Mis de Agost - Elaine Maccali Girotto

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Clica qua par scaricar sto àudio.
Clica soto par ascoltar el testo.




Mis de Agost - Bergamasco


Èpuca de pientà le mude de fröte e oter tipo de piante, russà e tecà a pientà n'pö de töt, per egn bunura.

Ai sedes, l’dé de Sant Roc, i pregàa per ten vià le malatie e benedì le besce.

I ghera anca nquai süspecc de mia: maridàs, cambià de post; perchè agost lera ciamat al mis del desgost, dei ca macc e i disia che lè la stagiù che sa càmbia l'sang.

Perchel i disia, che chèi mes mal ciapacc, se i passàa l'agost i düràa amò n'agn.


Mês de Agosto - Português


Época de plantar mudas de frutas e outros tipos de plantas, roçar e começar a plantar um pouco de tudo, para colher cedo.

Dia 16, o dia de São Roque, rezavam para afastar as doenças e abençoar os animais.

Eles tinham também algumas superstições, de não casar, não fazer mudanças; porquê acreditavam ser o mês do desgosto, dos cachorros loucos e é também um período da estação de mudança do sangue.

Por isso diziam que aqueles que estavam meio adoentados, se eles passavam o agosto, duravam mais um ano.

Mese de Agosto - Talian


Tempo de piantar àlberi de fruti e altre piante, ronconar e scominsiar a piantar un poco de tuto, parvia de racolher bonora.

Giorno 16 (sèdese), giorno de San Roco, i ghe preghea par alontanar malatie e benedir le bèstie.

I gavea anca tante supertission, de non maridarse, non cambiarse de posto; parché i credea esser el mese del sgusto, dei cagni mati e anca la staion de cambiar el sàngue.

Parquesto i disea che quei ben amaladi, se i fusse boni de vinser agosto, i zera boni de viver nantro ano.

La racolta del formento e dela spagna

sexta-feira, 29 de julho de 2022

Formento - Trigo

 Ntela Itàlia la època dela racolta del formento ze ntel fine de luio, ntel Brasil dipende dela zona, pol variar del inverno fin la primavera. 

El formento sti ani, el zera taià in fassoleti e dopo, con la careta i zera portadi ntela [1]trebia che la zera darente casa par bàterli, o sia, par otegner i grani par dopo far la farina.

Anca in questo perìodo, intanto se feva la racolta del formento, se feva el terso sego, o sia, se taiea par la tersa volta la spagna, par far el fien dele bestie. Anca se taiea le [2]sime del mìlio (mais, granturco) par méterghe ensieme a la spagna par far sto fien.

Fine de luio anca zera el tempo de cavar patate, secondo Ennio par far sto laoro se doperea el varsorin, lo stesso che se doperea par [3]interar la biava.

Nantra curiosità ze che, par le patate diventar pi grosse, se pestea su par le piante, che in Ca'Corniani, posto dove àbita Ennio i ghe ciama "e mare" (le mame). Pestando su par la pianta verda che ze par sora dela tera, cossì el nutrimento va tuto ntele radise ingrassando de pi le patate. 

Ze anca in questo mese che dopo dela racolta, ntela [4]strépola del formento se semenea la [5]sorgada , che dopo gavea tre utilità; quando zera verde se ghe dea da magnar a le bestie, quando seco se sgranea para far un tipo de farina e anca se fea scoa, par scoar el cortivo e anca l'orto.


Curiosidades:

[1]  Trebia - Trilhadeira, máquina usada para extrair os grãos, separa-los da palha.

[2]  Sime - Pendão do milho, mas não só a flor, mas toda a parte superior a espiga, no Brasil também era como "quebrar" o pendão do milho para dar aos animais.

[3]  Interar - Envergar, arar em meio ao milho, com a finalidade de arrancar ervas daninhas mas também de cobrir de terra as raízes expostas do milho. Biava, para o talian do Brasil significa aveia, porém na região onde Ennio mora, biava é milho, aproveitando, milho em italiano é mais  vêneto para milho  pode se dizer também sorgo, granturco ou biava, mas nunca "mìlio" como chamamos no Talian brasileiro, se você diz mìlio você se refere ao milheto. Confuso não?

[4] Strépola - Resteva, local onde estava plantada a cultura anterior, ou no exemplo dessa publicação resteva do trigo, é o local onde o trigo estava plantado. Strépola também pode se referir a restolho, porquê em ambos os casos a palavra tem origem de restos, aquilo que sobra.

[5] Sorgada - Plantação de sorgo.


Sorgo
Trebia - Trilhadeira

Patate - Batatas

Zia Gasparina - Par Ademar Lizot

quinta-feira, 21 de julho de 2022

 Par scaricar sto àudio clica qua.

Par ascoltar questo rilato clica soto:

                                      Zia Gasparina 

     La sorelina de mio pupà se ciamea Gasparina, nostra saudosa zia Bepina.  Tanti ani fà che la ga partì, ma el so profumo de sàlvia, camomila e rosmarin, ancora me par de sentir e, quel odor gradèvole ma fà ricordar dela so imàgine; el so viso rotondo e magro e, i òcii carghi de dolse sguardo. La boca picinina, sempre co`l sorisso de bambina. Cavei ben petenadi a una (nastreto) de color ligadi. Vose soave, spontanea e la ridada de speransa de una ànima alegre de toseta. Però quelo che a tutuquanti impressionea, l`éra so sèmplice dignità, aotentica simpatia de un caràter seren e alegre. Mai la go visto rabiosa, se ghe serchea qualche preocupassion, la se ritirea  pensativa, ntel silensio de so solitudine e, co`l rosàrio ntele picinine e delicate man, la fea una longa e silenciosa orassion.

     La zera fiola de Umberto e carolina Lisot, che de tanti fioi quel Sior ghe mandea,  catar fora i nomi, fin fadiga i fea. Alora quando la ga nassesto, adesso cento ani fà, del Re mago che se ciamea Gaspar, i ga tirà el belìssimo nome Gasparina, ma dopo i la ciamea de Bepa o Bepina.  Infansa e gioventù la ga passa nte la Linia Bela, paesel ndove la ga nassesto. Ntel transcorer dela vita, non la se ga mai sposà, parché tender la veciaia dei genitori la ga giurà, ma ancora cossí con un belo futuro la ga sognà.  Scola la ga frequenta solche due ani, due mesi  e due giorni,  par imparar a leder, escriver e far conte rudimentare, giusto el necessàrio nte quel tempo che la vita passea a pian, che se fea fogo ntel fogon a legna, che se sentia par ària el odor de dolsi de late e pan pena fati, che se piansea, ma soratuto se ridea, cantea e pensieri non se gavea, parché i valori dela filicità non i zera mia ligadi al consumismo descadenà dei di d`ancoi,   Quando la gavea in torno de quaranta ani de età, insieme a noantri la ga vignesto de star e, la mia predileta zia, la ga daventà,  con so paciensa de Santa, tante stòrie la me ga  racontà e come una fada la mia infansa la ga iluminà.  

   Nte un giorno primaveril, co`i òcii pieni de serenità e l`anima carga de crèdito al Sior-Dio, la ga parti.  Adesso insieme de nostra madre Gigia e so fradel Toni, la  dorme sipolta nte un campo di fiori e in torno a lori, drio esalar un profumo intenso e gradèvole ga una desena de  orchìdee gialde, un centenàio de garòfoli rossi e mile rose de una incantadora bianchessa.


             Tia Gasparina - Minha Tia Preferida

    A irmã de meu pai se chamava Gasparina, a saudosa tia Bepina. Muitos anos fazem que ela partiu, mas seu perfume de sálvia, camomila e alecrim, ainda me parece sentir e, a lembrança de seu aroma agradável, me faz lembrar de sua imagem:  Seu rosto redondo e magro e, olhos plenos de doce esguardo. Boca pequenina, num sorriso de menina. Cabelos bem penteados a uma fita colorida atados. Voz suave e espontânea e o riso de esperança numa de alma alegre de criança.  Mas o que a todos impressionava era sua simples dignidade e a autêntica simpatia de um caráter sereno e brincalhão. Jamais a vi raivosa, se alguma séria preocupação lhe aparecia, recolhia-se ao silencio de sua solidão e, com o rosário em mãos em suas pequeninas e delicadas mãos, dizia uma longa e silenciosa oração.

 Era filha de Umberto e Carolina Lisot, que de tantos filhos que Deus lhes mandava, tinham até dificuldade de encontrar os nomes, então quando ela nasceu, agora cem anos fazem, do rei mago chamado Gaspar, tiraram o belo nome Gasparina, mas depois a chamavam de ‘Bepa ou Bepinha.”  A infância e juventude passou na Linha Bonita, localidade onde nasceu. No transcorrer da vida jamais casou-se, pois cuidar da velhice dos pais jurou.  A escola, por dois anos, dois meses e dois dias, frequentou, pra aprender a fazer contas rudimentares, ler e escrever, justo o necessário naquele tempo em que a vida passava vagarosa, que se acendia o fogo no fogão a lenha, que sentíamos ao ar o odor de doce de leite e pães a pouco feitos, um tempo que as pessoas choravam, mas principalmente riam, cantavam e e poucas preocupações tinham, pois os valores da felicidade não estavam atrelados ao consumismo desenfreado de hoje. Aos 40 anos de idade, junto a nós veio residir, Então tornou-se minha tia preferida, pois com sua paciência de santa muitas histórias me contou e como uma fada minha infância iluminou.

 Num dia primaveril, com a alma plena de crédito junto a Deus e, os olhos plenos de serenidade, partiu. Agora junto da cunhada e do irmão dorme sepultada num campo santo. Junto a eles, exalando um perfume intenso e agradável, uma dezena de orquídeas amarelas, uma centena de cravos vermelhos e um milhar de rosas de uma encantadora brancura


Racolta de fasoi - Par Ennio Zecchin

quarta-feira, 20 de julho de 2022

 

Seese
Sèlese / Seese

In Brasil el tempo dela racolta de fasoi ze de genaio a abril, ntela Itàlia, secondo Ennio Zecchin ze in luio e agosto. 

I fasoi a ani indrio, prima de gaver le màchine che fa la racolta i zera racolti manualmente. Se cavea dela tera dassando con le radise in su parvia que che se sughesse e anca par esser pi fácile de cargar su la careta dei bo, o dirito ntel mùcio par dopo bàterli. 

Quando non se batea la in campagna se portea ntel cortivo dela casa par dopo sgranar. Par verzer le teghe dei fasoi se doperea un atreso primitivo ciamà sverzel o massora. El ze fato con due bastoni ligadi un al'altro par un cuoio de bo. 

Sto atreso ga anca tantìssimi altri nomi de acordo con la zona dela Itàlia. In Brasil se ciama "mangual". A propòsito saveo che gavemo qua ntel sito un dissionàrio talian-portoghese e altro portoghese-talian?

Ben, ma avanti con la publicassion. Sti fasoi in Itàlia zera portadi con la careta a un posto ciamà "selese o seese", che saria un cortivo fato a posta par dassar i grani par sugarse.

I fasoi i zera batui a la matina e dopo del pranzo se rabaltea (raversea) e se batea dela altra banda.

Dopo de sgranar, se tamisea i fasoi col burato par via de spartir la bula dei grani. Dopo dei grani neti se metea nei sachi e se portea casa par gaver cossì par gaver magnar par la fameia in tuto el ano.



Sverzel - Massora - Mangual


Perìodo dela racolta del lin e del cànego - Par Ennio Zecchin

quinta-feira, 14 de julho de 2022

 


Perìodo dela racolta del lin e del cànego

Testo envià da Ennio Zecchin

In Itàlia sti ani in drio ntel perìodo de giugno e luio zera tempo dela racolta del *lin e del **cànego anca ciamà cànevo o in italiano canapa (cànapa).

El lin ze una spèssie de erba che se racoglie ntel stesso perìodo del formento o al riso. El zera taià e dopo se dassava un per de giorni par far la ***màsara, o sia, se dasseva in moio rento àqua par diventar pi mòrbio, dopo se lighea e se pichea par sugar in pìcoli fagoti. Lo stesso processo zera fato col cànego.

Dopo de dassar in màsara par un per de giorni, rento un fosso con àqua corente e con un peso sora parvia che i faghoti restesse sempre in fondo, se cavea fora par sugar. Dopo de sugar se boiea, se sgarbea, se petinea e dopo se masnea con la ****gràmola, una màchina fata aposta par sto laoro.

El lin par esser pi fisso se sgarbea con una taola grande con tanti ciodi impiantadi in fila come un gran pètene. 


Período de colheita do linho e da cannabis

Na Itália antigamente nos meses de junho e julho era tempo de colher linho e cannabis

O linho, é uma planta que se colhe no mesmo período do trigo, ou arroz. Eles eram colhidos e posteriormente deixados de molho para ficarem mais resistentes, depois eram amarrados em pequenos feixes e pendurados para secar. O mesmo acontecia com a cannabis.

Depois de deixar de molho por alguns dias dentro de uma fonte com água corrente, e com um peso sobre os feixes para que os mesmos ficassem sempre submersos, eram retirados da água para secar. Depois de secos eram fervidos, desembaraçados, "penteados" e depois prensados na gràmola, uma máquina rudimentar feita para isso.

O linho por ser mais espesso era desembaraçado em uma tábua grande com vários pregos enfileirados formando um grande pente. 


* Lin - Linho, o que aparece na primeira imagem.

Lino
Linho




** Cànego - Também chamado cànevo ou do italiano canapa. É da família da cannabis, a planta da maconha, mais propriamente a cannabis sativa, ela era utilizada na fabricação de tecidos, suas sementes eram fornecidas aos pássaros e aves. O tecido feito através de sua fibra era muito duradouro. Conversando com um amigo da Itália, ele disse que tem um lençol da fibra da cannabis pela sua bisavó e já tem mais de 150 anos, isso mostra a resistência da fibra.

***Màsara [mázara] - Deixar algo de molho. Sinônimos maserar, dassar in àqua.

****Imagem da Gràmola

Gràmola
Gràmola



Cannabis sativa - Cànego

Tecido feito com Cannabis 

Membros do canal Brasil Talian

segunda-feira, 11 de julho de 2022



Através dessa postagem quero aqui agradecer aos membros ativos do Canal Brasil Talian. Caso você não é membro ou nem sabe o que é isso mas gostaria de ser e contribuir com o canal, assista o video logo abaixo dos nomes:


Membros:
  1. Claudio da Silva Leiria - Membro a 18 meses.
  2. Edy Solange Costa - Membro a 18 meses.
  3. Gisa Marcon - - Membro a 18 meses.
  4. Edenize Ponzo Peres - Membro a 17 meses.
  5. Leonardo Quaggiotto - Membro a 17 meses.
  6. Viviane Masetto da Silva - Membro a 17 meses.
  7. Tiago Bresolin - Membro a 16 meses.
  8. Camilo Mércio Pereira - Membro a 13 meses.
  9. Miguel Queiroz - Membro a 11 meses.

Assista o vídeo:

Poesia a Nova Belluno - Siderópolis-SC - Par Fábio Dallò.

sexta-feira, 8 de julho de 2022

Scarica la poesia in àudio clicando aqua.
Ascolta la poesia clicando soto:




Nova Belluno - Siderópolis-SC


Dal paeselo son partito, con la speransa ntel cuor
lassiando fameia, amici, portando el dolor
soldi, quase niente, portava pi la speransa
poi ntela mente, un futuro a i so fioi.
tante di a pié, tanti di in treno
ma pi lontan el mare, ntela machina a vapor.

Saralo che sta Mèrica ? Sassi, montagne, capoere
o saralo un giardino de fior ?
ma gavemo coraio, gavemo la voia
se la ze bruta la faremo bela e pien de amor.

E lori ze rivadi, vardando che tanto gavea da far
si, con la manara, sapa, roncon, faldin
I ga fato strade, casete, versor e molin
adesso si, semo contenti
col sudor de lori, nostri imigranti
noantri, fioi, nipoti e tuti parenti
gavemo sofresto poco, semo contenti.

E se DIO vol e adesso col nostro sudor
ndemo sempre avanti e romai semo in tuto el mondo
ma qua, in questo paese, gavemo fato
la NOVA BELLUNO. (Fabio Dalló )

Un cativo rilato - Par Ademar Lizot

quinta-feira, 7 de julho de 2022

Par scaricar sto áudio clica qua:

Par ascoltar la stòria, clica soto:



Un Cativo Rilato


                     

          Tanti fati sucedesti ntela vita dele persone, i ze registradi solche ntela so memòria e questo se ciama stòria oral e, a noantri resta el dover de risgatar, come questo rilato che raconto adesso, che`l ze ancora iluminà ntela luce dele retine de mio vècio fradel Ventura Lizot.

    Zera el ano quaranta tre del sècolo passà, el mondo zera in guera, la pi bruta de tuti tempi e, ntel sud del Brasil, la gente de dessendensia Veneta/taliana i vivea in contìnuo patimento,  proibidi de parlar  so léngua mama e agrididi con  violensa, come quela che ga presensià mio fradeleto quando el gavea sete ani de età, ntel interior del paesel de Campos Novos, Provìnsia de Santa Catarina. Ze stà nte un sabo del fine de setembre, intorno dele sìnque dopo mesdì, quando insieme del pupà, i caminea par una stradeta in meso al bosco e, al rivar al pontesel de un rieto, due cabocli, de quei che va in giro sensa la colassion, ma non sensa  cortel ntela sintura, coi cavai i stropea el passàgio e,  come se i fusse paroni del mondo, i ga dito:

   ‘- Vamo surrá esse gringo a relho, pra aprende a falar língua de gente!’  

   Intanto che un col caval girea in torno a lori, quel'altro  ga dismontà e, sensa dir  gnente, come se el fusse darghe scuriade a un can sensa paron, el ga investio. Alora el coro dela scùria,  ga sbregà  el vento, in serca dela pel bianca de un contadin, come ani vanti la ndea in serca dela pel mora dei schiavi del continente.  Ma in quel giorno San Cristòforo, protetor dei caminanti e dei cativi incontri, el zera qua zo in tera e insieme dela mia gente, par schivarli dele scuriade, fin che el pupà, co la man drita el ga tegnesto el corame  dela scùria e, con la sanca, giusto quela che gavea la potensa dela peada de un caval, el ga piantà un pugno par rabaltar el agressor par tera. Alora que'laltro, pi zóvano e pi forte,  ga salta zo. Ntela man un cortel con due palmi de làmina e, ntela testa el instinto assassin de ferir o copar.  Col mànego dela scùria el pupà se  difendea dele cortelade e, con sveltessa  el ghe  intopà una  bastonada tra meso el col e la rècia,  un bruto ‘bona note’, molà fora par una man pesada de contadin,  ntela plenitù dela forsa fìsica, che ga fato el assassin smolar el cortel par tera, indenòciarse e tuto adosso pissarse. Dopo, un col naso spacà e, quel'altro con le braghe bagnade, ancora mesi imbambii i se ga scampà via. Alora el pupà ga butà  via ntel rieto el cortel e la scùria, parché el zera un contadin de pace e laoro, gnanca cativo e gnanca rabioso, che tante volte el ga preferisto patir violensa che difénderse con violensa, ma quando ghe tochea difender so onor e so fameia,  el spìrito gueriero de Giuseppe Garibaldi ghe incorporea e, gnanca la morte lo comovea.

 Quel tosatel de sete ani de età, adesso otanta cinque el ga completa e, i colpi de quela la violensa, el ga ancora ntela luce de so retine intaià. 

      


Um Relato de Violência

        

      Muitos fatos acontecidos na vida das pessoas, ficam registrados somente em suas memórias e, isto se chama história oral, que a nós resta o dever de resgatar, como esta que descrevo agora, ainda iluminada na luz das retinas de meu velho irmão Ventura Lizot.

     Este fato aconteceu no ano quarenta e três do século passado, o mundo estava em guerra, a mais brutal de todos os tempos, e no sul do Brasil os colonos de origem Veneta-Italiana, viviam em constante sofrimento, proibidos de falar em seu idioma materno e agredidos com violência, como a que presenciou meu irmão aos sete anos de idade, no interior do município de Campos Novos, estado de Santa Catarina. Foi num sábado, final de setembro, em torno das cinco da tarde, quando junto do pai, caminhava por uma estradinha no meio do mato, e ao chegarem a pinguela de um riacho, dois caboclos, desses que saem sem comer, mas não sem a faca na cintura, com os cavalos bloqueavam a passagem.  Então como se fossem donos do mundo, disseram...

   ‘-Vamos surra o gringo a relho, pra aprender a falar língua de gente!’

     Então enquanto um a cavalo girava em torno a eles, o outro desmontou e como se açoita cachorro sem dono investiu. Então o couro do relho rasgou o ar em busca da pele branca de um colono, como tempos atrás buscava a moura dos escravos do continente. Mas naquele dia São Cristovam, protetor dos caminhantes e dos brutos encontros, estava aqui na terra e junto de minha gente, para esquivar os laçaços, até que nosso pai, com a mão direita segurou o couro do relho e com a esquerda, justo a que tinha a potência de coice de cavalo, deu-lhe um soco e derrubou ao chão o agressor.   Então o outro, mais jovem e mais forte desmontou. Na mão uma faca com dois palmos de lâmina e na cabeça o instinto assassino de ferir ou matar. Com o cabo do relho nosso pai se defendia e com agilidade acertou-lhe um golpe entre a orelha e o pescoço, um medonho ‘boa noite’ desferido por uma mão pesada de colono, na plenitude de sua força física, que fez o assassino largar a faca, ajoelhar-se e urinar-se.  Depois, um com o nariz quebrado e o outro com as calças molhadas, se retiraram. Então nosso pai jogou no riacho a faca e o relho, pois era um colono de paz e trabalho, nem violento e nem raivoso, que muitas vezes preferiu sofrer violência, que defender-se com violência, mas quando tocava de defender sua honra e sua família, incorporava o espírito guerreiro de Garibaldi e nem a morte o comovia,  

     Aquele menino de 7 anos de idade, agora 85 completou e, aqueles golpes de violencia tem ainda na luz de suas retinas gravada. 

    

Tre fradei - Ademar Lizot

sexta-feira, 1 de julho de 2022

 Par scaricar sto àudio, clica qua.

Par ascoltar la stòria clica soto:


                                               

Tre Fradei

     Gioanin, Balduino e Gugliermin, tre contadini, tre fradei, de sàngue véneto ntele vene. Luni de matina i salta su bonora, ancora scuro la fora e, dopo de una cicareta de cafè, acompagnà de pan, formaio e salame, i va in serca dela rossa, par i campi arar e le erbe taiar. Una longa giornada ghe toca de comprir, dal’alba al tramonto e su al campo disnar.  Ma ancora cossì i laora contenti, con un largo soriso ntei denti, intanto che un laora col varsor, i altri due i se taca a sapar e, intanto che i laora, i canta, i ride e i parla, parché  ciacolando i se desméntega del tempo e del sudor che ghe core par el viso.  Gioanin, che a poco tempo ga spontà i mostacini, pien de pròsia el se stima per gaver balà con la Marina, una biondina, coi òcii de colombina. Tanto contento el ze, parché in fine el se ga catà fora una tosa de so gusto.  Gugliermin che el se cata più furbo che i altri, raconta che el ze drio smorosar na bela ragassa con splendide gambe, ma l’é solche un smorosamento par divertirse, gnente sèrio, el dis.  Alora, Balduino el pi vècio e belche maridà el ghe dis   par star atento, de non ciuciar el miel vanti del tempo, parché el pupà dela tosa ga la cativa fama de violento; Cossì, tra una ciàcola e altra, squasi sempre sora cose sémplisse, va avanti el bruto laoro.

  - E questo tempo, pol esser che vien piova. Dis un. 

   - Se el vento  càmbia de banda, penso che sì!  Risponde que’laltro.  

    - Si, si tanto meio se piove, parché ze tanto pedo se vien nantra bruta seca!  Dis el pi vècio.

 Dopo con so speriensa el racomanda a i fradei par star atenti al laoro, parché el giorno  el ze massa curto e a casa anca ga tanti afari;   rangiar le rode dela careta, inciodar el scalin dela cosina,  cavar via i bissi dela barosa e del bò Brasino, catar fora la bissa velenosa che ga copà el caval baio e, soratuto pareciar le semense, che presto riva el istà, alora si sàlvete tera e mondo e, el ùnico remèdio par tanti afari, se ciama laorar.   

  Cossì transcorea la gionarda dei fradei, un laoro duro, suportà con stoissismo e alegria, par quela gente ùmile, sincera e valente, che de soto el sol caldo, dissimulea la  bruta stracada, con fede in Dio e forsa ntei brassi.  Quando el sol ntel orisonte caschea, a casa i ritornea, strachi, sporchi de tera, ma contenti e calmi, parché el so giorno de laoro ga passà in nome dela serenità e del aiuto mùtuo tra i fradei, volori che di de ancoi i ze persi.

  E quando la ombria dela note scura se sbassa par sora del querto de scàndole  dela casa e, el brilio del ciareto ga iluminà la scarsa mobilia dela stansa, i tre fradei sentadi in torno del fogolaro, i ga in testa pensieri diversi;  Gioanin, el pi giovenot ga in testa la so  Marina e Gugliermin le bele gambe de so morosina.  Balduino, el pi vècio, intanto che acaressea la pansa de so sposa insinta, el imagina che par el sgionfamento che la  ga, pol esser che sia gemei, una bela toseta e un forte tosatel.


 Três Irmãos



    João, Balduino e Guilherme, três irmãos, três colonos que na segunda-feira de manhã, ainda escuro lá fora saltam da cama. Depois de uma xicara de café, acompanhada de pão, queijo e salame, vão a procura da roça, para os campos arar e as gramíneas cortar, uma longa jornada a cumprir, do amanhecer ao escurecer, mas ainda assim trabalham contentes, com um largo sorriso nos dentes. Enquanto um maneja o arado, os outros se põe a carpir. Enquanto trabalham, cantam, riem e falam, pois assim proseando se esquecem do tempo e do suor que corre pelo rosto. João que a pouco despontou o bigode, se estima de ter dançado com a Marina, uma loirinha com olhos de pombinha.        Muito contente ele está, pois finalmente achou uma guria de seu gosto. Guilherme, que se acha mais esperto que os outros, diz que esta namorando uma bela moça com esplendidas pernas, mas que é só um namoro por divertimento, nada sério. Então Balduino, o mais velho e casado, lhe diz para ficar esperto, para não lamber o mel antes do tempo, pois o pai da moça tem a fama de violento.

Assim, entre uma prosa e outra, quase sempre sobre coisas banais, segue o rude trabalho.

-Será que chove, pergunta um. Se o vento troca de banda, acho que sim! Responde o outro.

-Sim, é melhor que chova, pois é muito pior enfrentar outra seca braba! Diz o mais velho.

Depois com sua experiência aconselha os mais novos a estarem atentos ao trabalho, pois o dia é muito curto e em casa também há muitos afazeres a cumprir; concertar as rodas da carroça, pregar os degraus da cozinha, curar as bicheiras da barrosa e do boi Brasino, também matar a cascavel que matou o cavalo baio e principalmente preparar as sementes, pois o verão esta próximo e o único remédio para tantos afazeres se chama trabalho.

Assim transcorria a jornada dos irmãos, um trabalho duro, mas suportado com estoicismo e alegria. Uma gente humilde, franca e valente, que abaixo do sol quente disfarça o cansaço, com fé em Deus e força no braço. Quando o sol se esconde no horizonte, retornam a casa, exaustos, sujos de terra, mas contentes e calmos, pois seu dia de trabalho passou em nome da serenidade e da ajuda mútua entre irmãos, valores que nos dias de hoje estão perdidos.

E quando a sombra da noite escura cai por sobre o telhado de tabuinhas da casa e o brilho da lamparina ilumina a sala, os três irmãos sentados ao redor do fogão tem pensamentos diversos; João o mais jovem pensa em sua Marina e Guilherme nas belas pernas da namorada. Balduino o mais velho, enquanto acaricia a barriga da esposa grávida, imagina que pelo tamanho dela pode ser gêmeos, uma bela menina e um forte menino.

Texto de Ademar Lizot

 

Mis de Lögn - Mese de luio - Elaine Maccali Girotto

Par scaricar el àudio clica qua.

Par ascoltar el àudio clica soto:

 



Mis de Lögn - bergamasco

Èpuca de scalvà le piante, fà i càlmo coi brócc, tecà a taià e ligà la öa cole stròpe;  russà e paregià per brusà, nduè ghè de fà n'tòc de ròssa nöa.

Ai vint e cìnc, i sa smentegàa mia de mpissà l'ràdio, per scultà le müsiche e chèi del ràdio, che fàa ngrand bèl e i parlàa assura al dé del culòno e'l suféro. 

I'sa smentegàa mia de pregàga al San Critòfol, per defènd sèmper dèi perìcoi; a fò, ndele strade e de pertöt.


Mês de Julho - português

Época de podar as plantas, fazer os enxertos com os galhos, começar a cortar e amarrar a uva com as vimes;  roçar e preparar para queimar, onde será feito um pedaço de roça nova. 

No dia vinte e cinco, lembravam de ligar o rádio,  para ouvir as músicas e aqueles da rádio que faziam muito bonito e falavam sobre o dia do colono e do motorista. 

Lembravam sempre de rezar para São Cristóvão,  para defender sempre dos perigos: na roça, nas estradas e em todos os lugares.


Mese de luio - talian

Època de bruscar le piante, far i incalmi con rami, scominsiar a taiar e ligar le vigne con le strope;  taiar con la ronca e pareciar par brusar, dove sarà fato nantro toco de piantassion. 

Ntel giorno venti sìnque, i ricordea de impissar el ràdio,  par ascoltar le bele mùsiche e la programassion che parlea del di del colono e sofero. 

I ricordea sempre de pregar a San Cristòfolo,  par difender sempre dei perìcoli: ntela rossa, ntele strade e in tuti i posti.

Òcii Celesti e Boni (Per Ademar Lizot)

sexta-feira, 17 de junho de 2022

Scarica el àudio clicando qua.

Ascolta la stòria clicando soto:

   Òcii Celesti e Boni

     De òcii celesti e boni el ga nassesto nte la casa dei noni e dela mama e del pupà, el nome Ventura el ga guadagnà.  De bambin, polenta con late l`éra el so merendin e insieme dei noni Umberto e Carolina, ndea a messa domènega de matina. Dela pipeta del nono, a scondion el ga proà molar par ària la so prima fumana, e dele l`é stòriete dela la nona, el ga imaginà  che la vita gavea de esser sempre bona.  

    Ntei splendidi ani cinquanta, i mèio del sècolo passà, quando la simplicità e el rispeto i zera consagrà, ntela cità de Arvoresina el ga ndato de star. Alora la morosa el ga conquistà e tanto bela la zera, che par smorosarla, de bissicleta el percorea 15 kilometri e gnanca ghe vignea sù i sudori.  Dopo ntel transcorso dei ani, ntel so viso, onestità e umiltà la vita ga scrito.            

    Adesso  otanta cinque el ga completà  e  un cristian del tempo antigo el ga daventà. De quei che dopo dela parola data, la daventa na lege scrita sù al ata. De quei che par un contrato firmare, basta  la man stretare. De quei che se và in serca par mèio capir el passà, parché nte in so mente, el ga tante stòrie presente. Stòrie che non passà mia sù i libri, stòrie de una gente  ùmile e silenciosa, che ga construito e sostegnado paesi e cità.  Adesso la saudade de so vita se ga imparonà e, solche nte la  solitudine dela matina,  incontra la felicità. Nte quela ora che fin el gal ancora riposa, quando tuto l`é cieto, a l`é  ànime dei antenati el parla ntel nostro armonioso dialeto. El ghe raconta  bele cose e anca vècie stòrie, de spaurante creature, del sanguanel e de  streghe che portea via tosatel e, se una làgrima ghe brusà i òcii, el so pensiero ritorna in plenitù a le note de luna piena che ga iluminà so gioventù. El ciusa i òcii e ghe par de caminar contente par una stradeta, verta par bèstie e gente, fin che`l ciaro dela matina la note scura  para via.

  Ademar Lizot.

                              Olhos Celestes e Bons

De olhos celestes e bons, nasceu na casa dos avós e, da mãe e do pai o nome de Ventura ganhou.  De pequenino, polenta com leite era seu lanchinho e junto dos avós Umberto e Carolina, ia a missa domingo de manhãzinha.  Do cachimbo do avô, soltou para o ar sua primeira fumada e das histórias da vovó, imaginou que a vida seria sempre boa.

Nos esplendidos anos cinquenta, os melhores do século passado, quando a simplicidade e o respeito eram consagrados, na cidade de Arvorezinha foi morar. Então conquistou a namorada e tanto bela era, que para visitá-la, veloz como um atleta, percorria 15 km de bicicleta. Depois no correr dos anos, simplicidade e honestidade a vida escreveu em seu rosto.

Agora oitenta e cinco completou e um homem do tempo antigo se tornou. É daqueles que depois da palavra dita, torna-se lei em ata escrita, que para firmar um contrato, basta a mão apertar e os olhos mirar. É daqueles que se busca para melhor entender o passado, pois em sua mente há tantas histórias presentes, histórias que não passam nos livros, histórias de uma humilde e silenciosa gente, que construiu e sustentou localidades e cidades. Agora a saudade de sua vida se apoderou, e somente na solidão da manhã encontra a felicidade, pois naquela hora em que até o galo ainda repousa, quanto tudo é quieto, fala com a alma dos antepassados, em seu harmonioso dialeto. Conta belas coisas, também velhas histórias de apavorantes criaturas, o lobisomem e a bruxa sem nenhuma belezura e, se uma lágrima lhe queima os olhos, seu pensamento retorna  em plenitude, ás noites belas de lua cheia, que iluminaram sua juventude, então, até que a luz da manhã expulsa a noite escura, caminha contente por uma estradinha aberta por bicho e gente.


Vin del Ciodo - Origem da expressão

quarta-feira, 15 de junho de 2022

 


Em debate dias atrás no grupo da Assodita no whatsapp  José Mezzarollo fez uma pergunta inteligente.

O que significa "vin del ciodo"? Qual a origem dessa expressão que se tornou popular entre os descendentes de italianos?

A discussão gerou um debate interessante

Bom existem algumas versões um pouco parecidas para a origem da expressão "vin del ciodo", que literalmente significa "vinho do prego".

Inicialmente uma teoria que consensualmente foi descartada é de que quando um barril de vinho está indo pro fim, o vinho fica mais ácido a cada vez, em alguns casos chega a virar vinagre, então por ser ruim de engolir desce na garganta "rasgando como um prego". Essa teoria não faz muito sentido já que hoje em dia a expressão "vin del ciodo" é associada a algo bom.

Uma segunda teoria foi trazida por Jonas Zaltron diz que:

Existia um vendedor de vinhos que costumava enganar seus compradores adicionando água a mercadoria. Porém ele tinha pendurado em um prego um garrafão para seu consumo próprio, esse era puro. Então as pessoas que conheciam a falcatrua do vendedor quando chegavam pra comprar diziam, quero vinho mas quero aquele do prego, mi vui vin, ma quel del ciodo.

A terceira e mais aceitável teoria tem algumas pequenas alterações dependendo de quem conta mas segundo Egar Maróstica, humorista do Talian, confirmado por Antonio Pasin e outras pessoas, a origem dessa expressão seria:

Existia uma família de italianos onde o nono que era muito avarento e enquanto não viesse a primeira geada do ano ele não deixava abrir o barril, seu filho o respeitava muito e mesmo não tendo mais vinho não abria a nova pipa (barril). Porém morava junto com a família dois netos do patriarca, que na flor da idade não gostavam da ideia de ficar sem vinho, então para não retirar o vinho como normalmente se retira, através da "spina", um tipo de torneira de madeira, fizeram um furo atrás do barril com um prego. Eles retiravam o vinho e voltavam a fechar o buraco com o prego.

Aí se perguntavam: 

   - Você já foi no prego? 

   - Sim!

   - Bom! Daqui a pouco também vou.

Dizem que tudo o que é proibido ou escondido tende a ser mais gostoso não é verdade? Então faz sentido dizer que o melhor vinho é aquele do prego, em meio vin, ze quel del ciodo.


Ouça o áudio que o próprio Maróstica conta em talian:


Topo