Pagine

Clique para entrar

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

El gato griso/O gato grisalho

Storieta/Estorinha


Talian e português.

                                                      
Talian

Adesso ve conto na stòria, fursi no volì créderme, ma la ze na verità santìssima, la ga sucedesto in Garibaldi tel 1925. Mi zera na tosatela de sinque o sèi ani.
Li rente la casa del pupà, a Garibaldi, i zera de star due zovenoti, de nome Vitòrio e Maria, che come vedì, i zera visini tra de luri e con noantri, ma luri i stea un par banda de la strada, ben davanti un de l’altro.

El tempo el passea sensa gnente de novo, ma, là par le tante, la Maria la ga scominsià vardar Vitòrio con i òcii del core.
Sto tosato el ghe piasea, ma no lo savea cosa far par darghe da intender i so sentimenti.
Sucede que Vitòrio el gavea un bel gaton griso che’l ghe volea tanto ben.
Sto gato l’era sempre drio le so gambe, ma lu el ghe dava poco da magnar, par lu, i gati i dovea viver de sordi o de oseleti che i se li ciapesse ntel paiol del mìlio o via par le scapoere.
Lora, quando la fame la ghe batea, el gato el traversea la strada e el ndea in volta sgnaolando. Un dì, l’era lì che el sgnaolava pròpio davanti la casa de la Maria, ela la ghe ga dato do tre tocheti de formàio vècio che li ga parai do con gusto.
De lì in vanti, sempre che el gato el vegnea sgnaolar davanti la so casa, la ghe dea da magnar. Na volta un tocheto de formàio, anca se el fusse un poco bissà, nantra volta un osseto de galina, na fetina de salame meso ranso, in soma, in quel tempo no ghe zera le rasson de incoi. E el gato, sicuro, el se ga costumà.

Dopo el disnar o la sena, quando a casa de Vitòrio no’l impienia la pansa soto la tola con le scorse de formàio, i budei del salame o co le frégole che caschea do de la tola, el ndava drito a casa de la Maria, e ela, romai, lo vardea squasi come se’l fusse el Vitòrio.
La ghe dava sempre meio boconi de formàio e lo caressava.
Un giorno de piova, el gato el dormiva come un tatin in brasso de la Maria, e in quel momento ghe salta na bela idea, me digo, mai pensada da nissuni. La se dise: “se el gato l’è rivà rente mi, pol esser che lu el me mene rente al so paron”.
Sensa tanti pensieri, la ciapa na fitina bianca de bombasina, la scrive sora un verseto d’amore, e la liga ntel col del gato. Dopo la ga molà fora ntela piova, e lu el core casa sua. E così la ga seguità far, sempre che’l griso, come ela lo ciamea, el rivava sgnaolando.

La gavea un bel fasseto pronto de fitine. E lora, ntanto che’l magnea el tocheto de formàio, o el lechea un piatin de late, la ghe lighea nantra fitina, dele volte rossa, ma sempre con qualche paroleta d’amore. Ma el tempo el passea, e no se vedea gnente de difarente de la banda de là de la strada. Romai la se gavea squasi disisperà.
La se disea, go paura che go perso el tempo, el formàio, el late e un bel toco de bombasina.Ma la stòria de la banda de là, la zera difarente. Vitòrio el vedea sto gato griso rivar casa co ste fitine ligae al col e scrite con bele giure d’amore, ma no’l savea ne chi le lighea, nè chi le scrivea e manco ancora de ndove el gato el vegnea.
Un bel giorno de tanto caldo, pena dopo disnà, Vitòrio el se senta al ómbria de un piàteno, e, giusto per acaso, el vede el so gato griso vegner fora de la casa de la Maria co na fitina al col. Lora el ga capio tuto.

El mistero el se gavea finio. Sicuro, no podea esser altro che la Maria. Come, el ga pensà, no me go nicorto prima, son pròpio orbo patoco. El ciapa el gato, el dì drio, el fa na fita co na fóia del quaderno vècio de scola e el ghe manda la risposta.
De lì in vanti el gato el ndava tuti i dì invanti e indrio portando sia giure d’amore, sia proposte de ore e posti par catarse de scondion e smorosarse.
Passà un bel tempo, Vitòrio e la Maria, fursi stufi de sconder el so amore, i ga decidesto a meterlo in tola, ognuno a la so fameia. E Così i ga fato. Tuti i ze stai d’acordo. Par dir la verità, lori li ga bravai d’aver fato le robe a scondion. De questo giorno avanti fea gusto véderli tute le doméneghe ndar a brasseto a messa.
In pochi mesi e ga impirà in tel deo le leanse e i ga marcà el matrimónio, par un ano dopo. Del gato griso i se ga desmentegà.
La Maria no la ghe dava pi i bei boconi de formàio e i piatini de late.
Lora el griso, poareto, ghe ga tocà ritornar a esser un gato come tuti i altri gati e, el ga dispario, lì in torno non se vedea pi. Rivà el giorno del matrimònio,
Vitòrio e Maria, lu co na bela fatiota de casemira, ela tuta de bianco, e par far novità, i se ga partio de casa in procission insieme ai ginitori, fradei, sàntoli e invitai fin la cesa, che la zera darente.
La serimónia l’è stà na maraveia, ghe gera i cantori, quei de ose forte, cantando l’Ave Maria, el frate el ga fato na corta, ma bela predicheta e, a ora de le domande se un acetava l’altro, gnanca da creder, na bela sorpresa, giusto ntela ora de la Maria dir el so “si”, el gato griso el se ga messo tra i due sposi e el ga molà un forte gnaaoo...
El sacristian al veder sto gato lì, el core svelto e lo para fora de la cesa.
Nissuni i savea de la stòria, ma Vitòrio e la Maria la savea ben.
Finie le serimónie, tuti ze ritornai a casa de Vitòrio, che la zera pi granda, par la gran festa. Bisogna dirlo, soltanto pròpio par ripèterlo parché no ocoraria, tuti i ga magnà e bevesto a volontà, ma nela ora dei sposi taiar el bolo de le nose, indovinela, lì davanti sgorlando la coa e vardando i sposi, el gato griso el spetea el so toco.

Fonte: Giudith Binotto
Redação: Silvino Santin e Jaciano Eccher


                                                              Português
Agora vos conto uma estória, talvez não queiram acreditar-me, mas é a santíssima verdade, ocorreu em Garibaldi em 1925. Eu era uma menina de cinco ou seis anos. Perto da casa de papai, em Garibaldi, moravam dois jovens de nome Vitório e Maria, que como vêem, eram vizinhos nossos, mas eles moravam um cada lado da estrada, bem em frente um do outro.
O tempo passava sem nada de novo, mas lá pelas tantas, a Maria começou a olhar para Vitório com os olhos do coração. Este rapaz lhe agradava, mas não sabia como dar a entender os seus sentimentos. Sucede que Vitório tinha um belo gatão grisalho que queria muito bem. Este gato estava sempre atrás de suas pernas, mas ele lhe dava pouca comida, para ele os gatos deveriam viver de ratos ou de passarinhos que poderia pega-los no paiol do milho ou pelas capoeiras. Então, quando a fome lhe batia, o gato atravessava a estrada e ia passear miando. Um dia, estava miando bem em frente a casa de Maria, ela lhe deu dois ou três pedaços de queijo velho que ele comeu com gosto. Da li em diante, sempre que o gato vinha miar em frente a sua casa, ela dava de comer. As vezes um pedacinho de queijo, mesmo que estivesse estragado, outras vezes um ossinho de galinha, uma fatia de salame meio ranço, em fim, naquele tempo não existiam as rações de hoje. E o gato, certamente acostumou-se. Depois do almoço ou da janta, quando na casa de Vitório não enchia a barriga embaixo da mesa com as casacas de queijo, as tripas de salame ou os farelos que caiam da mesa, ia direto a casa de Maria, e ela, já o via como se fosse o Vitório. Ela dava sempre melhores bocados de queijo e o acariciava.

Um dia de chuva, o gato dormia como um bebê nos braços de Maria, e naquele momento lhe vem uma bela idéia, acho nunca pensada por ninguém. Ela diz: “Se o gato chegou perto de mim, pode ser que ele me leve para junto de seu dono”.

Sem muito pensar, pega uma fitinha branca de algodão, escreve em cima um versinho de amor, e amarra no pescoço do gato. Depois o largou fora na chuva e ele corre para sua casa. E assim começou a fazer seguidamente, sempre que o grisalho, como ela o chamava, chegava miando. Ela tinha pronto um bonito macinho de fitinhas. E então enquanto ele comia um pedacinho de queijo, ou lambia um pratinho de leite, ele amarrava outra fitinha, as vezes vermelha, mas sempre com alguma palavrinha de amor. Mas o tempo passava, e não se via nada de diferente do outro lado da estrada. Já quase desesperada, ela se dizia, tenho medo que perdi o tempo, o queijo, e um belo pedaço de algodão.

Mas a estória do lado de lá era diferente. Vitório via este gato chegar em casa com estas fitinhas amarradas ao pescoço e escritas com belas juras de amor, mas não sabia nem quem as amarrava, nem quem as escrevia, e menos ainda de onde o gato vinha.

Um belo dia de muito calor, logo depois do almoço, Vitório senta-se a sobra de um plátano, e justo por acaso, vê o seu gato grisalho sair para fora da casa de Maria com a fitinha no pescoço. Então entendeu tudo. O mistério terminava. Certamente não podia ser outra que a Maria. Como, pensou, não percebi antes, sou mesmo cego completo. Pega o gato, no dia seguinte, faz uma fita com uma folha de caderno velho de escola e lhe manda a resposta. Dali em diante o gato ia para frente e para trás levando seja juras de amor, ou seja, propostas de horas e local para encontrarem-se as escondidas e namorar.

Passado um bom tempo, Vitório e a Maria, talvez cansados de esconder o seu amor, decidiram esclarecer o assunto, cada um com sua família. Assim fizeram. Todos de acordo. Para dizer a verdade, os parabenizaram por haverem feito tudo escondido. Deste dia em diante dava gosto de ve-los todas os domingos indo abraçados a missa.

Em poucos meses, colocaram as alianças nos dedos e marcaram o casamento para um ano depois. Do gato Grisalho se esqueceram. A Maria não lhe dava mais os belos pedaços de queijo e os pratinhos de leite. Então o Grisalho, pobrezinho, voltou a ser um simples gato como os outros gatos e, desapareceu, ali próximo ninguém o viu mais.

No dia do casamento, Vitório e a Maria, le com um terno de casimira, ela toda de branco, e para fazerem diferente, partiram de casa em procissão junto com os pais, irmãos, padrinhos e convidados até a igreja, que ficava próximo.

A cerimônia foi uma maravilha, tinha cantores, daqueles de voz forte, cantando a Ave Maria, o frade fez uma curta, mas bela pregação e na hora das perguntas, se um aceitava o outro, nem é de acreditar, uma bela surpresa, justamente na hora da Maria responder o seu “sim”, o gato grisalho se colocou entre os dois noivos e soltou um forte nhaaoo... O sacristão ao ver o gato ali, corre rápido e o póe para fora da igreja. Ninguém sabia da história, mas Vitório e a Maria sabiam bem.

Terminada a cerimônia, todos foram para a casa de Vitório, que era maior, para a grande festa. Precisa dizer, só para repetir porque não precisaria, todos comeram e beberam a vontade, mas na hora dos noivos cortarem o bolo de casamento, adivinhem, ali na frente, mexendo o rabo e olhando os noivos, o gato grisalho esperava o seu pedaço.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.