Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

terça-feira, 10 de setembro de 2019

El paion de scartosse - Vìdio intervista con Marino e Diva Perosa

Qualcun de voaltri se ricorda dei paioni fati de scartosse? Quei pien de puldi?
Ntel vìdio de incoi Marino e Diva Perosa i ghe raconta stòrie come queste.
El Paion el gavea due busi par ogni di meterghe le due man rento e smissiar fora le paie. Ricordo anca che me mama ghe racontava.
Mi magari go cognessesto el paion de erba (capim) ma nò quel de paia nò.
Marino anca ghe raconta de Flores da Cunha, la Cità del Gal. El ghe racontà la orìgine del nome.
Anca gacemo parlà dela cavalete e de pedòcii. Non stamia smentegar de scriverse ntel nostro canale:
 
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 7 de setembro de 2019

El Coràio de Giusepe Castellini - Ademar Lizot

Ascoltemo la stòria: 


                               

 El Coraio de Giusepe Castellini

   Questa stòria, l`é fondamentà ntei relati del zio Raimundo Lisot
,   e  sicuro a tutiquanti che con so òcii el ga testemonia.
   Transcorea el ano trenta cinque del sècolo passà  quando Giusepe Castellini,  un contadin de sàngue Veneto ntele vene,   el ga vendesto la so tera  par dopo comprar una casa de comércio, tìpica bodega de quei tempi e localizata nte`un picolo paesel, perso  nel interior dela campagna dela Provìnsia de San Piero.  Ntela prima stimana quel zera paron dela bodega el ga savesto,  che vizin de quel paesel abitea  un omo che gavea la  fama de violento. Í contea che ntela revolussion de vinte e trè  el gavea  copà de pi de vinte nimighi.  I ghe ciamea de” Vitório dele Arme”,  parvia quel portea sempre ntel sinturon, fora un cortel col mànego d`argento, anca un revolver trenta oto.  Con  òcii de disperati,  i abitante del paesel ghe dizea che  nte quel tempo che el scanamento l`era desgrassiadamente una atitùdine comun dei gaussi co i so presioneri de guera,  quel omo gaveva conquistà anca la cativa fama de esser degolador e quando el  vigneva al paeselo, zera un vero sucedimento in che  el pànico se stabilia fra la povolassion,  i stea tuti  chiete  rento dele case, con porte e finestre serade, e dopo quando andea a la bodega, el bevea vin e caciassa sensa pagar.  Quela dimostrassion de pànico stimolea el orgòlio de quel rabioso. Castellini scoltea quela stòria, però sensa dechiarar  la so opinion sora la audàssia  de quel raivoso e anca dela paura che la so ferossità inspirea.     
   Dopo de trè mesi quel zera paron dela bodega, nte una domènega al dopo el meso di, i ga sentisto  el trotar d`un caval e dopo el osamento d`un tosatel;.. Atenti tutiquanti che Vitório dele  Arme  ga rivà!  Come de àbito tute le porte e finestre se ga sera. Nte quel momento Castellini el zera drio far le conte dela stimana e no`l ga considerà che quel bacan meritea la so preocupassion, cossì el ga sta  fermo dadrio del balcon, co le porte e finestre verte. De la un pochetin el ga visto davanti dela porta un omo de fassoleto rosso nel col e vardar de chi ga restà sorpreso de che quela casa, in meso de quel spavento che la so presensa provochea, la pareciea insensìbile a  so arivo.  Alora el  ga intra e dopo de due passi el se ga postà co i brassi incrossadi sora el peto, e el ga visto, de qual altra banda del balcon  un omo co la fisionomia de serenità, drio far conte.
 Castellini che l`éra na persona pròpio corteze, el ga alsa su i òcii e domanda!
“- Cosa vuto?
  - Mi son Vitório dele Arme, el ga rispondesto, intanto che descrosea  i brassi par mostrarghe ntel sinturon el cortel co`l  mànego d` argento de na banda e el revolver de quelaltra.
“- Alora Vitório dele Arme cosa vuto? Ga domanda nantra volta Castellini.
“-Voglio   caciassa- el ga rispondesto con arogansa.”
“-Caciassa solamente dopo dela paga.”
“ Te go dito che voglio bever caciassa” – El ga torna a dir, dopo d`un pugno ntel balcon.
“ E mi te go dito che bisogna pagar prima”
  Alora Vitório dele Arme el ga lansà un vardar de ferossità, però el vardar de Castellini el ga andato de incontro al suo, come se fusse tempesta contra tempesta e i òcii de Castellini i gavea un sguardo iresistìbile che vigneva dela so forsa moral e  nte quel momento che i se ga vardadi viso a viso,  quel altro el  ga sentisto na strània dominassion che ga fato sbassar  i òcii e nte quel momento Castellini zera el suo paron.
“-Và bene!- El ga dito- dopo de meter na sbranca de  soldi par sora del balcon.
“ Toca  a me servir a le persone che me fa la paga”- ga parla con tranquilità Castellini. Dopo el ga servisto un bicier de caciassa,  quel   rabioso ga bevesto nun colpo.
“Nantro bicier”- el ga dito. E nantra volta el ga servisto.
  Entanto che i soldi zera sufissiente par pagar la bevida,  Castellini no`l ga fato gnanca una osservassion, però quando el  ga bevesto  de stesso valor quel gavea  pagà, el se ga ferma de servir.
“Nantro bicier!”- ga dito con insistensa.
“Nantro?...Sensa soldi, no ghe nè mea caciassa.”
  El valente gavea pensa el suo intento e co i  trè o quatro bicieri de caciassa, el ga ricupera el coraio  perso parvia del vardar coraioso de Castellini.
“Caciassa!- el ga dito, co la man par sora del revolver. –Caciassa o te copo!...”
  Castellini gavea indovinà che el  mistier vigneva fora cossì e el se gavea parecià.   L`éra un omo  co de pi de un metro e otanta de altessa e paron d`una forsa prodigiosa, insieme de na sveltessa amiràbile. Nte`un sciantin el ga apoia la man drita par sora del balcon e el ga saltà par quelaltra banda e  cascà zo con so peso par sora quelaltro, dopo co la man sanca el ga tegnesto el polso drito del nemigo, prima quel gavese tempo de sacar el suo revolver. Vitório dele Arme nò`l ga podesto resister a quel incontro violento e  el ga casca par tera e Castellini  par sora co`l denòcio sicuro  ntel peto lo ga imobilizà. Dopo co la man sanca el ghe ga tirà el sinturon co le arme e co l`impugnadora del revolver el ghe ga batesto in testa.    Par finirla el ga dato na peada che lo ga trato  ntela valeta dela via.  De sta maniera  el coraio d`un contadin,  ga fato fermar la valentia d`un rabioso, parvia che la única forsa real d`un omo ze la so forsa moral, che lo fa paron d´un  vardar  coraioso  e iremovìbile.   
Ademar Lizot.

  A Coragem de Giusepe Castellini

Transcorria o ano 35 do século passado,  quando  Giusepe Castellin um colono descendente de italianos, vendeu sua terra  para depois comprar uma casa de comércio, típica naqueles tempos e localizada no interior da campanha, RS. Depois de um tempo, quando a clientela estava aumentando ele soube que vizinho àquele povoado abitava um homem com a fama de violento e que na revolução de 1923, havia matado em combate mais de 20 inimigos. O chamavam de Vitório das Armas, pois sempre portava no cinturão, além da faca prateada, um revolver 38. Com olhar de pavor contavam que quando a degola era desgraçadamente uma atitude comum dos gaúchos com alguns prisioneiros de guerra, ele havia conquistado também a fama de degolador e quando ele vinha ao povoado era um acontecimento em que o pânico se manifestava entre a população, com todos quietos dentro das casas, com portas e janelas fechadas e aquela demonstração de pânico estimulava o orgulho daquele raivoso. Castellini escutava aquela história, porém sem declarar sua opinião sobre a audácia daquele raivoso e o pavor que sua ferocidade provocava.
   Depois de 3 meses, num domingo depois do meio dia, ouviu-se o trotar dum cavalo e em seguida os gritos dum menino...-Vitório das Armas chegou! Então como de costume todas as portas e janelas fecharam-se. Naquele momento Castellini estava fazendo as contas da semana e não achou que aquela manifestação merecia a sua preocupação e ficou tranquilo atrás do balcão.   
  Castellini que era uma pessoa simpática, ergueu os olhos e disse...
  O que queres?
  Eu sou Vitório das Armas! O outro respondeu,  enquanto descruzava os braços para melhor mostrar a guaiaca com a  faca prateada de um lado e o revolver de outro.
  Então Vitório das Armas, o que queres? Pediu com serenidade Castellini!
  Quero cachaça! Respondeu com arrogância!
  Cachaça somente depois de pagar!
  Te disse que quero cachaça, ele tornou a dizer, depois de um soco violento no balcão.
  E eu te disse que somente depois de pagar!
  Então Vitório das Armas lançou um olhar de feroz, ´porem o olhar de Castellini foi de encontro o seu, como se fosse raio contra raio, e os olhos de Castellini tinham uma força irresistível que vinha de sua força moral.   No momento que se olharam face a face o seu oponente sentiu uma estranha dominação, que o fez abaixar o olhar.
  Pois que seja, disse enquanto botava em cima do balcão o dinheiro.
  Cabe a mim servir a quem me paga! Falou Castellini e depois serviu a cachaça, que foi bebida de supetão.
  Mais! E outra vez foi servido!
  Enquanto o dinheiro era suficiente para pagar a bebida Castellini não fez nenhuma observação, porem quando foi servido de igual valor ao pago, não foi mais servido.
  Mais cachaça! Disse com insistência!
  Mais? Só depois do dinheiro!
  Então Vitório das Armas que tinha pensado seu intento e com a cachaça  recuperou a coragem perdida devido o olhar corajoso de Castellini.
  Mais cachaça! Falou, com a mão apoiada por sobre o cabo do revolver. Cachaça senão te mato!
 Castellini tinha imaginado aquela situação e preparou-se. Ele era um homem com mais de 1.80 de altura e possuidor de força prodigiosa, junto de uma destreza admirável, assim num  instante ele apoiou a mão direita por sobre o balcão e saltou para o outro lado, caindo com seu peso por cima do oponente, em seguida com a mão esquerda segurou seu pulso direito, antes que ele tivesse tempo de sacar seu revolver. Vitório das Armas não pode resistir a esse encontro violento e caiu por terra com Castellini por cima, que firmou o joelho no peito e o imobilizou. Depois com a mão esquerda subtraiu as armas da cinta e com a coronha do revolver lhe  bateu na cabeça.
 Desta maneira a coragem dum colono venceu a valentia dum raivoso, pois a real força de um homem é a sua força moral, que o  faz possuidor de um olhar corajoso e 
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Amici dela pìcola Montagna d'oro - Fábio Dalló

Non me toca star davanti el fogon con la méscola in man, smisiando la farina per sentire el profumo de la polenta, o come che dise incoi , " brustolin " . Basta serar i òcii e ricordare de quei momenti e parerà una verità. Sono cose dela vita che non se smentega mai.
Quando pi vécii ciamea, " tosatèi, ndon magnar ???" èrino come rati in drio el formai. Tuti in torno savea che giera li tante cose per magnar, però el taier grando e tondo, pien di ani e pien di sfrese che i gati fea con le sgrife, quelo era sempre lí. Se vardava la picola " montagna d`oro" un pó calda, pena fata el tombo e che aveva um
ciaro rico come el sole nel`alba.
Che fame e che buona, e pensà che un olta questo santo magnar era
soi per poareti e ogi magna anca i siore, furse la paga caro. Tanti ani fà,
la magnava anche i soldati romani,,, ( ma non`era fata con la biava ).
Dopo che la polenta la vegnesta fuora per el mondo, in tempo di
guera quando tanti pasea fame, el pane non gavea pì e dopo dela
guera, el pane lo magnava soltanto quei che stea malai. Poareta nona
che sempre volea " una panada". E quando restava solo polenta con
polenta, i pi vécii vardando i cèi, taiavano due fete e disea cosi: " ciapa
una per mano; nela mano a la sanca la polenta e nela man drita
un formai. I cèi magnea fingendo esser polenta e formai alora. Si, ntel
tempo de la caristia se fea qualcosa per pienir la pansa e quando sensa
magnar, cantavano.
E con la polenta tuti i di, ne diventiamo grandi, sgionfi, forti,
nissuni pi restai malai per far tanti laori in questa benedeta Mèrica.
Giusto che dopo la caristia la magnava con tante cose insieme, formai,
salame, fasoi......
Matina va bene con late, mes'di me nono magnava con la minestra, al
fin dela sera con lardo e furse un pó di tòcio. Qualche olta mi cato a
pensar dei vécii, quanti sofrir par dopo tirar fuora la panòcia, sgranar,
portar una misura del biava ntel molin, pagar el molinàio e portar a casa
la farina.
Amici dela picola montagha d ́oro, che pòrtano alegria e coràio,
che i ghe da magnar ai poareti e ai siore, che beve e càntano, che ndon
vanti con la nostra stòria, che nele vene cuore el sàngue dei imigranti,
mi voi dir una cosa : Se mi sà , che qualcuno parla mal di te ! .......

FÁBIO DALLÓ.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Radici e patate - Jacir Grando e Nilson Ziglioli


Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.
Para baixar essa música, clique aqui.



Talian - Jacir Grando e Nilson Ziglioli

Nassesto in tea cità
Son cria in te la rossa
Radise de mangioca
Tuti di mi go magna
E anca a là sera
Un poco de late
Radici e patate
Cossita i me ga sleva

                E son vignesto grando
                deventa un bel toso
                e le tose par moroso
                tute e me volea
                e quando ndava al balo
                mi gera viaco
                deventeva scuasi mato
                de tanto che me struchea

E fin che um bel di
Go cata uma morosa
Che la zera na fiola
De um brao colono
Adesso tute sere
Me buto in tel leto
E ela pimpianeto
Là me fà ciapar in tel sono

E cossita le stata
Tuta là me vita
Co là sanca e co là drita
Go sempre laora
E ncoi mi som pica
In te un toco de violon
E mi canto le canssion
Che mi proprio go inventa

E quei che me domanda
De ndoe son vignesto
Mi ghe respondo presto
Ndove che mi sto
Vegni qua in Erechim
E cateme fora
Che mi ve conto ncora
Tute storie che mi so.

Tradução para português
Almeirão e batatas

Nascido na cidade
Fui criado na roça
Raiz de mandioca
Todos os dias eu comi
E também a noite
Um pouco de leite
Almeirão e batatas
Assim eu cresci

                E fui crescendo
                Me transformei em um lindo moço
                E as moças para namorado
                Todas me queriam
                e quando ia nos bailes
                Eu era ligeiro
                Ficava quase louco
                de tanto que me abraçavam

Até que um dia
Encontrei uma namorada
Que era a filha
De um grande colono
Agora todas as noites
Me deito na cama
E ela devagarinho
Me faz pegar no sono

E assim foi
Toda minha vida
Coma esquerda e com a direita
Sempre trabalhei
Hoje estou pendurado
Em um pedaço de violão
E eu canto as canções
Que eu mesmo fiz

E aqueles que me perguntam
De onde vim
respondo logo
Onde eu estou morando
Venham aqui em Erechim
Me visitar
Que eu vos conto ainda
Todas histórias que sei.









Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 31 de agosto de 2019

Mese de Setembre - Ademar Lizot

Ascolta el Lizot spunciando soto: 


                                                                                    Mese de Setembre

Quando scomìnsia el mese de setembre  ntela solitùdine de m`anima,  scolto el osamento d`un clarin de guera e dopo me par da veder  la  cavaleria “Farrapa” del Gen. Bento Gonçalves, insieme dei  Lansieri Negri,  del coronel Teixeira Nunes, i gladiadori dela Repùblica Riograndense,  in màrcia a piè, co la medèsima grandiosità dei legionari d`Roma, sempre avanti dela trupa, spaventando í soldati del Impèrio. Alora in rispeto a l`stòria de nostra gente cavo el capel dela testa e ricordo anca del bravìssimo  Giuseppe Garibaldi, che insieme dei bravi “Farrapi”, el ga imparà a ignorar el perìcolo e el ga combatesto par la rason benedeta del pòpolo e dopo ntela so vita el ga infrontà na mùcia de batàlie, però nò`l ga mai visto guerieri più bravi e gnanca lansieri più brilianti de che i bravi fioi dela Provìnsia de San Piero del Fiume Grando del Sud.     
            Òstregha che grassioso  el mese de setembre, pien de fiori e de ricordi che fà vegner  un sgrisolon nel cuor parvia che  gavemo el gusto de ricordar la braura de nostra gente, de Luigi Rossetti, de Caniggia, del conde Tito Livio Zanbeccari, taliani che i ga perso la vita in combatimento nte`un testimònio de sàngue e onor a la Pátria “Farroupilha’. Ricordar soratuto dela bravissìma Anita, infrontando s-ciopetade ostile co`l picinin Menotti ntei brassi.        Ricordar de Garibaldi comandando le  nave d`guera dela Repùblica e  infrontando la armada del Impèrio e dopo navegando in diression dela cità de Laguna al incontro de so caríssima Anita.    
            De sta maniera, quando scominsia el mese de setembre go el gusto de ricordar  che la Provìnsia de San Piero del Fiume Grando del Sud,  ani vanti la zera un paese libero e di d`ancoi nostra bandiera de tre colori,   ga ntel sentro una listra rossa de sàngue,  par tutiquanti rispetarla.
Ademar Lizot.
                         
Mês de Setembro
  Quando começa o mês de setembro, na solidão de m`alma, escuto um clarim de guerra e depois parece que vejo a cavalaria “Farrapa” do General Bento Gonçalves junto dos Lanceiros Negros do coronel Teixeira Nunes, os gladiadores da República Rio Grandense,  marchando com a mesma grandiosidade dos legionários Romanos e sempre à frente da tropa, metendo pavor nos soldados imperiais. Então em respeito à história de nossa gente, saco meu chapéu da testa e lembro também do bravíssimo Giuseppe Garibaldi, que junto dos bravos “Farroupilhas” aprendeu a desprezar o perigo,  e a lutar pela razão sagrada dos povos e depois no transcorrer de sua vida enfrentou muitas batalhas, porem jamais encontrou guerreiros mais valentes, nem lanceiros mais brilhantes que os bravos filhos da Província de Sam Pedro do Rio Grande do Sul.
  A la pucha!.. Que formoso é o mês de setembro, com suas flores e lembranças que apertam o coração quando lembramos a bravura de nossa gente, de Luigi Rossetti, de Caniggia, do Conde Tito Livio Zanbecarri e tantos outros Italianos que perderam a vida em combate, num testemunho de sangue e honra à Pátria Farroupilha. Lembramos da corajosa Anita enfrentando os balaços inimigos com seu filhinho nos braços. Lembramos de Garibaldi comandando os barcos de guerra da República em combate com a esquadra imperial e depois singrando os mares em direção de Laguna ao encontro de sua amada Anita.
 Assim é o mês de setembro, tempo de recordar que a Província de San Pedro do Rio Grande do Sul, já foi um Pais livre e independente e que ainda nos dias de hoje a nossa bandeira tricolor tem no centro uma lista vermelha de sangue, lembrando que ela deve ser respeitada.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Bruscar le Vigne

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui
Para baixar essa música clique aqui.


Bruscar le Vigne - Grupo Nostra Gente (Talian)

La brina e i fredi i ze sòcii i amici dei nostri vignai
El vento el fa nina nana, la brina la slusa su i cai
Ma eco che vien primavera, amorosa la par una mama
Par sveliar la so creatura la ghe mete una stimana.

Rit: Su tosi, su tosi, che el sol, romai el scomìnsia scaldar
Ghe vol che bruschemo le vigne, sinò le se mete a butar, sinò le se mete  a butar.

Vardé che le mèio cai curti, così el vignal el tra fora
Con forsa la ua par soto, le fòie vien mòrbie par sora
le vigne bruscae e ligae, le piante come un bambin
ma la par febràio le bala in bote piene de vin

Rit: Su tosi, su tosi, che el sol, romai el scomìnsia scaldar
Ghe vol che bruschemo le vigne, sinò le se mete a butar, sinò le se mete a butar.

Compagn a le vigne noantri, non femo vin bon sensa poda
Gesù el ga dito sti ani e lu non ze fora de moda.

Rit: Su tosi, su tosi, che el sol, romai el scomìnsia scaldar
Ghe vol che bruschemo le vigne, sinò le se mete a butar, sinò le se mete a butar.


Tradução
Podar as vinhas

A geada e o frio são sócios amigos dos nossos vinhais
O vento faz ninar e a geada brilha sobre os galhos
Mas eis que chega a primavera amorosa parece uma mãe
Para acordar seu filho precisa uma semana

Ref: Vamos rapazes, vamos rapazes que o sol está começando esquentar
Precisamos podar as uvas senão elas começam brotar, senão começam brotar

Olha que é melhor gomos curtos assim o parreiral brota
Com força a uva por baixo e as folhas vem viçosas por cima
As uvas podadas e amarradas, as plantas são como uma criança
mas la por fevereiro dançam em pipas cheias de vinho

Ref: Vamos rapazes, vamos rapazes que o sol está começando esquentar
Precisamos podar as uvas senão elas começam brotar, senão começam brota

Igual as parreiras nós não fizemos vinho bom sem poda
Jesus disse uma vez e ele não está fora de moda.

Ref: Vamos rapazes, vamos rapazes que o sol está começando esquentar
Precisamos podar as uvas senão elas começam brotar, senão começam brota

Tradução e postagem: Jaciano Eccher
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 25 de agosto de 2019

El Roano e El Baio - Ademar Lizot

Spùncia soto par ascoltar la stòria:
 
                                         El Roano e el Baio
         Stiani  nt`un paeselo che se ga mai sentisto parlar, gavea  un contadin che zera paron d`una  bela giunta de boini, compradi quando i gaveva meno d`un ano d`eta,  un de color roano, co`l  pel meso ciaro insieme de màcie scure e  quelaltro de color  baio  co na mùcia de màcie ciare,  i ghe ciamea de “Roano e Baio”,   una bela giunta   quei dopereva con frequensa par tirar la careta e anca par arar la tera.  Í zera tanto pacifichi e pieni de dolcessa che quando se mostrea una panòcia  de milio o qualche toco de suca, i vigneva contenti  co`i denti a mostra e i lavri grandi pieni de bava, pronti par magnar e dopo far el laoro quei   zera tanto abituà in quel afar che quando qualchedun se pareciea   su  dela careta, i due boini,  sensa nissun ciamarli,  i andea in diression al  tiron (cabeçalho) e i stea la fermi fin che i ghe metea la stringa dela canga par i corni.    Cossì ga passà i ani e quele bèstie  ga acompagnà  la infansa dei tosatei, ntei afari dela colonia e anca par tirar la careta, par menarli ala messa ntela domènega, e nte quei momenti i  stea la, par depi d`ora, fermi  co la canga por sora del col, penso mi che gnanca àqua nò i ghe dea mea e co`l passar dei ani, quando i ga perso la forsa quei gaveva, i ze stà sustituì par nantra giunta de boini pi novi e par conseguensa i ze stati meso sbandonadi  ntel fondo del potrero, ndove se assa le bestiame par passar l`inverno al resguardo del fredo.    Alora  nte un giorno al final del outuno,  i ga incontrà el “Baio”   morto,  tuto sgionfo parvia d`un sganon d`una bissa giaralaca e el “Roano”,  insieme, molando par ària un mugito tristo,  drio sguardar quelaltro in tera, come sel fusse drio ciamarlo a pascolar insieme ntei campi o furssi par andar tirar la careta e quela lamentassion  l`éra come se fussi un testimònio che  la morte de  so amico la ze stada par lu  na cativa .   I ga proa pararlo via, però el fea trè o quatro passi e dopo ritornea  e cossì el ga resta par de pi d`giorno, sempre  pascolando darente, andea via par bever àqua e dopo ritornea,  slonghea el col par quel morto e molea un mugito malincolico, che comovea a tutiquanti.
           Dopo de quel sucedesto el vècio Roano, el zera sempre a pascolar in torno dela casa parvia   che ghe piasea star insieme dei tosatei come sel fusse un cagneto scherzando e fursi  desmentegarse de suo compagnero morto.   Cossì el outuno ga passà  e ntel inverno quela povera bèstia se ga inmagri  e l`é deventà tanto fiacoto che  pol esser che nò suportea pi  nantro inverno.  Alora el paron ga deciso de darghe de pi milio  par  ingordarlo un pochetin e dopo coparlo par nò  perder el coro  roano co màcie scure e anca qualche toco de carne, seben che la carne la pol èsser massa dura e bisogna cosinarla arquante ore par che la vegna mola.
            De sta maniera ga passà nantro inverno, dopo la primavera e ntel scominsio del veron el Roano gavea cambià el pel e anca ingrassia un pochetin.  Alora ntel mese de dicembre, un sabo al s-ciarir  del di,  ga riva ben monta nte suo caval, el  gausso che gaveva el ofìssio de carneador, el ga vignesto de capel co la ala scavensada in sù e  co`l  cortel che taia ben par far compir el destin de quela povera bèstia, el paron lo gavea ciamà,  sensa dir gnente a nissuni.                                                                                                                                                                                                  Hò roano, Hò roano”, c`un toco de suca in man, í ga ciamà el pòvero, che ga vignesto contento co`i lavri grandi pieni de bava e Intanto quel magnea quel toco de suca i ghe  ga liga  co na soga a`n  pal, darente dela careta che tante volte el ga tirà.  Alora ntel momento quel carneador passea  el cortel ntela sàira  i tosatei  i  se ga  disperà  e  suplicà a suo pupà de nò  far mea el pecà de copar na bèstia quei volea pròpio ben, quel zera tanto pacìfico e  stimà come sel fusse dela fameia.  El paron ghe ga dito quel destin dele bèstie  zera el cortel.   Dopo de queste parole de chi trata le bèstie con  crudeltà,  el ga fato un segno al carneador che d`un colpo el ga impiantà el cortel fin el mànego ntel cuor del Roano,  che ferì de morte, co`l sàngue drio corer par el peto, meso oscilante, ancora  el ga dato trè o quatro  passi e se ga incostà de na banda del tiron dela careta,  dopo el ga metesto i corni ntel posto dela canga e el ga resta la par un s-ciantin fermo, come se fusse drio spetar  quanchedun che ghe metea  la stríga dela canga ntei  corni par  tirar par la ùltima volta la careta, dopo se ga indenocià e casca par tera ntel  l`ùltimo sospiro .
      Alora nte quel s-ciantin  i ga sentisto un mugito tristo de quelaltre  bèstie nel potrero e  intanto che un cagneto lecheva  el sangue par tera, un bambin ga scominsia a pianzer, con lagrime che ghe vigneva del profondo de so ànima, parvia che con so òcii de inossente, el ga visto che de soto del pel del “Roano”   gavea una ànima e fursi pi lìmpida e pura che la ànima dei omeni, che tanti gnanca ànima nòi ga.

Ademar Lizot.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 18 de agosto de 2019

Fighera Alta-Ademar Lizot

Spùncia soto e ascolta la stòria de Ademar Lizot: 

                                                                                                     


 Fighera Alta
     El mio paeselo de nassità,  pochi i ga sentisto parlar. L`é localisà  ntela Provìnsia de San Piero del Fiume Grando del Sud e nte quel tempo che go nassesto,  ani cinquanta del sècolo passà,  el gaveva la denominassion de “Fighera Alta”, parvia d`una piantona de figheri, penso mi che la gaveva de pi de otanta ani de eta e  che ani vanti la gaveva servisto de protession e rifùgio ai  “ bùlgheri Kaigangs”,  i primi e legìtimi  paroni de quela tera,  localisata  tra meso el vali del fiume “Taquari” co`i campi andove el  vent minuano sùfia  e  in quei vali e campi verdegiante, quei zera pròpio bei de veder,  el “gringo” Talian e el Gausso “ pel duro”,  i se ga incontrà e i ga buo na longa convivensa in  completa fradelansa,  el talian  co`l formaio, polenta, salame e el benedeto vin e el gausso co`l sorasco de carne grassa insieme del sacro simaron, nte`una mescolansa de rasse e costumi intaiade nel cuor e ànima.   Quei pi vècii i contea quel primo cristian che ga abità  el paeselo dopo dei bùlgheri, el ga vignesto nel ano novesento e el zera un talian dela colonia  Isabel, di de ancoi cità de Bento Gonçalves, Lino Fighera zera el so nome e penso mi che i ghe ciamea cossì in omàgio a la pianta de figheri.   Ntel ano de 1922, i pionieri i ga alsa sù darente dela piantona,  la prima cieseta fata de tole de pin, ntela longhesa de cinque metri e querta de scandole.  Cossì nte quel ano la  comunità ga deventa distrito dela cità de Encantado, dopo ntel ano de 1942  nte quel posto i ga alsa sù na bela  ciesa,  fata de saci e matoni  in omàgio a San Joani Batista.  Alora  ntei ani  quaranta ga scominsia a vegner na mùcia de fameie taliane,  soratuto provegnente dele cità de Cassias, Garibaldi, Encantado e Veranópolis, i gaveva el  soranome Ferri, Fornari, Paludo, Gabiatti, Pitol,  Lisot e altri tanti che vigneva in serca de tere nove par alsar su la so vita, pieni de volontà de sviluparse co laoro e credensa in Dio, compagno de mio pupà Toni Lisot, quando ntel final dei ani quaranta  el ga alsa su na bela casa ntela via prinsipal e se ga stabilio con  comèrsio e stassion rodoviària.  Dopo ntel giorno sédese de febraio del cinquanta nove i ga fato la emansipassion política e anca cambià el nome del novo munissìpio par cità de Arvorezinha.   Però in mio cuor l`é par sempre la mia “Fighera Alta”, che pochi ga sentisto parlar e tera de erba bona par far simaron e paeselo andove sempre gaveva un cristian par verder la portà e dopo  ofrir ospedalità insieme d`un bel toco de sorasco e un bicier de vin  par copar la fame d`un forastier e soratuto  parvia de èsser el paeselo andove  le mie pestade se ga perso par sora la tera e gramadi o fursi par sora dei coridori  e scalin  dela casa bianca, sèmplice e sensa lusso che go nassesto e che la ze ancora la, drio far na sfidà al tempo, de soto dela ombria d`una maestosa fighera postata tra meso i boschi  e campi,  quei zera pròpio bei de veder.  
Ademar Lizot.  



                              A Figueira Alta
A cidade onde nasci poucos ouviram falar, está localizada na Província de São Pedro do rio Grande do Sul e no tempo em que nasci a localidade era chamada de “Figueira Alta” em homenagem a uma figueira majestosa, com mais de 80 anos de idade e que tempos remotos serviu de abrigo e refúgio para os índios Kaigangs, os verdadeiros  donos daquelas terras, que estão localizadas entre os montes e vales com a campanha onde sopra o vento minuano como se fosse o gemido da almas de tantos bravos. É o lugar onde o “gringo” Italiano e o gaúcho “pelo duro” tiveram uma longa convivência em completa fraternidade, um com a polenta, queijo, salame e o bendito vinho e o outro com o churrasco de carne gorda e o sagrado chimarrão. Os mais velhos contavam que o primeiro habitante do lugar, depois dos índios Kaigangs, veio de colônia Isabel, hoje cidade de Bento Gonçalves. Lino Figueira era seu nome, provavelmente o chamavam assim em homenagem aquela figueira. No ano de 1922 os pioneiros construíram a primeira igrejinha, feita de tabuas de pinho, no comprimento de 5 metros e coberta de tabuinhas, assim naquele ano a comunidade foi elevada a distrito da cidade de Encantado RS, depois em 1942 no lugar da igrejinha foi construída a nova igreja de pedras e tijolos, em homenagem a São João Batista.  Então nos anos 40 começaram a chegar várias famílias  de origem italiana, provenientes das cidades de Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Garibaldi, Veranópolis, de sobrenome Ferri, Fornari, Paludo, Gabiatti, Pittol, Lisot e outros mais, que vinha a procura de terras novas para refazer suas vidas com trabalho e fé em Deus, assim como meu pai Antonio Lizot, que no final dos anos 40 construiu uma bela casa na via principal e se estabeleceu com comercio e estação rodoviária.  Depois no dia 16 de fevereiro de 1959 veio a emancipação política  e o nome do distrito foi trocado para cidade de Arvorezinha. Porem em meu coração é para sempre a minha Figueira Alta, que poucos ouviram falar,  tera de erva buena para o chimarrão e lugar onde sempre tinha alguém para abrir a porta e oferecer um resto de churrasco para um andante e também lugar onde minha pegadas se perderam por sobre a terra e gramados ou talvez por sobre os corredores da casa simples e sem luxo em que nasci, e que está ainda lá, desafiando o tempo, sob a sombra da majestosa figueira entre os bosques e campos verdejantes.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

La forza dela Vita - Teatro Talian

El Teatro che te vedi qua in questo vìdio ze presentato par el grupo LADRI DI CUORI de Cascavel-PR. I ga belche presentá in arquanti posti, fin Itàlia e Stati Uniti.
E noantri del Sito Brasil Talian lo gavemo parecià par voaialtri con n'a qualità bona de se veder.
Volaria invitar a tuti par scriver ntel CANAL BRASIL TALIAN, spunciando qua.

La stòria raconta un pochetin dela vita dei nostri antenati taliani da quando partiti dela Itàlia e anca dopo qua ntel Brasil. Fato con alegria, stòria e tanta dansa. Vardé cari...
 
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

TONI MERDA - Ciàcola

Bongiorno o bona sera a tuti i amici. Semo drio rivar a 1000 scriti ntel nostro canal (Brasil Talian).
Semo tuti drio far un laoro tuti ensieme par rivar suito a mila scriti. Se non te sei scrito ancora, spùncia qua e faghe la scrission.
Se te si belche scrito su'l canal BRASIL TALIAN alora condivide questa publicassion co'i amici.
Questo vìdio ze el ùltimo vìdio del canale fin questo momento.
Ma anca su i ùltimi vìdii gavemo un clipe musicale con la canson CARO PUPÀ e anca un filme tuto in TALIAN.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 3 de agosto de 2019

El Scurir ntel Inverno - Ademar Lizot

Spùncia soto par ascoltar el Lizot:



                                                     
                  El Scurir ntel Inverno
Ntel inverno, quando la note con so òcii negri, scominsia a riposar piena de aflission e menando insieme  un  silénsio che penetrà ntela me ànima co la someiansa d`un verso mastegà de malinconia, l`é un momento che  me vien in testa tanti ricordi,  adesso persi ntei sgorloni dela memória e el  mistério de quel silénsio porta anca un strucon a mio  cuor de contadin  che rento del peto bate par la simplissità, che bate compagno el mormólio del vent che  sufia ntele me rècie come se fusse el gémito lamentoso  d`una  ànima o el sussurro benedeto de una preghiera che me fa  ricordar de tanti bisognosi, porigrami che gnanca un canton  suo par dormir no`i ga o fursi anca scarsi de robe par scaldarse del fredo inclemente. Tutavia posso dir sensa paura de sbàlio che di d`ancoi el  fredo più doloroso l`é quel intaia rento dela ànima dei omeni, el fredo del orgòlio, dela arogansa, dele parole de rudessa, el fredo  dei òcii rabiosi, sempre pronti par agredir.          
                                                                                                                                                          Òstrega che me piase l`é note  frede de inverno, co`l ciel colmà de stele, la luna cu`n stragrando splendor e co`l vent che sufia ingiassando le rècie, l`é un fredo che me fa ricordar de sti ani, quando  zera picinin, ancora taca su l`é bombàcie de mio pupà e che  andea a l` scola caminando e spachea la brina, bela come se fusse neve co`i piè scalsi, un tempo  indesmentigàbile che la ntel interior  le persone i parea fin fradei, parvia che se  vivea  in completa  fradelansa, tempo de na benedeta inossènsia in che l`é done dopereva l`é cotòle sempre de soto dei denòcii e soratuto l`é gaveva na maniera semplisse e bela de farse remirar, l`éra un  tempo in che gnanca tuto el oro dele cave  dela tera zera sufissiente par comprar la onorabilità d`un criantian.                                                                                                                                                              Adesso tanti giorni, quando la note con so ombria piena de malinconia, sustitui la luce del sol, l`é un momento che  ringrassio al Signor par nantro giorno e  dopo ntel conforto dela mia casa,   sentà in torno del fogon,  co`una botìlia de vin,  ciapo el cavastròpole par verderla e cossì liberar l`anima dela ua e ntea prima sbocononada de quela bevida benedeta me vien na`arieta  de felicità  e el testimònio che la mèio richessa l`é volerse ben e la gentilesa fa la persona più bela, nò interessa so aparensa  e soratuto la felicità l`é fata de de cose semplisse, de momenti sublime compagno bever un bicier de vin  acompagnà dela femena dela mia vita,  che go conquistà cu`n stragrando caprìssio e co`l passar dei ani  go imparà che un grando amor rinasse tuti giorni cu`n bàcio  e una parola de dolcessa, compagno dei fiori che i rinasse ntela primavera.
Ademar Lizot.

 As Noites de Inverno
     
No inverno, quando a noite com seus olhos negros adormece plena de melancolia, junto vem um silencio que penetra em minha alma como se fosse um verso mastigado de saudades. É um momento de  lembranças, agora perdidas nos solavancos da memória e o mistério deste silencio provoca um aperto em meu coração de colono, que dentro do peito bate pela simplicidade, que embora as emoções já vividas, ainda bete igual o murmúrio do vento que acaricia minhas orelhas como se fosse o gemido lamentoso de uma alma ou o sussurro bendito de uma oração que me faz lembrar de tantos necessitados que nem um teto tem para dormir, além de poucos agasalhos para amenizar o frio inclemente. Todavia, posso dizer sem medo de errar, que o frio mais doloroso é aquele incrustrado na alma dos homens, o frio do orgulho, da arrogância, das palavras rudes  e dos olhos raivosos, sempre prontos para agredir.
    A la puxa, até que gosto dos dias frios do inverno, com o vento assoprando e gelando minhas orelhas, que me faz recordar de quando era menino, ainda segurando nas bombachas de meu pai, naquele tempo em que a caminho da escola, com os pés descalços quebrava a geada branca igual neve, um tempo inesquecível em que as pessoas se consideram como irmãos e se vivia em completa fraternidade, tempo de uma bendita inocência, em que as mulheres usavam os vestidos sempre longos, abaixo dos joelhos e tinham uma maneira simples e bela de fazer-se admirar, tempo em que nem todo o ouro das minas da terra era suficiente para comprar a honra de um homem.
   Sempre que a noite com sua sombra melancólica substitui a luz do sol é um momento que agradeço ao Pai Celestial por mais um dia e depois no conforto de minha casa, sentado ao redor do fogão, com uma garrafa de vinho, saco sua rolha para liberar a alma da uva e no primeiro gole daquela bebida bendita me vem o sentimento de que a melhor riqueza desta vida é querer-se bem, pois a felicidade é feita de coisas simples, de momentos sublimes, como degustar  um vinho acompanhado da mulher de minha vida, que conquistei com muito capricho e com o passar dos anos entendi que um grande amor renasce todos os dias com um beijo e uma palavra de  doçura, assim como as flores que renascem na primavera.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Caro Pupà - Tradução de Meu Velho Pai para TALIAN - Com Cecília Antonello

A letra dessa música já estava disponínel em nosso site. Depois de assistir esse videoclipe que fizemos de coração pra você, clique aqui para ter acesso a letra e outro vídeo.

El testo de questa canson zera belche in nostro sito. Dopo de vardar questo vìdio che gavemo fato de cuor par ti, spùncia qua par vardar el testo e n'altro vìdio con questa canson


Não esqueça de clicar aqui para se inscrever em nosso canal
Non stamia desmentegar de spunciar qua par scriverse in nostro canale.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››