Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quinta-feira, 30 de abril de 2020

Ciacolando ntela Quarantena - Ademar Lizot

Ascolta la stòria: 


                    Ciacolando ntela Quarantena

   In questi giorni grissi de quarantena, ga s-ciocà nte una mùcia de boche una  domanda...- Par che cosa  serve í vècii?  Quando go  scoltà questa  pèrfida domanda nte quel momento  go sentisto fin un malstar e el sentimento che  le persone ga perso la tramontana e che ghe manca un poco de Dio ntela so vita e de sta manera el mondo camina con destin a la perversità e i omeni al so pròpio fine. Ma pensandoghe sora quela[is1]  domanda, posso dir che la ze fondamentà nte una filosofia perversa in vigor in questi tempi de ambission fora de misura, in che se pensa solmente  nel lucro, l`é una pensamento che aferma che no se  mèrita mea viver nel  mondo chi nò ga più sirvintia e quela gente che acompagna questa filosofia    securamenti  i ze gente che no i ga gnanca una memòria afetiva e  paroni de una granda vanità,  el  vin che i beve l`é quel del  egoísmo che ghe fa far la ciuca dela   indifarensa e  dela arogansa e la so vita le un bàu inmunsia  de soldi, però  soratuto i ze gente che vive nte una  povertà  che fa fin pecà, la povertà dela indigensa spiritual, cossì  nò i ze mea boni de saver e nò i ga la capassità de risponder par che cosa serve i vècii,   parvia che i  se ga  slevà su scarsi de civiltà e fradelansa e sensa  umiltà par domandar ai vècii un consìlio e sensa la grandessa de saludarli con  rispeto,  ghe manca la sensibilità de sguardar ntele rughe dela veciaia le più bele scriture de sapiensa e dignità e nò i ze boni de capir che diventar vècii no le mea una malagrassia, ma si un guadagno che ciare persone ga la virtù de ciapar.
    Pensandoghe sora gaveria  gusto de saver qual che ze el sentimento  che se imparona del cuor de questa gente scarsa de memòria afetiva quando i so vècii sparir de questo mondo, che tipo de làgrime ghe core par el viso, furse i ze de quel tipo sensa làgrime, ma  pol èsser che i sèpie che un pianto nò dimonstra la fragilità de una persona, ma si la grandiossità de so ànima o,  furse i doperarà na frase o, meio un provèrbio par scriver qualche cosa inùtile e scarsa de sentimenti. Però go la sicuressa de dir che dopo de un tempo, i ricordi dei so vècii  scominsia a tormentar la so ànima e de sta manera i ga de sentir el tanto che l`é  tristo de veder  la solitudine de una bengala o una pipa, sensa el nono che ga partisto  e una furtiva làgrima  la ghe ga de corerghe zo par el viso nel s-ciantin de sguardar sbandonà rento de una cassetina, el fassoleto bianco  che zera dela nona, i ga de sentir s-ciocar el cuor de malinconia, quando  sguardar  picà nte un ciodo inrussinà el vècio capel che zera del pupà e ricordar che ani vanti abasso del quel pano negro co la ala scavensada in sù, gavea un omo de coraio, che  alsa su la so vita con onestità e dignità.   
    Par che cosa serve i vècii? La risposta par questa pèrfida  domanda, l`é  el nostro silensio  e nostra serenità par capir che solamente la ga vignesto fora de na mùcia de boche  parchè semo drio viver bruti tempi e co la sensassion de èsser caminando par strade longhe e silensiose de un paese deserto, de soto un  cielo nuvoloso in che i omeni i vol scampar via de i so prinsìpie e nò i ze mea boni de capir che la vita la ze ilimità ntela so durassion, el amor ntela so fradelansa e la alegria ntela so pienitù.
Ademar Lizot.
(trad.)                    Pra Que Servem os Velhos

     Por estes dias cinzentos de pandemia surgiu em muitas bocas uma pergunta...-Para que servem os velhos?  Após escutar esta questão perversa tive o sentimento de que as pessoas estão com algum transtorno  e o mundo caminha em direção a perversidade e os homens ao encontro de seu próprio fim e pensando no sentido desta pergunta posso dizer que ela está baseada numa filosofia perversa em vigor nestes tempos de ambição desmedida e que se pensa somente no lucro é um pensamento que  traz a afirmação de que quem não tem mais serventia, não serve para andar no mundo e isto me faz pensar que os seguidores  desta filosofia  tem uma frágil memória afetiva e possuidores de  vaidade, o vinho que bebem é o do egoísmo e embriagados de indiferença e arrogância fazem de suas vidas um grande baú de dinheiro,  porem  vivem na pior das pobrezas, a pobreza da indigência espiritual e assim sendo não tem a capacidade de saber para que servem os velhos, a   civilidade e fraternidade não estão entre suas qualidades, e não possuem humildade suficiente para pedir um conselho a um idoso e nem grandeza para cumprimenta-los respeitosamente, lhes falta sensibilidade para ver nas rugas da velhice as mais belas escrituras de sabedoria e dignidade.
    Qual o sentimento que se apodera do coração desta gente de frágil memória afetiva, quando seus velhos partirem deste mundo, que tipo de lagrimas escorem por suas faces, ou talvez nem lagrimas tenham, com certeza não saibem que um pranto não demostra a fragilidade de uma pessoa, mas sim a grandeza de sua alma. Talvez elaborem uma frase, ou melhor um proverbio, para escrever algo desprovido de sentimentos.  Mas com certeza, depois de algum tempo, as lembranças de seus entes-queridos torna-se um tormento para suas almas e assim eles poderão sentir o quanto é triste a solidão de uma bengala ausente de seu dono e uma furtiva lagrima há de correr pelas faces quando encontrarem no fundo de uma gaveta aquele lencinho branco que era da avó, sentirão um aperto no coração ao admirar o chapéu  que foi de seu pai, naquele momento ira lembrar que abaixo daquele traste velho tinha um homem de coragem que construí sua vida com honestidade e dignidade.
   Para que servem os velhos? A resposta para esta pérfida pergunta deve ser o nosso silencio e depois a nossa serenidade para entender que ela somente surgiu firme em muitas bocas porque estamos vivendo tempos difíceis com a sensação de caminhar por uma estrada longa e silenciosa de um país deserto e abaixo um céu cinzento em que os homens fogem de seus princípios e não tem a capacidade de entender que a vida é ilimitada em sua duração, o amor em sua fraternidade e a alegria em sua plenitude.
Ademar Lizot.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.