Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Tempo meso tristo - Ademar Lizot

Ascoltemo el pròprio Lizot:
  Tempo meso tristo

Sti ani el nono me ga dito che el tempo l`é compagno de un caval resoluto che trota par non rivar tarde. Adesso posso dir che questo caval
anca mena ntea grupa la modernità e la gratanta parlada evolussion, piena de costumi strànii in che la onestità e el rispeto ga daventà virtù
desmentegàbile, che fa í òmeni sbandonar la fraternità e la moral e zo dei sarvei, i camina in diression ala perversità. Tuti mati no i ze mia boni de capir che quando no se ga almanco na s-cianta de moralità el destin ze el pròpio fin. Cossì parvia de questi costumi strànii de ancoi, che gnanca buon giorno nò se pronunsia più, el mio semblante l`é meso tristo, sconto dadrio el vel dela malinconia, parché sempre me vien el pensiero che l`é persone cha ga alsà su el carater con onestità e simplissità, le ze drio caminar in diression al pròpio finimento, parvia dela mancanda dela abilità de adatarse a questa evolussion.
El nono anca parlea che el tempo ga sempre rason, e se fa avanti par tuti. Adesso i me cavei i ze grissi e í mostàcii grissi anca quei, go el semblante tristo, però tante volte anca seren, compagno el silénsio sacro de una ciesa, parvia che í ricordi e insegnamenti de bontà e pace i ze intaià ntea me testa, compagno de un serno de legna co`l medèssimo color dela stela d`alba, che brusa sensa fin ntea imensità del ciel. Ntea pace dea mia casa, quando sguardo la luna che smorsa la luce del di, l`é un momento de mansuetùdini, che go la sensassion gradèvole che el tempo passa anca pinpianeto, alora con caprìsio parecio el simaron pasturà de fòie de pometi, e quando l'àqua calda del verdo benedeto scalda mio peto, me vien in ànima el sentimento de speransa de un mondo mèio, l`é un s-ciantin che ricordo dei insegnamenti del nono, dele so parole de sapiensa quando afermea che l`eredità più bela e mèio di ogni patrimònio, che í genitori possano nominar ai fioi, ze el esémpio de una vita de onestità,
parvia che sensa onestità, nó se ga mea dignità.

Dopo quando la note con so òcii negri scominsia riposar piena de aflission, impinisso nantra volta de àqua la cuia del simaron e co`l semblante iluminà de serenità e pace, fau el giuramento de che soto mio capel, ga da esser sempre un cristian del tempo antigo che porta rento del peto la simplissità e el rispeto.

Ademar Lizot.

Tempo meio triste

O tempo passa depressa, é igual a um cavalo de confiança e
chegador, que leva na garupa a tão falada evolução, com seus costumes
estranhos, em que a honestidade e o respeito são virtudes esquecidas, e
que o homem esquece de seus princípios e a humanidade caminha em
direção a perversidade, pois quando a moral se entrega o homem chega
ao seu próprio fim. Estes costumes de hoje em dia, deixam meu
semblante tristonho, quase sempre escondido atrás de um véu de
preocupação por causa desta tão falada evolução, em que as pessoas nem
bom dia dizem mais, e também sempre tenho em mente que as pessoas
que construíram seu caráter com honestidade estão caminhando com
destino ao próprio fim, devido a falta de habilidade de adaptar-se aos
costumes perversos de agora
O tempo tem sempre razão, agora meus cabelos estão brancos e
minha barba também, meu semblante é tristonho, mas também muitas
vezes sereno igual o silencio sagrado de uma igreja, pois os ensinamento
de bondade e paz estão gravados em minha mente e são igual um cerno
de guajuvira da cor da estrela d`alva que brilha na imensidão do
firmamento e quando estou na paz de minha casa e vejo a lua apagar a luz
do dia, é um momento de mansidão que me traz a sensação de que o
tempo passa devagarito. Então, sempre ouvindo uma canção do Rio
Grande antigo, com capricho preparo meu chimarrão, cevado com folhas
de maçanilha e quando a água quente do verde bendito aquece meu peito
me vem o sentimento de um mundo melhor. É um momento que lembro
dos ensinamentos de meus pais e avós, de suas sábias palavras quando
afirmavam que a melhor herança, o melhor patrimônio que os pais podem
deixar a seus filhos, é o seu exemplo de uma vida honesta, porque sem
honestidade não existe dignidade.
Depois quando a noite com seus olhos negros dorme aflita, encho
novamente a cuia de mate e com meu semblante iluminado de serenidade
e paz, faço o juramento de que abaixo de meu chapéu sempre terá um
cristão do tempo antigo que leva dentro peito a simplicidade e o respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.