Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Tempo meso tristo - Ademar Lizot

Ascoltemo el pròprio Lizot:
  Tempo meso tristo

Sti ani el nono me ga dito che el tempo l`é compagno de un caval resoluto che trota par non rivar tarde. Adesso posso dir che questo caval
anca mena ntea grupa la modernità e la gratanta parlada evolussion, piena de costumi strànii in che la onestità e el rispeto ga daventà virtù
desmentegàbile, che fa í òmeni sbandonar la fraternità e la moral e zo dei sarvei, i camina in diression ala perversità. Tuti mati no i ze mia boni de capir che quando no se ga almanco na s-cianta de moralità el destin ze el pròpio fin. Cossì parvia de questi costumi strànii de ancoi, che gnanca buon giorno nò se pronunsia più, el mio semblante l`é meso tristo, sconto dadrio el vel dela malinconia, parché sempre me vien el pensiero che l`é persone cha ga alsà su el carater con onestità e simplissità, le ze drio caminar in diression al pròpio finimento, parvia dela mancanda dela abilità de adatarse a questa evolussion.
El nono anca parlea che el tempo ga sempre rason, e se fa avanti par tuti. Adesso i me cavei i ze grissi e í mostàcii grissi anca quei, go el semblante tristo, però tante volte anca seren, compagno el silénsio sacro de una ciesa, parvia che í ricordi e insegnamenti de bontà e pace i ze intaià ntea me testa, compagno de un serno de legna co`l medèssimo color dela stela d`alba, che brusa sensa fin ntea imensità del ciel. Ntea pace dea mia casa, quando sguardo la luna che smorsa la luce del di, l`é un momento de mansuetùdini, che go la sensassion gradèvole che el tempo passa anca pinpianeto, alora con caprìsio parecio el simaron pasturà de fòie de pometi, e quando l'àqua calda del verdo benedeto scalda mio peto, me vien in ànima el sentimento de speransa de un mondo mèio, l`é un s-ciantin che ricordo dei insegnamenti del nono, dele so parole de sapiensa quando afermea che l`eredità più bela e mèio di ogni patrimònio, che í genitori possano nominar ai fioi, ze el esémpio de una vita de onestità,
parvia che sensa onestità, nó se ga mea dignità.

Dopo quando la note con so òcii negri scominsia riposar piena de aflission, impinisso nantra volta de àqua la cuia del simaron e co`l semblante iluminà de serenità e pace, fau el giuramento de che soto mio capel, ga da esser sempre un cristian del tempo antigo che porta rento del peto la simplissità e el rispeto.

Ademar Lizot.

Tempo meio triste

O tempo passa depressa, é igual a um cavalo de confiança e
chegador, que leva na garupa a tão falada evolução, com seus costumes
estranhos, em que a honestidade e o respeito são virtudes esquecidas, e
que o homem esquece de seus princípios e a humanidade caminha em
direção a perversidade, pois quando a moral se entrega o homem chega
ao seu próprio fim. Estes costumes de hoje em dia, deixam meu
semblante tristonho, quase sempre escondido atrás de um véu de
preocupação por causa desta tão falada evolução, em que as pessoas nem
bom dia dizem mais, e também sempre tenho em mente que as pessoas
que construíram seu caráter com honestidade estão caminhando com
destino ao próprio fim, devido a falta de habilidade de adaptar-se aos
costumes perversos de agora
O tempo tem sempre razão, agora meus cabelos estão brancos e
minha barba também, meu semblante é tristonho, mas também muitas
vezes sereno igual o silencio sagrado de uma igreja, pois os ensinamento
de bondade e paz estão gravados em minha mente e são igual um cerno
de guajuvira da cor da estrela d`alva que brilha na imensidão do
firmamento e quando estou na paz de minha casa e vejo a lua apagar a luz
do dia, é um momento de mansidão que me traz a sensação de que o
tempo passa devagarito. Então, sempre ouvindo uma canção do Rio
Grande antigo, com capricho preparo meu chimarrão, cevado com folhas
de maçanilha e quando a água quente do verde bendito aquece meu peito
me vem o sentimento de um mundo melhor. É um momento que lembro
dos ensinamentos de meus pais e avós, de suas sábias palavras quando
afirmavam que a melhor herança, o melhor patrimônio que os pais podem
deixar a seus filhos, é o seu exemplo de uma vida honesta, porque sem
honestidade não existe dignidade.
Depois quando a noite com seus olhos negros dorme aflita, encho
novamente a cuia de mate e com meu semblante iluminado de serenidade
e paz, faço o juramento de que abaixo de meu chapéu sempre terá um
cristão do tempo antigo que leva dentro peito a simplicidade e o respeito.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Stòrie che i noni racontava - El coso nero

Ntei giorni de incoi con la nostra vita in freta non se senti piu quele bele stòrie come le dei nostri noni a un par de ani indrio.
Cossì come le streghe e le striarie (bruxas e feitiçarias) se sparìrono con el tempo anche queste bele e spaventose stòrie sos state perse nel passato. Ma pian pian farò un risgato qua ntel nostro sito. Incoi raconterò una stòria che me pupà racontava e go messo el nome de "El coso nero".


...Lera una note scura, ma de quele pròprio scure sensa luna e pien de nùvole. Me pupà e i so due cosini me zìi nadàvano a scola a pie come tuti i studenti ndea a quel tempo che le cose èrano piu sémplice.
Ciacolando in un osamento felice ndea tuti 3 par la strada, un al fianco de quel'altro. Parlando fursi dele morose, o anca del goerno de Getulio che gavea fato la proibission de parlar talian, cosa i parlea non savemo ma mi scometeria che i era drio parlar de cose soranaturale come fantàsime o altre robe compagne, quando i ghe vede una cosa che ga fato tuti tre star con i cavei duri de "briliantina" ancora piu stecadi.

A pochi metri davanti a lori i ghe vede un "Coso nero", ma tanto nero che si anca quela note fusse tanto scura i ghe vedea una figura ancoa piu scura che la note. L'era come se in quel momento surgìsse ntel mondo nantro tono de nero ancora piu forte.
Zera impossìbile saver cosa l'era, Con la grandessa piu o meno de un can el veniva ntela stessa diression de lori. Par un àtimo i se ga fermà in meso la stradela de tera spauradi come mai. El coso nero el veniva sempre piu darente, sempre piu darente e pianpianin. Invesse de lori scampar via de li, fursi dela paura o fursi del incantamento i ze stati imòbile fin che el coso nero el se ferma a meso metro davanti a un de lori che de tanto spaventamento el ghe da una peada con tuta forsa, ma la peada ga dassà i tre ancora piu spauradi. La peada ze stata par niente. el pie del me zio ga ndato rento del coso nero come se fusse vento, come se fusse niente e pian pian el ga spariu ntel scur de quela note misteriosa.

Por: Jaciano Eccher
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 21 de outubro de 2018

La morte di Corbari - A morte de Corbari (de Giuseppe Bartoli)

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui
Para baixar o áudio dessa música clique aqui

Dica de postagem: Marcos Antonio Corbari/Seberi-RS

 
La morte di Corbari 

Si rovesciavan come spighe di grano
Tra bestemmie che sembravan preghiere 
Verso il cielo palle di schioppo sputate tra i denti 
Andava il nome di Maria e degli altri santi, il primo a cadere fu Corbari
I per il tonfo tremò la terra e fu subito sera 
Li disteso ribelle senza più ali, raspava dal male
Con quella manaccia grande e contadina buona era la terra...Grassa e fine 

Raspa Corbari raspa se vuoi trovare  l'eterno concime della libertà
Il sangue romagnolo che ha ubriacato ogni cuore 
Stringi la terra è sempre quel profumo
E' sempre l'amore della stessa mamma che ti fa da letto povero figlio di Romagna
Stringi ed alza la testa "Su Canaglia!!!!"

 Si alza la camicia insanguinata, sembra un lume a marzo lume di primavera,
È bello lasciare la propria vita per una bandiera 
E quando anche l'ultima sfoglia di sole spolvera d'oro tutta la campagna il partigiano muore...Il partigiano muore.
Davanti a lui un popolo di contadini prega e bestemmia a testa bassa
Sopra di lui una banda di assassini ride con la vergogna in faccia
Brigante della libertà e prepotente ma schietto com'è schietta la sua gente 
Schietto come i nostri giorni passati vicini alle stelle 

Raspa Corbari raspa se vuoi trovare
l'eterno concime della libertà
Il sangue romagnolo che ha ubriacato ogni cuore 
Stringi la terra è sempre quel profumo
E' sempre l'amore della stessa mamma che ti fa da letto povero figlio di Romagna
Stringi ed alza la testa "Su Canaglia!!!!"


A morte de Corbari (de Giuseppe Bartoli)

Derramou como espigas de milho
entre maldições que pareciam orações
Contra o céu bolas de canhão cuspidas entre os dentes
Andava em nome de Maria e outros santos, o primeiro a cair foi Corbari
Devido ao baque a terra tremeu e anoiteceu imediatamente.
 Deixou estendido rebeldes sem asas, raspou do mal
com aquela mão grande e camponesa boa era a terra ... Gorda e pronto

Raspa* Corbari , raspa se quiser encontrar o eterno fertilizante da liberdade
O sangue Romanhês que embriagou cada coração
abrace a terra tem sempre aquele perfume
É sempre o amor da mesma mãe que te faz dormir pobre filho de Romagna
abrace e levante a cabeça "Levante canalha !!!!"

Ele levanta sua camisa ensanguentada, parece uma clarão de março, luz de primavera,
é lindo dar vida por uma bandeira
e quando a última folha de sol burrifar todo o campo com ouro o guerreiro morre ... o guerreiro morre Na ferente dele uma multidão de agricultores rezam e bestemam de cabeça baixa
Em cima dele uma gangue de assassinos riem com vergonha na cara
Brigante da liberdade e arrogante, mas franco assim como sua gente é franca
Franco como os nossos dias passarados perto das estrelas


Curiosidade sobre essa música:

É uma adaptação de uma poesia de Giuseppe Bartoli no dialeto Romanhês (da região da Romagna) para o italiano. A poesia foi feita para Silvio Corbári, medalha de ouro na resistência
deixarei a poesia original nesse dialeto abaixo:

LA MÖRT ED CURBERA
Silvio Corbari


I s’arbuteva coma spig’d grân
cun del biastèm che pareva preghir
e vers e’ zêl
pal’d s-cióp spudedi fra i dént
l’andeva e’nom’d Maria e chietar sént
E prèm a caschê e fo Curbera
e par la bòta
o tremê la tëra e o fo sobit sera
A lé stuglé, ribèl senza pio’ él
u raspeva da e’ mêl
cun cla manaza grânda e cuntadéna
bôna l’era la tëra
grasa e féna
Raspa Curbera, raspa stvò truvé
l’eteran cunzem dla libartê:
e’ sangue rumagnöl
cla imbariaghê ogni côr
Strèca, strèca la tëra
l’è sèmpar cl’udôr
l’è sèmpar l’amôr dla stesa mâma
cut fa da lët pövar fiol’d Rumâgna
Strèca ed elza la tësta, so canàja!
L’as drèza la camisa sanguneda
la pê ôn lôm a Mérz, lôm’d premavera
l’è bèl finì e’ su dé par na bangera
E cvànd che la prema sfója’d sôl
la spôrbia d’ôr tota la campagna
e’partigiân e mör
Bsén a lô ôn pòpul’d cuntadén
o prega e o biastèma a tësta basa
Sôra a lô na bânda d’asasén
la rid cun la vargôgna in faza
E’ sôl c’nas e dà vita a la brèza
nud coma Crèst, inciudê tna trèza
e pasa per l’amiga campâgna
l’ultum re dla muntâgna
Brigant dla libartê e preputént
ma s-cét com l’è s-cét la su zént
s-cét coma i nost dê pasê bsén el stël
fra e’ piânt’d mâma e cvèl de parabël


*Raspar no sentido de arranhar, esfregar. Raspa significa também, grosa, ou seja "raspar = grosar"
Postagem e tradução: Jaciano Eccher

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Viàio a l`Itália (parte 4) - La Cità del Nono - Ademar Lizot

Ascoltemo Ademar Lizot con la stòria:



“Nono, semo ritornati a vostro paeselo de nassità”

La prima doménega del mese de setembre, passà, son
andato cognosser la comuna di Cesiomaggiore, Santa Giustina, Provìnsia de
Belluno, ai piè dele Dolomiti ntei Alpi Italiani. A le tre in punto, al dopo el meso
di, go pestà par la prima volta ntel paeselo che a 130 ani vanti ga visto
scominsiar la stirpe dela mia gente. In quel momento go ciapà in man un
pochetin de quela tera benedeta e co`i òcii alsadi sú al cielo, go ringrassià al
Signor per la gràssia de cognosser el paeselo de nassità de mio nono.”

Alora con òcii pieni de incantamento, go remirà el paesàgio
spetacolare dela località che se slonga dela region montagnosa dele dolomiti di
Cimonega (2.548 metri de altessa), fin la riva destra del fiume piave e fa parte
del “Parco Nazionale dele Dolomiti Bellunesi”, património dela umanità,
andove si trova ancora una natura incontaminata, flora e fàuna de insòlita
richessa. Questo teritòrio zera abità ancora ntea època pre-romana, l`é un
munissìpio, che posso dir sensa paura de sbàlio, che'l ze povoà par persone de
laborosità e soratuto, una stragranda credensa in Dio, parvia dela abastansa de
ciese, capitei e oratòrie, tute construssione ornate de un notàbile interesse
stòrico, compagno dela ciesa di Arcipretale dedicata a Santa Maria Assunta,
andove ntel ano de 1876, mio nono Umberto Lisot ga ricevesto el batésimo.

In quel giorno vanti del sol butarse zo dadrio al tramonto, go rivà
anca ntea località andove ancora ga la casa che ga nassesto mio nono. Di de
ancoi la ze sbandonata, però ancora in piè, drio far una sfida al tempo, vero
testimònio dela competensa dei construtori. Mio bisnono Giosuè e suo pupà
Eustachio, la ga alsada sú ntel ano de 1872, de sassi tuti taiadi con caprìssio e
metesti a posto con passiensa. Con emossion go palpà ntei sassi dele so parede,
che i me antenati a tanti ani vanti, í ga bagna co`l sudor che ghe scoreva par el
viso. Cossì, nte quela doménega indesmentigàbile, quando la calmaria dele
Dolomiti fea so ombria più soave par sora la pianura del vale, le un giorno che'l
ga da èsser par sempre intaià ntea me scàtola dei ricordi, parvia che so un
cristian de sentimento che porta rento del peto el rispeto e la stòria dela mea
gente. Davanti quela casa vècia, adesso squasi in rovina, che ga visto a tanti ani
vanti transcorer la infansa de mio nono, ntel silénsio dele so parede, go cavà el
capel dela testa in onor ai antenati e nte quel s-ciantin me ga vignesto la
impression che nte quela bela doménega, co`l permesso de San Piero, mio
nono Umberto e mio pupà Toni i zera qua zo in tera e nte quel s-ciantin, vissini
a me, de una banda me parea de veder el nono, con suo capel de color negro e
ntel`altra banda mio pupà con suo vardar, che zera una mescolansa de
teneressa co un ciaro de tempesta. Ricordo che in pensiero go dito...

-“ Nono,semo ritornati a vostro paeselo de nassità.” Dopo go scominsià a caminar par
una stradeta postata tra meso el prà e la Montagna par respirar l'ària serena
dei Alpi e vanti dei sudori in testa, go bevesto l'àqua lìmpida dela fontana, la
par sú dei monti, andove ga la fioritura più bela del mondo.

Quando í òcii negri dela note, insieme dela calmaria dei monti sgionfea mio cuor
de malinconia, l`era el momento dela partenssa, alora go remirà par la ùltima
volta che'l paeselo e davanti el silénsio dela montagneria , compagno ga fato
mio nono 130 ani vanti, go dito un Adio definitivo, parvia che mi son de
quel'altra banda del grando oceano e el verdo dei boschi dela Mérica Latina ga
consà mio sàngue, che insieme dele note bele de luna piena, dela Provìnsia
de San Piero, ga iluminà mia infansa.

Ademar Lizot.

Tradução 

A Cidade do Nono

Foi num domingo, o primeiro do mês de setembro próximo passado quando
cheguei na Cidade de Cesiomaggiore, Santa Guistina, Província de Belluno Itália,
aos pés dos alpes Italianos. As 3 horas em ponto, depois do meio dia, pisei pela
primeira vez na terra Venêta, que a 130 anos atrás viu iniciar a estirpe da minha
gente. Naquele momento peguei na mão um pouquinho daquela bendita terra e
voltei meu pensamento ao Pai Celestial para agradecer pelo por ali estar. Depois
com os olhos plenos de encantamento comecei a admirar o local em que nasceu
meu avô e que é a porta de passagem para as “Dolomitas Bellunense”. É um lugar
paisagisticamente espetacular que vai da região das “Dololiti di Cimonega” a 2548
metros de altura, até a margem direita do rio Piave e faz parte do “Parco Nazionale
dele Dolomiti Bellunesi”, patrimônio da Humanidade. É um lugar majestoso onde
ainda se encontra uma natureza sem poluição e uma flora e fauna de insólita
riqueza. Este território de Cesiomaggiore, já era habitado na época pré-romana,
agora é um município, que posso dizer com certeza que é povoado por pessoas
laboriosas e caprichosas e acima de tudo possuidoras de uma grande fé em Deus,
aja visto o grande número de igrejas, capelas e oratórios, todos construções de
notável valor histórico, igual a igreja de Arcipretale, dedicada a Santa Maria
Assunta, onde no ano de 1876 foi batizado meu avô.
Naquele dia, antes do sol esconder-se por detrás dos montes, cheguei na
localidade onde ainda existe a casa onde a 136 anos nasceu meu avô. Agora
abandonada, porém ainda firme, desafiando o tempo, confirmando a competência
de quem a construí. Meu bisavô Giosué e se pai Eusthachio a construíram no ano
de 1872, toda de pedras, entalhadas com capricho e colocadas com paciência. Foi
emocionante tocar aquelas pedras e paredes, que a tantos anos atrás meus
antepassados banharam com o suor de suas faces.

Aquele domingo inesquecível, quando a calmaria das Dolomitas fazia sua
sombras mais suave por sobre o vale, estará para sempre gravado em minha
memória e meu coração, porque sou um homem de sentimento que leva dentro
do peito o respeito e as lembranças de minha gente. Assim em frente ao casarão,
agora quase tapera, que no passado viu transcorrer a infância de meu avô, ali em
frente ao silencio de suas paredes, saquei meu chapéu da testa em honra de meus
antepassados e naquele momento tive a impressão, que naquele domingo, com a
permissão de São Pedro, meu avô e meu pai estavam aqui na terra e junto comigo,
de um lado com seu chapéu preto na testa, ao estilo do Rio Grande antigo, meu
avô, e ao seu lado com sua bombacha sem luxo e ainda com seu olhar, que era um
misto de ternura com lampejos de tormenta, meu pai. Então em pensamento lhes
disse:.-“.Estamos aqui, retornamos ao lugar em que nasceste, agora vamos juntos
caminhar pela estradinha entre o campo e a montanha, para respirar outra vez o ar
puro e beber da água límpida da Fontana.
Quando os olhos negros da noite, junto da calmaria da montanha, trazia um
aperto em meu coração, neste momento admirei pela última vez aquele lugar e o
silencio das montanhas e igual meu avô a 130 anos atrás eu também disse um
Adeus definitivo, pois meu lugar é no outro lado do grande oceano, pois a verde
mata da América Latina temperou meu sangue e as noites lindas de lua cheia da
Província de São Pedro, iluminaram a minha infância.

Imagens da casa da família Lizot:
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 9 de outubro de 2018

La Prima Semensa (A Primeira Semente)

Ivo
Gasparin

1º Capítulo

Olhos paralisados, dedos trêmulos, Carlo ia devorando sofregamente, uma a uma, as
palavras contidas naquela carta. Eram notícias de seu primo Giácomo que há um ano e dois
meses havia partido para a América. ”As colônias aqui são muito boas...É verdade o que dizem
que com poucas videiras fazem muitos barris de vinho. Com 15 vinhas, em 3 anos, se consegue
um barril de vinho... No rio de nossa colônia pode-se montar um moinho e uma serraria... Já
somos mais de 1.400 entre italianos e tiroleses e pensamos até em formar uma nova Itália.
Estamos pensando até em construir um pequeno capitel em homenagem a São Valentim...
Tomem cuidado em Gênova, há muitos ladrões. Chegando em Gênova, tratem de vir o quanto
antes. Providenciem pelas coisas necessárias lá, em Bassano del Grapa. Se puderem,
comprem ferramentas em Gênova para trabalhar a terra: enxadas, foices, serrotes e rodas de
carroça, que o resto nós fazemos aqui. Chegando ao Brasil lembrem desses nomes: Rio Grande
do Sul, Porto Alegre, São Sebastião do Caí e Campo dos Bugres, onde vou esperá-los.”
Tão entretido estava com as notícias da América, que nem percebeu a presença de
Verônica, com a filha Antônia, de dois anos e meio, agarrada em seu colo:
– Varda, nantra carta de Giácomo. (Olha, outra carta de Giácomo)
– De Giácomo?
– Sì, de Giácomo, co le notìssie de la Mérica. (Sim, de Giácomo, com as notícias da América)
Carlo já tinha decidido: não queria repetir a mesma vida do seu falecido pai Honório, uma
vida inteira a serviço dos senhores da terra. A carta de Giácomo era um convite à liberdade.
Faltavam exatamente quarenta e cinco dias para a partida. Iria ele, sua esposa Verônica,
embora estivesse em seu segundo mês de gravidez, a filhinha Antônia e a mãe Assunta.
Em Bassano del Grapa, ficariam seus dois irmãos Fiorindo e Vicenzo, sua irmã Giùlia,
seus primos, seus amigos e seus trinta e dois anos de vida.
Na noite que antecedeu à partida, Carlo não conseguia conciliar o sono. Sua cabeça
fervilhava. Sua mente retorcia-se em meio a mil conjeturas, dúvidas, interrogações. Sabia que
era um salto no escuro, mas precisava ser forte, ter fé.
– Sito mia bon de dormir? – (Não és capaz de dormir?) Perguntou-lhe Verônica, ao perceber
que ele se remexia demasiadamente na cama.
– E el nostro fioleto? (E o nosso filhinho?)
– El nostro fioleto nasserà in Brasile e se ciamarà Próspero. (O nosso filhinho nascerá no Brasil
e se chamará Próspero.)
– Próspero Castelli!... Che bel nome! Nome de segnore... Ma, e se nasse na toseta?
(Próspero Castelli! Que bonito nome! Nome de senhor... Mas e se nasce uma menina?)
– Alora se ciamarà Vitòria. (Então se chamará Vitória.)
– Pròpio!... Vitòria, el nome de la mia nona. Vitòria in Brasile!...(Verdade!... Vitória, o nome da
minha avó. Vitória no Brasil)
Na manhã do dia 23 de janeiro de 1883, acordaram cedo. Um pouco estonteados,
tomaram o seu último café na terra natal e, depois de um derradeiro e angustiante adeus, com
os olhos em pranto, acomodaram-se na carroça puxada por quatro mulas, tomaram a estrada
em direção à ponte do Rio Brenta. Adeus Vila natal, adeus, adeus vales, adeus montes, adeus
igreja de São Valentin onde todos foram batizados.
Depois de um percurso de sete quilômetros, chegaram a Maróstica, seguindo depois por
Sandrigo, penúltima etapa antes de chegarem à cidade de Vicenza. Faltavam ainda 14
quilômetros, seguindo por estradas ao sul, costeando o Rio Bacchilione e assim estaria
terminada a viagem de aproximadamente 35 quilômetros.
Durante todo o percurso, Carlo, que já tinha ido a Vicenza por diversas vezes, ia falando
dos lugares por onde passavam. Antônia era a mais feliz, a mais curiosa, a mais participativa
nas conversas com o pai. Verônica mostrava-se preocupada com o balançar da carroça, pois
levava em seu ventre a esperança de uma nova vida. Assunta, permaneceu quase o tempo todo
calada, talvez imaginando como seria bom se o falecido Firmino estivesse junto dela,

encorajando-a; ele que tantas vezes havia alimentado a esperança de um dia ir à América e ter
sua própria colônia. Seguidamente Assunta repetia uma frase que deixava a todos aflitos e
condoídos:
– E i me fioi Fiorindo e Vicenzo, son secura che no i vederò pì...poareti...Sensa pupà e
sensa mama...(E os meus filhos Fiorindo e Vicenzo, estou certa que não os verei mais... Pobrezinhos... Sem pai
e sem mãe...)
Depois voltava ao seu sofrido silêncio.
Chegaram a Vicenza altas horas da noite.
O carreteiro conduziu-os a uma cocheira de cavalos de um conhecido seu e ali, naquela
estrebaria, acomodaram-se e passaram algumas horas da noite.
Às duas horas da madrugada foram acordados e imediatamente recolheram as bagagens
e deslocaram-se até a estação ferroviária, pois o trem partiria às três horas em direção a
Verona, passando depois por Brescia, pelas planícies da Lombardia, por Milão para, enfim,
chegarem a Gênova, onde encontraram outras famílias vindas de Friul, Treviso, Belluno e de
outras localidades.
Depois de algumas horas, foram transportados em carros, a um lugar chamado
Malassana que fica a uns cinquenta metros do nível do mar com seu grandioso e movimentado
porto. Foram alojados em um amplo salão. Todos apreensivos, perguntavam-se uns aos outros
quanto tempo ficariam ali. Ouviam-se os mais estranhos comentários sobre o futuro.
– Ze belche due mesi che son quà co la me fameia – ( Já são dois meses que estou aqui com a
minha família) dizia um.
– Mi son quà co la me dona, co la nona, con quatro fioi, e le me economie le ze ndrio
fenirse – ( Eu estou aqui com a minha esposa, minha avó, com quatro filhos e as minhas economias estão
acabando) dizia outro.
Mas, talvez pela fé de Carlo, pelas orações da nona Assunta, depois de 28 dias chegou
a notícia:
– Stimana che vien, riva el bastimento. (Na semana que vem chega o navio.)
Carlo, que sempre fora de boa convivência, já havia feito diversos amigos: Francesco
Basso, de Feltre; Caetano Bassani, de Belluno; Clementino Bavaresco e Caetano Barcarollo, de
Cremona, entre outros menos aconchegados, oriundos de Pádova, Treviso, Bergamo, Schio e
de outras localidades. Davam-se ao luxo de jogar cartas na maioria do tempo.
Verônica, por sua vez, vivia de conversas muito íntimas com uma senhora de uns trinta
anos, Paulina Barbieri, que também estava grávida.
Antônia, muito extrovertida e faladeira igual ao pai, já tinha feito diversas amiguinhas e
quase não percebia a penúria pela qual estavam passando.
Assunta era a mais reservada. Vivia mais concentrada em seus pensamentos e só
entabulava alguma conversa com alguma senhora de mais idade que se aproximasse dela.
No dia 5 de março receberam a notícia de que a partida para o Brasil ocorreria no dia 7
e que estivessem preparados. E já no alvorecer desse dia começou um grande burburinho de
pessoas que corriam de um lado para o outro andando em direção ao porto, onde se
encontrava o vapor de nome “Garibaldi”. Crianças choravam, mulheres chamavam pelos filhos.
Muitos, com lágrimas nos olhos, pensavam na incerteza do futuro; quase todos estavam no fim
de seu dinheiro. Alguns mostravam-se alegres, pensando que se aproximava o término de suas
atribulações.
Como uma choca que cuida dos seus pintinhos, Carlo estava sempre atento a tudo.
Andava muito preocupado com Verônica temendo que ela passasse mal. Mas Verônica não se
abalava:
– No stà preocuparte, Carlo, el nostro tatin nasserà in Brasile, belo e com salute.(Não te
preocupes, Carlo, o nosso bebê nascerá no Brasil, bonito e com saúde)
– Sì, gràssie a Dio! E ti, Antônia, resta sempre tacada a la nona. (Sim, graças a Deus. E tu,
Antônia, procura ficar sempre grudada na avó.)
Ao meio dia, com o sol a pino, foram conduzidos para dentro do vapor. Os imigrantes,
aproximadamente uns 1.200, vagueavam na coberta, olhavam-se uns aos outros. Aos poucos,
todos puderam unir-se, família por família, com suas bagagens. Às 15 horas, um agudo apito
anunciou a partida do vapor.

Na primeira tarde tudo transcorreu normalmente, mas, à noite, o mar começou a ficar
revolto. Todos tiverem que descer nos porões do navio. Não podiam ficar no convés porque,
devido às grandes ondas, o navio sacudia muito e era perigoso, pois podiam cair no mar. O furor
do mar pôs tudo em desordem: caixas, baús, objetos de toda a espécie. Um inferno. Ouviam-se
gritos, choros. Alguns, com o terço nas mãos, rezavam. Outros, estáticos de pavor, esperavam
ser tragados pelas ondas. Carlo estava abraçado a todos os seus, rezando, pedindo calma e
dizendo que logo, logo isto passaria. Viam-se por toda a parte, mulheres, crianças e moças
rolarem ao chão no meio de trouxas, gamelas, bolsas, livros de devoção, garrafas.... Naquela
noite, quase todos sofreram de enjoos. Felizmente o dia amanheceu com um céu azul
ensolarado e o mar manso.
Assim se passaram 59 dias entre o céu e o mar. Com dias de sol, dias de chuva, dias de
serenidade e dias de tormentas. A comida era pouca e medida. A água que tinham para tomar
estava numa pipa e todos iam saciar sua sede diretamente na torneira, pois não tinham copo.
Como Antônia era ainda muito pequena e a torneira ficava alta, a vó Assunta ia lá na torneira,
enchia a boca de água e a despejava na boca na menina. Verônica ficava comovida com esse
gesto:
– Varda a nona! No la par mia un ozeleto ndrio darghe de magnar a i fioleti? (Olha a vó,
não parece um passarinho dando de comer aos seus filhotinhos?)
À noite, muitas famílias faziam grupos separados a rezavam o terço. Aos domingos, as
orações eram mais intensas. Cantavam cantos sacros e entoavam até as ladainhas em latim.
Assim passavam os dias: conversando, fazendo planos, jogando cartas. Mas os dias mais
tristes não eram quando ocorriam tempestades, era quando morria alguém. Para Carlo, o dia
mais triste foi o dia em que morreu a irmã de seu amigo inseparável, Francesco Basso, vitimada
pela febre amarela. Colocaram-na dentro de um saco e a jogaram no mar, como faziam com
todos os que ali morriam. O que aconteceu para Verônica foi muito mais marcante. Sua amiga,
Paulina, que estava já de oito meses, teve seu bebê numa noite de turbulência, porém, devido
às más condições, o bebê nasceu morto e, no amanhecer do dia seguinte, depois de uma
cerimônia simples feita pelo capitão, foi jogado ao mar, enrolado num lençol branco.
Chegando ao Rio de Janeiro, tiveram talvez a pior das surpresas; os 1.200 imigrantes
deveriam abandonar o “Garibaldi” e embarcar em outro vapor brasileiro, uma velha carcaça,
denominada “Calderon”, que os levaria ao Rio Grande do Sul, em companhia de outros
imigrantes desembarcados do vapor “Itália”. Se as condições de vida no “Garibaldi” eram ruins,
no “Calderon” tornaram-se muito piores.
Ao meio-dia estavam todos a bordo do novo vapor junto aos que haviam chegado. Quase
todos tiveram que descer aos porões. Ali foram acomodados desordenadamente, sem leitos e
sem repartições para as famílias. Pensavam no incerto futuro e olhavam-se silenciosamente. `
À noite deitavam sobre o duro pavimento, em todas as direções. Às vezes ouvia-se uma
voz de mulher recitando o rosário, outra que procurava aquietar uma criança que as picadas dos
piolhos não deixava dormir, outros, com tocos de vela, perambulavam pelo porão escuro.
– Dio Santo, Carlo, gò tanta paura de perder el nostro tatin! (Santo Deus, Carlo, tenho tanto
medo de perder o nosso bebê!
– Nò, Verônica, nò... Adesso nò! P’amor de Dio!... Coraio che ghe manca poco! (Não,
Verônica, não... Agora não! Pelo amor de Deus!... Coragem que falta pouco!)
Verônica continuava em suas intermináveis e silenciosas orações.
Finalmente, a 11 de maio, o navio entrou na Barra e chegou ao porto da cidade de Rio
Grande. Os imigrantes desembarcaram e foram confinados em um barracão denominado
Casa dos Imigrantes, um barracão sem paredes divisórias, bastante sujo, onde entravam e
saíam, à vontade, as vacas e os cavalos, seja de dia ou de noite. Imediatamente, os imigrantes
procuraram vassouras feitas com ramos de árvores para varrer aquele lugar imundo. Em
seguida, aquelas fragilizadas famílias procuraram um canto para fixar sua provisória morada.
Depois de uma quinzena naquele fétido barracão, em 26 de maio, chegou o aviso de que
deveriam se preparar para partir. Foram embarcados desordenadamente em um outro vapor,
que entrou na Lagoa dos Patos, em direção a Porto Alegre. Como essa Lagoa é de navegação
um tanto difícil pelos seus bancos de areia finíssima, os imigrantes foram obrigados a se
desfazerem de seus pertences mais pesados como máquinas de costura, arados e jogá-los na

água. Seguiram até a embocadura do Rio Guaíba e, depois de aproximadamente 24 horas,
vislumbraram as primeiras casas da Capital. O navio encostou na ponte de desembarque e os
imigrantes foram conduzidos à Casa da Imigração, que apresentava um aspecto bastante
descente, pois tinha repartições para cada família, com camas rústicas.
– Gràssie a Dio semo rivai – (Graças a Deus Chegamos) - disse Carlo para Verônica.
– Te gò dito che’l nostro tatin nasceria in Brasile. Ghe manca solo um mese, par le me
conte. (Eu te disse que o nosso bebê nasceria no Brasil. Falta apenas um mês pelas minhas contas.)
Dias depois, veio a ordem de nova partida. Ordenados em longa fila, atravessaram
algumas pontes pênseis, denominadas de “trapiches”, para chegarem ao vapor que tinha o
nome de “União”. Era um pequeno barco fluvial que possuia rodas nas laterais para facilitar o
transporte.
Por volta das 10 horas, através do Rio Caí, o vapor adentrou por uma região de bosques.
Nas margens via-se somente mato virgem. De vez em quando, via-se uma casinhola construída
de barro e coberta com folhas de palmeiras.
Depois de quase uma centena de quilômetros, às 9 horas do dia seguinte, o “União” deu
o aviso de chegada ao povoado de São Sebastião do Caí e os imigrantes foram conduzidos à
Casa da Imigração, uma verdadeira barraca, sem trincos nas portas e janelas.
No dia seguinte, o empregado da Imigração avisou que daquele ponto em diante, a
viagem até o destino, seria feita em cavalgaduras. Cada cavalgadura, com sela, além de
carregar uma pessoa, levava dois cestos, onde, às vezes, eram colocadas crianças. Por não
haver cavalgaduras suficientes, os homens seguiriam a pé.
– Verônica, monta sù nte che a mula lì che, me par che, la ze mansa. (Verônica, monta
naquela mula ali, que me parece ser mansa.)
– Nò, assa che vae la nona, che la ze intrigada de caminar. (Não, deixa que vá a vó Assunta
que está com dificuldade de caminhar.)
Ao que a nona Assunta imediatamente retrucava:
– P’amor de Dio! Vuto ndar sù pa i monti a piè par perder el tatin? (Pelo amor de Deus! Você
quer subir os morros a pé para perder o bebê?
– E se a mula la se rabalta, no l’è mia pedo? (E se a mula cai, não é pior?)
– A mula no a se rabalta, nò... La ze costumada. (A mula não cai, não... Ela é acostumada.)
Alguns caixões, que vieram da cidade natal, tiveram que ser desmontados para poderem
levar o que cabia nas cavalgaduras. E assim, guiados por um tropeiro moreno, que comandava
uma pequena tropa de burros e mulas, iniciaram a subida da serra. A tropa encaminhou-se por
uma estrada que, pouco a pouco adentrou no mato, transformando-se em estreito trilho cercado
de ervas, arbustos e espinheiros. Verônica, com o peito apertado e com o coração em
frangalhos, pedia a Deus e à Virgem do Bom Parto que a protegessem de todo e qualquer mal.
Os homens, cabisbaixos, ora adiante, ora atrás daquela pequena tropa, seguiam pela subida
molhada e escabrosa, cheia de degraus e buracos feitos por cascos de cavalos.
Carlo, conversando com o homem dos burros e das mulas, ficou sabendo que era o
mesmo tropeiro que, há mais de um ano, havia levado o seu primo Giàcomo até a localidade de
Nova Milano e depois até o Campo dos Bugres.
Quando Verônica ficou sabendo da conversa de Carlo com o tropeiro, não conseguiu
mais conter as lágrimas. O sonho estava para se realizar.
Repentinamente, porém, ouviu-se um grito sufocado. Toda a tropa parou. Carlo,
enlouquecido, jogou-se no pequeno precipício por onde a cavalgadura de Verônica havia
deslizado. Verônica encontrava-se caída, ainda com as pernas prensadas sob o corpo da mula.
Soltava pequenos gritos de dor e orava a Deus. Quando Carlo a alcançou, pediu que mantivesse
a calma que logo, logo ela sairia de lá. Auxiliado por outros homens, aos poucos, conseguiu que
Verônica se desvencilhasse. Colocou-a sentada sobre uma pequena tábua, amarrou umas
cordas feito um balanço, e assim foi retirada do buraco. O tropeiro, vendo a profundidade do
pequeno precipício, com muita frieza, sacou do cinturão uma enorme pistola e acabou com o
sofrimento do animal.
Quando tudo parecia serenado, houve uma pequena correria e um aglomerado de
pessoas procuravam reanimar Verônica que se encontrava desmaiada. Quando a nona Assunta
percebeu que escorria sangue pelas pernas de Verônica, entre soluços e súplicas pediu para

que as pessoas se afastassem e que permanecessem apenas duas mulheres que tivessem
coragem de ajudá-la. Para ela, que havia feito tantos partos na Itália como parteira, tinha
chegado a hora de receber em seus braços o seu primeiro neto. Depois de quase duas horas de
insistência, de luta, de quase desespero, de ansiedade, Verônica acabava de parir o seu sonho:
Próspero havia nascido “in Brasile”. Mas quando Carlo veio correndo para conhecer seu filho e
ao ver a nona Assunta abraçada fortemente em Verônica em pranto descontrolado, teve uma
súbita desconfiança. Por não escutar choro de criança e ao ver, ao lado do corpo de Verônica
um pequeno embrulho envolto em panos, teve a certeza: seu filho não tinha resistido a tantas
tribulações. Paralisado, extasiado diante de tanta desgraça, precisava ser mais forte do que a
fragilizada esposa. Abraçou-se a ela e choraram copiosamente perante o respeitoso silêncio dos
demais.
– Cara, adesso bisogna enteralo, cara...(Querida, agora precisamos enterrá-lo, querida...)
– Nò... enteralo quà nò... (Não, enterrá-lo aqui não...) – Como uma onça felina que defende o
seu filhote, agarrou-se fortemente ao pequeno embrulho. – El me fioleto vegnarà insieme con
mì! (O meu filhinho virá junto comigo!)
Todos ficaram estupefatos olhando aquela comovente cena. O tropeiro, sabendo que
ainda demorariam mais alguns dias para chegarem ao Campo dos Brugres, prontamente tirou
sua capa de couro e ofereceu-a a Carlo para que o filho fosse embrulhado nela e pudessem
continuar a viagem.
Tiveram a sorte que, logo após a chegada ao Barracão dos Imigrantes, apareceu o
primo Giácomo que, volta e meia, vinha ao Campo dos Bugres para ver se Carlo havia
chegado. Foi como se tivesse chegado o socorro a um punhado de náufragos no meio do
oceano. Todos desandaram a chorar, a dar graças a Deus, a dizer coisas desconexas. Só
depois de muitas lágrimas, Giácomo, vendo que Verônica permanecia triste, de cabeça baixa,
segurando em seus braços um pequeno embrulho, perguntou:
– E ti, Verônica, sito mia contenta? (E tu, Verônica, não estás feliz?)
Imediatamente Carlo arrastou-o para um lado e lhe falou tudo o que acontecera.
Depois de eternos minutos de um silêncio comovente, Giácomo disse:
– Alora, ze meio che partimo. (Então é melhor partirmos.)
A colônia destinada à família de Carlo era a do número 10, no Travessão Barra, mas,
falando com o representante do Governo encarregado da distribuição dos lotes, chegaram a um
acordo que era melhor trocar pela colônia de número 25, perto da colônia de Giácomo, que era a
de número 26, no Travessão Leonel.
Seguiram a pé, e depois de um dia e meio de viagem, para cima e para baixo de montes,
caminhando sobre o trilho feito pelos cascos de cavalos, no meio de florestas, ouvindo-se
apenas o ronco dos macacos, o cantar dos pássaros e ruídos estranhos de animais
desconhecidos, chegaram a um exíguo galpão, que era a primeira moradia do local, de
propriedade do primo Giácomo. Ali ficaram por diversos meses até que Carlo construísse sua
própria casa. Mas, a primeira providência a ser tomada, foi abrir uma pequena cova, sob a
guarda de um frondoso pinheiro, para que o pequeno Próspero tivesse, enfim, descanso. Era a
primeira e próspera semente italiana a ser plantada no alto da serra gaúcha, de onde brotaria
tanta prosperidade.

(Obs. Conto baseado em fatos e depoimentos reais dos livros “Entre o passado e o desencanto” e
“Cozì vive i Taliani”, incluindo pequenos textos, ad literam.)

Ivo Gasperin
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Viàio a l`Itália (parte 3) - Ademar Lizot

Ascoltemo el Lizot con la tòria...



Roma


Imperadori di Roma, Nero, César, Marco Aurélio, che la stòria ga imortalisà, in
quei tempi che la vita de un omo l`éra decisa traverso de un gesto col deo, i arfermea
che el cuor polsante di Roma, no l`é mia el marmo dei monumenti e construssione
maestose, ma sì la sàbia calda e incarminada de sàngue dela arena di guera del
Colosseo. Questo ze un dito dela antiguità che go ricordà ntel giorno che so andato
trovar la cità eterna, con so construssione e monumenti imponenti... El Colosseo vero
sìmbolo dela Roma imperial, par sempre incarminà co`l sàngue dei gladiadori in
combate de vita o morte. Dopo el “foro Romano”, che zera el centro del poder
imperial, postà tra meso la colina del monte Paladino e la colina del monte Capitòlio,
che vissin dele muràlie (dighe) e aqueduti di Roma i ze compagno dela cità di Pompèia,
strassinada soto le sénare del vulcan Vesúvio. Adesso questa grandiossità l`é
solamete rovine deserte che el sol del oriente calcina co`í so ràgie che brusa. Adesso
posso dir, che go visto butadi zo nte quei sassi, solamente un vestígio de quela
poderosa civiltà, che zera el centro del poder del mondo nela antiguità e che ga moldà
anca el mondo par sempre.
Però dopo de vinti sècoli passadi, ogni cose ga cambià e
posso dir che di de ancoi, el vero cuor polsante di Roma, ze ancora i monumenti,
costrussione e sculture che la umanità ga eredità de quela civiltà maestosa, cossì go
osservà quando son riva davanti la Basìlica de San Piero, nte una doménega de
matina, la ùltima del mese de agosto pròssimo passà. La grandiossità de quel edifìssio
me ga mena un sentimento profondo de rispeto, la so belessa me tireva adosso una
gratanta amirassion, con tresentoquaranta stàtue colossai de santi, màrtire e àngeli.
In quel momento go sentisto mio cuor polsar forte parvia dela stragranda emossion.
Adesso questa ze la casa del Papa Francesco che con amabilità e sapiensa comanda la
ciesa de Cristo. Alora co`í òcii pieni de contentessa, go ringrassià al Signor-Dio par la
gràssia de cognosser quela ciesa maestosa e dopo rento dela Basìlica, go mirà la so
imponensa, mèio dir la genialità construtiva che no go mea la abilità par discrever,
con so ogni pinture e sculture, soratuto el capo laoro del scultor Michelàngelo
Buonarroti che ntel ano de 1499, con suo spìrito creador insieme de una tènica
perfeta el ga slevà sú in marmo la più notévole e bela scultura de tuti tempi, la
“Pietà”, che ritrata con emossion, el dolor e la divintà dela Madona sora el corpo
morto de suo fiol Gesù. Nte quel momento, davanti de quela imàgine maestosa, go
ricordà che Michelàngelo quando el ga finìo quel capo laoro, el ga dito a la Madona...-
“parla”.
Nte quela doménega dopo de tante emossione, go scominsià a pensarghe sora la
genialità de quei artisti che ga alsà sú laori cossì maestosi e penso mi che questa
genialità non l`é solamente la conseguensa de un stragrando laoro, ma anca la volantà
de Dio che sempre con so bontà sensa fin se manifesta nte la ànima del magnìfico
artista, L`é anca la apoteose dei nòbili sentimenti che insieme de na intenssa emossion,
alsa sú momenti de luminosità e el grando mèrito del artista, l`é saver tradur la
genialità imortal traverso de so capo laoro.

Ademar lizot.

Tradução para português

Nero, César e Marco Aurélio, imperadores de Roma na antiguidade, aquele tempo
em que a vida de um homem era decidida com o gesto de um dedo, afirmavam que o
coração pulsante de Roma não é o mármore belíssimo de seus monumentos e edifícios
majestosos, mas sim as areias quentes do Coliseu. Este dito da antiguidade lembrei no
dia em que visitei a cidade eterna, seus edifícios e monumentos imponentes, o Coliseu,
verdadeiro símbolo da Roma Imperial, incrustado com o sangue dos gladiadores em
luta de vida ou morte. Depois o fórum Romano localizado entre a colina do monte
Paladino e a colina do monte Capitólio, que junto dos aquedutos e muralhas, agora são
ruinas que dormem um sono de 20 séculos assim como a cidade de Pompéia soterrada
pelas cinzas do vulcão Vesúvio. Essas grandes obras de outrora são agora somente
ruinas desertas que o sol do oriente calcina com seus raios inclementes. Posso dizer
que vi deitadas naquelas pedras, somente o vestígio daquela civilização que foi o
centro do poder mundial na antiguidade e moldou o mundo para sempre. Após mais
de 20 séculos muitas coisas mudaram, mas ainda o coração pulsante de Roma são seus
monumentos, construções e esculturas que a humanidade herdou daquela civilização
majestosa.
Foi isso que observei quando cheguei em frente a Basílica de São Pedro, era
domingo, o ultimo do mês de agosto próximo passado. A grandiosidade daquele
edifício me trouxe um sentimento de profundo respeito e diante de sua beleza parei
admirado pelas suas 340 estátuas colossais de santos, mártires e anjos. Naquele
momento meu coração pulsou forte devido a grande emoção. Esta é também a casa
do Papa Francisco que com amor e sabedoria comanda a Igreja Católica. Então com
meus olhos plenos de contentamento, agradeci a Deus pela graça de conhecer aquela
igreja majestosa, e depois dentro da Basílica admirei sua imponência, melhor dizer sua
genialidade construtiva, a qual não tenho talento para descrever, com suas pinturas e
esculturas, principalmente a obra-prima do artista pintor e escultor Michelangelo
Buonarroti, que no ano de 1499 com seu espirito criador, acompanhado de uma
técnica perfeita, esculpiu em mármore a mais notável e bela escultura de todos os
tempos, “La Pietá”, que retrata com emoção a dor e a divindade de Nossa Senhora,
Mãe de Jesus, com seu filho morto nos braços. Naquele momento em frente aquela
imagem divina, recordei do escultor que ao finalizar sua obra prima falou
comovido:...”Parla”.
Naquele domingo, depois de tantas emoções, comecei a pensar sobre a genialidade
daqueles artistas que produziram trabalhos imortais, penso que esta genialidade não é
somente o resultado de um trabalho grandioso mas também a vontade de Deus, que
em sua bondade infinita se manifesta pela alma do artista. É também a apoteose de

seus nobres sentimentos que junto de uma intensa emoção lhe traz momentos de
luminosidade e o grande mérito do artista é saber traduzir sua genialidade imortal
através de sua obra prima.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

txt

google.com, pub-2838464224155337, DIRECT, f08c47fec0942fa0