Radio Fighera Alta (per Ademar Lizot)

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Par scaricar sto àudio clica qua.

Par ascoltar la stòria clica soto: 

Radio Fighera Alta

Del Brasil Talian, baseà ntei ricordi de Ventura Lizot, raconto la stòria de una radio picinina che sonava lìmpida e cristalina. La ga intrà in ària ntel ano cinquanta oto, quando due amicii ancora adolesenti i ga alsa sù la prima emissora de radiodifussion dela cità de Arvoresina, la radio Fighera Alta. Un de quei amici se ciamea Antonino Ferri, che el gavea el corso eletrotènico del Instituto Universal Brasilian e l`é stà el responsàbili tènico par far la instalassion dei echipamenti.

El zera un giovenoto sempre in serca de cognossimento e paron de una inteligensa briliante, i lo ciamea de Marconi, in omàgio a Guglielmo Marconi un dei pi grandi inventori italiani de tuti i tempi. El altro giovenot l`éra nostro fradel Ventura Lizot. El ga ospedà la radio ntel prèdio dela antiga rodoviària e, con volontà e determinassion el ga iutà in quelo brau laoro. La emissora gavea na rùstega antena con potensa limità a quaranta chilometri de raio, ma ancora cossì la portea la onda del Alto Taquari ai campi de Soledade.

De matina bonora soltea par ària cancione de Tonico e Tinoco, la dùpia de oro del Brasil, anca del imortal Pietro Raymundo, con so vose ribombante e, dei fradei Bertusi con so sangue de gausso. Dopo vignea fora curiosità, fròtole e notìssie dela comunità. A la domènega i se presentea i sonadori de gaita dela region, el genial Luiseto dei Santi e el grando Serapion. Al sonar el campanel dela ciesa, a le ore dodesse e disdoto, l`éra el s-ciantin dela Avemaria e del Patre Nostro. Nte quei momenti el locutor zera el tosatel Adroaldo chanan, paron de una bela e spressiva vose.

Presto i ga conquistà una bona audiensa, però giusto par via de quel sucesso, quelaltre radiotransmissore dela region, le ga senti che la picinina radio, la zera drio competir ntela audiensa, i la ga denùnsia e, come non la zera mia ancora legalisà ntele règole dela comunicassion, la giustìssia la ga considerà clandestina e blochea el canal.

Dopo sensa aiuto dela comunità non i ga pi conseguisto meterla nantra volta in ària. Di d`ancoi se pol dir che le stà un pecà che non se gaveva mia i echipamenti de gravassion par eternisar la programassion e, cossì non se pol mia misurar el fato raro, se non ùnico de quei giovenoti e, se anca el patrimònio imaterial del Município non registrà el so brau laoro, el mèrito de quei due pioneri el ze eternisà ntela memòria dei pi vècii, parché el eterno non è mia quelo che dura par sempre, ma sì quelo che se anca dura par poco tempo, ga el poder de farse indesmentegàbile, come quela radio picinina, che sonava lìmpida e cristalina ntel cielo dela bela Arvoresina.

Rádio Figueira Alta

Do site Brasil Talian, baseado nas lembranças de Ventura Lizot, conto a história d`uma rádio pequeninha, mas de som límpido e cristalino. Foi ao ar no ano 55, quando dois amigos, ainda adolescentes montaram a primeira estação de rádio difusão da cidade de Arvorezinha. Um dos amigos se chamava Antôninho Ferri, que possuia o curso eletrotécnico pelo Instituto Universal Brasileiro e foi o responsável técnico para instalar os equipamentos.

Era um jovem sempre em busca do conhecimento, possuidor de inteligência brilhante, o chamavam de Marconi, em homenagem a Gugliermo Marconi, um dos mais famosos inventores Italianos de todos os tempos. O outro jovem era nosso irmão Ventura Lizot, que hospedou a rádio no prédio da antiga rodoviária e com determinação comandou aquele belo trabalho. A emissora tinha uma rústica antena com potência limitada a 40 km de raio, mas ainda assim conduzia a onda do Alto Taquari aos campos de Soledade. De manhãzinha tocavam as músicas de Tonico e Tinoco, a dupla de ouro do Brasil, também do imortal Pedro Raymundo, com sua voz retumbante e, dos Irmãos Bertussi e seu sangue de gaúcho.

Depois seguiam piadas, curiosidades e notícias da comunidade. Aos domingos se apresentavam os gaiteiros da região, o genial Luizinho dos Santos, o grande Serapião. Ao tocar os sinos da igreja, as horas 12 e 18, era o instante do Pai Nosso e da Ave Maria. Naqueles momentos o locutor era um menino de nome Adroaldo, possuidor de uma bela e expressiva voz. Com brevidade foi conquistada boa audiência, porém devido ao sucesso a rádio durou pouco tempo, pois quando as outras emissoras da região sentiram disputar sua audiência, a denunciaram e como ela não estava regularizada nas leis da comunicação, a justiça a considerou clandestina e bloqueou o canal e, sem ajuda da comunidade, não conseguiram legaliza-la.

Hoje em dia podemos dizer que foi um pecado não terem os equipamentos de gravação para eternizar a programação, assim não podemos medir o pioneirismo daqueles jovens e, embora o patrimônio imaterial do Município não registra aquele belo trabalho, a memória dos mais velhos há de passar aos filhos e netos o mérito daqueles dois pioneiros e daquela pequena radio, para sempre eternizada na memória dos mais velhos, pois o eterno não é o que dura para sempre, mas aquilo que embora dure pouco tempo, tem o poder de tornar-se inesquecível, como aquela pequenina radio que tinha um som límpido e cristalino nos céus da bela Arvorezinha.

Par Ademar Lizot

Le man de mia Madre (per Ademar Lizot)

sexta-feira, 6 de maio de 2022

Par scaricar el àudio clica qua.
 Par ascoltar la stòria clica soto:

/>

                                                          Le Man dela Mia Madre


   Mia caríssima madre ciamea Gigia e a tantissimi ani indrio la se ga tolta via insieme del Sior-Dio.

   La zera vecieta, ma la gavea le man più vècie che la so veciaia, man maltratade de tanto manesar el arado e storte de tanto doperar la sapa, man che quando ciapea la manera, le piante caschea zo par tera. Man che non gavea mai riposo, sempre drio i so afari, spacar legna e dele vache tirar el late. Man piene de calossità che gavea indurì come el asso consà, ntel laoro stufante dela colonia. Man che sentiva una caressia solche quando se giuntea par alsarse su nte`una sùplica e, nte quel s-ciantin de Santa zera le so man.

   Anca de àngeleto zera le so man, quando la portea el seston co`i bambini rento e, d`argento e oro quando la carissea i mei cavei, soratuto benedete quando la pareciea la polenta e impastea el pan.

   Le man dela mia madre, al saludar le  passea una sinsiera simpatia, parchè le zera man de chi  gavea forsa fìsica ntei bràssi e forsa moral ntel carater.  

   Le man dela mia madre de tanto lavar robe ntela àqua freda, le zera bianche e inrugade e, par soavisar quela soferansa tante volte la canteva a mesa vose vècie cansion, dela so gioventù e, quela freda aqua la zera una compagnia ntela so solitudine, che calmea i dolori, sofeghea i lamenti  e acetea so làgrime.

   Tantìssimi ani fà che le man benedete dela mia madre ga ricevesto el riposo che le se meriteva e, adesso ntei mei sogni  sguardo le so man, sensa rughe e sensa calossità, bianche e delicate come le man dela Madonina, alsade sù nte`una sùplica ntei giardini fioridi del paradiso.

    Benedete le man de mia Madre, benedete le man de tute le Madre!

Ademar Lizot.

                 As Mãos de Minha Mãe

 Minha querida mãe se chamava Luiza e, a muitos anos atrás partiu para ficar junto a Deus Nosso Senhor.

  Era velhinha, mas suas mãos eram mais velhas que sua velhice, mãos maltratadas de tanto manejar o arado e segurar a enxada, mãos que ao pegar no machado, até arvores caiam. Mãos que jamais tinham repouso, sempre a trabalhar, lenha a rachar e leite das vacas a tirar. Mãos cheias de calos, que haviam endurecido como aço temperado no cansativo trabalho da colônia que só sentiam uma carícia quando se uniam em uma prece e, naquele instante, de Santa eram suas mãos.

 De anjo era as mãos de minha mãe, quando levavam o cestão com as crianças dentro. De de prata e ouro eram suas mãos, quando acariciavam meus cabelos e abençoadas quando preparavam a polenta e o sagrado pão.

 Aas mãos de minha mãe, ao cumprimentar passavam uma sincera simpatia, pois eram mãos de quem tinha força física nos braços e força moral no caráter. As mãos de minha mãe de tanto lavar roupas na fria água, eram brancas e enrugadas e para acalmar aquele sofrimento, muitas vezes ela cantava antigas canções de sua juventude, então aquela  fria agua se tornava uma companhia, que acalmava dores, afogava  lamentos e recebia lágrimas.

 Tantos anos fazem, que as sagradas mãos de minha mãe, receberam seu merecido descanso e, agora em meus sonhos as vejo sem rugas e sem calos, brancas e delicadas como as de Nossa Senhora, unidas em uma prece, nos jardins floridos dos céus.

  Benditas as mãos de minha mãe, benditas as mãos de todas as mães!


Mis de Maio - Elaine Girotto

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Para baixar o áudio clique aqui:

Para ouvir clique abaixo:

 

Mis de Maio - Bergamasco

L'mis dela Madona, dele mame, dele röse e dele spuse. I ghera na granda devussiù ala Madona, i fàa le nuene e püsse amò ala Madona de Caravàgio. Chèi chè gariàa, i catàa fò  squase sèmper an maio per maridàs. Dapo del dé de Santa Cruz, che l'è ai tri, i tecàa nsumenà l'furmet. Cuntécc coi sò cüstüm, gnianca se iera mia bù de scrìf e gravà, ndela mènt i gà registrat, töt chèl chi gà mparat.


Mês de Maio - Português

 O mês de Nossa Senhora., das mães, das rosas e das noivas, tinham uma  grande devoção a Nossa Senhora, faziam as novenas, principalmente à Nossa Senhora do Caravaggio. Àqueles que conseguiam, escolhiam quase sempre em maio para casar. Depois do dia de Santa  Cruz, que é dia três,  começavam semear o trigo. Contentes com os seus costumes, mesmo que não  sabiam escrever , na mente registraram, tudo aquilo que  aprenderam.


Mese de maio - Talian

 El mese dela Madona, dele mame, dele rose e dele sposete,  se gavea una gran devossion a la Madona, se fea novene, soratuto a la Madona del Caravàgio; Quei che i ndea maridarse se possìbile i seliea so mese par el matrimónio. Dopo del di dela Santa Croce, che ze giorno tre se scominsiea semenar el formento.Contenti co i so costumi, si anca i non savea scriver i registrea in testa tuto quel che i ghe imparea.

Hino aos 145 anos da Imigração Italiana no sul de Santa Catarina

terça-feira, 3 de maio de 2022

 


Em abril/maio de 2022 tivemos uma música escrita em um concurso onde a escolhida seria Hino aos 145 anos da Imigração Italiana no sul de Santa Catarina. Graças aos 1.400 compartilhamentos, centenas de comentários e reações e quase 9.000 visualizações a nossa música intitulada Obrigado Imigrante foi a vencedora.

A letra da música é de Fábio Dalló, a melodia de Jaciano Eccher e a interpretação é do Grupo Brasil Talian, através dos músicos Jaciano Eccher, Cláudia e Flávio Bandiera.

Seguem abaixo a música vencedora e uma versão em talian, tanto em vídeos, os respectivos textos e link para baixar os áudios das duas versões.


Homenagem ao Imigrante (oficial)

Clique aqui para baixar o áudio


Obrigado ao nosso imigrante
Pela terra, o vinho e o pão
Deus abençoe a sua coragem,
e o sagrado cultivo do chão
A semente plantada confiante
Sua honra sustenta o pendão
dos costumes que nunca esqueceram
e fortaleceram nossa tradição.

Obrigado ao nosso imigrante
que plantava no sol do verão
com o arado, a enxada e a foice
germinaram a nossa nação
Te agradeço a cada instante
Por haver ensinado o valor
Do rosário a noite em família
Pregando a partilha da fé e do amor

Obrigado ao nosso imigrante
Que na terra deixou seu suor
Com esperança partiram ao brasil
Italianos de grande valor.
Sua coragem foi muito importante
Merecendo a mais linda medalha
soldado de planície e serras
nos tempos de guerra lutastes na Itália.

Obrigado ao nosso imigrante
que hoje mora no reino de DEUS
mas ficou o seu ensinamento
que no tempo jamais se perdeu.
Com amor, alegria e respeito
Para o mundo eu quero mostrar
Um tesouro do mais lindo brilho
Sua língua a meus filhos eu quero ensinar.

Omenaio al Imigrante (versão em talian)

Clique aqui para baixar o áudio

Te ringràssio o caro imigrante
Par la tera, el vin e el pan
Che Dio possa sempre benedir,
La vendemia de tuti i vignai.
La semensa piantada con fede
So onor el sostien la bandiera
dei costumi dei nostri taliani
filò de sti ani la stòria piu vera.

Te ringràssio o caro imigrante
Che impiantava nel sol del istà
De manara, roncon e la sapa
I stà boni dei fioi slevà.
Te ringràssio o caro imigrante
Par gaver ensegnà el valor
La corona la note in fameia
Fin incoi se semena la pace e l’amor.

Te ringràssio o caro imigrante
Che ne ga regalà la cucagna
Con la fede vignesti al brasil
Dassando la so pàtria mama.
So coraio ze stato importante
Meritando pi bela medaia
soldato par mar e par tera
nei tempi de guera lotando in Itália.

Te ringràssio o caro imigrante
Che incoi ze la ntel paradiso
Ga piantà sto svilupo con pianto
La racolta incoi l’é soriso.
Con amor, alegria e rispeto
Par el mondo mi farò vardar
El tesoro dassado par noi
Questa léngua a me fioi incoi vado ensegnar.

Vídeo da versão oficial (português)

Vídeo da versão em talian 

Mèdego del Tempo Antigo (per Ademar Lizot)

segunda-feira, 18 de abril de 2022

Par scaricar sto àudio clica qua.
Par ascoltar la stòria clica soto:

         Mèdego del Tempo Antigo

 Questo rilato l`é fondamentà ntei ricordi dei fradei Ventura e Leonilda Lizot!

   

    Se pol dir che i ani cinquanta, i è stati i ani d`oro del sècolo passà e, i mei cari fradei che i ga vivesto, al ricordarli ghe vien un strucon de alegria ntel cuor. Si, gavea anca dificoltà e, unna dele più grande constitìa el fato raro, se non ùnico de catar el dotor ntele pìcinine cità del interior. Fortunate quele lo gavea, come la cità de Arvorezinha, ndove son nato. La se gavea el dotor Darwin Pinto, un cristian de mèsa età, magro e alto. El gavea una eselente formassion clìnica,  un mèdego rispetà e, con reverensa tratà. Nte`un rùstego ospedal, compia la so nòbile mission, sensa aiuto de esami socorea tutiquanti co la medèsima dedicassion. El fea del  più simplece procedimento a cirurgie de alto rischio, come quela quel ga realesà con assoluto sucesso, par salvar la vita de nostra madre.  Con so brau laoro el ga conquistà fama de eselente mèdego, del val del fiume taquari ai campi de Soledade, ndove tanti ferì a cortel e bala el ga salvà. Una volta, ntela fàcia d`un cristian, el ga fato i punti nte`n  taio che ndea del lavro superior a la rècia. Nantra volta un vècio san come un palaco de angico, el ghe ga dito: -Ancoi sinto un dolorino ntele spale! E el dotor ga rispondesto.. Te lo tien, gavese io solche un dolorino a to età.

    Quando na fameia de contadini lo ciamea, par via che qualchedun non stea ben, par riceverlo, i se pareciea ntela stansa del malà, el lavabo con aqua lìmpida, insieme una bela portasaoneta e, el più belo sugamani, dopo i cambiea i linsioi del leto e, anca l`é robe de soto del malà. El mio fradel Ventura che par tante volte lo ga acompagnà, se ricorda che l`éra un vero sucedimento, quando i rivea. El dotor sempre ben vesti, de fatiotina e capel bianco, ben barbeà, esalando un gradèvole profumo, un omo pròpio distinto, che causea na forte amirassion fra i contadini. Alora el disbarchea con so valise de material sirùrgico, saludea a tutiquanti e, ofria dolci ai tosatei. Dopo, intanto che la fameia restea ntela stansia visina, esaminea el malà e,  con calma, d`un modo simplese e ciaro, sensa demonstrar na ecessiva preocupassion,   discrevea el diagnòstico. Prima de partir, solche a forsa de tanta insistensa acetea bever un bicierin de vin, quel riservato ai vistanti ilustri.  La paga de suo nòbile laoro restea a critèrio dei contadini, gaveva de quei che  paghea con soldi, altri con produti agrìcole e, quei più povereti, solche con “-Gràssie dotore, quel Sior-Dio ghe paghe!”

  Quel mèdego del tempo antigo, ga finalisà so nòbile mission, come professor acadèmico, ntela Facoltà de Medissina dela cità de Pelotas e, adesso se non el ze mia in paradiso, el ze visin e,  anca mi ghe digo:.. Grassiemile dotor Darwin!

 Ademar Lizot.

                  Médico do Tempo Antigo

  Este relato é baseado nas lembranças dos irmãos Ventura e Leonilda Lizot.

    Os anos cinquenta foram os anos de ouro do século passado e, meus queridos irmãos que os viveram, ao recordá-los, lhes rompe o coração de alegria. Sim, também tinha dificuldades e, uma da mais difíceis constituia o fato raro, senão único de encontar doutor nas pequenas cidades do interior.  Fortunadas as que o tinham, como a cidade de Arvorezinha onde nasci. Lá tínhamos o Dr. Darwin Pinto, um homem de meia idade, magro, alto e, de excelente formação clínica, respeitado e, com reverencia tratado. Num rústico hospital, cumpria sua nobre missão e, sem auxílio de exames, atendia a ricos e pobres com a mesma dedicação. Atendia do mais simples, até cirurgias de difícil procedimento, como a que realizou com absoluto sucesso para salvar a vida de nossa mãe. Com seu nobre trabalho conquistou fama de excelente médico, do vale do rio Taquari aos campos de Soledade, naquele tempo uma região violenta e, muitos feridos a bala e faca salvou. Uma vez, no rosto d`um cristão, um corte que ia do lábio superior a orelha, costurou. Outra vez, um velho, são como um pau de angico, assim lhe falou...’Doutor, hoje estou com uma dorzinha nas costas’, ao que ele respondeu:. ‘Fique com ela, queria eu ter só isso na tua idade!’

   Quando uma família do interior o chamava, devido ter alguém doente, então se preparavam para recebê-lo. No quarto do doente colocavam o lavabo com água limpa, uma bela saboneteira e o mais bonito enxuga mãos, também trocavam as roupas intimas do doente e, os lençóis da cama.  Meu irmão, Ventura, que por muitas vezes o acompanhou, para abrir porteiras e mostrar o caminho, lembra que era um acontecimento quando chegavam com seu automóvel. O doutor vestido de fatiota e chapéu branco, sempre bem barbeado, exalando um agradável perfume de loção após-barba. Era um homem, distinto que causava uma forte admiração naquela gente simples. Então desembarcava com sua maleta de material cirúrgico, cumprimentava os adultos e, distribuía doces as crianças. Depois enquanto a família ficava na sala ao lado, examinava o doente e, de um modo simples, com calma, sem demonstrar uma excessiva preocupação, fazia e descrevia o diagnóstico. Antes de partir, somente a força de muita insistência, aceitava tomar um copo de vinho, aquele reservado as visitas ilustres. O pagamento de seu nobre trabalho, muitas vezes ficava a critério do paciente, uns com dinheiro, outros com produtos agrícolas e, os mais pobres com um ‘obrigado doutor, que Deus Nosso Senhor lhe pague!’

  Aquele médico do tempo antigo finalizou sua nobre missão profissional na cidade de Pelotas, como professor e, agora se não está no céu, está vizinho e, eu também lhe digo: Muito obrigado Dr. Darwin.

   

 

 

Incoi ze el di 3 de abril de 1985...

sábado, 9 de abril de 2022

Par scaricar el àudio clica qua.

Par ascoltar el àudio clica soto.

- Toni ndemo!! Ancora drio dormir? Leva su del leto Toni, va la fora giutar to sorela molzer le vache.

Zera el di 3 de abril de 1985, mèrcole de una Stimana Santa. Bepi romai zera desminsià a de pi de una ora, el gavea fato fogo ntel fogolar a legna, parecià ben el mate e adesso, 6 e mesa el sol scominsiea vegner fora tra nùvole negre e rosse anunciando una giornada de piova.

El tosato prima del osamento che Bepi ga fat oel zera drio dormir, la fiola Giuliana e so dona Marieta le zera drio molzer le vache.

Toni se alsa tuto despetenà e col muso in fàcia parché el volea dormir nantro poco. El va ancora coi òcci medi saradi nel seciàro dove gavea una sécia piena de àqua dela fontana par snetarse el viso. Dopo de snetarse el va nela cuneta dela sorelina de 2 ani e la basa nela fàcia, el pupà el ghe dise de ndar suito e a pian par non desminsiar la sorela.

Dopo dei laori fati i torna rento casa. Intanto la dona colea el late con un strasso vècio ma bianco e neto Giuliana pareciea la tola par la colassion. Bepi gavea brustolà un per de fete de polenta e batate sul fogon.

La colassion zera patate con cafè e late o sinò polenta e late. El formaio zera drio finir e la mama ga domandà par carità che non zera par magnar che la ndea far i magnari par la pàscoa ntela pròssima doménega.

Dopo dela colassion come ancora non piovea el pupà ga dito a tuti che i ndesse in campagna coertar la meda de fasoi prima dela piova e anca spacar un poco de mìlio che sinò el ndea smarsirse.

Come la picinina zera anca ela desminsiada la fameia ze ndata tuta in campagna par far pi svelti el laoro prima dela piova.

I sposi i ze ndati tor foie de palme e bananere par coertar la meda de fasoi, i fradei i ze ndati spacar mìlio e la picinina i ga metesto rento de una sesta de strope con una puatina fata de palia de mìlio e strassi vècii.

Dopo che Bepi e Marieta i ga finio de coertar i fasoi i va giutar i fioi. Finito de spacar 5 bandiere de mìlio Bepi e so fiol i va casa cangar i bo e tor la careta par portar casa el mìlio.

Quando i riva casa i va ntel potrer i tole i bo e torna in colònia ndove la mama zera drio darghe el peto a la bambina che romai gavea fame. Giuliana inamorada la vardea i osei che zolea e la se imaginea anca ela drio zolar par i brassi del moroso, la zera belche con voia de balar, par gràssia la quarèsima zera drio finir. El Toni invesse el volea che rivesse suito sabo par poder far bacan e zugar coi amici, magari el zera anca preocupà parvia dei dispeti che’l gavea fato fra la quarèsima e sicuramente so pare ndea cavar fora le so aleluie.

Zera poco de pi dele diese matina quando i ga rivà casa e ga scominsià scargar el mìlio ntel capanon. Ma no i ga fato ora finir che la piova la ze vegnesta, e vegnesta con tuta voia. Intanto le fémene le ndate rento casa méterghe legna sul fogo par scominsiar far la polenta pupà e fiol i ga finiu el laoro.

Bepi osa la de fora.

- Marieta! No sta mia desmentegar de scaldar àqua parché dopo vao far la dócia, son massa sporco mi.

El so bagno ze stato in una dócia antiga de 20 litri dove gavea bisogno de mescolar àqua freda e calda fin el punto giusto par bagnarse. Saoneta i non gavea, zera el saon fato con le budele de porsei, e con quel anca se snetea i cavei, shampoo zera par le persone de lusso dela cità.

Intanto che Bepi fea la dócia, Toni de tanto magnar patate e late nela colassion, ga vignesto un bruto mal de pansa el ga ndato ntela patente far i so bisogni, ma no prima de ciapar na sbranca de bòtoli ntel capanon.

Dopo del disnar come piovea che Dio mandea i ze ndati laorar ntel capanon. El laoro zera scartossar mìlio, spacar i tochi dele stremità dela panòcia par darghe a le bèstie e la parte del centro se sgranea e se tegnea de conto. Quela zera la semensa par quando rivesse l’època piantar.

Quando ga rivà note romai la piova gavea finiu e ga vignesto anca un bel ciaro de luna. Dopo che non se podea pi vardar in fàcia de tanto scur el pupà ga impissà el feral che con la so luce giala ga sciarì la casa e scaldà le stòrie che ndea note a rento.

Le stòrie le zera tante, stòrie de rider, stòrie de piander e anca stòrie de vegner fora sgrisoloni. Quando el pupà racontea stòrie de braura el se sentia un toso de 20 ani, quando el contea stòrie de fantàsima el ghe fea anca i moti, zera un mistero tanto grande che’l fea, che fin la toseta de 2 ani parea capir, parché la stea in pie nela cuna e volea parlar anca ela.

Dopo de tante stòrie, i e ndati senar, na sena taliana con polenta, fortàia se anca con poco formaio, un toco de una gamba de salame che la mama ga dito cossì.

- Toni va in cantina ciapa quel salame taià. Parché dopo che el ze snisà suito el se ne và!

Marieta ga fato con maestria el bel magnar. El salame zera sol el companàdego, la disea anca.

- Tosi! Magné polenta e snasé el salame saviu?

Ma radici coti gavea na pignatada parché in questa época i scominsia vegner fora che zera na meravéia.

Poareti i zera, ma magnar i gavea parché zera tute cose prodote li in campagna pròprio. Patate, suche, pomodori, seole, cocùmeri, pressémole, peveroni, carne dele bestiolete, ovi, fin el sucro e la bagna i ghe fea. In cità i ndea dale volte sol par comprar sal, fuminanti, creolina e qualche toco de casimira.

Con questo testo go provà de racontar in poche righe come che zera la vita dei contadini in una giornata intiera de laoro, ensegnamenti, e vita. Si vita parché prima dela television, dei telefonini, e de de tanti spotàcii che gavemo incoi in un lontano 1985 zera possìbile viver.

Don Egidio Zambona

quinta-feira, 7 de abril de 2022

Par scaricar sta stòria clica qua.

Par ascoltar la stòria clica soto:


             Don Egídio Zambona                                    Questo Rilato l`é fondamentà ntei ricordi de mio vècio fradel Ventura!                                 Non sensa un punto de nostalgia, ma soratuto con rispeto, ricordo de Don Egìdio Zambona, che là par i ani cinquanta, l`éra pàroco dela Ciesa San Gioani Batista, dela cità de Arvorezinha. El zera un  pressioso amico dei mei genitori e, quando el vignea far el pranzo insieme de noantri, el dissea a nostra cara mama; -Gigia, dame qua la mèscola che smìssio Mi la polenta! El zera un prete del tempo antigo, nato ntel scominsio del sècolo passà. La infansa el ga vivesto vanti dela prima guera mondial, copar tanta gente par de là e, la gioventù quando la gripe spagnola ga porta via tanti par de qua. Par via de tanta soferansa el se ga dedicà a la vita sacerdotal, come pàroco in diverse paesei del interior, ndove con religiossità e forsa moral el se fea rispetar, come sel fusse el pupà dela comunità. El gavea una figura imponente, sempre vestì con la batina negra, piena de botoni. Ntela testa el capel co`l capùcio rotondo e, ntel cuor, una discreta, però involvente simpatia, che lo fea conselier par diversi assunti, un vero psicòlogo, che gavea una manera singolar par analisar l` ànima umana. Ntela selebrassion dela Santa Messa, con simplissità e ciaressa, spieghea el vangelo de Nostro Sior Gesù Cristo. Slonghea le parole par afermar che la fede in Dio e so bontà sensa fin, la speransa e, la carità, ze l`é trè più bele virtù d`un cristian. Dopo el dissea che la umanità parvia de tanti pecà, non la ga mia permesso de sguardar el Sior-Dio e, solche i Santi e Sante, ànime liberte del pecà, l`é consedesto questa gràssia. A noantri pecatori resta solche maginarlo. Mi lo imagino sentà nte`n magnìfico trono zafira, par sora dela più bela e imponente mantagna, ntei campi fioridi del paradiso, ndove l`é sempre na eterna primavera. In torno sguardo una nùvola de angeleti, come se i fusse sentinai de colombe d`una incantadora bianchessa, a zolar del cielo a la tera e, al cielo nantra volta, par dir tuto che se passà con tute l`ànime, parché el Sior-Dio, che trata a tutiquanti con bontà e giustìssia, ga destinà a ogni persona un angeleto de guàrdia, el tuo el ze qua, insieme a te, anca el mio e de tuti altri. Nte`n domènega primaveril dei ani sessata el ga selebrà la so ùltima Messa. El zera vecieto, gambe fiacote, bràssi strachi e, quando el ga alsà sù l`é man tremarole, par far la consagrassion dela Santa Òstia, el Sior-Diu ga ordinà ai angeleti par alsar sù al cielo, la so lìmpida e pura ànima. Ademar Lizot.  

Dom Egídio Zambona                                          Este relato é baseado nas lembranças de meu velho irmão Ventura!

    Não sem um ponto de nostalgia, mas acima de tudo com respeito, relembro de Dom Egídio Zambona que lá pelos anos cinquenta foi pároco na igreja São João Batista na cidade de Arvorezinha. Era um precioso amigo de meus pais e, quando vinha almoçar junto a nós, era ele que preparava a polenta. Era um padre do tempo antigo, nascido no começo do século passado. A infância viveu antes da primeira guerra mundial matar tanta gente por lá e, a juventude quando a gripe espanhola levou tantos por aqui. Devido este sofrimento, dedicou-se a vida sacerdotal, como pároco em diversas igrejas do interior, onde com sua religiosidade e força moral, se fazia respeitar como se fosse o pai da comunidade.

   Tinha uma figura imponente, sempre vestido com a batina negra, cheia de botões, na testa chapéu de copa redonda na testa e, no coração uma discreta, porém envolvente simpatia, que o tornava conselheiro para diversos assuntos, um verdadeiro psicólogo, possuidor de uma maneira singular para analisar a alma humana.

  Na celebração da Santa Missa, com simplicidade e clareza explicava o evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esticava as palavras ao afirmar que a fé em Deus e sua bondade sem fim, a esperança e a caridade, são as mais belas virtudes do ser humano. Depois dizia que a humanidade, devido seus tantos pecados, não tinha permissão de visualizar a imagem de Deus, pois somente os Santas e Santos, almas libertas do pecado, era concedida está graça. Aos nós pecadores resta somente imaginar, eu o imagino sentado num trono azul zafira, por cima da mais imponente montanha, nos campos floridos do firmamento, onde é sempre primavera. Imagino entorno a Ele uma nuvem de anjos, como se fossem centenas de pombinhas de uma encantadora brancura a voar do céu a terra e, novamente ao céu, para contar tudo que se passa com todas as almas, pois Deus que trata a todos com bondade e justiça, destinou a cada pessoa um anjo da guarda, o teu está aqui, junto de você, o meu também e, de todos nós.

   Num domingo primaveril dos anos sessenta rezou sua última missa. Estava velho, pernas fracas, braços cansados e, ao alevantar as mãos, para a celebração da Santa Comunhão, Deus Nosso Senhor ordenou aos Anjos conduzir ao céu sua límpida e pura Alma.

               

 

 

Mese de abril - Mis de abril - Elaine Maccali Girotto

sábado, 2 de abril de 2022

Par scaricar sto àudio, clica qua.

Par ascoltar el àudio clica soto:

 



Bergamasco

Mis de abril

Ndel prim dé, sti atento co le pusture.

Squase tötc i agn, la stimana santa lè n'abril. Al giüedé sant i  paregiàa töt fat, al venardé sant, cumè ghè scriìt n'dela scritüra: i basàa  l'Sighur, i n'dàa mia a  laurà,  i maiàa mia. Prima de nas l'sùl,  i cataassö  n'garafù d'àqua n'dela funtana, perche la restàa benedida per töt  l'agn e anca i fiúr  del venadé sant. I öf che i truàa,  i a metia vià per maiai  a la düminica de Páscoa,  per mia pià i bés.

Al sabet de matina,  a le dés,  i làa i ötc e co n'chela àqua, i benedia i cantu dela cà e dele stàle, perche i credia che l'Signur chela ura lé,  l'ghera dervit i ötc.

A la düminica de matina bunura,  passàa  l'cunetc, l'ga assàa i üfi tintatc e pié de sücher e galète tridade ai picini. I fàa l'mèi maià  che i ghera,  perche lera l'dé che L'Signur lè reegnit.

Ghera mia stegrande robe, ma i ga mantegnit le tradissiú mparade, la féde, le urassiù e i spetàa semper la benedissiù.


Português

Mês de abril


No dia primeiro,  fiquem atentos com as mentiras!  

Quase todos os anos, a semana santa é em abril. Na quinta-feira santa, deixavam tudo feito, na sexta-feira santa, como está escrito na escritura(bíblia): Eles beijavam Jesus, não trabalhavam, não comiam. Antes de nascer o sol,  enchiam um garrafão de água da fonte, porque ela ficava benta para todo o ano e também ajuntavam as flores de marcela. Os ovos que achavam na sexta-feira santa, guardavam para comer no domingo da Páscoa, para não ser mordidos por cobras. No sábado de manhã, as dez, lavavam os olhos e com essa água abençoavam os cantos da casa e dos estábulos, porque acreditavam que  Jesus tinha aberto os olhos naquela hora. No domingo de manhã cedo, passava o coelho, ele deixava os ovos pintados e cheios de amendoim moído com açúcar para as crianças. Faziam a melhor comida que eles tinham, porque era o dia da ressureição do Senhor. Não tinham grandes coisas,  mas mantiveram a tradição aprendida, a fé, as orações e esperavam sempre a bênção.


Talian

Mese de abril


Nel primo di,  sté atenti con le busie!  

Squase tuti i ani, la stimana santa ze in abril. Nel Zóbia Sacro, se dassea tuto parecià, ntel Vendre Sacro, come ze scrito su la Biblia, lori i basava Gesù, non se laorea e gnanca magnea. Prima del sol spuntar, se impienia la damiana de àqua dela fontana, cossì la restea benedeta par tuto el ano e anca se catea  fiori de  marsela. Se trovesse qualche ovo ntel Vendre Sacro se tolea par magnar nela doménega de pàscoa, parvia de non esser becadi par na bissa. Nel sabo matina, le diese, se snetea i òcii e con questa àqua se benedia la casa, stala, porsil, puliner, parché se credea esser in quel'ora che Gesù gavea verto i òcii. Nela doménica matina bonora passea el conìcio, lu dassea ovi pintai pieni de mandolin masnà e sucro par i cei. Se fea i mèii magnari, parché zera il risorgimento de Gesù. Non se gavea bele robe,  ma se mantegnea le tradission riceveste, la fede, preghiere, e se aspetea sempre la benedission.



Prinsipia el autuno (per Ademar Lizot)

domingo, 27 de março de 2022

Par scaricar el àudio clica qua.

Par ascoltar el àudio clica soto:

          Prinsìpia el autun 

      Prinsìpia el autun e, i so giorni grissi i me fà moiar i òcii e, ricordar del scominsio del outun del mila novesento e otanta, quando el mio vècio pupà  ga partì, par non ritornar mai pì. Alora sinto strucarme el cuor, parché me par de ritornar a un  belìssimo fin de tardi,  de quel ano. Ntel orisonte el sol tingea l`nùvole de rosa e, al rivar casa, intanto che una arieta soave acaressea el mio viso, i mei genitori, ànime gemele che i se volea tanto ben, i me sperea e, el sentimento quel mondo l`é un posto gradèvole e belo, go buo nte quel momento.

    Sente-te qua visin a noantri, i me ga dito!

  Alora, intanto che la mama me passea la cuia del simaron, go domandà al pupà; - Sté mèio ancoi?

   - Si, par quela me sinto anca ben! El ga rispondesto.

   Nte quel tempo el zera malà, despedi dei dotori e, parvia dela malatia, i so òcii verdolini i zera tùrbi, el viso sgionfo e, so man pesade de contadin, tremole. Però mai el se lamentea, el zera un omo del tempo antigo, che del pupà ga imparà che un omo non se lamenta, gnanca sel mondo ghe casca adosso.

  Intanto che bevea quela aqua calda con gusto agrodolsso de pitanga, con vose firme el me ga dito:..”-Bisogna che sèpie che presto me toca de partir, par el mio destin compir e, non so mia el posto quel Sior-Dio me ga destinà, cossì te racomando de esser sempre un fiol prestativo e, insieme dei fradei  tender la mia Gigia!” Dopo de quele parole, la mama ga moià i òcii e, un forte sentimento ga brusà ntel mio cuor, intanto che un sacro giuramento ga lampegià in m`anima. Quel fin de tardi, quando el sol se ga alontana ntel orisonte, la malinconia se ga imparonà de mio cuor e, intanto che la ombria dela note scura ga regnà come sempre, go capi quel mondo, tante volte non l`é mia un posto gradèvole e belo.

   Ntel scominsio de quel outun, quando l`é ròndine del veron gaveva bel che partì in serca de caldo e vita, anca el mio vècio pupà ga parti. Butà zo ntel so leto de morte, ntela man sanca el tegnea quela de so cara Gigia e, nte la drita un vècio libreto del Vangelo de Nostro Sior Gesù Cristo. Al esalar el ùltimo sospiro, ntei so òcii ciari gaveva un segno de coraio, de chi partia  tranquilo, come che se ghe manchesse solche el capeleto in testa, par presentarse a San Piero, come se fusse a una festa.

   Òstrega, che i giorni grissi del outun i ma fà moiar i òcii!

Par: Ademar Lizot.

                Principia o Outono

      Principia o outono e seus dias cinzentos me fazem chorar, ao lembrar do outono de 1980, quando meu velho pai partiu, para nunca mais retornar.  Então sinto um aperto no coração, pois até parece que retorno a um fim de tarde bem lindo, daquele ano. No horizonte o sol tingia as nuvens de rosa e, ao chegar el casa, enquanto uma brisa suave acariciava meu rosto, a dona Luiza e o seu Antonho,  me esperavam, Então, que o mundo é um lugar agradável e belo, tive  a sensação.   

 - Sente junto a nós!  Me disseram!

 Então, enquanto a mãe me passava a cuia do mate, perguntei ao meu velho pai:.-Como estas Hoje, melhor?

 -Sim, até que me sinto bem! Respondeu.

 Naquele tempo ele estava doente, despedido dos doutores e, devido a doença, seus olhos verdes estavam turvos, o rosto inchado e, as mãos pesadas de colono, tremiam. Embora soubesse que que o fim se aproximava, jamais se queixava. Era um homem do tempo antigo, que aprendeu do pai que um homem não se lamenta, nem que o mundo lhe caia por cima.

 Enquanto bebia aquele mate com gosto agrodoce de pitanga, com a voz firme, assim me falou:..”Em breve vou partir, para o meu destino cumprir, por isso te peço que sejas sempre um filho prestativo e, junto de teus irmãos, cuide da minha Luiza!” Depois daquelas palavras a mãe molhou os olhos, um sentimento queimou em meu peito e, um juramento lampejou em m`alma. 

    Naquele fim de tarde, quando o sol caiu no horizonte, a tristeza de m`alma se apoderava e, enquanto a escuridão reinava, como todas as noites, desde sempre, entendi que o mundo na maioria das vezes não é um lugar agradável e belo.

  Ao principiar o outono daquele ano, quando as andorinhas do veron já haviam partido em busca de calor e vida, o seu Antonho também partiu. Em seu leito de morte, na mão esquerda, segurava no braço de sua amada Luiza e, na direita um velho livrinho do Evangelho de Nosso senhor Jesus Cristo. Ao exalar o último suspiro, em seus olhos claros, um sinal de coragem, que partia tranquilo,  só lhe faltava o aba larga na testa, para se apresentar a São Pedro, como se fosse uma festa. 

I nostri imigranti - Fábio Dalló

terça-feira, 22 de março de 2022

Par scaricar sto àudio clica qua
Par ascoltar el àudio clica soto.

I nostri imigranti - Fábio Dalló

Poareti dei nostri imigranti, lori gavea portà pochi atresi e tanto coraio, man peine di cali, pié par tera, soldi quase niente. La fede in Dio, questa si i gavea tanta. Manera, sapa, roncon, faldin, segon, martelo,  con o sensa mànego e gera so compagni. Quando i zera strachi o triste, bastava una cansion, se i zera maladi lori i fea na preghiera e forsi catea qualche foia par far la medissina. Quanto dolor Gesú mio, quanto dolor tochea suportar, parché dotor non se catea in medo al bosco, se moriva par un dente malà o una gamba spacada anca... Benedeti taliani imigranti.

    Vanti de piantar la prima semensa de biava, quanto tribular, quanti mesi taiando piante, dopo bore e dopo ancora tole par far casa, capanon. Arado ntela tera  e ancora aspetar vegner fora bona, par dopo far la racolta e impienir el derlo ntela schea, sgranar, masnar, meter nel brondo e magnar la poenta; pura. I ghe dise che in quel tempo de carestia, quei che gavea polenta tuto el di, i zera siori. Porsel, vache, moltoni, vedei, galine, óche, faraone; i primi imigranti lo ga comprà dopo tanti ani.

 La colassion, disnar e la sena, i magnea fruti del mato, radise, forsi una colombina che con la fionda ghe dava una sassada par coparla. I partia dal capanon bonora, sensa destin, par meso el bosco par vede cosa trovava par magnar. Col tamai(tràpola) ciapava qualche sorzo, copar la fame i gavea bisogno. Paura de bisse, bèstie e anca dei bùlgari, se pol dir che dopo de lotar in italia, anca qua se fea la so guera.

    Esser paroni dea so tera zera sempre una dele cose pi importante. Laorar la stimana intiera, dal scur dea matina fin al scur dea note, 7 di par stimana, 30 giorni par mese, ano dopo ano. Su pa i monti, do pa i vali, quanto che se ga picà par el col parché lontan dea madre Italia, lontan dei parenti, patindo quase che pedo, i ze diventà mati. E ancora i zera sepolidi fora del cimitero, parché quela olta, coparsi zera pecà. Me manca parole e me vien un gropo nela gola. Dio santo!

    So leto zera la tera o quando la fea con un poco de foie de scapoere, so cossini zera qualche sasso, querta zera el foco par scaldar. Primavera, istà, autono e inverno sempre cossì, di dopo di. 

Valtri podì pensar da questa vita de can ? O pensé che ze una stòria piena de busie ? Un conto par passar i tempi? Toca saver che ze la pura verità. Toca denociarse tute le note e pregar al Signor par tegner sta brava gente in paradiso, noantri semo felice e con la fàcia rossa par via del laori de lori.

    Ben! Nantro di posso racontar pi dea vita de questa brava gente. Un strucon e steme ben!

Fábio Dalló

   

Bisso Rabioso (per Ademar Lizot)

quinta-feira, 17 de março de 2022

Par scaricar el àudio clica qua.

Par ascoltar el àudio clica soto:


Bisso Rabioso

    Òstrega, che bisso rabioso che pol esser el omo e, par mèio capir el sentido de questa frase, ghe conto quelo ghe ga fato un contadin nte`un momento de fùria.  Ambròsio l`éra el so nome e, un giorno el ga capita casa c`una mula, comprada d`un tropier dei campi de Soldade. Una bela bèstia, de rècie de conìcio e peto de colomba, con forsa e agilità par portar mìlio al molìn e tor fen ntel prà.  Però come squasi tuti i mui e mule, co mèno d`un ano de età, quando la se spaurea, el difeto de impacar la gaveva. La prima volta l`é stà quando la portea na carga de legno del bosco e, par de più d`ora la se ga fermà.’-Se la torna a impacar nantra volta, assa per me, che a bastonade ghe cavo via questo vìcio!’ Ga dito el contadin! So sposa e fioleto, i savea quel zera un omo cativo e, protession i ga domandà a San Francesco.  Però el istinto comanda la testa dele bèstie e, ntel transcorso de quel mese, quando la portea na carga consideràbile de mìlio su par l`spale, al rivar  ntel pass del rieto, la se ga spaurà co la forte corentessa e, tornà a impacar. El ga proà tirar-la con forsa par el cabresto, ma el quanto  più el tirea,  più drio cul la ndea, cossì el ga perso la scarsa passiensa che ghe restea e, dominà par la fùria, dopo de  tirarghe via i sestoni e fornimenti, el ga pianta cinque o sèi scuriade, a tuta forsa, ma ancora cossì la permanecea ferma, stesso d`un ciodo ben piantà  nte`un pal de angico.

   - Assela li, che dopo d`un tempo la vien casa, ga  dito la sposa, mèso spaurada.

  - Pupà, non stà mia bastonarla! Ga domandà tosatel, co`i òcii spalancadi.

  - Cieti, che ancoi ghe cavo via questo vìcio!   Ga rispondesto el pupà

  In sèghito, d`una pianta de guasuvira el ga taià via un forte baston e, dopo intanto che co la man sanca el tegnea la mula par el cabresto, co la drita, el ghe ga molà fora na fila de bastonade, par la schena, gambe e pansa, ma a ogni bastonada, de più la mula impachea, de più el tosatel piansea, la dona se lamentea e, el omo se infùriea, fin quel ghe ga ingropà un bruto colpo ntela testa, pena de soto dela rècia, che ga fato la  pòvera bèstia scramussar e imòbile, zo par tera cascar e, come ancora la tirea el fià, co`l cortel, d`un colpo la vena del col el ghe ga taià e, intanto quel cagnet lechea el sangue par tera, el ga dito par so sposa:.."-Và casa boir aqua e pareciar l`é pignate, che ancoi femo sù na salamada!" .

    Òstrega, che  bisso rabioso pol esser un Omo!

   Ademar Lizot.

                     Bicho Brabo

  Barbaridade, que bicho brabo pode ser um homem e, para melhor entender o sentido desta frase lhes conto o que fez um colono num momento de fúria. Ambrósio era seu nome e, um dia chegou em casa com uma mula, comprada d`um tropeiro dos campos de Soledade. Um belo animal, com orelhas tipo coelho e peito tipo pomba, bicho de força e agilidade para transportar milho ao moinho e buscar feno no campo.  Mas, como quase todos os muares com menos d`um ano de idade, quando se assustava, tinha o defeito de empacar. A primeira vez foi quando carregava lenha do mato, tentaram puxar, mas só depois de hora se mexeu. “-Se empacar outra vez, vou tirar-lhe este vício a laço!” A esposa e filhinho ficaram quietos, pois sabiam que era um homem de índole violenta, até a São Francisco imploraram para proteger a mula. Mas, como é o instinto que manda na cabeça dos bichos, ainda no transcurso daquele mês, quando carregava uma carga considerável de milho, ao chegar no passo d`um riacho, assustou-se com a forte correnteza e, novamente empacou. O colono tentou puxar pelo cabresto, mas quanto mais puxava mais o animal empacava. Então o homem perdeu o resto da paciência e depois de tirar a encilha e os cargueiros, dominado pela fúria baixou-lhe o relho, mas ela firme, como prego bem fincado num palanque de angico.

  - Calma, pois após um tempo ela desempaca! Disse a esposa assustada.

  - Papai não lhe bata! Disse o menino com os olhos esbugalhados.

  - Quietos, pois hoje lhe tiro este vício! Disse o pai.

  Em seguida foi ao mato e d`um galho de guajuvira fez um bastão. Depois segurando a mula pelo cabresto, distribuiu-lhe uma serie de pauladas, costas, lombo e pernas, mas a cada paulada, mais a mula empacava, mais o homem se enfurecia, mais o menino chorava e mais a mulher se lamentava. A definitiva paulada foi na testa, logo abaixo da orelha que fez o animal cambalear e cair ao chão, mas como ainda respirava, sacou da faca e a degolou e, enquanto o cachorro lambia o sangue na tera, ele disse para sua esposa:.."-Vá para casa esquentar agua e preparar as panelas, que hoje vamos preparar salame!" 

  Oigalete, que o homem é mesmo um bicho furioso!

Dicionário Bergamasco - Português

quarta-feira, 16 de março de 2022


Assim como já temos aqui no site Brasil Talian o dicionário Talian-português e o dicionário Português-talian agora também temos o dicionário Bergamasco-português.

Lembrando que todos os dicionários aqui do site são os chamados dicionários vivos, ou seja, eles são atualizados constantemente então se você voltar aqui amanhã por exemplo pode encontrar novas palavras.

Você pode contribuir para esse ou os outros dicionários existentes aqui nos enviando novas palavras.

As palavras abaixo listadas foram enviadas por Elaine Maccali Girotto, escritora aqui do site.


Adès {adés} - Agora.
Àgher {águer} - Aborrecido.
Àla {Ála}- Asa.
Amò {amó} -  Ainda.
Amur {amur} - Amor.
Anca {ánca} - Também.
Arat {arát} - Arado.
Asvèlta {asvélta}- Apressar, aligeirar.
Badil {badíl} - Pá.
Bala de érs {bala dé êrs} - Repolho.
Belàse {beláse} - Devagar.
Banc {bánc}- Banco, banqueta.
Bàs  {bás} - Baixo.
Bèl {bél} - Bonito.
Bés {bês} - Cobra.
Biónda {biônda} - Loira.
Biónt {biônt} - Loiro.
Biöt {biöt} - Sem nada.
Birlì {birlí} - Tramela.
Bitcer {bitchêr} - Copo.
Bótcia {bôtcha} - Bola.
Bràs {brás} - Braço.
Brassatc {braçátch}- Abraçados.
Brèc {bréc} - Freio da carroça.
Bröt {bröt} - Feio.
Bunèca {bunéca}- Boneca.
Bunmaistro {Bunmaístro}- Losna.
Büs {büs} - Burraco.
Càan {Cáan}- O mesmo que Caangnöl.
Caangnöl{Caanhöl} Espécie de cesta bem grande usada entre tantas coisas para colher uva (antigamente).
Caco {caco}- Árvore que dá caqui.
Cadinù {cadhinú} - Correntão de ferro.
Càgnia {Cánha}- Cadela, ferramenta usada por lenhadores e madeireiras para tombar grandes torras de madeira com mais facilidade, em português chamada de Gregório.
Calsèt {calsét} - Meia.
Candéla {candêla}- Vela de cera.
Canga {Canga}- Canga de bois.
Cardiga {cardiga}- Cadeira para sentar.
Cassa {cássa}- Caixa.
Cassèta {casséta}- Caixinha.
Cassèt {cassét}- Gaveta.
Cassülèt{cassülét} - Concha da sopa.
Concodóin {Concodôin}- Marmelo.
Crösta {crösta}- Grosa.
Cruelì {Cruelí}- Peneira
Cùa {cúa} - Rabo.
Cuà {Cuá}- Chocar (os ovos).
Cügià {cüdjá}- Colher.
Cügianì {cügianí}- Colherinha.
Cül {cül} - Ânus.
Culà {culá} - Coar.
Cülate {cülate} - Nádegas.
Culera {Culêra}- Coleira de couro.
Culi {culí} - Coador.
Cumpreto {Cumpreto}- Comida (mistura, os melhores pratos que estão servidos na mesa).
Curtèl {curtél}- Faca.
Curtelina {curtelina}- Faquinha.
Curuna {curuna}- Terço, objeto de oração, coroa.
Cüssi {cüssí} - Travesseiro.
Cüstümat {cüstümát}   - Acostumado.
De nantc - {De nántch} - Na frente.
Eiùra {eiúra} - Então.
Ergü {ergü} - Alguém.
Fantine {fantine} - Pipocas.
Fà prèst { fá prést}- Apressar, aligeirar.
Fiat {fiát} - Fôlego.
Fissidüra {ficidüra} - Fresta.
Fiùr {fiúr} - flor.
Fórves {fôrvés} - Tesoura.
Früsta(ì) {früsta(í) - Chicote.
Furselina {furcelina}- Garfo.
Galèt {galét} - Frango.
Galète {galéte}- Amendoim.
Gambòta {Gambóta}- Pirueta, cambota.
Giàp {Djiáp}- Laço, presilha, trava.
Gratilöla {gratilöla}- Raladeira de queijo ou verduras.
Grop {grôp}- Nó.
Grundana {grundana}- Goteira do telhado.
Gùgia {gúdja} - Agulha.
Gula {Gúla}- Traqueia, garganta.
Inà {iná} - Pra frente, em frente.
Irga {írga}- Manguá, duas peças de madeira de diferentes tamanhos uma da outra, presas com uma brocha de couro, para bater feijão.
Issé {issê}- Assim.
Lambisù {lambizú}- Lobisomem.
Ligam{ligam}- Barbante.
Lümaga {Lümaga} = Caramujo.
Maià fò {maiá fó} - Gastar tudo, comer  fora.
Malvistit {malvistít}- Pessoa mal vestida, com gola torta, uma manda remangada e outra não,  e também no sentido de quebrar, estragar.
Manara {manara}- Machado.
Manarì {manarí}- Machadinho.
Marengù {marengú}- Marceneiro.
Màrs {márs} - Podre
Martinel {martinél}- Marimbondo, vespa.
Màstc {Mástch}- Porco adulto não castrado usado para reprodução, cachaço.
Mèscula {méscula}- Madeira torneada para mexer a polenta.
Messurel{messurél}- Foicinha de mão para cortar pasto.
Mulà {mulá}- Afiar, amolar, soltar algo.
Murena {Murena}- Morena.
Muretina {Muretina}- Moreninha.
Müs {müs}- Rosto.
Muschi {musquí}- Pernilongo, mosquito.
Ndóm {ndôm} - Vamos.
Neut {neút}- Sobrinho.
Nmacàt {enmacát}- Ver macà.
Ntant {ntant}- Enquanto, até que.
Nvidiùs {nvidiús}= Invejoso.
Olt {ôlt} - Alto.
Òrb(o) {órb(o)}- Cego.
Parlatcià {parlatchá}- Jogar conversa fora, conversar fiado.
Pedriöl {pedriöl}- Funil.
Pensà {pensá} - Raciocinar, pensar.
Pès {pés} - Peixe.
Pestàt {pestát} - Acertar em alguém, se bater com uma pessoa, pisotear, dar uma surra..
Pètc {pétch} - Úbre, peito, teta.
Piat {piat}- Prato de cozinha ou no sentido de gordo.
Piàt {piát}- Mordeu.
Pïé {piê}- Farto, cheio, satisfeito.
Pigiöl {pigiöl} - Varanda, terraço, também corredor.
Pignatù {pinhatú} - Panelão.
Piötc {piötch} - Piolho.
Pistà {pistá}– Gastar (gastar dinheiro por exemplo).
Pistuli {pistulí} - Pênis.
Pità {Pitá}- Zumbir, vibrar
Pòst {Póst} - Lugar, localização.
Prét {prêt} - Padre.
Pruinà - Teste para ver se o leite está bom (testar).
Pudèta {Pudéta} - Foicinha Menor.
Puiana [poiána] - Gavião.
Puina {puína} - Requeijão. produto obtido após a fervura do soro do leite,(coalhada).
Pulastri {pulastrí}- Frangos.
Pülèc {püléc}- Pulga.
Puler {pulêr}- Galinheiro.
Püssè inà {Püssê iná} - Mais pra frente, mais a frente.
Pustèl {pustél} - Lugar com pouco povoado.
Ràgnia {Ránha}- Charrete.
Rampassö {Rampassö}- Subir, escalar.
Rampi {rampí}- Ferro para tirar as rodelas do fogão.
Rèf {réf} - Linha de costura.
Rèsghina {résguina}- Foicinha de mão com dentes para cortar pasto.
Resgù {resgú}- Serrote.
Rissuli {rissulí} - Crespo.
Ròi{rói} - Porco.
Ròia {róia} - Porca.
Rónca {rônca} - Foice.
Rösca de pasta {Rhôsca de pasta}- Rosquinha (biscoito).
Ruchèl {ruquél} - Carretel.
Ruetì (na) {ruetí (na)} - Porquinha.
Ruetì (no) {ruetí (no)} - Porquinho.
Rugnù {runhú}- Rim.
Runchì {runquí} - Foice pequena, usada na ponta de uma taquara para cortar galhos de árvores altas.
Sàc {sác} - Saco.
Sacristù {sacristú}- Sacristão, ajudante do padre.
Sam {sám}- Enxame.
Sang {sáng}- Sangue.
Sansài {sansái}- Pernilongo, mosquito.
Sant {sánt} - Santo.
Saù {saú} - Sabão.
Saunèta {saunéta} - Sabonete.
Scalvà {Scalvá}- Podar.
Scansìa {scancía}- Prateleira.
Schissà {squissá}- Amassar, esmagar.
Scrucù {scrucú}- Puçuquear, fazer com que alguém te pague ou te dê algo.
Scùria {scúria}- Chicote para bois.
Scussal {scussál}- Avental.
Scüza {scüza} - Desculpa.
Sfiùr {sfiúr} - Rico.
Sgionf {sdjonf} - Farto, cheio, satisfeito.
Sgniucàt {snhiucát}- Amassar, machucar.
Sidèl {Sidél}- Balde.
Sif {sif}- Sebo.
Sifulà {sifulá}- Assoviar.
Sighès {Sigués} - Foicinha de mão, com fio.
Sirugnù {sirunhú}- Pessoa que vive com o nariz sujo. Geralmente criança que ainda não sabe se limpar sozinha.
Sista {sista}- Cesto, cesta.
Slaagiù {Slaadjú}- Bofete, tapa.
Sòp {sóp}- Manco
Spansada {spansada}- Barrigada, pançada, farta.
Spila {spíla} - Joaninha ou alfinete de segurança.
Spina {Spína} - Espécie de torneira usada para controlar a saída dos vinhos (ou outro líquido) das pipas.
Sö de sura {sö de sura}- Forro, também sótão.
Sòc {sóc} - Tronco da árvore, rolete, torra.
Sòi {Sói} - Gamela grande de madeira, onde caia o vinho dentro e era deixado dentro para fermentar.
Sòltc {Sóltch} - Dinheiro.
Spàc {spác}- Barbante.
Spatcìüc {spatchíüc}- coisa sem serventia, que atrapalha, desconhecida, ou não sabe usar.
Spatciügù {spatchügú} - Lambuzento, melequento.
Spissigà {spissigá}- Beliscar, apertar a pele.
Spüdà {Spüdá}- Cuspir.
Stciafù {stchafú}- Bofete, tapa.
Stciupeti {stchupetí}- Espingardinha artesanal que as crianças faziam antigamente com taquara e um tipo de bolinhas de juá ou outra planta.
Stinatc {stinátch}- Panela de fazer polenta, caldeira.
Stradi {stradí}- Pessoa responsável pela manutenção das estradas.
Strambai {strambai}- Pessoa desajeitada, distraída, desatenta que derruba objetos, cangaia para animais.
Strassù {strassú}- Pedaço de pano velho, trapo.
Streòtcio {streótcho} - Vesgo.
Streù {streú}- Vidente, mago.
Strial {strial} - Bota.
Striài {striái} - Botas.
Stròpa {strópa}- vime, usada para amarar parreiras e fazer cestos.
Strungiù {strundjú}- Estrepe, farpa.
Stüpi {stüpí} - Estupim, tecido enfiado num caninho de lata ou alumínio que forma a chama da vela com querosene.
Sùde {súde} - Açude.
Suet {suét} - Gamela de madeira que usavam para lavar os pés.
Sufanèi {sufanéi} - Fósforo.
Sùlfer {súlfer}– Enxofre.
Suprès {suprés} - Ferro de passar roupas.
Tanàia {tanáia}- Troquês.
Tànt {tánt} - Tanto.
Tàol {táol} - Mesa.
Taöla {taöla} - Cunha, peça de madeira cortada em ângulo para firmar por exemplo cabos de ferramentas..
Tàula {táula}- Tábua.
Tciaadur {tchaadur}- Espertalhão, pessoa que logra os outros, tradução literal "acorda trouxas".
Tcìcra {tchícra} - Xícara.
Tciót {tchôt}- Prego.
Tcitciaruna {tchitcharuna} - Vagina grande.
Tcìtciula {tchítchula}-Vagina.
Tecà {tecá}-Começar, ex: Büsoin tecà a fà i mestier (É preciso começar fazer o trabalho).
Tecàt {tecát}- Muda de planta que já brotou, germinou, ex: Go pientat n'pé de laràns e l' ga tecàt (Plantei um pé de latanjeira e ela já brotou.).
Tèta {téta}- Teta.
Tètci {tétchi}- Abrigo, proteção.
Tila {tila} - Tecido. branco grosso para lençóis e panos de prato.
Timù {timú}- Cabeçalho, madeira que liga a carroça e o arado até a canga.
Tòc {tóc} - Pedaço, fração.
Tóla {tôla}- Lata.
Trabàcula {trabácula}- Arapuca, armadilha.
Trap {trap}- Trado.
Tridà {tridá}- Esmigalhar, triturar
Trièla {triéla}- Pua.
Tròp {tróp} -Muito.
Tròt {trót} - Trote.
Urègia {urédja} - Orelha.
Usà {usá}/Mügià {mügiá}- Gritar, berrar.
Usat {usát}– Grito.
Véder {vêder} - Vidro.
Vestére {Vestêre}- Armário todo fechado de madeira com prateleiras, onde guardavam a carne salgada no porão.
Vi {ví} - Vinho.
Zit {zit}- Vinagre, azedo.
Topo