sua fé era possível curar-se e, assim as suas orações tinham o poder de suavizar o vento e acalmar a tempestade.

       Outro que muita gente ajudou foi o arrumador de ossos e músculos que era um fisioterapeuta pratico, sem curso nenhum. Era quase sempre um homem velho que havia desenvolvido uma técnica toda sua. Com braços longos e mãos fortes, tinha uma técnica particular para apalpar o osso e musculo machucados e depois faze-los retornar ao ponto certo.

       Porém o trabalho mais bruto era do tirador de dentes que de odontologia tinha poucos conhecimentos, em alguns lugares a cadeira do dentista era aquela do barbeiro, que além de cortar cabelos tinha o oficio de fazer chapas e arrancar dentes, as vezes sem anestesia, só a cachaça acalmava um pouco a dor e, o chá de malva para lavar a boca e fazer o gargarejo. Depois quando chegou o ‘éter’ foi o alivio que todos esperavam.

       Muito obrigado a todas essas figuras do tempo antigo, que jamais negaram socorro aos aflitos. Pessoas que não pediam nada em troca e, que por sua bondade, dedicação e caridade, deixaram um legado que o progresso esqueceu por ser coisa do passado.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 4 de maio de 2021

Grupo Brasil Talian - O começo de uma nova história

 

Essa é uma postagem história e marca início de uma nova era. É o início do GRUPO BRASIL TALIAN. 

Depois do Gruppo Italiani in Brasile que deixou de existir em maio de 2017 com o último clipe gravado intitulado Cara Mama agora eis que o destino me traz mais uma vez a alegria de poder cantar em TALIAN. Em 2017 infelizmente por circunstancia de mudança não só de cidade mas tbm de estado (do RS para o PR) precisei me afastar dos palcos e a banda deixou de existir. Depois de 4 anos aqui em Corbélia-PR já a um bom tempo conheci Os Irmãos Bandiera e fiz uma proposta pra eles e eles aceitaram prontamente. Estamos de volta, ou melhor, ainda se preparando já que ainda estamos em período de pandemia e não está saíndo festas, mas assim que voltar ao normal estaremos animando festas, jantares dançantes, casamentos, festas tradicionais, não só voltado a música italiana/talian mas também a música gaúcha e moda de viola com sertanejo raiz para explorar ao máximo o talento desses irmãos.

Hoje no cano gravamos 2 clipes musicais que estarão disponíveis já nos próximos dias no Canal Brasil Talian, trata-se de MAMMA e NON TI VOGLIO PIU.

Em fim, resolvi fazer essa postagem hoje mesmo assim mais de forma de notícia mesmo porque hoje dia 04-05-2021 nasce uma nova história. É o começo do Grupo Brasil Talian


Confira nosso primeiro clipe musical:



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Tosato cantando ensieme co'l nono - Vìdio

 

Questo vìdio chi ne ga mandà ze stato el maestro Vinícius Benvegnú. Ntel vìdio dela sanca par la drita ze lu(Vinícius Benvegnú), el nono Inelson Grison, el toso studente de mùsica Vitor Grison, dopo la so nona Rosa Variani Grison e el violonista e mastro Tito.

El vìdio ze stato fato par de drio dela casa dela fameia in Serafina Correa-RS. Me ga piasesto tanto saver che ancora ga gente con la preocupassion de ensegnar talian ai cei.

Me ga piasesto anca quela tola piena de cose bone, vin, pan, panòcie e altre cose bone.

Varda el vìdio:
 
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

La stòria del Bepon - Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto:

 

 

                      


                          La Stòria del Bepon

         Compare impresteme paia e un tochetin de fun, che intanto che parecio un paieron, te conto l`stòria del Bepon.

    Giuseppe zera el so nome, ma i ghe ciamea de Bepon, parchè el zera grando e, san come un pal de guasuvira. Quei che par la prima volta lo cognossea, i se spaurea par la bruta figura quel fea; co de pi de metro e otanta de altessa e, altro tanto de larghessa, storto de`n òcio e, mostàcii longhi, sempre impastàdi de sebin, pròpio giusti par scolar i moschin del vin. El gavea el costume de giusto ntel punto del meso di, capitar ntela casa dei visin e, la so pansona podea contegner tantìssima polenta, formaio e scodeghin. Ma tutiquanti lo volea ben parchè el zera un giovenot de ìndole bonassa e, paron de una forsa prodigiosa, come quela del bò brasino e, ancora de bambino el so piaser de cristian zera  ntela Santa Mesa far el mistier de Sacristan. Quando el zera drio laorar, el tintinar dele feramente lo assava tanto contente e, quando el zera a laorar in colònia, i brasiliani quei passea par la stradeta in serca de bodega e caciassa, intra de lori i se disea: ’-Oigalete!  Mas que gringo trabalhador.’

     La vècia Michelina che l`éra la so nona, anca Ela una figurassa, che fumea sìgaro paiero e bevea caciassa e, solche lori due i gavea na vita bonassa.  Però se ga fini questa tranquilità quando el se ga impassionà e, perso la tramontana, parvia de una tosa de nome Mariana. “-Smorosar con me fiola gnanca pensar, parchè te se mèso fiaco dei sarvei e soratuto scarso de schei.” Dopo de questa risposta piena de brontolamento el povero Bepon ga intra in constante patimento e, quando fea de pi de`n ano quel zera tristo e malincolico, co la vita indrio cul, ga vignesto la notìsia che ntel sabo de quela stimana  andea maridarse la so Mariana. Alora ntel giorno del matrimònio, el ga restà pensativo e, un sciantin vanti sera, dopo de darghe un baso rispetoso a so nona, el ga dito che`l andea tor legna e, dopo de una sboconada de una pura caciassa el ga ciapà paià, fun e una sogheta e, co`l capelon in testa el ga anda fin al bosco e, de soto dela pianta pi saliente, un angico imponente, el se ga fermà e, come se fusse l`ùltima volta quel fea quel mistier, el ga parecià e impissà el sìgaro e, intanto quel molea par ària na fumana, el ga rampegà sù par l`pianta e, el ga ligà l`sogheta nte`n galio ben riforsà e, vanti de finir de fumar el se ga passà ntel col la sogheta e, co`i òcii ben verti, nte`n colpo el ga saltà  zo.

    Ntela domènega de matina un tosatel lo ga incontrà, de soto dela pianta impicà. El zera co`i òcii spalancadi a rabalton, ntela testa ancora el capelon e, ntel viso la spression de chi se ga copà parvia de una passion, confermando che nò se pol mia viver sensa amor.

   E adesso ntela so tomba ga scrito; -Qua riposa el Giuseppe, che ga perso la tramontana parvia dela bela Mariana.

Ademar Lisot.

(Trad.)                               A História do Bepão

Compadre, me empresta paia e fumo, que te conto a história do Bepão!

Giuseppe era seu nome, mas o chamavam de Bepão, pois era grandão e são como um tronco de guajuvira. Quem o via pela primeira vez até se assustava com sua figura, com mais de metro e oitenta de altura e outro tanto de profundidade, cara de brabo, meio torto de um olho e, bigodes empastados de graxa. Ele tinha o costume de no ponto do meio dia visitar os vizinhos e, em sua barriga cabia três litros de vinho e muita polenta e radicii. Mas todos o queriam bem, pois era um jovem de  boa índole e possuidor de uma força prodigiosa, quase como a do boi brasino e, ainda de menino o seu prazer de cristão era na Santa missa fazer o serviço de sacristão. Quando estava trabalhando, o tinido do aço das ferramentas o deixavam contente e, aqueles que o viam diziam: ‘ Oigalè! Mas que gringo trabalhador.’

   Não tinha irmãos nem pais, só a velha Michelina sua avó, ela também uma figurassa que fumava palheiro e bebia cachaça e, só eles dois viviam felizes. Porém esta tranquilidade terminou quando ele se apaixonou por uma moça de nome Mariana. “-Namorar com minha filha nem pensar, pois tu és fraco de dinheiro e ideias.” Depois desta resposta o pobre Giuseppe entrou em constante tristeza e, quando fazia mais de ano que estava depressivo, então veio a notícia que naquela semana iria casar-se a sua Mariana. No sábado do matrimónio ele permaneceu pensativo e um pouco antes do anoitecer, beijou a testa da vovó e disse que ia buscar lenha e, depois de beber um trago de uma pura cachaça, botou o chapelão na testa e pegou paia, fumo e uma soga. Quando chegou no mato parou abaixo de uma arvore saliente, um angico imponente, então picou o fumo e preparou o paiero e, enquanto fumava trepou na arvore e no galho mais reforçado atou a soga. Fumou mais um pouco e, antes de terminar o cigarro passou o nó da corda no pescoço e, com os olhos bem abertos, de supetão saltou para o infinito.

   No domingo de manhã um menino o encontrou pendurado no galho do angico. Estava com os olhos esbugalhados, na testa o chapelão, na boca preso nos destes o toco do palheiro e, no rosto a expressão de quem havia se matado de paixão.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 20 de abril de 2021

Ricordi de Soledade - Ademar Lizot

 Ascolta la stòria spulciando soto: 


 

                                                                Ricordi de Soledade

           


            Questo l`é un relato de quando nò gavea mia gnancaun pecato!

     Gavea poca età quando a la cità de Soledade gavemo ndato de star. Dei ani sessanta zera el prinsìpio e, par nostra fameia un novo scominsio.  Nte quel tempo Soledade zera una cità  vibrante, in che la vestimenta a moda gaussa l`éra predominante.  L`é done de vestì longhi, porteva un fioreto ntei cavei e, i omeni de stivai, bombàcie e, fassoleto nel col,  la seda bianca dei ‘ximanghi’ e, de color de sangue dei ‘maragati’ e, in onor a quel pano i se copea se pressiso.  La cità gavea fama de violenta, ma ancora cossì, el pupà ga volesto andar la de star e, el se ga stabilio come paron de una sorascaria. La carne de piegorin el comprea del vècio Firmin,  de bovino vignea del stansiero Riograndino e, quela de porcel, dela granza del Natanel. El camerier zera el Tonin del Bepon e, la parona dela cosina, la signora Gioachina, na donassa che pesea de pi de novanta e, par cosinar gavea na man Santa.  Cossì in poco tempo gavemo conquistà na fedele clientela e, sinsieri amicii  gavemo catà.  Un zera el Assis un libanes pròpio cortes.  Gavea anca el Demaman,  un bon cristian, ma squasi sempre co`l bicier de vin in man.  Un tipo saliente l`éra el vècio Vicente, rivolussionàrio nel 23, mèso orbo de`n òcio, sensa e una rècia e un tochetin del naso, ma ancora valente. Ricordo del Aparicio Santana, che de cativo gavea la fama, svelto par manesar el cortel, ma fiaco de sarvel.  Gausso aotentico l`éra el negro   Dorival, maragato domador de cavai, cristian de fondamento, el zera la pròpia imàgine dela Provìnsia de San Piero. 

 De quel tempo indesmetegàbile un momento presiosso l`é sta quando par l`é onde dela ràdio Guaiba se scoltea un ciamamento del goernador Brisola, un vero clarin de guera convocando i gaussi par difender la Legalità, alora el mio  pupà, che no`l zera mia de quei  spaurà, el ga ligà nel co`l un fassoleto de seda bianca, ornà co`l distintivo  del Rio Grande e, de volontàrio el se ga presentà.

     E cossì  finisso questo relato de quando nò gavea mia gnancaun pecato e, se anca la poca età, solche co le gambe rento de una bombàcia me  sentiva a volontà e, adesso dopo de tanti ani, de Soledade, fora la saudade el ùnico  presiosso ben che me resta l`é un fassoleto de seda bianca,  relìchia de mio pupà.

Ademar Lizot.

                                                  Lembranças de Soledade

      Este é o relato de quando eu não tinha nenhum pecado!


   Tinha menos de cinco anos de idade quando, à cidade de Soledade fomos residir. Era o principiar dos anos sessenta e, para nossa família um novo recomeço. A cidade era vibrante com a tradição predominante. A maioria dos habitantes trajavam à moda gaúcha; as mulheres de vestidos longos e uma flor no cabelo e, os homens de botas, bombacha e lenço ao pescoço, a seda branca dos chimangos e, a cor de sangue dos maragatos e, por aquele pano morriam se preciso. Toda aquela região tinha fama de violenta, mas nosso pai, assim mesmo decidiu por lá residir e comprou no ponto central uma churrascaria. A carne de ovelha comprava do velho Firmino, a de bovino vinha do estancieiro Riograndino  e, da granja Natanel a de suíno. O garçom era o Antoninho do Bepão e, a cozinheira a senhora Joaquina, que mais de noventa kilos pesava e mais de cem pratos preparava  Assim em pouco tempo conquistamos uma   fiel clientela e, sinceros  amigos, como o compadre Cobalchini, sempre elegante de terno e gravata. Muito cortes era o Assis, um jovem Libanês e, apaixonado por nossa irmã, porém seu amor não era correspondido.  Ainda lembro do velho Demaman, um bom cristão, mas sempre com o copo de cachaça em mão. Um tipo saliente era o velho Vicente, revolucionário em 23, sem uma orelha e do nariz um pedaço, meio cego de um olho, mas ainda valente.  Fama de brabo tinha o Aparício Santana, meio fraco das ideias, mas ligeiro no manejo do facão. O gaúcho mais autêntico era o negro Dorival, maragato domador de cavalos. Era um tipo de fundamento verdadeiro representante do Rio Grande antigo.

    De todo aquele tempo, o momento mais inesquecível foi quando pelas ondas da rádio Guaiba se fazia sentir o chamamento do Governador Brisola, convocando os gaúchos em defesa da Legalidade, então meu pai, que não era dos mais assustados, atou no pescoço um lenço de seda branca com o escudo do Rio Grande e, com suas “ferramentas” se apresentou voluntário.

    Assim finalizo este relato de quando tinha tão pouca idade e, só com as pernas dentro de uma bombacha me sentia à vontade e, agora depois de tantos anos, de Soledade além da saudade o único precioso bem que resta é um lenço de seda branca, relíquia de meu pai.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››