Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sábado, 3 de abril de 2021

La Fionda - Ademar Lizot

 Ascolta la stòria:

 


                                                                 La Fionda

 


       I ricordi dela infansa,  tanto pressiosi, tanto  bei,  i fà parte del mèio capìtolo del libro dela  vita.

    De  pòvero tosatel l`é stà la mia infansa, però anca rico me considerea parchè visin ndove se stea gavea un rieto in che l`aqua cristalina corea par sora de sasseti, rotondi  sintilanti e pressiosi, parche i doperea de munission ntela  fionda, che fora de esser un scherso, la zera anca un  mistier dela mia stima, fato co le me man e, la mia siènsia.  Ma nò zera mia poche le dificultà che  incontrea par construir una bela fionda. Prima bisognea trovare un rameto, co la grossessa e la biforcassion pi coreta par esser la forchilia, che se lighea coi elàstiche de goma che se otegnea dele càmere  de una  bicicleta e, come  no go mai buo una quando  seri ceo, parche i schei del pupà i zera massa scarsi,  alora me tochea domandar al ‘borassero’, o far el cambio par una dùsia de ovi, tutiquanti catadi su nel punaro sensa la mama veder. Par acomodar el sasseto, bisognea un tochetin de coro, che  domandea al Scarparo,  che in quei ani  gaveva tanti, parché quando le siole dele scarpe l`é zera cossí guaste che se zera boni de dir el valor de na  moneda, se per caso se ghe pestesse sora a una, alora se mandea consertar  l`é scarpe, nò come di d`ancoi che se compra nantra nova. dopo de ligar i elàstiche de goma a la forchilia e a un tochetin de coro e, zera pronta na bela fionda. Ma  aver la arma e no ver munission, l`é stesso che no ver gnente, alora andea tor i sasseti  soto l`aqua del rieto, tuti tondi, ben calibradi par la dimensione dela fionda e, dopo andea in serca dei ogetivi par esersitare la mira, prima ntei palanchi, dopo ntele piante e, se anca gavea la mira ben giustada, a le volte sbàliea la sassada e spachea el viero dela finestra, alora tochea soportar l`é conseguense, che zera la confiscassion e destruission dela fionda par parte dei genitori. Ma dopo de una stimanina, quando i se desmenteguea del viero spacà,  pareciea nantra fiondina e, fora sassade. Una sassada che nò go mai desmentegà l`é sta quela che go copà el mio primo oselet. La go molada  fora sensa mirar, ma  la ga ndata drita al peto dela bestioleta,  che batendo l`é ale el ga cascà par tera pien de sangue e, quel senàrio me ga comovesto, parche  gavea meno de sèi ani de età  e, nò gavea mia  el capimento dela rovina che una sassada fà e, al vederlo cossì mal ciapà, de mai pi far quele robe go giurà e, co la speransa de poder salvarlo,  lo go mena casa, ma l`éra tardi. Alora la mama co dolcessa la me ga dito:..’-Nò sta mia disperàrte, parchè questo l`é un pecatin perdonàbile e, el Signor te perdonarà, parché el ga visto el patimento de to ànima, ma te racomando de sepolirlo ntel giardin, de soto dei gilii bianchi che compagno dei fiori quei rinasse ntela primavera, el ga de rinarsser ntel nido dela pianta più bela del bosco.’

  Quela note go  insognà co`l pòvero oselet e, dopo ntel transcorso dela  vita par tante volte me go sentisto stesso a  Lu, co na sassada nel peto e sensa poder far gnente.

Ademar Lizot.

 (trad.)                     Meu Bodoque

       As lembranças da infância, tanto preciosas, tanto belas, fazem parte do melhor capítulo do livro de nossas vidas!

 

    Embora de menino pobre tenha sido minha infância, eu até bem rico me considerava, pois perto onde morava tinha um riacho com agua cristalina que corria sobre pedrinhas redondas e cintilantes, que para mim eram preciosas, pois as utilizava em meu bodoque, um brinquedo de minha estima, pois o fazia com minhas mãos e minha ciência. Mas não eram poucas as dificuldades para fazer o bodoque: Primeiro tinha que por encontrar um galho com a grossura e a bifurcação mais correta para ser a ‘forquilha’, onde depois iria atar os elásticos de borracha de uma câmera que  pedia ao borracheiro, ou então  trocava por uma dúzia de ovos, todos catados no galinheiro sem a mamãe saber. Assim depois de reunir todos estes apetrechos era só atar as tiras de borracha à forquilha e a um pedacinho de couro e, estava pronto um belo bodoque e, só restava providenciar as pedrinhas depositadas no leito do riacho, todas redondas e bem calibradas e,  com os bolsos da calça curta cheios, procurava onde exercitar a mira; palanques da cerca, galhos da arvore, latas velhas e, as vezes também acertava os vidros das janelas, então tinha que suportar as consequências que eram a confiscação e destruição do bodoque por parte de meus pais. Mas depois de uma semana providenciava outro e, já saia distribuindo bodocadas e, foi com uma sem intenção de acertar que tirei uma lição para toda a vida;  pois mesmo sem mirar atingi o peito de um passarinho, que batendo as asas caiu no chão sangrando e,  aquele cenário me comoveu, pois tinha menos de sete anos de idade e não tinha o entendimento do estrago que uma pedrada faz e, ao velo assim ferido, fiz o juramento de jamais matar, de nunca mais  caçar e, como ele ainda estava vivo, com a esperança de salva-lo, correndo o levei para casa, porem era tarde, então minha mãe vendo meu pranto me abraçou e com ternura falou para não desesperar-me, pois aquele foi um pecadinho perdoável, cometido sem intenção e com arrependimento,  depois mandou sepulta-lo  no canteiro do jardim, pois como as flores que renascem na primavera, ele haveria de renascer em um dos ninhos da arvore mais bela do bosque.

  Aquela noite sonhei com o pobre bichinho e, depois no transcurso da vida, por algumas vezes me senti como Ele, com uma pedrada no peito e sem nada poder fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.