Pagine

Clique para entrar

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

El Governo e i Coloni - O governo e os colonos

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui
Para baixar e ouvir essa música, clique aqui.


Talian

Quando el governo, el fa le campagne
A tuti prometi che  no i passa fame
Ma dopo i ga guadagna
se desmentaga tuto quel che ga parlà
I pori coloni non la mete in testa
Che tuti che i parlà e niente che presta.

Rit: Tuti i coloni ghe vol cossì far
De ndar tuti intese de non piu laorar
E dopo el governo se el vole magnar
Che va anca luri a provar piconar.

Quante promesse, quante buzie
E na verità la par che sìa
Noantri scoltemo con tanta atenssion
Se non se femo furbi, i la pianta del bon
E mi lo digo perché mi sò
Se fenisse el mato ma i macachi nò.

Rit: Tuti i coloni ghe vol cossì far
De ndar tuti in tese de non piu laorar
E dopo el governo se el vole magnar
Che va anca luri a provar piconar.

Quante promesse, quante buzie
E na verità la par che sìa
Noantri scoltemo con tanta atenssion
Se non se femo furbi, i la pianta del bon
E mi lo digo perché mi sò
Se fenisse el mato ma i macachi nò.

Rit: Tuti i coloni ghe vol cossì far
De ndar tuti intese de non piu laorar
E dopo el governo se el vole magnar
Che va anca luri a provar piconar.
Se i pori coloni laorar come un mul
El goerno le pianta ntel buso del naso.

Tradução para português


Quando o governo faz suas campanhas
Promete a todos que ninguém vai passar fome
Ma depois que ganham
Esquecem tudo o que falaram
E os pobres dos colonos não colocam na cabeça
Que tudo o que eles falam não tem nada que presta.

Rit: Todos os colonos deveriam fazer assim
Entrar de acordo de não mais trabalhar
E então se o governo quiser comer
Que vão eles também experimentar capinar. (mas no sentido de usar a picareta mesmo)

Quantas promessas, quantas mentiras
E na verdade até parece ser
Nós ouvimos com tanta atenção
Se a gente não se espertar eles fazem mesmo
E eu digo porque sei
Eles terminam o mato mas não os macacos.

Rit: Todos os colonos deveriam fazer assim
Entrar de acordo de não mais trabalhar
E então se o governo quiser comer
Que vão eles também experimentar capinar.

Quantas promessas, quantas mentiras
E na verdade até parece ser
Nós ouvimos com tanta atenção
Se a gente não se espertar eles fazem mesmo
E eu digo porque sei
Eles terminam o mato mas não os macacos.

Rit: Todos os colonos deveriam fazer assim
Entrar de acordo de não mais trabalhar
E então se o governo quiser comer
Que vão eles também experimentar capinar.
Se os pobres colonos trabalhar como jumentos
O governo finca dentro do "nariz" .(obviamente o compositor gostaria de rimar mul (jumento) com cul (ânus).




Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Stòria e preghiera a san Roco

Giorno 16 de agosto ze giorno de San Roco, un santo nato in Francia che ga studià medicina però ancora zóvano ga lassà i stùdii per aiutar i amalati contaminati per la peste. El và in Roma nela Itàlia e rimane la per 3 ani. Lu pròprio de tanto aiutar questa gente el ga ciapà la peste anca lu porogramo.
Al ritornar de viàio in Piacenza nel nord italiano lu con una ferita tanto grande el se gà nascosto in meso al bosco per non transmìtere a altre persone. Ma in scondion el ze stato salvo per un can che el rubava cose che vansea del magnar soto la tola (el taolo). El signor Palastrelli che zera el paron de questo can el ga stragnià la maniera che el can feva tuti i giorni e un di ga ndato drio sto can e scopri alora che el ndea portar da magnar al porogramo del San Roco.
Sto Sior el ga biu compassion e alora giuta a guarire e salvare el San Roco.
Per quela che se dise anca che San Roco ze paron e el protege i can e altri bèstie.


Preghiera a San Roco

San Roco, tu che ga guarìu tanti amalati si anca che ti stesso ze stato contaminato con la peste, Daghe a noantri passiensa nela soferensa e dolor. San Roco protege non solche a me ma anca a miei fradei e sorele, lìbera anca tuti noantri dele amalatie infessiose.
Intanto sarò in condission de dedicare a i miei fradei ve digo che li aiuterò nele so tribulassion e cossì diventare meno forte le so soferense. San Roco, benedisse i mèdici, faghe forte i infermieri e tuti quei che lavórano nei ospedali e difende a tuti dele malatie e perìculi. Cossì sia
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Più Bella Cosa - Coisa mais linda

Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui.
Para baixar essa música, clique aqui

Italiano

Com'è cominciata io non saprei
la storia infinita con te
che sei diventata la mia lei
di tutta una vita per me.

Ci vuole passione con te
e un briciolo di pazzia
ci vuole pensiero perciò
lavoro di fantasia.

Ricordi la volta che ti cantai.
fu subito un brivido sì
ti dico una cosa se non la sai
per me vale ancora così.

Ci vuole passione con te
non deve mancare mai
ci vuole mestiere perché
lavoro di cuore lo sai.
Acredite se quiser mas essa linda moça não passa de um desenho muito bem feito

Cantare d'amore non basta mai
ne servirà di più
per dirtelo ancora per dirti che
più bella cosa non c'è.
più bella cosa di te
unica come sei
immensa quando vuoi
grazie di esistere...

Com'è che non passa con gli anni miei
la voglia infinita di te
cos'è quel mistero che ancora sei
che porto qui dentro di me.

Saranno i momenti che ho
quegli attimi che mi dai
saranno parole però
lavoro di voce lo sai.

Cantare d'amore non basta mai...

Tradução para português

Como começou eu não sei
a história infinita com você
que tornou-se você a minha
de toda uma vida para mim.

É preciso paixão com você
e uma pitada de loucura
é preciso pensamento para isso
obra de ficção.

Lembre-se quando você cantou.
imediatamente foi uma emoção sim
Vou lhe dizer uma coisa, se você não sabe
para mim ainda é assim.

É preciso paixão com você
Não pode faltar nunca
leve a sério porque
trabalho de coração você sabe.

Cantar o amor não é mais suficiente
não ira servir mais
Para te dizer ainda, para te dizer que
coisa mais linda não existe.
mais linda que você
ùnica como você é
grande quando quer
obrigado por existir...

Como é que não passa com meus anos
o desejo interminável de você
Qual é o mistério que ainda és
Que carrego ainda aqui dentro de mim.

Serão os momentos que tenho
aqueles curtos momentos que me das
serão palavras porém
trabalho de voz você sabe,

Cantar o amor não é mais suficiente...

Letra e tradução: Jaciano Eccher/Site Brasil Talian
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

El silènsio dela matina per Ademar Lizot

Doménega de matina go leva sú bonora, a le sìnque, quando el gal scominsia ozar, me piase questo momento parché el mondo l`é ancora in silènsio e me ànima riposa in questo silènsio. Dopo dea orassion, ntea cosina, go infiamà el fogo par scaldar l`aqua del simaron. Lo go parecià con caprìssio e dopo go scominsià a ciuciar el simaron e cosi, perso co í miei pensieri, ntel silènsio de quela santìssima e bela matina de sùbito me gà vignesto un sentimento in ànima, che in quel momento no zera mia discompagnà ntea solitùdine dea cosina, me parea che gavea insieme altre ànime. Alora in quel s-ciantin go será í òcii e me ga vignesto in testa la vision, la imàgine de miei genitori, mio pupà Toni e mama Luiza, me parea che í zera insieme a me. L`é pròpio robe de perder í sentimenti, in pensiero go dito:..- “Santantoni, come l`é possìbile?” Parché quele due ànime le ze in paradiso insieme ai santi! Ghe sicuro che ntea me testa, í zera insieme a me! Sempre co í oci saradi, me parea de veder el pupà sentà nte so carega predileta, in torno del fogon, con so capel de pàia de formento e la mama, insieme, sempre bela con so fassoleto in testa, drio taiar la polenta par brustolarla nte la siapa del fogon.

Alora ntel silènsio profondo dea matina, co í òcii saradi e l`ànima piena de sentimenti, go ritornà ntel tempo, ani vanti quando zera ancora picoleto, tute le matine andea ntea cosina insieme co ´l pupà e mama, me sentea ntea cassa dea legna, dadrio del fogon e stea là fermo, parché me piasea tanto scoltarli, me piasea el so parlar, le parole lìmpide e giuste, parole de amabilità, umiltà e coraio, parole de due ànime gemele che í se volea tanto ben e che í parlea sempre in talian, nostra léngua materna, el idioma co la piú bela sonorità del mondo. Ín quei momenti de afeto e fraternità, L`èra bel veder l`amabilità, la dolcessa, la suavità e el rispeto, del pupà co so sposa, el suo esémpio l`é par sempre ntea mia scàtola dei ricordi.

Doménega de matina a le sete in punto, le campane dea cesa gà scominsià a sonar. Alora go verto í òcii per vardare in torno a me e ntea solitùdine dea cosina, go visto che zera discompagnà. Ntea carega in torno del fogon nó gavea nissuni sentà e anca la polenta zera ancora su par la tola sensa taiar. El pupà e mama co´l sonar dea campana dea cesa í ze ritornati al paradiso insieme ai santi, parché adesso lá ze el so posto. Questi ze í mistieri dea vita e noantri no gavemo la abilità de intender. Alora in quel s-ciantin me ga vignesto in cuor e ànima n`aria de felicità, parché in quela doménega de matina in pensiero, gò ciucia el simaron insieme de mio pupà Toni e mama Luiza. Ntel secondo sonar dea campana, go andato in cesa ringrassiar al Signor e la Madona par la gràssia e de èssere fiol de quele due ànime gemele e par la fortuna de ereditare el so esémpio de vita, de amabilità, laoro e umiltà.

Ademar R. Lizot.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

Gróstoli ornati co`l sùchero briliante - Per Ademar Lizot

Le cose piú bele dea vita, ze quele de simplissità e aotentissità, gràssie a Dio son vignesto de na faméia sémplisse compagno de na feta de polenta e formàio con la fragansa dea ua e del vin. Mia scàtola dei ricordi l`é piena e go nostalgia ntel cuor. Quando ricordo el passà me vien na làcrima ntei òci. Go mai smentegà í momenti che go vivesto, insieme del pupà e mama, ancora quando zera picoleto. Ricordi de felissità e simplissità, che adesso, dopo tanti ani, í me fa vegner un dolor ntel cuor, parvia che mai piú i ritornara. Questi ricordi i ze el testimónio che le cose de simplissità, ze le piú bele dea nostra vita.

Un ricordo che go mai smentegà zera quando mia mama Luiza pareciea el pan e í grostoli. La ga impara questo laoro quando la gavea diese ani de eta e dopo par tuta vita, la zera na maestra in questo mistier, che la fea con so man e so siensa. Ricordo la so imàgine de fassoleto in testa e so man de santa, drio smissiar la farina de formento, belìssima e bianca stesso neve. Farina santìssima, quela de far la òstia dea selebrassion dea santa messa. Dopo la menea la pasta ntea fornàia a legna e nte un s-ciantin vignea fora un pan bonìssimo, zera un piasere magnarlo ancora caldo. Nostro pupà in quei momenti disea: “ El pan, la polenta e el vin í ze mistieri benedeti dal Signor.”

Ricordo che in nostra casa zera sempre un giorno de festa quando la mama parecea í grostoli ornati co`l sùchero briliante, alora vignea altre persone in nostra casa, e zera una fadiga spetar el momento de magnar quela diletansa. Gràssie a Dio mia sorela Leonilda ga eredita questo mistier de pareciar el pan e grostoli e anca la ze compagno, tale e quale ntea someiansa a nostra mama. Penso mi quel Signor con so bontà sensa fin, me ga regalà due madre. Adesso una la ze in paradiso insieme ai Santi e rento de me ànima, però solamente in sogno la vedo e quel'altra qua insieme a me. Questa l`é na contentessa, parvia che par noantri taliani la persona piú predileta dea nostra vita ze la mama.

Bisogna dir che la casa de mia sorela, l`é na casa de bondansa, co í canarini soto la finestra, sempre piena de fioi e nipotini e co`l pan e grostoli ornati co`l sùchero briliante che me piase degustarli parché í ze bonìssime stesso quei che la mama parecea ani vanti. Quando vau trovarla me piase dirghe bon giorno sorela e bon giorno a tuti quanti, però soratuto me piase vederla smissiar la farina. In quei momenti che la ga su el fassoleto in testa, me vien na emossion ntel cuor, parvia che davanti í me òci, ritorna la imàgine carìssima dea nostra mama Luiza, sempre bela, con so man de santa drio smissiar la farina santìssima e bela stesso neve.

Ademar R. Lizot.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 12 de agosto de 2017

Messagio per tuti i pupà

Signor, tu che sei pupà de tuti noantri, domando che benedisse quelo uomo che avete inviato per essere el mio pupà qua nela tera, traverso lu son stato bon vedere tante volte el tuo viso de pupà, tuo amore e compassion.
Domando a te signore, multìplica tuoi giorni in meso a noantri afinché mi sia bon de sentire la so benedeta presensa nei momenti felice e difìcile dela vita.
Signor anda ensieme con mio pupà, in tuti i sorisi e tute le làcrime, nei momenti del lavoro, dela alegrìa e preghiera, fra el giorno e la note, nel sono sereno fa che lu proe del to amore divino.

Mio bon signor, domando che la to benedission se fa presente nela vita del mio pupà incoi e sempre.
Benedisse signor, el pupà amico e compagno, el pupà sempre presente, che ofre el seno e alsa la mano, ma anca el pupà lontano, metendo sempre tuto el so amore nel suo cuore. Benedisse anca signor el pupà che incoi riceve el strucon dei suoi fioi e el pupà che piange l'ausénsia del fiol che ga ndato de incontro a te. daghe a questo el consolo dela bona nostalgia, stenda signor tua man d'amore sora tuti i pupà, concede a lori i doni dela calma, comprenssion, serenità, teneressa, giustìssia, e fede nela vita e tanto amore, che tuti i pupà del mondo sàpiano essere veramente pupà.

Auguri e felicità a tuti i pupà del mondo e letori del Sito Brasil Talian

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O Imigrante - Por Ernani Fazolo

Imagem do filme O Quatrilho
Da l'Itàlia l'è partio
Sensa faméia, sensa amici,
Gaveva speransa, tantìssima voia e anca paura,
Co el ze arivà,
Fissionà con le lùce de'a nova tera,
ì òcii sluseva da vederla
E la Itàlia nostàlgica a lontan,
Par una s-cianta smentegada

La to fede se gà muta in coràio e mantimento,
Vedesto el sàngue e 'l dolor, la felicità e l'amor,
La tera a drio l'assada,
Par ti, tanto amada
Nte'ì ricordi a ze stata,
E la tera ricevesta,
Ché sarala?
Una utopia sveliata

Imigrante, eròico e fondador,
Te ghè fato de sta tera el tuo encanto,
Slevà la bandiera d'un novo mondo
Con la bravura d'un vencitor,
El to fìol ancoi ringràssia,
De tuto quel che te ghè assà,
La cultura mantegnesta,
Se sgrandisse tuti giorni,
Con orgólio dei Taliani
Ì to bravi dessendenti


Ernani L. Fazolo
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

"Guidea"? Ma de dove vien questa parola se gnanca i véneti la dopèrano?

Mi dopero a ogni sìnque(5), o sèi(6) parole, la parola "guidea". Ma de dove la ze vignesta se nel italiano i dopera "secondo me" o "penso io"? I véneti gnanca li dopera. Sti giorni in drio parlando con i amici véneti go doperà questa parola e nissun sapeva cosa era. Alora go scominsià pensar sora sta parola tanto doperada e "guidea" che go la risposta. "guidea" che la parola "guidea" vien de "gò idea" (tenho idéia). Almeno ze la spiegassion che me go dato a me stesso. E valtri? Doperé na parola difarente? Qualchedun ga una spiegassion mèio? Scrive qua soto nel campo dei comenti per favore.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

El gato griso/O gato grisalho

Storieta/Estorinha

Talian e português.

                                                      
Talian

Adesso ve conto na stòria, fursi no volì créderme, ma la ze na verità santìssima, la ga sucedesto in Garibaldi tel 1925. Mi zera na tosatela de sinque o sèi ani.
Li rente la casa del pupà, a Garibaldi, i zera de star due zovenoti, de nome Vitòrio e Maria, che come vedì, i zera visini tra de luri e con noantri, ma luri i stea un par banda de la strada, ben davanti un de l’altro.

El tempo el passea sensa gnente de novo, ma, là par le tante, la Maria la ga scominsià vardar Vitòrio con i òcii del core.
Sto tosato el ghe piasea, ma no lo savea cosa far par darghe da intender i so sentimenti.
Sucede que Vitòrio el gavea un bel gaton griso che’l ghe volea tanto ben.
Sto gato l’era sempre drio le so gambe, ma lu el ghe dava poco da magnar, par lu, i gati i dovea viver de sordi o de oseleti che i se li ciapesse ntel paiol del mìlio o via par le scapoere.
Lora, quando la fame la ghe batea, el gato el traversea la strada e el ndea in volta sgnaolando. Un dì, l’era lì che el sgnaolava pròpio davanti la casa de la Maria, ela la ghe ga dato do tre tocheti de formàio vècio che li ga parai do con gusto.
De lì in vanti, sempre che el gato el vegnea sgnaolar davanti la so casa, la ghe dea da magnar. Na volta un tocheto de formàio, anca se el fusse un poco bissà, nantra volta un osseto de galina, na fetina de salame meso ranso, in soma, in quel tempo no ghe zera le rasson de incoi. E el gato, sicuro, el se ga costumà.

Dopo el disnar o la sena, quando a casa de Vitòrio no’l impienia la pansa soto la tola con le scorse de formàio, i budei del salame o co le frégole che caschea do de la tola, el ndava drito a casa de la Maria, e ela, romai, lo vardea squasi come se’l fusse el Vitòrio.
La ghe dava sempre meio boconi de formàio e lo caressava.
Un giorno de piova, el gato el dormiva come un tatin in brasso de la Maria, e in quel momento ghe salta na bela idea, me digo, mai pensada da nissuni. La se dise: “se el gato l’è rivà rente mi, pol esser che lu el me mene rente al so paron”.
Sensa tanti pensieri, la ciapa na fitina bianca de bombasina, la scrive sora un verseto d’amore, e la liga ntel col del gato. Dopo la ga molà fora ntela piova, e lu el core casa sua. E così la ga seguità far, sempre che’l griso, come ela lo ciamea, el rivava sgnaolando.

La gavea un bel fasseto pronto de fitine. E lora, ntanto che’l magnea el tocheto de formàio, o el lechea un piatin de late, la ghe lighea nantra fitina, dele volte rossa, ma sempre con qualche paroleta d’amore. Ma el tempo el passea, e no se vedea gnente de difarente de la banda de là de la strada. Romai la se gavea squasi disisperà.
La se disea, go paura che go perso el tempo, el formàio, el late e un bel toco de bombasina.Ma la stòria de la banda de là, la zera difarente. Vitòrio el vedea sto gato griso rivar casa co ste fitine ligae al col e scrite con bele giure d’amore, ma no’l savea ne chi le lighea, nè chi le scrivea e manco ancora de ndove el gato el vegnea.
Un bel giorno de tanto caldo, pena dopo disnà, Vitòrio el se senta al ómbria de un piàteno, e, giusto per acaso, el vede el so gato griso vegner fora de la casa de la Maria co na fitina al col. Lora el ga capio tuto.

El mistero el se gavea finio. Sicuro, no podea esser altro che la Maria. Come, el ga pensà, no me go nicorto prima, son pròpio orbo patoco. El ciapa el gato, el dì drio, el fa na fita co na fóia del quaderno vècio de scola e el ghe manda la risposta.
De lì in vanti el gato el ndava tuti i dì invanti e indrio portando sia giure d’amore, sia proposte de ore e posti par catarse de scondion e smorosarse.
Passà un bel tempo, Vitòrio e la Maria, fursi stufi de sconder el so amore, i ga decidesto a meterlo in tola, ognuno a la so fameia. E Così i ga fato. Tuti i ze stai d’acordo. Par dir la verità, lori li ga bravai d’aver fato le robe a scondion. De questo giorno avanti fea gusto véderli tute le doméneghe ndar a brasseto a messa.
In pochi mesi e ga impirà in tel deo le leanse e i ga marcà el matrimónio, par un ano dopo. Del gato griso i se ga desmentegà.
La Maria no la ghe dava pi i bei boconi de formàio e i piatini de late.
Lora el griso, poareto, ghe ga tocà ritornar a esser un gato come tuti i altri gati e, el ga dispario, lì in torno non se vedea pi. Rivà el giorno del matrimònio,
Vitòrio e Maria, lu co na bela fatiota de casemira, ela tuta de bianco, e par far novità, i se ga partio de casa in procission insieme ai ginitori, fradei, sàntoli e invitai fin la cesa, che la zera darente.
La serimónia l’è stà na maraveia, ghe gera i cantori, quei de ose forte, cantando l’Ave Maria, el frate el ga fato na corta, ma bela predicheta e, a ora de le domande se un acetava l’altro, gnanca da creder, na bela sorpresa, giusto ntela ora de la Maria dir el so “si”, el gato griso el se ga messo tra i due sposi e el ga molà un forte gnaaoo...
El sacristian al veder sto gato lì, el core svelto e lo para fora de la cesa.
Nissuni i savea de la stòria, ma Vitòrio e la Maria la savea ben.
Finie le serimónie, tuti ze ritornai a casa de Vitòrio, che la zera pi granda, par la gran festa. Bisogna dirlo, soltanto pròpio par ripèterlo parché no ocoraria, tuti i ga magnà e bevesto a volontà, ma nela ora dei sposi taiar el bolo de le nose, indovinela, lì davanti sgorlando la coa e vardando i sposi, el gato griso el spetea el so toco.

Fonte: Giudith Binotto
Redação: Silvino Santin e Jaciano Eccher


                                                              Português
Agora vos conto uma estória, talvez não queiram acreditar-me, mas é a santíssima verdade, ocorreu em Garibaldi em 1925. Eu era uma menina de cinco ou seis anos. Perto da casa de papai, em Garibaldi, moravam dois jovens de nome Vitório e Maria, que como vêem, eram vizinhos nossos, mas eles moravam um cada lado da estrada, bem em frente um do outro.
O tempo passava sem nada de novo, mas lá pelas tantas, a Maria começou a olhar para Vitório com os olhos do coração. Este rapaz lhe agradava, mas não sabia como dar a entender os seus sentimentos. Sucede que Vitório tinha um belo gatão grisalho que queria muito bem. Este gato estava sempre atrás de suas pernas, mas ele lhe dava pouca comida, para ele os gatos deveriam viver de ratos ou de passarinhos que poderia pega-los no paiol do milho ou pelas capoeiras. Então, quando a fome lhe batia, o gato atravessava a estrada e ia passear miando. Um dia, estava miando bem em frente a casa de Maria, ela lhe deu dois ou três pedaços de queijo velho que ele comeu com gosto. Da li em diante, sempre que o gato vinha miar em frente a sua casa, ela dava de comer. As vezes um pedacinho de queijo, mesmo que estivesse estragado, outras vezes um ossinho de galinha, uma fatia de salame meio ranço, em fim, naquele tempo não existiam as rações de hoje. E o gato, certamente acostumou-se. Depois do almoço ou da janta, quando na casa de Vitório não enchia a barriga embaixo da mesa com as casacas de queijo, as tripas de salame ou os farelos que caiam da mesa, ia direto a casa de Maria, e ela, já o via como se fosse o Vitório. Ela dava sempre melhores bocados de queijo e o acariciava.

Um dia de chuva, o gato dormia como um bebê nos braços de Maria, e naquele momento lhe vem uma bela idéia, acho nunca pensada por ninguém. Ela diz: “Se o gato chegou perto de mim, pode ser que ele me leve para junto de seu dono”.

Sem muito pensar, pega uma fitinha branca de algodão, escreve em cima um versinho de amor, e amarra no pescoço do gato. Depois o largou fora na chuva e ele corre para sua casa. E assim começou a fazer seguidamente, sempre que o grisalho, como ela o chamava, chegava miando. Ela tinha pronto um bonito macinho de fitinhas. E então enquanto ele comia um pedacinho de queijo, ou lambia um pratinho de leite, ele amarrava outra fitinha, as vezes vermelha, mas sempre com alguma palavrinha de amor. Mas o tempo passava, e não se via nada de diferente do outro lado da estrada. Já quase desesperada, ela se dizia, tenho medo que perdi o tempo, o queijo, e um belo pedaço de algodão.

Mas a estória do lado de lá era diferente. Vitório via este gato chegar em casa com estas fitinhas amarradas ao pescoço e escritas com belas juras de amor, mas não sabia nem quem as amarrava, nem quem as escrevia, e menos ainda de onde o gato vinha.

Um belo dia de muito calor, logo depois do almoço, Vitório senta-se a sobra de um plátano, e justo por acaso, vê o seu gato grisalho sair para fora da casa de Maria com a fitinha no pescoço. Então entendeu tudo. O mistério terminava. Certamente não podia ser outra que a Maria. Como, pensou, não percebi antes, sou mesmo cego completo. Pega o gato, no dia seguinte, faz uma fita com uma folha de caderno velho de escola e lhe manda a resposta. Dali em diante o gato ia para frente e para trás levando seja juras de amor, ou seja, propostas de horas e local para encontrarem-se as escondidas e namorar.

Passado um bom tempo, Vitório e a Maria, talvez cansados de esconder o seu amor, decidiram esclarecer o assunto, cada um com sua família. Assim fizeram. Todos de acordo. Para dizer a verdade, os parabenizaram por haverem feito tudo escondido. Deste dia em diante dava gosto de ve-los todas os domingos indo abraçados a missa.

Em poucos meses, colocaram as alianças nos dedos e marcaram o casamento para um ano depois. Do gato Grisalho se esqueceram. A Maria não lhe dava mais os belos pedaços de queijo e os pratinhos de leite. Então o Grisalho, pobrezinho, voltou a ser um simples gato como os outros gatos e, desapareceu, ali próximo ninguém o viu mais.

No dia do casamento, Vitório e a Maria, le com um terno de casimira, ela toda de branco, e para fazerem diferente, partiram de casa em procissão junto com os pais, irmãos, padrinhos e convidados até a igreja, que ficava próximo.

A cerimônia foi uma maravilha, tinha cantores, daqueles de voz forte, cantando a Ave Maria, o frade fez uma curta, mas bela pregação e na hora das perguntas, se um aceitava o outro, nem é de acreditar, uma bela surpresa, justamente na hora da Maria responder o seu “sim”, o gato grisalho se colocou entre os dois noivos e soltou um forte nhaaoo... O sacristão ao ver o gato ali, corre rápido e o póe para fora da igreja. Ninguém sabia da história, mas Vitório e a Maria sabiam bem.

Terminada a cerimônia, todos foram para a casa de Vitório, que era maior, para a grande festa. Precisa dizer, só para repetir porque não precisaria, todos comeram e beberam a vontade, mas na hora dos noivos cortarem o bolo de casamento, adivinhem, ali na frente, mexendo o rabo e olhando os noivos, o gato grisalho esperava o seu pedaço.


Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 8 de agosto de 2017

A micro-história do imigrante Giuseppe Luigi Ferri e a sua interação com o meio ambiente italiano e brasileiro (1881 – 1969)

Foto: Giuseppe Luigi Ferri

Por: Gil Karlos Ferri Graduado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Mestrando em História na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) gilferri@hotmail.com 

 Este artigo propõe uma análise da trajetória de vida do imigrante Giuseppe Luigi Ferri (1881 – 1969) e a sua interação com o meio ambiente nas localidades de Bérgamo (Itália), Treviso e Celso Ramos (Brasil). A metodologia deste trabalho utiliza uma interface entre a escala de observação da vida do imigrante (Micro-História) e a análise contextualizante dos locais explorados por este colono (História Ambiental). Diversas fontes foram mobilizadas neste trabalho, dentre as quais se destacam os registros religiosos e civis, fotografias, mapas, entrevistas, relatórios e legislações, bem como uma pertinente revisão bibliográfica dos temas analisados. Objetiva-se que a partir de uma história de vida, importantes aspectos socioambientais da colonização italiana sejam problematizados, considerando a natureza em sua vital importância neste processo histórico. Afinal, o conhecimento das trajetórias histórico-ambientais de sujeitos e territórios possibilita reflexões e conscientizações preservacionistas. Para ver o artigo completo, clique aqui.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

El giugo dei sasseti - Jogo de pedrinhas

Talian, la nostra léngoa...

Mi go imparà con la me mama questo giugo, me piase tanto e fin i giorni de incoi lo ricordo. Adesso gò bisogno de ensegnar al mio fiol questo giugo sémplice de sti ani in drio che gà fato tante tosati e tosate felice.
L'è un giugo fàcile de imparar, bisogna un per de sassi, due persone o anca de pi, e un saco de abilità e velocità.
Per giugar tu alsa el primo sasso, giuga in su e intanto el casca toca ciapar el segondo sasseto, dopo se giuga in su i due sassi ntanto se ciapa el terso e cossì a vanti...
Se tu conosse questo giugo o se forsi conosse de una maniera difarente scrive qua soto nel campo dei comentarii.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Filè a Parmegiana - Riceta dela nona

Gavemo bisogno de:


1/2 Cìcara de òio
10 fileti de polastri consadi al gusto
300 g de formàio mussarela a fete
3 Cìcare de tòcio de pomodori
100 g de formàio parmegiano gratà

Come far:

In una cèpola grande, mete su un poco de òio, mescolando ben. Dopo se pol meter su i fileti e dopo la mussarela e el parmegian. Corta con la carta alumìnica e mene al forno mèdio per pio o meno 25 minuti, per rostir. Servire ancora caldo e ensieme con altre cose al gusto.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››