Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

El Castrin

Ascoltemo la stòria strucando soto:


 

 

           


                                                           El Castrin

 ‘- No se pol mia castrar ntela luna nova parchè vien fora massa sangue´. Cossì parlea  el vècio Faustino che gavea el afar de castrin e, quel mistier el gavea imparà ancora de giovenot  quando par la prima volta el ga taià i coioni de`n  porco e, pi tardi el ga imparà a fermar el sangue dela sirurgia, quel fea co una bàrbara efissiensa e, sensa gnancauna cognossensa de anatomia.  Con calma e perìssia el lassea la bèstia, dopo rabaltea, lighea le gambe e, sensa considerassion al dolor el suo cortel fea el laoro crudele. Quando finia el procedimento el disea: ‘-Presto el ga de guarir!’ De sta manera in quei tempi in che el dolor  fea parte dela vita, el ga conquistà la fama de castrin ntela colonia e anca ntei campi de soledade.  

  Magari dopo de tanti ani quel fea quel laoro no`l podea pi ignorar la bàrbara soferansa quel fea patir le bèstiolete e, tante volte dopo de far quel ritual primitivo, el restea in silensio e pensativo, come sel fusse drio domandar scusa al Paron del Mondo par quela crudeltà e, cossì el ga deventà un omo solitário che portea rento del peto el dolor del rimorso e rento dela consienssa la inchietassion par tante creature del Signor quel gavea sacrificà e, quando ghe vignea quela aflission el stofeghea i so tormenti nte`n botìlia de caciassa,  fin che nte`n giorno el ga deciso de mai pi far quel laoro, l`é quando el ga taià i coioni de`n  potrìlio de meno de`n ano de eta e la pòvera bèstia dopo castrà, ancora drio patir una agonia longa e dolorosa, co`l sangue che ghe vignea fora in abondansa, el ga varda el suo carrasco co un sguardo de condena, un vero protesto disisperà de chi gavea perso la rason de viver dopo de quel taio che lo ga condanà a morir sensa dissendensa  l`éra come sel volese dir: ‘-Varda che crudeltà che te me ga fato!’  Alora el vècio Faustino ga sentisto dolor ntel cuor e el ga fato el giuramento de mai pi far quel laoro, parchè el ga capi che de soto del coro dele bèstiolete ga na ànima piena de sentimenti che fursi la ze pi lìmpida e pura che l`anima de tanti omeni, che questi si bisognaria taiarghe via i coioni.

Ademar Lizot.

(trad.)                                 Castrador

 ‘-Não castre na lua nova porque vira em sangueira!’ Assim falava o velho Faustino que tinha o trabalho de castrador e, aquele oficio ele aprendeu ainda jovem, quando pela primeira vez castrou um porco, depois aprendeu também a estancar a sangueira da cirurgia, que ele faziam com uma bárbara eficiência e sem nenhum conhecimento de anatomia. Com calma e pericia laçava o animal, depois dava um tombo, atava as pernas e sem nenhuma consideração a dor a sua faca afiada fazia o procedimento cruel, e ao finalizar ele dizia:..’Ligeirito no más ele há de sarar!’ Naqueles tempos em que a dor fazia parte da vida, o velho Faustino conquistou a fama de excelente castrador na colônia e nos campos de Soledade.

Mas ele também não era incapaz de ignorar o bárbaro sofrimento que causava aos animais e, muitas vezes após fazer a castração ele se parava em silencio e pensativo, como se estivesse pedindo perdão ao Patrão do Mundo por aquela crueldade. Assim com o passar dos anos tornou-se um homem solitário, que levava dentro do peito a dor do remorso e dentro da consciência a inquietação por tantas criaturas que havia sacrificado. Quando lhe batia forte aquela aflição, só afogava seus tormentos em uma garrafa de cachaça. Até que chegou o dia que decidiu não mais castrar. Foi quando cortou os bagos de um potro de menos de um ano de idade, que depois de castrado, ainda sofrendo uma agonia longa e dolorosa, com o sangue que corria em abundancia, olhou para seu algoz o condenando em um verdadeiro protesto desesperado de quem havia perdido a razão de viver depois daquele corte que o condenou a morrer sem descendência. Era como se disse-se: “Veja a crueldade que me fizestes!’ Então o velho Faustino sentiu forte dor no coração e naquele momento fez o juramento de nunca mais castrar,  pois entendeu que os animais também tem uma alma e, talvez mais límpida e pura que a de tantos homens que não a tem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.