Pagine

Clique no Player abaixo para ouvir a Rádio Amici del Talian

Clique para entrar

quinta-feira, 19 de março de 2020

Una Dona che Valea par Diese Omini

Ascoltemo la stòria.

           
             Una Dona Che Valea par Diese Omini (texto em Talian com tradução anexa)
   In quel tempo in che i mostàcii i zera segnal de rispeto e i lampi dei colpi de daga iluminea i campi dela Provìnsia de San Piero, in quei ani  scarsi de dotori e ricursi,  gavea nel interior dela cità de Soledade una dona che valea  par diese omini,  Pierina  zera el suo nome e partera e curandera el suo laoro, con so man benedete la ga iutà a nasser centinai de bambini   e con so preghiere e sià de erbe, la ga curà   malatie, tanto de gente come de  bèstie  e par andar tender d`urgensa,  la montea de selin ntela so  mula baia,  svelta come el vent.
    La zera na donassa, co de pi de metro e setanta de altessa de  òcii negri paroni d`un sguardo iremovìbele che vigneva dela so forsa moral,  vose forte e meso raucà che nò sparagnea mea le parole par dir la verità  e malgrado la so forte índole,  tutuquanti i ghe volea ben, parchè i ricognossea la so teneressa sconta nel profondo de so ànima, però sempre gaveva qualcheduna sbetegona e invidiosa par sospetar che la fusse na strega, parvia che  ntele note de luna piena la ghe piasea de caminar ntela solutudini dei campi, come se fusse in riserca de qualcheduna ànima persa, ma nissuni gavea coraio de dirghe gnente, parché i savea del so bravura, quei pi vècii i contea che una volta quando la zera gìovana, la ga dato na fila de bastonade e la ga fato corer a un tipo grossolon che`l gavea la cativa fama de violento e che`l volea ciaparla a forsa.  La gavea nassesto e cressesto in chel tempo in che i omeni i se copea parvia del color d`un fassoleto e con disdoto ani de eta, quando la portea  fiori rossi ntei cavei  e sogni de felissità ntela testa, la se ga maridada,  però  co`l passar dei ani i fiori i se ga  infiapidà e la vita ghe ga  rovinà i bei sogni quando el suo sposo el se ga spari de questo mondo e la  ga assà  con cinque fioi par slevar su.
      Alora la brava Pierina ga[is1]  butà via le còtole e la ga vesti  le braghe del sposo morto, dopo la ga liga i bei cavei negri abasso d`un capelon, relìchia del suo pupà e la se ga tacà al laoro  sensa assistensa de nissuni,  par tender bèstie, casa e tossatei e cossì la ga inmagrì e indurì co`l asso temperà ntela lota de ogni giorni, con dignità la ga  slevà su la so fameia,  fin che un giorno quando la gavea 35 passà ani de eta, nte na situassion crìtica la ga iutà a nasser el bambin dela so visina e nte quel momento in che na nova vita rivea a questo mondo, la ga visto che in suo orisonte glorifichea la matina d`un novo  giorno e la ga sentisto in ànima la vocassion par far el mistier de partera e dopo de curandera, e la ga insonià de viver cento ani, par iutar i altri e anca par coionar i agrori  dela vita. Par de pi de novanta ani la ga vivesto e sempre iutando le persone.
    Tantìssimi ani fà che  ga partisto de questo mondo, quela dona che la valea par diese omini, però un altro giorno me ga vignesto na notìssia che ga alegra el mio cuor, quando una  ànima granda me ga conta, che ntei campi de Soledade,  ntele note bele de luna piena, ncora se pol remirar la coraiosa Pierina con so bei cavei negri ligadi abasso del capelon, relìchia del so pupà e montada de selin ntela so mula baia, svelta come el vent, nte`un troto garboso con destin al Paradiso par  tender qualche àngeleto.
 Ademar Lizot.
(trad.)                   Uma Mulher de Valor
     Naqueles tempos em que um fio de bigode era respeitado e as faíscas das adagas iluminavam os campos do Rio Grande, naquele tempo escarço de médicos e recursos, la no interior da cidade de Soledade tinha  uma mulher que valia por dez homens, Pierina era seu nome e parteira e curandeira, seu principal ofício, com suas mãos  ela ajudou a nascer centenas de bebes e com seus chás de ervas e orações curou moléstias tanto de gente como de animais e em suas andanças  para atender suas urgências, montava de selim, numa mula baia de respeito e veloz igual o vento.
         Era uma mulher grande, mais de metro e setenta de altura, de olhos negros e possuidora de um olhar irremovível, fruto de sua força moral, tinha a voz forte, meio rouca e não economizava palavras para dizer verdades e apesar de sua índole forte, todos lhe queriam bem, pois conheciam seu valor e sentiam sua ternura, as vezes escondida no profundo de sua alma. As vezes nas noites de lua cheia ela caminhava na solidão dos campos, como se estive a procura de alguma alma perdida, então sempre tinha alguma fofoqueira invejosa para suspeitar que ela fosse uma bruxa, porem jamais tiveram coragem de falar-lhe, pois sabiam de sua bravura, uma vez quando ainda era jovem ela lutara de mãos nuas contra um brutamontes que tentara estrupala e o botou para correr. Ela nasceu naquele tempo em que os homens se matavam pela cor de um lenço. Aos 18 anos,quando ela trazia uma flor no cabelo e sonhos na testa casou  porem com o tempo a as flores murcharam e a vida se encarregou  de encaixotar seus sonhos,  quando seu esposo morreu a deixou com 5 filhos para criar.
     Então a brava Pierina  tirou o vestido e vestiu as calças do esposo morto, depois prendeu os belos cabelos negros abaixo de um chapelão, relíquia de seu pai e se jogou no trabalho, para atender os filhos, casa, animais e lavoura, então  emagreceu e endureceu no aço forjado na luta diaria  e com dignidade criou sua família, até que um dia quando ela tinha mais de 35 anos, numa emergência ela fez o trabalho de parteira e ajudou com sucesso no nascimento do bebe de sua vizinha e naquele momento em que uma nova vida chegava a este mundo ela viu que em seu horizonte glorificava a manhã de um novo dia e sentiu que uma nova missão invadia sua alma, então ela sonhou em  viver cem anos, para fazer o nobre trabalho de parteira e curandera e também para debochar das agruras da vida. Por mais de noventa anos ela viveu e centenas de pessoas auxiliou.
   Agora fazem muitos anos que aquela mulher que valia por dez homens partiu, mas um outro dia tive uma notícia que alegrou meu coração, quando uma  alma grande me contou que hoje em dia nos campos de Soledade, nas noites lindas de lua cheia, ainda se pode ver a corajosa Pierina, com seus belos cabelos negros presos abaixo de um chapelão,  relíquia de seu pai e de selim bem montada em sua mula baia mais veloz que o próprio vento, em um trote garboso em direção do Paraiso.
Ademar Lizot.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.