Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

La Ombria dela Veciaia

 Para baixar esse áudio clique aqui.

Para ouvir essa história narrada pelo próprio escritor clique no player abaixo:

                      

   La Ombria dela Veciaia

      Quatro ani fà, che sessanta de età go completa e, visin a la ombria dela veciaia son rivà! L`éra el giorno vinte de otobre e ntela comemorassion de compleano, ntel s-ciantin che  sufiea le candele del bolo, mia nipotina  con so vose dolce de bambina, la me ga dito:..’-Nono, ancoi che scominsia vostra veciaia?’  Quela domanda me ga sorprendesto e, solche dopo de sguardar ntel profondo de so òcii, bei come due grani de ua negra, go rispondesto. Ghe go dito che sì, come se paùra dela ombria dela veciaia nò gavesse pi, imaginando che la pol esser soave e afetuosa. Alora,  contenta La me ga abràssia e, de caro noneto la me ga ciamà e, quando l`fameia e amicii catea i auguri de pace, salute e felicità, alora pien de contantessa e co l`anima indenociàda go ringrassià al Signor-Dio che con so bontà sensa fin me ga regala amicii sinseri e me destinà na bela fameia e una doneta amàbile e coraiosa, che nò ga mia assà el mondo menarme via e, se ancora cossì, porto qualche sicatrisse  rento d`anima, l`é un prèmio de una lota, che se persa o guadagnada, nò ga più gnancauna importância.   Ntel transcorso dela festa, intanto che ricevea i complimenti, ntel silensio de m`anima go pensa sora la mia vita. Go ricorda del paesel che go nassesto, de quando  par gente me go cognossesto e, dela gràssia de esser fiol del Toni e dela Gigia, due ànime gemele che i se volea tanto ben. Go ricorda  dei mei disdoto ani de età, quando pien de sogni e felissità  el mio primo amor go trovà, una biondina con òcii de colombina. Go ricorda dele stòrie del passà e, dele legende che go imparà.  Anca me ga vignesto in testa par un secondo i amicii, persi  par l`strade del mondo,  quei paroni de mile cose, mà sempre malincòliche e quei sensa gnancaun fiorin, mà sempre contenti, confermando che la mèio richessa l`é volerse ben.

   Dopo del compleano, al s-curir de quel di, una piovesina triste come l`lagrime dela Madonina se fea sentir e, ntela solitudine dela mia casa, par el viero moià dela finestrina, go sguardà el mio viso; enruga, sensa el verdor dela gioventù e, me go sentisto pròpio pi vècio e pi tristo e, go capi che de quel giorno in vante, me tochea  tender de pi la ànima che l`rughe del viso e, cossì pensativo me go domandà, cosa che de Mi ristara, quando el mio sàngue congelar ntele  vene?   Pol esser che ristara solche i mei sogni oriundi de sentimenti fraterni, insieme del amor e dedicassion che a la fameia go destiná e,  l`storiete che de ànima e cuor go scrito, relati de`n discendete de contadin, pieni de aotentissità, come na feta de polenta e formaio con un bicier de vin.   

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Mis dè utùber - Mês de outubro - Elaine Maccali Girotto

Para baixar esse áudio, clique aqui.
 Para ouvir a narração na voz da escritora, clique no player abaixo.


 

 Mis dè utùber - Bèrgamasc


Tuca regà l' milho, strepà fò, sapà è cunforme lá lüna furnì dè pientà, perchè l'mis chè èh, ghè dè catassö l'furmét. Ai dudès lè fèsta granda, a lá Madona Nigra, sa prega e sa canta, per fà chè lá benedisse tötc i picini è l'Brazil, per furnì la fàm, lè guère, le diferènse per l'culur è chè ègne n'mont mèi per tötc, è mia sul per i sfür.

Mês de outubro - Português

Tem que passar o arado no meio do milho, arrancar as ervas daninhas, capinar, conforme a lua, terminar de plantar, porque o mês que vem, tem que colher(ajuntar) o trigo. No dia doze, è festa grande, para a Nossa Sra. preta (Aparecida), se reza e se canta, para que Ela Abençoe as Crianças e o Brasil, para que termine a fome, as guerras, as diferenças pela cor e que venha um mundo melhor para todos e não só para os ricos.

Mese de otobre - Talian


Ghe toca versar la tera in meso al mìlio, cavar fora le peste, sapar, dacordo con la luna, finir de piantar, parché el pròssimo mese bisogna racòlier el formento. Ntel di 12 ze gran festa par la Madona Aparessida, se prega e se canta par ela benedir i ciei e el Brasil, afinché finisse la fame, le guere, le difarense par el color, e che venga un mondo meio par tuti e non sol par i siori.





Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Ladaigne dén n'quai ròbe chè sa fàa è sa dizia an bèrgamasc - Elaine Maccali Girotto

Para baixar o áudio dessa ladainha, clique aqui.

Para ouvir a ladainha clique no player abaixo depois de "pausar" a rádio on line.



Ladaigne dén n'quai ròbe chè sa fàa è sa dizia an bèrgamasc

Bergamasco

A totc oter que ma scultì, va mande an bazì;
Ma chè bèl chè ta sé, me sul d'èdèdet sto bé;
Suna la urègia mansina, ergü iè adre què i ma lümina;
N'dela cà dèn talià, gnianca s'lè fèsta, pol mia mancà la pulènta e gnianca la minèstra;
Portazó dò o trè spasete, què ta dó na branca de galète;
Quanta ta éh a fà i tò büzon, tosö l'niòc è pàra det i manzöi;
Metzó la trabàcula per vèt sè ta ciapet anquai bestiöi, per mia maià ndumá amò sul fazöi;
Tciapa endèl caretù l'cadinù è ütem a tecavià l'pignatù, chè dapo fon i gratù;
Cata sö chèi stràs lé è metèi n'dèn cantú;
Tossö l'grampinho dèi caèi, é vé a ütam a netà i büdéi;
Cor svèlta, chè stomia tant bé, ma fà mal l'có è par n'fina chè efò i sarvèi;
Vezó n'cantina, portaché na curtelina, per taiaga l'còl ala galina;
Ndumá tuca leasö a cantagai perchè emia l'latero è tuca fà l'furmai;
Diga ala stcièta, qlchè la àghe mia a d'giügà ensó la carèta, chè fa frètc, è la mètesö la berèta;
Tciapa la cassina, tirafò scòlo, per mia nda fò denssima la puina é portighèl al vedèl n'dèl paiólo;
Com sö scusal, lá mama ala matina, la fassö i lètc è la làa l'bucal;
Nsela l'caal, co l'cual, tossö la capa perchè esö l'tempural;
Stamia sota le grundane è va mia nsèma chèi chè àh a putane;
Compra n'méter dè voltomundo per fà n'sutanì chè guènè amò sul n'tuchelì;
Vá a taisö na brasada dé ganasì, per tràga det ai ruitì;
Tciàma i cagnì, porta la trucheza, per càaga i spì dè i rispurchì;
Vá a dàga de maià ai pulastrèi e vé a ütam a fandà la möla, per mulà i mesurèi;
Fà mia burdèl, chè l'tò fredèl lè bütazó, co l'mal de détc;
Adès son contétc perchè ocór mia pö càa i carétc;
Làes i pé ndèl suèt è suguèi co n'strasèt;
Quanta ghè le ròbe nète l'pà, i outre ròbe se le fà cumè l'dà;
Chè brao chè ta se stat a scultan, isé tà mparat a parlà n'talià;
Go scriìt n'pó dè paròle, go lüminat tante ròbe, per mia smentegàle;
Grassie a tötc chèi chè i mà scultat, a Dio go bèla dumandat chè l'và üte ngrant tant.

Ladainha de algumas coisas que se fazie e se falava em bergamasco

Português


A todos Vocês que me escutam, mando um beijo;
Mas que bonito que você è, eu só de te ver, fico bem;
 
Desperta a orelha esquerda, alguém está falando de mim;
Na casa de um talian, nem se é domingo(festa), não pode faltar a polenta e nem sopa;
Leva pra baixo duas ou três esponjas, que eu te dou um punhado de amendoim;
Quando você vai no banheiro, leva junto o sabugo e toca dentro(fecha) os terneiros;
Coloca a Gaiola para ver se pegas alguns bichos, para amanhã não ter que comer ainda só feijão;
Pega no carretão, o correntão e me ajuda a pendurar o panelão, que depois fazemos os toresmos;
Ajunta esses panos ali e coloca num canto;
Leva junto o grampinho dos cabelos e vem me ajudar a limpar as tripas;
Corre ligeiro, que eu não estou bem, me dói a cabeça e parece que vem fora os tímpanos (cérebro);
Vem no porão, leva aqui uma faquinha, pra cortar o pescoço da galinha;
Amanhã precisa levantar ao cantar dos galos, porque não vem o leiteiro e tem que fazer o queijo;
Diz para a menina  não ir brincar encima da carroça, que è frio e ela coloque(veste) a tôca;
Pega a concha, tira o soro, pra não derramar por cima a coalhada e leva para o terneiro no paiol(galpão);
Usando o avental, a mãe de manhã, arruma as camas e lava o penico;
Prepara o cavalo, com o aparamento, leva a capa, porque está vindo o temporal;
Não fica embaixo das goteiras e não vai junto com quem vai nas prostitutas (zona);
Compra um metro de tecido(volta ao mundo) para fazer uma saia de baixo, que tem ainda só um pedacinho;
Vai cortar um feixe de dente de burro(pasto) para jogar dentro para os porquinhos;
Chama os cachorros, leva a torquês para arrancar os espinhos de ouriço;
Vai dar comida para os frangos e vem me ajudar a rodar o rebolo, para afiar as foicinhas;
Não faz barulho, que o teu irmão está deitado com dor de dentes;
Agora somos contentes, porque não precisa mais arrancar as macegas;
Lava os pés na gamela e seca-os com um pano;
Quando tem as roupas limpas e o pão, as outras coisas se faz como dá;
Que querido(bacana), que você foi, por ter me escutado, assim você aprende a falar em talian;
 
Eu escrevi um pouco de palavras, falei de muitas coisas, para não esquecê-las
Obrigado a todos àqueles que me escutaram, a Deus eu ja pedi, que Ele vos ajude muito(bastante).



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 8 de outubro de 2021

Nova escritora do site Brasil Talian - Elaine Maccali Girotto

 Depois de Ademar Lizot nosso principal escritor do site BRASIL TALIAN, e outros nomes que se pode consultar nas janelas logo abaixo do cabeçalho do site em "Scritori/Escritores", hoje temos a felicidade de receber Elaine Maria Maccali Girotto. Ela vai escrever textos em BERGAMASCO, assim a gente valoriza ainda mais nosso site com grandes variedades de conteúdos. Quer ser também um escritor parceiro do site? Entre em contato pelo whtas (54) 9 9606-8941.

Agora vamos conhecer um pouco da biografia da escritora e logo em seguida conhecer seu primeiro texto.

Elaine Maria Maccali Girotto



Meu nome é Elaine Maria Maccali Girotto, tenho 47 anos, sou natural Linha Bom Jardim, Boa Vista Do Sul RS. Atualmente resido em Carlos Barbosa RS, desde 1995. Ensino Médio (Técnico em Contabilidade). Sou filha de agricultores, estudei na casa da Irmãs Pobres da Divina providência em Farroupilha por 5 anos, Trabalhei com turismo na Furlatur/Guibor/TAS por 10,5 anos, fui metalúrgica na Tramontina por 2,5 anos, Trabalhei no laboratório da Santa Clara longa vida por 5,5 anos, atualmente sou terapeuta na área de Reflexologia Podal.
Aprendi o português na escola, em casa sempre falávamos o bergamasco, falo e entendo o Talian veneto, mas mais especificamente o bergamasco porque ali na minha localidade e proximidades se falava só bergamasco, sou muito grata a Deus e tenho muito orgulho e paixão pela cultura italiana, nunca tive vergonha de falar em Talian.

Para baixar esse áudio clique aqui.
Ou clique abaixo para ouvir, na voz da própria escritora:



Asa enghèn det l' sul n'dela tò ita (Bergamasco)


A tötc chèi  chè dèrf le pòrte, le finèstre, i scalvazó le piante per en det l'sul  n'dela la ita, co na paròla, na ardada o na scapada...
Chè cuntet quanta lè riada la ura de fernì la giürnada, perchè a olte lè nìgol,  anca scür per caso dèle tribülassiù...
Ma co la òia, la devussiù,  l'amur de cada ü, sa stciarìs e tècon a lüs è  troon la benedissiù.


 Deixa o sol entrar na tua Vida (Português)


A todos àqueles que abrem as portas, as janelas,  podam as plantas, para entrar o sol em  sua vida, com uma palavra, um olhar ou uma visita...
Que contente quanto chega a hora de terminar o dia. Porque às vezes é  nublado, também escuro, por causa das dificuldades...
Mas com a vontade, a devoção e o amor de cada um clareia,  começamos a brilhar e encontramos a bênção.

Dassa el sol ndar rento dela to vita (Talian)


A tuti quei che verze le porte, le finestre, brusca le piante, par el sol ndar rento dela so vita, con una parola, una vardada o na vìsita..
Che contentessa quando riva ora del tramonto. Parché dale olte ze nuvoloso e anca scuro parvia dele dificultà...
Ma con la voia, la devossion e amor de ogniun s-ciarisse, scominsiamo a s-ciarir e catemo la benedission.




Texto: Eliane Girotto
Tradução para talian e postagem: Jaciano Eccher
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Visita ai Noni - Ademar Lizot

 Para baixar o áudio dessa postagem clique aqui

Para ouvir a narração na voz do próprio escritor, clique no player abaixo:



                                        



    

                                          Visita Ai Noni (Per Ademar Lizot)

     Questo rilato del nostro Brasil talian  ga sucedesto quando i mei noni, Giùlio e Odila Arosio go cognossesto.

    L`éra el prìnsipio dei ani sessanta, gavea cinque ani de età e, el viaio al paesel de Caibi, in te le tere nove de Santa Catarina el se ga fato longo parchè in quel tempo strade sfaltade e ponte par sora del fiume Uruguai nò existia mia. Al disbarcàr del ònibus la mama me ga postà in testa una barretina, parchè vignea zo una piovesina, dopo la ga ciapà l`valise in man e, semo ndati in serca dela casa dei noni e, intanto che se caminea par una stradeta, de quele verte par bèstie e gente,  gavemo incontrà un contadin che caminea tuto moià, co`l seston sù par l`spale e co`l capel sbassà fin i òcii par difenderse dela piova e, quando el ga rivà pi darente,  l`mama ga ricognossesto che`l zera el suo pupà, alora la ga molà l`valise par tera  e lo ga abrassià e, co la vose carga de emossion la ghe ga dito ”-Caro pupà questo bambin  l`é vostro nipotin!”  Aloro el nono par un s-ciantin el ga restà  sorpreso e, dopo de molar tera el seston, co na vose mèso rauca, mèso grave el ga dito:..”-Òstrega che belo tosatel, el ga pròpio i cavei e òcii negri dela nostra gente!”  Dopo de saludarlo, insieme gavemo seghi par una stradeta che  nò go mai desmentegà parchè fora de esser  postata tra mèso el bosco e el prà, la ga fato parte de un precioso momento dela mia infansa.   Al rivar a so casa, se fea veder la fumana del fogon drita al cielo e, el vignal ben piantato e belo.

    -Santantoni, varda chi che vien! Ga dito l`nona e,  co una incantadora simpatia in tuti i so gesti e parole, la me ga abrassià e,  con tanta dolcessa e soavità la ga parla, che invergognà i òcii go sbassà. Nte quel tempo la gavea sessanta passà ani de età e, la zera ancora bela, de cavei grissi onduladi e ben petenati,  testa alta sognadora, òcii ciari e prudenti e la  pel co na ofuscante bianchessa, che insieme de un soave rossor  ghe imbelessea el viso. La gavea pròpio una belìssima genètica che l`tose dela  fameia ga eredità.       

    Dopo de passadi tanti ani, con gran dolore sinto strucarme el cuor par nò gaver mia la arte del desegno par eternissar in te una pintura quelo che core ntel profondo dela mia memòria, l`imàgine dela nona Odila, bela e imponente come che zera el suo carater e, la stampa del nono Giùlio, de capelon in testa, mostàchi negri e mam pesade de contadin, caminando soto piova co`l seston de fen sú par l`spale, par quela stradeta profumada de carchessa e rosmarin.    

Ademar Lizot.

                            Visita aos Avós.

      Somente aos cinco anos de idade conheci meus avós Júlio e Odila Arosio.

  Era o princípio dos anos sessenta e a viagem até a localidade de Caibi, nas terras novas de Santa Catarina, se fez longa pois naqueles tempos não havia estradas asfaltadas e nem ponte sobre o rio Uruguai. Lembro que ao saltarmos do ônibus chovia e a mãe botou uma touca em minha cabeça, depois pegou a mala e fomos a procura da casa dos avós. Caminhávamos por uma estradinha aberta por bicho e gente, quando encontramos um velho colono que caminhava todo molhado, com um cesto nas costas e o chapéu abaixado até os olhos para proteger-se um pouco da chuva. Ao chegarmos mais perto a mamãe reconheceu que era seu pai. No mesmo instante largou a mala por terra e o abraçou. Depois com as lágrimas misturas a agua da chuva ela disse:...Querido pai, este menino é seu neto!

Ele me olhou detidamente e, depois com uma voz meio rouca, meio grave, falou:..”-Mas que belo menino, ele tem os olhos e cabelos negros de nossa gente!  

Depois, seguimos juntos por um caminho entre o mato e o campo e, aquela estradinha jamais esqueci, pois  faz parte de um precioso momento de minha infância. Ao chegarmos a sua casa, se podia ver a fumaça do fogão em direção ao céu e o vinhal, belo e bem plantado.

-Sant`Antoni, varda chi che vien! Disse a nona em seu idioma materno quando nos viu e, depois com uma encantadora simpatia em todos os seus gestos e palavras, me abraçou e falou com tanta suavidade, que impressionado abaixei os olhos envergonhado. Naquele tempo Ela tinha mais de sessenta anos de idade, mas ainda era bela, de cabelos brancos, ondulados e bem penteados, a pele ofuscante de brancura e um suave rubor lhe embelezava a face. A testa alta e os olhos claros e prudentes, uma bela genética que as mulheres de nossa família herdaram.

  Depois de tantos anos passados, sinto um aperto no coração por não ter a arte do desenho, para eternizar em uma pintura aquilo que corre no fundo de minha memória, a imagem da vovó Odila, bela e imponente como era o seu caráter e, a estampa do avô  Júlio, de chapelão em testa, bigode negro e mãos pesadas de colono,  com um cesto de feno nas costas, caminhando por aquela estradinha perfumada de carqueja e alecrim.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

El Permesso par Smorosar - Ademar Lizot

 Para baixar o áudio dessa postagem clique aqui

Para ouvir a narração na voz do próprio escritor, clique no player abaixo:



                                        


       Permesso par Smorosar

     Sti ani indrio quando el rispeto el zera un enti-consagrà, se cavea fora l`é mèio parole par domandar el permesso par smorosar.

    Ai genitori dela tosa se disea...

-Bona sera paron, bona sera parona!

-Son qua con tanto rispeto par domandarghe se son degno de smorosar vostra fiola, che  stimo e, voglio tanto ben.

  - Nò  son mia belo,  ma franco e sincero e, san come un palanco de angico ben piantato. De Bellunesi e Cremonesi son descendente e, oriundo de fameia bona, che ga alsa sù un prete e una monega!  Al ciarir del di salto su del leto, par far i laori svelto, varde qua che man piene de calossità!  Son paron de`n caval trotador e una giunta de bovini de bon valor e,  par vender al mercatin go galine, porchi e piegorin e, nte`n futuro pròssimo ga de far parte dela mia proprietà, un bosco che seghe el rieto e, un belíssimo prà. Giugo de carte e bòcie nò so mia gnanca cosa che sia, parchè caciassa e bodega  no me gusta mia, ma insieme del merendin, me piase de bever una sboconada de vin e, se nò so mia tanto furbo, ghe sicuro che  gnanca tanto baùco, parche so distingher el stúpido al parlar e el orbo quando le drio riposar.

  Alora el pupà dela tosa cossì rispondea...

-Brao, brao fiol, Me gusta sentirte cossì parlar e, cumplimenti par l`é to man piene de calossità. A mi anca me piase el laoro e el rispeto e, par questo voglio dirte che nostra fiola anca la ze de bona descendensa, de nono Trentino e nona Cremonesa.  A primavera la fà disdoto ani e  la sà  rimandare tuti tipi de pani.  La sà stimar el mèio vin e pareciar  pan nte`n s-ciantin e, fora de èsser sana e bela, la ze anca franca e sinsera e, se te gusta ndar a feste, Te sicuro che la ze de quele più discrete, parchè la vive sempre onesta e sensa bruti pensieri in testa.  Engani nò la sà mia cosa che sia, parchè ntel cuor falsità nò la ga mia.  La laora dela matina a sera e, quando vien sù l`tempesta la sà dir na preghiera.

  -Così che ze la nostra stimada fiola e, come go visto che Te se un giovenot franco e sincero, par quelo che toca a Mi e mia sposa, te ghe el permesso, ma Te racomando rispeto, parchè fiola dela nostra stima, par festa de furboni nò la serve mia.

-Gràssie Paron, tante gràssie Parona, par el vostro permesso e, de stimar e rispetar vostra cara fiola ghe prometo.  

E cossì se  finia quela ciàcola, del tempo del onor e del rispeto.

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Giogheti de tosatei - La vita sensa preocupassion

 Ben! Come el vìdio el ze pronto in talian non go bisogno de scriver el testo qua in talian, al contrário soto el vìdio dasso el testo in portoghese par quei che capisse mia. Ze una novità i sototìtoli in portoghese ntei nostri vìdii alora assicùrate de esser iscrito sul CANAL BRASIL TALIAN.


 

 Texto do vídeo em português:


O vídeo de hoje tem o Apoio Cultural de Grupo Ricordi dela Italia, onde tem cultura italiana o Grupo Ricordi dela Italia está sempre junto.

Vamos voltar ao passado quando éramos todos crianças, onde os problemas não existiam , onde há maior preocupação da vida era saber se amanhã chover não poderemos brincar. Os meninos muitas vezes desrespeitosos corriam atrás dos animais , ou iam pescar, ou caçar. As meninas com bonecas feitas de panos velhos ou de espigas de milho.

Brincar de pega-pega, esconde-esconde, viver em um mundo de fantasias , tantas eram as brincadeiras que faltava tempo para fazer tudo. Se chover se mesmo assim a gente dava um jeito a gente ia no porão brincar de bolitas , ou então jogar pedrinha. O primeiro carro que a gente dirigia era a máquina de costura da mãe ou da avó.

Lindos tempos que não voltam mais, onde a fantasia era a gasolina que empurrava a nossa vida adiante.

Tudo bem? Oh velho, velho! 

E até mesmo as coisas perigosas a gente fazia escondido dos nossos pais. Reviver todas essas lembranças é um presente que podemos dar aos nossos corações.

Essa gravação foi feita no sítio Milani em Constantina no norte do Rio Grande do Sul , em uma quinta-feira dia 2 de setembro enquanto a gente se preparava para a Live quintaneja.


Não se mate!!


Olha o ganso!!


Nesse mesmo dia, fizemos também outras gravações , como a visita das comadres a mulher quando nascia um bebê , o link está aqui no canal Brasil Talian. Muitos vídeos ainda estão por vir, mostrando como era a vida dos nossos imigrantes italianos , vida de tribulações e sofrimentos mas também de muitas felicidades, sonhos, serão, uma verdadeira fantasia que enche nosso coração.

Quero mostrar o que tem de lindo em sua cidade? Em italiano ou português? Deixe seu comentário abaixo deste vídeo que nós entraremos em contato.

Espero que você tenha gostado de voltar um pouquinho a ser criança, nos encontraremos no próximo vídeo. 




Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Parlando con ivo Zeni

 

Diferente das demais postagens essa vai em português porquê quero apresentar uma novidade. Ainda estamos em faze de teste mas esse vídeo tem legendas, acredito que não faremos legendas em todos os vídeos mas sempre que um vídeo tiver legenda assim como esse terá um aviso no canto inferior direito ainda no começo. Nosso canal está crescendo e estamos mantendo a frequência de pelo menos um vídeo por semana.

Logo abaixo do vídeo deixo a legenda em português do vídeo todo, ideal pra quem não entende talian.

 

 Texto da legenda:

Bom gente estou aqui hoje em Ronda Alta no norte do Rio Grande do Sul , estou aqui na Linha Divisória junto com Ivo Zeni que trabalhei um tempo junto , que ele faz programa TALIAN em rádio fala muito bem em TALIAN , e não só por falar bem mas ele tem muitas histórias é um grande historiador , um conhecedor das histórias de imigração .

Tudo certo Ivo? Eu estou bem, e você também? É um grande prazer receber você você aqui ,eu não estava esperando , você sabe que nesses momentos dói até o coração de voltar um pouco atrás e contar a história dos nossos pais. É uma história que a gente conta com o coração né Ivo, mas vamos começar falando. Como vocês vieram parar aqui na Linha Divisória? 

Bom, se a gente for analisar existe toda uma sequência , porque desde os avós e bisavós, eu me lembro bem da história dos nossos bisavós quando vieram da Itália Meu Deus Jaciano. Existem parentes por parte de minha mãe que se empurravam para entrar no navio  para sair da Itália e vir para a América , eles não faziam ideia do que era América , mas os seus sonhos era de vir para cá porque diziam que lá tinha terra o que que tinha terra né.

Uma irmã do meu avô morreu na estrada. Da parte do pai da minha mãe eles vieram em três Irmãos , então cada um pegou um rumo e foram se ajeitando foram se fixando, cada um com seu jeito mas imagina na época como era difícil porque hoje se você for ver , você precisa comer bem você precisa descansar você precisa ter uma vida saudável , mas como que viviam naquela época? Bom! Depois de 3 meses que estavam no mato minha bisavó morreu no mato , onde você levaria? Em Porto Alegre? Pegar o Rio Caí e voltar muitos km? Não! O bisavô já tinha três filhinhos já , o que que ele precisou fazer? Enterrou ali mesmo ao lado de uma casinha que ele tinha no meio do mato. Então imagina ele as três crianças pequenas quanta tristeza sair de lá da Itália e vir aqui se encontrar no meio do mato Aconteceu o quê? Dentro de seis meses ele também morreu de tanta tristeza e sentimento , não tinha o que dar de comer para as crianças então os três irmãos dele dividiram as crianças cada um cuidava de uma , e o meu avô era um dos três filhos um deles que depois casou em Monte Belo-RS , no centro de Monte Belo onde eles foram criados , meu nome no casou lá e teve a oportunidade de Comprar um pedaço de terra porque ele não ganhou, a terra era do seu pai , então ele comprou essa colônia, ele e a vó pagavam essa terra , e se precisava criar um porco o que ele fazia? Precisava amontoar pedras, fazer uma mangueira, colocar o porco dentro, e tinha uma porca de cria ele colocava dentro, colocavam uma vaca, os animais eram trancados assim eles fizeram assim a vida dele, criaram uma família de 12 filhos que depois se espalharam pelo Rio Grande do Sul. Mas os sofrimentos eram tantos.

Do lado do meu pai  , eram de etnia mista porquê naquele tempo existia o Tirol da Itália , que se não estou enganado fica próximo Áustria , era um território muito disputado entre Alemanha e Itália. Então o meu avô era italiano e minha avó era austríaca , só falava em alemão , então compreender-se na família e se entender aqui, eles também criaram seus filhos, então lá teve filhos que predominaram a língua alemã e outros que predominaram na língua italiana , então eu sou um desses um dos últimos da geração que acabou praticando e hoje falo a língua Talian. Então o que fazia os meus pais? Conforme eles ganhavam dinheiro eles vinham comprando Terra mais perto, então eles vinham para Passo Fundo, Carazinho, Sarandi, para Rondinha,  Ronda Alta que estamos hoje , e assim sucessivamente eles iam de município em município , aqueles que não tinham nada por exemplo, falavam, ah fala com o pai vamos comprar terra , mas a minha descendência vieram com os mais miseráveis de lá. Quando se era jovem nós pedimos para o pai quando a gente veio lá de Garibaldi-RS , pedimos para vir até o grande Sarandi-RS, mas grande Sarandi se for ver hoje foi dividido em 22 municípios , mas enfim quando eles vieram aqui o município de, como que dizia o mesmo, era Povoado de Águas da Rondinha 12º distrito de Passo Fundo-RS naquele tempo , Então imagina, Eles vieram com o quê? Sem nada , com alguns panos velhos e muita vontade de encontrar riquezas em algum lugar.

E nós estamos aqui, o meu copinho já meio vazio , porque é um vinho bom. Ivo Zeni, então você faz vinho, faz salame, você faz tudo o que antigamente era feito e hoje você não encontra mais se não for no mercado, produtos industrializados.

 Correto Jaciano, você sabe que desde o tempo dos primeiros Imigrantes, como eu te dizia antes em outro momento , cada família precisava encontrar sustento na própria família , e como a gente vinha praticando todas as coisas da casa , era preciso encontrar uma maneira de fazer as coisas que durassem , veja bem, era preciso fazer o queijo que durasse, a chimia que também durasse , o açúcar porque dura, o salame, era preciso fazer o salame para durar tempo Fazer bem feito para durar e não perder, porque era uma coisa preciosa e se você perdesse te faltaria dentro de casa, e como o vinho , o vinho é uma questão primordial que faz parte da vida é Sagrada né? Por exemplo, se você ver dentro da própria igreja veja, o que tem de sagrado? Existe o pão, o vinho, a ovelha. Mas o vinho como tradição se aprende a do avô , do pai, mas todos têm referência do seu avô do seu bisavô , como ele veio da Itália, como  trabalhar com parreiras , como você pode às parreiras, como você cuida delas , como você faz, a maneira correta de fazer um vinho bom , um vinho que te dá vida, um vinho que tu dá gosto prazer de beber. Os salames? Salames também, precisa ter uma carne boa, em ordem, precisa ter delicadeza , a copa também, a copa é preciso ter cuidado , tempo de maturação, tempo para fazer os, o tipo da carne que você pega do porco.

Mas a melhor profissão é quando você aprender do pai, da mãe, do avô, do bisavô , porque ele tem uma história, uma descendência de poder fazer aqueles gêneros com qualità.

Bom gente, Já começamos com vinho branco agora estamos com vinho tinto , com salame, a festa está completa , terminamos esse vídeo, Ivo estou muito feliz de coração de outra vez poder reencontrá-lo , falar com o senhor e ouvir essas lindas histórias que tenho certeza que todos gostaram.

Jaciano te agradeço, e nunca imaginei de poder participar , repassar um pouquinho daquilo que a gente conhece , se fosse falar tudo aquilo que a gente tem no coração precisaria uma semana, duas ou até mais , mas agradeço Jaciano. Tchau. Adeus 


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Nota de esclarecimento sobre a música "Terra Amata" (tradução de Querência Amada)

 Eu Jaciano Antonio Ecker (nome artístico (Jaciano Eccher), recentemente tive meu nome citado em um clipe musical intitulado "Homenagem ao dia do Gaúcho - Português/Talian". Quero parabenizar a todos os envolvidos no clipe que ficou muito lindo. Acontece que muitas pessoas me procuraram perguntando se eu era um dos tradutores dessa música (Querência Amada) para a versão TALIAN, a minha resposta é NÃO. Não sou tradutor da letra da Música Querência Amada para a língua talian a qual recebe o nome de Tera Amata. Eu simplesmente forneci o link público da letra dessa música de versão Grupo Radise D'Italia para a equipe que produziu esse clipe recentemente, assim como qualquer pessoa pode ver publicamente clicando aqui. A postagem está no site como podem ver desde o dia 9 de agosto de 2021, bem antes desse clipe citado acima. O fato de ter meu nome no final do clipe foi mal explicado, quem produziu apenas quis me agradecer pela ajuda com dicção de algumas palavras e ter fornecido a letra, só isso. Meu nome só está fora de contexto e por isso causou certo alvoroço por parte dos detentores da letra.

Quero ainda frisar que respeito muito e sempre vou valorizar os autores, compositores e tradutores, por isso em nossas postagens sempre citamos fontes, muitas vezes até mesmo com links.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Due Dentini - Ademar Lizot

 Scarica sto àudio strucando qua.

Ascolta la stòria strucando soto:



                     


                                    Due Dentin

    La mia Santa mama che par nove mesi la me ga ritegnesto rento del suo ventre, una volta la me ga conta che quando zera picinin e me ga spontà i due primi dentin, la nona ghe  ga dito “- L`é ora de deslatar sto bambin e darghe polenta con late, che vanti de far el primo anin el ga de caminar e indurir l`culate”!  Pi tardi quando a me cognosser par gente go scominsià, alora mio pupà che tante cose el me ensegnà, el me ga dito;..’- Te ghe nassesto nte`n giorno primaveril del 57, ntel paeselo de Fighera Alta, visin ai campi de Soledade e, nò sta mai dementegarte che dela gente Vèneta Te se discendente,  la to noneta l`é fiola de Milanesi e, el  noneto de Bellunesi!’

   Con oto ani  de età a studiar me ga tocà. Alora la mama me ga ligà nel col el scapulàrio dela Madonina e, la me ga racomandà de obedir e rispetar l`professorina e, dopo che`l pupà ntela mia testa un capeleto el me ga postà, go partì montà nte`n cavalin, giusto par el mio tamagno,  un petisso, de pel tostado mèso castagno che gavea una stela bianca ntela testa e me portea a scola come se fusse a una festa.      

    Quando me ga scominsià a spontàr  mostàcii e barbin,  el pupà me ga dato el permesso par bever vin. Vanti dela prima sboconada,  co parole de sapiensa el me ga dito: “-D`ancoi in vanti te ghe el permesso, mà sta atento de beverlo co moderassion e rispeto, parchè el vin stesso del pan el ze un mistier Benedeto!”

     Quando gavea la età in che l`emossion l`é pi forte che l`rason, de soto dela ombria de`n pianton, go cognossesto una biondina, de viso rotondo e òcii de colombina, de mama  trentina e, pupà tedesco, bianco stesso late e co na stragranda stima par bira con patate. Ntela domènega che la go menada casa go dito:  “-Mama, la signora ga na visita, questa bela ragasina la se ciama Rita e, de ancoi in vanti, cara mameta, la ghe rispeta come vostra  noreta”

    De cavei Longhi e pien de contrarietà go partisto via soldà e, dopo de`n ano magnando fasoi, riso e carne fumegada, nò i ga pi me ciamà de gringo, parchè go perso el mio parlar co un forte acento Trentino. Alora a casa go ritornà, la mia biondina me ga desmentegà e, i tocheti del cuor me ga tocà de giuntar. Fin che nte`n giorno una sigagna de vestimenta bianca ga  lesto la mia man sanca che una tosa con òcii de una note de domènega gavea de esser la me femena. Alora nte quel s-ciantin me go entusiasmà  e, go desiso de partir in serca de mio destin. Ntel momento dela partensa, dopo de`n bàcio a l`mama el pupà cossi el ga parla:..”-Nó sta mai desmentegarte che un omo el mondo nò lo mena via, quando el ga fede in Dio e la fortuna de esser insieme de una sposa sinsera e coraiosa.”

E cossì finisso questo rilato,  sinò el vien massa longo e, anca parchè el tempo bon dela gioventù no`l ritorna mai più!

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Dolci de More Silvestre - Ademar Lizot

 Baixe o áudio dessa história clicando aqui.

Ouça a história clicando no player abaixo:

 


                                   Dolci de More Silvestre  (per Ademar Lizot)

       

      I più vècii sempre disea che  tra mèso el cielo e l`tera ga tanti mistieri che nò se pol mia spiegar, ma sempre gavea qualchedun che disdegnea de quele parole, alora el soratural se incàrichea de mostrarghe el incontestàbile.  Cossí che  ga tocà a Vinsenzo Guadagnin, un contadin che de streghe, paùra no`l gavea e in fantasmi no`l credea, fin che al s-ciarir de`n di in che l`nèbia moiea i campi, el ga montà ntela so mula baia e, a trote el ga partisto con destin ai campi de Soledade, par comprar ntela stànsia de Aparício Justimiano, vedele de meno de`n ano.  El ga viaià presto e, quando el ga rivà nte quel punto in che l`stradeta acompagnea el rieto,  el ga sguardà de soto de una volumosa pianta de more silvestre, una tosa bela e formosa. La zera vestita de biancheto e, nel col de rosso sangue la gavea un fassoleto. Alora sorpreso el se ga fermà e dopo de saludarla el ga domandà se la savea el indirissio de`n tal de Aparicio. “- Si che lo so,  pi avanti una s-cianta, nte`n  casa de calsina bianca, ma  se te pol menarme insieme posso con giustessa ensegnarte.”  Alora nte`n s-ciantin, la ga salta sù come se la gavesse la agilità de`n gatin.

    -Me ciamo Bibiana e,  far  dolci de fruti silvestri,  la mia specialità!

    -Me ciamo Gu
adagnin e, dela Fighera Alta son contadin!

  Intanto quei  cavalghea la ga resta chieta ntela gropa dela mula, fin quei ga visto un cavaler che vignea de incontro, alora la tosa ga salta zo dela mula e spaventada la ga  dito; ‘-Per carità  tirete via  de qua, parche quel che vien a caval l`é el mio sposo, un omo gelosento e rabioso.”

    Con sveltessa el se ga tolta e, nte`n s-cianta el ga rivà a la casa de calsina bianca e, dopo del “-Ho de casa”, inte`n s-ciantin  ga saltà fora un vècio de bianco barbin, pròpio avanti co la età e, come Aparicio Justimiano el se ga presentà.

  “- Bon giorno, son qua in serca de vedele de meno de`n ano.” “-Se tens prata na guaiaca, apeia e chega pra diante.”  Ga dito el stànsiero con so parlar ‘campero’.

   Vinsenzo el zera furbo par far negòcii e, el ga pensinsià  fin che`l vecieto ntel prèssio che`l voleva el ga rivà.

   Dopo del negòssio fato, curioso el ga domandà.

  - Signor Aparicio cognosse na Cristiana  ciamada Bibiana?

  - Nò  gnancauna Bibiana. El ga rispondesto.

  -Ma la me ga dito che la ghe cognosse, fin el vostro indirissio la me ga ensegnà.

  - La ùnica Bibiana che go cognossesto de pi de sesanta ani fà e, far dolci de fruti silvestri zera la so specialità.   Però a tantìssimi ani indrio el so sposo, un omo gelosento e rabioso, el ghe ga  tàia la vena del col e, quel crime ororoso el ga perpetrà  solche par che la ga visto ntela gropa dela mula baia de`n strànio.

  Ntel viaio de ritorno el vignea sèrio e, pensativo nte quela  coinsidesa e, quando el ga rivà nte quel punto dela pianta de more silvestre, el se ga spaventà, parchè de na banda gavea  una crose ndove zera scrito: “In omàgio a Bibiana Clementina dos Anjos!”

   Alora dopo de dir una preguiera, el ga nda via impressionà e, de dementegarse de quel sucedesto el ga giurà. Però quando a casa el ga rivà,  la so sposa ghe ga dito:..

  - Sta matina una formosa tosa,  vestita de biancheto, Te ga assà questo pacheto.”

   -Cosa che zelo? El ga dito!

  - L`é un vasin pien de dolci de more silvestre!

  E al fenir questo rilato, lascio a voi a considerare quale e quanto se pol creder e darghe fede al soranatural.

  Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 5 de setembro de 2021

Documentário mostra imigração italiana no norte do RS

Português:

 Na primeira semana de setembro estive em Três Palmeiras, Ronda Alta e Constantina, todas as cidades situadas no norte do Rio Grande do sul. O objetivo foi fazer uma série de vídeos mostrando a imigração italiana na região.

Assim como já fiz na primeira semana de junho no sul de Santa Catarina (os vídeos estão quase todos no canal Brasil Talian) agora também aos poucos (1 ou 2 por semana) estarei postando todos eles no canal. Foram vídeos lindos, inéditos, de temas aleatórios que você vai gostar muito. Para não perder nenhum clique aqui agora mesmo e se inscreva em nosso canal ativando as notificações.


Italiano:

Nella prima settimana di settembre sono stato a Três Palmeiras, Ronda Alta e Constantina, tutte città situate nel nord del Rio Grande do Sul. L'obiettivo era realizzare una serie di video che mostrassero l'immigrazione italiana nella regione.

Come ho fatto la prima settimana di giugno nel sud di Santa Catarina (i video sono quasi tutti sul canale Brasil Talian) ora li pubblicherò anche gradualmente (1 o 2 a settimana) sul canale. Erano video bellissimi, inediti, di temi casuali che vi piaceranno molto. Per non perderti neanche un,  clicca subito qui e iscriviti al nostro canale attivando le notifiche.


Talian:

Ntela prima stimana de setembre son stato a Três Palmeiras, Ronda Alta e Constantina,  cità situade nel norte del Rio Grande do Sul. El obietivo ze stato far una serie de vìdii che mostra la imigrassion taliana nela region.

Come go fato la prima stimana de giugno nel sul de Santa Catarina (i vìdii i ze quasi tuti sul canal Brasil Talian) adesso pian pian li meto tuti (1 o 2 a settimana) rento del canal. I ze stati vìdii belìssimi, inediti, e diversi, valtri ndé piaser tanto. Par non perder nganca un,  clica qua e iscriviti sul nostro canal ativando le notificassion.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››