Pagine

Clique no Player abaixo para ouvir a Rádio Amici del Talian

Clique para entrar

sábado, 7 de março de 2020

La Pignata de Fero

Ascoltemo questa bela stória

                                                                                       La Pignata de fero
   I mei ricordi tante volte i ze sconti rento de un antico ogeto come una vècia pignata de fero,  antiga compagno la stòria dela nostra fameia e sempre che sguardo quel utensìlio rustègo,  me par da veder de na banda la  mama, con so fassoleto in testa, co la mescola in mam, smisiando la farina dela polenta e in quel s-ciantin, mastegando nostàlgie,  ricordo che quela pignata de fero  zera un regalo che la nona Carolina gavea ofri ai mei genitori quando i ga partisto con destin a le tere nove de Santa Catarina, nel mese de setembre del ano 39, e in quel giorno nel momento dela partensa, la madre de mio pupà, bela e imponente come zera el suo caràter, con làgrime che ghe corea zo par el viso, la ga dito:...”-Carìssimi fioi, ghe racomando de a ogni giorni dir su l`é preghiere al Signor,  che noantri anca pregaremo par voi e  ste atenti de mai perder la speransa e la fede in Dio e la Madona.”  Dopo  la  ga dato quela bela pignata de fero,  el mèio regalo che la podea ofrir a quei giovenot,  tredese fioi la gavea alsa su ntela so vita  e la savea che par noantri che gavemo sàngue de contadin, se gavemo polenta, radicii e qualunque altra mistureta, nò bisogna più gnente.
    Quando i ga rivà in Santa Catarina, paesel de Rancho queimado, munissìpio de Campos Novos, rento de na casetina ùmile,  co´l pian de tera, persa in meso al mato, alora nostra mama ga parecia la prima polenta nte quela pignata benedeta,   tacàda  su nte`una corente  par sora d`un fogo infiamà su par la tera, come zera in quei ani. E quela polenta cosinada con passiensa e caprìssio gavea una mescolansa che menea coraio nel cuor, par infrontar ogni dificultà,  e forsa ntei brassi  par ribaltar mato co la manera, arar i campi co`i bovini e dopo semenar  milio e formento.

 Dopo ga passà i ani, parvia quel tempo ga viaia ntele ntele ale del vent  e  el ga inrusinà el fero  dela pignata e anca un buson la gavea ntela scorsa negra che parea fin un tiro che la gavea ciapà nte`una ipotètica revolussion in che la gavese serví par cosinar la polenta o fursi carne seca con fasoi sgranadi a bastonade de massola e quando nò se podea pi doperala e  la ga daventà la relìchia dela mama che quando la ga sentisto  che presto la andea springar i fiori del giardin del Paradiso, la ga destinà la so pignata a na persona in che la gaveva na granda  stimà e che compagno d`un fiol lo considerea,  un   omo dele man piene de calossità e cuor pien de bontà,  che con pacienssa e caprìssio la ga giustà e cossì la ga daventa nantra volta bela par cosinar la benedeta polenta.  De sta maniera, la vècia pignata de fero dela Nona  Gigia, adesso abita nte`una cosina co la maestà e autentissità del tempo antico e riposa par sora d`un fogon rustego ndove brusa el fogo del rispeto e dela fradelansa, ntela casa de nostro Compare Giuseppe.   
Ademar Lizot.


            A Panela de Ferro
   A minha saudade as vezes esta  escondida dentro de um objeto  como uma panela de ferro, tão antiga quanto a história de minha família e sempre que vejo aquele utensílio rustico,  parece que sinto que em torno dele, está  a Nona Luiza, de lencinho branco na cabeça, com suas mãos fortes manuseando a “mescola”, no preparo da polenta... Então naquele instante mastigando nostalgias, relembro que ela sempre contava que aquela panela de ferro foi presente que nossa avó Carolina ofertou ao seu António e a Dona Luiza,  num  dia do longínquo  mês de setembro de 1939, quando eles partiram com destino às terras novas de Santa Catarina. Naquele dia, no instante do Adeus, a mãe de meu pai, bela e imponente como era seu caráter, com lágrimas que corriam pela  face, lhes disse...”-Queridos filhos, lhes recomendo que todos os dias façais vossas orações, que nós também estaremos orando por vocês, e jamais percam a esperança e a fé em Deus e Nossa Senhora.” A nona Carolina tinha criado 13 filhos e sabia que para nós que temos sangue de colono, quando temos polenta, radicii e qualquer outra misturinha, não necessitamos mais nada.
   No Estado de Santa Catarina, localidade de Rancho Queimado, município de Campos Novos, dentro de um rancho de chão batido, com a panela de ferro pendurada por uma corrente num tripé acima dum fogo de chão, com paciência e capricho a menina Luiza preparou a  primeira polenta e aquele alimento sagrado, junto com suas orações,  lhes trouxe coragem no coração, para o enfrentamento das dificuldades e força nos braços, para derrubar mato a machado, arar com a junta de bois e depois semear e colher o milho e o trigo.
    Depois  o tempo em suas andanças, viajou nas assas do vento e trouxe a velhice de meus pais, o seu António morreu foi-se embora e a panela de ferro quase enferrujou, tinha até um rombo no velho casco preto, como se fosse um furo de bala de alguma hipotética revolução em que ela tenha servido para cozinhar carne seca com feijão preto, debulhado a bordoada de manguá... Desta maneira assim enferrujada e furada, a velha panela não tinha mais serventia, porem tinha ainda um grande valor sentimental para a Dona Luiza,  que também tinha envelhecido e quando ela sentiu que em breve iria regar as flores dos jardins do Paraiso, então ela se despediu de sua amada relíquia  e  com prazer a destinou a uma pessoa por quem ela tinha grande estima e que como a um filho  considerava e aquele  homem das mãos calejadas e caráter  pleno de bondade, em cujo peito bate um coração  campeiro e colono, com paciência e capricho concertou a velha panela que ficou reluzindo no aço da simplicidade daquela gente.  Assim, hoje em dia a panela de ferro da Nona Luiza habita em uma cozinha com a majestade e autenticidade do Rio Grande antigo e descansa acima de um fogão campeiro, onde arde o fogo da amizade e do respeito,  na casa do compadre Juca e da Comadre Da Luz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.