Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

El Nono ntel Corso Alegòrico

Ascoltemo el Lizot: 

                                                

El Nono ntel Corso  Alegòrico

           L`éra una doménega del ano 54 del sècolo passà, quando nostro nono Umberto Lisot  ga participà del desfile ntea festa dela ua ntea cità de Cassias del Sud,  Provìnsia de San Piero. Al giorno vanti, de matina bonora  el ga partisto in viaio. Nte quel tempo scarso de strade, la ligna (ônibus),  dimorea squasi un giorno par transcorer 180 km.  Un mese vanti el ga ricevesto del organisador  del evento, el invito, d`un  gratanto onor  a participar nel desfile del corso alegòrico dei imigranti nassesti in Itália.  Nte quel tempo el gaveva 78 ani de eta, ma el zera ancora in gamba, laorea dea matina fin el scurir.
           Alora nte  quela bela giornada calda del veron del 54, el  se ga parecia a caprissìo, vestito con  robe de festa, capel de feltro negro in testa e   pien de incantamento  el ga  desfilà e fato suo  omàgio ala benedeta ua e anca ala cultura, el laoro e la indùstria dei nostri imigranti quei ga formato paese e cità, esèmpio par tutuquanti. Quel momento indesmetegàbile del nono,  l`é  par sempre gravà ntea scatola dei ricordi dela nostra fameia, soratuto de quei più vècii.
           Adesso dopo de tanti ani, se pol dir che quela edission dea festa dea ua del ano 54, l`é stata una dele più importante fin i di de ancoi, parvia del tempo de durassion, 51 giorni, la più longa de tutequante  e anca nte quel ano i ga fato la inaugurassion del pavilion destinà al evento memoràbile e che dopo el ga daventa el sentro del governo del munissìpio. Nel transcorso dela festa i ga inaugurà anca el monumento nacional del imigrante, insieme dela presensa del Presidente Getúlio Vargas, quelo pròpio che ntei ani 40, quando el mondo zera in guera, el so governo ga decretà la proibission de parlar el idioma talian e cossì anca insieme ga vignesto   la decadensa dela nostra cultura taliana. Però quel bruto tempo de stupidità ga passà e dopo la tempesta vien la bonansa co n`aria serena par la finestra e soratuto i imigranti e so dissendente i ga demostra che nò i gaveva mea gnanca rancor e gnanca ódio e che dentro del suo peto bate un cuor co la grandiosità del perdon, parvia quel sentido dela so vita zera la fameia, la pace e el laoro, sempre con credensa in Dio e la Madona.
       Di d`ancoi, sempre che vau assistir el desfile ntea festa dela ua, ritorno al 54 e me par da veder nantra volta el nono nel corso alegòrico, con suo soriso de fedùcia, suo capel co la ala scavesada in sù e sentà nte un caregon,  drio molar par ària na fumana de so pipade.

Ademar Lizot.
(trad.)                      

O Nono no Carro Alegórico

    Foi num domingo quente do verão de 1954 que o nosso avô Umberto Lisot,  participou do desfile na festa da uva na cidade de Caxias do Sul (RS). Ele partiu um dia antes ainda de manhãzinha, pois naquele tempo de poucas estradas, o ônibus demorava quase um dia para percorrer os 180 km. Um mês antes ele havia recebido o convite do organizador do evento para participar do desfile no carro alegórico onde estariam os imigrantes nascidos na Itália. Naquele tempo ele tinha 78 anos de idade, mas ainda era forte, trabalhando de sol a sol.
    Assim naquele domingo belíssimo de 1954 ele vestiu a capricho, com seu chapéu de feltro negro na testa e gravado sob o bigode aquele seu sorriso de confiança e assim soltando no ar a fumaça de seu cachimbo, cheio  de contentamento ele desfilou e fez sua homenagem a uva sagrada, a cultura e ao trabalho e indústria de nossos imigrantes e descendentes, que formaram cidades que são exemplos para todos. Aquele momento inesquecível de nosso avô, esta para sempre nas recordações de nossa família, principalmente dos mais velhos.
   Agora depois de tantos anos, podemos dizer que aquele evento da festa da uva de Caxias do Sul do ano de 1954, foi talvez o mais importante até agora, pois foi o mais longo, durou 51 dias e também foi inaugurado o pavilhão principal, que depois serviu como sede da prefeitura municipal. No transcorrer da festa foi também inaugurado o monumento em honra ao imigrante Italiano, com a presença do então presidente Getúlio Vargas, aquele mesmo que nos anos 40, quando o mundo estava em guerra, o seu governo decretou a proibição de falar no idioma talian, o que ocasionou a decadência de nossa cultura. Todavia aqueles tempos de estupides passaram e depois da tempestade vem a bonança trazendo um ar sereno pela  janela, mas principalmente a nossa gente demonstrou que traz dentro do peito um coração com a grandeza do perdão e que os imigrantes e seus filhos não guardam rancor e ódio, pois o sentido de suas vidas é a família, a paz e o trabalho, sempre com fé em Deus e Nossa Senhora.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.