Pagine

Clique para entrar

.

.

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Talian e Gaucho - Ademar Lizot

Talian

Mio pupà l`era un omo sémplice e aoténtico, l`era un colono de pace
e laoro, co l´è man piene de calossità, sporche de tera e cossiensa neta e
pura compagno de so ànima. Gavea sàngue de Talian, ghe piasea
l`polenta, el vin, el giugo de carte, però quando el zera più vècio el ga adotà tanti dei costumi locai, dei "Gauchi" dea Provìnsia de San Piero e dopo
el ga sempre vivesto cossì. Ghe piasea de le cose de semplissità e umiltà.
L´èra de poche parole e quando parlea, l´è vignea fora drite e giuste.
Parole sémplesse de un omo de ànima granda. Questi insegnamenti me ga aiutà ntel infrontamento dea vita.
Quando zera picololeto, ancora tacà sú l´è so bombàcie, el me insegná che par alsar su na vita bela, bisogna scominsiar, co l´è cose picolete, stesso del fogo forte che scomìnsia de stecheti de legna. El me ga dito che
la vita l´è piena de dificultà e anca la ze na granda lission de umiltà, magari che nò gavese mia paura, parchè un omo el mondo nò lo mena via, quando el ga fede in Dio e la fortuna de esser insieme de na faméia e
soratuto mai desmentegar dea stirpe dea nostra gente, so stòria de laoro, credensa in Dio, onestità e coràio, parvia che chi dei soi nò eredita la stirpe no`l passà de un desgrassià. Adesso, penso mi che nte quel tempo
oltrapasseva í limiti del imaginàbile che queste parole de símplissità podeva esser cossì desmentegàbile.
Ntei ani dea guera el ga infrontà bruti tempi de paura, parvia che nò se podea mia parlar in Talian, nostro idioma materno. El goerno nte so stupidità menea in prission e tanti brasiliani meschini de cuor e rabiosi
de ànima, í fea calùnie e anca ghe molea bastonade ai póveri coloni. Cossì tante volte mio pupà ga toca de difender coraiosamente el so punto de vista, infrontando quei più rabiosi. L´èra un colono compagno dei altri, de pace e laoro, con òcii de amabilità, però anca de tempesta. Dopo che ghe vignea sú l`fumane, l´èra brute robe, gavea forsa ntei brassi, parvia che so laoro zera ribaltar mato co la manera e segar piante co`l segoto de man.
Adesso, dopo de tanti ani quel ga partisto de questo mondo, ntea me testa go sempre l`imàgine de un Talian-Gaucho, con so capel de ala scavensada in sú, de bombàcie de brin sensa lusso e montà in so caval con la medèsima imponensa e dignità del bravíssimo Garibaldi. Ntel transcorsso dea vita, ntei momenti de dificultà, che bisogna coràio e determinassion, questa imàgine porta coràio ntel me cuor e anca el compromissio, meio dir la obrigassion de portar dentro del peto coràio e
determinassion. Con umiltà, bisogno dir che no sò mia gnanca l`ombria de quelo che zera mio nono e mio pupà. Però go la sicuressa dea me oriìgine e orgòlio e onor par l`stirpe dea me gente, parvia che la vita pol
esser più comprensìbile e bela co`i ricordi del passà.

Ademar Lizot.


Tradução


Meu pai era um homem simples e autentico, era acima de tudo um colono de paz e trabalho, com as mão cheias de calos, sujas de terra e de consciência limpa e pura igual sua alma. Seu sangue era de Italiano,
gostava de polenta, vinho e jogo de cartas. Porém, quando mais velho, adotou muitos dos costumes locais dos gaúchos Rio-Grandenses, a bombacha, o chimarrão, o churrasco e o prazer de cavalgar. Sempre
reparava nas coisas de simplicidade e humildade. Era de poucas palavras, palavras de um homem de alma grande. Seus conselhos me orientaram no enfrentamento da vida.
Quando era pequeno, ainda segurando em suas bombachas, ele me falou que para ter uma vida segura e correta, temos que valorizar as coisas pequenas e humildes, pois um fogo forte se inicia sempre com
gravetos. Depois falou que a vida seria plena de dificuldades, e também uma grande lição de humildade, mas que eu jamais esquecesse que um homem o mundo não leva, quando tem fé em Deus e a fortuna de estar
junto de uma família. Também para nunca esquecer a estirpe de nossa gente, sua história de trabalho e honestidade, pois quem dos seus não puxa a raça, não passa de um desgraçado.
Nos tempos de guerra enfrentou muitas tribulações, quando era proibido falar no idioma Talian, pois o governo da época, em sua estupidez prendia as pessoas e muitos locais mesquinhos de coração e
rudes de alma, os caluniavam e também batiam nos pobres colonos. Mas ele jamais deixou de falar seu idioma materno. Assim algumas vezes teve que defender corajosamente seu ponto de vista enfrentado aos rudes e violentos, embora fosse como os outros colonos, de paz e trabalho, seu olhar era amável, mas também com lampejos de tormenta. Tinha força nos braços devido seu trabalho principal que era derrubar mato a machado e serrar toras manualmente.
Agora depois de tantos anos que ele partiu deste mundo, tenho sempre na memória a sua estampa de Italo-Gaúcho, com seu chapéu tapeado na testa, sua bombacha de brim cinzenta, sem luxo na vestimenta e montado em seu cavalo com a mesma imponência e dignidade de um Garibaldino.
No correr de minha vida, nos momentos de dificuldades, que demanda determinação, sua imagem traz coragem ao meu coração. Com humildade afirmo que não sou nem a sombra do que foi meu avô e meu pai, mas uma coisa posso garantir, que sempre me orgulho da estirpe de minha gente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.