Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

El Vècio Tabaté - Ademar Lizot

Par scaricar la stòria struca qua.

Par ascoltar la stória struca soto:

               


           El Vècio Tabaté      

      Questo el ze un rilato del tempo in che la cità de Arvorezinha se ciamea Fighera Alta

     Transcorea i ani cinquanta del sècolo passà, quando al paesel de Fighera Alta un novo sitadin ga rivà. El zera un cristian de mesa età,  de sol e tempesta roviná, de cavei grissi e fàcia piena de rughe sinistre. Adosso una forte spusa el gavea, che ai più sensìbile stropar el naso el fea.  Constante Tabaté zera el suo nome e, la so stòria é come de altri tanti, persi par l`strade del mondo, trapei sensa valia e sensa rumo, che se incontra par i cantoni, schiavi de so tristo destin.

     Se anca el zera zo de testa e fora dei sentimenti, pol esser che`l zera fiol de bona gente e, se gavea qualchedun matusel che lo tirea in giro, par coionarlo e  rider so desgràssia, anca gavea tanti co una complacente bonevolensa che i ghe ofria de magnar e robe par vestir e, cossì el nte`n ùltimo ciaro de dignità el portea la vita avanti, come sel fusse  in serca de`n sogno stravià.

   El riposea al seren, parchè de suo no`l gavea mia gnente e, quando el vignea al sentro del paesel, el provochea un vero bacan, con suo forte odor, cativi sbaiea i can e, i paroni de gati tratea de scònderli, parchè se anca no`l  zera mia un Visentin, el gavea la bruta fama de magnar gatin.     

    L`bodega dela stassion rodoviària zera la so ciesa e l`caciassa la so santa de devossion e, gnente lo assava pi contente che un bicier pien in man. Ntela prima sboconada  el fea s-ciocar la lèngua ntel cielo dela boca e, quando el spìrito de quela aqua maledeta ghe rivea ai sarvei,  el alsea sù la ala del capel, par dir: ‘_Ancoi go saltà sù co la luna reversa e solche na barufa pol farme felisse!’ Alora i ghe disea:..’-Ma Constant, volemo pagarte nantra casiassa e ti vol barufar con noantri.’ Alora el sbossea un soriso enigmàtico e contento  rispondea:..’-Noantri semo amicii paron. L`é stà sol par scherso, che cossì go parla!’ Dopo el se racòliea nte`n silensio ostil,  s-cieto e pensativo  slisando co la lama del cortel la paia del sìgaro.

    Fin che nte`n giorno ga vignesto la notìssia che due viachi sensa-servintia, co la ànima piena de perversità, calsina boiente ntei òcii i ghe ga postà.  Parvia de quel crime monstruoso i lo ga orbì e,  in pochi mesi el ga sparì.  Ma, vanti  de morir el ga domanda par caciassa e, dopo dela prima sboconada de quel líquido cativo e sensa color, a soto-vose el ga dito:.’-Se me toca de morir, voglio caciassa ntel mio cason, par quando rivar nel cielo far na revolussion!’

  E al finir questo tristo rilato, de`n porogramo quel mondo ga spacà, me vien el sentimento che di d`ancoi el vècio Constante Tabaté l`e una luminosa stela ntel cielo dela vècia Fighera Alta e, dei campi de Soledade.

      

                               O Velho Tabaté           

                 Este é um relato de quando Arvorezinha se chamava Figueira Alta

   Transcorriam os anos cinquenta do século passado, quando na localidade de Figueira Alta chegou um novo cidadão. Era um homem de meia idade, curtido e recurtido de sol e granizo, com um forte odor no couro e rosto cheio de sulcos sinistros que as desgraças traçam na cara dos bons e dos maus e, embora oriundo de boa gente, fora das ideias era completamente.   Constant Tabaté era seu nome e, sua história é como a outros tantos perdidos pelas estradas do mundo, tipos sem valia e sem rumo que se encontra pelos cantos, escravos de seu triste destino.

 Embora não fosse dono de seu pleno juízo, era filho de boa gente e, se tinha alguém que o maltratava, para rir de sua desgraça, também tinha muitos que possuidores de uma complacente bondade, lhe davam comida e roupas e, assim levava a vida por diante, talvez em busca de um sonho extraviado.

   De seu nada tinha, nem um cantinho para repousar e quando chegava no centro da cidadezinha, gerava confusão, cães latiam, pois sentiam o forte odor no ar e, os proprietários de gatos, ficavam atentos, pois ele tinha a fama de assados come-los.

  A bodega da estação rodoviária era sua igreja e a cachaça a sua santa de devoção e, nada o deixava mais contente que um como cheio na mão. No primeiro gole estalava a língua no céu da boca e, no instante que o espírito daquela água maldita lhe chegava a cabeça, tapeava o chapéu na testa, alisava o bigode e bem forte dizia:..’- Hoje amanheci de lua torta e só uma peleia me faz feliz!’  Então alguém lhe dizia:...’Mas Constant, eu quero pagar-te outra cachaça e você quer peleia!’ Então esboçava um sorriso enigmático e contente respondia:...’ Nóis semo amigo home e, eu falei aquilo só de brincadeira! Depois recolhia-se a um silencio hostil e com a lâmina da faca alisava a paia do cigarro.

Até que um dia veio a notícia que dois sem-serventia, com veneno no coração e perversidade na alma, o tinha agredido e covardemente o cegaram com calcina fervente e, depois deste crime monstruoso em poucos dias morreu, porém antes de partir pediu por cachaça e ao primeiro gole recuperou o volume da voz para dizer seu último verso:..”-Se eu morrer moreninha, cachaça no meu caixão, pois quero subir ao céu fazendo revolução!’

 E ao terminar este relato de um coitado que o mundo estraçalhou, tenho o sentimento que o velho Constant Tabaté  agora é uma luminosa estrela nos céus da velha Figueira Alta e dos Campos de Soledade.

  Ademar Lizot.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.