Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

domingo, 21 de outubro de 2018

La morte di Corbari - A morte de Corbari (de Giuseppe Bartoli)

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui
Para baixar o áudio dessa música clique aqui

Dica de postagem: Marcos Antonio Corbari/Seberi-RS

 
La morte di Corbari 

Si rovesciavan come spighe di grano
Tra bestemmie che sembravan preghiere 
Verso il cielo palle di schioppo sputate tra i denti 
Andava il nome di Maria e degli altri santi, il primo a cadere fu Corbari
I per il tonfo tremò la terra e fu subito sera 
Li disteso ribelle senza più ali, raspava dal male
Con quella manaccia grande e contadina buona era la terra...Grassa e fine 

Raspa Corbari raspa se vuoi trovare  l'eterno concime della libertà
Il sangue romagnolo che ha ubriacato ogni cuore 
Stringi la terra è sempre quel profumo
E' sempre l'amore della stessa mamma che ti fa da letto povero figlio di Romagna
Stringi ed alza la testa "Su Canaglia!!!!"

 Si alza la camicia insanguinata, sembra un lume a marzo lume di primavera,
È bello lasciare la propria vita per una bandiera 
E quando anche l'ultima sfoglia di sole spolvera d'oro tutta la campagna il partigiano muore...Il partigiano muore.
Davanti a lui un popolo di contadini prega e bestemmia a testa bassa
Sopra di lui una banda di assassini ride con la vergogna in faccia
Brigante della libertà e prepotente ma schietto com'è schietta la sua gente 
Schietto come i nostri giorni passati vicini alle stelle 

Raspa Corbari raspa se vuoi trovare
l'eterno concime della libertà
Il sangue romagnolo che ha ubriacato ogni cuore 
Stringi la terra è sempre quel profumo
E' sempre l'amore della stessa mamma che ti fa da letto povero figlio di Romagna
Stringi ed alza la testa "Su Canaglia!!!!"


A morte de Corbari (de Giuseppe Bartoli)

Derramou como espigas de milho
entre maldições que pareciam orações
Contra o céu bolas de canhão cuspidas entre os dentes
Andava em nome de Maria e outros santos, o primeiro a cair foi Corbari
Devido ao baque a terra tremeu e anoiteceu imediatamente.
 Deixou estendido rebeldes sem asas, raspou do mal
com aquela mão grande e camponesa boa era a terra ... Gorda e pronto

Raspa* Corbari , raspa se quiser encontrar o eterno fertilizante da liberdade
O sangue Romanhês que embriagou cada coração
abrace a terra tem sempre aquele perfume
É sempre o amor da mesma mãe que te faz dormir pobre filho de Romagna
abrace e levante a cabeça "Levante canalha !!!!"

Ele levanta sua camisa ensanguentada, parece uma clarão de março, luz de primavera,
é lindo dar vida por uma bandeira
e quando a última folha de sol burrifar todo o campo com ouro o guerreiro morre ... o guerreiro morre Na ferente dele uma multidão de agricultores rezam e bestemam de cabeça baixa
Em cima dele uma gangue de assassinos riem com vergonha na cara
Brigante da liberdade e arrogante, mas franco assim como sua gente é franca
Franco como os nossos dias passarados perto das estrelas


Curiosidade sobre essa música:

É uma adaptação de uma poesia de Giuseppe Bartoli no dialeto Romanhês (da região da Romagna) para o italiano. A poesia foi feita para Silvio Corbári, medalha de ouro na resistência
deixarei a poesia original nesse dialeto abaixo:

LA MÖRT ED CURBERA
Silvio Corbari


I s’arbuteva coma spig’d grân
cun del biastèm che pareva preghir
e vers e’ zêl
pal’d s-cióp spudedi fra i dént
l’andeva e’nom’d Maria e chietar sént
E prèm a caschê e fo Curbera
e par la bòta
o tremê la tëra e o fo sobit sera
A lé stuglé, ribèl senza pio’ él
u raspeva da e’ mêl
cun cla manaza grânda e cuntadéna
bôna l’era la tëra
grasa e féna
Raspa Curbera, raspa stvò truvé
l’eteran cunzem dla libartê:
e’ sangue rumagnöl
cla imbariaghê ogni côr
Strèca, strèca la tëra
l’è sèmpar cl’udôr
l’è sèmpar l’amôr dla stesa mâma
cut fa da lët pövar fiol’d Rumâgna
Strèca ed elza la tësta, so canàja!
L’as drèza la camisa sanguneda
la pê ôn lôm a Mérz, lôm’d premavera
l’è bèl finì e’ su dé par na bangera
E cvànd che la prema sfója’d sôl
la spôrbia d’ôr tota la campagna
e’partigiân e mör
Bsén a lô ôn pòpul’d cuntadén
o prega e o biastèma a tësta basa
Sôra a lô na bânda d’asasén
la rid cun la vargôgna in faza
E’ sôl c’nas e dà vita a la brèza
nud coma Crèst, inciudê tna trèza
e pasa per l’amiga campâgna
l’ultum re dla muntâgna
Brigant dla libartê e preputént
ma s-cét com l’è s-cét la su zént
s-cét coma i nost dê pasê bsén el stël
fra e’ piânt’d mâma e cvèl de parabël


*Raspar no sentido de arranhar, esfregar. Raspa significa também, grosa, ou seja "raspar = grosar"
Postagem e tradução: Jaciano Eccher

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.