Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

terça-feira, 30 de novembro de 2021

Mis de Desèmber - Mese de disembre - Elaine Maccali Girotto

Par scaricar el àudio, struca qua.

Par ascoltar la stòria struca soto:

 



Bergamasco:

Mis de Desèmber: L'ülten mis del agn. Co l'sul che scutàa i sapàa...I paregiàa i dols de pasta, le cuche per l'dé de nedal. I tintàa de bianc le prede, le piante co la calsina a turno ala ca, i fàa l'pignerì per  mèt sota   l'Bambi e se ghera soltc i cumpràa an presènte per chèi  picini.


Talian:

Mese de disembre: L'ùltimo mese del ano. Co'l sol che brusea lori i sapea.. I ghin fea le bolasse, le cuche par el di de nadal. I ghe pintea i sassi e le piante intorno le case de bianco con la calsina, i ghe fea el pin de nadal par meter soto Gesù bambin e se gavesse soldi i ghe comprea un regalo a i cei.


Português:

Mês de Dezembro: O último mês do ano, com o sol que queimava, eles capinavam... preparavam os biscoitos de massa, as cucas para o dia do natal.  Pintavam  as pedras e as árvores ao redor  da casa de branco com cal, faziam o pinheirinho para colocar embaixo o menino Jesus e se tinha dinheiro compravam um presente para as crianças.




Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

El Vècio Tabaté - Ademar Lizot

Par scaricar la stòria struca qua.

Par ascoltar la stória struca soto:

               


           El Vècio Tabaté      

      Questo el ze un rilato del tempo in che la cità de Arvorezinha se ciamea Fighera Alta

     Transcorea i ani cinquanta del sècolo passà, quando al paesel de Fighera Alta un novo sitadin ga rivà. El zera un cristian de mesa età,  de sol e tempesta roviná, de cavei grissi e fàcia piena de rughe sinistre. Adosso una forte spusa el gavea, che ai più sensìbile stropar el naso el fea.  Constante Tabaté zera el suo nome e, la so stòria é come de altri tanti, persi par l`strade del mondo, trapei sensa valia e sensa rumo, che se incontra par i cantoni, schiavi de so tristo destin.

     Se anca el zera zo de testa e fora dei sentimenti, pol esser che`l zera fiol de bona gente e, se gavea qualchedun matusel che lo tirea in giro, par coionarlo e  rider so desgràssia, anca gavea tanti co una complacente bonevolensa che i ghe ofria de magnar e robe par vestir e, cossì el nte`n ùltimo ciaro de dignità el portea la vita avanti, come sel fusse  in serca de`n sogno stravià.

   El riposea al seren, parchè de suo no`l gavea mia gnente e, quando el vignea al sentro del paesel, el provochea un vero bacan, con suo forte odor, cativi sbaiea i can e, i paroni de gati tratea de scònderli, parchè se anca no`l  zera mia un Visentin, el gavea la bruta fama de magnar gatin.     

    L`bodega dela stassion rodoviària zera la so ciesa e l`caciassa la so santa de devossion e, gnente lo assava pi contente che un bicier pien in man. Ntela prima sboconada  el fea s-ciocar la lèngua ntel cielo dela boca e, quando el spìrito de quela aqua maledeta ghe rivea ai sarvei,  el alsea sù la ala del capel, par dir: ‘_Ancoi go saltà sù co la luna reversa e solche na barufa pol farme felisse!’ Alora i ghe disea:..’-Ma Constant, volemo pagarte nantra casiassa e ti vol barufar con noantri.’ Alora el sbossea un soriso enigmàtico e contento  rispondea:..’-Noantri semo amicii paron. L`é stà sol par scherso, che cossì go parla!’ Dopo el se racòliea nte`n silensio ostil,  s-cieto e pensativo  slisando co la lama del cortel la paia del sìgaro.

    Fin che nte`n giorno ga vignesto la notìssia che due viachi sensa-servintia, co la ànima piena de perversità, calsina boiente ntei òcii i ghe ga postà.  Parvia de quel crime monstruoso i lo ga orbì e,  in pochi mesi el ga sparì.  Ma, vanti  de morir el ga domanda par caciassa e, dopo dela prima sboconada de quel líquido cativo e sensa color, a soto-vose el ga dito:.’-Se me toca de morir, voglio caciassa ntel mio cason, par quando rivar nel cielo far na revolussion!’

  E al finir questo tristo rilato, de`n porogramo quel mondo ga spacà, me vien el sentimento che di d`ancoi el vècio Constante Tabaté l`e una luminosa stela ntel cielo dela vècia Fighera Alta e, dei campi de Soledade.

      

                               O Velho Tabaté           

                 Este é um relato de quando Arvorezinha se chamava Figueira Alta

   Transcorriam os anos cinquenta do século passado, quando na localidade de Figueira Alta chegou um novo cidadão. Era um homem de meia idade, curtido e recurtido de sol e granizo, com um forte odor no couro e rosto cheio de sulcos sinistros que as desgraças traçam na cara dos bons e dos maus e, embora oriundo de boa gente, fora das ideias era completamente.   Constant Tabaté era seu nome e, sua história é como a outros tantos perdidos pelas estradas do mundo, tipos sem valia e sem rumo que se encontra pelos cantos, escravos de seu triste destino.

 Embora não fosse dono de seu pleno juízo, era filho de boa gente e, se tinha alguém que o maltratava, para rir de sua desgraça, também tinha muitos que possuidores de uma complacente bondade, lhe davam comida e roupas e, assim levava a vida por diante, talvez em busca de um sonho extraviado.

   De seu nada tinha, nem um cantinho para repousar e quando chegava no centro da cidadezinha, gerava confusão, cães latiam, pois sentiam o forte odor no ar e, os proprietários de gatos, ficavam atentos, pois ele tinha a fama de assados come-los.

  A bodega da estação rodoviária era sua igreja e a cachaça a sua santa de devoção e, nada o deixava mais contente que um como cheio na mão. No primeiro gole estalava a língua no céu da boca e, no instante que o espírito daquela água maldita lhe chegava a cabeça, tapeava o chapéu na testa, alisava o bigode e bem forte dizia:..’- Hoje amanheci de lua torta e só uma peleia me faz feliz!’  Então alguém lhe dizia:...’Mas Constant, eu quero pagar-te outra cachaça e você quer peleia!’ Então esboçava um sorriso enigmático e contente respondia:...’ Nóis semo amigo home e, eu falei aquilo só de brincadeira! Depois recolhia-se a um silencio hostil e com a lâmina da faca alisava a paia do cigarro.

Até que um dia veio a notícia que dois sem-serventia, com veneno no coração e perversidade na alma, o tinha agredido e covardemente o cegaram com calcina fervente e, depois deste crime monstruoso em poucos dias morreu, porém antes de partir pediu por cachaça e ao primeiro gole recuperou o volume da voz para dizer seu último verso:..”-Se eu morrer moreninha, cachaça no meu caixão, pois quero subir ao céu fazendo revolução!’

 E ao terminar este relato de um coitado que o mundo estraçalhou, tenho o sentimento que o velho Constant Tabaté  agora é uma luminosa estrela nos céus da velha Figueira Alta e dos Campos de Soledade.

  Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 16 de novembro de 2021

Fà semper l'be - Elaine Maccali Girotto

Clique aqui para baixar o áudio da mensagem

Clique no player abaixo para ouvir a mensagem



Fà semper l'be - Bergamasco

Quanta ta ga fe l'be per ergü co le to paròle, la to boca deo rit, le to ügiade lüstre. Ades n'dele rede sossiài: quanta ta spait, ta scriet ergot per fa chel  oter cuntet, ta ga metet na figüra bela.. Ta se mia  adre a faghel sul per l'oter, ma prima per te. Töt  chel che ta  fe per  l'oter: tant per be o per mal, prima ta l'fe per te. Elura, quanta ta techet l'de: fa l'mei che ta garìet per l'oter e ta sa benedìsset amo te.


Far sempre el ben - Talian

Quando te ghe fe el ben par i altri con parole, to soriso, to vardar lusegante. Adesso ntele rete sociali: quando ti te condivide, scrive qual'cos par far i altri contenti.. Mete su na faceta bela. Non te fe sol a i altri ma prima de tuto par ti. Tuto quel che te fe ai altri, o ben o male, prima de tuto te fe a ti stesso. Alora quando scominsia el di, fa el mèio che te pol a i altri, te sta benedindo a ti stesso.


Faz sempre o bem!


Quando  tu faz o bem para alguém com as tuas palavras, o teu sorriso, o teu olhar brilhante. Agora nas redes sociais, quando você compartilha,  escreve algo para fazer o outro contente,  coloca  um emoji bonito...Não  estás fazendo só para o outro, mas primeiro para você. Tudo aquilo que tu faz para o outro, tanto por bem ou por mal, primeiro fazes para você. Então, quando começas o dia, faz o melhor  que podes para o outro e estás  te  abençoando a ti mesmo.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 12 de novembro de 2021

Lìnia Bela - Per Ademar Lizot

 Par scaricar sto àudio struca qua.

Ascoltemo la stòria strucando soto



                                             

Lìnia Bela  

 


Desmentegarse dei nostri antenati e del paesel ndove che se ga nassesto é come esser un rieto sensa fontana, una pianta sensa radise.

    L`éra domènega e ntela lìvida ciarità del  s-ciarir del di, con destin al paesel dei noni  gavemo partì. El sofero zera el Rafael e, Insieme gavea nostra cara sorelina e nostro vècio fradel. Due ani fea, che nissun se visitea, ma in quela luminosa matina, al cielo l`campane anunsiea  che gràssia al Signor-Dio, l`pandemia se finessea. Dopo de Serafina amore mio e  muçum dei prisìpicii, par la bela Encantado  gavemo passà e, nte`n casa maraveiosa e piena de simpatia, el grando Adroaldo e so sposa Maria gavemo visita e, par sora de una montagna, ai piè del imponente Cristo Protetor, co la ànima indenòciada,  se ga fato una preghiera al Signor.  De quel punto in vanti, èrimo darente del paesel dei noni, con tuta la so stòria presente, co la casa vècia ndove ga scominsia la pi pura essènsia dela nostra gente.

   Dopo de rampegar sù par el monte gavirova, al mèso di semo rivadi a la Linha Bonita, come se dis in brasilian e, lìnia Bela  i Talian. ’- Sia tuti, a questa benedeta tera benvenuti.’ Ga dito con cortesia el paron dela sorascaria. El camerier l`éra el fiol del zio Gioanin e, dopo de magnar sorasco de porcel e piegorin, contenti semo ndati visitar i nostri parenti, gente de una simpatia comovente, la zia Celeide, la Gerusa e la Patrícia, ndove ga el tosatel co`i òcii più bei dela Bonita.  

   A l`é trè in punto, intanto che una arieta soave  acaressea nostra pel, semo rivadi al capitel de Santa Luzia, quela dei òcii cavadi via, visin a la casa sentenària dei noni con so parede de angico imponente e finestre de guasuvira resistente. El nostro  cosin Arlindo, un omo de sobrietà, l`é el paron dela proprietà e, con suo permesso, la cantina gavemo visita, ndove  con sapiensa, el nono depositea el so vin, fato con so man, so ua e so siènsia. Dentro dela casa, ga una vècia e scarsa mobìlia e, picadi sù ntei ciodi inrusinadi sora la testera del leto dei noni, ga l`stampa del bambin Gesù e Santantoni e, ntela stansa prinsipal,  i ritrati dei nostri antenati, gente de una bontà complasente, aotentiche come l`polenta, el formaio e el vin, discendenti de Abel e nò de Cain.

   Dopo, in torno dela casa l`emossion  se fea sentir, quando nostro vècio fradel Ventura, un omo de sentimento  tuta la so infansa el ricordea.  De quando co`l cavalin, menea milio al molin, dopo ndea tor sù ovi rento dei punari, atento par nò spacarli e, de quando insieme al nono e la noneta, ndea a mesa co la careta e, ntel momento de partir co`i òcii de so ànima el ga sguarda el saudoso zio Minghin, acompagnato dela vècia Adele, del Nandon e del Lucentin e, sentà nte`n bancheta, el nono Umberto, molando par ària na fumana de so pipeta, insieme dela nona Carolina, bela e divina, compagno de una Madonina.

    


         Visita a Linha Bonita

 


Esquecer de nossos antepassados e da terra onde nascemos é, como se ser um riacho sem nascente, uma arvore sem semente.

  Foi na lívida claridade do amanhecer que partimos com destino a terra de nossos avós. O motorista era o Rafael e, junto tínhamos a Adelaide e, ‘nostra cara sorela, junto  del nostro vècio fradel’.  Dois anos já se completavam que a ninguém visitávamos. Porém, naquele domingo luminoso, aos céus os sinos diziam que graças a Deus Nosso Senhor, a pandemia se exauria.   Depois de Serafina amore mio e Muçum com seus precipícios,  por Encantado passamos e, numa casa plena de fidalguia o primo Adroaldo e sua esposa Maria, visitamos. Depois aos pés do Cristo Protetor, com a alma ajoelhada rezamos.  Daquele ponto em diante a terra de nossos avós estava próxima, com toda sua estória presente, com a casa centenária dos avós, onde começou a mais pura essência de nossa gente.

Depois de subir o monte da guavirova, por uma estradinha sinuosa, na hora do almoço chegamos á Linha Bonita, como chamam os brasileiros e, Lìnea Bela os Italianos. “-Sejam todos a esta bendita terra benvindos!’ Assim disse o dono da churrascaria, que por sinal é afilhado da tia Dosolina. O garçom era o filho tio Gioanin e, depois do churrasco contentes, fomos visitar nossos parentes, gente de uma simpatia comovente, a tia Celeide, a Gerusa e a Patricia, onde mora um menino com olhos mais lindos da linha Bonita.

  As três em ponto, enquanto uma brisa suave e perfumada da grama molhada pela garoa do dia anterior, acariciava nossa pele, chegamos no capitel de Santa Luzia, em frente a casa centenária dos avós, com suas paredes de angico imponente e janelas de guajuvira resistente.  O nosso primo Arlindo, um homem de sobriedade é o dono da propriedade e, com sua gentil permissão visitamos a cantina com os barris onde o nono Umberto com sapiência, depositava o vinho, feito com suas mãos, sua uva e sua ciência.  Dentro da casa tem uma velha mobília e, pendurados em pregos enferrujados, sobre a cabeceira da cama dos avós, tem a imagem de Santo Antônio e do menino Jesus e, na sala principal as fotografias de nossos antepassados, gente de uma bondade complacente, autênticos como a polenta, o queijo e o vinho.

   Em torno da casa velha a emoção se fez presente, quando nosso irmão Ventura, um homem de sentimento recordou sua infância feliz. De quando a cavalo levava milho ao moinho, de quando ia colher os ovos nos ninhos e aos domingos, junto aos avós ía a missa de carroça. E foi assim, pleno de saudades, que no momento de partir, através dos olhos de sua alma, visualizou o saudoso tio Minguin, a velha Adele, o Nandon e o Lucentin e, sentado numa banqueta o nono Umberto, fumando sua pipeta, junto da nona Carolina, bela e divina.

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Come zera sti ani quando nassea un tatin - La vìsita dele comare

 

In questo vìdio volemo far veder a valtri come zera sti ani quando una dona guadagnea un tatin. Le comare con le sporte piene de cose ndea trovarla. Un gal vècio par far el brodo non podea mancar, se la vìsita zera a note a lora se fea el filò e anca el vin par far festa bisognea portar ensieme. Le ciàcole se stirea lunghe, i tosatei i profitea par giugar, far dispeto e le tosate e tosati pi vèci anca par smorosar.

Come che ga cambià tuto ntel tempo de incoi, quando una dona guadagna un bambin te lo vedi in tempo reale traverso la intranet parché generalmente i genitori "freschi" i vol gabarse publicando foto su Facebook e Instagram. Con questo pìcolo risumo che go fato me go fin ricordar dela mùsica I dise che incoi ze meio.

Ma ndemo alora veder sto vìdio che gavemo fato ensieme co'l Gruppo Ricordi Della Italia.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Mis dè nuèmber - Mese de novembre - Mês de novembro - Elaine Maccali Girotto

Para baixar esse áudio clique aqui.
Para ouvir o áudio na voz da escritora clique no player abaixo:




Mis dè nuèmber (Bergamasco)


Al prim i pregàa a tötc i santc, ai du per tötc i mortc. Töt  l'mis de namötcia de laoro, i catàa sö l'furmet per iga la farina per tötc l'agn, i aràa i pientàa, furnit na safra i tecàa  l'otra, ma per lur,  al laoro lera cumè a truà l'or, bastàa la salute, iga de maià e i sa mpurtàa mia de laurà.



Mese de novembre (talian)





Nel primo di se preghea par tuti i santi, el giorno due, zera par i morti. Tuto el mese de tanto laoro. Lori fea la racolta del formento par far farina par tuto el an, versea la tera e piantea. Co finiva una racolta scominsiava nantra pianta, ma par lori el laoro zera come catar oro, bastea la salute, gaver magnar lori gnanca se importea de laorar.



Mês de Novembro (português)


No dia primeiro, eles rezavam para todos os Santos, dia dois para os mortos. Mês inteiro de muito serviço, eles colhiam o trigo para ter a farinha para o ano todo, lavravam e plantavam. Terminada uma safra, começavam outra, mas para eles o trabalho era como achar o ouro, bastava a saúde, ter comida e eles não se importavam de trabalhar.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 29 de outubro de 2021

Gilii Bianchi e Garòfoli Rossi

 Par scaricar el àudio de sta stòria struca qua!

Par ascoltar la stòria ntel vose del scritor, struca ntel "player" soto:


         


                           Gilii bianchi e Garòfoli rossi

  I mei antenati i riposa nte`n campo santo par sora de una colina, ndove el vent fà na cantiga de ninar a  so ànime e, sempre che vau visitarli porto insieme un masseto de fiori, bei e profumadi. Par la mama e la nonina, gilii bianchi come l`fácia dela Madonina e, par el pupà e el noneto, garòfoli rossi, come el vin che`i ga bevesto. Nte quel momento davanti dela tomba, sero i òcii e, me vien el sentimento che co`l permesso de San Piero, i ze qua zo in tera, in torno a me; l`mama co so sguardo de dolcessa, el pupà co so man pesade de contadin, l`nona co so fassoleto in testa e, el nono co so pipa in boca. Alora ntela solitudine de quel silensio luminoso, profondo e maestoso, dela m`ànima indenociada vien na preghiera e, dei me òcii  una furtiva làgrima, la più dolorosa, la più difissile de soportar parchè spandesta par sora de ndove  riposa la mia gente, che ntela tera i ga serca sogni de pace e libertà.

 Dopo, ancora respirando quela ària  malincòlica, pesada, che alsa sù el odor del passà, sguardo  tombe piene de umiltà, con crose de legno, fate a colpi de facon, come se le fusse la imàgine de tuta una generassion quel tempo serca de anichilar. Sguardo anca suntuosi  mausolei, piene de ghirlande e crose de belissimo marmo e,  me vien in mente che tuti quei che riposa drento de quele tombe piene ùmiltà e suntuose mausolei, i ga la medèsima someiansa, la medèsima condission, parchè i se uguala ntela insignificansa, parchè nò ga più gnanca una difarensa, parchè questo l`é el riposo dela umanità, el fin del calvário terestre, ndove el sospiro de grandi e pecinini no`l  ga gnancaun valor dissolvesto ntel medèsimo polver.

Vanti de ndar via del campo santo col fassoleto sugo l`lagrime del viso e, dopo del segno dela Santa Crose, sguardo nantra volta el masseto de garòfoli rossi come el vin dela ua del noneto e, i gilii de incantadora bianchessa, come l`fácia dela Madonina.

Ademar Lizot.                              


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

La Ombria dela Veciaia

 Para baixar esse áudio clique aqui.

Para ouvir essa história narrada pelo próprio escritor clique no player abaixo:

                      

   La Ombria dela Veciaia

      Quatro ani fà, che sessanta de età go completa e, visin a la ombria dela veciaia son rivà! L`éra el giorno vinte de otobre e ntela comemorassion de compleano, ntel s-ciantin che  sufiea le candele del bolo, mia nipotina  con so vose dolce de bambina, la me ga dito:..’-Nono, ancoi che scominsia vostra veciaia?’  Quela domanda me ga sorprendesto e, solche dopo de sguardar ntel profondo de so òcii, bei come due grani de ua negra, go rispondesto. Ghe go dito che sì, come se paùra dela ombria dela veciaia nò gavesse pi, imaginando che la pol esser soave e afetuosa. Alora,  contenta La me ga abràssia e, de caro noneto la me ga ciamà e, quando l`fameia e amicii catea i auguri de pace, salute e felicità, alora pien de contantessa e co l`anima indenociàda go ringrassià al Signor-Dio che con so bontà sensa fin me ga regala amicii sinseri e me destinà na bela fameia e una doneta amàbile e coraiosa, che nò ga mia assà el mondo menarme via e, se ancora cossì, porto qualche sicatrisse  rento d`anima, l`é un prèmio de una lota, che se persa o guadagnada, nò ga più gnancauna importância.   Ntel transcorso dela festa, intanto che ricevea i complimenti, ntel silensio de m`anima go pensa sora la mia vita. Go ricorda del paesel che go nassesto, de quando  par gente me go cognossesto e, dela gràssia de esser fiol del Toni e dela Gigia, due ànime gemele che i se volea tanto ben. Go ricorda  dei mei disdoto ani de età, quando pien de sogni e felissità  el mio primo amor go trovà, una biondina con òcii de colombina. Go ricorda dele stòrie del passà e, dele legende che go imparà.  Anca me ga vignesto in testa par un secondo i amicii, persi  par l`strade del mondo,  quei paroni de mile cose, mà sempre malincòliche e quei sensa gnancaun fiorin, mà sempre contenti, confermando che la mèio richessa l`é volerse ben.

   Dopo del compleano, al s-curir de quel di, una piovesina triste come l`lagrime dela Madonina se fea sentir e, ntela solitudine dela mia casa, par el viero moià dela finestrina, go sguardà el mio viso; enruga, sensa el verdor dela gioventù e, me go sentisto pròpio pi vècio e pi tristo e, go capi che de quel giorno in vante, me tochea  tender de pi la ànima che l`rughe del viso e, cossì pensativo me go domandà, cosa che de Mi ristara, quando el mio sàngue congelar ntele  vene?   Pol esser che ristara solche i mei sogni oriundi de sentimenti fraterni, insieme del amor e dedicassion che a la fameia go destiná e,  l`storiete che de ànima e cuor go scrito, relati de`n discendete de contadin, pieni de aotentissità, come na feta de polenta e formaio con un bicier de vin.   

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Mis dè utùber - Mês de outubro - Elaine Maccali Girotto

Para baixar esse áudio, clique aqui.
 Para ouvir a narração na voz da escritora, clique no player abaixo.


 

 Mis dè utùber - Bèrgamasc


Tuca regà l' milho, strepà fò, sapà è cunforme lá lüna furnì dè pientà, perchè l'mis chè èh, ghè dè catassö l'furmét. Ai dudès lè fèsta granda, a lá Madona Nigra, sa prega e sa canta, per fà chè lá benedisse tötc i picini è l'Brazil, per furnì la fàm, lè guère, le diferènse per l'culur è chè ègne n'mont mèi per tötc, è mia sul per i sfür.

Mês de outubro - Português

Tem que passar o arado no meio do milho, arrancar as ervas daninhas, capinar, conforme a lua, terminar de plantar, porque o mês que vem, tem que colher(ajuntar) o trigo. No dia doze, è festa grande, para a Nossa Sra. preta (Aparecida), se reza e se canta, para que Ela Abençoe as Crianças e o Brasil, para que termine a fome, as guerras, as diferenças pela cor e que venha um mundo melhor para todos e não só para os ricos.

Mese de otobre - Talian


Ghe toca versar la tera in meso al mìlio, cavar fora le peste, sapar, dacordo con la luna, finir de piantar, parché el pròssimo mese bisogna racòlier el formento. Ntel di 12 ze gran festa par la Madona Aparessida, se prega e se canta par ela benedir i ciei e el Brasil, afinché finisse la fame, le guere, le difarense par el color, e che venga un mondo meio par tuti e non sol par i siori.





Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Ladaigne dén n'quai ròbe chè sa fàa è sa dizia an bèrgamasc - Elaine Maccali Girotto

Para baixar o áudio dessa ladainha, clique aqui.

Para ouvir a ladainha clique no player abaixo depois de "pausar" a rádio on line.



Ladaigne dén n'quai ròbe chè sa fàa è sa dizia an bèrgamasc

Bergamasco

A totc oter que ma scultì, va mande an bazì;
Ma chè bèl chè ta sé, me sul d'èdèdet sto bé;
Suna la urègia mansina, ergü iè adre què i ma lümina;
N'dela cà dèn talià, gnianca s'lè fèsta, pol mia mancà la pulènta e gnianca la minèstra;
Portazó dò o trè spasete, què ta dó na branca de galète;
Quanta ta éh a fà i tò büzon, tosö l'niòc è pàra det i manzöi;
Metzó la trabàcula per vèt sè ta ciapet anquai bestiöi, per mia maià ndumá amò sul fazöi;
Tciapa endèl caretù l'cadinù è ütem a tecavià l'pignatù, chè dapo fon i gratù;
Cata sö chèi stràs lé è metèi n'dèn cantú;
Tossö l'grampinho dèi caèi, é vé a ütam a netà i büdéi;
Cor svèlta, chè stomia tant bé, ma fà mal l'có è par n'fina chè efò i sarvèi;
Vezó n'cantina, portaché na curtelina, per taiaga l'còl ala galina;
Ndumá tuca leasö a cantagai perchè emia l'latero è tuca fà l'furmai;
Diga ala stcièta, qlchè la àghe mia a d'giügà ensó la carèta, chè fa frètc, è la mètesö la berèta;
Tciapa la cassina, tirafò scòlo, per mia nda fò denssima la puina é portighèl al vedèl n'dèl paiólo;
Com sö scusal, lá mama ala matina, la fassö i lètc è la làa l'bucal;
Nsela l'caal, co l'cual, tossö la capa perchè esö l'tempural;
Stamia sota le grundane è va mia nsèma chèi chè àh a putane;
Compra n'méter dè voltomundo per fà n'sutanì chè guènè amò sul n'tuchelì;
Vá a taisö na brasada dé ganasì, per tràga det ai ruitì;
Tciàma i cagnì, porta la trucheza, per càaga i spì dè i rispurchì;
Vá a dàga de maià ai pulastrèi e vé a ütam a fandà la möla, per mulà i mesurèi;
Fà mia burdèl, chè l'tò fredèl lè bütazó, co l'mal de détc;
Adès son contétc perchè ocór mia pö càa i carétc;
Làes i pé ndèl suèt è suguèi co n'strasèt;
Quanta ghè le ròbe nète l'pà, i outre ròbe se le fà cumè l'dà;
Chè brao chè ta se stat a scultan, isé tà mparat a parlà n'talià;
Go scriìt n'pó dè paròle, go lüminat tante ròbe, per mia smentegàle;
Grassie a tötc chèi chè i mà scultat, a Dio go bèla dumandat chè l'và üte ngrant tant.

Ladainha de algumas coisas que se fazie e se falava em bergamasco

Português


A todos Vocês que me escutam, mando um beijo;
Mas que bonito que você è, eu só de te ver, fico bem;
 
Desperta a orelha esquerda, alguém está falando de mim;
Na casa de um talian, nem se é domingo(festa), não pode faltar a polenta e nem sopa;
Leva pra baixo duas ou três esponjas, que eu te dou um punhado de amendoim;
Quando você vai no banheiro, leva junto o sabugo e toca dentro(fecha) os terneiros;
Coloca a Gaiola para ver se pegas alguns bichos, para amanhã não ter que comer ainda só feijão;
Pega no carretão, o correntão e me ajuda a pendurar o panelão, que depois fazemos os toresmos;
Ajunta esses panos ali e coloca num canto;
Leva junto o grampinho dos cabelos e vem me ajudar a limpar as tripas;
Corre ligeiro, que eu não estou bem, me dói a cabeça e parece que vem fora os tímpanos (cérebro);
Vem no porão, leva aqui uma faquinha, pra cortar o pescoço da galinha;
Amanhã precisa levantar ao cantar dos galos, porque não vem o leiteiro e tem que fazer o queijo;
Diz para a menina  não ir brincar encima da carroça, que è frio e ela coloque(veste) a tôca;
Pega a concha, tira o soro, pra não derramar por cima a coalhada e leva para o terneiro no paiol(galpão);
Usando o avental, a mãe de manhã, arruma as camas e lava o penico;
Prepara o cavalo, com o aparamento, leva a capa, porque está vindo o temporal;
Não fica embaixo das goteiras e não vai junto com quem vai nas prostitutas (zona);
Compra um metro de tecido(volta ao mundo) para fazer uma saia de baixo, que tem ainda só um pedacinho;
Vai cortar um feixe de dente de burro(pasto) para jogar dentro para os porquinhos;
Chama os cachorros, leva a torquês para arrancar os espinhos de ouriço;
Vai dar comida para os frangos e vem me ajudar a rodar o rebolo, para afiar as foicinhas;
Não faz barulho, que o teu irmão está deitado com dor de dentes;
Agora somos contentes, porque não precisa mais arrancar as macegas;
Lava os pés na gamela e seca-os com um pano;
Quando tem as roupas limpas e o pão, as outras coisas se faz como dá;
Que querido(bacana), que você foi, por ter me escutado, assim você aprende a falar em talian;
 
Eu escrevi um pouco de palavras, falei de muitas coisas, para não esquecê-las
Obrigado a todos àqueles que me escutaram, a Deus eu ja pedi, que Ele vos ajude muito(bastante).



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 8 de outubro de 2021

Nova escritora do site Brasil Talian - Elaine Maccali Girotto

 Depois de Ademar Lizot nosso principal escritor do site BRASIL TALIAN, e outros nomes que se pode consultar nas janelas logo abaixo do cabeçalho do site em "Scritori/Escritores", hoje temos a felicidade de receber Elaine Maria Maccali Girotto. Ela vai escrever textos em BERGAMASCO, assim a gente valoriza ainda mais nosso site com grandes variedades de conteúdos. Quer ser também um escritor parceiro do site? Entre em contato pelo whtas (54) 9 9606-8941.

Agora vamos conhecer um pouco da biografia da escritora e logo em seguida conhecer seu primeiro texto.

Elaine Maria Maccali Girotto



Meu nome é Elaine Maria Maccali Girotto, tenho 47 anos, sou natural Linha Bom Jardim, Boa Vista Do Sul RS. Atualmente resido em Carlos Barbosa RS, desde 1995. Ensino Médio (Técnico em Contabilidade). Sou filha de agricultores, estudei na casa da Irmãs Pobres da Divina providência em Farroupilha por 5 anos, Trabalhei com turismo na Furlatur/Guibor/TAS por 10,5 anos, fui metalúrgica na Tramontina por 2,5 anos, Trabalhei no laboratório da Santa Clara longa vida por 5,5 anos, atualmente sou terapeuta na área de Reflexologia Podal.
Aprendi o português na escola, em casa sempre falávamos o bergamasco, falo e entendo o Talian veneto, mas mais especificamente o bergamasco porque ali na minha localidade e proximidades se falava só bergamasco, sou muito grata a Deus e tenho muito orgulho e paixão pela cultura italiana, nunca tive vergonha de falar em Talian.

Para baixar esse áudio clique aqui.
Ou clique abaixo para ouvir, na voz da própria escritora:



Asa enghèn det l' sul n'dela tò ita (Bergamasco)


A tötc chèi  chè dèrf le pòrte, le finèstre, i scalvazó le piante per en det l'sul  n'dela la ita, co na paròla, na ardada o na scapada...
Chè cuntet quanta lè riada la ura de fernì la giürnada, perchè a olte lè nìgol,  anca scür per caso dèle tribülassiù...
Ma co la òia, la devussiù,  l'amur de cada ü, sa stciarìs e tècon a lüs è  troon la benedissiù.


 Deixa o sol entrar na tua Vida (Português)


A todos àqueles que abrem as portas, as janelas,  podam as plantas, para entrar o sol em  sua vida, com uma palavra, um olhar ou uma visita...
Que contente quanto chega a hora de terminar o dia. Porque às vezes é  nublado, também escuro, por causa das dificuldades...
Mas com a vontade, a devoção e o amor de cada um clareia,  começamos a brilhar e encontramos a bênção.

Dassa el sol ndar rento dela to vita (Talian)


A tuti quei che verze le porte, le finestre, brusca le piante, par el sol ndar rento dela so vita, con una parola, una vardada o na vìsita..
Che contentessa quando riva ora del tramonto. Parché dale olte ze nuvoloso e anca scuro parvia dele dificultà...
Ma con la voia, la devossion e amor de ogniun s-ciarisse, scominsiamo a s-ciarir e catemo la benedission.




Texto: Eliane Girotto
Tradução para talian e postagem: Jaciano Eccher
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Visita ai Noni - Ademar Lizot

 Para baixar o áudio dessa postagem clique aqui

Para ouvir a narração na voz do próprio escritor, clique no player abaixo:



                                        



    

                                          Visita Ai Noni (Per Ademar Lizot)

     Questo rilato del nostro Brasil talian  ga sucedesto quando i mei noni, Giùlio e Odila Arosio go cognossesto.

    L`éra el prìnsipio dei ani sessanta, gavea cinque ani de età e, el viaio al paesel de Caibi, in te le tere nove de Santa Catarina el se ga fato longo parchè in quel tempo strade sfaltade e ponte par sora del fiume Uruguai nò existia mia. Al disbarcàr del ònibus la mama me ga postà in testa una barretina, parchè vignea zo una piovesina, dopo la ga ciapà l`valise in man e, semo ndati in serca dela casa dei noni e, intanto che se caminea par una stradeta, de quele verte par bèstie e gente,  gavemo incontrà un contadin che caminea tuto moià, co`l seston sù par l`spale e co`l capel sbassà fin i òcii par difenderse dela piova e, quando el ga rivà pi darente,  l`mama ga ricognossesto che`l zera el suo pupà, alora la ga molà l`valise par tera  e lo ga abrassià e, co la vose carga de emossion la ghe ga dito ”-Caro pupà questo bambin  l`é vostro nipotin!”  Aloro el nono par un s-ciantin el ga restà  sorpreso e, dopo de molar tera el seston, co na vose mèso rauca, mèso grave el ga dito:..”-Òstrega che belo tosatel, el ga pròpio i cavei e òcii negri dela nostra gente!”  Dopo de saludarlo, insieme gavemo seghi par una stradeta che  nò go mai desmentegà parchè fora de esser  postata tra mèso el bosco e el prà, la ga fato parte de un precioso momento dela mia infansa.   Al rivar a so casa, se fea veder la fumana del fogon drita al cielo e, el vignal ben piantato e belo.

    -Santantoni, varda chi che vien! Ga dito l`nona e,  co una incantadora simpatia in tuti i so gesti e parole, la me ga abrassià e,  con tanta dolcessa e soavità la ga parla, che invergognà i òcii go sbassà. Nte quel tempo la gavea sessanta passà ani de età e, la zera ancora bela, de cavei grissi onduladi e ben petenati,  testa alta sognadora, òcii ciari e prudenti e la  pel co na ofuscante bianchessa, che insieme de un soave rossor  ghe imbelessea el viso. La gavea pròpio una belìssima genètica che l`tose dela  fameia ga eredità.       

    Dopo de passadi tanti ani, con gran dolore sinto strucarme el cuor par nò gaver mia la arte del desegno par eternissar in te una pintura quelo che core ntel profondo dela mia memòria, l`imàgine dela nona Odila, bela e imponente come che zera el suo carater e, la stampa del nono Giùlio, de capelon in testa, mostàchi negri e mam pesade de contadin, caminando soto piova co`l seston de fen sú par l`spale, par quela stradeta profumada de carchessa e rosmarin.    

Ademar Lizot.

                            Visita aos Avós.

      Somente aos cinco anos de idade conheci meus avós Júlio e Odila Arosio.

  Era o princípio dos anos sessenta e a viagem até a localidade de Caibi, nas terras novas de Santa Catarina, se fez longa pois naqueles tempos não havia estradas asfaltadas e nem ponte sobre o rio Uruguai. Lembro que ao saltarmos do ônibus chovia e a mãe botou uma touca em minha cabeça, depois pegou a mala e fomos a procura da casa dos avós. Caminhávamos por uma estradinha aberta por bicho e gente, quando encontramos um velho colono que caminhava todo molhado, com um cesto nas costas e o chapéu abaixado até os olhos para proteger-se um pouco da chuva. Ao chegarmos mais perto a mamãe reconheceu que era seu pai. No mesmo instante largou a mala por terra e o abraçou. Depois com as lágrimas misturas a agua da chuva ela disse:...Querido pai, este menino é seu neto!

Ele me olhou detidamente e, depois com uma voz meio rouca, meio grave, falou:..”-Mas que belo menino, ele tem os olhos e cabelos negros de nossa gente!  

Depois, seguimos juntos por um caminho entre o mato e o campo e, aquela estradinha jamais esqueci, pois  faz parte de um precioso momento de minha infância. Ao chegarmos a sua casa, se podia ver a fumaça do fogão em direção ao céu e o vinhal, belo e bem plantado.

-Sant`Antoni, varda chi che vien! Disse a nona em seu idioma materno quando nos viu e, depois com uma encantadora simpatia em todos os seus gestos e palavras, me abraçou e falou com tanta suavidade, que impressionado abaixei os olhos envergonhado. Naquele tempo Ela tinha mais de sessenta anos de idade, mas ainda era bela, de cabelos brancos, ondulados e bem penteados, a pele ofuscante de brancura e um suave rubor lhe embelezava a face. A testa alta e os olhos claros e prudentes, uma bela genética que as mulheres de nossa família herdaram.

  Depois de tantos anos passados, sinto um aperto no coração por não ter a arte do desenho, para eternizar em uma pintura aquilo que corre no fundo de minha memória, a imagem da vovó Odila, bela e imponente como era o seu caráter e, a estampa do avô  Júlio, de chapelão em testa, bigode negro e mãos pesadas de colono,  com um cesto de feno nas costas, caminhando por aquela estradinha perfumada de carqueja e alecrim.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››