Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sábado, 18 de julho de 2020

Una Stòria del Ovest del Parana - Ademar Lizot

Ascolta la stòria racontada par el scritor:


                                 Una Stòria del Ovest del Parana  - Ademar Lizot   
        
    Questa l`é una stòria in realtà sucedesta nel tempo dela colonisassion del Ovest del Parana, quando ga rivà i primi contadini gaussi d´orìgine Taliana; un de quei bravi l`é stà el fradel dela mia madre.  Ntel ano 52  el ga vendesto so proprietà  nel interior dela cità de Encantado RS e, dopo     el ga  comprà  un bel toco de tera con pignal, nel Teritòrio Federal del Iguaçu,  atual cità de Toledo, PR e,  in quel medèsimo ano con so fameia el partisto e nte una longa giornada, dopo de quatro giorni de viaio i ga rivà.  El transporto dela mudansa l`é stà fato par el zio Faustino, paron de un camignon Ford modelo 47.  
  I primi giorni ntel novo paesel i ga passà sensa gnanca una contrarietà, ma dopo de due passà mesi la  compagnia  che s`incarichea de vender tere, la ga rivendicà la pose dela proprietà, però quela rivendicassion no la ze mia stada aceta par la giustìssia e,  de sta manera el zio ga confermà el suo domínio.  Tutavia quei i zera tempi che  ntel ovest del Parana squasi nissun gavea compromesso co l`lege e quando i pensea che se gaveva fini la barufa i ga ricevesto un cativo ultimato:..Una stimana par moverse via, liberar la proprietà o morir.  Alora el zio un contadin de pace e laoro, el ga andato in serca de aiuto,  però el delegado no`l podea far gnente. De sta manera  ga deciso difenderse e, par tanto el se ga parecià, prima el ga serca  rifùgio par la sposa e fiole ntela casa de amissi e dopo insieme dei due fioi, un de 18 ani de eta e altro de 22, i ga taià una piantona de angico e parecià in torno dela casa  due trinsiere.  Arme,  fora el  revolver 38 co`l mànego de marfin,  i gavea  solche una s-ciopa de due cani calibre dodese e altra calibre vinte e oto.
   Quando se ga fini el praso dela stimana,  un sabo vanti el s-curir,  nte`un Jeep co la capota de lona, ga capità i zagunsii e, el zio e so due fioi i zera sconti dadrio dele trinsiere.  Fora el sofero, gaveva altri  tre, i ga riva, disbarca e sguarda  la casa tuta serada sù e, insieme del  cagnet che sbaiea cativo, gavea in giro galine e due o tre porchi, cossì i  ga sospetà che gavea gente rento dela casa e,  co so pistole automàtiche “parabélum”,   i ga copà el cagnet  e, quelaltre bestiolete e, nte una granda sucession de spari,  i ga sbusà su tute l`é finestre e parede dela casa.
    Nò l`é mia fàssile descriver el senàrio de na lota de vita o morte, co`l  s-ciocar de tiri,  gridi de spavento e, el gèmito lamentoso dei feri,  dopo  la spusa dela polver e el cativo odor de sàngue e,  fursi quei che i ze drio leder nò i ga mia idea dela rovina che una s-ciopetada calibre dodese fà ntela pel d`un cristian, però nte una barufa cossì granda, l`é fondamental mantegner el sangue fredo e, cossì i ga fato, con tranquilità  i ga spetà fenirse fora  quela longa susession de spari, alora nte quel s-ciantin la s-ciopa de due cani, con so calibre de morte, ga scominsia el suo laoro fùnebre e, nte la prima s-ciopetada la ga strassinà  due zagunsii, quei altri i ga serca rifùgio nte altra banda dadrio del Jeep, andove par so desgràssia gavea  la  s-ciopa 28 e el revolver co`l mànego de marfin, e nantro bandido el ga abrassà la morte e, quelaltro se anca feri, el ga sparà in diression al bosco e assà un rasto de sàngue e,  fursi vanti de morir el ga capi che la casa de un omo la ze benedeta come el sacro altar de una ciesa, bisogna  rispetarla.
  Nte quel altro giorno ga rivà el delegado par portar via el Jeep e i zagunsii morti. Nissun ga ciapà prision, parvia che l`é stà una lota in legìtima difesa. Dopo de quel tristo sucedimento ga rivà la pace e prosperità nte quel paesel del Ovest del Parana.
Ademar lizot.


Uma História do Oeste do Paraná
             Esta história em realidade aconteceu, foi no oeste do estado do Paraná, quando chegaram os colonos gaúchos de origem Italiana. O irmão de minha mãe foi um destes bravos. No início dos anos 50 vendeu sua propriedade no interior da cidade de Encantado RS e, comprou terras com pinhais no interior da atual cidade de Toledo PR. O transporte da mudança foi realizado por seu irmão Faustino, com um caminhão Ford modelo 47. Partiram num domingo e depois de 4 dias chegaram, foi uma jornada longa a procura de uma nova esperança.
  Ao primeiros dias no novo lugar passaram sem contrariedades, porém não haviam passados 2 meses quando uma companhia imobiliária de terras reclamou a posse da propriedade.  A reivindicação não foi aceita pela justiça e, o tio confirmou o domínio da terra, mas naquele tempo no oeste do Paraná poucos seguiam a lei e não passou um mês para começar a intimidação seguida de um ultimato: Prazo de uma semana para liberar a propriedade ou morrer.
  Então o tio, colono de paz e trabalho, foi em busca de proteção junto das autoridades, porem o delegado nada podia fazer, sendo assim decidiu defender-se, primeiro buscou abrigo para a esposa e filhas na casa de amigos, depois com seus dois filhos, um de 18 anos de idade outro de 22, derrubaram um angico e prepararam duas trincheiras. Armas, além do revolver 38 com cabo de marfim, tinham uma espingarda calibre 12 e uma 28.
   Aquela dias transcorreram entre medos e incertezas com a eminencia de um ataque, por isso sempre tinha um de sentinela, então como os jagunços haviam prometido, ao findar aquela semana eles vieram e, o tio com seus dois filhos os esperavam nas trincheiras. Foi num sábado ao anoitecer, chegaram num Jeep com capota de lona e além do motorista tinha outros três. Desembarcaram em frente a casa que estava toda fechada e, no pátio junto do cachorro que latia furioso, havia várias galinhas e dois ou três porcos. Então suspeitaram que haviam gente dentro da casa e com suas pistolas automáticas “Parabelum”, mataram o cachorro e demais animais e, em uma grande sucessão de tiros esburacaram janelas e paredes.
  Não é fácil descrever o cenário de uma luta de vida o morte, com seus gritos de desacato, gemidos de dor junto dos  estampidos dos disparos, depois a fumaça e o cheiro forte da pólvora, misturada com o odor nauseante de sangue e terra e talvez quem ouça não faça ideia do estrago que um balaço calibre 12 deixa no corpo de um homem, mas posso dizer que em uma encrenca assim, fundamental é manter a calma e, eles com sangue frio esperaram cessar aquela longa sucessão de disparos, então a espingarda de dois canos, com seu calibre de morte iniciou seu trabalho fúnebre e, no primeiro disparo derrubou dois jagunços feridos de morte. Os outros procuraram abrigar-se atrás do Jeep, porem para sua desgraça la estava o revolver com cabo de marfim e o chumbo da 28, assim mais um abraçou a morte, o outro embora ferido disparou em direção ao mato, deixando uma trilha de sangue e, talvez antes de morrer compreendeu que a casa de um homem honrado é sagrada como o altar de sua igreja, precisa respeitar.
  No outro dia chegou o delegado para buscar o Jeep e os defuntos, não houve prisão, pois foi confirmada a legitima defesa. Despois deste triste acontecimento houve paz e prosperidade no oeste do Paraná.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.