Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Mia veciàia - I sessanta ani de Ademar Lizot

El mese de otobre, del an passà, son arivà ai sessanta ani de età e ntel giorno de mio compleano, mia nipotina, co so ànima pura e franca compagno un bocon de pan fresco, me ga domandà:..
- ”Nono ancoi che scomìnsia vostra veciàia? 
In quel àtimo me ga vignesto un sgrisolon di paura ntel cuor e me ga mancà le parole. Alora in silénsio, co'í me òcii meso strachi, go varda ntel profondo de so òcii, bei compagno due grani de ua negra e la go abraciata forte insieme de mio cuor. ” dopo go scominsià a pensarghe sora la mia vita, cosa go fato in tuti questi ani, che í mei cavei ga vignesti grisi e la me testa piena de rughe. Come go alsà sú mio carater, el rispeto e onestità co'i altri? Alora me ga vignesto in cuor n'ària de contantessa, parvia che go la cossiensa neta, che no go fato gnente de mal. Magari la vita la ze na granda lission de umiltà, che impienisse l'ànima de sicatrise e el cuor de ricordi che tante volte í fa vegner na làcrima ntei òcii e dopo l`dùbia de cosa ristara de mi ntel giorno che mio sàngue de talian congelar nte l`vene? Ristarà solamente la mia amabilità co la faméia, mio vero tesoro, insieme dei ati de onestità e umiltà con le persone e le bestiolete. Pol esser che anca ristara qualcheduna dele stòriete rustiche e piene de autentissità, compagno de na feta de polenta e formàio e che go scrito de cuor e ànima. E ntel momento che qualunque dei me nipotini, che ga eredità la stirpe dea me gente, leder quelo che go scrito, el ga de veder che so nono ga eredità la stirpe de so antenati, de laoro, umiltà, credensa in Dio e speransa.

Ntel giorno dea festa de mio compleano, dopo che go sufià sessanta candele e go magnà na feta de
torta, go ciapà ntei brassi quela toseta dei òcii bei, compagno due grani de ua negra e con parole de
dolcessa ghe go dito che sempre che la ze insieme a me, me ànima ritorna ani vanti quando gavea sìnque ani de età e in quel momento mio cuor l`é de un tosatel, pien de sogni e contatessa e me par da esser nantra volta ntea casa bianca andove go nassesto e passà mia infansa, me vedo ntea cosina, sentà ntea cassa dea legna, in torno del fogon, insieme dei me genitori, el pupà sentà ntea so carega predileta, co so capel de pàia de formento drio ciuciar el simaron, la mama co so fassoleto in testa, bela e imponente come zera la so bontà, drio brustolar la polenta e taiar el formàio. Però soratuto me par de scoltar le so parole drite e giuste, parole de suavità e dolcessa de due ànime gemele che i se volea tanto ben. Questi ricordi, í me fa vegner la fedùcia de dir che le persone speciale, che gavemo sempre dentro de cuor, fa nostra vita più bela, soratuto quando insieme dea natura e de le bestiolete, con so ànima lìmpida e pura, che no le fà mal a nissun. Queste cose de simplissità e umiltà, ze anca el testimònio dea grandiosità, bontà e sapiensa sensa fin de Dio, el paron del mondo.

La domanda de quela bambina ntel giorno de mio compleano, no go mai desmentegà, sempre
ritorna in me ànima compagno de na piova che vien zo pianpianeta su par le scandole del querto dea casa e mena insieme squasi na malinconia e anca el sentimento che quela piova de serenità e pace, la me vol dir qualunque cosa che non son mia bon de capir. Alora in silénsio vardo par el viero dea finestra e remiro quela piova santìssima e bela compagno de le làcrime dea Madona, che piande parvia de questo mondo pien de persone meschigne di cuor e rabiose de ànima.

Ademar Lizot.



Tradução

 Minha Velhice


Mês de outubro do ano passado, completei 60 anos de idade e no dia do aniversário, minha
netinha, com sua alma límpida e pura me fez uma pergunta:..” Nono, é hoje que começa a tua velhice?”

Naquele momento senti um aperto no coração e me faltaram as palavras. Depois em silencio, com meus olhos meio cansados, olhei nos seus olhos belos iguais dois grãos de uva negra e a abracei forte junto de meu coração. Depois comecei a pensar sobre minha vida, o que vi e fiz durante estes 60 anos em que meus cabelos ficaram brancos e minha face enrugada, como foi que construí meu caráter, o respeito e honestidade com meus semelhantes. Então senti em meu coração conforto e na consciência, serenidade, pois jamais pratiquei o mal. Aprendi no decorrer destes anos, que a vida é uma grande lição de humildade, que enche nossa alma de cicatrizes e nosso coração de lembranças que tantas vezes fazem verter uma lágrima dos olhos e depois a dúvida de que restara de mim no dia que meu sangue congelar em minhas veias? Talvez a lembrança sagrada de meu amor com minha família, meu maior tesouro e também a lembrança de meus atos de honestidade e humildade com as pessoas e os animais.

Pode ser que também restara alguma das muitas estórias rusticas e autenticas que escrevi com alma e
coração e no sagrado momento que um dos meus netos, que herdou a estirpe de minha gente, estiver
lendo aquilo que escrevi, ele haverá de entender que seu nono também herdou a estirpe de seus
antepassados, de trabalho, humildade, fé em Deus e esperança.

No dia de meu aniversário, depois que assoprei as 60 velas e provei um pedaço de bolo, em seguida
falei com aquela criança de olhos belos e negros iguais dois grãos de uva e com palavras de carinho lhe disse que sempre que ela está junto a mim, minha alma retorna ao tempo que tinha 5 anos de idade e naquele momento meu coração é de um menino, pleno de sonhos e contentamento, me sinto como se estivesse novamente na casa branca onde nasci e passei parte de minha infância, me vejo na cozinha, sentado na caixa da lenha, atrás do fogão e junto de meus pais, meu pai sentado em sua cadeira predileta, com seu chapéu de palha de trigo e tomando chimarrão, a mãe sempre bela como era sua bondade, preparando a polenta e o queijo e os dois falando, com suas palavras de suavidade e doçura de duas almas gêmeas que se queriam tanto bem.

A pergunta daquela menina no momento de meu aniversário, jamais esqueci, ela sempre retorna em
minha mente, como a chuva que cai mansamente sobre o telhado da casa, trazendo junto uma saudade e também o sentimento que aquela chuva de paz quer me dizer alguma coisa que não sou capaz de entender. Então em silencio olho pelos vidros da janela e admiro aquela chuva santíssima e bela como as lágrimas de Nossa Senhora que chora por este mundo cheio de pessoas mesquinhas de coração e rudes de alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.