Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

El Ricordo d`un Tosatel

Ascolta Ademar Lizot spunciando soto:



El Ricordo d`un Tosatel                            


         Quasta stòrieta che ghe conto adesso, nò le mea una fròtola, sicuro a tutiquanti che la ga  pròpio sucedesto ntei remoti ani 40 del sècolo passà  e  fin di de ancoi el mio fradel più vècio, con òcii de bonafede la raconta, l`é un ricordo che  so òcii de tosatel  ga testimònia  insieme de nostro pupà e mama quando el gaveva 8 ani de eta.                                                                                                                                                                                                                                                                             Coreva el  ano de 1943 del sècolo passà, quando el mondo zera in guerra, la pi bruta de tuti tempi,  e qua nel Brasil el idioma talian, la nostra lengua materna,  nò se podeva mea pi doperarla. Nostra fameia nte che`l ano  zera de star  nte le tere nove dela Provìnsia de Santa Catarina, località de “Rancho Queimado”, paeselo de Campos Novos e  nte che`l ano remoto nte una domènega, mese de setembre, el pupà e la mama e mio fradel i ga andato nte una festa nela sede dela comunità, 5 km a lontan de so casa. L `éra na festa in omàgio a la Madona e anca par domandar in preguiera el finimento dela guera.  Nte quel paeselo la maioransa dele persone zera de orìgene Veneta e pochi che`i   savea parlar el portughese, cossì quei pi spauroni i zera tutiquanti cieti, fermi e sù co l `rècie, atenti de nò parlar gniente in talian, parvia che sempre gaveva qualchedun par denunsiarli a la autoritá o darghe bastonade.
              Mio pupà ga mai acetà quela lege piena de imbessilità contra la nostra lengua materna e nte che`i tempi de brutalità co na mùcia de persone rabiose e soratuto ignorante, posso dir che`l  no`l ga mai assa li de parlar in talian, e sempre el ga  difendesto coraisamente el suo punto de vista, però par  tante volte ga toca de difenderse dei rabiosi e ignorante.  Cossì anca nte che`l giorno, nte quela festa anca el ga parla in talian co la vose de chi nò ga mea vergogna de so orìgene.
              Alora nte quela bela domènega de setembre, quando í ritornea casa dela festa par una stradeta postata tra meso el fiume e el bosco, due brasiliani de ànima rabiosa, i  ghe ga salta dosso par darghe bastonade, i dissea in osamento:-“Vamos surrar este gringo de relho, pra ele aprender a falar língua de gente,” e compagno de una tempesta i ga vignesto in diression de mio pupà,  parchè i catea che`l fusse corer fin che`l gavesse gambe. Tutavia se anca mio pupà el fusse un contadin de pace e laoro e con òcii de amabilità, el gaveva nte suo vardar anca un ciaro de tempesta e una gratanta forsa ntei brassi  parvia de suo laoro de ribaltar mato co la manera, arar co`i boini  e segar tore de piante co`l segoto de man. L`éra  un cristian de sangue veneto nte l`é vene  e un veneto nò recula e gnanca la morte lo comove. Cossì quando che`í due matussei i ga fato colpo de darghe una scuriada, mio pupà ga ciapa la scùria co la man drita e co la sanca el ga dato un tremendo de`n pugno nel naso che lo ga trato in tera  pien de sàngue e che`l altro, penso mi che`l zera de quei che quando vede se sangue se spaura, parvia che`l ga scampà via a tute gambe quando el ga visto suo amico svanì e co`l  viso sfigurà.
            Cossì ga sucedesto nte quela domènega del 43, quando una fameia,  de contadini  ritornea dela festa dela Madona e due viliachi de ànima rabiosa  i ghe  ga salta dosso par garghe scuriade, però í le ga ciapade de un contadin che`l gaveva nel vardar una mescolansa de amabiltà con un ciaro de tempesta e che vignea cieto con so fameia par una stradeta postata tra meso el fiume e el bosco.
Ademar Lizot.

      A Lembrança de um Menino
     Esta história que lhes conto não é uma ficção, asseguro que realmente aconteceu nos remotos anos 40 do século passado, e até os dias de hoje meu irmão mais velho com convicção a conta, é um recordação que seus olhos de menino testemunharam juntos dos pais quando ele tinha 8 anos de idade.
     Corria o ano de 1943 do século passado quando o mundo estava em guerra, a mais brutal de todos os tempos e aqui no Brasil, o idioma talian, nossa língua materna, estava proibido. Nossa família nesta época residia nas terras novas do estado de Santa Catarina, localidade de Rancho Queimado, município de Campos Novos e foi naquele tempo remoto que em um domingo, mês de setembro, meus pais e irmão foram a uma festa na sede da comunidade, distante 5 km dela casa.  Aquela era uma festa em homenagem a Nossa Senhora e naquela localidade a maioria das pessoas eram descendentes de imigrantes venetos, assim poucos sabiam falar o idioma português, assim procuravam não falar para não serem denunciados as autoridades.
     Meu pai jamais aceitou aquela lei desprovida de legitimidade, contra nossa cultura e idioma materno  e naqueles tempos de brutalidade com pessoas enraivecidas e ignorantes, ele nunca deixou de falar no idioma talian e sempre defendeu seu ponto de vista com bravura, assim por muitas vezes teve que defender-se dos raivosos e ignorantes.
     Então naquele domingo de setembro quando a tardinha retornavam da festa por uma estradinha localizada entre o rio e o matagal, dois homens de alma raivosa atacaram meu pai com a intenção de surra-lo, aos gritos diziam:...-”Vamos surrar este gringo de relho, para ele aprender a falar língua de gente” e como se fosse uma tempestade vieram, pois achavam que nosso pai fosse disparar mato afora. Porem embora ele fosse um colono de paz e trabalho, com ternura nos olhar, ele também tinha nos olhos lampejos de tormenta e muita força nos braços devido seu trabalho de derrubar mato a machado, arar a boi e serrar toras com a serra de mão. Assim quando aqueles dois “valentes” desferiram o relhaço, meu pai com sua mão direita segurou o relho e com a esquerda desferiu um tremendo soco no nariz que derrubou o oponente ao chão com o rosto ensanguentado. Quanto ao outro atacante, posso dizer que era daquele tipo que quando vê sangue se apavora e dispara mato afora levando tudo por diante.
    Assim foi naquele domingo de 43, quando uma família de colonos retornava de uma festa e dois covardes de alma raivosa atacaram para bater de relho, porem apanharam de um colono que tinha no olhar um misto de ternura com lampejos de tormenta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.