Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sábado, 15 de agosto de 2020

Le Man dela Mia Madre


 Ascoltemo la stòria racontada par Ademar Lizot:


Le Man dela mia Madre

  .

 Le man dela mia madre le zera più vècie che la so veciaia, man che sentiva una caressa solche quando se giuntea par alsarse su nte`una sùplica al Signor-Dio e, nte quel s-ciantin de Santa zera le so man.

   De àngeleto zera le so man quando la portea el seston co`i bambini rento e, d`argento e oro quando la caressea i mei cavei, soratuto benedete quando la pareciea la polenta e impastea el pan.

   Le man dela mia madre sempre passea una sinsiera simpatia al saludar, parchè le zera man de chi  gavea forsa fìsica ntei bràssi e forsa moral ntel carater, man Pesade e piene de calossità, che gavea induri come el asso temperà ntel laoro stufante dela campagna, man maltratade de tanto manesar el arado e, storte de tanto doperar la sapa, man che quando ciapea la manera, le piante caschea zo par tera, man che no gavea mai riposo, sempre drio i so afari, spacar legna e tirar late.

   Le man dela mia madre le zera  bianche e inrugade de tanto lavar robe ntela àqua freda del rieto, indenociada par sora d`un sasson e, par soavisar quela soferansa tante volte la canteva a mesa vose vècie cansion, che la gavea imparà ntela so gioventù e, quel rieto el zera par ela un caro amico che ntela so solitudine, co`l rumor complacente dela so corentessa  la calmea i dolori e, nte la so àqua ciara tante volte la ga assà  so làgrime, però sensa pianzer parchè la gavea stofegà i lamenti nte quela àqua che indifarente corea come el tempo, sensa ritornar mai più.

   Tantìssimi ani fà che le man benedete dela mia madre ga ricevesto el riposo che le se meriteva, però ntei mei sogni sempre sguardo le so man, adesso sensa rughe e sensa calossità, bianche e delicate come le man dela Madonina, ma ancora drio laorar, adesso ntel afar de spergir àqua  ntei gilii bianchi del giardin del paradiso.

Ademar Lizot.

                 As Mãos de Minha Mãe

As mãos de minha mãe eram mais velhas que sua velhice, mãos que ao longo da vida só sentiam uma carícia quando se uniam em uma prece e, naquele instante, de Santa eram suas mãos.

As mãos de minha mãe eram de prata e ouro ao acariciar meus cabelos e quando preparavam o sagrado pão, abençoadas eram suas mãos. Sempre sinceras ao cumprimentar, pois eram mãos de quem tinha força física nos braços e força moral no caráter.

Pesadas e calosas eram as mãos de minha mãe, endurecidas no aço temperado no trabalho duro da colônia, mãos maltratadas de tanto manejar o arado e tortas de tanto segurar a enxada e, no momento de cozinhar a polenta e preparar o sagrado pão, abençoadas eram as suas mãos.

Brancas e enrugadas eram suas queridas mãos, de tanto lavar roupas ajoelhada por sobre uma pedra no córrego, onde para amenizar seu sofrimento  cantava a meia voz, velhas canções de sua juventude e, aquele córrego era pra ela um amigo, pois o ruído complacente de sua correnteza acalmava suas aflições e, em suas aguas claras, tantas vezes ela deixou cair suas lágrimas, mas sem chorar porque ela havia afogado suas lamentações naquelas aguas que corriam indiferentes como o tempo, sem retornar jamais.

Muitos anos faz que as mãos sagradas de minha mãe receberam seu merecido descanso, porem em sonhos ainda as vejo, agora sem rugas e sem calos, brancas e delicadas como as de Nossa Senhora, mas ainda trabalhando, agora regando flores nos jardins do Paraiso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.