Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

domingo, 4 de março de 2018

El naufràgio del Bastimento - Ademar Lizot


Talian

“Oh Sírio, Oh Sírio, pòvera dea mìsera squadra; che ga stato per molta gente Taliana el mìsero fin.”
La stòria che raconto adesso, la nona me contea ancora quando zera picoleto, bisogna dir che la ze na stòria de infortùnio che ga sucesso ai imigranti Italiani in viàio nel mar. Di de ancoi, posso contarla con de pi detàlii, parvia de la risserca dea internet, però sempre ricordando l`é
parole dea mia Santissíma nona.

L`era el giorno due de agosto de 1906 e nel porto de Genova Itàlia, gavea un grando
inmuciamento de passagieri drio pareciarce par imbarcar nel bastimento “il Sírio”. L`era zobia,
una bela giornada se anca el sol el se gavea sconto in meso a le nùvole. Í tossatei í fea festa, í
corea par de qua e par de la, co í òcii pieni de incantamento, par veder par la prima volta el
mar e el bastimento maestoso. So genitori í gavea dentro del cuor el sentimento che in che`l
giorno í ghe cavea del cuor la Pàtria Itàlia.

L`era el giorno del grando viàio dea so vita con destin a l`Mèrica, nel bastimento de nome
il Sírio”, l`era una moderna nave in che`l tempo. Gavea 115 metri de longeva e 22 metri de
larghessa, construto ne la Inglaterra e lansato nel mar ai 26 de marso de 1883, peseva
4.141 tonelade e movesto a 5.323 cavai-vapore, la acomodassion ai passageri zera in tre
categorie: 80 passageri ne la prima classe, 40 ne la seconda e 1.200 ntea classe imigrante.

Ntel momento dea partensa, l`era bel de veder el saludo de le persone co`i fassoleti bianchi che sgorleva al vento. Gavea a bordo 700 imigranti Véneti e Trentini. El comandante zera el capitan Giuseppe Piconne de 68 ani de eta e 46 de de sapiensa co la profission.

Dopo de giorno e meso de viàio, el “Sírio” nel litoral Spagnol ga imbarcá nantri 300 passageri, meio dir clandestini, cosi la imbarcassion transporteva 1.700 passegeri, magari zera
par portare solo 1.300 passageri e 127 tripulanti, dopo se ga savesto che´l comandante del sírio l`era abituà a aumentar so réndita cargando su clandestini nel litoral spagnol. Così el bastimento ga recominsià el viaio con destin a l`Mérica co la capassità de transporto sora del peso total permissìbile e un giorno dopo che`l ga saisto del litoral spagnol, ga ocoresto la
desgràssia. L`era sabo dopo mesdi, el capitan Giuseppe riposava e el bastimento l`era soto el
comando del terso oficial. A le quatro ore, tuti a bordo í ga scoltà e ciapà un bruto s-cioco de
insurdir e anca un colpo che ga sgorlà el bastimento intiero, parvia che`l ga batesto nei sassi
(arrecifes) nel fondo del mar. In que`l momento 300 passageri dea classe imigrante i ga perso
la vita de colpo e sparimento de altri 200. Che`í altri che ze stati boni salvarse, la
imbarcassion spagnola “Jovem Miguel” ga catà su del mar, í zera cerca de 300 nàufraghi. Dopo
quela imbarcassion la e stada obrigà a tirarse via del posto, parvia de la scòpia (splosion) de la caliera e
el presto sfondamento del Sírio, sbandonando così altre centene de persone nel mar. Quei
che ga rivà in tera í ze restai guaridi per la populassion de Cabo Palos de Cartagena e Alicante,
nel litoral Spagnol. Intra í nàufraghi morti, gavea inùmere autorità religiose che`í ritornea di
Roma:..
El véscovo de San Paolo Monsegnor José de Barros, el prior dea òrdine dei Beneditini e
anca oto missionari Italiani che vegneva al Brasile e el consul dela Áustria nel Rio de Janeiro,
Leopoldo Poltzer.
Nel naufràgio del bastimento “il Sírio”, 422 persone ga perso la vita, de questi 300 í zera
Veneti e Trentini. El comandante Guiseppe Piccone, ga sopravivesto al naufràgio, magari nò al
dolore, due mesi dopo del disastro, el ga sofresto un ataco cardíaco e morto. El naufràgio de “il
Sírio”, le stato el più tràgico momento dea epopea de la imigrassion Italiana al Brasile e el ga
marcà profondamente ntea memòria dei Imigranti che sempre í noni disea ai nipotini:..”Chi nò
sa par chi pregar, pregha a cquei che i ze ntel mar.”

Ademar Lizot.

Tradução Para Português

 
A história que conto agora, minha avó contava quando eu era pequeno, é uma história triste
que aconteceu com os imigrantes Italianos em viagem pelo mar. Agora posso escreve-la com
mais detalhes grassas a pesquisa na internet, mas sem esquecer as palavras de minha santa
avó.

Era o dia 2 de agosto de 1906, o porto de Genova na Itália estava repleto de passageiros
aguardando o momento do embarque no transatlântico “il Sírio”. Era uma quinta-feira, bela
embora o sol estivesse atrás das nuvens. As crianças faziam festa, corriam de um lado a outro,
com os olhos cheios de encantamento por verem pela primeira vez o mar e aquele navio. Seus
pais tinha naquele dia o sentimento que a Pátria Italiana lhes era tirada do coração.
No dia da grande viagem, com destino ao Brasil e Argentina, no transatlântico “il Sírio”, que
na época era um navio moderno, tinha 155 metros de comprimento e 22 de largura, de
fabricação inglesa e lançado ao mar em 26/03/1883, pesava 4.141 toneladas e impulsionado
por um motor de 5.323 cavalos-vapor. Acomodava os passageiros em 3 categorias:.. primeira
classe 80 passageiros, segunda 40 e 1.200 passageiros na classe imigrante.

No momento da partida, todos acenaram seus lenços brancos. Havia a bordo 700 imigrantes
Venêtos e Trentinos. O comandante era o capitão Giuseppe Piconne de 68 anos de idade e 46
de experiência na profissão. Após um dia da partida o “il Sírio” embarcou no litoral da Espanha
embarcou mais 300 passageiros, melhor dizer clandestinos, assim agora a embarcação
transportava 1.700 pessoas, quando a recomendação era 1.300 e 127 tripulantes. Depois
descobriu-se que o comandante tinha por abito aumentar sua renda carregando clandestinos
no litoral Espanhol. Assim o navio reiniciou a viagem com a capacidade de transporte acima
do peso permitido. Um dia depois que saiu do litoral espanhol, aconteceu o naufrágio. Era
sábado após o meio dia e o capitão Giuseppe estava dormindo após om almoço e o navio
estava sob o comando do terceiro oficial, então em torno das 4 horas da tarde, todos a bordo,
sentiram um choque e ruído muito grande que estremeceu o navio inteiro quando chocou-se
com as rochas (arrecifes) no fundo do mar. Naquele instante, em torno de 300 pessoas da
classe imigrantes perderam a vida, mais o desaparecimento de uma centena, Depois os que
conseguiram salvar-se, a embarcação espanhola “Jovem Miguel” recolheu no mar. Aquele
navio não conseguiu recolher mais náufragos porque foi obrigada a retirar-se do local devido a
explosão das caldeiras do “il Sírio” e seu rápido afundamento, abandonando assim muitas
pessoas no mar. Os que conseguiram retornar a terra firme, foram acolhidos pela população
de Cabo Palos de Cartagena e Alicante. Entre os náufragos estavam várias autoridades
religiosas que retornavam de Roma, entre elas o bispo de São Paulo, monsenhor João de
Barros e mais 8 missionários Italianos que vinham ao Brasil.

No naufrágio 422 pessoas perderam a vida, entre elas 300 eram imigrantes Venêtos e
Trentinos. O comandante Giuseppe Piconne sobreviveu ao naufrágio, porém não a dor e dois
meses depois morreu de ataque cardíaco. O naufrágio do “il Sírio” foi o mais trágico
acontecimento da epopeia vivida pelos imigrantes e marcou profundamente na memória de
seus descendentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.