Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sábado, 9 de janeiro de 2021

I Òcii del Zio Minghin - Per Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto:


 


I òcii del Zio 

    Questo relato el ze fondamentà ntei ricordi de infansa dei carìssimi fradei Ventura e Leonilda Lizot, che una volta  i ga conta che...

  “ I òcii ciari del zio Minghin, i zera compagno due finestrine verte dela ànima,  ndove se podea sguardar la umanità nte`n s-ciantin.

  Domenico Lanfredi l`éra el so  nome vero e, dela nona Carolina el zera fratelo.

  Nato in Cassias, ma de giovenot de quel paesel el ga vignesto via.  

  Sessanta passà ani el gavea de età, quando nte`n giorno che par ària le campane dela ciesa se fea scoltar,  insieme de noantri el ga vignesto de star.

  El se ga presentà co`i mostàcii larghi, cavei grissi e viso inrugà e, con sinserità  el ga dito che su par l`spale el sentiva el peso dela età.

  Ntela rossa no`l podea pi laorar, peró  màneghi de feramente e careghe el savea far e del vime pareciar un bel seston e anca contar stòrie carghe de emossion. 

  El nostro pupà ghe ga ofri ospitalità, e Lu contento ga acetà.

  De suo el gavea solche semplicità e sapiensa par  contar bele stòrie de benevolensa.

  Stòrie  che fea sentir del passà, la emossion e del  futuro, la ilussion.  

  Nte`n tempo in che ciare persone savea leder gnanca un tanto, par depi d`ora el podea discorer sora la Bìblia, el libro Santo.

  De memòria el savea parlar, el versìcolo apropià al caso che se volea scoltar.

  El zera un vero profeta, che  alsea le man e i òcii in sù, par discorer sora el mensàgio de amor de Nostro Signor Gesù.

  El savea anca dei grandi maestri  e so mistieri, Leonardo Da Vinci, Michelangelo e Dante Alighieri,

 E par parlar de un testimònio de braura, sangue, onor e glòria, de Giueseppe e Anita Garibaldi el contea la stòria.

 Fin che nte`n giorno che se fea sentir par ària el profumo dele rose,  el ga partisto sensa dir par ndove e,   nò se ga pi  sentisto parlar del zio che tante stòrie savea contar, ma con sobrietà se pol dir quel se muve  par una stradeta longa e silensiosa, postata tra meso el fiume e el prà ntei campi fioridi del Paradiso e,  a mi che le so stòrie nò go scoltà, parché al mondo pi tarde go rivà,  solche me resta desiderar  che,  ntei confini del firmamento, mai ghe manche una feta de polenta e un bicierot  de vin, al saudoso zio Minghin.

Ademar Lizot.

(trad.)                       Os olhos do tio Menguin

                    Este relato é baseado nas recordações de infância dos queridos irmãos  Ventura e Leonilda Lisot, um tempo inesquecível em tiveram a alegria de conviver com o saudoso ‘zio Minguin.’

 

   Os olhos claros do tio Menguin eram como duas janelinhas abertas de sua alma onde podíamos visualizar a humanidade. Domênico Lanfredi era seu verdadeiro nome e, da nona Carolina era irmão. Nasceu na cidade de Caxias e dela muito jovem saiu.  Quando tinha mais de 60 anos, em um dia em que os sinos da igreja estavam a badalar, ele chegou para junto a nós morar. Se apresentou com bigode largo, cabelos brancos e rosto enrugado, mesmo judiado pelo sol de tantos verões. Depois com sinceridade falou que sobre as costas, lhe pesava a idade e na lavoura não podia trabalhar, mas cabos de enxadas, machados, cadeiras e cestas de vime podia fazer e, belas histórias dizer, então nossos pais de pronto lhe ofereceram hospitalidade e, ele contente aceitou.  De seu só tinha uma humilde simplicidade com lampejos de sabedoria e, também uma voz meio grave, meio rouca, boa para contar histórias que nos faziam sentir a emoção do passado e a expectativa do futuro escondido no véu do infinito. Através de suas histórias podíamos imaginar um outro mundo; fantástico e inacreditável. Em um tempo em que poucas pessoas sabiam ler, ele havia estudado a Bíblia e, por mais de hora podia falar sobre as escrituras do livro Santo, pois sempre sabia de memória o versículo adequado para o que queríamos saber, principalmente os evangelhos de João e Mateus, naqueles momentos se transfigurava em um verdadeiro profeta e,  seu rosto enrugado como que se iluminava para falar do sermão da montanha, essência da mensagem do amor infinito de Nosso Senhor Jesus Cristo. Também dos grandes gênios, filósofos e heróis da humanidade ele sabia um pouco; a Divina Comédia de Dante Alighieri, a Monalisa de Leonardo Da Vinci, a filosofia de Voltaire, a história da heroína e Santa francesa, Joana D`Arc, a música sublime de Giuseppe Verdi e, quando queria citar um testemunho de coragem, sangue, honra e glória, então contava de Giuseppe e Anita Garibaldi a história.

Até que um dia em que se sentia no ar o perfume das rosas ele partiu sem dizer para onde e, não ouvimos mais falar do tio Domenico e suas belas historias, mas hoje em dia pode ser que ele encontra-se caminhando por uma estradinha longa e silenciosa localizada entre o riacho e o bosque nos campos floridos do Paraiso, quanto a mim que não tive o contentamento de escutar suas histórias, pois cheguei ao mundo mais tarde,  só me resta desejar que; “Ntei confini del firmamento mai ghe manche una feta de polenta e un bicier de vin, al saudoso zio Minghin.’

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.