Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Viàio a l`Itália (parte 4) - La Cità del Nono - Ademar Lizot

Ascoltemo Ademar Lizot con la stòria:



“Nono, semo ritornati a vostro paeselo de nassità”

La prima doménega del mese de setembre, passà, son
andato cognosser la comuna di Cesiomaggiore, Santa Giustina, Provìnsia de
Belluno, ai piè dele Dolomiti ntei Alpi Italiani. A le tre in punto, al dopo el meso
di, go pestà par la prima volta ntel paeselo che a 130 ani vanti ga visto
scominsiar la stirpe dela mia gente. In quel momento go ciapà in man un
pochetin de quela tera benedeta e co`i òcii alsadi sú al cielo, go ringrassià al
Signor per la gràssia de cognosser el paeselo de nassità de mio nono.”

Alora con òcii pieni de incantamento, go remirà el paesàgio
spetacolare dela località che se slonga dela region montagnosa dele dolomiti di
Cimonega (2.548 metri de altessa), fin la riva destra del fiume piave e fa parte
del “Parco Nazionale dele Dolomiti Bellunesi”, património dela umanità,
andove si trova ancora una natura incontaminata, flora e fàuna de insòlita
richessa. Questo teritòrio zera abità ancora ntea època pre-romana, l`é un
munissìpio, che posso dir sensa paura de sbàlio, che'l ze povoà par persone de
laborosità e soratuto, una stragranda credensa in Dio, parvia dela abastansa de
ciese, capitei e oratòrie, tute construssione ornate de un notàbile interesse
stòrico, compagno dela ciesa di Arcipretale dedicata a Santa Maria Assunta,
andove ntel ano de 1876, mio nono Umberto Lisot ga ricevesto el batésimo.

In quel giorno vanti del sol butarse zo dadrio al tramonto, go rivà
anca ntea località andove ancora ga la casa che ga nassesto mio nono. Di de
ancoi la ze sbandonata, però ancora in piè, drio far una sfida al tempo, vero
testimònio dela competensa dei construtori. Mio bisnono Giosuè e suo pupà
Eustachio, la ga alsada sú ntel ano de 1872, de sassi tuti taiadi con caprìssio e
metesti a posto con passiensa. Con emossion go palpà ntei sassi dele so parede,
che i me antenati a tanti ani vanti, í ga bagna co`l sudor che ghe scoreva par el
viso. Cossì, nte quela doménega indesmentigàbile, quando la calmaria dele
Dolomiti fea so ombria più soave par sora la pianura del vale, le un giorno che'l
ga da èsser par sempre intaià ntea me scàtola dei ricordi, parvia che so un
cristian de sentimento che porta rento del peto el rispeto e la stòria dela mea
gente. Davanti quela casa vècia, adesso squasi in rovina, che ga visto a tanti ani
vanti transcorer la infansa de mio nono, ntel silénsio dele so parede, go cavà el
capel dela testa in onor ai antenati e nte quel s-ciantin me ga vignesto la
impression che nte quela bela doménega, co`l permesso de San Piero, mio
nono Umberto e mio pupà Toni i zera qua zo in tera e nte quel s-ciantin, vissini
a me, de una banda me parea de veder el nono, con suo capel de color negro e
ntel`altra banda mio pupà con suo vardar, che zera una mescolansa de
teneressa co un ciaro de tempesta. Ricordo che in pensiero go dito...

-“ Nono,semo ritornati a vostro paeselo de nassità.” Dopo go scominsià a caminar par
una stradeta postata tra meso el prà e la Montagna par respirar l'ària serena
dei Alpi e vanti dei sudori in testa, go bevesto l'àqua lìmpida dela fontana, la
par sú dei monti, andove ga la fioritura più bela del mondo.

Quando í òcii negri dela note, insieme dela calmaria dei monti sgionfea mio cuor
de malinconia, l`era el momento dela partenssa, alora go remirà par la ùltima
volta che'l paeselo e davanti el silénsio dela montagneria , compagno ga fato
mio nono 130 ani vanti, go dito un Adio definitivo, parvia che mi son de
quel'altra banda del grando oceano e el verdo dei boschi dela Mérica Latina ga
consà mio sàngue, che insieme dele note bele de luna piena, dela Provìnsia
de San Piero, ga iluminà mia infansa.

Ademar Lizot.

Tradução 

A Cidade do Nono

Foi num domingo, o primeiro do mês de setembro próximo passado quando
cheguei na Cidade de Cesiomaggiore, Santa Guistina, Província de Belluno Itália,
aos pés dos alpes Italianos. As 3 horas em ponto, depois do meio dia, pisei pela
primeira vez na terra Venêta, que a 130 anos atrás viu iniciar a estirpe da minha
gente. Naquele momento peguei na mão um pouquinho daquela bendita terra e
voltei meu pensamento ao Pai Celestial para agradecer pelo por ali estar. Depois
com os olhos plenos de encantamento comecei a admirar o local em que nasceu
meu avô e que é a porta de passagem para as “Dolomitas Bellunense”. É um lugar
paisagisticamente espetacular que vai da região das “Dololiti di Cimonega” a 2548
metros de altura, até a margem direita do rio Piave e faz parte do “Parco Nazionale
dele Dolomiti Bellunesi”, patrimônio da Humanidade. É um lugar majestoso onde
ainda se encontra uma natureza sem poluição e uma flora e fauna de insólita
riqueza. Este território de Cesiomaggiore, já era habitado na época pré-romana,
agora é um município, que posso dizer com certeza que é povoado por pessoas
laboriosas e caprichosas e acima de tudo possuidoras de uma grande fé em Deus,
aja visto o grande número de igrejas, capelas e oratórios, todos construções de
notável valor histórico, igual a igreja de Arcipretale, dedicada a Santa Maria
Assunta, onde no ano de 1876 foi batizado meu avô.
Naquele dia, antes do sol esconder-se por detrás dos montes, cheguei na
localidade onde ainda existe a casa onde a 136 anos nasceu meu avô. Agora
abandonada, porém ainda firme, desafiando o tempo, confirmando a competência
de quem a construí. Meu bisavô Giosué e se pai Eusthachio a construíram no ano
de 1872, toda de pedras, entalhadas com capricho e colocadas com paciência. Foi
emocionante tocar aquelas pedras e paredes, que a tantos anos atrás meus
antepassados banharam com o suor de suas faces.

Aquele domingo inesquecível, quando a calmaria das Dolomitas fazia sua
sombras mais suave por sobre o vale, estará para sempre gravado em minha
memória e meu coração, porque sou um homem de sentimento que leva dentro
do peito o respeito e as lembranças de minha gente. Assim em frente ao casarão,
agora quase tapera, que no passado viu transcorrer a infância de meu avô, ali em
frente ao silencio de suas paredes, saquei meu chapéu da testa em honra de meus
antepassados e naquele momento tive a impressão, que naquele domingo, com a
permissão de São Pedro, meu avô e meu pai estavam aqui na terra e junto comigo,
de um lado com seu chapéu preto na testa, ao estilo do Rio Grande antigo, meu
avô, e ao seu lado com sua bombacha sem luxo e ainda com seu olhar, que era um
misto de ternura com lampejos de tormenta, meu pai. Então em pensamento lhes
disse:.-“.Estamos aqui, retornamos ao lugar em que nasceste, agora vamos juntos
caminhar pela estradinha entre o campo e a montanha, para respirar outra vez o ar
puro e beber da água límpida da Fontana.
Quando os olhos negros da noite, junto da calmaria da montanha, trazia um
aperto em meu coração, neste momento admirei pela última vez aquele lugar e o
silencio das montanhas e igual meu avô a 130 anos atrás eu também disse um
Adeus definitivo, pois meu lugar é no outro lado do grande oceano, pois a verde
mata da América Latina temperou meu sangue e as noites lindas de lua cheia da
Província de São Pedro, iluminaram a minha infância.

Imagens da casa da família Lizot:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.