Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sexta-feira, 12 de junho de 2020

La sfortuna de Salvatore Pasqualli - Ademar Lizot

Ascoltemo la stòria racontada par el pròprio Lizot:


   
                    Salvatore Pasqualli

   L`é stà nte una doménega de matina che  ga vignesto la notìssia che i gavea copà  Salvatore Pasqualli e  so caval.   
   Salvatore l`era un giovenot, vinte e pochi ani de eta e ntei bali e feste el zera sempre presente, de bona aparensa e ciacolon, ghe piasea tanto parlar, soratuto co le tose,  cossì  el gavea la fama de galanteador,  sempre con de pi de una morosa e del stesso modo,  de pi de un con voia de  darghe na fila de bastonade. El se stimea pròpio zera de so caval, un tordìlio  con maciete bianche, che trotea altiero, mastegando el freno e bufando  co`i òcii spalancadi.
   L`é stà el Pierin, un  trapel che'l zera sempre metesto in barufe, che ga portà la notìssia, el ga dito che  insieme de Salvatore, i ritornea del baile ntela cità de Soledade e Salvatore el vignea contento e pien de pròsia, parlando sora la tosa belìssima que'l gavea balà tuta  note e dei so giuramenti de amor eterno e malgrado la fusse  fiola d`un  estànsiero che gavea la cativa fama de violento, el volea presto ritornar par torla,  gnanca che fusse de scondion.   Nte quei tempi de rispeto e onor,  cossì che se alsea su le barufe.  I vigneva nte`un troto sensa prèssia, e quando i ga rivà in quel punto in che la stradeta se streta, squasi ntel pass del rieto,  ndove scominsia el bosco, alora i cavai i se  ga fermà e bufà spauridi, come se i fusse drio predir malagràssia e en sèguito  i ga scoltà una s-ciopetada dei veiachi de imboscada e ntel secondo tiro ga cascà par tera el caval,  ferì de morte.  
   Pierin,  spauroso  el se ga sconto in meso al bosco e Salvatore se ga indenocià dadrio de so caval morto,  con dolcessa el ghe ga slisà la grena e come sel fusse drio slisar i cavei d`un bambin el ga giurà vendeta e co la ràbia che lampegia nte le retine el ga scominsia a rebater la fusilaria e quando se ga fini la sucession de sparii  con de due o trè s-ciopetade ghe sbusando la pel, ga sbassà un clamor de morte  e una sanguera forte insieme de una bàrbara dormensa, però el zera ancora in lota e, quando se ga fini le bale, vanti de morir, a colpi de daga el ga fini de strassinàr  i nimighi, confermando che le pròpio giusto quel dito de un  provèrbio gausso che: “ I veiachi i mori svelti, però i bravi i mori pianpianeto”.
  Quando  el delegado ga rivà par registrar la ocorensa, fora  Salvatore  el ga incontra nantri trè  morti. Nò i ga mea identifica nganca un de quel trio e gnanca savesto el motivo de quela bàrbarie, però a soto vos el pòpolo  disea che i trè i zera gente del stànsiero pupà dela tosa belìssima.
  Adesso la nte quel punto ndove la stradeta se streta, squasi ntel pass del rieto, ndove scominsia el bosco, ga quatro crose, trè sensa inscrission e nte quel altra ga un nome: Salvatore Pasquali,  e la inscrission:” Qua riposà in pace un  giovenot che gavea la fama de smoroson e stimea tanto  so caval, un  tordìlio negro con maciete bianche, che trotea altiero, mastegando el freno e bufando co`i òcii spalancadi”.
Ademar Lizot.


Tradução

(Trad.)          Salvador  e  seu Cavalo
Foi num  domingo, que veio a notícia que haviam matado o  Salvador e seu cavalo.
Salvador era um tipo popular na localidade 20 e poucos anos de idade,  de boa aparência e sempre presente nos bailes e festas, de bombacha de dois panos, lenço branco ao pescoço e fama de galanteador, com mais de uma namorada ao mesmo tempo e mais de um disposto a dar-lhe uma surra. Estima tinha por seu cavalo, um tordilho negro com manchas brancas, desses que trotam meio de lado, mascando o freio e bufando com os olhos esbugalhados.
O Pedrinho, um tipo bagaço que estava sempre metido em confusão, foi quem contou o sucedido pois estava junto quando ocorreu o tiroteio. Voltavam de um baile el soledade e Salvador vinha contente, falando da moça linda que havia bailado toda a noite e das juras de amor eterno, e embora ela fosse filha de estancieiro com fama de violento, ele tinha intenção de em breve retornar para busca-la. Naqueles tempo de respeito e honra, assim começavam as contendas. Os dois amigos viajavam num trote sem pressa, e quando chegaram naquele ponto onde a estradinha se estreita, quase no passo do riacho onde começa o mato, os cavalos pararam e bufaram assustados come que prevendo tragédia, mas eles bancaram na rédea quase dentro do mato e foi ali que ouviram um grito de “morre canalha” e já no primeiro balaço planchou-se o tordilho morto.
Pedrinho assustado se escondeu atrás de umas arvores, enquanto Salvador ajoelhado atrás do cavalo, passou-lhe a mão pela crina e jurou vinga-lo,  e com ódio nas retinas começou a revidar o tiroteio e depois de uma sucessão de disparos, quando terminou as balas,  baixou um clamor de morte, uma sangueira forte e uma barbara dormência  e no final com 2 ou 3 balaços, já meio cego mas ainda peleando, agora a golpes de adaga, como que a confirmar aquele ditado gaúcho:  “covarde morre ligeiro e o taura morre aos pouquinhos.”
Quando o delegado foi registrar a ocorrência, além do salvador encontrou mais 3 mortos e o tordilho morto encilhado. Não foi identificado nenhum daquele trio e jamais se soube o motivo daquela barbaridade, mas o povo comentava que aqueles 3 eram gente do estancieiro, pai daquela linda moça.
Hoje em dia, naquele lugar onde a estradinha se estreita, quase no passo do riacho onde começa o mato, tem quatro cruzes, três sem inscrição e na quarta um nome: Salvador com a inscrição aqui descansa um jovem que tinha a fama de namorador e muita estima por seu cavalo, um tordilho negro, que troteava assim meio de lado, mascando o freio e bufando com os olhos esbugalhados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.