Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

sábado, 28 de abril de 2018

La Batàlia de Montese - Ademar Lizot

'La cità de Montese, localisada in meso a le provìnsie de Modena e Bologna, nel paeselo
de Emila-Romana Itàlia, ze stato palco de la più sanguinosa e crudele batàlia che el esèrsito
brasilian ga infrontà ntea seconda guera mondial, la più bruta de tuti tempi.

L`éra el giorno 14 de aprile de 1945, quando í batalioni brasiliani, soto el comando del
General gausso Mascarenhas de Moraes, ga scominsià el infrontamento al esèrcito de la
Germània e dei soldati de Mussolini, che`i zera tuti a posto in diverse fortificassion al longo dele montagne, nte un tereno de difìssile aprossimassion e pieni de canoni e metraliadore, l`era cossì un punto perfeto par í defensori far el infrontamento dela batàlia. Dopo de 4 giorni de combatimento el esèrcito del Brasil gavea de pi de 430 soldati feridi e 39  morti, nte un
testimònio de sangue e onor a la libertà dei popoli. Nel giorno 18 de aprile ga vignesto la
libertassion de la cità. Questa le stato una vitòria che`l vinsetor, el esèrsito brasilian, ga buo
pèrdito tanto grande come quele del perdidor. In questi 4 giorni de lota, el fogo dele canonade e metraliatrisse tedesche, ga distruto la cità, le stà un disastro, de 1.120 residense, 833 le ze restà tute rovinà soto tera. Cento e otanta nove persone de la comunità í ga perso la vita e anca de più de setessento feride, soratudo done, vècii e bambini. Í soldati brasiliani ntea batàlia de Montese, í ga infrontà una situassion de contìnua precarietà, parvia che el esèrcito dela Germània, insieme dei soldati fassisti de Mussulini, í zera intriceriadi par sora í monti con la protession de diverse fortificassione. Questi ati de coràio e onor, dei bravi soldati brasiliani, che insieme gavea anca tanti tosi fioi de imigranti taliani, che i ze ritornati a la Pàtria dei so
genitori par con sàngue e coràio portar la libertassion del popolo d`Itália. Setanta tre ani fà, de tante vite trate via nte quela stùpida guera. Penso mi che la guera ze una inbessilità andove í gióvani che no i se cognosse mea e cossì anca no se òdia cossì tanto í se copa intra de lori solamente par una decision de vècii, a lontan de le batàlie, che í se cognosse e che i ga el cuor pien de odiosità, però questi vècii che òdia cossì tanto, no i ga mea coràio de coparse, cossì se pol dir che la guera ze la più granda stupidità dei omeni.
Adesso ntea piassa de Montese, ga un monumento in onor ai soldati del Brasil e tuti ani, al giorno 25 de aprile, el popolo de Montese, davanti de quel monumento, í fà un omenàgio a tuti quei che ga fato el spedissionàrio ntela campagna d`Itália. In quel momento, davanti la bandiera d`Itália e del Brasil, co la gratitùdine che vien del profondo de so cour e la ànima piena de contantessa, co`l corpo indrissà i canta l`ino de la FEB, “Forsa Spedissionària Brasiliana.”

“Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra,
Sem que volte para la´
Sem que eu leve por divisa,
Este V que simboliza a vitória que virá.

Ademar Lizot.



Tradução para português

A batalha de Montese
A cidade de Montese, localizada entre as províncias de Modena e Bolonha na Emilia-Romana, Itália, foi palco da mais sangrenta e cruel batalha que a FEB (Força Expedicionária Brasileira), enfrentou na sua campanha na Itália na segunda guerra mundial.
Era o dia 14 de abril de 1945, quando os batalhões do exército brasileiro, sob o comando do general gaúcho Mascarenha de Moraes, começaram o enfrentamento ao exército da Alemanha e dos soldados Italianos de Benito Mussolini, que estavam entrincheirados em diversas fortificações ao longo das montanhas, em um terreno de difícil acesso e protegidos com artilharia e fogo de metralhadoras, era assim um lugar perfeito para os defensores. Depois de 4 dias de intensa luta, os expedicionários brasileiros aviam sofrido mais de 430 feridos e também 39 mortos, dando assim um testemunho de sangue e honra na luta para a libertação do povo e da cidade de Montese. Foi uma vitória em que o exército vencedor teve perdas tão grandes quanto o exército derrotado. Nestes 4 dias de batalhas, o fogo dos canhões e metralhadoras inimigas destruíram a cidade, foi um verdadeiro desastre, pois das 1.120 casas, 833 estavam destruídas, 189 civis mortos e mais de 700 feridos, principalmente velhos, mulheres e crianças. Os soldados do Brasil, nesta luta, enfrentaram uma situação de continua precariedade, pois o exército inimigo estava dominando posições de plena vantagem. Foram atos de extrema coragem e honra dos brasileiros e junto a eles lutaram com o mesma coragem e honra, muitos filhos de imigrantes Italianos que depois de muitos anos retornaram a Pátria de seus pais para libertar o povo Italiano.

Agora 73 anos fazem que muitas vidas se perderam em mais uma estupida guerra, confirmando assim que as guerras são uma grande imbecilidade, onde jovens que não se conhecem e não se odeiam, se matam somente por decisões de velhos que se conhecem e se odeiam, mas não tem coragem de enfrentar-se e matar-se.

Na praça principal de Montese, tem um monumento em honra aos expedicionários brasileiros e todos os anos no dia 25 de abril o povo italiano presta sua homenagem aos heróis da FEB. Naquele momento em frente as bandeiras do Brasil e Itália, com seus corações plenos de gratidão e contentamento, cantam o hino do expedicionário, provocando até mesmo lagrimas nos olhos dos mais velhos.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 24 de abril de 2018

Como ouvir o Programa Filò co'l Gìgio

Amigos, leitores do Site Brasil Talian e ouvintes. Estamos muito felizes com o novo programa que está acontecendo agora ( A partir das 20:00 horas) aqui na Rádio Amici del Talian. É o primeiro programa Filò co'l Gìgio apresentado por Ernani Fazolo.
Porém com tanta gente escutando nesse exato momento é possível que você não consiga ouvir. porque o número de ouvinter pode superar o número contratado no plano de Rádio Web (estamos ainda nos adaptando a audiência), mas como não podemos deixar você sem ouvir, caso esteja tendo problema aconcelhamos abrir o vídeo abaixo em uma nova guia (depois feche esta) que é a mesma coisa. O que se passa no vídeo é exatamente o programa de hoje. Com exceção das participações.

O Programa Filò co'l Gìgio vai ao ar todas as terças-feiras a partir das 20 horas e começou nesse dia 24 de abril







Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 22 de abril de 2018

Ricordi de la colònia - Lembranças da Colônia

Talian

Chi ga nassesto e dopo cressesto ntel interior, ntea colònia, el porta par tuta la vita rento
del cuor la simplissità, umiltà e í ricordi de che`l tempo che`l vento ga porta via. L`éra un
tempo de laoro dea matina fin scurir. Go la fedùcia de dir che zera un tempo che se godea la
vita pieni de contantessa e felissità. L`era un tempo che`l mondo zera tanto difarente, sensa la
comodità e el conforto de di de ancoi. Ricordo sempre de la dificultà che zera par far el bagno
e í bisogni de tuti giorni, parvia che no se gavea la stansa de bagno rento dea casa, compagno
adesso, cossì se fea el bagno solamente una volta par stimana, squasi sempre al sabo dopo
meso di. L`e tose se bagnea ntea càmera dei leti, prima le impinisea na cadina de aqua freda e
dopo metea insieme l´àqua dela sielera che zera drio boier. Bisogna dir che le tose, quele de
pi caprissio l`e fea el bagno tre o quatro volte par stimana. Co`i tosi zera difarente, ghe tochea
bagnarse nela aqua del rieto, darente andove se lavea l`e robe, magari ogni giorni vanti de le
colassion, sempre se lavea la fàcia e le man e vanti butarse zo in leto, í pie. Sti ani quando un
toso scominsiea a bagnarse anca ai mèrcori, l`era parvia che`l se gavea cata fora na morosa.
Co`i piu vècii, zera una sofarensa par farli far el bagno, soratuto ntei giorni de fredo, parvia
che`i gavea paura de malarse, de ciapar na palmonite e dopo morir. Ntea nostra faméia, el zio
Domenico, cognome Minguin, gavea el intestardimento de un mul vècio par far el bagno, e
solamente quando la nona lo ciamea de schifoso, alora andea al rieto bagnarse, e zo porchi,
parvia che quando el zera cativo no`l zera mea bon de dir tre parole sensa quela de le quatro
no la sia na bestema, le ghe viegnea fora cossì, par sbàlio, come vien na scoresa. Ntel
momento del bagno, zera un vero sucedimento, mèio dir un spetàculo, se andea tuti vederlo
bagnarse, parvia che no`l cavea mea l`e mudande e el capel dea testa par bagnarse, passea el
saon par sora e dopo rento del rieto con l'àqua fin í denòcii, dopo de bagnarse cossì ben el se
sechea soto el sol.
Par far í bisogni del corpo, anca zera difarente, sti ani se gavea el bucal soto el leto par
qualche pissadina a mesa note. De matina bonora se levea su del leto co`l osamento del gal e
el canto dei osei, dopo par far í bisogni del corpo se andea in volta a capoere, ntel bosco a
lontan dadrio del paiol, tante volte soto la piova, con la erba móia, però bisogna dir che zera
anca bel far í bisogni ntel bosco, dadrio de na pianta, soto la so ombria, co`í ràgii del sol che
spunta, co`l vento che sùfia e scoltando la maraveiosa orchestra dela natura, co´l odor dei
fiori silvestri, insieme dei osei che canta e anca qualche mosca che busna. Dopo co`l passar
dei ani, í ga fato una casetina, cinquanta, sessanta metri a lontan dea casa, í ghe ciamava
patente e ogni volte, dopo de magnar un panson de pignoi, e che dopo vignea í dolori,
bisognea corer a tute gambe, in quei momenti parea fin che se metea una eternità par rivar a
la patente.
Cossì zera sti ani, in quel tempo che el vento ga porta via. No se gavea squasi gnente rento
dea casa, la mobìlia zera scarsa; ntea cosina, solamente una o due pignate smaltàe, insieme
de la pignata de fero de pareciar la benedeta polenta, che la nona sempre parlea che par
noantri de dissendenti Veneti, se gavemo polenta, radici e qualche altra misturà insieme, nò
bisogna più gnente. Però, in quela casa de umiltà e simplissità, de cosina scarsa de pignate e
piati, de sala sensa mobilia e càmera dei leti, co`í paion de scartosse de mìlio, la zera anca una
casa co una granda abondansa de amor e felissità.
Ademar Lizot.

Tradução para português

Quem nasceu e depois cresceu no interior, na colônia, leva por toda a vida, um caráter de
simplicidade e humildade e tem sempre junto as recordações daquele tempo que o vento
levou, tempo de trabalho de sol a sol e também um tempo em que as pessoas viviam mais
contentes e felizes. O mundo era muito diferente, sem as comodidades e confortos de agora.
As vezes lembro das dificuldades que enfrentávamos nas coisas mais simples do dia a dia,
como por exemplo para tomar banho e as necessidades diárias, pois não tínhamos banheiro e
sanitários dentro de casa, com instalações hidráulicas. Assim era normal tomar-se banho
somete uma vez por semana, quase sempre aos sábados a tarde. As mulheres se banhavam no
próprio quarto de dormir, primeiro enchiam uma banheira de agua fria e depois misturavam
uma ou duas chaleiras de agua quente, as caprichosas banhavam-se até três ou quatro vezes
por semana.
Com os rapazes era diferente, tomavam banho na sanga, perto da tabua de lavar roupas e
todos tinham o habito de sempre lavar as mãos e o rosto antes das refeições e os pés antes de
deitar. Naqueles tempos quando um rapaz começava a tomar banho também na quarta-feira,
era porque estava namorando.
Com as pessoas mais velhas era bem mais difícil o banho, principalmente nos dias frios, pois
tinham medo de adoecer, de pegar uma pneumonia e até morrer. Em nossa família tínhamos o
tio Domenico, apelido Menguim, que era o mais teimoso para tomar banho e somente quando
a nona o chamava de nojento e o mandava tomar banho ele obedecia, porem reclamando, até
blasfemando. Nestes dias era até um acontecimento, o banho do tio velho. Chegava perto da
sanga, tirava a roupa, menos o chapéu e as ceroulas que sempre usava por baixo da roupa,
depois entrava na agua na altura dos joelhos, se ensaboava com ceroula e tudo, se enxaguava
e depois saia da agua para secar-se no sol.
Para fazer as necessidades do corpo então era completamente diferente na roça tempos atrás.
Todos tinham o urinol, o famoso “pinico”, sempre abaixo da cama, para as emergências
noturnas, depois no dia a dia, era mais o menos assim:...De manhãzinha saltávamos da cama
ao cantar do galo e depois íamos fazer as necessidades nas capoeiras, no bosque atrás e
distante do paiol, as vezes com chuva, mas é necessário admitir também o quanto era legal
fazer as necessidades no bosque, atrás de uma arvore, sob a sua sombra, com os raios do sol
que despontavam, com a brisa suave do vento e escutando a maravilhosa orquestra da
natureza, com seu odor de flores silvestres, junto dos pássaros cantando e alguma mosca
zunindo. Depois com o passar dos anos fizeram uma casinha, 50, 60 metros distante da casa e
que chamávamos “patente”. Muitas vezes aconteceu que ao comer alguma fruta sem lavar a
casca e depois, dava aquela dor de barriga e tinha que disparar, nestes momentos parecia que
demorava uma eternidade para chegar a patente.
Assim era naquele tempo, que o vento levou, não se tinha quase nada dentro de casa, a
mobília era pouca, na cozinha, uma ou duas panelas esmaltadas junto da panela de ferro para
cozinhar a bendita polenta, pois como a nona sempre dizia, para nos descendentes, se temos
polenta, radicci e alguma outra mistura, não carece de mais nada. Acima de tudo aquela casa
simples e humilde, era possuidora de uma grande abundancia de amor e felicidade.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 21 de abril de 2018

Estréia aqui na Rádio Amici del Talian o Programa Filò co'l Gìgio

Primeiramente gostaria de esclarecer o motivo dessa postagem em português. Quero que todos compeendam essa notícia maravilhosa.
Nessa terça dia 24 de abril estréia aqui na Rádio Amici del Talian. O programa acontecerá todas as terças-feiras a partir das 20 horas e será apresentado ao vivo pelo grande apresentador Ernani Fazolo de Xavantina-SC. Músicas, histórias, alegria, entrevistas... Tudo o que não pode faltar em um programa cultural.
O programa será apresentado em TALIAN, a língua de imigração italiana no Brasil, a nossa língua.
Esperamos por você, avise os visinhos, amigos, compartilhe essa notícia.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Tempo de ndar via - Tempo de Partir - Ademar Lizot

Talian 

El tempo porta via squasi tuto, ma nò í momenti vivesti, nò la emossion del cuor, tutavia se
pol dir che`l tempo le anca signor de nostro destin e la vita la ze compagno de un giugo de
carte e in questo giugo el destin fa la mescolansa de le carte e noantri bisogna giugar. Anca
cada cosa ga el so tempo giusto, cossì dopo dela tempesta vien i bei tempi, dopo dei giorni de
bruto caldo, vien quei con la brina santìssima e bela come la neve. Ga el tempo dei campi de
arare e piantar formento e dopo el tempo del grano da crèssere.
In questo mese de aprile ga vignesto par mi el tempo de andar via, de cambiar de posto e
cità, dopo de tanti ani andar via dela Provìnsia de San Piero, questo paese benedeto che a
tanti ani, ga acoliesto pròpio cossì ben, la nostra gente rento de suo cuor, cossì me fá fin pecà
andar via. Adesso andemo compir nostro destin nte l`altra banda del fiume Uruguai, nel
stado de Santa Catarina. Le un tempo che bisogna sbandonar tante robe e desmentegarsse
de quele stradete che me portea sempre al medésimo posto. E quando se va de star nte na
cità a lontan de tante persone speciale, persone che gavemo sempre dentro del cuor,
persone che ntel libro dea stòria dea nostra vita, le ze in tuti í capìtoli, alora ntel momento
dea partensa, del ùltimo abrassio, de la ùltima parola, vien un pianzamento e in quel s-ciantin
me vien la confirmassion che`l valor de un abràssio no´l ze mea ntel tempo de so durassion,
ma si ntea intensità che sbate nostro cuor . Ntel momento che gavemo oltrapassa la frontiera,
ntel fiume Uruguai, go sentisto nel cuor el medèsimo sgrissolon de dolor che ga sentisto nostri
noni, ntel giorno che`i ga fato la partensa dea so Pàtria Itàlia, tanti ani vanti, par vegner via a
l`Mérica.
Adesso son de star nte una cità darente al mar, con una belìssima spiàgia, el clima qua le bon,
né massa caldo, né massa fredo, cossì se sta pròpio ben a casa, parché ga sempre n`ària
serena che vien rento par la finestra e la vista de questo paeselo le tanto bela. Me piase ogni
giorni, quando el sol el ze a tramonto, caminar par la spiàgia, a perder de vista e in quel s-ciantin
che so drio caminar, vardo dadrio e osservo le mie pestade ntea sàbia e quele pestade le me
fa la finta de esser definitive nte un tempo che definitivo le solamente el nostro ùltimo
sospiro. 
Alora co`i òcii pieni de serenità e l'ànima indenociada davanti l´altar de la natura,
remiro el firmamento e anca la imensità del mar e ringràssio al Siore Dio, che par la so
grandiosità e bontà senfa fin ga regalà a so fioi con questa natura spetacolar. Le un momento
che me vien el sentimento e la cossiensa, che mi son tanto picoleto in presensa de questa
grandiosità, però anca benedeto, parvia che go la fedùcia de dir che anca mi so fiol de chi ga
fato questa maravéia.

Tradução para português

Quase tudo nos leva o tempo , mas não os momentos vividos, não a emoção sentida no
coração. O tempo é também senhor de nosso destino e a vida é igual um jogo de cartas em
que o destino faz a mistura das mesmas para nós depois jogarmos. Assim cada coisa tem o
tempo certo de acontecer, depois da tempestade tem os bons tempos, depois dos dias de
calor, os de geada fria, tem o tempo de arar os campos e plantar as sementes e depois o
tempo de crescer os grãos.
Neste mês de abril, chegou para nós o tempo de mudar de lugar, de cidade. Depois de
tantos anos, ir embora do Rio Grande, este lugar abençoado, que a tantos anos atrás acolheu
nossa gente dentro de seu coração. Agora vamos cumprir nosso destino no outro lado do rio

Uruguai, estado de Santa Catarina, é um tempo de mudar tantas coisas e também de esquecer
tantos caminhos que levavam sempre aos mesmos lugares. E no momento de partir para este
lugar, agora distante de tantas pessoas especiais, que estão sempre dentro de nosso coração,
pessoas que no livro que conta a história de nossa vida, estão constantes em todos os
capítulos, então no momento da partida, no momento do último abraço, da última palavra,
sinto que vem do fundo da alma um pranto sentido e naquele momento tenho a confirmação
que o valor de um abraço não está no tempo de duração, mas sim na intensidade que bate o
coração. Depois quando transpomos a fronteira do Rio Grande, sobre a ponte do rio Uruguai,
senti a mesma emoção, que provavelmente meus avós sentiram, no dia em que partiram da
Pátria em que nasceram, para residir em outro País.
Agora resido em uma cidade junto ao mar, com uma bela praia, o clima é bom, nem muito
quente, nem muito frio, assim está sempre legal em nossa casa, pois tem sempre um ar sereno
adentrando nas janelas e a paisagem do lugar é belíssima. É sempre um prazer caminhar pelas
areais da praia a perder de vista, e nestes momentos que estou a caminhar, olho para traz e
vejo nas areias as minhas pegadas fingindo serem eternas, em um tempo que eterno é
somente nosso último suspiro. Então com serenidade e emoção, em frente ao altar da
natureza, com minha alma de joelhos, admiro o céu e a imensidão do mar e agradeço ao
Criador que por sua grandiosidade e bondade sem fim, nos presenteou com esta natureza
espetacular. É um momento em que tenho a consciência de quanto sou pequeno na presença
desta grandiosidade, porem me sinto abençoado por também ser obra do criador destas
maravilhas.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Gira l'amore (Caro Bebè) - Em italiano e espanhol

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.
Para baixar essa música em italiano, clique aqui
Para baixar essa música em espanhol, clique aqui.

Versão Ragazzi dei Monti (italiano) 


Versão em espanhol (Gigliola Cinquenti)

Italiano

Il grillo canta solo per amore.
La pioggia cade quando un fiore muore
È bello il fiume quando l'acqua è pura
Ma questo l'uomo non lo pensa mai.
Sapete perché il mondo va?
Perché intorno al mondo gira l'amore
E allora com'è, oh mamma dimmi tu,
Che avevo un bel biondino e ora non l'ho più?
Caro bè bè, tu non lo sai
Chi non ha soldi non naviga mai
Caro bè bè, la verità
È una farfalla che viene e che va.

Col cuore tu non spegni una candela
Ma puoi buttare all'aria un grande amore
La guerra fa suonare le campane
Ma questo l'uomo non lo pensa mai.

Sapete perché il mondo va?
Perché intorno al mondo gira l'amore
E allora com'è, oh mamma dimmi tu,
Che avevo un bel biondino e ora non l'ho più?
Caro bè bè, tu non lo sai
Chi non ha soldi non naviga mai
Caro bè bè, la verità
È una farfalla che viene e che va.

Mi disse: "non pensarci, bambina.
La vita è una speranza che cammina
Nel cuore ti ho lasciato una stella
Cammina che la strada si fa bella!"


Sapete perché il mondo va?...

Tradução para Português

O grilo canta somente por amor,
A chuva cai quando uma flor morre.
É lindo o rio quando a água é pura
Mas nisto o homem não pensa nunca.
Sabeis porque o mundo vai?
Porque em volta do mundo gira o amor.
E então com é, oh mamãe diz-me tu,
Eu tinha um belo loirinho e agora não o tenho mais.
Caro bebê, tu não sabes,
Quem não tem dinheiro não navega nunca.
Caro bebê, a verdade
É uma borboleta que vem e que vai.

Com o coração tu não apagas uma vela,
Mas podes jogar para o alto um grande amor.
A guerra faz tocar os sinos
Mas nisto o homem não pensa nunca.

Sabeis porque o mundo vai?
Porque em volta do mundo gira o amor.
E então com é, oh mamãe diz-me tu,
Eu tinha um belo loirinho e agora não o tenho mais.
Caro bebê, tu não sabes,
Quem não tem dinheiro não navega nunca.
Caro bebê, a verdade
É uma borboleta que vem e que vai.

Me disse: "não pensar nisso, menina,
A vida é uma esperança que caminha.
No coração te deixei uma estrela,
Caminha que a estrada se torna bela".

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 15 de abril de 2018

El nono che ga tocà magnar co'l cul

El nono el ga tocà magnar par el cul invesse de magnar par la boca, quando el torna casa el scomìnsia sempre a magnar con poco sale e non tanto caldo, ma pian pian el scomìnsia magnar un poco de tuto... E poh" varda el vìdio.
Bisogna che noantri taliani scominsiemo condivider cose come queste ntele rete sossiale parché el mondo ze pien de cose brute. Cose brute te pol vardar che la ga miliàia de visualisassion e cose bone le difìcile far rivar a sento vardade. Parché?
Bisogna piu union fra noantri, alora aspeto che tu TALIAN de sàngue o de cor condivide e se scrive ntel nostro canale del You Tube. Gràssie

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 11 de abril de 2018

El tramonto (Tradução para Talian de “O sol se põe” do Padre Ezequiel dal Pozzo)

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.
Para baixar essa música clique aqui.

 

As informações desse vídeo na descrição do vídeo (clique aqui e veja abaixo do vídeo)


El sole tramonta e sona la campana
Son la campana del’Ave-Maria
Tornemo casa dopo del lavoro
sentindo qua rentro una grande alegria.

Rit: Quando a la sera par la Madona
Si resta la fora ensieme a pregar
L’è tanta emossion che si sente nel peto
Che fin una làcrima vuole cascar. (due volte)

Me fa ricordar dai tempi da bambini
Tanti momenti de grande splendor
La nostra casa, i campi, el tramonto
Che incoi portemo ricordi nel cuor.

Rit: Quando a la sera par la Madona
Si resta la fora ensieme a pregar
L’è tanta emossion che si sente nel peto
Che fin una làcrima vuole cascar. (due volte)

Maria ntei miei òcci mi sguarda ntel fondo
La vuole parlar che manca libertà
ga gente che parte e che more di fame
Ocore vardar con piu fraternità.

Rit: Quando a la sera par la Madona
Si resta la fora ensieme a pregar
L’è tanta emossion che si sente nel peto
Che fin una làcrima vuole cascar. (due volte)
Tradução da música, vozes e produção: Jaciano Eccher (a esquerda da foto)





Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 10 de abril de 2018

Come faremo saver che Dio esiste se non lo vediamo?

Un giorno la maestra ga domandà a i so studenti.
Qualcun sa dir cosa l’e Dio?
Un toso che el zera piu al fondo alsa la man e dise:

- Mi sò. Dio le nostro pupà e ze stato lu che ga creato el mondo.

La maestra alora volendo cavar piu fondo i ensegnamenti del tosato domanda ancora:

- Ma come che tu sai che Dio esiste se tu non lo puo veder?
- La mama me ga dito che Dio ze come el sucro ntel cafè che lo bevo ntela colassion ogni matina. Si anca no lo posso veder lo sò che el ze là, parché se cavo via el sucro, el cafè el resta amaro e non ze bon da bever.

La maestra alora la ringràssia disendo ancora che la gavea ensegnà tante cose a i studenti ma in quel giorno la ga imparà una lession par tuta la vita.
Che anca noantri possiamo dassar la nostra vita piu dolsa con el sucro ntei nostri cuori ciamà  DIO.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Preghiera dela Misericòrdia

Aprile ze el mese dela misericòrdia

Ga dito Gesù: "A le tre dopo mes’di implora la mia misericòrdia specialmente per i pecatori gnanca che sìpia per un breve momento imergiti nela mia Passione, particolarmente nel mio abandono al momento dela morte. Ze una ora de grande misericòrdia per il mondo intiero" .

"Quando con fede e con cuore sensa òdio, mi farai questa preghiera per qualche pecatore vi darò la gràssia dela conversion. Eco la breve preghiera che ti domando"

Preghiera dela Misericòrdia

O Dio clementìssimo, pare dele Divine Misericòrdie e Dio de ogni consolassion, che non voi che nessun fenissa la fede, varda o Dio sora ogniun de noantri e moltìplica le tue Misericòrdie secondo tute le tue dolori, afinché, anca nele più grande calamità di questa vita, non saremo disisperadi, ma che gavaremo sempre fede e saremo rispetosi ala tua volontà, che ze la stessa tua misericòrdia.
Per Gesù Cristo Signore nostro. Cossì sìa.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 3 de abril de 2018

El polastro insegnà - Jaciano Eccher

Bei momenti che porterò par tuta la vita ntel mio core ze ntele prime ore dopo mes'di quando el sol brusea la pel e ancora se podea mia ndar in  campagna laorar parché l'era massa caldo.
In questo perìodo intanto se aspetava che el sole ndea un poco piu in zo el pupà e la mama i ghin fea un bon "chimarrão" e noantri ndea soto una bela pianta de nespe in quela ombria fresca bever questo chimarão e al stesso tempo parlar dele cose che ndévino far.
Par me zera un dei mèii momenti dela vita, l'era quando se stea tuta la faméia ensieme.
E ze stato soto la ombria de quela nespera che go ciapà un pitussel pena nato e lo go portà sempre ensieme a noantri, di dopo di e pianpianin el ze vignesto grando.
Intanto se bevea el chimarrão mi caressava quel polastro e copea i moschin che vegnea becarme par darghe a lu par magnarli.
Dopo quando quel pitussel ze diventà un polastro belo el volea mia star ntei miei brassi ma el restea sempre in torno a me drio magnar i moschin che vignea nele me gambe. El ga diventà un "repelente naturale" e el zera sempre intorno a me, anca quando mi ndea sapar ntel orto dea mama el zera la drio aspetar le lombriche e altri bestiolete.
La vita mia quando ero un toso apassionà par la vita e anca par le bele tosate dea comunità che se trovea neta messa a le doméniche la ze stata cossì, bela e sensa paura de laorar. La bela vita dela campagna me fa nostalgia incoi nela cità!
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

txt

google.com, pub-2838464224155337, DIRECT, f08c47fec0942fa0