Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Visita ai Noni - Ademar Lizot

 Para baixar o áudio dessa postagem clique aqui

Para ouvir a narração na voz do próprio escritor, clique no player abaixo:



                                        



    

                                          Visita Ai Noni (Per Ademar Lizot)

     Questo rilato del nostro Brasil talian  ga sucedesto quando i mei noni, Giùlio e Odila Arosio go cognossesto.

    L`éra el prìnsipio dei ani sessanta, gavea cinque ani de età e, el viaio al paesel de Caibi, in te le tere nove de Santa Catarina el se ga fato longo parchè in quel tempo strade sfaltade e ponte par sora del fiume Uruguai nò existia mia. Al disbarcàr del ònibus la mama me ga postà in testa una barretina, parchè vignea zo una piovesina, dopo la ga ciapà l`valise in man e, semo ndati in serca dela casa dei noni e, intanto che se caminea par una stradeta, de quele verte par bèstie e gente,  gavemo incontrà un contadin che caminea tuto moià, co`l seston sù par l`spale e co`l capel sbassà fin i òcii par difenderse dela piova e, quando el ga rivà pi darente,  l`mama ga ricognossesto che`l zera el suo pupà, alora la ga molà l`valise par tera  e lo ga abrassià e, co la vose carga de emossion la ghe ga dito ”-Caro pupà questo bambin  l`é vostro nipotin!”  Aloro el nono par un s-ciantin el ga restà  sorpreso e, dopo de molar tera el seston, co na vose mèso rauca, mèso grave el ga dito:..”-Òstrega che belo tosatel, el ga pròpio i cavei e òcii negri dela nostra gente!”  Dopo de saludarlo, insieme gavemo seghi par una stradeta che  nò go mai desmentegà parchè fora de esser  postata tra mèso el bosco e el prà, la ga fato parte de un precioso momento dela mia infansa.   Al rivar a so casa, se fea veder la fumana del fogon drita al cielo e, el vignal ben piantato e belo.

    -Santantoni, varda chi che vien! Ga dito l`nona e,  co una incantadora simpatia in tuti i so gesti e parole, la me ga abrassià e,  con tanta dolcessa e soavità la ga parla, che invergognà i òcii go sbassà. Nte quel tempo la gavea sessanta passà ani de età e, la zera ancora bela, de cavei grissi onduladi e ben petenati,  testa alta sognadora, òcii ciari e prudenti e la  pel co na ofuscante bianchessa, che insieme de un soave rossor  ghe imbelessea el viso. La gavea pròpio una belìssima genètica che l`tose dela  fameia ga eredità.       

    Dopo de passadi tanti ani, con gran dolore sinto strucarme el cuor par nò gaver mia la arte del desegno par eternissar in te una pintura quelo che core ntel profondo dela mia memòria, l`imàgine dela nona Odila, bela e imponente come che zera el suo carater e, la stampa del nono Giùlio, de capelon in testa, mostàchi negri e mam pesade de contadin, caminando soto piova co`l seston de fen sú par l`spale, par quela stradeta profumada de carchessa e rosmarin.    

Ademar Lizot.

                            Visita aos Avós.

      Somente aos cinco anos de idade conheci meus avós Júlio e Odila Arosio.

  Era o princípio dos anos sessenta e a viagem até a localidade de Caibi, nas terras novas de Santa Catarina, se fez longa pois naqueles tempos não havia estradas asfaltadas e nem ponte sobre o rio Uruguai. Lembro que ao saltarmos do ônibus chovia e a mãe botou uma touca em minha cabeça, depois pegou a mala e fomos a procura da casa dos avós. Caminhávamos por uma estradinha aberta por bicho e gente, quando encontramos um velho colono que caminhava todo molhado, com um cesto nas costas e o chapéu abaixado até os olhos para proteger-se um pouco da chuva. Ao chegarmos mais perto a mamãe reconheceu que era seu pai. No mesmo instante largou a mala por terra e o abraçou. Depois com as lágrimas misturas a agua da chuva ela disse:...Querido pai, este menino é seu neto!

Ele me olhou detidamente e, depois com uma voz meio rouca, meio grave, falou:..”-Mas que belo menino, ele tem os olhos e cabelos negros de nossa gente!  

Depois, seguimos juntos por um caminho entre o mato e o campo e, aquela estradinha jamais esqueci, pois  faz parte de um precioso momento de minha infância. Ao chegarmos a sua casa, se podia ver a fumaça do fogão em direção ao céu e o vinhal, belo e bem plantado.

-Sant`Antoni, varda chi che vien! Disse a nona em seu idioma materno quando nos viu e, depois com uma encantadora simpatia em todos os seus gestos e palavras, me abraçou e falou com tanta suavidade, que impressionado abaixei os olhos envergonhado. Naquele tempo Ela tinha mais de sessenta anos de idade, mas ainda era bela, de cabelos brancos, ondulados e bem penteados, a pele ofuscante de brancura e um suave rubor lhe embelezava a face. A testa alta e os olhos claros e prudentes, uma bela genética que as mulheres de nossa família herdaram.

  Depois de tantos anos passados, sinto um aperto no coração por não ter a arte do desenho, para eternizar em uma pintura aquilo que corre no fundo de minha memória, a imagem da vovó Odila, bela e imponente como era o seu caráter e, a estampa do avô  Júlio, de chapelão em testa, bigode negro e mãos pesadas de colono,  com um cesto de feno nas costas, caminhando por aquela estradinha perfumada de carqueja e alecrim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.