Pagine

Clique para entrar

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

La casa dei noni - A casa dos avós - Ademar Lizot

La casa deI me noni, l´è na casa sémplisse e sensa lusso, se pol dir che anca piena de umiltà. Tutavia la ga l` autentissità benedeta e sacra de
una cesa, sensa richessa e sensa oro, una cesa solamente de simplissità e verità. Cossì, co`í òcii de me ànima, la vedo sempre bela e maestosa, mèio dir imponente compagno de un vero palasso. La so imàgine l´è par sempre
ntea me scàtola dei ricordi.
Adesso, cento ani fà, che el nono, la nona e so fioi, con speransa e credensa in Dio e dopo de una quantità infinita de sforsi, í la ga alsada su
de tole de pin, in tea longhessa de sinque metri, tute tole bele, sensa gnanca un gropo, taiade co`l segoto de man, co la forsa dei brassi del nono e so fioi, dopo i ghe passea calsina, par darghe vita longa. La fundassion fata de sassi, tuti taiade e metesti a posto co caprìssio e
passiènsia, par èssere dopo la stanza dea cantina, co l`é bote de vin e
bachete de salamI e osacol. Le finestre fate de legno, de le più bele piante
del mato, finestre bele e dopo squase sempre verte par vegner rento n'ària
serena dopo dea tempesta. El coerto fato de scàndole, par tegner la piova
e la brina, santìssima e bela stesso neve. La ga due cosine, rento dea
casa, l`prinsipale, co le poche pignate smaltae che í gavea e nte altra
banda, un pochetin retirata, nantra, più vècia, co`l fogon de matoni,
sempre co`l fogo infiamà e el brondin dea polenta, acompagnata de altre
pignate co l"àqua drio boier, par coser í bìgoli e taiadele. Nte quela cosina
gavea la tola granda ndove i noni e so fioi in torno magnea, dopo dela preghiera. Ntel primo piano ga la stanza co la scarsa mobília e ndoe zera
picadi su nte le parede í ritrati dei antenati, la gavea anca la càmera dei
noni, e ntele parede, le imàgine dea Madona e Gesù. Par andar al secondo
piano, gavea na scala con diese scalin, che portea a le càmere dei zìi e zie. La
gavea í lèti de paioni de scartossi de mìlio. Nte queste càmere ga nassesto
mio fradel Ventura, in quel tempo che`l mondo l'éra più sémplisse e
fraterno.
Sempre che vao trovar el paeselo dei noni, la par sora í monti, ntea
località de Ligna bela, cità de Dr. Ricardo, Provìnsìa de San Piero, go gusto
de veder la casa sentenària. Quando rivo davanti, un po distante, sentà
nte un sasson, in silénsio scomìnsio a remirar quela casa sbandonatà,
adesso sensa el giardino di fiori dea nona de una banda e sensa el vignal
del nono de quel'altra. Adesso, se pol dir che la ga la someiansa de na
granda signora, vècia, piena de riga ntea testa parvia dea eta, magari
ancora bela e piena de tenassità, come zera el caráter dei nostri antenati.
Alora in quel momento co'í òcii saradi, me par da veder, la imàgine
del nono Umberto, sentà davanti la cantina, nel so caregon predileto, con
so capel de ala scavessada in su e drio molar par ària na fumana de so
pipade e anca acompagnà de so due amici, Santantoni e San Piero. Dopo,
ancora co'í òcii saradi e la man ntel cuor, nte me testa vien la imàgine
dea nona Carolina con so fassoleto in testa, bela e imponente come zera
so casa, la vedo nel giardin, drio spergir àqua ntei Fiori:... margherite,
garòfoli Rossi, beiòmeni e gìlii bianchi come la fàcia dea Madona, fiori
benedeti del giardin del cielo, parvia che adesso, per í so ati, so laoro, so
bontà, la ze in paradiso insieme ai santi.

Ademar Lizot.

Tradução


A casa dos meus avós é simples e sem luxo, posso afirmar que bastante
humilde também. Porém com a autenticidade bendita e sagrada de uma
igreja, sem riqueza e sem ouro, uma igreja somente de simplicidade e
verdade. Assim para mim, ela é bela e majestosa, melhor dizer imponente
igual a um verdadeiro castelo.
A cem anos atrás, meus avós e seus filhos, com esperança e fé em Deus
e depois de uma quantidade infinita de esforços, a construíram, de
madeira, tabuas de pinho com cinco metros de comprimento, madeira de
qualidade, serradas com serra manual, com a força dos braços do avô e
seus filhos, meu pai foi um deles, depois passaram a cal, para dar-lhe vida
longa. A base feita de pedras, cortadas e colocadas no lugar com capricho
e paciência, pois ali seria a futura cantina, com as pipas de vinho e
prateleiras com salames e osacol. As janelas feitas com madeiras das
melhores arvores da mata, belas janelas, depois quase sempre abertas,
esperando um ar sereno depois da tormenta. O telhado de tabuinhas,
para deter a chuva e a geada, bela igual a neve. A casa tinha duas
cozinhas:.. Dentro a principal, com as poucas panelas esmaltadas que a
vovó tinha. Ao lado um pouco mais retirada, a outra, mais velha, com o
fogão de tijolos e sempre com o fogo acesso e acima a panela da polenta,
acompanhada de outras com água fervendo, para cozinhar os “bigoli” e
“taiadele”. Naquela cozinha tinha a mesa grande onde a família fazia as
refeições, após a oração. No primeiro pavimento tem a sala com pouca
mobília e nas paredes os retratos dos antepassados. Neste pavimento tem
também o dormitório dos avós e na parede a imagem de Nossa Senhora e
do menino Jesus. Ligando os pavimentos tem uma escada com dez
degraus que leva aos dormitórios dos filhos. Num destes dormitórios
nasceu nosso irmão Ventura, num tempo em que o mundo era mais
simples e fraterno.
Sempre que retorno a terra de meus avós, na serra, localidade de “Linha
Bonita” município de Dr. Ricardo, RS, tenho imenso prazer de visitar a casa
centenária, localizada entre o jardim e o parreiral. A vejo abandonada,
com a semelhança de uma grande senhora, agora velha, com rugas no
rosto devido a idade, porém ainda bela e cheia de tenacidade, igual era o
caráter de seus construtores.
Quando estou em frente a suas paredes, imagino o avô Umberto, o
vejo em frente a cantina, sentado em sua cadeira predileta, com seu
chapéu de aba frontal tapiado na testa, saboreando seu cachimbo na
companhia de seus amigos, que parecem ser São Pedro e Santo Antonio.
Depois, ainda com os olhos fechados e a mão no coração, em minha alma
vem a imagem da avó Carolina, com seu lenço na cabeça, bela e
imponente como era sua casa, a vejo em seu jardim, regando as flores
benditas dos céus, pois pelos seus atos, seu trabalho e sua bondade,
agora ela está no paraíso junto aos santos.

2 comentários :

  1. Caro Ademar Lizot, son incantà a ledar i to raconti. Questo ze oncora pì emossionante e poetico de chealtri.

    Intanto che te ledevo me ze vegnesto in mente un film del 1957, in bianco e nero, del regista svedese Ingmar Bergman che quel ano el ga vù el premio de la critica al Festival Internassional del Cinema a Venessia e tanti altri premi....... "Il posto delle Fragole" in italiano, "Morangos Silvestres" in portoghese; (titolo original: Smultronstället).

    Willie Franceschini

    ResponderExcluir
  2. Gràssie Wiillie e bisogno dir che anca mi go visto quel belissìmo film.

    ResponderExcluir

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.