Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

segunda-feira, 18 de junho de 2018

El Sonador de Gaita dela Colònia (campagna) - Ademar Lizot

Ascolta con la narassion del Lizot spunciando soto:



Talian

Suo nome nissun lo savea, penso mi che gnanca lu no savea. L`éra un giorno fredo de
inverno del ano de 1944, quando el ga capità ntel paeselo dei me noni. Che el vignea de un
posto a lontan, se podea veder in so òcii strachi, parvia del grando viàio montà a caval. Ntel
momento che el ga rivà ntea casa de mio nono Umberto, el ga domandà permesso, par
desmontar. alora el nono ga dito:
- “ Vien zo del caval, bever un bicier de vin.” 
El foresto ga desmontà, cavà via el capel dela testa e compagno de un nòbile de Spagna, el ga saludà a tuti quanti, cossì de man in man. El gaveva una vestimenta sensa lusso, bombàcia de brin mesa
vècia, capel co la strica de corame, mèio dir barbicasso, che el passea par soto del barbin, par el
vent nò portarlo via dea testa. Ntel sinturon, fora un cortel col mànego e la froda d'argento, el
porteva una s-ciopeta ( revolver), penso mi che de calibro 38, che in quei ani zera mistier de
necessità, soratuto par i viàii solitàrii. Ntei pié un bel per de stivai con le spore de cìnque dedi,
però sporchi de pantan (barro). Ntel col, el porteva un fassoleto bianco de seda, come se`l fusse na
cravata e nte le spale, ligada su par una cordeta de coro el portea una frinfrogna, mèio dir una
gaita de botoni, o come i parla í gaussi dela Provinsia de San Piero, una oto basso.

L`éra un omo de statura, de pi de 1.90 de altessa, cavei negri, mostacioni longhi e una vose
potente e ciara come quela de`n cantor de ciesa. Parleva sempre con la tranquilità de chi ga la
fedùcia de suo coràio. In quel giorno che el ga rivà, dopo de bever una sboconada de vin, con
civiltà el ga dito:
- Gràssie paron par la vostra ospitalità, permesso che me presento...
- Mio nome e anca soranome l`é “Serapião” e fau el laoro de sonar la gaita par far la animassion dei
baile e feste. El piasere dea me vita l`é veder l`é persone che baleva alegremente, bisogna che
sèpie che mi son nato ntei campi dela cità de Soledade, fiol de pupà brasilian e mama taliana.

De mio pupà, go imparà a sonar la gaita ancora de ceo e dela mia mama go impara a parlar el
idioma Talian e soratuto, con so dolcessa, la me ga insegnà l`preghiere e la credensa in Dio e la
Madona.

Alora el nono ghe ga ofrio ospedaletà, questi zera i costumi locai in quei tempi che l`é
persone gavea umiltà e simplissità. Cossì el foresto se ga acomodà nte una pìcola stansa del
paiol, andove se depositea el mìlio e quel zera vodo e lu alegro ga acetà. Dopo de quel giorno
fredo de inverno ntel ano de 1944, el ga risolvesto de star par due o tre mesi, ntel paeselo dei
noni, par sonar una múcia de baile e dopo de ciapar una sbranca de schei, andar via a altro
posto. Dopo par tanti ani el ga ritornà al paeselo dei noni, la par sora í monti e quando i savea
che la animassion del baile zera del Serapião vignea gente de altri posti a lontan.

Adesso go la fedùcia de dir che l`é stà el pi talentoso sonador de gaita che se gavea in quei
tempi. Nte so man grande el gavea la forsa par ribaltar un caval, però anca la suavità de chi
fà una magia e con perìssia e incanto fea suo ofìssio. Cossì quando i so dedi scominsiea
arpegiar í botoni dela gaita, vegnea fora la rissonansa de mila osèi, co`l sonar de la più
campana, insieme de una melodia che fea nostra ànima impienirse de contantessa. Par tanti
ani el ga ritornà, par riveder i amici e far la animassion de baile e feste in tuta la colonia.

Ntei ani otanta del sècolo passà, un giorno ga vignesto una notìssia che ga maltratà nostro
cour... El Serapião zera morto e la gaita vècia la ga portata via insieme nel casson.

Cossì zera el sonador dea campagna, che co suo talento, l`era un gran artista e co so ànima de bontà el ga menà alegria e felissità a quela gente dela colònia, scarsa de divertimenti e co`l son dea so
gaita de oto bassi ga dindola la passion de tanti morossi dea colonia. Dopo tanti ani, ntel
silénsio de me ànima, me par de scoltar ancora el tintinar de quela gaita vècia, el son più belo
che go mai sentisto!

Ademar Lizot.



O Gaiteiro da Colônia

Seu nome ninguém sabia, acho que nem ele mesmo sabia, foi num dia frio do inverno de
1944 que chegou na colônia de meus avós, “Linha Bonita”. Que vinha de longa distância, se
via nos seus olhos cansados, devido a longa viagem a cavalo. No momento da chegada o
forasteiro pediu permissão para desmontar, então meu avô lhe disse:...
-Apeie me acompanhe num vinho”.
O vivente apeou do cavalo, sacou o chapéu da testa e com fidalguia
cumprimentou a todos, assim de mão em mão. Todos virão que ele se vestia sem luxo, usava
bombacha de brim cinzenta, desgastada pelo tempo, chapéu de aba larga, preso num
barbicacho de couro que passava por baixo da barba negra. Na cintura uma guaica, para levar
os pilas e além de uma adaga de cabo prateado, trazia atravessado um trinta e oito,
ferramenta necessária naqueles tempos para quem viajava solito. Nos pés calçava um par de
botas, cano alto, presas num par de esporas de cinco dedos, estilo “chilenas”. Nos pescoço,
atado o lenço branco de seda e nas costas, atada por um cordão de couro trançado, trazia uma
gaita botoneira de oito baixos.
Era um Homem de estatura, mais de 1.90 de altura, tinha cabelos negros, bigode grande e
farto, voz potente e clara, igual os cantores de igreja. Falava sempre com a tranquilidade de
quem tem confiança em sua coragem. Naquele dia, depois de beber um gole de vinho, com
educação ele falou:...-Obrigado meu patrão por vossa hospitalidade, permita que me
apresente, meu nome e também meu apelido é “Serapião” e o meu serviço é tocar esta
sanfona na animação de bailes e festas por essa colônia afora. Meu prazer é ver as pessoas
alegres bailando. Sou dos campos de Soledade, meu velho pago querido, sou filho de pai
brasileiro e de mãe italiana. De meu pai aprendi o ofício de gaiteiro e de minha mãe aprendi a
falar o idioma Talian e principalmente a dizer as orações e ter fé em Deus e Nossa Senhora.

Naquele dia meu avô lhe ofereceu hospitalidade, o que era lei naqueles tempos de gente
simples e sincera. Foi acomodado num quartinho nos fundos da casa, o qual aceitou com
alegria. Assim depois daquele dia frio do inverno de 1944, o gaiteiro resolveu ficar por dois ou
três meses, para animar alguns bailes e festas e assim juntar uns pilas na guaica.

Foi num dia dos anos 80 do século passado que veio uma notícia que judio nossos corações, o
Serapião foi-se embora e a gaita velha foi no caixão. Sempre tive a certeza de dizer que aquele
gaiteiro foi o mais talentoso naqueles tempos. Suas mão tinham força para derrubar um
cavalo, mas também a suavidade e magia necessárias no manuseio da oito baixos. Assim com
talento de grande artista e com sua alma plena de bondade, muitas alegrias levou aquela
gente simples da colônia.

Agora depois de tantos anos, as vezes no silencio de minha alma, até parece que escuto
novamente o tinido da oito socos da gaita do Serapião, o som mais lindo que já ouvi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.