Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Identità - Ademar Lizot


Ascoltemo Ademar Lizot racontar la stòria:



                                                           

                                        Identità

   Nte`un giorno dela primavera del 57 go rivà a questo mondo, la mia madre se ciamea Gigia e el pupà Toni e, lori due i me ga fato sensa gnanca una belessa special, naso meso grando, òcii con un brilo de speransa e, cuor che dentro del peto bate par la semplissità. La prima dolcìssima parola che go pronunsià l`é stà mama, quela Santa che sguardea ntel profondo de m`anima e, de ela go eredità el sentimento de dignità e con ela ogni istante zera felicità. La seconda parola che go pronunsià l`é stà pupà, quel omo che gavea la man pesada e un ciaro de tempesta nel vardar. De lu go eredità solche una guaiaca voda de schei e, el coraio par caminar nel mondo.
   El prete Egídio con so batina negra piena de botoni me ga batesimà nte`una cieseta  localisatà par sora de una colina.  Cossì go deventà cristian co la ingènua ilusion che`l pupà e la mama i zera fati de fero e oro e, de sta manera i gavea de viver par sempre e insieme a me, però quando se ga fini la mia infansa, ga fini la mia dolse ilusion e, el fero  ga deventà carne e oss e, el oro sangue e cuor e, quando go scominsia a me cognosser par gente go capi de esser la semensa de un póvolo òrfano de Pàtria, che a 140 ani indrio ga assà la so tera de orìgine e con coraio ga infrontà la forsa e la belessa del grando oceano e, in questo stragrando paese, i se ga metesto ntei boschi vèrgine ribaltando piantone a colpi de manera, par verder fora strade e portar civiltà a una tera selvàgii e, in questa odissea sensa arme i ga alsa su sogni de primavera e pace.
   De tosatel, dela boca sapiente dei vècii go tirà  ensegnamenti;  che parlar l`é argento e taser l`é oro, che bisogna scavar el poss vanti de patir sè e, che el sudor de nostro laoro el perde la so rason, quando gavemo formento  e nò spartimo mia el pan.  Dela professora Teresa go imparà a leser e scriver,  nte una scoleta de taule de pin, che andea montà nte un caval petisso, manso e meso vècio e, l`é sta dela so schena che go ciapà el mio primo rabalton e quando me go alsà su del teren, go visto che ntel suo vardar sorpreso gavea un dòssile domando de perdon.  
   De Giovenot parlea co`l sotache de “Gringo” parchè nò zera mia bon de pronunciar con giustessa la letra R, alora sempre gavea una boca ignorante par ciamarme de grosso, però in quei momenti gnanca stea inrabià parchè savea che el mio parlar con quel forte acento Vèneto evidensieva la mia orìgine,  fata de cerno de angico e sassi de taipa metesti a posto con passiensa e caprìssio.  Cossì con umiltà go porta la vita avanti, fin che nte un giorno go guadagnà el mio primo e dolcissìmo bàcio, l`é stà dei dolci lavri de una tosa de cavei e òcii negri e, dopo de quel indesmentegàbile regalo go capi che nò gavea gnancauna vocassion par èsser prete.
   Adesso dopo che go perso tanti giorni dela mia vita son deventà  vècio e, in confidensa conto vècie stòrie dela mia gente, conto de chi tuto e gnente podeva, conto de speransa e sentimenti e,  ntele mie stòrie el passà l`é sempre presente, però go anca la consienssa de che el mondo ga cambià e, che son drio viver nte`n novo tempo de distànsie curte, inchietùdine longhe e aflission permanente, un tempo in che se ga silensià i campanei dele ciese vode de cristiani e calà la vose dela sensatessa, però in questo novo mondo no go solche eta su par l`é spale go anca 140 ani de stòria e, i  mei antenati a ogni giorni i me dis che`l sàngue che core ntele m`vene el ga de morir e risussitar par nantra volta risguardar quele che me piase e venero.

Ademar Lizot.

(Trad.)                     Identidade

Sou de um tempo sem pressa e sem conforto, minha mãe se chamava Luiza e meu pai Antonio e, eles a mais de 60 anos me fizeram sem nenhuma beleza especial, nariz meio grande, olhar com um brilho de esperança e coração que bate pela simplicidade. A primeira doce palavra que pronunciei foi mãe, aquela santa que enxergava no profundo de minha alma, dela herdei o sentimento de dignidade e, junto dela todo instante era felicidade. A segunda palavra que pronunciei foi pai, aquele homem que tinha a mão pesada e um lampejo de tormenta no olhar,  dele herdei uma guaiaca vazia e a coragem para andar no mundo.
O padre Egídio com sua alma justa e sua batina preta cheia de manchas e botões, foi quem me batizou, na igreja São João Batista, localizada acima de uma coxilha. Então me tornei cristão com a ingênua ilusão que meus pais eram feitos de ferro e bronze, de prata e ouro e, assim eles viveriam para sempre junto a mim. Porem quando findou minha infância findou minha doce ilusão e aquele  ferro e bronze tornou-se carne e osso e a prata e ouro, sangue e coração e, quando me conheci por gente entendi que sou a semente de uma gente órfão de Pátria, que a 140 anos atrás deixou sua terra de origem e com coragem enfrentou toda força e beleza do grande oceano e, quando chegaram a este pais continente, se meteram nas florestas virgens para derrubar arvores a golpes de machado e, assim abrir estradas e  trazer civilização a uma terra selvagem, em uma odisseia sem armas construíram sonhos de primaveras e paz.
Quando era menino da boca sábia dos velhos tirei ensinamentos; que falar é prata e ouvir é ouro; que é preciso cavar o poço antes de bater a sede e, que o suor de nosso trabalho perde sua razão quando temos trigo e não compartilhamos o pão. Foi a professora Teresa, uma santa que me ensinou a ler e escrever, em uma escolinha 7 km distante, os quais fazia montado em um cavalo petiço, mansinho e meio velho e, foi de suas costas que cai meu primeiro tombo e, quando me alevantei vi nos seus olhos um pedido de perdão.
Naquele tempo ainda não conseguia pronunciar a letra R com perfeição e, assim falava com sotaque de gringo, então algumas bocas ignorantes, as vezes me chamavam de grosso, porém naqueles momentos nem me batia a raiva porque sabia que aquele meu falar evidenciava a minha origem feita de cerne de angico e pedras de taipa, colocadas com paciência e capricho. Assim com calma e humildade levei a vida por diante, até que um dia ganhei meu primeiro beijo, foi dos doces lábios de uma jovem de cabelos e olhos pretos e, depois daquele inesquecível regalo tive a certeza que não tinha nenhuma vocação para ser padre.
Agora que vivo minha velhice, sei que perdi muitos janeiros e, que sou um simples mortal, não um santo, sou somente um homem de sentimento sempre em busca da verdade e, em confidencia conto velhas histórias da minha gente,  conto sobre quem tudo e nada podia, conto sobre esperança e fraternidade, por isso em meus escritos o passado está sempre presente, todavia tenho a consciência de que o mundo mudou e estou vivendo em um novo tempo de distancias curtas e longas aflições, em que silenciaram os sinos das igrejas vazias de cristãos e calou-se a voz da sensatez, mas neste novo tempo, sei que não carrego  nos ombros somente idade, mas também 140 anos de história e a voz dos meus antepassados a cada dia me diz que o sangue que corre em minhas veias a de morrer e depois ressuscitar para novamente resguardar aquilo que gosto e venero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.