Pagine

Clique no Player abaixo para ouvir a Rádio Amici del Talian

Clique para entrar

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Serapião e la so Scandalli - Ademar Lizot

Ascoltemo la stòria: 


                                                Serapião e la so Scandalli

   No se pol mea imaginar el mondo sensa mùsica, sensa el  son dela gaita che a tuti conquistà, la ze insieme del sonador un enti consagrà ntela nostra coltura e cossì zera  quel  che gavea sti ani ntela region del val del fiume taquari ai campi de Soledade, l`era un talentoso sonador de gaita e anca un rimador incansàvel, i so versi parlea de passion, tera e sàngue, l`era soratuto un poeta popolar sensa coltura e valente come un tigre.  “Serapião” zera el suo nome artìstico, el so vero nome nissun savea e fursi gnanca lu no`l savea.  Par el suo viso, se podea dir che el zera el resultado dela mescolansa de tedesco o talian  com na bùlgara kaingang, però bastava anca vardarghe i lavri par incòrzerse che`l gavea qualche antenato negro.  El zera un omo forte con de pi de metro e otanta de altessa, de mostàcii mal taiadi, sbassadi par sora dei lavri e ntela banda sanca del viso el gavea una bruta sicatris  che ndeva del lavro superior a la rècia e quei pi vècii i disea che l`éra conseguensa dela so fama de smoroson e quel bruto taio el gavea ciapà nte`una lota ferosse contra un omo geloso e sposo de una belìssima femena.  Quando el gavea 50 passà ani de eta, el zera um  solitàrio e se podea veder che la soferansa la ghe gavea assà profondi segnai, quando se domandea dela so fameia, el disea:-“Son pupà de ùndese fioi e nò son mea fiol de pupà spaventà”. El  gavea nassesto a le spale del fiume taquari sensa cognosser la so mare, morta ntel momento che el ga rivà a questo mondo,  de giovenot el ga perso el suo pupà, degola par un cortel maragato ntela revolussion del vinte trè, cossì el ga cressesto e el se ga fato omo laorando come ausiliar de tropiero e i primi soldi che el ga sparagnà el  ga compra una gaita de botoni, che el ga imparà a sonar sentà ntela ombria dei sinamoni, scoltando el cantar dele sigare iscar i giorni con so bacan de gridi e de ste modo  el ga conquistà fama de ecelente sonador. Ntel final dei ani sinquanta, par de pi de na volta el se presentà ntela radio “Farroupilha” de Porto alegro e anca ga fato el acompagnamento al  Teixeirinha, el pi importante artista del sud del Brasil.  
   El gavea una autèntica “Scandalli”, belìssima co i ornamenti d`argento e del tuto negra, co i foli bianchi e parona d`un son potente che fea el acompagnamento dela maestria de suo paron. Ricordo che  sempre quel vignea in nostra casa, el rivea sonando la mùsica predileta de mio pupà, el sotis “naransera”, un vero ino dela Provìnsia de San Pietro e quela melodia  fea vegner su na vibrassion in nostra ànima come se la fusse un clarin de guera ntel ùltimo ciamento. Dopo de quela “marca” el mio pupà ghe ofria un bicier de vin e el ghe disea”- Grássie Serapião e adesso na bela valsa par la mia Gigia la ndaria ben, mia vera?” Alora dopo de far un segno co la ala del capel el verdea nantra volta la gaita, come sel fusse drio verder el libro dela so vita, scrito con sentimento e passion e vignea fora un son gradévole e armonioso che fea imaginar  aurore luminose e crepùscoli pròpio bei co i ùltimi ràgii del sol drio far  un lampiagiamento nte l`aqua serena dela fontana.
    A le volte me par de sentir  strucarme el cuor che quel grando sonador no`l ga assà gnanca una gravassion e de sta manera lo ricordemo in silènsio e  el tempo l`é un signor che porta via squasi tuto, porta via i lamenti e anca le cose bele, tutavia el ga la grandessa de assar  i bei ricordi dela mùsica indesmentegàbile de quel grando artista, che a tanti ani el ga partisto de questo mondo, ben montà in suo caval, co la so Scandalli negra con ornamenti d`argento picada su par la squena, nte un troto garboso con destin ai campi fiorì del Paradiso.        




Ademar Lizot(Trad.)   

                     Serapião e sua Scandalli
Não consigo imaginar o mundo sem música, sem o som fascinante de uma gaita que a todos conquista, ela forma junto com o gaiteiro um ente-consagrado em nossa cultura, assim era o gaiteiro que existiu nos anos 50 e 60 do século passado na região do vale do rio taquari aos campos de Soledade. Era um talentoso gaiteiro e rimador incansável, seus versos falavam de paixão, terra e sangue, ara um poeta popular sem cultura e valente como um tigre.  “ Serapião”  era seu nome artístico, o nome verdadeiro ninguém sabia, penso que até ele não sabia ou voluntariamente o esqueceu. Ainda lembro de sua estampa... Pela sua   face se podia dizer que talvez ele fosse uma cruza de alemão ou italiano com índia kaingang, mas bastava olhar seus beiços para confirmar também algum antepassado da brava gente negra. Era um homem forte, mais de metro e oitenta de altura, de bigodes longos e mal aparrados e no lado esquerdo do rosto, tinha uma cicatriz que ia do beiço a orelha, a qual os mais velhos afirmavam que era resultado de sua fama de namorador e aquele feio talho ele havia recebido em uma feroz peleia contra um homem ciumento e esposo de uma bela mulher. Aos cinquenta anos de idade ele era um solitário e se podia ver no semblante que o sofrimento lhe havia deixado profundas marcas, quando se pedia de sua família assim ele respondia:..”-Sou pai de onze filhos e não sou filho de pai assustado.” Nasceu nas costas do rio taquari sem conhecer a mãe, falecida no momento do parto e ainda menino perdeu seu pai, degolado por um punhal maragato na revolução de 23. Assim ele cresceu e se fez homem trabalhando de auxiliar de tropeiro e depois de um tempo o primeiro dinheiro que conseguiu economizar comprou uma gaita de botões e depois  sentado a sombra dos cinamomos, ouvindo as cigarras riscarem as manhãs com seus gritos, ele aprendeu a toca-la e conquistou a fama de acordeonista. No final dos anos 50 apresentou-se na radio Farroupilha de Porto Alegre e também acompanhou em apresentações o Grande Teixeirinha.
   A sua gaita era uma autentica Scandalli, belíssima toda negra com o teclado de prata, foles brancos e dona de um som potente para fazer o acompanhamento da maestria do gaiteiro. Ainda lembro de quando ele vinha a nossa casa e chegava sempre executando o “xotes laranjeira”  a música  preferida de meu pai, era como se fosse o hino do Rio Grande antigo, e aquela melodia fazia vibrar a alma, como se fosse um clarim de guerra em seu ultimo chamamento. Depois daquela marca, meu pai lhe oferecia um copo de vinho e dizia:-“Grássias Serapião e agora se não é te pedir demais, teria gosto por uma bela valsa para dedica-la  a minha Luiza. Então depois de fazer um aceno com a aba do chapéu ele abria novamente a gaita, como quem abre o livro da sua vida, escrito com paixão e sentimento e a melodia daquela valsa fazia-nos imaginar auroras luminosas e belos crepúsculos com seus raios lampejando no espelho das aguadas.
  As vezes sinto até um aperto no coração por aquele grande gaiteiro não ter deixado nenhuma gravação e agora o lembremos em silencio pois o tempo é um senhor que leva tudo por diante, leva as lamentações e as coisas boas, mas ele também tem a grandeza de deixar em nossas lembranças os momentos  inesquecíveis que aquele grande artista nos proporcionou e que a tantos anos partiu e bem montado em seu  cavalo, com a Scandalli preta alçada nas costas, em um trote garboso com destino aos campos floridos do céu.
Ademar Lizot.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.