Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

domingo, 22 de abril de 2018

Ricordi de la colònia - Lembranças da Colônia

Talian

Chi ga nassesto e dopo cressesto ntel interior, ntea colònia, el porta par tuta la vita rento
del cuor la simplissità, umiltà e í ricordi de che`l tempo che`l vento ga porta via. L`éra un
tempo de laoro dea matina fin scurir. Go la fedùcia de dir che zera un tempo che se godea la
vita pieni de contantessa e felissità. L`era un tempo che`l mondo zera tanto difarente, sensa la
comodità e el conforto de di de ancoi. Ricordo sempre de la dificultà che zera par far el bagno
e í bisogni de tuti giorni, parvia che no se gavea la stansa de bagno rento dea casa, compagno
adesso, cossì se fea el bagno solamente una volta par stimana, squasi sempre al sabo dopo
meso di. L`e tose se bagnea ntea càmera dei leti, prima le impinisea na cadina de aqua freda e
dopo metea insieme l´àqua dela sielera che zera drio boier. Bisogna dir che le tose, quele de
pi caprissio l`e fea el bagno tre o quatro volte par stimana. Co`i tosi zera difarente, ghe tochea
bagnarse nela aqua del rieto, darente andove se lavea l`e robe, magari ogni giorni vanti de le
colassion, sempre se lavea la fàcia e le man e vanti butarse zo in leto, í pie. Sti ani quando un
toso scominsiea a bagnarse anca ai mèrcori, l`era parvia che`l se gavea cata fora na morosa.
Co`i piu vècii, zera una sofarensa par farli far el bagno, soratuto ntei giorni de fredo, parvia
che`i gavea paura de malarse, de ciapar na palmonite e dopo morir. Ntea nostra faméia, el zio
Domenico, cognome Minguin, gavea el intestardimento de un mul vècio par far el bagno, e
solamente quando la nona lo ciamea de schifoso, alora andea al rieto bagnarse, e zo porchi,
parvia che quando el zera cativo no`l zera mea bon de dir tre parole sensa quela de le quatro
no la sia na bestema, le ghe viegnea fora cossì, par sbàlio, come vien na scoresa. Ntel
momento del bagno, zera un vero sucedimento, mèio dir un spetàculo, se andea tuti vederlo
bagnarse, parvia che no`l cavea mea l`e mudande e el capel dea testa par bagnarse, passea el
saon par sora e dopo rento del rieto con l'àqua fin í denòcii, dopo de bagnarse cossì ben el se
sechea soto el sol.
Par far í bisogni del corpo, anca zera difarente, sti ani se gavea el bucal soto el leto par
qualche pissadina a mesa note. De matina bonora se levea su del leto co`l osamento del gal e
el canto dei osei, dopo par far í bisogni del corpo se andea in volta a capoere, ntel bosco a
lontan dadrio del paiol, tante volte soto la piova, con la erba móia, però bisogna dir che zera
anca bel far í bisogni ntel bosco, dadrio de na pianta, soto la so ombria, co`í ràgii del sol che
spunta, co`l vento che sùfia e scoltando la maraveiosa orchestra dela natura, co´l odor dei
fiori silvestri, insieme dei osei che canta e anca qualche mosca che busna. Dopo co`l passar
dei ani, í ga fato una casetina, cinquanta, sessanta metri a lontan dea casa, í ghe ciamava
patente e ogni volte, dopo de magnar un panson de pignoi, e che dopo vignea í dolori,
bisognea corer a tute gambe, in quei momenti parea fin che se metea una eternità par rivar a
la patente.
Cossì zera sti ani, in quel tempo che el vento ga porta via. No se gavea squasi gnente rento
dea casa, la mobìlia zera scarsa; ntea cosina, solamente una o due pignate smaltàe, insieme
de la pignata de fero de pareciar la benedeta polenta, che la nona sempre parlea che par
noantri de dissendenti Veneti, se gavemo polenta, radici e qualche altra misturà insieme, nò
bisogna più gnente. Però, in quela casa de umiltà e simplissità, de cosina scarsa de pignate e
piati, de sala sensa mobilia e càmera dei leti, co`í paion de scartosse de mìlio, la zera anca una
casa co una granda abondansa de amor e felissità.
Ademar Lizot.

Tradução para português

Quem nasceu e depois cresceu no interior, na colônia, leva por toda a vida, um caráter de
simplicidade e humildade e tem sempre junto as recordações daquele tempo que o vento
levou, tempo de trabalho de sol a sol e também um tempo em que as pessoas viviam mais
contentes e felizes. O mundo era muito diferente, sem as comodidades e confortos de agora.
As vezes lembro das dificuldades que enfrentávamos nas coisas mais simples do dia a dia,
como por exemplo para tomar banho e as necessidades diárias, pois não tínhamos banheiro e
sanitários dentro de casa, com instalações hidráulicas. Assim era normal tomar-se banho
somete uma vez por semana, quase sempre aos sábados a tarde. As mulheres se banhavam no
próprio quarto de dormir, primeiro enchiam uma banheira de agua fria e depois misturavam
uma ou duas chaleiras de agua quente, as caprichosas banhavam-se até três ou quatro vezes
por semana.
Com os rapazes era diferente, tomavam banho na sanga, perto da tabua de lavar roupas e
todos tinham o habito de sempre lavar as mãos e o rosto antes das refeições e os pés antes de
deitar. Naqueles tempos quando um rapaz começava a tomar banho também na quarta-feira,
era porque estava namorando.
Com as pessoas mais velhas era bem mais difícil o banho, principalmente nos dias frios, pois
tinham medo de adoecer, de pegar uma pneumonia e até morrer. Em nossa família tínhamos o
tio Domenico, apelido Menguim, que era o mais teimoso para tomar banho e somente quando
a nona o chamava de nojento e o mandava tomar banho ele obedecia, porem reclamando, até
blasfemando. Nestes dias era até um acontecimento, o banho do tio velho. Chegava perto da
sanga, tirava a roupa, menos o chapéu e as ceroulas que sempre usava por baixo da roupa,
depois entrava na agua na altura dos joelhos, se ensaboava com ceroula e tudo, se enxaguava
e depois saia da agua para secar-se no sol.
Para fazer as necessidades do corpo então era completamente diferente na roça tempos atrás.
Todos tinham o urinol, o famoso “pinico”, sempre abaixo da cama, para as emergências
noturnas, depois no dia a dia, era mais o menos assim:...De manhãzinha saltávamos da cama
ao cantar do galo e depois íamos fazer as necessidades nas capoeiras, no bosque atrás e
distante do paiol, as vezes com chuva, mas é necessário admitir também o quanto era legal
fazer as necessidades no bosque, atrás de uma arvore, sob a sua sombra, com os raios do sol
que despontavam, com a brisa suave do vento e escutando a maravilhosa orquestra da
natureza, com seu odor de flores silvestres, junto dos pássaros cantando e alguma mosca
zunindo. Depois com o passar dos anos fizeram uma casinha, 50, 60 metros distante da casa e
que chamávamos “patente”. Muitas vezes aconteceu que ao comer alguma fruta sem lavar a
casca e depois, dava aquela dor de barriga e tinha que disparar, nestes momentos parecia que
demorava uma eternidade para chegar a patente.
Assim era naquele tempo, que o vento levou, não se tinha quase nada dentro de casa, a
mobília era pouca, na cozinha, uma ou duas panelas esmaltadas junto da panela de ferro para
cozinhar a bendita polenta, pois como a nona sempre dizia, para nos descendentes, se temos
polenta, radicci e alguma outra mistura, não carece de mais nada. Acima de tudo aquela casa
simples e humilde, era possuidora de uma grande abundancia de amor e felicidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.