Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

domingo, 24 de maio de 2020

Gioachin e so Relìchia - Ademar Lizot

Ascoltemo la bel a stòria del Ademar Lizot: 


   
                                             Gioachin e so Relìchia
  De giovenot go cognossesto el vècio Gioachin,  setanta passà ani el gavea de eta e el vivea  lu sol nte un  ràncio tacà a la strada.  De suo, el gavea solche un caval baio roano, vècio pròpio squase sensa servintia, un cagnet pien de puldi e un cortel d`argento, relìchia che`el gavea eredità de suo pupà. L`éra un tipo  sensa malìssia e del rispeto, de quei che i và via sensa budande, ma nò sensa el cortel nte la sintura. Par guadagnar qualche schei el fea pìcoli laori, come spacar legna, taiar grama o sapar qualche teren e sempre insieme con so cagnet. A le volte  quando qualche trapel gnorante lo stighea, i fea  a lontan, parché i gavea paura dela so relìchia d`argento.  Nte  la bodega el bevea  vin o  caciassa e,  dopo che'l bagnea la gola, se gavea qualchedun con passiensa par scoltar, alora  el contea la stòria  del tempo che`el zera domador de cavai, ntei campi de Soledade e anca quando el gavea lotà ntela Rivolussion del 30,  soldà soto el comando del capo Getúlio Vargas e in quel momento  pien de pròsia e gesti,  scavenssea in su la ala del capel,  slisea i mostàcii e contea  che nte un 24 del otobre, lu insieme dei altri rivolussionàrii i ga ligà i  cavai ntel obelisco, nte la cità del Rio de Janeiro e quando se domandea dela so fameia, alora stea pensativo, ciapea el cortel dela sintura e un toco de fun dela scarsela e scominsiea a pareciar un sìgaro, dopo se alsea su e andea via.  Cossì transcorea so veciàia e posso dir che  tutiquanti lo volea ben e de sta maniera ga passà i ani,  fin che nte un giorno, un  sabo de matina  ga capità ntela bodega, solche el cagnet del  Gioachin, el se ga postà ntel scalin  dela porta grugnindo come sel fusse drio pianzer, i ga proà pararlo via, però el grugniva pi forte, alora un tosatel  ga  risolvesto córerghe adrio e quando el ga rivà rento del ràncio el  ga incontrà el vècio butà zo  par sora dei pelegri, el ga proa desmissiarlo, però  no`l tirea pi el fià, alora svelto el ga ritornà par avisar el sucedesto.
    Con so bambàcie taconade, stivai sbusadi, fassoleto bianco nel col e de na banda la so relìchia d`argento, cossì l`é stà sepoli nte un semitero meso sbandonà par sora de na colina con  poche persone presente, gnanca un parente, solche  el prete che`l zera una ànima giusta, el ga vignesto dir una preghiera.   Nissun ga pianzesto,  làgrime solche  del cagnet che grugniva tristo.
   Dopo de tanti ani pol èsser che ntel di dei morti una ànima caritosa mena un massolin de gìlii bianchi, a la tomba del vècio Gioachin, un omo de coraio che`l ga diventà incrèdolo del tut, parvia che`l se ga incorto che i imbroini i se cava fora sempre mèio e i porigrami no i ga nissun par lori e che ntela so veciàia ghe ga vansà solche el cortel d`argento, relìchia del suo pupà, un caval baio roano meso sensa sirventia, un  cagnet pien de puldi e  el strèpido del vent sufiando  traverso le sfese del ràncio.
Ademar Lizot.


                           Joaquin e sua Reliquia
  Ainda menino conheci o velho Joaquin, setenta e la vai chumbo a sua idade, era um solitário que vivia num rancho na beira de um corredor, de seu tinha somente um petiço baio ruano, já velho e quase sem serventia, um cachorro de perna curta e cheio de pulgas e uma faca prateada, relíquia que herdou de seu pai. Era reservado e sem malicia, aquele tipo que anda sem cueca, mas não sem a faca na cintura e estava sempre acompanhado de seu cachorro.  Para ganhar alguns trocados fazia pequenos serviços, como rachar lenha, cortar grama, carpir algum terreno e depois com os trocos no bolso ia contente à bodega para beber vinho ou cachaça e depois de molhar a goela com 2 ou 3 goles, então se tinha alguém paciencioso para ouvi-lo, então contava sempre uma mesma história gravada em sua memória, de quando foi domador de cavalos nos campos de Soledade e da vez que foi soldado na revolução de 30, sob o comando de Getúlio Vargas, então cheio de prosa e gestos, alevantava a aba do chapéu e alisava o bigode para dizer que no dia 24 de outubro, junto com os outros gaúchos revolucionários ele atou seu cavalo no obelisco na cidade do Rio de Janeiro. Quando se pedia de sua família, ai ficava em silencio, sentava quieto num canto, sacava a faca da cintura e começava a alisar uma paia pro cigarro. Assim transcorria sua velhice, naquela cidadezinha onde praticamente todos lhe queriam bem, embora as vezes sempre tinha algum ignorante, desprovido de respeito que o provocavam, mas sempre de longe, pois covardes que eram, tinha medo da coragem do velho e sua faca, mais cortadora que aspa de boi brasino.
Foi num sábado cedinho, antes das oito, que apareceu na bodega o cachorrinho do velho Joaquim, chegou fazendo um latido lamentoso e sentou-se nos degraus da escada em frente a porta, tentaram enxota-lo mas ele saia e voltava grunhindo triste, então um menino o acompanhou e quando chegou encontrou o velho deitado sobre os pelegos, tentou acorda-lo, porem viu que não respirava mais, então voltou correndo para avisar a todos.
  Foi sepultado com sua bombacha remendada, botas furadas na sola e lenço branco no pescoço e naquele cemitério abandonado na campanha poucos se fizeram presentes, o padre que era uma alma justa rezou encomendando a alma, ninguém  chorou, somente o cãozinho  verteu lágrimas com seu grunhido triste.
Agora depois de tantos anos, talvez no dia de finados alguma alma caridosa leve flores na sepultura do velho Joaquim, um homem que virou descrente de tudo, pois entendeu que os velhacos sempre se dão bem, enquanto aos pobres por eles ninguém tem e na sua velhice só lhe sobrou a faca prateada relíquia de seu pai, o petiço velho sem serventia, o cachorrinho pulguento e o estrépito do vento assobiando através das frestas do rancho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.