Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quarta-feira, 15 de abril de 2020

El Vent Minuano - Ademar Lizot

Ascoltemo questa bela stòria:

 

                                                        
El Vent Minuano - Talian

  El gèmito del vent minuano l`é el gèmito dele  l`anime dei ìndii Charua, drio pianzer in melanconia e implorando in orassion, el  vien del sud pi profondo, oriundo  dele giassere dela Patagonia e sufiando e sobiando el vien zo in giro dela altessa dela montagneria par  pressipitàrse  ntela imensità del pampa Argentino, un stragrando tapeto verdo de soto de un cielo misterioso e ornà con diversi colori. Ntela Argentina e Uruguai el ga la denominassion de “pampero”  e  ntela solitùdine de una tera sensa ostàcoli el passà dominador come sel fusse un nemigo invisìbile, drio coionar e rider de tutiquanti, sempre subiando la so mùsica lùgobre, cavando làgrime dei òcii e un gèmito lamentoso dei povereti.  Squasi sempre  acompagnà dela piova che la vien zo in armonia e obediente ai so caprissi.  Nel so percorso invensìbile, a le volte el incontra una trupa de cavai selvàgii drio bever àqua ntela calmaria de un rieto transparente e a le volte incontra  la indifarensa de una maestosa piantona,  sentenària che ntela so gioventù la ga presensià  la braura, la dignità e la rovina  dei ìndii Charrua, i primi e legìtime paroni del pampa,  braura quando a colpi de lansa i ga combatesto infrontando s-ciope e canoni, dignità quando i ga  preferisso morir in combatimento, che viver come s-chiavi e rovina quando la crudeltà dei omeni bianchi ga strassinà quela brava gente.  In volta de quela maestosa pianta, el  minuano fa un saludo rispetoso e dopo in giro el fà la racolta dele ànime dei bravi charrua,  e cossì  velosse compagno de una  carga dela  cavaleria “farrapa”,   penetra ntei campi dela banda sanca del fiume Uruguai, alora el fà tremar i bovini, sfredessar le case, ingiessar le rècie e bacilar le fiame dei foghi dei galponi dele estànsie dela Provìnsia de San Pietro, el vien subiando un osamento terìbile, come se fusse i gridi d`guera  del cacique Don Sepé, lotando a colpi de daga e lansà par difénder la  maestosa ciesa de San Michele, cossì quei che i ga nassesto ntela Pàtria Pampeana  i dimonstra orgòlio in relassion al minuano, come se fusse un vantàgio suportar un vent cossì fastidioso, però bisogna capir che ntela so tradission el ze un ente-consagrà ntela so stòria scrita con tera e sàngue, e quando la luna stusa la lus del sol e la note  riposa  aflita ntele spale dela solitudine,  menando  insieme la malenconia e la desilussion,  alora el vent minuano  anuncia che ntel orisonte de un novo giorno,    el sol  ga de infiamar nantra volta i nostri sogni de pace e felicità.

Ademar Lizot.


(trad.)                 
      O Vento minuano.
  
          O gemido do vento minuano é o gemido das almas que de tristeza chorão, implorando por orações. É um vento que vem do mais profundo sul, oriundo das geleiras eternas da Patagônia e depois desce das alturas da cordilheira dos Andes para precipitar-se na imensidão do pampa argentino, um grande tapete verde, abaixo de um céu multicolorido. Na Argentina e no Uruguai ele é chamado de “Pampero”, e na solidão daquelas terras praticamente sem obstáculos ele corre soberano e dominador, como se fosse um inimigo invisível, assobiando sua música lúgubre, fazendo verter lágrimas dos olhos e gemidos lamentosos dos pobres. Quase sempre ele está acompanhado da chuva, que cai em harmonia e obedecendo seus caprichos. No seu percurso invencível, as vezes encontra uma tropa de cavalos selvagens bebendo água na calmaria deu um rio transparente, as vezes encontra a indiferença de uma arvore cetenária, que em sua juventude presenciou a bravura, dignidade e o genocídio dos índios Charruas, os primeiros e legítimos donos do pampa, bravura quando a golpes de lança enfrentaram fuzis e canhões, dignidade quando preferiram morrer lutando, do que viver como escravos e o genocídio quando foram estracinhados pela crueldade dos homens brancos. Depois o vento, como se estivesse acenando respeitosamente aquela majestosa arvore e girando suavemente faz o recolhimento das almas dos bravos charruas e assim brioso e veloz como uma carga da cavalaria Farrapa, penetra na banda esquerda do rio Uruguai, fazendo tremer os animais,  esfriar as casas,  gelar  as orelhas e vacilar os fogos nos galpões das estancias da Província de São Pedro. Vem assoprando furioso como se fosse os gritos de guerra dos bravos índios Guarani, que comandados pelo cacique Dom Sepé, a golpes de adaga e lança, defenderam a majestosa igreja de São Miguel.
E quando a lua apaga a luz do sol e a noite adormece aflita nos braços da solidão, trazendo tristeza e a desilusão, então o minuano anuncia que no horizonte de um novo dia o sol há de inflamar nossos sonhos de paz e felicidades.
Ademar lizot.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.