Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

segunda-feira, 8 de março de 2021

La Casa Vècia dei Noni - Ademar Lizot

Ascolta la stòria strucando soto:


 

 

                 

 La casa dei Noni (Per Ademar Lizot)

      La casa vècia dei mei antenati riposa calma par sora i monti ntela sera gaussa, Adesso visina a ela nò esiste più el giardin dela nona Carolina e, gnanca el vigal del nono Umberto, dentro dele so parede vode la guarda solche i segreti del passà. Dela cosina nò se sente pi el odor del formaio e gnanca del fogon el brustolamento dela polenta e, cossì sbandonada  la ga la someiansa de na sentenària signora,  co`l viso pien de rughe e òcii persi ntel infinito, ma l`é ancora davanti dele so parede che  vàu in serca dele mie radise, par mèio capir la mia orìgene e, anca par domandarghe se Ela recognosse ntel mio viso qualche segno, qualche indìssio dela brava gente che la ga visto nasser e morir.   

          Adesso, squasi sento ani fà, che dopo d`una quantità infinita de sforsi, í la ga alsada sù de taule de pin, taiade  ntela longhessa de sinque metri e dopo i ghe passea calsina par darghe vita longa. La fundassion de sassi, taiadi e metesti a posto con caprìssio, pròpio par durar de pi de sento ani, compagno l`é  finestre de guajuvira ben fate e, l`é porte de angico ben taiade. Cosina gavea due;   la  prinsipale rento dela casa e quelaltra un pochetin retirata  co`l fogon de matoni.  Ntel primo piano la stanza e  scala co diese scalin che portea  a  l`càmere co`i  lèti. L`éra una casa símplice  e, se anca scarsa de conforto, rispeto la gavea in abondansa.

   Sempre che vau visitar la casa vècia dei noni, go el testimònio dela crudeltà del tempo, nostro vero nemigo che porta via i sentimenti e restitui solche silénsio e scapoere. Alora nte quel momento davanti de le so parede,  me fermo in completo silènsio, co la ilussion de poder scoltar qualche vose del passà, fursi quela meso grave, meso rauca del nono, fursi quela ornata de dolcessa dela nona, però par ària scolto  solche el strèpito del vent che fà na cantiga de ninar ai so fantasmi e,  quel rumor me fà ricordar de quando la zera bela e imponente, co`l  vignal  de ua ‘isabela’ e, el giardin co`i più bei fiori; margherite gialde, garòfoli rossi, tulipe blu e rose de una bianchessa incantadora,  come la fàcia dela Madonina.

Ademar Lizot.

 

(trad...)


A casa dos Avós

   A velha casa de meus avós, em sua simplicidade e humildade repousa calma na solidão do lugar ‘Linha Bonita’, município de Dr. Ricardo. Em seu entorno, não existe mais o jardim da nona Carolina e, nem o parreiral do nono Umberto e, dentro de suas paredes vazias, somente os segredos do passado estão bem guardados e assim abandonada tem a aparência de uma senhora centenária, com rugas no rosto e olhar perdido no infinito, mas é em frente de suas paredes que vamos em busca de nossas raízes, de um  melhor entendimento de nossas origens, como que esperando que Ela reconheça em nossa face um sinal, um indício da brava gente que a construiu e habitou.

  A   Quase cem anos, depois de uma quantidade infinita de esforços, a construíram, de tabuas de pinho com cinco metros de comprimento. A base feita de pedras, cortadas e colocadas no lugar com capricho e paciência. As janelas de ‘guajuvira’ e as portas de ‘angico’, pra durar mais de cem anos. Cozinha tinha duas, dentro a principal e, ao lado um pouco mais retirada, a outra, com o fogão de tijolos e sempre com o fogo acesso. No primeiro pavimento a sala e escada com dez degraus que leva aos dormitórios. Uma casa tanto simples e humilde onde nossos avós criaram seus filhos e, se faltavam afetos, sobrava respeito.

   Sempre que posso retorno para visita-la, confirmo  que o tempo é nosso verdadeiro inimigo, pois retira nossos sentimentos e devolve somente saudade e capoeiras,  então a frente de suas paredes, me paro em silencio como se estivesse a escutar alguma voz do passado, talvez aquela meio grave, meio rouca do nono ou talvez a carregada de doçura da nona, porém o que escuto é somente o estrépito do vento, fazendo uma cantiga de ninar aos fantasmas que la do além me dizem que a morada já foi  bela e imponente, cheia de gente, com parreiras de uva boa e jardins das mais belas e perfumadas flores; margaridas, hortênsia, tulipas e rosas brancas iguais a face de Nossa senhora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.