Pagine

Clique para entrar

sábado, 9 de dezembro de 2017

La Veciaia del gueriero - A Velhice do Guerreiro - Per Ademar Lizot

Alexandre Dumas, che par mi, l`é sta un dei pi grandi scritori del sècolo disnove, autor del romanso í Tre Moscheteri, anca el ga scrito un libro fondamentà sora l´è anotassion e ricordassion personal de Giuseppe Garibaldi, el eroe dei due mondi. Bisogna dir che Alexandre Dumas, l`era amico personal e amirador de Garibaldi e cossì el ga otegnà el permesso par scriver sora í ricordi del bravissimo.

Dumas ga scrito in questo libro, che Garibaldi quando zera vecioto, el ga andato de star ntea ìsola de Caprera, nel litoral d`Itália, nte una abitassion piena de simplissità, scarsa de mobìlia e co pochi cómodi, parché l`éra un omo de aotentissità e simplissità, la fortuna che el gavea zera la traietòria de vita. Cosi ntea tranquilità dea veciàia, el ga infrontà con serenità í so ùltimi giorni e con la medèssima esselensa che el doperava la spada, el ga scrito un libreto de le ricordassion dea so vita de aventura, de batàlie piene de ferossità, del amor che el gavea con la Pàtria Italiana e con la seconda Pàtria el Uruguai insieme dea Provìnsia de San Piero e soratuto de la passion dea so vita, la bravìssima Anita. Relati scriti de un vero testimònio de nobilità, caráter, coràio e degnità. La so vita ze una traietòria cosi incredìbile che par fin impossìbile de ospedarse ntea biografia de solamente un omo.

Quando el ga scrito queste anotassion, el gavea 75 ani de eta su par le spale, la barba zera grisa e í cavei grisi anca quei. Ì òcii che ani vanti í zera una mescolansa de serenità e tempesta, adesso ntea veciàia í zera solamente serenità e quela vose potente, che spaventea í nimici , adesso zera fiaca e ossilante. In quei giorni Garibaldi gavea la nossion che de questa volta, l´èra impossìbile ritardar el incontro con la vècia signora che tante volte el ga iludio nel transcorsso de una vita de aventure. Tutavia rento de so ànima el ga mai desmentegà dela dona de so vita, la carissíma Anita e anca dei amici de lota, dei gaussi dela Provìnsia de San Piero, ndove ga nassesto el primo fiol e andove el ga combatesto, par la rason beneta del pòpolo e insieme de quei bravi el ga impara a despresà el perìcolo. Rento del cuor gavea anca la Pàtria Uruguai , che el ga defendesto dei tirani d`Mérica. Gavea anca el sentimento profondo co`l esérsito dei “camisa-rossa”, í “Garibaldini”, che soto suo comando í ga fato la guera par la unificassion d`Itália. Però, soratuto el gavea sempre in pensiero, í amici de tante batàlie de ferossità, che i ga perso la vita, davanti de so òcii. L´èra adesso un omo idòlatra per í so conterànii parvia che el ga comandà el prossesso dea Pàtria Italiana e gavea anca la gratitùdine e admirassion del pòpolo d`Mérica.

El vècio gueriero, ga vivesto co Anita una granda passion, però el fine l´è sta dramàtico quando la ga perso la vita ancora gióvana in Itália. El momento che la ga cognossesto l´èra par sempre rento dea scàtola dei ricordi. El gavea trenta due ani de eta, la ga incontrà ntea cità de Laguna, sul del Brasile, la gavea disdoto ani de eta, cavei negri e longhi, co la pel mora del sol e bela che mai. Nte quel instante che la ga visto, el ga dito:...” Tu devi èssere mia” e con queste parole el ga firmà una aleansa che solamente la morte podeva romper e anca nte quel giorno el ga incontrà un auténtico tesoro, che un omo solamente incontra nte una dona de amabilità e coràio. Anita l´èra una dona de una braura straordinària, che par tante volte, Garibaldi che zera bravo intra dei bravi, magari anca franco e sinsero, ga dito quel l`invidieva el coràio de quela brava dona.

Ntel giorno 2 de lùlio de 1882, el vècio gueriero ga partisto de questo mondo. In quel giorno el se ga transformà nte un mito, ricognossesto come fondamentà par el susseso del “Ressorgimento”, l`unità Italiana e el legado Garibaldino contìnua ntea memòria dei Italiani, Brasiliani, Gaussi dela Provìnsia de San Piero e del Uruguai, tuti í paese andove el ga construto la incredìbele traietòria de rivolussionàrio e paladino de la libertà.

Ademar Lizot.

 Tradução

Alexandre Dumas foi um dos maiores escritores do século 19, autor também do best-seler os Três Mosqueteiros, pois ele também escreveu um livro baseado nas memórias, nas anatações pessoais do herói de dois mundos Giuseppe Garibaldi. Dumas era amigo pessoal e admirador de Garibaldi, obtendo assim a permissão para escrever e publicar as memórias do bravo.

Dumas escreveu neste livro que Garibaldi em sua velhice foi residir na ilha de Caprera, no litoral Italiano, em uma casa humilde, com pouca mobília, pois ele sempre foi um homem simples, não dando importância aos bens materiais, a sua fortuna, era sua história fantástica de vida. E la na paz de sua velhice ele enfrentou seus últimos dias e com a mesma maestria que esgrimia sua espada, ele usou a pena para escrever suas memórias, de sua vita repleta de batalhas sangrentas, lembrou de grande amor de sua vida a querida Anita, salientou sua dedicação e amor a Pátria Italiana e a sua segunda Pátria a República do Uruguai e o carinho e afeição com a Província de São Pedro, o nosso Rio Grande do sul. São relatos e um verdadeiro testemunho de honra, coragem e dignidade. A sua vida foi uma trajetória inacreditável que parece impossível ser a biografia de um homem só.

Quando Garibaldi escreveu suas memórias, tinha 75 anos de idade, a barba estava branca e os cabelos também, seus olhos que outrora eram ternura com lampejos de tormenta agora eram somente ternura e a voz potente que nas batalhas metia medo nos inimigos, agora era fraca e oscilante. Naqueles dias Garibaldi tinha noção que desta vez seria impossível atrasar o encontro com a grande senhora que ele tantas vezes ludibriou no transcurso de sua vida de aventuras. Agora ele só tinha suas lembranças, principalmente a mulher de sua vida, a querida Anita, também os amigos de tantas batalhas, os gaúchos do rio Grande, terra onde nasceu seu primeiro filho e onde ele lutou pala causa bendita dos povos. Foi junto daqueles bravos que ele aprendeu a desprezar o perigo. Dentro de seu coração estava também a Pátria Uruguaia que ele defendeu dos tiranos da América. Tinha o sentimento profundo com seu exército de camisas vermelhas, os Garibaldinos, que sob seu comando fizeram a guerra pela unificação da Itália. Porem o que oprimia sua alma era a lembrança sempre presente de tantos amigos que perderam a vida em combate e sob seus olhos.

Na velhice Garibaldi era um homem idolatrado pelos seus conterrâneos e também tinha a gratidão e admiração dos povos da América.

O velho guerreiro viveu com a brasileira Anita uma grande paixão, porem com final dramático, quando ela morreu ainda jovem na Itália. A conheceu quando tinha 32 anos de idade, na cidade de Laguna SC, ela tinha 18 anos de idade, cabelos pretos e longos e pele queimado do sol e linda por demais. Garibaldi escreveu que no instante que a viu ele disse:...”Tu devi essere mia”, e com estas palavras selo uma aliança que somente a morte poderia romper e naquele dia ele encontrou um autentico tesouro, que um homem somente encontra em uma mulher amorosa e coração valente. Anita era uma mulher com uma coragem extraordinária que por tantas vezes Garibaldi que era bravo entre os bravos, disse que tinha inveja da coragem daquela valente.

No dia 2 de julho de 1882 o velho guerreiro partiu deste mundo e naquele dia se transformou em mito reconhecido como fundamental para o sucesso da unificação Italiana. Seu ideal continua na memória de Italianos, Brasileiros, Gaúchos do Rio Grande e do Uruguai, países onde ele construiu a incrível trajetória de revolucionário e paladino da liberdade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.