Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

domingo, 20 de maio de 2018

Sorasco de doménega - Ademar lizot

Doménega de matina, dopo dea messa, a le diese in punto, scomìnsio a pareciar el sorasco del meso di. Bisogna dir che'l ze na tradission che noantri dissendenti de la gente Véneta, gavemo imparà dei gaussi dea Provìnsia de San Piero.

El sorasco bonìssimo, ga un ritual par farlo, mi go imparà ancora quando zera picinin, taca su le bombàcie de mio pupà, che gavea sàngue véneto ntele vene, però el zera anca Gausso e un grando cognossedor de questo mistier e par ogni ani l`é stato paron e rostidor nte una sorascaria, ntea cità de Soledade RS, una dele pi importante de la tradission gaussa. Cossì go la fedùcia de afermar che el zera un esselente soraschero, el so godimento zera scoltar el rumor de la grassessa dea carne sgossando par sora de le bronse. Ricordo che prima el infiamea el fogo, sempre con legna, mai con carbon, scominsiea a infiamarlo con stecheti picinini de legna e dopo metea quela più fissa par sora, cossì vignea fora un fogo pien de fortessa e sensa la spussa del carbon. Quando el disea:...´El brasaro l`e pronto, te pol portar in qua la carne.” Mi andea svelto tor la carne de manzo e piegorin, che lu dopo de taiarla con perìssia, metea a posto con passiensia ntel speto. Par questo laoro gavea un bel cortel, sempre el me disea:.”.Stà tento, parché quela faca lì la taia”. Gavea gusto de vardarlo taiar la carne con tranquilità e perìssia de chi sa far questo ofìssio. Dopo dea carne taiada, fea el consiero solamente co`l sal grosso, in quantità, compagno de quando vien brina par sora dei gramadi e piante, dopo ntel momento de rostir la carne ntel menarosto, sempre co la banda del oss in zo. Vanti de servir el sorasco in tàola par magnar, batea co`l cortel ntea carne, par trar via el sal, cossì compagno se bate nte le schene dei imbroioni par liberarli de la sensavergognansa.

Adesso ntea doménega de matina, sempre che son drio pareciar el sorasco, l`é un momento che dopo de tanti ani, che el pupà se ga lontanà par andar de star in paradiso e pareciar el sorasco par San Piero e Santantoni, ritorno nel tempo e me vien la sensassion che el ze nantra volta insieme a me. Me par da vederlo sedesto in suo caregon predileto, davanti el menarosto, in man suo bicier de vin, in testa suo capel de ala scavesada in sú, in fàcia suo soriso de fedùcia de chi nò gavea mea paura de gnente, ricordo anca le sue parole, quando el disea dopo de una ridada:.”.Chi magna carne cognosse la curva del osso.”

Al meso di, el sorasco l`é bel che parecià, alora co`i òcii pieni de emossion vedo la mia gente, tuti sentadi par magnar, in torno dea tàola, in quel momento, me ànima se impinisse de contantessa e mio cuor de felissità, parché veder la faméia in torno dea benedeta tàola, pieni de serenità e pace, ze el tesoro pi valioso e importante dea vita de un cristian. Vanti scominsiar a magnar, co`í òcii saradi e la ànima indenociada, femo una preghiera, bisogna dir che questo costume che gavemo eredità dei nostri antenati, cossì tuti insieme in torno dea tàola, ringrassiemo al Signor-Dio e la Madona par la so bontà sensa fin, ringrassiemo par el sorasco, el pan e el vin.

Cossì ze la doménega de matina, ntea casa de un cristian de dissendensa véneta e che anca ga buo la gràssia de nasser ntea Provìnsia de San Piero, paese benedeto, che dopo del ano de 1875 ga acoliesto nostra gente rento de suo cuor. Questo paese l`e paron de una tradission belíssima, che noantri dessendenti dei imigranti Véniti gavemo incorporà de cuor e ànima. El simaron, el sorasco, cose sensa lusso, piene dea simplissità de un pòpolo che compagno dei nostri antenati, l`é paron de una stòria de braura e onor.

Ademar Lizot.



Tradução para português

Nas manhãs de domingo, depois das 10 horas, começo a preparar o churrasco do meio dia, esta tradição que os filhos de imigrantes assimilaram dos gaúchos do Rio Grande.

O churrasco caprichado exige um ritual na preparação, isto eu aprendi ainda quando era criança, segurando nas bombachas de meu pai, que tinha sangue de imigrante Venêto nas veias, mas era também gaúcho e grande conhecedor deste serviço. Por muito tempo ele foi proprietário e assador em uma churrascaria, na cidade de Soledade, uma das mais gaúchas do Rio Grande, assim tenho a confiança de afirmar que meu velho era um excelente churrasqueiro, era daqueles que tem prazer de escutar o som da graxa da costela pingando no braseiro. O fogo do braseiro começava com gravetos pequenos de lenha, nunca carvão, depois botava o angico por cima e tinha um fogo de respeito. Então depois dizia:.. “O braseiro está pronto, podes trazer a carne.” Então rapidamente trazia a carne de gado e ovelha, a sua preferida era a costela “minga”. Então ele cortava a carne com calma e perícia e depois espetava. Para este serviço, tinha sua faca preparada, afiada, daquelas que tem que ficar atento, pois cortava por demais. Assim era um prazer velo preparar a churrascada com a perícia de quem conhece o ofício. O tempero somente com sal grasso, em quantia, igual quando vem geada forte por sobre os gramados. Antes de servir o churrasco na mesa, batia com a faca para separar o sal da carne, batia de plancha, assim como se batesse nas costas de um “calavera”.

Sempre que preparo um churrasco no domingo, é para mim um momento que retorno no tempo, pois embora tantos anos fazem que meu pai partiu para preparar o churrasco para Santo Antônio e São Pedro, sinto naquele momento, que ele está junto a mim. Parece que o vejo, ali sentado em sua cadeira predileta, em frente ao braseiro, na mão, seu copo de vinho tinto, na testa seu chapéu de aba erguida e nos lábios seu sorriso de confiança, de quem não tinha medo de nada. Então relembro que quando o churrasco estava pronto, depois de uma gargalhada ele dizia:-” Quem come carne conhece a curva do osso.”

Quando ao meio dia o churrasco é servido, meus olhos se enchem de contentamento, por ver minha gente, sentados em torno da mesa. É um momento de felicidade, pois ver a família reunida em torno da mesa sagrada, todos fraternos e felizes, é a melhor riqueza, o verdadeiro tesouro que Deus nos fez merecedor. Antes de começar a refeição, com os olhos fechados e a alma de joelhos, fazemos uma oração, para agradecer a Divina Providencia, pela sua bondade sem fim, em nos proporcionar o alimento de cada dia.

Assim é o domingo de manhã, na casa de um filho de imigrantes Italianos, que teve também a sorte de nascer numa Província de tradição gaúcha, esta lugar abençoado, que no ano de 1875, acolheu nossa gente dentro de seu coração.



Um comentário :

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.