Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

sexta-feira, 29 de março de 2019

Arivadi a 800 mila visualisassion - 800 mil visualizações no site

27 de marso de 2019 ze stato el di che el sito Brasil Talian ga rivà a 800 mila visulisassion.
L'é sicuramente un bon nùmero però gavemo bisogno de tanto de piu parché no'l ga mia un ano. El Sito Brasil Talian ga fato 7 ani el di 8 febràio.
Complimenti par tuti i scritori del sito, le persone che giuta mantegner, quei cha fa la so divulgassion dela so maniera....
Fin al fine de 2019 rivaremo a la "panòcia grande"? Rivaremo el primo milion de visualisassion?
L'è possìbile che si ma gavemo bisogno de meterghe legho ntel fogo tuti i dìi, tute le stimane.
Qua te trovi tante cose bele, un laoro fato par non ciapar nissun fiorin, laoro fato con amore. Mi imagino el Sito Brasil Talian come una gran scàtola de oro, el ze una scàtola grande de cucagna che noantri scritori impienimo di dopo di par dassarla piena par i nostri fioi e nipoti dopo quando noantri saremo in paradiso.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 26 de março de 2019

Dei bótoli a la carta igiénica - Roberto Arroque e Ademar Lizot

Stòria de Roberto Arroque
Tradussion de Ademar Lizot

La abitùdini de igiéne dela populassion atual del nostro paese , adesso la ze compagno
dei popoli del primo mondo. Tutavia nò le mia stato sempre cossì, parvia che fin la carta
igiénica, sti ani nò la zera mea recognossuta come indispensàbile.
Ancora nel fine dei ani sincoanta, sempre intra meso í preparative d`na granda festa in
so casa, í Signori contadini, se anca í fussi pieni de abondansa, í pareciea na stragranda
quantità de bòtoli de milio, tuti neti e pieni de teneressa, par fornir la “patente”, che zera
come se ciamea la caseta sanitária nte che`i ani. Però sti bòtoli i gaveva anca na granda
concorensa e la carta-igiènica squase gnanca particepea, zera l`é foie “lengua de vaca”,
gratanto prestìgiade par tutiquanti e gaveva anca altre erbe de altre qualità. Però el mistier de
netarse el cul nte che`i ani, bisognea anca sapiensa, parvia che tante de quele erbe le podeva
menar brute ricordi d`una cussolada ntea caponera a la maniera de sti ani, come parla ntei so
versi el grando poeta Jayme Caetano Braum, -“che zera netar el cul con careson nel stilo dei
gaussi”. Ricordo che nte na volta el grando contador de stòrie Nelson Ribeiro, quando el zera
ancora tossatel dela scola maestro Zambenedetti, che la zera andove di de ancoi l`é localizà el
club Gausso, nel centro dela cità de Serafina Correa, alora na volta quando el ga sentisto el
sonido dela campanela anunciando el finimento del recreio e lu ancora incuciado zo ntel
careson davanti la scola, nte quel s-ciantin el ga ciapà in man co sveltessa, par netar el cul, un
massolin de erbe che zera darente. Però par desgrassia quele erbe zera de quele rabiose, più
cognossesta come erbe “brusa cul”. Dopo de quela “netada ala gaussa”, el ga vivesto na
situassion dramàtica, tanto che`l maestro Zambenedetti ghe ga toca de menarlo a so casa par
so femena pareciarghe un bagno de “aqua-malva” e dopo anca na compressa de àqua de rose,
che ga permesso el ritorno a la scola, co meno dolori.
Í bòtoli de milio e erbe í gaveva de concorrente strassete vècie de pano e foie de carta.
Dopo ntei ani 40 e 50, quando el giornal l´éra el distaco nela region, nò solamente par leder,
però anca pica sù nte un ciodo ntea parede dela patente.
Alora ntei ani 50 quela maniera primitiva de igiene la ga buto la concorensa dela carta
igienica(papel higiênico), però el zera bruto, gratanto seco e pien de ruspeghessa, própio
descòmodo par netarse, che ancora zera mèio doperar l`é foie del giornal, taiade nela
longhessa dela culata e se assea la carta igienica solamente par l`é visìte.
Se anca gavea carta igiènica più civilisà, quelo scuro e aspro ga neta par tanto tempo el cul.
Ricordo che ancora nei ani 80, la carta igiènica che gavea nel antico INPS, zera de un tipo pien
de aspressa, che de pi spaliea che netea. L`é persone dizea che:... Fa finta che`l ze de veludo, se
anca el te tira fia un toco, e questa carta la ze tanto bruta, par fin che la ze riforsà co`l
filamento de asso temperà.
Co`l passar dei ani, conforme el cul ga vignesto più sensìbele, la indùstria dele carte igièniche
ga meliora la tecnologia, cossì l`é persone se ga convento de che una carta più soave zera soldi
ben gasti. Però la abitùdini del “ OFF LABLE” dei giornai nò le me astato nostra invension,
parvia che anca ntea civilità Spagna dei ani 70, quando el giornal El País, zera soto la censura
dei governi fassisti, quelo giornal gaveva ancora granda stima parvia de so qualità sanitária.
Anca in Cuba, el popolo dedica grando rispeto al giornal e nò parvia de so scriti. El giornal
Granma, l`é anca gratanto stima parvia de so foie de soavità. El gional Tribuna de Havana ga la
carta piena de ruspeghessa, cossì el ze meno stimà ntea comunità. Tutavia el giornal Juventud

Rebelde, l`é solamente stimà ntei bagni dele stassion rodoviarie, parvia dela ruspeghessa de so
foie e soratuto parche la so tintura blu ga el costume de stampar notìssie nte le culate.

Português

.
Os hábitos de higiene da população atual poderiam situar a nossa região entre os
povos do Primeiro Mundo. Porém nem sempre foi assim. E até mesmo o papel higiênico muito
teve que “ralar” –em vários sentidos— antes de ser reconhecido como indispensável.
Ainda no final dos anos Cinqüenta, dentro dos preparativos de uma grande festa na
casa algum senhor rural abastado, fazia parte a escolha cuidadosa de uma grande quantidade
de sabugos de milho, limpos e macios, para abastecer a “patente”, como se chamava a casinha
sanitária comum naquela época.
Mas no dia a dia o sabugo tinha uma grande concorrência, da qual o papel higiênico
quase não participava. Folhas como as da língua-de-vaca eram, então, muito prestigiadas.
Punhados de ervas macias diversas também. Só que a arte de bem limpar-se era para
iniciados, visto que algumas plantinhas podiam deixar tristes recordações de uma acocorada
na capoeira à moda antiga --como a dos versos atribuídos ao grande pajador Jayme Caetano
Braun, que ensinavam que “é só limpar como macega no velho estilo gaúcho...” Pois foi numa
dessas que o grande contador de histórias Nelson Ribeiro, quando ainda era uma criança da
escola do professor Zambenedetti –que se situava onde hoje está o Clube Gaúcho, no centro
de Serafina--, ao ouvir a sineta anunciando o final do recreio, e ainda acocorado num macega
próxima à escola, passou a mão rapidamente em um maço das ervas que cresciam ao seu
redor e limpou-se de modo rápido mas vigoroso. Eis que uma súbita e terrível ardência o fez
dar-se conta que aquela era a erva que atendia pelo nome de “brusa-cul”(“queima-cu”)!
Nelson Ribeiro contava que viveu momentos dramáticos em seguida àquela “limpada a la
gaúcha”. A ponto do professor Zambenedetti levá-lo para a sua própria casa, atrás da escola,
para a esposa preparar logo um banho de água de malva e, em seguida, uma compressa de
água-de-rosas, que permitiu voltar à escola em condições ainda dolorosas mas já toleráveis.
Os sabugos e as ervas tinham como concorrentes os trapos velhos e, cada vez mais, os
papéis de diversas origens. Nos anos Quarenta e Cinqüenta o jornal adquiriu grande destaque
em nossa região, e não somente para a leitura. Foi quando surgiu a dúvida, até hoje não
adequadamente esclarecida, de quanto tempo duraria a antiga –e muito volumosa-- edição
dominical do jornal Correio do Povo pendurada no “prego da patente”...
Em algum momento da década de Cinqüenta todos esses modos primitivos de higiene
passaram a ter a concorrência séria do papel higiênico. Mas o de uso costumeiro, um papel
escuro e enrugado, muito seco e áspero, era considerado tão desconfortável que ainda se
considerava vantajoso cortar cuidadosamente quadrados de folhas de jornal de tamanho
proporcional aos bumbuns da casa e deixar o papel higiênico apenas para as visitas...
Mesmo que existisse papel mais civilizado, aquele escuro e áspero imperou por muito
tempo. Lembro que, já nos anos Oitenta, o papel higiênico que as repartições do antigo INPS
dispunham era de um tipo muito cruel --e acusado pelos funcionários de ser mais espalhador
do que limpador. Um dia uma tira dele apareceu, fixada na parede, com um poema escrito:
“Finja que é de veludo/ nem que lhe tire pedaço/pois este papel tão coiudo/que
agüenta metralha e balaço/é de couro do ouriço espinhudo /reforçado com fibras de aço.”
À medida que as nádegas foram ficando mais sensíveis e a indústria papeleira
melhorou sua tecnologia, as pessoas foram gradualmente se convencendo de que um papel
que tivesse mais consideração pelo “forever” seria um dinheiro bem gasto.

Porém o uso “off label” do jornal não foi invenção nossa. Na civilizada Espanha dos
anos Setenta o jornal El País, censurado pelo fascismo, mantinha grande prestígio graças à sua
qualidade sanitária. Dizem que em Cuba o povo tem imenso respeito pelos jornais, ainda que
nem tanto pelo seu texto. E que muito apreciado é o diário Granma, pela maciez de suas
folhas, muito disputadas --até porque são poucas: o jornal só tem 8 páginas. Que o semanário
Tribuna de La Habana tem papel mais áspero e por isso é um jornal menos conceituado. Já o
diário Juventud Rebelde só tem vez nos banheiros das estações rodoviárias porque, além da
crueldade do papel, sua tinta azul tem o péssimo costume de imprimir notícias nas nádegas...
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 23 de março de 2019

Le none taliane le ze tute sparagnone. L'é vero?

El nipote ga ndato trovar la nona ma come el se inscorze che la se gaveva cambià de posto alora el ghe ciapa el telefonin para domandar dove che zera el nuovo posto.
La nona la ghe rispose cossì:
- Quando te arive ntel ufìssio co'l gòmio spùncia el campanel, dopo te vé su par le scale e nantra volta co'l gòmio te spùncie el interfono....
De tanto la nona dir "co'l gòmio" el nipote alora dimanda a la nona parché che gavea bisogno de esser sempre co'l gòmio.
La nona alora ghe dise:
- Non sta mia vegner catarme con le man vode caro!!!

Ma el mèio de tuto ze vardar el vìdio par rider. Condivide co'i amici che quando el canale gaver 1000 inscriti faremo de pi vìdii come questo.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 20 de março de 2019

EL formàio Stagionà - Roberto Arroque

Me nona Virginia la gaveva sempre de dir che'l formàio de gratar che se doperava a
casa nostra no'l zera più come quel de una volta. Quel de adesso no'l saveva pi de gnente.
“- Costumadi che si, romai, con quei pòcii de formàii del di de ancoi, se ve meto in
te la menestra farina de mandioca come se la fusse formàio gratà valtri gnanca no ve
inacorzé. La provocava ela.

La gà risolvesto mandar far, de una freghesa, un toco de formàio pròpio de so
idèa, pareciada giusto de la maniera come che la voleva ela. E dopo de passada in tel vin e
in tel aseo, ela la gà metesta in cantina par stagionarse. Ma ben sconta, ntela parte più
alta de la scansìa.
Dopo de un poco de tempo, romai tuti i se gaveva desmentegadi che ghe zera sta
pessa. Meno che la nona. Parché ela la controlava el tempo che ghe volarìa pal formàio
maserirse contando i giorni in quel marcadi de Santo Antònio che la gaveva de drio la
porta dela càmera da leto.
Dopo de arcoanti mesi la gà considerà che, se'l gavesse vóia de masrirse, el
formàio romai el gaveva bio tempo che basta. E una doménega de matina la gà resolvesto
far i tortei par le visite che ghe zera capità a casa nostra.
“--El me formàio el sarà là che'l dise ‘màgneme’! La ghe gà dito a so fiol Gioàn, me pare,  ridendo de tuta boca.
“- Lora, Gioan, vien con mi zo in cantina che ti te me lo tiri zo de la scansìa”.
Quando che me pare el gà visto la pessa, ghe gà tocà dar-he tuta la rason a so mare.
El formàio el pareva pròpio che'l disesse ‘màgneme!’. Ma, quando che'l ze ndato móverlo
par tirarlo via, un pìcolo urtoneto sensa voler lo gà rabaltà zo dela scànsìa. El formàio el
ze ndato rolando via pal piso de sasso de la cantina, e l'é stà una vita par compagnarlo. El
gà batesto ntela parede e el ze tornà indrio, vegnendo fermarse ai piè de la nona.
Quando che la pessa la se gà fermada de rotondar, la nona la se gà sabassada e stirà i
brassi par torlo su con le due man.
“- Ma Signor! La gà sclamà, con la pessa in man che pareva che la gavesse
ancora voia de scapar, e sto colpo zolando par’ària. La formàia la ze liviana come una
piuma! Mi no ghen’ò mai visto de liviane cossita...”
El mistèrio el se gà sùbito s-ciarìo: nte un cantoneto de la bela pessa de formaio de
la nona dava par veder un buseto. Ma pròpio un busetin, che ghe passava sol un dèo... Un
sorzo –un pìcolo ratìn-- el ghe gaveva piasesto anca lu el formàio! E come che no'l zera mia
bon de pareciar i tortèi, no'l ze gnanca ndato drio de spetar che'l formàio el se stagionasse.
Sto sorzo el gaveva bio nantra idèa: el gà fato un tùnel in te la pessa, ndato de star rento el
formàio, e là el ze stato chi sà quanti giorni sol magnando. Fin chel gà assà là solche la
parte più seca de la scorsa. Una pelìcola finìssima! Veramente un òpera de arte, una tonda
scultura!
Al mesogiorno, magnando i tortèi –nantra volta con un formàio de Quei che ‘se
podarìa confònder con farina de madioca’-- me pupà el gà fato solche un comentàrio drio la
nona. Un comentarieto pròpio pìcolo, par no ver de parlar cose che serti i le considerarìa s-
chifose dite a la ora de magnar:
“--Te gavevi rason, mama, che'l formaio romai el zera drio dir ‘màgneme’. Seguro
che'l sclamava pròpio così. Ma lu el parlava forte, e ghe ze stà uno che'l gà acietàla
sogestion prima de noantri...”
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 14 de março de 2019

Furbessa del Caval Tubiano - Roberto Arroque

In tei so squasi cento ani de vita, la nona Adelina Montanari la ghen’à visto tante e de
tute le sorte.
“--Ma questa la ghe gà sucedesta pròpio a me fradel pi vècio, Luizìn Vignati, vostro
zio!”
– La ghe contava ela ai so fioi e, dopo, ai so neti.
– El zio Luizìn,”
La ndava avanti con la stòria la Adelina
– El zera de star a Santa Teresa, andove una volta stàvino anca noantri, al tempo che'l posto el zera ancora un distrito de Bento.
Quando che'l ze vegnesto vècio, invesse de ciapar la corona Luizin el gà ciapà el
gusto de bever un tragheto!
- Ben, ‘bever un tragheto’ la ze una maniera de dir-lo par rispeto. In verità lu el ghen
beveva arcoanti tragheti drio man...
“Luizìn el gaveva un caval tubiano, gran inteligente! El ‘Tubiano’ romai el zera
vècio anca lu e, co'l tempo, el gaveva imparà a recognòsser Quando che so paron el zera
meso ciucheto. O sinò anca ciùco del tuto... Par che lora i zera momenti andove chel ato de
montar a caval el se tornava una speriènsia dolorosa par tuti due, la montaria e el cavalero.
Tòmbole, rabaltoni e spelade!
“Arquante volte i ze ndati in rìs-cio de sucedèrghe una tragèdia, o almanco del zio
Luizìn deventar desgrassià...
“Fin che un giorno, come che'l zio nol zera mia bon de tomar una providènsia, el
caval el gà resolvesto tomarla lu! E de là avanti el Tubiano el gà scomissià refudar de
assarse montar tute le volte che'l vècio el vegneva fora de la bodega ciuco. Par più che'l
proasse, el caval no lo assava mia.
“El Tubiano el ndava avanti caminando de passo, Luizìn rabioso vegnéndoghe
drio e proando saltar su, e la bèstia la seghiva tranquila la so strada, sempre s-chivandose
de le proade de imbarcar de quel'altro.
. “Fin che, pi avanti, i rivava nte un barancheto che'l podeva esser doperà tipo un
scalin par montar. Là si! El caval el se tirava ben darente sto baranco e lora me fradel el ghe
saltava ntela sela sensa tante dificultà.
“Co'l tempo Luizìn el se gà costumà anca lu a taser e a compagnar el Tubiano fin el
scalin del baranco, andove che'l montava con un salto s-cèto tirando un poche de volte
che'l ghe passava via del caval e el cascava de quel’altra banda...
“Fin che se gà tornala cosa pi natural del mondo quei dela bodega star là a vardar
el vècio che'l se partiva caminando pimpian drio al caval e, sensa barufar con gnente,
el spetava rivar ntel posto de sempre par imbarcar là andove che romai ghe zera el
baranco tuto liso e spelà dei sbrissioni che ancora tante volte i sucedeva ntela prima
proada de montar.
“Ma el Tubiano, furbo, nol ghe gà mia insegnà ai altri cavai la so tècnica de
sparagnar i rabaltoni dele ciuche dei so paroni.
“Arcoante volte, quando che i amici del zio Luizìn i rivava rento la bodega co'l
naso gratà o sinò mancandoghe qualche toco de coro par via de una tòmbola de caval, lori
sùito i ghe dizeva:
“- È... te vè ben, ti, Luizìn, che te ghè cqel furbo de quel Tubiano. El me caval, se
ze par lu, el me assa ciapar rabaltoni de scavessarme tuti i ossi. E dopo, ancora, el gà
coràio de sgrignar par riderme drio...”
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 13 de março de 2019

Risotto all'Osteria - Le Mondine

Para ver letra e tradução de outras músicas. clique aqui
Para baixar essa música, clique aqui.

Dialeto Lombardo

Chi è chel dis che il vin l'e fa mal l'è tuta gente l'è tuta gente
Chi è chel dis che il vin l'e fa mal l'è tuta gente del l'uspedal
Io ne ho bevuto tanto e non m'ha fatto male e l'acqua si che fa male il vino fa cantar.

Quel che la va ga ben che la va ga mal siamo il fior della gioventù
pensiamo ma ga bevi, pensiamo ma ga bevi
Quei che la vaga ben che la vaga mal siamo il fior della gioventù
pensiamo ma ga bevi bevi anche tu.

Bomba e ribomba si ne l'ora di cambiar vela, l'amor l'è semper quela l'amor l'è semper quela
Bomba e ribomba si ne l'ora di cambiar vela, l'amor l'è semper quela e sempre lo sarà.

Napoleone faceva l'oste e Garibaldi il cantiniere e la Regina dell'inghilprussia
l'è ghe lavava giù il biccer.
Era sbronzo quel mortaio che nel fango sprofondò 
ma il fiaschietto era d'acciaio e il barbera si salvò.

Barbera, barbera siamo tutti figli tuoi
E se non sarà stasera sarà poi quando vuoi
E e non sarà stasera sarà per quando vuoi.

Gavevi una murusa in piasa Baracca
Che là mangiava il fè quantu una vaca 
che passa via il dutur de l'uspedal
el gh'ha ordinàa la cura del giazz artificial.
Ohèj l'è bell e l'è bón e l'è san
l'è san come 'l corall
viva la macchina viva la macchina
Ohèj l'è bell e l'è bón e l'è san
l'è san come 'l corall
viva la macchina del jazz artificial.

Tradução para português

Quem é que diz que o vinho faz mal, são todas as pessoas, são todas as pessoas
Quem é que diz que o vinho faz mal, são todas as pessoas do hospital
Eu bebi muito e não me fez mal, a água sim que faz mal, o vinho faz cantar

Aqueles que vai bem, que vai bem, que vai mal, somos a flor da juventude
pensamos que ela bebeu, pensamos que ela bebeu
Aqueles que vai bem, que vai bem, que vai mal, somos a flor da juventude
pensamos que ela bebeu, beba você também.

Bomba e ribomba se na hora de trocar de roupa, o amor é o mesmo
Bomba e ribomba se na hora de trocar de roupa, o amor é o mesmo e sempre será

Napoleão era o proprietário do boteco e Garibaldi o garçom e a Rainha da Inglaterra e Prússia ( na Polônia)
lavava os copos
Estava bêbado aquele canhão que no barro se afundou 
mas o frasco era de aço e o vinho se salvou
.

Barbera (tipo de vinho), barbera somos todos teus filhos
E se não for essa noite será quando quiser
E se não for essa noite será quando quiser

Tinha uma namorada na Praça Baracca
Que comia como uma vaca
Que passou o doutor do hospital
ele ordenou a cura através do gelo artificial.
Oba!, está linda, esta boa está sã
Está sã como um coral (coral do mar)
viva a máquina, viva a máquina
Oba!, está linda, esta boa está sã
Está sã como um coral
viva a máquina de gelo artificial.



Postagem e tradução: Jaciano Eccher.

Agradecimentos: Ivo Gasperin/Grupo Ricordi pela sugestão de postagem e Giovanni Novello pela ajuda com a tradução
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 12 de março de 2019

Due Fradei - Dois irmãos: Por Ademar Lizot

Ascoltemo el pròprio Lizot:



 L`éra un giorno belissìmo del mese de maio, quando nel orlo del porto de Genôva ntea distante Itália,  due fradei de sangue veneto nele vene, i ga visto par la prima volta la grandessa del mar.  Umberto e Amedeo Lisot zera el so nome, due bei tosati, co òcii de color blu, cavei negri e ànima pura.  Nte che`l  giorno, la belessa del mar ghe tirea adosso na  mùcia de amirassion, anca insieme  sufiea n`arieta fresca co la  densità che acaressea so pel, acompagnàta  del  mormòlio sonolento dele onde. L`éra un momento màgico,  co`l sol a tramonto nel orisonte e drio portar nel cuor la sensassion  che`l mondo zera anca gradèvole e belo. Transcorea el remoto ano de 1882 e una stimana vanti i gaveva partisto insieme dei genitori de so paeselo de nassità, ai piè dele “Dolomite” ntea montagneria dei alpi, Provìnsia de Belluno, nel paese Veneto, andove ga í fiori più bei del mondo. Dopo de na stimana nel porto, el signore Giosuè, so pupà  ga dito:..”Ndemo tossi, l`é ora d`imbarcar nel bastimento, par andare via a lontan a cercare un altro mondo. Alora nel momento dela partensa, co destin a la Mèrica, nel s-ciantin che i fassoleti bianchi sgorleva al vent nte un saludo de Adio definitivo, i ga sentisto che`i ghe cavea de rento del cuor la Patria Itália. Vinti sinque giorni de viaio, vinti sinque note de paura, infrontando el grando oceano par rivar a so destin, un stragrando paese, che`i Signori d`Itália  disea che gaveva de tuto par tuti...- dolci ornati co`l sùchero briliante,  late e gasose par i bambini, vin bonìssimo,  pan e salame par í più vècii, la cucagna par tutiquanti.
         Quando i ga riva ntel  novo paese, località de “Capão dos Bugres”, che adesso ze la cità de Cassias del Sud, nela Provìnsia de San Piero,  i genitori i ga visto che`i se gaveva assà imbroiar par la ilusion de brute busie, parvia che nó i ga mea trova dolci ornati col sùchero briliante,  late e gasose par i bambini e  gnanca vin boníssimo, pan e salam, i ga trova solamente la natura e le bèstie de ferossità,  alora ntei primi tempi i gaveva el sentimento de ritornar casa al paese Veneto, però questo zera impossìbile. Cossì ga transcoresto la infansa e gioventu dei due fredeleti,  infrontando la inclemensa dela natura e le bèstie de ferossità, tutavia sempre laorando del s-ciarir al s-curir del di,  co`l pensiero che`l sentido dela so vita zera la fameia, el laoro e la credensa in Dio,  insieme de  un sentimento de rispeto al  paese che gaveva acoiesto so gente rento del cuor , cossì in pochi ani i gaveva de tuto.
Ademar Lizot.


                Dois Irmãos
    Era um dia belíssimo do mês de maio, quando na beira do porto de Genôva na longínqua Itália, dois irmãos de origem Veneta, viram pela primeira vez a grandiosidade do mar. Umberto e Amedeo era seus nomes. 6 e 4 anos a idade, dois belos meninos de olhos azuis, cabelos pretos e alma límpida e pura. Naquele dia a beleza do mar lhes proporcionava uma grande admiração e junto lhes vinha uma brisa  com a  densidade que lhes acariciava a pele, acompanhada do murmúrio sonolento das ondas. Era um momento mágico, com o sol se ponto no horizonte e trazendo no coração a sensação de que o mundo era um lugar agradável e belo.  Transcorria o remoto ano de 1882 e uma semana antes, junto dos pais eles haviam partido de sua terra natal, aos pés das “dolomitas”, na cordilheira dos alpes, Provincia de Belluno Itália, lugar das flores mais belas do mundo. Depois de uma semana aguardando no porto, seu pai Giosué lhes disse:...Vamos meninos é chegada a hora de embarcarmos no navio, para a viagem ao encontro de um outro mundo. No momento da partida com destino América, no instante que os lenços brancos acenavam um Adeus definitivo, eles sentira que lhes tiravam do coração a Pátria Italiana.
   Vinte cinco dias de viagem, vinte cinco noites de pavor navegando por sobre o grande oceano com destino a um pais continental em que os senhores de Itália lhes afirmavam que tinha de tudo para todos. Quando chegaram ao destino, localidade de “Capão dos Bugres”, atual Caxias do Sul no Rio Grande do Sul, eles sentiram-se engados pela ilusão de mentiras, pois  encontraram somente a natureza selvagem e animais ferozes. Assim o primeiro sentimento foi de retornar a sua terra natal, porem isso era impossível. Ali transcorreu infância e juventude dos dois irmãos, enfrentando a natureza  inclemente e os animais ferozes, todavia sempre trabalhando com amor e fé em Deus e com o sentimento de respeito ao pais que havia acolhido sua gente dentro do coração.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 2 de março de 2019

Mi Ha Detto Mamma

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui
Para baixar essa música, clique aqui.


Versão Grupo Ricordi

Rit: Hai ragione cara mamma ma io l'adoro
son contento di morire nel suo bel seno
e se i baci suoi hanno anche il veleno
son contento di morire nel suo bel seno

La bianca luna che appare sui monti
risveglia i cuori di tutti gli amanti
e se io potessi vedere il mio amore
sarà per me una grande fortuna

M'ha detto mamma con gli occhi di pianto
mio caro figlio perché vuoi soffrire
tu ti disperi perché l'ami tanto
ma lei sorride vederti morire

Tradução

Ref: Tens razão mãe querida mas eu a adoro
Estou contente em morrer no seu lindo colo
E se os beijos também tem o veneno
Estou contente em morrer no seu lindo colo

A lua branca que aparece entre as montanhas
Disperta o coração de todos os namorados
E se eu pudesse ver meu amor
Seria pra mim muita sorte

Me disse minha mãe com os olhos em pranto
meu querido filho porque queres sofrer?
você se desespera porque a ama tanto
mas ela sorri ao ver você morrer



Postado por Jaciano Eccher

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

txt

google.com, pub-2838464224155337, DIRECT, f08c47fec0942fa0