El Ritorno - Ademar Lizot

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

Par scaricar el àudio, clica qua.
Par ascoltar la stòria, clica soto:




El Ritorno - Ademar Lizot


(Rilato fondamentà ntei ricordi de Ventura Lizot)
Autor: Ademar Lizot
Revision: Loremi Loregian Penkal e Juvenal Dal Castel




“- Sior Benedeto, ndove che semo vignesti a postar i ossi dela nostra bambina!”

Cossì i dissea i me genitori, quando, sensa gnanca una assistensa, ze morta la me sorelina. Zera el ano de 1942, el mondo el zera nantra volta in guera e, nte un pìcolo paeselo, perso ntele tere nove de Santa Catarina, zèrimo de star, ma un fià dopo de quel funesto colpo, gavemo vendesto la pìcola propietà, par al Rio Grande ritornar.

Nte quel triste ano, cìnque ani mi gaveo de età e, el viaio de ritorno el ze stato de tren, che, ntela stassion de Itapuí, par la prima volta lo go visto. Ai me spaventadi òcii de tosatel, el parea un drago, a molar, par soto, fumana bianca e, par sora, nera. Tacà su ale bombàcie del me pupà, ntel vagon go imbarcà e, quando me go visto rento, al longo dei coredori, fra le due file de banchi de legno, me parea fin un sogno.

El longo viaio el ga scominsià cole nùvole a cambiar bastonade, che fea s-ciocar falive de fogo, zera fin bel de veder, ma anca spaventoso e, quando ghè rivà la piova, par depì de na ora, no se gavea mai visto tanta àqua, una àqua rossa che la scorea par la ferovia, travessea i campi e inondea tuto. Però el tren mai el se fermea, se anca el ndea a pian, sirca de 30 chilòmetri ala ora, parea fin che svelto el ndea e, via e via, sempre molando fora quela fumana nera e mi, coi òcii colmi de coriosità, a osservar tuto, parché, par mi, tuto zera robe nove, tanto diverse del posto ndove zera vignesto.

Vardando fora par la finestrina, de una parte vedevo i boschi e, de altra, i campi col bestiame a pascolar, anca qualche ùmile casseta, cola fameia davanti, con una mùcia de fioleti, tuti scolsi, a far estri cole man, come se fusse na festa, parché passea el tren, povereti.

Maria Vèrgine, che longa che la zera la strada, parea fin che no se rivea pi e, solche ntel scurir, semo rivadi ntela divisa col stado de Santa Catarina, a Marcelino Ramos, e, intanto che ntela ponte de fer, par sora del Rio Uruguai, el tren el passava, i mei genitori i ga ringràssia al Sior Dio, par ritornar al so paeselo de nàssita. Anca mi go ringrassià par ritornar al paeselo dei noni, ala so bela casa, col giardin dela nona, el vignal del nono e la cantina piencolma de formaio, salame e vin. Coi zii e le zie, tute quele bele cose le me portea un parer de dolce infànsia.

La ferovia seguiva par i campi, sensa fil e sensa palanchi e, par tuta la note, el tren el corea. El fogo, ntela caldiera, con forsa el brusea e el alsea pi in su la fumana, tanto in su e, in meso a sto va e vien, butà zo ntel ventre dela mama, go riposà.

Zera matina bonora quando semo rivadi ala cità de Carazinho, ndove, al disbarcar, go visto tanta gente a rimirar sta granda màchina, movesta a fogo e vapor, e tuto quel senàrio, par mi, el zera un sogno, parché zera tanto, tanto strànio de veder ste robe.

Però, par rivar al nostro destin, ghe manchea ancora depì de cento chilòmetri, che i li gavemo fati ntela carossaria de un camignon meso marso, squasi drio sderfarse, movesto a gasosénio. Solche quando zera silénsio e note alta, finalmente semo rivadi ala casa dei noni, che la zera iluminada con un feral pi bel e pi ciaro che tute le stele.





O RETORNO

(Relato baseado nas lembranças de Ventura Lizot)
 

“- Meu Deus, onde viemos deixar os ossos de nossa filhinha!”

Assim diziam meus pais, quando, sem nenhuma assistência médica, morreu minha irmãzinha. Era o ano de 1942, o mundo estava de novo em guerra e morávamos em uma pequena localidade, perdida nas terras novas de Santa Catarina. Mas logo após aquele funesto acontecimento, meus pais venderam sua pequena propriedade e ao Rio Grande do Sul retornaram.

Naquele triste ano, eu tinha 5 anos de idade e a viagem de retorno foi de trem que, na estação de Itapuí, pela primeira vez o vi. Aos meus assustados olhos de criança, pareceu um grande dragão a expelir fumaça branca e preta e foi segurando nas bombachas do meu pai que no vagão embarquei e, ao me ver dentro, no corredor entre as duas fileiras de assentos, tudo me parecia um sonho.

Partimos embaixo de chuva, com as nuvens a trocar “canhonaços”, que faziam saltar chispas de fogo, era até bonito de se ver, mas apavorante e, por mais de hora, jamais tínhamos visto tanta água, uma água vermelha, que corria pela ferrovia, atravessava os campos e inundava tudo, mas o trem jamais parou, sempre expelindo aquela fumaça negra, até que mais rápido andou, e eu, com os olhos plenos de curiosidade, a observar tudo, pois tudo era novo para mim, tudo tão diferente.

Pela janelinha, via florestas, montes e campos, também alguma humilde casinha, com a família na frente, com os filhos todos descalços, gesticulando com as mãos, como a fazer festa, por ver o trem passar, pobrezinhos!

A estrada era longa, só ao escurecer chegamos na divisa dos estados, na cidade de Marcelino Ramos e, enquanto o trem na ponte ferroviária, sobre o Rio Uruguai corria, meus pais em oração agradeciam à Divina Providência, pelo retorno à sua terra natal.

Também agradeci por retornar para junto dos avós, na sua bela casa, com o jardim da vovó, o vinhal do vovô, com a cantina repleta de salames, vinhos e queijos, com os tios e tias, com todas aquelas coisas simples e boas, que me traziam a agradável sensação de doce infância.

A ferrovia seguia por campos sem arames e sem palanques e, por toda a noite, o trem andou. O fogo na caldeira com força ardia e a fumaça bem para o alto expelia. Naquele vai e vem nos trilhos do trem, acomodado no colo de minha mãe, adormeci.

Era de manhãzinha quando chegamos na cidade de Carazinho. Ao desembarcar, vimos muita gente a admirar o grande cavalo de aço, movido a fogo e vapor, que, para aquela gente humilde do interior, era considerado uma obra prima da engenharia mecânica. Todo aquele cenário para mim parecia um sonho, pois me era tão estranho.

Mas, para chegar ao nosso destino final, ainda faltavam mais de 100 Km, que os percorremos na carroceria de um caminhãozinho Ford, modelo 37, movido a gasogênio. Somente quando o silêncio e a noite estavam altos, finalmente chegamos à casa dos avós, onde um lampião, mais belo e mais luminoso que todas as estrelas, a iluminava.

GIÙLIA, CARA GIÙLIA - Par Ademar Lizot.

sábado, 10 de fevereiro de 2024

Clica qua par scaricar el àudio
Par ascoltar la stòria, clica soto:

        

                   







GIÙLIA, CARA GIÙLIA 


Stesso come go scoltà dela mia mama, ghe raconto la stòria dela Giùlia, una toseta dela fameia Perini che, là par i ani 40, la zera da star nte un paeselo su par le coline dela Sera Gaussa. Paulina, la so mama, al partorir el quinto bambin, la ze morta e, al funeral, se anca i zera tuti stufi, nissuni i li ga visti pianzer, fursi parché le làgrime dei so òcii le zera belche seche. De quel giorno in vanti, la Giùlia, la pi grandeta, con 10 ani de età, la ghe ga tocà sostituir la so mare ntei afari dela casa e, cossì, no la ga mia pi studià, parché i so brassi i zera pi importanti a casa che so testa ntela scola. A quel tempo, Giùlia no la cognossea gnanca el valor dei soldi, ma la savea dir quanto costea un chilo de sùchero, meso de sal e una s-cianta de cafè. La savea anca la giusta mesura par la mescolansa dela farina de formento, late e ovi par far la pasta del pan che, se anca ntela so casa solche al sabo e domènega i lo magnea, zera ela che lo fea. Anca la polenta la ghe tochea far e due al di. Una ala matina, par tuti, e una ala sera par el suo pupà, che el restea fora de casa tuto el di, a laorar. De matina bonora, al partir, el se portea adrio el merendin; cìnque, sei fete de polenta e formaio, acompagnà de na botìlia de vin. Al scurir, quando el ritornea, el zera sempre straco e, ai so fioleti, òrfani de mama, poche volte el li caressava, ma, se anca el ghe dea scarso afeto, i so fioleti i savea quanto che zera duri i cali dele man del so pupà. Quando la Giùlia la ghe tochea ndar masenar formento al molin, i so fradeleti i pianzea; alora el pi grandeto el tegnea in brasso el pi ceo, con 10 mesi de vita che, insieme dei atri tre fradeleti, el zera sempre tacà ala Giùlia, che romai i la ciamava de mama. La fontana de àqua la zera ntel vale e, par ndar torla, Giùlia, coi pié scolsi, la caminea zo par la colina e, dopo, al rampegar su par la riva, cola sécia piena, i sudori i ghe corea zo par la fàcia. La zera solche una toseta, ma la savea cossa che zera el mal de schena. Ntela luce del fondo dei so òcii, la mantegnea la imàgine dela so pòvera mama, butada zo ntel leto, òcii stropadi, viso sfondà e sensa color, col ùltimo fià de vose, a suplicar: “Giùlia, cara Giùlia, te racomando de tender i to fradeleti, i to fradeleti!”

“Giulia, cara Giulia, Te racomando de tender i to fradeleti, i to fradeleti!




GIULIA, QUERIDA GIULIA (tradução)


Assim como ouvi de minha mãe, lhes conto a história de Giulia, uma menina da família Pierini que, lá pelos anos 40, residia numa pequena localidade, nas colinas da Serra Gaúcha. Paulina, sua mãe, ao dar à luz ao quinto filho, faleceu e, no funeral, embora Giulia estivesse triste, ninguém a viu chorar, talvez porque as lágrimas de seus olhos já haviam secado. Daquele dia em diante, Giulia, a mais grande, com 10 anos de idade, teve de substituir a mãe nos afazeres da casa e, assim, não pode mais estudar, pois seus braços agora eram mais importantes em casa, que sua cabeça na escola. Naquele tempo, Giulia não conhecia nem o valor do dinheiro, mas ao menos sabia dizer quanto custava um quilo de açúcar, meio quilo de sal e uma medida de café. Também sabia a justa quantia de farinha de trigo, ovos e leite, para misturar na massa do sagrado pão, que, embora em sua casa só aos sábados e domingos o comiam, era ela que o fazia. Também a polenta era ela que cozinhava, e duas ao dia, uma de manhã para todos e uma ao anoitecer para seu pai, que trabalhava o dia inteiro longe de casa. De manhã cedo, quando partia, levava a marmita com 5 fatias de polenta, 5 de queijo e meia garrafa de vinho. Ao escurecer, quando cansado retornava a seus filhos, órfãos de mãe, pouco os acariciava, mas embora lhes desse pouco afeto, eles sabiam o quando eram duros os calos das mãos de seu pai. Quanto Giulia se ausentava para buscar farinha, no moinho, seus irmãozinhos choravam, então o mais grandinho abraçava o mais pequeninho, de 10 meses de idade que, junto aos outros 3, estavam sempre abraçados à Giulia, a quem já chamavam de mãe. A fonte de água potável ficava no vale e, para buscá-la, Giulia descia a colina com os pés descalços e, ao subir com o balde cheio, o suor pela face lhe escorria. Era só uma menina, mas já sabia o que é dor nas costas. Na luz de suas retinas, conservava a imagem da pobre mãe, deitada na cama, olhos fechados, rosto sugado e sem cor, com um último fio de voz, a suplicar: “Giulia, querida Giulia, cuide de teus irmãozinhos, teus irmãozinhos!”



Testo: Ademar Lizot
Revision: Loremi Loregian Penkal e Juvenal dal Castel.

Regalo de Compleano - Ademar Lizot

segunda-feira, 22 de janeiro de 2024

Clica qua, par scaricar el àudio
Par ascoltar la stòria, clica soto:



Regalo de Compleano - TALIAN

Questo rilato, ntei ricordi Ventura Lizot, el ze fondamentà.

Un fià dopo de finir la pi bruta guera che el mondo ga cognossesto, oto ani de età go completà e el meio regalo dela mia infànsa go guadagnà.

L`era el ano de 1945, mese de giugno, de inclemente inverno, quando i troperi che i spontea a caval, vegnesti dei campi de Soledade, davanti dela nostra casa, un s-ciantin vanti note i se ga fermai e, el me pupà, un cristian de insuperàbile generosità, el ga ofrio fora el caldo del fogolaro, anca de bever e de magnar e, dopo, el ghe ga domandà se i gavea un caval da vender, che el fusse manso, fassil de comandar e de fedùssia par portar su in garupa un tosatel.

- Gavemo un con meno de un ano! - I ghe ga rispondesto.

- Un cavalin de bona grandessa, de pel color brasino, con una macieta bianca ntela fronte, belche castrà e domestegà, sol che el ze meso difìssil de ciapar, toca postar la cavessa ntela ponta de una cana (tacoara) e dopo star atento par infrenarlo.

Ntel altro giorno, ala matina bonora, el me pupà, al vardar la bèstia, no el ga gnanca pessinsià el prèssio e, cossì, son deventà paron de un cavalin, el meio regalo dela me infànsia e el me onor de tosatel. Del filon dela so schena go cascà el primo rabalton e, al alsarme su, go vardà ntei òcii del novo amico, una domanda de perdon.

Par montar, me tochea rampegar su fin el terso fil de fer dela serca ma, dopo de montà, traspassea fin el rieto ntei giorni de bruta brentana. A ogni giorno, trotando coi passi fogosi, el me portea a scola e, una volta a stimana, a menar mìlio al molin. Ala doménega, par ndar a messa, el tirea la caretina. Bel de véderlo zera quando el trotava cole récie in su, par menarme a casa dei noni, che al rivar i disea:

- Vèrgine Maria, varda el nostro bambin, che el riva montà su nel suo cavalin. Questo tosato, si, el ze brao!

Quando semo vignesti via dela colònia, el ze restà col nono, che no lo ga mai assà sensa mìlio, fien e spagna, e mi, che romai vivo dei bei ricordi che ancora i me core ntel fondo dela memòria, anca del me cavalin no me go mai desmentegà e, tante volte, al s-ciarir del di, me par de nantra volta sentir el rissonar dei sui feri, fra le case che dorme.


Presente de Aniversário - Português


Este relato, nas lembranças de Ventura Lizot, é fundamentado.

Logo após findar a mais bruta guerra que o mundo conheceu, oito anos completei e o melhor presente de minha infância ganhei.

Era o ano 1945, mês de junho, de inclemente inverno, quando os tropeiros que repontavam cavalos, oriundos dos campos de Soledade, ao anoitecer, em frente à nossa residência apearam, e ‘Ó de casa’ gritaram, e meu pai, que trazia dentro do peito a Riograndense fidalguia, lhes ofereceu, além do chimarrão, também um resto de churrasco e o calor de um fogo de chão.

Depois, enquanto mateavam, pediu se tinham à venda um cavalo, que fosse bom de rédea e de confiança, para carregar no lombo uma criança, ao que o velho tropeiro respondeu:

- Tem um de menos de um ano, disseram.

- É um petiço de bom tamanho, de pelo brasino, com uma mancha branca na testa, já domado pelo maragato João Bibiano. Só que é meio custoso de se pegá, tem que botá o boçal na ponta de uma taquara e ir negociando pra podê enfrená.

No outro dia, de manhãzinha, meu pai que entendia da lida, viu o cavalo e nem pechinchou preço e, assim, aconteceu de ter um cavalo só meu, o melhor presente de minha infância e orgulho de criança.

De cima de seu lombo, caí meu primeiro tombo e, ao levantar do chão, vi no olhar do amigo um pedido de perdão. Para montá-lo, tinha que subir até o terceiro fio do alambrado mas, depois de enforquilhado, bandeava até sanga cheia, em dia de enxurrada feia.

Troteando num passo fogoso, me levava à escola e também ao moinho e, tantas vezes que se precisasse, ia e voltava sozinho, pois sabia de cor o caminho. Também puxava a caretinha e o arado e, aos domingos e dias de festa, troteava de orelha erguida, quando, num passo fogoso, me levava à missa e depois à casa dos avós que ao chegar a avó dizia:

- Vèrgine Maria, varda el nostro bambin, che el riva con suo cavalin!

E o avô completava:

- Questo tosato, si, el ze brao!

Quando saímos da colônia para morar na cidade, ele foi entregue aos cuidados de meu avô, que também lhe nutria uma sincera simpatia e, até o fim da vida, nunca lhe faltou milho, pasto, alfafa e carinho, e agora eu, que vivo das belas recordações que me correm no fundo da memória, também de meu cavalo de infância não esqueço, pois tantas vezes, ao clarear do dia, até parece que escuto o rompante das suas ferraduras, a ressoar por entre as casas adormecidas.

Testo: Ademar Lizot
Revision: Loremi Loregian Penkal e Juvenal dal Castel
Publicassion: Jaciano Echer

Un giorno ntela Spiàgia - Ademar Lizot

sábado, 6 de janeiro de 2024

Clica qua par scaricar el àudio
Para ascoltar la stòria clica soto:





UN GIORNO NTELA SPIÀGIA


Altro giorno, ntela spiàgia predileta dela gente de orìgine taliana, la bela Itapema, ndove el mar el ze squasi sempre calmo e seren, un bel senàrio de dolcessa, go vardà, confermando che se anca el mondo el ze cargo de rabiessa, la vita ancora la pol esser bela.

Zera de matina bonora de un giorno caldo de istà e, come non son de quei che i serca de brustolarse al sol par scurir la pel, de soto el ombrelon me go postà. La spiàgia la zera squasi deserta, ghera solche un casal interessante, un paro de cherocheri, quel osel sempre atento, par far alarmo a qualùnque movimento.

Fin che, de là un s-ciantin ga capità un casal de vecieti, tegnendo in man una putela, con pi o meno quatro, cìnque ani de età, una bela toseta, parona de un soriso natural che ghe iluminea la facieta color de formento.

El vecieto el fea pontualmente quel che la so signora la ghe comandea e, intanto che la toseta ghe stea intorno e la lo ciamea de noneto, el ga postà ntela sàbia, un fià pi in là del nostro, el so ombrelon.

Alora, la signora, par farse veder che la zera ela che la comandea, la dise:

- Antonella, par zugar ntela sàbia col secin e i atresi, stà qua de soto dela la ombria del ombrelon!

- Ma nona, qua no se fà gnente con stà sàbia suta, bisogna bagnarla par impastarla un s-ciantin. Assa che vao svelta al mar tor un secin de àqua. - Ghe risponde la toseta.

- Te digo de nò e basta de stòrie. No te asso mia ndar fin el mar par via de un secin de àqua, parché avanti e indrio te ciapi massa sol e sta note no te sarè mia bona de dormir!

Dopo la se ga voltada verso al so vecieto:

- Senti, Toni, fame sto piaser, va ti al mar tor àqua a questa toseta, che fursi la se ferma de tante stòrie, de tanti lamenti.

Alora, el vecieto, rassegnà, pi storto che la ànima de Pónsio Pilato, el se ga alsà su par tor sto secin de àqua e, al ritornar, come se el fusse drio sognar e ricordar tante bele cose dela vita, sensa nissuna paura dei fantasmi che ancora i se imparona dei soi ricordi, insieme dela bambina, el ga alsà su un bel castel, pien de tore e muràlie che, de tanto ben fate, le parea fin quele de Gericò. Fursi che el sia stà un bonìssimo ingegnero.

Dopo de na ora, finalmente, i i ze ndati al mar, che i li ga ricevesti con la dolcessa de un lagheto de montagna e là i ga fato quela balada, chissà la prima che i umani i ga fato davanti el grande oceano. Dopo de diese, quìndese minuti, fursi dei pi pressiosi dela dolce infànsia de quela toseta, soto i so protesti, i ga saltà fora dela àqua salada par racolier el ombrelon, el secelo, i altri atresi e, svelti, come se i fusse scampar via de una tempesta, i i ze partidi verso ala so casa. Sicuramente, par pareciar qualche cosa par la toseta magnar, parché spiàgia e mar i fà vegner na fame de can e, soratuto, parché el piaser pi grando de tuti i noni el ze darghe de magnar ai so nipotini. No elo mia vero?


UM DIA NA PRAIA


Outro dia, na praia preferida das pessoas de origem italiana, a bela Itapema, onde as ondas do mar serenas acariciam as areias, uma terna cena assisti, confirmando que, embora o mundo esteja carregado de violência, a vida ainda pode ser bela. Era cedo, manhã de um dia quente de verão e, como não sou daqueles que buscam bronzear-se ao sol para escurecer a pele, à sombra do guarda-sol me posicionei. A praia estava quase deserta, só formava um casal interessante um par de quero-queros, aquele pássaro sempre atento, para fazer o alerta a qualquer momento.

Até que, dali a pouco, eis que chega uma dupla de idosos, segurando a mão de uma menina, com não mais de quatro, cinco anos de idade, cujo natural sorriso lhe iluminava o rostinho cor de trigo.

Segundo as ordens da senhora, que o velhinho pontualmente obedecia, fixou até que bem perto do nosso, o seu guarda-sol.

Então a senhora, para demonstrar seu comando, falou

- Antonella, meu anjo, para brincar com o baldinho e a pazinha, fique à sombra do guarda-sol!

- Mas vovó, com esta areia seca não se faz nada, precisa molhá-la. Deixe-me ir ao mar com o baldinho buscar água, vou e volto correndo.

- Te disse que não e basta, não te deixo ir ao mar por causa de um baldinho de água, pois o ir e vir te expõe ao sol e à noite não conseguirás dormir!

Depois, voltando-se ao marido:

- Escuta, Antônio, faça-me o favor, vá você ao mar, traga água no baldinho que, talvez, ela pare de tantas histórias, de tantos lamentos.

Então o velhinho, mais torto que a alma de Pôncio Pilatos, foi ao mar encher de agua o tal baldinho e, ao voltar, como se estivesse sonhando e recordando todas as coisas boas da vida, sem medo dos fantasmas que ainda habitam suas lembranças, junto da netinha construiu um belo castelo, cheio de torres e muralhas que, de tão bem feitas, pareciam até as de Jericó. Talvez o velho tenha sido um excelente engenheiro.

Depois de uma hora, enfim, foram ao mar, que os recebeu com a lisura de um lago de montanha e lá fizeram aquela dança, talvez a primeira que os humanos fizeram em frente ao grande oceano, mas depois de dez, quinze minutos, talvez dos mais precisos da doce infância da menina, sob seus protestos, saíram da salgada água para recolher o guarda-sol, o baldinho e os demais apetrechos e, rápidos como se estivessem fugindo de temporal, partiram a sua casa. Certamente para preparar algo para a menina comer, pois praia e mar abrem grande apetite e o maior prazer dos avós é bem alimentar seus netinhos, não é verdade?

Testo: Ademar Lizot.

Revision: Loremi Loregian Pencal e Juvenal dal Castel

Publicassion: Jaciano Eccher

El Presèpio - Ademar Lizot

sexta-feira, 22 de dezembro de 2023

Clica qua, par scaricar la stòria.

Par ascoltar la stòria, clica soto:

 

                             


EL PRESÈPIO


Ntela me infànsia, el presèpio dela me casa el zera solche un ramo de pin ornà con quatro, sìnque balete de viero brilante e Gesù, Giusepe e Maria e tuti i altri personàgii i zera fati de tessuto e scartosse de mìlio.

Dir che davanti de quel ùmile presèpio el me cuor el restea caldo e contento ze poco, e me domando se i putei, dei di de ancoi anca lori i ze boni de emossionarse cossì tanto davanti de un rùstego presèpio, al punto de sentir ciapar vita ai personàgii, le done col fassoleto in testa, i òmeni col sacheto de farina adosso e i pastori a ritornar dele montagne coi piegorini in spala, tuti a caminar verso ndove Maria e Giusepe i mostrea ai tre foresti, i Re Magi del oriente, el bambin Gesù butà zo, ben postà ntela grìpia, anca Lu pien de vita, de ocieti verti e manine e brasseti verti anca quei, me parea fin che el ridea, pròpio una dolcessa infinita.

Mi, ormai, vivo dei ricordi che i me porta, ai presiosi momenti dela me infànsia, quando el Bambin Gesù el zera el personàgio assoluto de un Natal fondamentà ntela inossensa dei me sentimenti e ntela profonda credensa religiosa che se gavea e nò ntel consumismo sensa limiti dei di de ancoi, che fà del Pupà Noel, el personàgio prinsipal e nò el Bambin Gesù, che squasi no se sente pi parlar, un vero testimònio che qualche cosa ga cambià, che qualche cosa ga sustituio tanti bei e auténtichi pensieri, che i portea la emossion pi pura e ìntima del`ànima.

Ma pol esser che sia sbalià de dir che el vero Natal ze quel dela me infànsia, quando la me ànima de tosatel no la savea gnente dele desgràssie del mondo, parché se anca passadi due mila ani, el ze ancora stesso de quando Maria e Giusepe i domandea pietà, ma nissuni i li acetea. Ndove i batea, le porte le se serea.

Nissuna pietà par el Re del Ciel i ga bio, solche una stala verta i ga catà e là ze nassesto el Redentor, sensa caldo, sensa querte, sol el Lo scaldea el fià del bo e del musso, pòvere bèstie, ma de ànima pi lìmpida e pura che quela dei òmeni, che se anca passadi tuti questi sècoli, no i ze mia boni de fermarse cole guere, gnanca netarse de tanto sàngue, de tanto òdio stampà ntela fàcia, ma stesso posso dir, sensa paura de sbaliar, che ntela note de Natal, quando la Stela del`Alba ntel ciel la sponta e la luna la se stornisse col suo stragrando splendor. El Natal el ze un momento che el ga ancora qualche cosa de màgico, de santo, che fà sufiar una arieta piena de boni e profondi sentimenti, una arieta de serenità, che fà respirar teneressa anca a quei cola scorsa pi dura, a quei cativi, aroganti, a tuti quei che, al vardarse ntel spècio de questo mondo, gnanca par lori la so fàcia la ze bela e, fursi, nte quel momento i ze boni de capir che ghe vol pace in tera ai òmeni de bona volontà.

O PRESÉPIO


No meu tempo de infância, o presépio em minha casa era só um galho de pinheiro, enfeitado com 4 ou 5 bolinhas de vidro brilhantes e Jesus, José e Maria e todos os outros personagens eram feitos de pano e palha de milho.

Mas dizer que em frete àquele humilde presépio meu coração ficava quente e contente é pouco, e me pergunto se as crianças de agora conseguem emocionar-se tanto assim ao ponto de sentir ganhar vida os personagens do presépio, as mulheres de lencinho na cabeça, os homens com um saquinho de farinha nas costas e os pastores com suas ovelhinhas a caminhar das montanhas em direção a José e Maria, a mostrar aos três reis magos o menino Jesus na manjedoura deitado, Ele também cheio de vida, com as mãozinhas e bracinhos abertos, sorrindo, uma doçura infinita.

Eu agora vivo recordando preciosos momentos que vivi na infância, quando o Menino Jesus era o personagem principal de um Natal baseado na inocência de meus bons sentimentos e na fé religiosa que tinha, e não no consumismo sem limites de agora, que faz do Papai Noel o personagem absoluto e não o Menino Jesus, que agora quase não se escuta mais falar, confirmando que alguma coisa mudou, talvez devido à modernidade, que veio substituir tantos bons e autênticos pensamentos.

Mas pode ser que eu esteja enganado de achar que o verdadeiro Natal é o de minha infância, quando minha alma de criança não sabia nada das agruras do mundo, que embora passados dois mil anos continua igual quando Maria e José pediam piedade e ninguém os acolhia, onde batiam, as portas se fechavam, ao rei do céu qualquer piedade negaram, só um estábulo aberto acharam e lá nasceu o Redentor, sem panos e sem calor, só o aqueceu a respiração do boi e do burrico, pobres animais, mas alma mais límpida e pura que a dos homens, que ao longo dos séculos não conseguem libertar-se das guerras, limpar-se de tanto sangue, de tanto ódio estampado no rosto, mas ainda assim digo sem medo de errar que, na noite de Natal, quando a estrela d´alva no céu desponta e a lua até parece que se afasta devido ao grande esplendor.

O Natal é um momento que ainda tem qualquer coisa de mágico, de santo, que faz soprar uma brisa plena de bons e profundos sentimentos, é uma serena brisa que faz respirar ternura até aos de casca mais dura, aos violentos e arrogantes, àqueles que ao mirarem-se no espelho do mundo, o seu viso não é belo nem para eles e, talvez, naquele momento entendam que é preciso paz na terra para os homens de boa vontade.

Testo: Ademar Lizot
Revision: Loremi Loregian Penkal e Juvenal dal Castel
Publicassion: Jaciano Eccher

EL SANGUANEL - Ademar Lizot

quarta-feira, 29 de novembro de 2023

Clica qua par scaricar

Par ascoltar la stòria, clica soto:

                                    

     

EL SANGUANEL 




Ricordo che sti ani indrio quando se stea a Linea Bela, bel paeselo su le coline dela Serra Gaúcha, el meio divertimento che se gavea zera far el filò, ndove se cantea, se ciacolea e se ridea. Zera una riunion a casa dei visigni, che ale volte i vegnea de distante e, ale volte a meno de mila passi dela nostra nostra casa.

Un che mai no el ghe manchea ntel filò zera el zio Domenico, un vecieto che ancora el laorea a far careghe e màneghi de atresi, ma che soratuto i putei i ghe volea ben. El racontea stòrie pi o meno vere che, al primo bicier de vin che con tanto gusto el lo bevea, fantasiose le daventea, come se nel s-ciantin che la ànima dela ua ghe rivea ntei sarvei, la ghe alsesse su la imaginassion sora personàgii strànii e misteriosi. Un de questi el zera el sanguanel, nò quel vermo ciuciassàngue che i dotori doperea para aiutar ntela sircolassion de sàngue dei maladi, ma si un ente mìtico provegnente dela fantasia Popolar dei imigranti Véneti e trivéneti-lombardi, che cossì i lo ciamava parché fora de esser tuto rosso, barba, sorasseie e vestimenta, el zera anca bassoto con nò depì de 40 sentìmetri de altessa, svelto e dispetoso, che ntei vendre del colmo de luna el indressea le crene dei cavai, par dopo farli corer fin che i gavea gambe.

Però el zio Domenico ntele so storiete el disea che el sanguanel no el zera mia un diaoleto come tanti i lo descrivea, ma si un simpàtico nano, che no el fea mal a nissuni e sensa nissuni veder, insieme dela so doneta, anca ela una naneta con nò depì de 30 cm de altessa, ala note i laorea par finir quei laori assadi indrio ntela campagna, dai contadini fiachi e maladi.

Al finir la stòria, dopo de parar zo nantra sboconada de vin, el spalanchea i òcii par dir che el personàgio veramente terìbile che ancora el va in giro par de qua e par de là ze el “Orlo”un gigante mitològico de orìgine nórdica che el ga adosso na forte spussa de sólfaro, con longhìssime e storte gambe, òcii infiamadi e granda boca piena de longhi e gusadi denti, che co una sboconada sol, el pol magnar i putei cativi e dispetosi.

Òstrega che del Orlo si se gavea tanta paura, ma ancora cossì non se assea là de far dispeti.

Ademar Lizot.



O SANGUANEL




Á passados tempos quando nossa família residia na colônia de Linha Bonita, bela localidade imersa na estupenda paisagem da serra Gaúcha, o melhor lazer que tínhamos era fazer o ‘filó’, onde se cantava, se falava e se ria. Era uma fraternal reunião nas casas vizinhas, que as vezes eram distantes, as vezes a menos de mil passos de nossa casa.

Um que jamais faltava ao filó era nosso saudoso tio Domênico, um velhinho que ainda trabalhava fazendo cadeiras e cabos de ferramentas. Mas principalmente as crianças o queriam bem, pois contava histórias mais ou menos verdadeiras, que ao primeiro copo de vinho, que com tanto prazer bebia, se tornavam fantasiosas, como se alma da uva ao chegar-lhe ao cérebro, aguçasse seu imaginário sobre assombrosos e misteriosos personagens, oriundos da fantasia popular. Um desses era o ‘Sanguanel’, não aquele verme sanguessuga que a passados tempos os médicos usavam nos doentes para melhorar-lhes a circulação do sangue, mas sim um ente mítico proveniente das histórias dos imigrantes Venêtos e trivenêtos-lombardos, que era descrito como baixinho e feio, com não mais de 40 centímetros de altura, também ágil e malicioso, que nas noites de sexta feira, aquelas de lua cheia, trançava as crinas dos cavalos e depois saia desesperadamente a galopá-los.

Mas o tio Domingos nas suas histórias afirmava que o ‘Sanguanel’ não era malvado como tantos o pintavam, mas sim um simpático anãozinho, que não só não fazia mal a ninguém, como também junto da esposa que também era uma anã com não mais de 30 cm de altura, depois da meia noite e sem ninguém perceber trabalhavam para concluir os serviços que os fracos e doentes deixaram pendestes nas lavouras.

Ao finalizar sua história, depois de mais um gole de vinho, esbugalhava os olhos para dizer que verdadeiramente terrível era o ‘Orlo’, um gigante de origem nórdica com forte odor de enxofre, longas e tortas pernas, olhos incandescentes e boca grande cheia de longos e afiados dentes, que a primeira mordida engolia a criança que aos pais desobedecia.

Puxa que este tal de 'Orlo' sim nos metia medo, mas não se deixava de fazer molecagens assim mesmo.

Revision: Loremi Loregian Penkal e Juvenal dal Castel

Publicassion: Jaciano Eccher

Testo: Ademar Lizot.

LA CORONA - Ademar Lizot

quarta-feira, 15 de novembro de 2023

Clica qua par scaricar el àudio

Par ascoltar la stòria, clica soto:

                         


                                                                            LA CORONA


Sti ani, nostre none taliane che, stesso a ele, mai pi ghen sarà ntel mondo, le afermea che pregar el Santo Rosàrio in fameia ze el stesso de ndar su par i scalini che i conduse al paradiso, ndove se pol slongar la man drita ala man de tute le mame, la nostra Madonina, sempre piena de afeto e speransa.

Nte quei ani, non tanto distante, quando un cristian partia de questo mondo, fra le so man el portea la corona, come se la fusse el passaporto par el passàgio ai campi fioridi del paradiso. Ma, soratuto, la corona la zera un strumento essensial che non la manchea mai ntele scarsele dei preti, frati, móneghe e, dopo de benedia dal sasserdote ciare volte la manchea ntela casa dei cristiani, squasi sempre picada sù ala testiera del leto. E anca tanti i la portea ntela scarsela, parché la zera considerada un segno de protession, anca un distintivo che confermea un modo de fede.

Nte quei ani sensa internete, a ogni sera, dopo sena, la mama la ciamea tuti dela fameia, par indenociarse davanti una carega postada in torno ala tàola dela cosina par pregar la corona. Con un grando segno dela Santa Crose, la scominsiea a dir el primo mistero, quelo che contempla l`anunsiassion del Àngelo a Maria e suito adrio, le Ave Marie, che la prima parte con so vose de porselana la disea:

“- Ave Maria, piena de gràssia, el Signor l`è con Vu, benedeta sii Vu fra le done, e benedeto l`è el fruto del Vostro ventre, Gesù.”

Dopo noantri, tuti insieme, se ghe rispondea:

“Santa Maria, mama de Dio, preghé par noantri, pecadori, adesso e ntela ora dela nostra morte. Amen.”

Finide le sento Ave Marie, cola ànima ancora meso indenociada, se ndea riposar.

Par finir, mi vui dir che, in questi disastradi tempi, beata la ze la fameia che ancora la mantien el sacro costume de dir su la corona tuti i di, parché in questo mondo pien de modernità, alontanà dei comandamenti del Nostro Signor Gesù Cristo, far le preghiere a Dio, ala Madona e ai Santi, ze ancora pi essensial par otegner protession contro le rogne de ogni giorni e, soratuto, par solievar el cuor e alsar la ànima a un posto de serenità e fraternità.


SANTO ROSÁRIO



Tempos atrás, nossas nonas italianas, afirmavam que rezar o terço em família é como galgar os degraus de uma escada que conduz aos céus, onde podemos estender a mão direita à mão da mãe de todas as mães, sempre cheia de graça e esperança.

Naqueles não tão distantes tempos, quando alguém partia deste mundo, levava entre as mãos o rosário, como se fosse um passaporte para acessar os confins do firmamento. Também era um instrumento essencial que jamais faltava nos bolsos de padres, frades, freiras e, depois de benzido pelo sacerdote, raramente faltava nas casas dos cristãos, pendurado nas cabeceiras das camas, e também muitos o levavam no bolso, pois era considerado um sinal de proteção, também um distintivo que confirmava a fé em um modo de crer e ser crente.

Naqueles tempos sem internete, a cada noite, após a ceia, a família reunida rezava o terço, todos ajoelhados, apoiados a uma cadeira em torno da mesa da cozinha e a mamãe com o rosário em mãos, depois de fazer o sinal da Santa Cruz, iniciava a oração do primeiro mistério, o que contempla a anunciação do anjo à Virgem Maria, depois seguia a reza das Ave Marias, as quais, a primeira parte, a nona com sua voz de porcelana, assim dizia:

“- Ave Maria, piena de gràssia, el Signor l`è con Vu, benedeta sii Vu fra le done, e benedeto l`è el fruto del Vostro ventre, Gesù.”

Em seguida, todos juntos completavam...

“Santa Maria, mama de Dio, preghé par noantri, pecadori, adesso e ntela ora dela nostra morte. Amen.”

Terminada a sequência de cem Ave Marias, ainda com a alma ajoelhada, felizes, iam repousar.

Ao terminar este relato, quero dizer que nesses desastrados tempos, abençoada é a família que ainda conserva o costume de, unida, rezar o terço, pois nestes tempos modernos e distanciados dos ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, ele torna-se ainda mais essencial para aliviar o coração e elevar a alma a um patamar de serenidade e fraternidade.

Autor: Ademar Lizot

Revisão de texto: Loremi Loregian Penkal e Juvenal dal Castel

Postagem: Jaciano Eccher

El Arivo del Ràdio - Jaciano Eccher

quinta-feira, 2 de novembro de 2023

Clica qua par scaricar el àudio
Para acessar o livro completo em PDF bem como audiodescrições clica aqui.
Par ascoltar la stòria. clica soto:




A imagem acima é do meu primeiro rádio, em um programa de rádio eu conto a história dele, inclusive é uma história bem engraçada. Para ouvir o programa clica aqui e baixe o app Ivox. Ative as notificações para não perder nenhum programa.

Logo abaixo, o texto "El Arivo del Ràdio", presente nas página 117 a 119 do livro Ricordi dei Nostri Noni. Revisão Juvenal dal Castel e Loremi Loregian Penkal, narração Raquel Carìssimi, diagramação Ligia Loregian Penkal.







Visita al Monte Grappa - Ademar Lizot

quinta-feira, 26 de outubro de 2023

Clica qua par scaricar el àudio
Par scoltar la stòria, clica soto:







Visita al Grappa


Cinque ani fà che son ndato trovar parenti ntel Véneto, Norte dela Itàlia, sicuramente un dei posti pi incantadori che el Sol ilumina ntel suo eterno caminar. Ntel spetacolar paisàgio se alsa su el maestoso monte Grappa, che ancora da tosatel sentia tante stòrie e, su quela mìstica montagna, el mio bisnono Giosué Lisot, giorni prima de emigrar ala Mèrica del Sul el ga scalà par torse adrio un tochetin de sasso, come un ricordo del suo paese natal e, ntele trinsiere su par la riva del stòrico monte, ntela prima guera mondial, nostro cusin el ga combatesto.

Quel giorno, ntel scomìnsio de setembre de 2018, el ciel dela Itàlia el era asul e lìmpido e, al rampegar su i 1775 metri de altessa, go incontrà tante persone de tute le età e tuti quanti inamoradi e incantadi dala montagna che, ntela grande guera la servia de campo de lota, con tanti coragiosi soldadi cascadi in batàlia, una vera testimoniansa che quela guera la ze stata un flagelo dela gioventù Véneta Taliana.

Quando son rivà sul sime dela montagna, go trovà un straordinàrio belvedere. Al orisonte se distendeva la intera pianura, con Bassano, Belluno e Venessia fin al mar, anca el Apeninno e le Dolomite, un paesàgio de infinita belessa, ndove sul fianco destro core el Piave e a oveste el Brenta, col Altopiano de Asiago intorno, che rende al Grappa una maraveia in tute le stagion del ano. Ntel scomìnsio dela primavera se trova i primi fioreti e presto la montagna la se querde de fiori e profumi. Dopo, ntele giornade autonai, le foie le dassa nel`ària un profumo de pace. El istà el ze una bona stagion par respirar l`aria pura dela mantagna e, ntel inverno quando riva el silénsio, la pianura, soto, se querde de nèbia e sora la neve che brila soto el ciel, alsando su un spetàcolo indesmentegàbile, col orisonte che el se stende tuto in torno a perder de vista.

Quel giorno de setembre, al sime del Grappa, davanti al grande mausoleo, go pregà una rechiemeterne, par le ànime dei soldai, che sìpiino Austriaci, Tedeschi o Italiani, ognuno el ga el pròpio nome registrà su la làsia del maestoso monumento, dove sol le imàgine dela Madonina e la bianca neve le ghe fà compagnia.


Visita ao Monte Grappa


Cinco anos faz que fomos visitar parentes na região do Vêneto, nordeste da Itália, certamente uma das regiões mais encantadoras que o sol ilumina em seu eterno andar. Na espetacular paisagem se destaca o Monte Grappa, o qual ainda de criança escutei tantas histórias, também montanha que meu bisavô ao emigrar a América, levou de lembrança um pedacinho de sua rocha. E na primeira guerra mundial, nas trincheiras das encostas do histórico monte, nosso primo Giovanni Lisot, combateu em defesa da Pátria Italiana.

Naquele dia de setembro de 2018 ao subir os 1775 metros encontrei muitas pessoas que enamorados pela montanha, caminhavam pela estradinha entre as trincheiras da grande guerra, com suas crateras de bombas e alguns utensílios que serviram aos bravos soldados caídos em combate, verdadeiro testemunho que o Grappa foi campo de batalha e flagelo da juventude italiana.

Ao chegar ao cume vislumbramos espetacular belvedere;... A horizonte se abria toda a planura com Bassano, Belluno e Veneza até o mar. Também os Apeninos e as montanhas das Dolomitas, paisagem de beleza infinita, que tem no seu flanco direito o rio Piave e no poente o Brenta, com o altiplano de Asiago em volta, o que faz do Grappa uma maravilha em todas as estações do ano. Ao inicio da primavera aparecem as primeiras flores e logo a montanha se reveste de seus perfumes. No verão é uma boa ocasião para respirar o puro ar montanhês. Nas jornadas outonais as folhas exalam aroma de paz e no inverno quando chega o silencio, em baixo a névoa cobre a planura, enquanto no cume a neve brilha sob o céu.

No momento de partir em frente ao mausoléu onde estão sepultados os restos mortais de 12 mil soldados, rezei uma Rèchia Meterna a alma daqueles bravos, que sejam Austríacos, Alemães ou Italianos, cada um tem o nome gravado na pedra branca do grandioso monumento, onde somente a imagem de uma Santinha e a branca neve lhes tem companhia.

Scrito par Ademar Lizot.
Revision del testo in Talian: Loremi Loregian-Penkal e Juvenal Jorge Dal Castel.
Publicassion: Jaciano Eccher.



Vose desmentegade - Jaciano Eccher

sexta-feira, 20 de outubro de 2023

  


 Sta matina, intanto bevea el me chimarrão, scoltea ben darente ala me finestra una colomba selvàdega, che ntel Brasil i ghe dize Pomba Carijó,ma sto bel canto me ga svelià un per de ricordi che i zera querti cola pólvere dei ani.

    Me go ricordà che là i ntei ani 93, ntei primi ani de scola che go fato, mi, me cusina e due visigne, se ndea a pie studiar. Par la strada, se passea par un trodo in meso ala campagna e dopo in meso a un frutaro con tanti fruti, come naranse, cachi, abacati, e anca semense come castagne e nose. Questo frutaro el zera del me zio nono Santo Ecker, , romai che lo go mensonà, me ricordo come se fusse un ritrato postà rento ntei mei sarvei, el zera sempre ntel stesso posto, sentà ntela finestra col brasso fora, sprosiando el orològio Orient ntela man sanca e cola drita el tegnea la cuia de chimarrão; par mi, che ero un tosatel, el so viso el trasmitea tristessa e malinconia, zera fàcile véderlo par la finestra, parché el zera un omo grando, con circa. de un metro e otanta de altessa.

    La casa, una costrussion tìpica dei dissendenti de imigranti italiani de quel tempo, la gavea un fosso de àqua in cantina, a pochi metri ghera el capanon, una stala, el porsil e la patente. Ma quel che la colomba de sta matina la me ga fato ricordar, ze stà un canto de un osel che fin incoi non sò mia dir la spèssie. In nessun altro posto de sto mondo, go scoltà un canto cossì, penso che podaria esser un tipo de colomba, o un anaroto selvàdego, de quei che i vive ntei pantani. Non posso mia spiegar, ma par mi el zera un canto triste, che el fea sotofondo ala figura del me zio Santo in quela finestra.

    Compagno a questo posto, tante dele case dei nostri noni, incoi le ze solche rovine de una stòria piena de vita. In altre situassion, gnanca rovine no ghe ze. Ntel so posto, piantassion e boschi i ga sepolio par sempre un toco de tera ndove le fameie le se ga svilupade. I fioi i se ga cambiadi de posto e i pori noni i ze ndati ntel paradiso.

Revision: Loremi Loregian Penkal e Juvenal dal Castel.  

Un Goto Pien - Poesia de Fábio Dalló

quinta-feira, 5 de outubro de 2023

Clica qua par scaricar la poesia.
Par ascoltar la poesia, clica soto:




Co`na bela dona e un goto pien,
mi fao la vita come la vien.
Mi vao a vanti fin quando Dio vuol,
parché se vive con i amici e non se vive sol.
El dotor racomanda che toca bever àqua
ma par noantri taliani, la ze massa fiaca.
Alora par noantri, toca bever vin
con polenta, tòcio, fortaia e codeghin.
A la doménega mi vao a messa bonora,
ascolto el prete e vardo la ora.
Quando fenisse la prèdica mi vao fora,
monto sul caval e suito par la strada
me fermo sempre che trovo una *frasca.
Ma pitosto che rivo a casa par barufar con la dona
bevo nantra grapa, parché la ze massa bona.
Se fenisse el giorno e la luna vien pian pian
prego a la madona con la corona in man.
Doman se laora, gavemo imparà con i nostri noni
giusto par questo, che noantri taliani, semo boni.

Autor: Fábio Dalló

* No áudio Fábio explica melhor o quesignifica "Frasca", é um costume antigo de sinalizar onde existia uma bodega, um armazem, ou algo do tipo  

Una Ànima de Altro Mondo - Ademar Lizot

segunda-feira, 18 de setembro de 2023

Clica qua par scaricar el àudio
Par ascoltar la stória, clica soto:


               Ànima de un Altro Mondo

 Una volta Toni el me pupà, intanto che el taiea un tochetin de fum, el me ga contà che uno amico suo de nome Vicente l`éra un tipo che non credea mia in gnente, gnanca nel sopranatural e gnanca in ànime de altro mondo, ma fin che`l ga menà una insieme ntela gropa del so caval.
   L`é stà nte una certa ocasione, quando a prima matina el ga selà el zaino e parti con destin ai campi de Soledade, par ntela stànsia de un certo Emiliano, comprar bovini de meno de un ano. El ga viaià nte un troto tranquilo, smontea del caval solche par  bever àqua e pissar, però al rivar nel pass, ndone la stradeta segue el rieto, el caval ga sbufà forte, come se sguardese el sopranatural, ma Vicente che non zera mia dei pi spaurosi, el ga seghisto avanti, e sùbito dentro del bosco el ga visto visina a un albero, una belìssima tosa vestida de bianco, drio racolier fruti de more. Alora el se ga fermà, saludà e domandà se la conosseva la stànsia di un certo Emiliano. 
    Con una vose dolce e angelical, la ga rispondesto che podea mortrarghe el posto, se la portasse insieme. Disse che se ciamava Bibiana e far dolci co le more silvestre zera la so spessialità. Alora el ga acetà e Ela svelta ga montà, però non i gaveva mia percoresto gnanca sento metri quando un altro cavalier i ga sguardà. Alora Bibiana spaventada ga desmontà e suplicà che el se tire-se via de là, parché quelo che rivea zera el so sposo, un tipo geloso e violento. Alora el ga dato un colpo co le spore e el se ga fermà solche ntela stànsia, ndove el ga domandà se i cognossea una tosa de nome Bibiana. El vècio stansiero ga rispondesto che la ùnica che el gaveva cognossesto la fea dolci con le more silvestre, però tanti ani fea che il so sposo un uomo geloso e violento, la gaveva copada, e questo crime orìbile ga perpetrà solche parché la ga visto ntela grupa del caval de un strànio.
   Al ritornar quando el ga rivà al bosco el ga sentisto un sgrisolon nel filon dela schena, parché de soto el àlbero de more gaveva una crose co`l nome Bibiana Clementina de Gesù. 
   Con la strània coinsedensa che ghe polsea ntele fontenele dela testa, un s-ciantin vanti del scurir el ga rivà casa, e al desmontar la so sposa ghe ga dito:..
   -Pena prima, una bela tosa, tuta de bianco vestita, te ga assà un pacheto pien de dolceti de more silvestre. Alora Vicente ga capì che tra meso cielo e tera se trova indessifràbili misteri che non se pol mia spiegar!  


 Alma Penada 

     Certa vez o seu Antônio meu pai, enquanto picava um naco de fumo pra fechar um paiero, me contou que um amigo seu de nome Vicente, de tudo era descrente, não acreditava no sobrenatural e muito menos em alma penada, isso até levar uma no cavalo engarupada.
      Disse que foi numa certa ocasião, que ainda de madrugada encilhou o zaino e partiu com destino aos campos de Soledade, para na estância de um tal Emiliano comprar terneiros de menos de um ano. Viajou num trote largado, só apeou pra  beber agua e urinar, mas quando embicava no passo onde a picada segue o riacho, o zaino bufou com espalhafato como que pressentindo mistério, mas Vicente que não era dos mais assustados, bancou na rédea já dentro do mato. E foi ali que abaixo de uma arvore, colhendo amoras, surpreso viu uma bela jovem vestida de branco. Então a cumprimentou e pediu se podia indicar onde era a estância de um tal de Emiliano. 
  Com uma voz doce e angélica, respondeu que lhe mostraria o lugar se a leva-se na garupa. Disse que se chamava Bibiana e fazer doces de amoras silvestres sua especialidade! Então ele aceitou e ela se engarupou, mas não cavalgaram nem cem metros, quando um cavaleiro se aproximou, e Bibiana desesperada apeou e suplicou-lhe que escapasse dali, pois o que vinha era se seu marido, homem ciumento e violento. Vicente esporeou o cavalo e só puxou a rédea na sede da estância, onde depois de negociar os terneiros pediu se conheciam uma moça chamada Bibiana, ao que o estanceiro respondeu que a única que conheceu, tinha como especialidade fazer doces com amoras silvestres, mas a muitos anos atrás o marido, homem ciumento e violento a degolou, horroroso crime que perpetrou só por tela visto engarupada com um estranho.
  Ao retornar quando chegou no capão de mato, em frente a planta de amoras silvestres, sentiu um arrepio de pavor, ao avistar em meio as macegas uma cruz, com o nome Bibiana Clementina de Jesus. Com a incrível coincidência a lhe pulsar na testa, á noitinha chegou em casa, e ao desmontar a esposa lhe disse:..
 -A pouco uma bela e desconhecida moça, toda de branco vestida, te deixou um pote com doces de amoras silvestres.
   Então finalmente Vicente já não era mais de tudo descrente, pois aceitou que entre céu e terra existem muitos indecifráveis mistérios que não podemos explicar!
Topo