Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

sábado, 3 de agosto de 2019

El Scurir ntel Inverno - Ademar Lizot

Spùncia soto par ascoltar el Lizot:



                                                     
                  El Scurir ntel Inverno
Ntel inverno, quando la note con so òcii negri, scominsia a riposar piena de aflission e menando insieme  un  silénsio che penetrà ntela me ànima co la someiansa d`un verso mastegà de malinconia, l`é un momento che  me vien in testa tanti ricordi,  adesso persi ntei sgorloni dela memória e el  mistério de quel silénsio porta anca un strucon a mio  cuor de contadin  che rento del peto bate par la simplissità, che bate compagno el mormólio del vent che  sufia ntele me rècie come se fusse el gémito lamentoso  d`una  ànima o el sussurro benedeto de una preghiera che me fa  ricordar de tanti bisognosi, porigrami che gnanca un canton  suo par dormir no`i ga o fursi anca scarsi de robe par scaldarse del fredo inclemente. Tutavia posso dir sensa paura de sbàlio che di d`ancoi el  fredo più doloroso l`é quel intaia rento dela ànima dei omeni, el fredo del orgòlio, dela arogansa, dele parole de rudessa, el fredo  dei òcii rabiosi, sempre pronti par agredir.          
                                                                                                                                                          Òstrega che me piase l`é note  frede de inverno, co`l ciel colmà de stele, la luna cu`n stragrando splendor e co`l vent che sufia ingiassando le rècie, l`é un fredo che me fa ricordar de sti ani, quando  zera picinin, ancora taca su l`é bombàcie de mio pupà e che  andea a l` scola caminando e spachea la brina, bela come se fusse neve co`i piè scalsi, un tempo  indesmentigàbile che la ntel interior  le persone i parea fin fradei, parvia che se  vivea  in completa  fradelansa, tempo de na benedeta inossènsia in che l`é done dopereva l`é cotòle sempre de soto dei denòcii e soratuto l`é gaveva na maniera semplisse e bela de farse remirar, l`éra un  tempo in che gnanca tuto el oro dele cave  dela tera zera sufissiente par comprar la onorabilità d`un criantian.                                                                                                                                                              Adesso tanti giorni, quando la note con so ombria piena de malinconia, sustitui la luce del sol, l`é un momento che  ringrassio al Signor par nantro giorno e  dopo ntel conforto dela mia casa,   sentà in torno del fogon,  co`una botìlia de vin,  ciapo el cavastròpole par verderla e cossì liberar l`anima dela ua e ntea prima sbocononada de quela bevida benedeta me vien na`arieta  de felicità  e el testimònio che la mèio richessa l`é volerse ben e la gentilesa fa la persona più bela, nò interessa so aparensa  e soratuto la felicità l`é fata de de cose semplisse, de momenti sublime compagno bever un bicier de vin  acompagnà dela femena dela mia vita,  che go conquistà cu`n stragrando caprìssio e co`l passar dei ani  go imparà che un grando amor rinasse tuti giorni cu`n bàcio  e una parola de dolcessa, compagno dei fiori che i rinasse ntela primavera.
Ademar Lizot.

 As Noites de Inverno
     
No inverno, quando a noite com seus olhos negros adormece plena de melancolia, junto vem um silencio que penetra em minha alma como se fosse um verso mastigado de saudades. É um momento de  lembranças, agora perdidas nos solavancos da memória e o mistério deste silencio provoca um aperto em meu coração de colono, que dentro do peito bate pela simplicidade, que embora as emoções já vividas, ainda bete igual o murmúrio do vento que acaricia minhas orelhas como se fosse o gemido lamentoso de uma alma ou o sussurro bendito de uma oração que me faz lembrar de tantos necessitados que nem um teto tem para dormir, além de poucos agasalhos para amenizar o frio inclemente. Todavia, posso dizer sem medo de errar, que o frio mais doloroso é aquele incrustrado na alma dos homens, o frio do orgulho, da arrogância, das palavras rudes  e dos olhos raivosos, sempre prontos para agredir.
    A la puxa, até que gosto dos dias frios do inverno, com o vento assoprando e gelando minhas orelhas, que me faz recordar de quando era menino, ainda segurando nas bombachas de meu pai, naquele tempo em que a caminho da escola, com os pés descalços quebrava a geada branca igual neve, um tempo inesquecível em que as pessoas se consideram como irmãos e se vivia em completa fraternidade, tempo de uma bendita inocência, em que as mulheres usavam os vestidos sempre longos, abaixo dos joelhos e tinham uma maneira simples e bela de fazer-se admirar, tempo em que nem todo o ouro das minas da terra era suficiente para comprar a honra de um homem.
   Sempre que a noite com sua sombra melancólica substitui a luz do sol é um momento que agradeço ao Pai Celestial por mais um dia e depois no conforto de minha casa, sentado ao redor do fogão, com uma garrafa de vinho, saco sua rolha para liberar a alma da uva e no primeiro gole daquela bebida bendita me vem o sentimento de que a melhor riqueza desta vida é querer-se bem, pois a felicidade é feita de coisas simples, de momentos sublimes, como degustar  um vinho acompanhado da mulher de minha vida, que conquistei com muito capricho e com o passar dos anos entendi que um grande amor renasce todos os dias com um beijo e uma palavra de  doçura, assim como as flores que renascem na primavera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.