Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

domingo, 21 de janeiro de 2018

El Negro Dorival - Ademar Lizot

Talian


Sti ani, quando zera ancora picoleto, tanti ani fà, se stea nel interior e la gavea un compare de mio pupà che go mai desmentegà. L`era un omo de color, el so vero ofìssio zera far la doma dei cavai e tuti lo ciamea de “negro Dorival”.
In quei ani el zera vècio, co l`barba e mostàcii grisi e ì cavei grisi anca quei, parvia dea trupa de otanta inverni che el gavea infrontà ntea vita, magari se anca vècio, l´era ancora in
gamba e con coràio ntel cuor. Ntel scomìnsio dea so veciàia el ga vivesto darente una comunità de Taliani dissendente de la granda imigrassion italiana ntel Brasil che ga scominsià ntel ano de 1875. Così el se ga abituà svelto a í costumi dea nostra gente e soratuto el ga impara el idioma dei nostri noni e bisnoni. Persona stimata par tuti ntea comunità, l`era un cristian franco e sincero, de coràio e dignità, zera un piasere scoltarlo parlar in Talian, nostro idioma materno. Ntea doménega dopo meso di, quando vignea ntea bodega bever un bicier de vin o caciassa e zugar le carte, ancora a lontan se podea vederlo, con so capel, bombàcie, montà a caval con elegansa e garbo, parea che zera la pròpia provìnsia de San Piero che vignea imponente a caval, con so fassoleto rosso nel col che sgorleva al vento come se fusse la bandeira dei “Maragati”. Quando arivea, desmontea, cavea el capel dea testa, compagno de un vero fidalgo e saludea a tuti, così de man in man, con un soriso de fedùcia in fàcia de chi nò ga mia paura de gnente. Dopo el disea:...”Mi son el Negro Dorival e se bisogna fau la doma a tuti í baguai (cavai nel idioma Gaúcho).”El gavea rispeto e amabilità co l`bèstie, soratuto co`i cavai. Suo vero ofìssio l`era far la doma, mistier quel gavea una granda cognossensa. Con so fisolofia de aotentissità el disea che í òmeni í ze compagno dei cavai, quando í ze boni í vien al mondo pronti.
El ga nassesto e dopo cressesto a lontan dei so genitori e fradei, ntel tempo dea s-ciavitura, quando el Brasil zera soto la più bruta imbecilità e vergogna de tuti tempi. Così con tribulassion e soferensa el se ga fato omo. El libro de la so vita el ga scrito de tera e sàngue, de coraio e diginità. El gavea eredità l`stirpe de gueriero de so nono che ga combatesto ntea guera dei “Farrapi” e el zera un eroe dei lansieri Negri, í gladiadori de la “República Rio Grandense che andea sempre davanti dea trupa, spaventando í soldati del Impèrio. Anca suo
pupà l`era soldà ntea guera del Paraguai e ga combatesto con braura, soto el comando del General Osório. La sua brava gente, la prinsipessa Isabel ga libertà, ntel giorno 13 de maio de1888, magari l`tribulassion, el sofrimento dei nostri fradei dessendenti dei africani, nò se ga mai fèrma. Così la Pàtria Brasiliana ga par sempre un dèbito che no se pol misurar con questa brava e valiosa gente. Penso mi che anca noantri dessendenti dei imigranti Vèneti, gavemo na granda someiansa con questa brava gente, parvia che nostri noni e bisnoni anca í ze vignesti a questo paese par far laoro de s-chiavi e anca í ga scrito la so stòria con tera e sàngue, coràio e dignità.
Così zera el compare de mio pupà, el Negro Dorival, maragato-gausso, del fassoleto rosso
nel col, che gávea el ofìssio de far la doma dei cavai, che ga nassesto ntel tempo de s-ciavatura,
che ga cressesto sensa pupà e sensa mama e a lontan dei fradei e el se ga fato omo, con onor e
dignità.

Por - Ademar Lizot.

Português


Maragato
Na minha infância, agora tanto tempo faz, morávamos no interior e por la tinha um compadre de meu pai, que jamais esqueci. Era um homem de cor, maragato e gaúcho por demais, o seu trabalho era a doma de baguais, era conhecido como “maragato Dorival”.
Naquele tempo ele já era velho, barba, bigode e cabelos brancos, devido a tropilha de 80 invernos que ele enfrentou ao longo da vida, porém ainda tinha força no braço e coragem no coração. No início de sua velhice, veio residir próximo a uma comunidade de Italianos descendentes da grande imigração Italiana no brasil, que começou no ano de 1875. Assim adotou vários costumes da nossa gente, principalmente aprendeu a falar o idioma Talian.
Pessoa estimada na comunidade, era um Cristão franco e sincero de coragem e dignidade, era um prazer escutá-lo falar em Talian. No domingo depois do meio dia, quando vinha na bodega degustar um vinho ou uma cachaça e jogar cartas, ainda a distância era notado, com seu chapéu de aba larga, bombachas, bem montado com a elegância de um monarca, parecia até que era o próprio Rio Grande chegando num
trote garboso, com seu lenço colorado tremulando ao vento, como se fosse a bandeira Maragata. Chegava, desmontava, sacava o chapéu da testa e cumprimentava a todos, assim de mão em mão, nos lábios um sorriso de confiança, de quem não tem medo de nada. Depois dizia:..” Eu sou o negro Dorival e se for preciso domo qualquer bagual.”Seu ofício era a doma de cavalos, no que era especialista. Com sua filosofia
campeira sempre dizia que o homem é igual ao cavalo, quando é bom já nasce pronto.
Nasceu e depois cresceu distante dos pais e irmãos, no tempo da escravidão, quando imperava no Brasil a maior estupidez, imbecilidade e vergonha de toda a sua história. Assim no sofrimento e na injustiça se fez homem o livro de sua história foi escrito com terra e sangue, coragem e dignidade. Herdou a coragem de seu avô, combatente na guerra dos Farrapos, foi um dos heróis lanceiros negros, os gladiadores da República Rio Grandense, que estavam sempre na vanguarda da tropa, metendo medo nos Imperiais. Depois seu pai foi soldado na guerra do Paraguai e com bravura combateu ao comando do General Osório. Sua gente foi libertada pela princesa Isabel, em 13 de maio de 1888, porém o sofrimento e exploração de nossos irmão Africanos ainda continuou por mais tempo. 
Penso que os descendentes dos imigrantes Italianos possuem alguma semelhança com esta brava gente, pois nossos avós também vieram a este pais para trabalhar como escravos e também o livro de sua
história foi escrito com terra e sangue, coragem e dignidade.
Assim era o compadre de meu pai, o negro Dorival, maragato e gaúcho do lenço colorado, domador de baguais, que nasceu no tempo da escravidão, cresceu sem pai e mãe e distante dos irmãos, mas se fez homem, com honra e dignidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.