Pagine

Clique para entrar

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Morosar, nel tempo del rispeto


Altro giorno go ricordà del tempo de la gioventù, í mèio ani de la vita, quando
l`emossion l`é più forte de a rason, magari se anca gióveni, se gavea un grando rispeto co le
persone. Così l`emosion l`era granda quando, par la prima volta bisognea andar a casa de a
morosa par domandarghe a i so genitore el permesso, par scominsiar a morosar.

Ricordo che la stimana se fea longa e zera fadiga spetar rivar el sabo de sera quando
rivea l`ora, el momento màgico de andar a morosa. Par dir la verità l`era anca bruto andar a
casa de la morosa, par la prima volta, parché no se savea come far, se gavea coràio, però anca
paura. El nono zera el nostro consiliere par tanti afar e co so sapiensa, sempre disea che par
cartarse la morosa, bisogna onderse de miel e nó de aseo, vestirse de festa, co`l mèio color, co
l`scarpe briliante e soratuto, mai smentegarse quel posto del omo ze andove finio la tera e de
le done andove scominsia el paradiso.
Così sabo in torno le sete ore, vanti sena, vestito de festa co´l mèio color, co na
scarselada de dolsi par darghe ai tosatei, fradei de la tosa, co`l uldrin de strato passà drio l`e
rece, pien de coràio però anca de paùra, parché bisognea cavarse fora de le ociade de tuti.
Alora zera el momento de andar a casa de a morosa. La prima persona che bisognea parlar
quando se rivea a la casa, zera el pupà de la tosa, con rispeto e anca far tante serimónie, par
domandarghe el permesso, la benedission par morosar, in quei ani el pupà de a tosa vardea
anca se l`é man del toso gavea calossità, parvia che questa zera la comprovassion de laorador.

-Bona sera paron!
-Compermesso, volea dirghe, domandarve, a vu e so sposa, se con vostro permesso..., se
son degno, mi volea la benedission, par morosar vostra fiola, con rispeto, con stima parvia che
vólio tanto bene a sta tosa e soratuto a mi me piase el rispeto el permesso dei genitore.
Alora el pupà de la tosa parlea:.. 
-Brao, brao fiol, me piase sentirte parlar cossita, parvia
che anca mi me piase el rispeto e la onorabilità, e par quel che me toca a mi e me sposa, te poi
morosar nostra fiola.

- Gràssie paron,
L`era un momento màgico, belo e anca un s-ciantin che vegnea zo í sudori, l`e tremarole
ne le gambe e soratuto un momento de una satisfassion, che compagna mai proada, par nó
smentegarse mai più.

Ademar R. Lizot.



Tradução 

Outro dia recordei de um momento da juventude, os melhores anos de nossa vida, quando a
emoção é mais forte que a razão. Porém naquele tempo embora fossemos jovens, tínhamos
um grande respeito com as pessoas. Assim era uma grande emoção, quando pela primeira vez
íamos a casa da namorada, para pedir a seus pais a permissão para namorar.

Relembro que a semana demorava a passar até chegar o sábado a noite, quando chegava a
hora, o momento mágico de ir namorar. Para dizer a verdade, dava um grande nervosismo ir a
casa da namorada pela primeira vez, porque não se sabia o que fazer, tinha-se coragem,
porém também medo. O nono, nosso conselheiro para diversos assuntos, sempre dizia que
para conquistar a namorada, devemos ter o perfume do mel e não do vinagre, vestir-se de
festa, sapatos brilhantes e sempre ter em mente que o lugar do homem é onde termina a
terra e da mulher onde começa o paraíso.

Assim no sábado, um pouco antes das sete, antes da janta, vestido de festa, com os bolsos da
calça repletos de doces para os irmãos pequenos da namorada, com perfume passado atrás
das orelhas, cheio de coragem e também medo e não chamar atenção das outras pessoas,
agora era o momento de ir visitar a namorada. A primeira pessoa que teríamos que falar
quando chegávamos a casa, era o pai da guria, a conversa era plena de respeito e fidalguia
para depois pedir a permissão, a benção para iniciar o namoro. Naqueles anos o pai da
namorada examinava também as mãos do rapaz, para ver se era de trabalhador.

O dialogo era mais ou menos assim...

- Boa noite senhor! Com sua licença gostaria de pedir-
lhe ao senhor e sua esposa, se me considerarem digno, eu gostaria de vossa benção, para
namorar vossa filha, a quem dedico estima, respeito e um grande amor. Eu gosto do respeito
e da permissão dos pais.

O pai respondia:...Muito bem meu filho, gostei de suas palavras, porque eu também sou do
respeito e da honra, e pelo que diz respeito a mim e minha esposa, já tens a nossa benção.
Este era um momento mágico, belo, era também um momento de apreensão que fazia tremer
as pernas, mas com uma grande satisfação, uma emoção jamais sentida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.