Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

sexta-feira, 26 de abril de 2019

La Lètera del nono - Ademar Lizot

Ascoltemo la stòria:



La lètera del Nono


Un fiol che a lontan de  casa se va!  Disdoto ani el gaveva de eta,
Al s-ciarir del di el se ga parecià... Vestito con robe de festa, capel de veludo negro in testa e ben montà nte un  caval de fedùcia e rivador.
La mama co`i òcii pieni de làcrime,  ga domandà...-Dìmelo fiol per carità andove ti va?
- Cara mama, vao via a cercare altro mondo!
- Caro fiol, che`l Signor ti benedissa e  racomando de tuti giorni dir su le preghiere,  insieme del Siquerio de Santantoni, che noantri anca pregaremo par ti.

  Transcoreva el ano de 1894 quando nostro nono Umberto Lisot el ga volesto andar via de casa,   18 ani gaveva de eta e  nte quel tempo la Provìnsia de San Piero  zera soto la brutalità dela Revolussion Federalista, mèio dir una lota de crueltà intrà de fradei, de na banda gaveva la trupa dei “maragati”, de fassoleto rosso  e de quel'altra la trupa dei “ximanghi” de fassoleto bianco nel col. L`éra un tempo in che í òmeni í fea la guera parvia de una bandiera e i se copea parvia  del color d`un fassoleto. Tempo de crueltà, che el scanamento l`éra desgrassiadamente una atitudine abituale dei  conbatenti co`i prisioneri, parvia che tanti gaussi i gaveva la cativa de esser degoladori.
Nel transcorsso de  quel tempo de brutalità, un giovenot de sàngue veneto ntele vene,   ga risolvesto andar via de casa, parvia che`l   gaveva el desidèrio de mèio cognosser el paese che ani vanti gaveva acoiesto so gente e anca imparar  el suo idioma formale. Dopo del adio, par tre ani el se ga lontanà dei genitori e fradei, tre ani co`l  cuor pien de malinconia, sempre laorando e infrontando una mùcia de dificultà.  Cossì el tempo ga passà, fin  che ntel mese de disembre de 1897,  giorno vanti del nadal el ga ricevesto  una lètera  co la caligrafia bruta d`un cantadin, però piena de parole de dolcessa e cossì scrita:...
  “- Caro fiol, felice nadal,  tre ani fà che  ti sei partisto, tre ani e no gavemo mai desmentegá  el giorno dela to partensa e nel trancorsso de questo tempo  la mama povereta la ga pianzesto tanto che gnanca pi làcrime la ga più. Sempre ricordo  quela domènega de matina che piovea e quela piova  che   vignea zo pimpianeto la zera compagno el nostro pianto quando te ga dito:..  "- Vao via a cercare altro mondo!"  Quel giorno anca mi go pianzesto nel profondo de me ànima.  Adesso con  questa caligrafia bruta d`un contadin scrivo par domandar, par farte el invito de cuor e ànima  de ritornar a casa insieme dei fradei e genitori.  Mi e la mama semo belche vècii de cavei grisi e el viso pien de rughe e  gavemo tanti laori de far, e par portar la vita avanti, bisognemo dela to testa, dei  to brassi e del tuo soriso de fedùcia, de chi no ga mea paura de gniente.  Vanti de finir, bisogna dirte che ga La fiola de nostro visin el signor Lanfredi, de cuor e ànima la te aspeta.  Adesso la ga disdoto ani de eta, l`é na tosa belíssima, de ànima lìmpida e pura e parona d`un caráter pien de bontà che rento del cuor   porta la speransa del tuo ritorno, par  insieme a te  alsar su una nova  faméia, piena de amor,  laoro e credensa   in Dio.”
Caro fiol, Felice nadal, insime de San Giuseppe, la Madona e el bambin Gesù.
De to vècio pupà, Giosuè Lisot.

(TRD.)                      A Carta Do Avô

  Um filho que sai de casa e pra bem longe se vai.
  Dezoito anos completou, clareava o dia se aprontou!
 A mãe perguntou:...-Diga meu filho para onde vais?
 Com sua benção minha mãe, vou conhecer o mundo!
 Que Deus te abençoe meu filho e não te esqueças de todos os dias fazer tuas orações, pois nós também estaremos orando por ti.
 Transcorria o ano de 1894 quando nosso avô saiu de casa, 18 anos tinha de idade e naquele tempo o Rio grande do Sul estava sob a brutalidade da Revolução Federalista, uma luta cruel entre irmãos, de um lado os Maragatos de lenço vermelho e de outro os Chimangos de lenço branco no pescoço. Era um tempo em que os homens lutavam por uma bandeira e matavam pela cor de um lenço. Tempo de barbáries em que a degola era desgraçadamente uma atitude comum dos combatentes para com os prisioneiros de guerra.
 Pois foi no transcorrer daquele tempo brutal que nosso avô resolveu sais de casa, pois ele tinha o desejo de melhor conhecer o pais que anos atrás havia acolhido sua gente e também aprender seu idioma oficial. Assim por três anos ele viveu distante dos pais e irmãos, trabalhando e enfrentando muitas dificuldades com tristeza no coração. Assim o tempo passou até que no mês  de dezembro de 1897, véspera de natal, ele recebeu uma carta, com letra rustica de colono, porem repleta de palavras fraternas e assim escrita:...
  Querido filho, Feliz Natal, três anos fazem que partiste, três anos em que ainda não esquecemos o dia de tua partida e no transcorrer deste tempo tua mãe chorou tanto que nem lágrimas tem mais. Sempre lembro daquele domingo que chovia e aquela chuva que caia suave, era igual a nossas lágrimas no momento que tu dizes-te...-Vou em busca de um outro mundo! Neste dia eu também chorei o pranto que vinha de m`alma. Hoje com esta letra rustica de colono te escrevo para convidar-te de alma e coração que retornes a tua casa, junto dos pais e irmãos. Nos agora estamos velhos, de cabelos brancos e face cheia de rugas, também temos ainda muito trabalho a fazer e para levar a vida adiante necessitamos de tua cabeça, de teus braços fortes e principalmente daquele teu sorriso de confiança quem não tem medo de nada. Antes de finalizar quero dizer-te que a filha de nosso vizinho Sr. Lanfredi, também te espera. É uma bela moça que agora completou 18 anos de idade e possuidora de caráter pleno de bondade que traz no coração a esperança de junto a ti formar uma nova família baseada no amor, trabalho e fé em Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?Comente aqui e se possível inscreva-se.

txt

google.com, pub-2838464224155337, DIRECT, f08c47fec0942fa0