Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quinta-feira, 27 de maio de 2021

Una matina de maio - Ademar Lizot

Scolta la stòria strucando soto:


 

 

         


                  Una Matina de Maio  (Per Ademar Lizot)  

      L`éra un giorno fredo, de quei meso brina, meso piovesina, quando ga nassesto mia sorelina. Nostra mama sempre contea che ntela matina l`nèbia ga durà squasi fin el mesdi e, al s-ciarir del di la ga scominsià a sentir i forti dolori del parto e, intanto che`l pupà montava a caval partia svelto in serca dela partera, in silensio  la mama preghea:...

- Santantoni per carità fà el mio Toni co l`partera presto ritornar!”  

    L`éra luni, 29 maio del 44 e, intanto che'l capel e el giacheton  difendea el pupà del fredon el  so caval, un baio de fedùcia e rivador,  fea saltar fogo dele feradure. 

“- Avanti, avanti caro amico, sparte al meso questa brina, che nte`n s-ciantin ritornemo co la comare Pierina!”

 “- Comare, scusa la visita fora d`ora, ma son vignesto cossì bonora parché l`é drio rivar nantro bambin e, per carità ghe domando de ciapar  la fòrbese e, par far el parto tute le altre robe, parché la me Gigia l`é drio patir i dolori che solche le done ga forsa de soportar.”

 “- Sta calmo compare, che nte`n s-ciantin ndemo rivar.’

  “- Eco semo rivadi, adesso pòrteme in qua aqua calda e i pani bianchi che vao doperar e, ti cara Gigia te racomando de star tranquila parché el bambin l`é ben incassà e, presto el ga de spontar e, co la vècia fòrbese el cordon del ombìgolo go de taiar!”

  “- Vèrgine Maria, l`é una bambina, belìssima, pròpio perfeta.”

   “– Gràssie, gràssie infinite al Signor Dio!

    Intanto che la partera ghe dea el primo bagno a la toseta, la mama se anca esaurida, la ridea de felissità.

   La in torno i visin  contenti i disea:..

”-La Gigia la ga una bambina, con bel bochin e bel nasin, Leonilda ze el so nome!

   Dopo dei sèi primi mesi, la ga cressesto come l`orchìde del giardin dela nona e ga parlà e caminà vanti dela seconda fiorada del vignal del nono e, ntel paesel de ‘Linha Bonita’, la  par su dei monti dela Serra Gaussa, nissun gavea mai visto na toseta cossì incantadora, co la pel ciara dei Lisot e i cavei e òcii negri dei Arrosi e, dopo ntel transcorso dela so vita, sempre bela e elegante, la ga daventà una madre sensìbile in so afeti, una nona che ga acoiesto tutiquanti in so teneressa e, una bisnona che ga ensegnà a noantri el sentido dela parola dignità.

Ademar Lizot.

                    Uma Manhã de Maio                                           


   Era um dia frio, daqueles meio geada, meio garoa, quando nasceu nossa querida irmã Leonilda. A dona Luiza sempre contava que a neblina durou quase até o meio dia e, foi ao amanhecer que ela começou sentir as fortes dores do parto e, enquanto o seu Antonho montado a cavalo partiu em busca da parteira, ela em silencio rezava. ”- Santo Antônio, proteja o meu Antonho, faça que ele retorne sem demora.

   Era segunda-feira, 29 de maio de 44 e, enquanto o poncho e o chapéu de abas largas o defendiam do vento gelado, o seu cavalo, um baio de confiança e chegador, fazia saltar faíscas dos rompantes das ferraduras. “-Avante, avante meu amigo, reparte esta geada ao meio que num instante vamos voltar!”  

  “-Comadre, perdoe a visita fora de hora, mas se cheguei assim sem demora é porque está para nascer uma criança. Me faça o favor comadre, pegue a tesoura e os outros apetrechos do parto, pois a minha Luiza está com aquelas dores que só as mulheres podem suportar.”

 “-Fique calmo compadre Antonho, que a tempo haveremos de chegar!”

 “-Pronto chegamos, agora seja rápido e traga-me agua quente e panos brancos que vou precisar e, você comadre Luiza, fique tranquila, pois a criança está bem encaixada e logo vai espontar e o cordão umbilical a minha velha tesoura vai cortar.”

 “-Virgem Maria, é uma menina! Compadre Antonho e menino Ventura, venham ver que bela e plena de formosura!  

 “-Obrigado Meu Deus! Muito obrigado!”

 Enquanto a parteira dava o primeiro banho na recém nascida, a mãe embora exaurida sorria de felicidade e, os vizinhos também contentes diziam: ’- O Antonho e a Luiza tem uma menina e seu nome é Leonilda!

 Depois dos seis primeiros meses ela cresceu como as orquídeas do jardim da nona Carolina e caminhou e falou antes da segunda floração das uvas do nono  Umberto e, na localidade de ‘Linha Bonita’, nos altos da serra gaúcha, jamais se viu uma menina tão encantadora, com a pele clara dos Lisot e, os cabelos e olhos negros dos Arrosi e, depois no transcurso de sua vida, sempre elegante e bela, ela tornou-se uma mãe dedicada e sensível aos seus afetos, também uma avó que acolheu a todos em sua ternura e uma bisavó que nos ensinou o sentido da palavra dignidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.