Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

sábado, 20 de fevereiro de 2021

La Stòria del Vècio Firmin - Ademar Lizot

Acolta la stòria:

 

 

                                                La stòria del Fermin (per Ademar Lizot)


       La stòria del vècio Firmin, go scoltà quando zera picinin e, adesso de pi o de meno, de sta manera la racontemo...

    L`éra na volta quando el mondo zera altra cosa e, la region de Soledade zera  km e km de campi, sensa fil e sensa palanchi e, persa in quel paisàgio de incatadora belessa, gavea na caseta de baro e matoni, postata par sora de na pìcola ondulassion, giusto nte quel punto in che el ‘Jacui’ fà la curva e, visina de na vècia ‘fighera’. El so paron zera el vècio Firmin, che meso recluso, el compia el so destin. De visin nte`n ràgio de 20 km, el gavea solche un casal de cherochero, un visin sempre franco, sempre sinsero.   Par rivar a quela località, tochea  ciapar quela stradeta, che gavea a la banda drita  del bosco dei bùlgari, alora nte`n troto de mesa ora se podea sguardar la piantona e, el portel dela estànsia, riforsà e ben fato de guajuvira e, in sèghito se podea dir;.. ‘- El  vècio Firmin l`é casa, si, varda el camin co la fumana drita al cielo.’

   - Óh de casa se disea, alora fora el saltea, de barbin, bombàcie e cortel co`l mànego de marfin e, dopo del simaron, el disea:..’Marcolina, porta in qua un vanceto de sorasco par i foresti.’    La so orìgene no se cognossea, ma bastava vardarghe i lavri par incòrzerse che qualche antenato dela rasa negra el gavea. Fora dei sentimenti, no`l zera mia, ma la luna storta si el gavea  de poche parole, mai el contea de si, meno ancora savea dei altri.  Bonasso de cuor, si el zera  e, soratuto valente, próprio de quei quel perìcolo no`l sente e, se anca el peso dela età, el gavea ancora un perfil de ‘angico’ imponente. ‘-Son pupà de disdoto fioi e nò so mia fiol de pupà spaventà!’ Cossì el rispondea se qualche curioso ghe domandea.  I so fioi i zera spaliàdi par tuto el sud del Brasil, resultado del tempo quel fea el tropier de mule e cavai con destin a Sorocaba e, l`é sta cossì che ghe ga vansa i soldi par comprar quel bel toco de campo e, quando  el gavea sessanta passà ani de età, alora  el se ga tolto insieme la so Marcolina, una legìtima índia Kaingang, parona de una belessa ùnica e cristalina.

    L`é ancora de picinin che imagino come che zera bela la vita del vècio Firmin, insieme dela so carina e bela Marcolina, quei viveva in quel paisàgio spetacular, de campi sensa fil e sensa palanchi, magnando sorasco de manzo o piegorin, con fasoi sgranadi a bastonade de faldin e, scoltando  par ària el mugito dei bovini, el relìnsio dei cavai e,  el strèpito del vent che girea in torno dela maestosa Fighera.

    Òstrega,  che l`é ancora de picinin che go  invidia del vècio Firmin.

Ademar Lizot.

                                  A História do Velho Firmino


           Quando era criança escutei de meu pai a história do velho Firmino e, agora de mais ou menos, assim eu lhes conto!

   Era uma vez, quando o mundo era outra coisa e, a região de Soledade era km e km de campos, sem palanques e sem arames  e, perdida naquela encantadora paisagem,  tinha uma casinha de barro e tijolos, posicionada acima de uma pequena ondulação, justo naquele  ponto em que o ‘Jacui’ faz a curva e,  ao lado de uma velha figueira. O seu dono era o velho Firmino, que assim meio recluso cumpria seu destino. Seu único vizinho em um raio de 20 km era um casal de ‘Quero-quero’, um vizinho sempre franco, sempre sincero. Para chegar àquela localidade tinha que deixar a via principal e pegar a outra estradinha, estreita e pedregosa que tinha no lado direito do mato dos bugres e, em com um galope de meia hora já se podia avistar a velha figueira e o portão da estancia, bem feito de guajuvira. Então se podia dizer;..- O velho Firmin está em casa sim, veja a fumaça do fogo de chão subindo direta ao céu.

   Ao chegar se gritava;..- Ó de casa, então ele saltava para fora, de bombacha remangada e na cintura uma adaga com cabo de marfim. Depois do chimarrão ele  dizia:..’-Marcolina traz um resto de churrasco pro andante.’

   A sua origem não se sabia, mas bastava olhar seus lábios para notar que ele tinha um antepassado da raça negra e, embora sentisse o peso da idade, ainda tinha um perfil de ‘angico’ imponente. Fora das ideias não era, mas a lua meio torta sim ele tinha e, de poucas palavras, jamais falava de si e menos ainda sabia dos outros, mas de bom coração, sim era e também valente, desses que o perigo não sente.  Diziam que mais de um havia matado, mas não acredito em tudo que o povo diz, embora naqueles tempos se matassem pela cor de um lenço.

   ‘-Sou pai de dezoito filhos e não sou filho de pai assustado!’ Assim ele respondia se algum curioso lhe pedia. Seus filhos estavam espalhados por todo sul do Brasil, resultado do tempo que trabalhou de tropeiro de cavalos e mulas para o mercado de Sorocaba e, foi assim que juntou dinheiro para comprar aquela quadra de campo e, quando tinha mais de sessenta anos, então se juntou com sua Marcolina, uma legítima índia Kaingang, possuidora de uma beleza única e silvestre.

    Sempre que lembro deste relato de meu pai, me paro a imaginar como devia ser  bela a vida do velho Firmino, junto de sua querida e bela Marcolina, vivendo naquela paisagem espetacular dos campos de Soledade, comendo churrasco e feijão preto e, o únicos ruídos que acariciavam seus ouvidos era o mugido dos bovinos, o relincho dos cavalos e o estrépito do vento que girava em torno da majestosa figueira.

 Bah... é desde menino que tenho inveja do velho Firmino!

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Marina, Marina - Ademar Lizot

Ascolta la stória spunciando soto:

 

 

              Marina! Marina!

   


       In questi tempi de lontanansa sossial e pandemia, par cavarme fora dela malinconia,  scolto na bela cancion de otimismo e alegria, una cancion che me fà ricordar i bali e feste dela mia gioventù, quando a le volte balea con na biondina, a le volte co na morina. Una de quele cancione indesmentegàbile, la zera del ano 59 del sècolo passà, quando la ga  incantà al intiero pianeta e, daventà la predileta par balar. ‘Marina ze el so nome e Francesco D`Napoli el autor e, me manca l`é giuste parole par dir dei bei ricordi che la me fà pulsar ntele fontenele dela testa e, dela bona fortuna che tante volte la me ga portà. Ricordi de quel tempo in che el balo el zera un vero sucedimento, ale volte el zera ala domènega de sera, ma soratuto al sabo, alora vanti s-curir se scominsiea a viver quel momento màgico, se fea presto par netarse e  pareciarse co la mèio vestimenta e, posso dir sensa paura de sbàlio che se gavea  bongusto e elegansa, i tosi de fatiota de casimira inglesa, combinando co la gravata o, el fassoleto. Scarpe lustre e, i cavei lustri anca quei, carghi de brilantina.  L`é  tose con so vestì longhi ornati de merleti e abasso dei denòcii, tute bele, adoràbile e imponente compagno de so inossénsia, con elegansa e garbo l`é gavea la aparensa dei più bei fiori del giardin dela gioventù;  margarite, tulipe e rose de na bianchessa incantadora e, ntel transcorso del baile, quando se cavea fora una che la zera  pròpio del nostro gusto, alora zera na granda emossion e, con ela se balea tuta la note, l`éra come se fusse drio volar par ària e, dopo de due o trè altre cancione, tutiquanti i osamento se dizea:..’Maestro per carità fà sonar la ‘marina’, parché sono inamorato di questa ragaza carina!’ De sta manera nissun restea sentà, nò come d`ancoi che i và al balo solche par bever e,  far fiasco.

        Marina, tanti ani fà che te scolto mia carina!

        Marina tanti ani fà che so inamorato di Te.

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 6 de fevereiro de 2021

Mi son tuto mal ciapà - Fábio Dalló

 Áudio para baixar e tocar na sua rádio. Clique para baixar



Paródia sobre a música Passa lá do Trio Parada Dura.

Adaptação para talian: Fábio Dalló

Interpretação e edição de vídeo: Jaciano Eccher

Letra abaixo do vídeo:

 


Mi son tuto mal ciapà
Mi son tuto mal ciapà
mal de schena e denòcio
mal de gamba, tuto storto
Mi son tuto rabaltà. (Disgrassià)
Sensa schei nele scarsele
Nganca pan ntel le budele
Sensa denti, par magnar.
De un òcio mi son orbo
Dela schena mi son gobo
Poca voia de laorar.
Tuti i di mi fao la ciuca
La parona ze bauca
Su paion la vol restar
Come l’àqua ela se boia
Ma ades no go pi voia
lo ghenò sol par pissar.
Me go dito al me paron
par laorar no son pi bon
che me manca fin el fià
Bevo vin e anca caciassa
Dopo bira con la graspa
E tabaco par pipar
Codeghin com la fortàia,
El figà, polenta e tòcio
Con capussi e pisacan
E par mèio scoresare
magno ancora le patate
e una gamba de salam.
Porogramo del goerno
Ma par mi che va al inferno
Ma pedo no’l pol restar
ndemo tuti a Rio Perso
che metà dea stimana
nganca un toca laorar
co,l paiol pien de panòcia
Tute pronte sensa scorsa
Meno al molin massenar
fino ancoi siamo contenti
co’i amici starghe a renti
Par finir de tribular.




Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Ricordo Ancora - Ademar Liot

Sentimo la stòria strucando soto:

 

Ricordo Ancora

    


Dopo de passadi squasi cinquanta ani, ricordo ancora quela matina ciara e serena del genaio del setanta sèi, quando go partì via soldà e, ntel momento dela partensa go dito a la mama e al pupà:..’- Con  vostra benedission, de casa parto via e,  ghe racomando de consolar la  morosa mia, che la me spete, che tornerò. ”

  E l`é sta co`i òcii moiadi che la mama me ga dito;...

      “Caro fiol, che el Signor-Dio te benedissa e, stà tento de tuti giorni dir su l`é preghiere, che noantri anca pregaremo per te e, nò sta mai desmentegar che la vita la ze una granda lission de umiltà e, gnente ensegna tanto, quanto el sofrir e el pianto,  ma soratuto te racomando de esser sempre bonasso de cuor e sèmplice d`anima.’

   E quando el ònibus ga parti e,  go visto alontanarse i campi e  boschi dela mia infansa,  alora el  cuor me ga pulsà forte rento del peto,  robe de saltar fora par la gola e, dopo de`n giorno e na note de viaio  go rivà a la cità de Uruguaina e, me go presentà a un esèrcito che me ciamea  de ‘Gringo’, parvia del  mio parlar,  co un forte assento trentino. Alora i cavei i me ga taià.  Vestir el  fardamento de color verdo come le olive, me ga tocà e, a la  Pàtria Brasiliana, difènderla con braura go giurà e, par de pi de`n ano el fusil e la baioneta go impugnà.  

    Che`l  ano a lontan go senti come che l`é difìssile stare distante dele persone che se vol pròpio ben e, ntel momento che nò go pi batesto continensa  al sargento, alora  go assà  cressere  cavei e  barbin e, //insieme de na tosa de nome libertà,// so ndato via  compir el mio destin e,  co umiltà e rispeto a tutiquanti,  go porta la vita  avanti, ale volte come se fusse un stròpolo butà via ntela corentessa del rieto, a le volte come se gavesse ciapà na bruta scornada de`n bo inrabià,  ma  con dignità go rivà a la mia veciaia che la me fà  pulsar ntele fontenele dela testa tanti ricordi, che i vien e i và  come el fià che se tirà, ricordi che tante volte ntel silensio dela note i me fà saltar sù del leto, par  sguardar ntel disegno dele nùvole che passà, el viso dela mama e del pupà, insieme dei campi e boschi dela mia infansa, però fora par la finestra sguardo solche paredoni,  de concreto e matoni, alora  co`i òcii moiadi ritorno par butarme zo ntel leto e, nte quel s-ciantin la mia Isoldeta se desmissia e la me abrassià con dolcessa, parché  solche Ela  la sà,  cosa che se passa ntei sarvei de so vecieto.

Ademar Lizot.

  

Saindo de Casa

    Passados quase 50 anos, ainda lembro daquela manhã clara e serena do mês de  janeiro de 76, quando parti  de casa e, no momento da despedida eu disse:...

    ‘- Pai, mãe com vossa benção parto para ser soldado e, lhes peço para consolar minha namorada, diga-lhe que voltarei.‘  ‘- Querido filho que Deus te abençoe e, não esqueça de todo dia fazer tuas orações, pois nós também rezaremos por Ti e, não te esqueças que a vida é uma grande lição de humildade e nada ensina mais que o sofrer e o chorar,  mas tenhas sempre em mente de ser um homem de bom coração e alma simples.

  E quando o ônibus partiu e vi distanciar-se os bosques e campos de minha infância, então meu coração bateu forte no peito, como se quisesse saltar pela goela e, depois de um dia e uma noite, chequei a cidade de Uruguaiana, onde ficava o regimento do exército que me chamava de ‘gringo’ devido meu sotaque com um forte acento ‘Trentin”,  Então tosaram meus cabelos e vesti a farda verde-oliva para jurar defender a Pátria brasileira e por mais de um ano empunhei o fuzil e a baioneta.

     Naquele ano senti como é difícil ficar distante das pessoas que amamos e, quando chegou o dia que não bati mais continência pra sargento e capitão, então deixei crescer barba e cabelo e, me apaixonei por moça de nome liberdade e, assim fui cumprir meu destino e foi entre pedradas e sorrisos que levei a vida adiante, as vezes como se fosse uma rolha jogada na correnteza do riacho, as vezes como se tivesse levado um guampasso de um boi raivoso, mas com dignidade consegui chegar a minha velhice, que me faz  pulsar na testa as belas recordações passadas, que vem e vão como o ar que respiro e, que muitas noites me fazem saltar da cama com a ilusão de ver no desenho das nuvens que passam, a face de minha mãe com seu olhar de ternura e de meu pai com seu chapéu na testa, os dois sãos e felizes la nos campos de minha infância porém no horizonte só vejo paredões de concreto, então  com os olhos molhados  retorno à cama e,  naquele instante a minha Isoldinha se acorda e me abraça com carinho, pois só ela sabe o que se passa na mente deste velhinho.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››