Pagine

Clique no Player abaixo para parar a Rádio / Struca par fermar la ràdio

Clique para informações / Struca par informasion

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

La Nostra Léngua Mare

Ascolta la stòria strucando soto:

La nostra Léngoa Mare

       

A le volte me vien un strucon de dolor nel cuor e àqua ntei òcii quando scolto un dissendente de talian dir quel nostro idioma materno no`l ga mia gnancaun doperamento e,  quele parole totalmente scarse de sentimenti,  le ze compagno de una spada che taia el silensio dela verità. Parole carghe de supèrbia che porta un sbàlio sensa misura, parchè no ga mia mesa verità e gnanca mesa busia andove la verità l`é luce e la busia ombria.  Però quele parole piene de ruspeghessa ga el poder de farme ricordar de quelo che ga patì i nostri antenati, del tanto che i ga tribulà quando el suo idioma ga deventà na lèngua maledeta: no i podea pi doperarlo. I parlea a scondion e, l`é stà nte quel tempo che i Ìtalo-brasiliani, i ze deventadi “gringos” ntela so pròpia tera de nassità e, ntel transcorso  dela guera, i zera considerà traditori, parvia del grave delito de parlar  la so lèngua mare! De quel bruto tempo go in mente una barufa che mai pi desmentegarò, l`é stà quando due brasiliani che`i gavea la cativa fama de violenti, i ga fermà el mio pupà par darghe bote co una scùria e, a tuta vose i grideva: “-Vamos surra de relho esse gringo, para ele aprender a falar lìngua de gente”, però quel ‘gringo’, el gavea sangue grosso ghe ardeva ntele vene e, la peada d`un mul cativo ntei pugni e, dopo che ga fini quela barufa i ga senti cosa che ze el s-ciafon de una man pesada de contadin.  Cossì zera nte quei bruti tempi, tutavia le pròpio giusto el provèrbio che dis che no ghe ze desgràssia che sempre la dure, gnanca ben che no`l se finissa e, quando i fioi dei imigranti, che i gavea lota insieme dela trupa brasiliana, i ga ritornà vitoriosi dela guera, alora se ga calmà quela perseguission e, no zeramo pi ciamadi de traditori,  però la rovina a la cultura taliana la zera fata e, de tanto che ghen`avemo scoltà, tanti i se ga desmentega de parlar la so lèngua mare e, tanti  i sentiva vergogna de dir quei zera dissendenti dei imigranti e, cossì i fea na sòlita figura de disgrassiati.

Dopo a pian come i fiori che i rinasse ntela primavera, la  cultura e el idioma talian i ga rinassesto e, credo che se deva soratuto al brao laoro dei grandi maestri,  professori e ràdio-divulgadori el pionierismo de questo rissorgimento, che fà la nostra lèngua mare esser parlada par tantìssime e, se anca no ghe ze mia stadìstiche che le se mèrite fidùcia sora quanti che i parla, se pol dir che sicuramente semo de pi de un milion ntel sud del Brasil, de sta manera gavemo el dover de spressar la nostra gratitùdine a quei pionieri che i ga comandà el movimento talian, persone che i se mèrita el omàgio par el laoro grandioso che i ga fato e, fursi pi tardi vegnarà i storiadori e i cavarà fora i nomi de quei bravi che i se mèrita una stàtua ntela piassa dela cità.    

Ademar Lizot.      

Nosso Idioma Materno

Sinto agua na vista e o coração doe, quando um  descendente de imigrantes me diz que o idioma Talian não tem serventia e, aquelas palavras desprovidas de sentimento e carregadas de soberba, são fio de adaga que corta o silencio de minha alma e, me fazem lembrar dos sofrimentos de nossos antepassados, do tanto que sofreram e foram perseguidos por falar sua língua materna quando a mesma foi proibida pelo governo brasileiro. Foi nesta época que os ítalo-brasileiros tornaram-se ‘gringos’ no próprio país em que nasceram e, depois no tempo da guerra, então foram considerados traidores pelo delito de falar sua língua materna, daqueles tempos ainda lembro de uma passagem, quando dois indivíduos com fama de violentos, atacaram meu pai para dar-lhe uma surra de relho e, vieram como touro abrindo cancha e gritando: ‘Vamos surra de relho este gringo pra ele aprender a falar língua de gente”. Porem aquele ‘gringo não era filho de pai assustado, tinha sangue grosso nas veias e, um coice de cavalo nos punhos e, quando terminou a peleia eles sentiram o quanto é pesada a mão endurecida de um colono.

Assim transcorreram aqueles tempos difíceis, mas é bem verdade aquele velho ditado que diz quem não a mal que sempre dure, nem bem que nunca termine e, quando os filhos de imigrantes, que haviam lutado pelo exército brasileiro, voltaram vitoriosos da guerra, então cessou  aquela perseguição e os ‘gringos’ não foram mais chamados de traidores, mas o aniquilamento da cultura dos imigrantes estava concretizado, pois muitos desaprenderam de falar o idioma materno e tantos outros tinham vergonha das tradições de seus antepassados, esquecendo que quem dos seus não puxa  a raça, não passa de um desgraçado.

Depois aos poucos, como as flores que renascem na primavera, a cultura dos imigrantes renasceu novamente e, creio que se deva principalmente ao belo trabalho dos grandes professores e radio-divulgadores, o pioneirismo deste ressurgimento e, hoje em dia a nossa língua mãe é bastante falada, embora não se tenha uma estatística digna de confiança de quantos falam, seguramente somos mais de um milhão no sul do Brasil, por isso temos o dever de expressar nossa gratidão pelo gigantesco trabalho feito para que ressurgisse a cultura italiana no Brasil e, talvez no futuro os historiadores homenageiem aqueles pioneiros erguendo estátuas nas praças de suas cidades. 

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Le dresse de pàia de formento par far capei

 

Sti ani in drio e sempre manco a ogni ano che passa se vedea le nostre mame e nostre none far la dressa par i capei.

Bisognea prima de tuto ndar tor la pàia de formento, dassar un tempo rento l'àqua parvia che non se spachesse al far la dressa. Dopo con le man pien de speriensa pian pian vignea fora bele dresse e dopo dela dressa fata se cosea par far i capei.

Me ricordo anca che el me pupà Lucidio Ecker el zera bon de far ste dresse e anca bei capei, lu el ga imparà de me nona. Ricordo anda che el ghe disea che par vegner fora un bel capel gavea bisogno de 25 brassi de dressa pronta, o sipia, se voltava la dressa intorno al brasso come tegner in man una corda e se contea 25 brassi. El pupà disea ancora che capel de poca "aba" zera par i pigri, parché in campagna soto el sol gavea bisogno de una bona "aba" par non brusarse i brassi e la schena.

Varda sto vìdio che go fato romai a squasi 5 ani quando sta pora nona zera ancora viva.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 15 de agosto de 2020

Le Man dela Mia Madre


 Ascoltemo la stòria racontada par Ademar Lizot:


Le Man dela mia Madre

  .

 Le man dela mia madre le zera più vècie che la so veciaia, man che sentiva una caressa solche quando se giuntea par alsarse su nte`una sùplica al Signor-Dio e, nte quel s-ciantin de Santa zera le so man.

   De àngeleto zera le so man quando la portea el seston co`i bambini rento e, d`argento e oro quando la caressea i mei cavei, soratuto benedete quando la pareciea la polenta e impastea el pan.

   Le man dela mia madre sempre passea una sinsiera simpatia al saludar, parchè le zera man de chi  gavea forsa fìsica ntei bràssi e forsa moral ntel carater, man Pesade e piene de calossità, che gavea induri come el asso temperà ntel laoro stufante dela campagna, man maltratade de tanto manesar el arado e, storte de tanto doperar la sapa, man che quando ciapea la manera, le piante caschea zo par tera, man che no gavea mai riposo, sempre drio i so afari, spacar legna e tirar late.

   Le man dela mia madre le zera  bianche e inrugade de tanto lavar robe ntela àqua freda del rieto, indenociada par sora d`un sasson e, par soavisar quela soferansa tante volte la canteva a mesa vose vècie cansion, che la gavea imparà ntela so gioventù e, quel rieto el zera par ela un caro amico che ntela so solitudine, co`l rumor complacente dela so corentessa  la calmea i dolori e, nte la so àqua ciara tante volte la ga assà  so làgrime, però sensa pianzer parchè la gavea stofegà i lamenti nte quela àqua che indifarente corea come el tempo, sensa ritornar mai più.

   Tantìssimi ani fà che le man benedete dela mia madre ga ricevesto el riposo che le se meriteva, però ntei mei sogni sempre sguardo le so man, adesso sensa rughe e sensa calossità, bianche e delicate come le man dela Madonina, ma ancora drio laorar, adesso ntel afar de spergir àqua  ntei gilii bianchi del giardin del paradiso.

Ademar Lizot.

                 As Mãos de Minha Mãe

As mãos de minha mãe eram mais velhas que sua velhice, mãos que ao longo da vida só sentiam uma carícia quando se uniam em uma prece e, naquele instante, de Santa eram suas mãos.

As mãos de minha mãe eram de prata e ouro ao acariciar meus cabelos e quando preparavam o sagrado pão, abençoadas eram suas mãos. Sempre sinceras ao cumprimentar, pois eram mãos de quem tinha força física nos braços e força moral no caráter.

Pesadas e calosas eram as mãos de minha mãe, endurecidas no aço temperado no trabalho duro da colônia, mãos maltratadas de tanto manejar o arado e tortas de tanto segurar a enxada e, no momento de cozinhar a polenta e preparar o sagrado pão, abençoadas eram as suas mãos.

Brancas e enrugadas eram suas queridas mãos, de tanto lavar roupas ajoelhada por sobre uma pedra no córrego, onde para amenizar seu sofrimento  cantava a meia voz, velhas canções de sua juventude e, aquele córrego era pra ela um amigo, pois o ruído complacente de sua correnteza acalmava suas aflições e, em suas aguas claras, tantas vezes ela deixou cair suas lágrimas, mas sem chorar porque ela havia afogado suas lamentações naquelas aguas que corriam indiferentes como o tempo, sem retornar jamais.

Muitos anos faz que as mãos sagradas de minha mãe receberam seu merecido descanso, porem em sonhos ainda as vejo, agora sem rugas e sem calos, brancas e delicadas como as de Nossa Senhora, mas ainda trabalhando, agora regando flores nos jardins do Paraiso.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Aramaico, ebraico, greco o latino ? Tante preghiere



Aramaico, ebraico, greco o latino ?





A duemila ani indrio el Aramaico zera la léngua dea faméia che si
parlava in tute canton dea galiléia, parché zera la léngua del pópulo, dei
laoratori, se pol dir che zera un parlar de tuta la gente, al norte
(Cafarnaum, Nazaré, Caná, Tiberíades, Corazim etc...) ndove Gesù ga
passà la maioransa dea vita. La léngua ebraica, sempre doperada nei
posti religiosi. Parlar fuora di questo posto, ghe zera pecà.

Ntela Palestina anca se parlea el latino e greco, stes parché i giudei
fea la venda di tanti tipi di robe comersiale. Gesù savea anca di queste
due léngue, però el laoro de pregar e parlar, doperea aramaico. Le
parole scrito in tre lingue; ebraico, latino e greco e nò in aramaico, sora
la cruze di gesù, ze parché tuti savessi che zera una òrdine ufissiale.

Ma noaltri qua, con le recie in su sempre a quel che nostri noni
pregàvano, el latino. Tante preghiere, messa, di dei morti, sempre
gavemo sentisto questo benedeto latino, e ades no le mia fàcile catar
qualchedun che parla una mùcia de parole di questa léngua vècia. Alora
vardemo qualche cose :

_ Veni, vidi, Vici. (Vim, vi, venci.)

_ Memento vivere. (Lembre-se de viver.)

_ In vino veritas. (A verdade está no vinho.)

_ Dum spiro spero. (Enquanto eu respiro há esperança.)

_ Donec eris sospes multos numerabis amicos. (Enquanto você estiver
bem, terá muitos amigos.)

Le preghiere son quele che dele ble ricordamo de pi :

Sinal da Cruz

Per signum crucis, de inimicis nostris libera-nos Deus noster. In nonime
Patris et Fílii et Spitiui Sancto. Amen.

Glória

Glória Patri et Fílio et Spirítui Sancto. Sicut erat in princípio et nunc et
semper et in saecula saeculórum. Amen.

Ave Maria

Ave, María, grátia plena: Dóminus tecum: benedícta tu in muliéribus, et
benedictus fructus ventris tui Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostrae. Amen




...Pater Noster, Salve Regina, Credo in Deum, Angele Dei, Sub
Tuum Praesidium, Actus Fidei, Actus Spei, Actus caritatis, Actus
Contritionis, Sancte Michael Archangele , Veni Sancte Spíritus,
Confiteor, Anima Christ...

Queste son dele bele preghiere che mi go senti tante olte la mia nona,
al fin dea sera, su una carega o su el paion, con la corona in man, òcii
seradi e pensiere in DIO.

Steme ben.... si vedon..... ( Fábio Dallò )
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 9 de agosto de 2020

Omàgio a Don Cabeda

 Ascoltemo la stòria racontada par Ademar LIzot, struca soto: 

              

              Omàgio a Don Cabeda

  Un giorno quando el sol zera a tramonto son andato visitar el nono Ademar.  Cabeda zera el suo soranome e, pien de benevolensa el suo carater e, se anca el gavea 90 passà ani de età el gavea i sarvei ntela plenitù del giudìssio.  El zera un cristian de ànima veramente benévola e  stimà par tuti,  sempre ben vesti, con fatiota e gravata, l`éra bel de verder-lo ntela domènega quando andea a la Santa Messa par compir la so fede iremovìbile ntela Divina Providensa.  El zera maestro  ntela università dela vita e,  soratuto gavea el don dela mediunità, cossì el savea del tempo passà e i pressàgii del futuro, misteri e verità sconte, el cognossea la arte de signi e dei segnai che i dis che gnente se ga fini e par tanti dolori savea el giusto remèdio. De sta manera el ga iutà tantìssime persone ntei dolori del corpo e ntela aflission dela ànima, confermando che la real grandiossità de un omo ze la so umiltà e fradelansa.

  Quel giorno quando el sol l`éra a tramonto, l`é stà la ùltima volta che lo go visto  e, quando go rivà ntela so casa par el suo vardar amico go visto che zera benvenuto e,  ricordo che se anca la so longa età, el gavea poche rughe ntel viso e i soi cavei grissi parvia del sol de tantìssimi veroni, i gavea la someiansa de bandiere bianche de pace, alora al son dela melodia inconfondìbile de un tango el me ga saludà, dopo fra una mùsica e altra gavemo parla, fin che el ga ciapà ntei bràssi el suo bandonion e confermando la so maestria el ga esecutà una bela musica, de quele che parla co l`anima de chi ga sentimento e, in seghito con la so habitual coltura el ga parlà sora el maestro Uruguaio Matos Rodrigues e, con quei bei ricordi, par un s-ciantin el ga silencia e, par el brilo dei so òcii parea quel zera nte altra dimenssion, fursi insieme de so cara sposa, che de giovana la ga partisto de questo mondo e, lo ga assà con trè fioi picinini. Dopo el ga alsa sú i òcii e come sel fusse drio scoltar el gèmito del vent sufiando ntei campi castelani el ga scominsia a contar stòrie de antighe rivolussione,  quando i colpi de daga insanguinea i campi dela Provinsia  e,  in 93 quando la bandiera dei maragati, che la zera prossedente dei campi dela Spagnà e, quà ntela Mérica Latina la ga tremola nel col dei bravi che soto el comando de Gumercindo e Rafael i ga lota par difender i soi ideai.

     Nte quel giorno quando la luce dela luna scominsia a sbassarse par sora dela cità, el me ga regala con un dei so bei libri e, ntel momento dela partensa go senti par i so òcii de teneressa che zera la ùltima volta che gavea de veder el amico Don cabeda, um omo de ànima granda, che gavea el viso sempre iluminà par serenità e pace.

Ademar Lizot.                    


Homenagem a Don Cabeda         

Um dia com o sol caindo no horizonte, num fim de tarde bem lindo, fui visitar o ‘Seu” Ademar.

         Cabeda era seu sobrenome e, pleno de bondade sua índole e, apesar de seus mais de noventa janeiros, ainda era forte e senhor de seu juízo, sempre sincero e cordial, no transcurso de sua longa vida com seu espírito benevolente, conquistou o respeito e estima de todos. Era conselheiro para diversos assuntos, suas palavras tinham a serenidade da sombra mansa num verão de tarde quente.  Também elegante era, só saia de casa trajando seu terno e gravata, principalmente aos domingos para ir a Santa Missa, sempre exercendo sua fé irremovível na Divina Providência, pois era possuidor de forte espiritualidade e com sua mediunidade visualizava mistérios e verdades ocultas, interrogações e segredos que acalmam inquietudes.  Conhecia os portais em que os homens chegam e partem e o momento em que os ideais se cruzam nos tempos, pois a arte os signos e os sinais nos dizem que nada findou, assim foi mestre e doutor na universidade da vida, aquela que ensina que o pensamento é a presença do infinito na mente humana, pois para conhecer bastam os livros, mas para aprender é preciso vivencia, humildade e perseverança que se transmutam em ser e  saber, onde paira soberana a luz maior da verdade, assim  com suas receitas de remédios, conselhos e orações muita gente ajudou e curou em sua casa atendia gente da capital, da colônia e das vilas pobres e, sempre tratou em igualdade a poderosos e humildes, confirmando que a verdadeira grandiosidade de um ser humano é sua humildade e fraternidade.  

   Naquele fim de tarde bem lindo foi a última vez que o vi e lembro que ao chegar, pelo seu olhar amigo senti que era bem-vindo e, foi ao som de um tango na voz inconfundível de Gardel nos saudamos e, naquele momento notei que em sua face  poucas rugas lhe mapeavam o rosto e, em seus cabelos prateados pelo sol de tantos verões visualizei pequenas bandeiras brancas de paz. Então entre uma música e outra conversamos e, como se adivinhasse meus pensamentos foi até outra sala e retornou abraçado ao seu bandoneon e, confirmando sua maestria executou os acordes de ‘La Cumparsita’,  aquela  melodia que fala com a alma de quem tem sentimento e, depois com sua habitual cultura, falou do genial maestro Uruguaio Matos Rodrigues, autor daquela obra-prima e tantos outros tangos imortais e, com emoção contou-me de quando foi a Montevideo, para no monumental teatro ‘Solis” da capital Uruguaia, assistir a magnifica orquestra Argentina de Juan D´Arienzo, então após aquelas suas lembranças queridas calou-se pensativo, com o olhar perdido, distante, como se tivesse retornado no tempo, para algum momento sublime de sua juventude junto de sua querida Adelaide, sua amada esposa que ainda jovem faleceu, deixando-o com três filhos pequenos e seu coração partido. Então respeitosamente também silenciei naquele momento nostálgico, até que lentamente ele alçou os olhos para um retrato pendurado na parede, talvez tão antigo quanto sua saudade e, de súbito, como se escutasse novamente o estrépito de ventos pampeiros ‘por los campos Castelanos’, começou a contar histórias de antigas revoluções, de um tempo iluminado pelas pratas dos arreios e por faíscas de adagas  que furavam palas ensanguentando as coxilhas e detalhadamente relatou a epopeia  de seu tio-avô, coronel do exército Federalista, que em 93  lutou defendendo seus ideais, sempre empunhando a bandeira cor de sangue dos maragatos, que procedente era das planícies da Ibéria e, aqui no sul da América tremulou no pescoço dos bravos  comandados por Gumercindo e Rafael.

    Aquele foi um fim de tarde bem lindo, na agradável companhia de um grande amigo e, quando a lua com seus raios prateados banhava os telhados dos casarios ele regalou-me com um de seus belos livros e, no momento da despedida em seus olhos fraternos tive o sentimento que era a última vez que veria o amigo Dom Cabeda, um homem de alma grande que tinha a face sempre iluminada de serenidade e paz.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Eu e meu pai em Talian - Mi e me pupà

Para baixar o áudio dessa música, clique aqui.
Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.

Adaptação para o Talian Jaciano Eccher
Interpretação: Jaciano Eccher

Cofira o vídeo e já se inscreva em nosso canal



Mi e me pupà


Olha lá o meu pai                               Varda la me pupà
Com as mãos calejadas                     Con le man pien de cali
Perdendo seu resto de vida               Drio perder so resto de vita
No cabo da enxada                           Su’l mànego dea sapa

Eu não queria que fosse assim        Mi non voleva che fusse cossì
Pra mim seria tudo diferente            Par mi saria tuto difarente
Queria ter meu pai na cidade           Voleva me pupà in cità
Morando alegre junto da gente         Tanto Felice ensieme co a gente

De que vale ter diploma                    De che serve gaver stùdio
Ter conforto, ter de tudo                   E el diploma la ntel fondo
Se não posso ter em casa                Se non go ntela me casa
Aquele que me pôs no mundo         Chi ga me portà ntel mondo

Estudei por tantos anos                    Go studià par tanti ani
Para tirá-lo daqui                                Par un di torlo de qua
Meu esforço foi em vão                     Ma me sforso se ga perso
Porque ele não quer ir                      Parché lu non vol ndar

Quando é de madrugada                 E co ze rivà l’aurora
E o dia vem chegando                      E el di ze drio rivar
Ele escuta seu despertador              Ze la che’l ghe ascoltà la sveia
No poleiro, cantando                        Nel poliner cantar

Ele chama seu melhor amigo              Lu ghe ciama el so mèio amico
Que sai latindo e correndo na frente   Che el salta sbaiando davanti
E vem pro trabalho pesado                 El va ntel laoro in campagna
Aqui debaixo deste sol ardente           Soto quel sole gran tanto scaldante

Nesse carro eu me vejo                      In questo auto me vardo
Bem vestido e perfumado                   Ben vestì ben profumà
Sofro tanto vendo ele                         Non me piase veder lu
De suor, todo molhado                       De sudor tuto bagnà

Olha a condução do velho                  E la màchina del vècio
Numa corda amarrada                        In una corda ligada
Olha a geladeira dele                          Varda el frigo de sto vècio
Lá na sombra encostada                    Ntel ombria smentegada

Quando é de tardezinha                    Quando el sol se ne va
Vai pra sua casinha                            Me pare torna casa
Comer seu feijão com arroz               Magnar la polenta e radici
Feito no fogão à lenha                       E el vin che zo che vaga

E na sua poltrona de angico            E nela so carega di paia
Ele vai sentar comovido                   Lu el va sentarse un s-ciantin               
E na tela maior do mundo               Ntanto el ghe pensa distante
Ele contempla seu filme preferido   bevendo el ùltimo goto de vin

Na televisão do velho                       La television del vècio
Não tem filmes de bandidos            Non si fa veder banditi
Não tem filmes policiais                   Non ga cose che fa mal
E nem filmes proibidos                    non ga filmi proibiti

No canal do infinito                         Nel canal del infinito
Sua TV é ligada                              La so TV ze impissada
Só aparecem as estrelas               La se varda sol le stele
E a lua prateada                            E la luna slusegada

Olha lá o meu pai                          Varda la me pupà


Letra original em português

Cesar e Paulinho


Olha lá o meu pai
Com as mãos calejadas
Perdendo seu resto de vida
No cabo da enxada

Eu não queria que fosse assim
Pra mim seria tudo diferente
Queria ter meu pai na cidade
Morando alegre junto da gente

De que vale ter diploma
Ter conforto, ter de tudo
Se não posso ter em casa
Aquele que me pôs no mundo

Estudei por tantos anos
Para tirá-lo daqui
Meu esforço foi em vão
Porque ele não quer ir

Quando é de madrugada
E o dia vem chegando
Ele escuta seu despertador
No poleiro, cantando

Ele chama seu melhor amigo
Que sai latindo e correndo na frente
E vem pro trabalho pesado
Aqui debaixo deste sol ardente

Nesse carro eu me vejo
Bem vestido e perfumado
Sofro tanto vendo ele
De suor, todo molhado

Olha a condução do velho
Numa corda amarrada
Olha a geladeira dele
Lá na sombra encostada

Quando é de tardezinha
Vai pra sua casinha
Comer seu feijão com arroz
Feito no fogão à lenha

E na sua poltrona de angico
Ele vai sentar comovido
E na tela maior do mundo
Ele contempla seu filme preferido

Na televisão do velho
Não tem filmes de bandidos
Não tem filmes policiais
E nem filmes proibidos

No canal do infinito
Sua TV é ligada
Só aparecem as estrelas
E a lua prateada

Olha lá o meu pai



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Vem aí... Novo Livro de Ivo Gasparin

Primeiramente quero dizer que se você não leu nenhum livro de Ivo Gasparin você com toda certeza perdeu de se emocionar de verdade com lindas histórias ambientadas na linda Serra Gaúcha.
Já postei resumo e minha opinião sobre dois livros do autor, basta clicar nos nomes deles para acessar a publicação. Segredo de Pedra e A Maldição do Padre.

Mais um livro chegará em breve as bancas. Você já pode comprar o livro digital clicando aqui. Se trata do Livro......... Confira o Prefácio escrito por Juvenal dal Castel:



Prefácio

Difìssile è parlar dela Prima Semensa sensa resistir ala tentação de contar la stòria porque, irresistíveis também são os personagens e as cenas. Una stòria de imigranti que partem da Itália com a única alternativa de esser felici ntel Brasil; aquilo que seria a única chance, tiveram que encarar como uma oportunidade única. O autor é prodigioso na criação do enredo e fundamentalista nos fatos e acontecimentos, baseados em documentos e relatos reais.
Como o cacto floresce em lugares onde aparentemente é impossível nascer qualquer semente, Gasparin consegue preservar o amor e a paixão como elemento principal que move, motiva, compensa e justifica o duro trabalho dos primeiros imigrantes. Ele notabiliza o amor dei nostri coloni taliani e, fazendo justiça, os coloca no mesmo altar das grandes paixões que a humanidade registrou. La forsa de La Prima Semente só é entendida se compreendido o seu potencial que, só se manifesta quando a vemos romper as rochas e a terra com flores e frutos.
Com objetividade, o autor sintetiza toda a irresistibilidade dela scaldante passion da adolescência em Rosalina. No silencioso grito de liberdade, ela desafia a resistente autoridade do pai compensada pelo afeto, compreensão e bondade da sua mãe. Rosalina, feito Eva, guarda amorosamente a Felix Culpa de um pecado muito original, cujo fruto proibido do ventre trazia um Salvador. Gasparin redime o pecado da mentira, pois ela é como água quente, danosa nas costas do gato mas ideal para um bom chimarrão.
O autor consegue fazer a paixão dialogar com a gratidão e consegue encontrar oásis para a felicidade onde tudo parece estar perdido e irreversível.  Também enxerta argumentos eloquentes e objetivos contra a injúria e difamação moral. Reposiciona a Igreja como mãe; única mãe espiritual no momento, longe das inquisições vaticanas, protegida pelas sombras das araucárias, abençoa e rega com vinho os pecados dos imigrantes, verdadeiras sementes de uma nova e próspera civilização.
Quando temos que transpor uma montanha passando por uma caverna escura e cheia de labirintos, da qual não temos certeza de encontrarmos sua saída e sequer o caminho da sua volta, por um instinto de segurança, levamos um barbante que, ao menos garantiria o caminho da volta. Essa garantia nos dá coragem para não abandonarmos a travessia. Rosalina, provavelmente só ela tinha esse barbante que, por si só, já era suficiente para sua felicidade. A história relativiza os laços de sangue que nos ligam ao passado e reforça os laços da solidariedade e amor que constroem o futuro.
Atenção, caro leitor, esse livro pode estragar tua noite de sono, por isso aconselho a não começar a ler perto da meia noite, não esquece que no dia seguinte tu terás que levantar cedo para trabalhar. Outra, se tu conseguires não chorar ou ao menos te engasgar, de duas, uma, ou tu tens algum problema ou eu tenho que me tratar.
Porto alegra, RS 27 de Junho de 2020
                                                                                                      Juvenal Jorge Dal Castel[1]







[1] Escritor (Grigialda Galina Contadina), Poeta, Compositor Musical, Mestre da Cultura Popular 2018 / Ministério da Cultura, Presidente da Associação dos Difusores do Taian.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››