Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

domingo, 18 de agosto de 2019

Fighera Alta-Ademar Lizot

Spùncia soto e ascolta la stòria de Ademar Lizot: 

                                                                                                     


 Fighera Alta
     El mio paeselo de nassità,  pochi i ga sentisto parlar. L`é localisà  ntela Provìnsia de San Piero del Fiume Grando del Sud e nte quel tempo che go nassesto,  ani cinquanta del sècolo passà,  el gaveva la denominassion de “Fighera Alta”, parvia d`una piantona de figheri, penso mi che la gaveva de pi de otanta ani de eta e  che ani vanti la gaveva servisto de protession e rifùgio ai  “ bùlgheri Kaigangs”,  i primi e legìtimi  paroni de quela tera,  localisata  tra meso el vali del fiume “Taquari” co`i campi andove el  vent minuano sùfia  e  in quei vali e campi verdegiante, quei zera pròpio bei de veder,  el “gringo” Talian e el Gausso “ pel duro”,  i se ga incontrà e i ga buo na longa convivensa in  completa fradelansa,  el talian  co`l formaio, polenta, salame e el benedeto vin e el gausso co`l sorasco de carne grassa insieme del sacro simaron, nte`una mescolansa de rasse e costumi intaiade nel cuor e ànima.   Quei pi vècii i contea quel primo cristian che ga abità  el paeselo dopo dei bùlgheri, el ga vignesto nel ano novesento e el zera un talian dela colonia  Isabel, di de ancoi cità de Bento Gonçalves, Lino Fighera zera el so nome e penso mi che i ghe ciamea cossì in omàgio a la pianta de figheri.   Ntel ano de 1922, i pionieri i ga alsa sù darente dela piantona,  la prima cieseta fata de tole de pin, ntela longhesa de cinque metri e querta de scandole.  Cossì nte quel ano la  comunità ga deventa distrito dela cità de Encantado, dopo ntel ano de 1942  nte quel posto i ga alsa sù na bela  ciesa,  fata de saci e matoni  in omàgio a San Joani Batista.  Alora  ntei ani  quaranta ga scominsia a vegner na mùcia de fameie taliane,  soratuto provegnente dele cità de Cassias, Garibaldi, Encantado e Veranópolis, i gaveva el  soranome Ferri, Fornari, Paludo, Gabiatti, Pitol,  Lisot e altri tanti che vigneva in serca de tere nove par alsar su la so vita, pieni de volontà de sviluparse co laoro e credensa in Dio, compagno de mio pupà Toni Lisot, quando ntel final dei ani quaranta  el ga alsa su na bela casa ntela via prinsipal e se ga stabilio con  comèrsio e stassion rodoviària.  Dopo ntel giorno sédese de febraio del cinquanta nove i ga fato la emansipassion política e anca cambià el nome del novo munissìpio par cità de Arvorezinha.   Però in mio cuor l`é par sempre la mia “Fighera Alta”, che pochi ga sentisto parlar e tera de erba bona par far simaron e paeselo andove sempre gaveva un cristian par verder la portà e dopo  ofrir ospedalità insieme d`un bel toco de sorasco e un bicier de vin  par copar la fame d`un forastier e soratuto  parvia de èsser el paeselo andove  le mie pestade se ga perso par sora la tera e gramadi o fursi par sora dei coridori  e scalin  dela casa bianca, sèmplice e sensa lusso che go nassesto e che la ze ancora la, drio far na sfidà al tempo, de soto dela ombria d`una maestosa fighera postata tra meso i boschi  e campi,  quei zera pròpio bei de veder.  
Ademar Lizot.  



                              A Figueira Alta
A cidade onde nasci poucos ouviram falar, está localizada na Província de São Pedro do rio Grande do Sul e no tempo em que nasci a localidade era chamada de “Figueira Alta” em homenagem a uma figueira majestosa, com mais de 80 anos de idade e que tempos remotos serviu de abrigo e refúgio para os índios Kaigangs, os verdadeiros  donos daquelas terras, que estão localizadas entre os montes e vales com a campanha onde sopra o vento minuano como se fosse o gemido da almas de tantos bravos. É o lugar onde o “gringo” Italiano e o gaúcho “pelo duro” tiveram uma longa convivência em completa fraternidade, um com a polenta, queijo, salame e o bendito vinho e o outro com o churrasco de carne gorda e o sagrado chimarrão. Os mais velhos contavam que o primeiro habitante do lugar, depois dos índios Kaigangs, veio de colônia Isabel, hoje cidade de Bento Gonçalves. Lino Figueira era seu nome, provavelmente o chamavam assim em homenagem aquela figueira. No ano de 1922 os pioneiros construíram a primeira igrejinha, feita de tabuas de pinho, no comprimento de 5 metros e coberta de tabuinhas, assim naquele ano a comunidade foi elevada a distrito da cidade de Encantado RS, depois em 1942 no lugar da igrejinha foi construída a nova igreja de pedras e tijolos, em homenagem a São João Batista.  Então nos anos 40 começaram a chegar várias famílias  de origem italiana, provenientes das cidades de Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Garibaldi, Veranópolis, de sobrenome Ferri, Fornari, Paludo, Gabiatti, Pittol, Lisot e outros mais, que vinha a procura de terras novas para refazer suas vidas com trabalho e fé em Deus, assim como meu pai Antonio Lizot, que no final dos anos 40 construiu uma bela casa na via principal e se estabeleceu com comercio e estação rodoviária.  Depois no dia 16 de fevereiro de 1959 veio a emancipação política  e o nome do distrito foi trocado para cidade de Arvorezinha. Porem em meu coração é para sempre a minha Figueira Alta, que poucos ouviram falar,  tera de erva buena para o chimarrão e lugar onde sempre tinha alguém para abrir a porta e oferecer um resto de churrasco para um andante e também lugar onde minha pegadas se perderam por sobre a terra e gramados ou talvez por sobre os corredores da casa simples e sem luxo em que nasci, e que está ainda lá, desafiando o tempo, sob a sombra da majestosa figueira entre os bosques e campos verdejantes.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.