Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

sábado, 2 de junho de 2018

La Matina de la mia infansa - As manhãs de minha infância - Ademar Lizot

Í me genitori sempre í se alsea sú bonora...
Vanti s-ciarir el di, a l`alba, sìnque ore, sìnque e un pochetin, la fiama del fogon l`era impissà
e l'àqua de la sialera drio boier, par far el simaron e dopo el café.

Prima de tuto, vanti alsarse sú del leto, í fea l`é so preghiere al Signor e la Madona, dopo in
cosina, intanto che la mama pareciava el simaron, el pupà impissea la fiama del fogon e dopo el
sentea in so carega predileta in torno del fogon, in testa suo capel de pàia de formento, el se
vestiva sempre con robe sensa lusso, la ùnica vestimenta de lusso che`l gaveva par vestise ntei
giorni de festa, zera una bombàcia grossolane de brin sénare de confession artegianal, fate in
casa par la mama, dopo un fassoleto bianco par strender nel col e un capel de feltro, che´l
porteva co l'ala scavensada in sú, caraterìstica de chi no ga mea dèbiti con nissun. La mama,
sempre bela con so fassoleto in testa, dopo de taiar la polenta par brustolar ntea siapa del
fogon, sentea par bever el simaron. In quel s-ciarir de di dea mia infansa, qualunche che
passea davanti dea nostra casa, podea veder la strissa de fumana del camin del fogon, drita in
diression al cielo. In quel tempo anca mi levea su bonora del leto e quando rivea ancora meso
indormesà ntea cosina, la mama me ciapea ntei bràssi un pochetin, dopo la me sentea dadrio
del fogon ntea cassa dea legna, el mèio posto dela residensa. Mi zera el pupin dea casa, gavea
4 o 5 ani de età, í me fradei pi vècii í zera belche maridadi e de star in altra casa a lontan. Sempre
penso che go nassesto par sbàlio, parvia de la difarensa de la mia età con la età de me fradei.

Tutavia sempre rigràssio al cielo, parvia che`l destin, ntea mia infansa me ga regalà co`i me
genitori solamente par me. In quei momenti de matina bonora ntea cosina, stea fermo su con
le récie, parvia che me piasea tanto scoltar l´é parole de verità, parole de due ànime gemele
che`i se volea tanto ben, che`i parlea sempre in Talian e par lori, quelo zera el mèio momento
del di, parvia che el rispeto e el amor fra de lori, stea ancora più forte e mi se anca picinin, go
imparà cossì, co`l esémpio de mio pupà, che la genorosità, la dolcesa, el rispeto e l`amor, ze
la mèio condota de un omo con so sposa. Questa imàgine la go par sempre rento dea mia
scátola dei ricordi.

Cossì zera el s-ciarir del di ntea mia infansa de tossatel povereto, scarso de robe, de scarpe o
de altri regali, però una infansa piena de contantessa, soratuto parché el mio pupà zera el
signor Antonio e la mia mama la Signora Luiza e lori i me ga fato con caprìcio, con òcii che vede
ben, cuor che bate forte e pien de amabilità e soratuto i me ga insegnà la credensa nte un
Signor-Dio, pien de bontà e giustìssia.

Ntele matine dea mia vita, no go mea portà avanti el àbito benedeto de levar sú bonora,
compagno de mei genitori, parvia che so un omo de altro tempo e adesso che so drio viver in
meso de paredoni de concreto, no go mea pi la gràssia de scoltar la orchestra benedeta de la
natura insieme del cantevo dei osei e gnanca el osamento del gal no'l go pi la gràssia de scoltar.

Tutavia í insegnamenti che go eredità del pupà e mama, í ze par sempre dento de me ànima.
Adesso de matina, quando insieme de mia sposa, ntea cosina, semo drio bever el simaron e
parlando con rispeto e dolcesa, quelo l`e par mi un s-ciantin che me vien el sentimento che`l
pupà Antonio e mama Luiza, i ze nantra volta vissini a me. Alora co´i òcii saradi me par de
sentir che`i me passa la cuia del simaron cossì de man in man e anca me vien la fedùcia che
con so ànima de simplissità, i ze drio benedir a noantri due.

Ademar Lizot.



Tradução para português



Meus pais sempre acordaram cedo demais...

Ao clarear o dia, pelas cinco horas, o fogo já estava aceso e a água para o chimarrão no
ponto certo. Antes de sair da cama eles diziam suas orações. Depois na cozinha, enquanto a
mãe preparava o chimarrão, meu pai acendia o fogo e aquentava a água para o mate sentado
em sua cadeira predileta ao redor do fogão, com seu chapéu de palha de trigo.

Sempre se vestiu sem luxo, suas única vestimenta de luxo para os dias de festa era uma bombacha de
brim cinzenta, simples e rustica, que a mãe mesmo costurava, tinha também um lenço branco
de seda para usar em volta do pescoço e um chapéu preto de feltro que ele usava com a aba
erguida na testa, característica de quem não deve nada para ninguém. A dona Luiza, sempre
bela com seu lenço na cabeça, cortava as fatias de polenta para sapecar na chapa do fogão e
depois sentava para beber o chimarrão.

Naquelas manhãs de minha infância, quem passa-se na frente de nossa casa, veria um filete
de fumaça em direção ao céu, saindo da chaminé de galo na ponta. Naqueles tempos eu
também saltava cedo da cama, chegava na cozinha ainda meio dormindo, ganhava o colo
gostoso da dona Luiza e depois sentava na caixa da lenha atrás do fogão, para mim o melhor
lugar da casa. Eu era nenê, tinha 4 ou 5 anos de idade, meus irmãos já estavam casados e
morando distante.

Eu nasci no tempo errado, devido a diferença de idade com meus irmãos, mas também
agradeço aos céus pelo destino em minha infância ter me presenteado com meus pais
somente para mim. Assim naquelas manhãs de minha infância, sentado na caixa da lenha, eu
ficava calado, porque gostava de escutar as palavras de meus pais, palavras sinceras de duas
almas que se queriam bem. Aqueles momentos eram os melhores do dia, porque o respeito, a
generosidade e a doçura revigorava o seu amor. Assim aprendi a maneira que um homem
deve tratar sua esposa, com respeito, doçura e amor.

Assim eram as manhãs de minha infância, de menino pobre, porem feliz, principalmente
porque o meu pai era o Seu Antonio e minha mãe a dona Luiza e eles me fizeram muito bem,
com boa visão e coração forte, que bate pela simplicidade e a generosidade e me ensinaram a
ter fé em um Deus de bondade e justiça.

Nas manhãs de minha vida eu não mantive o abito sagrado de meus pais de sempre
a levantar cedo demais, até porque sou um homem de outro tempo, entre os paredões de
concreto que vivo, não tem espaço para a orquestra divina dos pássaros e nem do canto galo
sou merecedor, porem nas manhãs de minha vida, sempre que estou mateando junto de
minha prenda querida, me vem o sentimento que a dona Luiza e o seu Antonio estão junto a
nos, mateando, passando a cuia assim de mão em mão e com sua autenticidade nos abençoando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.