Pagine

Clique para entrar

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

quarta-feira, 15 de maio de 2019

L'Acidente del patriarca - Roberto Arroque


L’era un omo de in torno otanta ani, ma ancora gran entrante. Lu‘l giugava le bòcie
con un morbin che pochi giòveni i presentava.
L’era um vero patriarca. La siera rispetàbile la ghe ndava de acordo a la realità de
un nome de onor che fea stimarse tuti i so dessendenti. Quando che'l passava l’era sempre
saludà con rispeto e fin reverènsia. Lu el respondeva alsando la man drita, nòbile, pròpio
con la autorità de un patriarca.
Solche una robeta la se travessava un poco con tuta quela nobilessa: le mudande no
le gà mai fato parte del so vestir! I visigni, dele volte, i meteva in dùbio sta stòria. Ma i
coriosi che ghe fea la varda al fil andove che la so vècia la picava la roba lavada noi gà mai
visto nissuna sorte de mudanda.
“- Un saco de otanta ani seguro che romai el sarà derente i zenòcci!” – i comentava
i lenguarudi, che i ghe zera anca quel tempo là, i ani quaranta. “Sensa portar mudande te
vedarè che lu lo pica co'spago...”i malissava sti lucìferi.
Una domènega dopo mesdi, n'te la cància de bòcie de Giassinto Patussi, che la zera
derente la piassa de Serafina andove che ghe ze adesso el restaurante Galpão, una
disputadìssima partida de cinquìlio la ciamava la atension de tanti curiosi. Uno dei
giugadori più animadi l’era el patriarca.
Sto vecioto, vestìo con una camisa bianca e braghe negre ben giuste, conforme la
moda de la època, mai mancàndoghe la so gravata rigada, l’era na figura de gran elegànsia,
e el fea un bel veder quando che'l tirava par’ària le bòcie nove e slusente.
Tuti i lo gà osservà pareciarse par la giugada de dessision de la partida. Par quel ato
el se gà posta con le gambe verte, el brasso drito movendose in vanti e in drio e con la bala
firme in man, tuto ben misurà. Nissuni bateva i òcci quando che'l gà dato la ùltima sgorlada
de brasso indrio vanti del lansante. Ma, n'tel momento giusto de molar par’ària la bòcia,
tuti i gà scoltà un “creeec”. Drio man, sto “crec” el se gà compagnà de un vero desastre: le
braghe del patriarca le se gaveva sbregade sotbalote che’l sgorlava come’l pìndolo de un
orològio cuco...
El patriarca el gà paresto stentar in darse conta del sucedesto. Fin che fursi par
sentir um fredo strànio ntele balote, de repente el se gà inacorto. In un àtimo de tempo el gà
incrosà le gambe e, tegnendo con la man sanca la longa strutura de coro che fin al’ora
sgorlava presentando un spetàculo, lu el ze stà gran sgoelto par a retirarse dela cància.
Magari, par via de la gran rispetabilità de la persona, le rideste che, natural, le saria
state tante le ze state fate soto oze. Ancora pal medesmo motivo tuti i presenti i gà fato
finta gnanca inacorzerse del fato. Ben, nò pròpio tuti. I conta che Albino Franciosi el gà
ozà, facendose de sèrio, come se'l fusse pròpio pensieroso de che podesse suceder qualche
cosa rugna al saco del patriarca:
“Vardè in torno! Se ghe ze qualche can o qualche gato, pareli via. Parché se lori e
ze pròpio famadi i ze capace de contentarse anca con un toco de carne rovinada...”
Sentindo che, sempre par via del rispeto al patriarca, tuti ancora i se tegneva de rider
e i seghitava far finta de no esserse mia inacorti, Albino el gà proà de nantra maniera:
“Atenti anca se ghe ze qualche lusartoquà darente! Parché quei i magna ovi. E i
se contenta anca se i ze ovi slossi...”

Magari tuti i presenti i ze stati boni de tegnerse nantro poco sensa rider, sempre a
far finta de no esserse inacorti del fiasco del vecioto. Ma, par lu, ze stà quel che bastava
par cambiar in efetivo el costume. Nò el costume de giugar le bòcie, nò: quel’altro...
De sto giorno avanti i visigni del patriarca i se gà inacorti che, n'tel fil de la roba
che se secava, gà passà a far parte una nova figura: un per de mudante! Mudande longe,
rigade, e fate de un pano reforsà bastansa par, in qualunche sorte de acidente, tegner le balote
secure anca se‘l gavesse de deventar de piombo...
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Eroe d`Guera - Ademar Lizot

Ascoltemo Lizot:

    Ntei ani quaranta del sècolo passà,  tempo quel idioma talian ga deventà una lengua maledeta, che nò se podea pi doperarla e che anca la cultura dei imigranti taliani nel Brasil zera strassinada, gavea ntel interior dela Provìnsia de San Piero un giovenot de ànima límpida e pura, Lino Lanfredi zera el so nome,  fiol de imigranti de sàngue veneto nte le vene,  oriundi dela Provìnsia de Belluno, Itália e che i ga emigra al Brasil nel final  del sècolo 19, par  nte questo stragrando paese refar la so vita  nte uma località nel interior dela cità de Cassias del Sud (RS),  la ntel ano de 1925 ga nassesto quel giovenot, dopo  el ga cresesto  e anca  imparà a volerghe ben al paese che ani vanti gaveva acoeisto so gente.  Quando el gavea 18 ani de eta, nel ano de 1943, tempo quel mondo zera in guera, la più bruta e crudele de tuti tempi,  el  se ga presentà   al esèrsito brasilian par compir so obrigassion co la Pátria Brasiliana, che a pochi mesi vanti gavea fato la diclarassion d`guera contra l`Itália e Germania.  Cossì dopo de un baso a la mama, nantro al pupà e na mùcia ala morosa,  co`l cuor pien de fedùcia e coraio el ga partisto via soldà.  Peró so fameia  gavea el cuor pien de malinconia e paura che parvia dela guera no`l ritornesse  mai più. 
   Dopo de disdoto mesi de istrussion militar, ntea cità de Santa Maria (RS), un giorno nel scominsio del mese de agosto del 44, el colonel comandante ga riunio la trupa par dir quel regimento gaveva ricevesto el onor de andar far la guera e infrontar l`é canonade  e metraliatrisse dei nazi-fascista.  Dopo de una stimana de viaio  i ga riva a la cità del Rio de Janeiro par l`imbarco  nel bastimento con destin a l`distante Itália.  Dòdese giorni de viaio par sora el grando oceano, dòdese note di paura d`un ataco dei sotomarine tedeschi, quando  finalmente un giorno de matina bonora i ga scominsia a veder a lontan el monte Vesùvio e dopo el porto d`Nàpoli.  Quel giorno quando Nino Lanfredi  ga pesta par la prima volta nela tera Italiana el gavea la emossion de èsser nel paese de nassità dei so antenati,  alora el ga sentisto nel cuor una spunciada de orgòlio par la gràssia iutar ntea liberassion d´Itália dele force ninighe dela libertà. Dopo el se ga ricorda de so nono che sempre parlea de  ritornar par trovar nantra volta el Castel de Sant`Angelo e anca andar in pelegrinassion a la ciesa de San Piero(Vaticano) e ntea Fontana di Trevi par  trar zo una moneda ntea so àqua che sorge, el gavea el desidèrio de  ritornar par nantra volta veder el  paesàgio dela Toscana trovar i campi che ani vanti Leonardo da Vinci, gênio dela umanità,  ga remira e  ntea cità de Firence,  davanti el Duomo imponente con so marmo de color verdo, far el segno dela crose.  Pero  í monumenti e el paesàgio spetacolare de questo paese i zera soto el bombardeamento dei canoni e bombe, adesso la bela Itália  paese dela cultura, paese de nassità de Michèlangelo che l`é un dei pi grandi scultori de tuti tempi,  tera de Dante Alighieri, poeta dela latinità e Pátria dela cristianità,  nte quel bruto tempo la  zera strassinada soto el comando de persone crudele che no le gaveva gnessun rispeto par la vita dei altri.
   Nel mese de setembre de quel ano ga scominsia la lota del esèrcito del Brasil par far la  liberassion d`Itália.  Camaiore, Castelnuovo, Montese, Monte Castelo e tanti altri paeseli  la trupa brasiliana ga lota e libertà.  Insieme de questa trupa gaveva na mùcia de tosi dissendente dela gente taliana nel Brasil e che i ga lota sensa spaventarse dele canonade tedesche  nte  un testimònio de braura, sàngue e onor a la Pátria Brasiliana e Italiana, tutavia nte quela brutalità una mùcia de soldati i ga perso la vita in combatimento o parvia del fredo del inverno inclemente.
  Ntea batàlia de Montese, al 15 de abril del 45, el destin ga parecia una ciavada a che`l giovenot de ànima límpida e pura, del interior dela Provìnsia de San Piero, quando l`é stà feri con frégole de na granada e nte quel s-ciantin quel sàngue ghe coreva par el peto, insieme dela paura ga vignesto la densità che acompagnà el silènsio in meso la batàlia, el intrèpido dei canoni, bombe e granade,  insieme del osamento dele òrdine e dopo el spavento dela vose lamentosa de dolor dei feridi.  Alora nte quel momento, co`i sudori dela morte che ghe coreva par el viso,  el ga sera i òcci e dito una preghiera al Signor e la Madona e dopo de quela orassion fata co la ànima indenociada, el ga sentisto nel cuor una pace consolàbile, che  lo fea ritornar a so tempo de tosatel  e nte quel s-ciantin ghe parea de scoltar el nono  e la nona con parole de dolcessa drio contar na  bela storieta,  insieme del pupà e dela  mama che acaressea so cavei con teneressa e  dopo el ga buo na sensassion gradèvole che`l zera drio corer par i campi de so paeselo de nassità,  ntea  quel altra banda del grando oceano,  andove la natura l`é maestosa e ga í fiori più bei e più perfumadi, cossì   el ga andato a l`incontro del  l`ùltimo sono. 

Ademar Lizot.

          Um Herói de guerra

 
Nos anos 40 do século passado, naquele tempo em que o idioma Talian estava proibido e também a cultura dos imigrantes italianos no Brasil não era permitida, havia la no interior do Rio Grande do Sul um jovem de alma límpida e pura, de nome Lino Lanfredi, era filho de imigrantes italianos de sangue Veneto nas veias, oriundos da Província de Belluno, Itália e que emigraram para o Brasil no final do século 19, para aqui refazerem suas vidas em uma localidade no interior da cidade de Caxias do Sul (RS). Neste local no ano de 1925 nasceu o jovem, por la cresceu e se fez homem e também aprendeu a querer bem o pais que anos atrás havia acolhido sua gente. Quando tinha 18 anos de idade, em 1943, época em que o mundo estava em guerra, a mais bruta e cruel de todos os tempos, ele se apresentou ao exército brasileiro, para cumprir sua obrigação com a Pátria Brasileira que a poucos meses atrás havia declarado guerra à Itália e Alemanha. Assim depois de um beijo em  seus pais e vários em sua namorada, com o caração pleno de confiança ele partiu para ser soldado do exército brasileiro, porem seus familiares tinha a preocupação que devido a guerra ele não retornasse jamais.
  Assim depois de 18 meses de instrução militar na cidade de Santa Maria (RS), um dia no começo do mês de agosto de 1944, o coronel comandante reuniu a tropa para comunicar que o regimento havia sido merecedor da honra de combater o Nazi-Fascismo na Itália. Depois de uma semana de viagem eles chegaram na cidade do Rio de Janeiro para  embarcar no navio com destino a distante Itália.  Foram 12 dias de viagem, navegando no grande oceano, 12 noites de pavor de um possível ataque dos submarinos alemães, quando finalmente um dia pela manhã eles avistaram o monte Vesúvio e depois o porto de Nápoles. Naquele dia quando Lino Lanfredi pisou pela primeira vez em solo italiano ele tinha a emoção de estar no pais de seus antepassados e no coração sentiu um aperto de orgulho por poder lutar e ajudar na libertação da Itália das forças inimigas da liberdade. Depois lembrou de seu avô que tinha o desejo de um dia retornar a este pais, para novamente ver o castelo de Sant`Angelo, depois ir em peregrinação até  o Vaticano e na Fontana di Trevi jogar uma moeda em suas aguas borbulhantes, também na paisagem espetacular da Toscana, visitar aqueles campos que Leonardo da Vinci, gênio da humanidade, tanto admirava e por final na cidade de Florença, em frente ao seu Duomo imponente, fazer o sinal da cruz. Porem os monumentos e paisagens espetaculares  eram agora de difícil visitação, pois naquela época o pais da cultura, onde nasceu Michelangelo um dos maiores escultores de todos os tempos, também terra de Dante Alighieri, o poeta da latinidade, a nossa Pátria da cristianidade   estava em ruinas, sob o comando de pessoas sem respeito pela vida.
    No mês de setembro daquele ano iniciou a luta do exército do Brasil para a libertação do solo italiano. Camaiore, Castenuovo, Montese, Monte Castelo e tantas outras localidades a Força Expedicionária Brasileira (FEB) combateu e libertou do jugo nazi-fascista. Junto havia os jovens descendentes dos imigrantes italianos no Brasil, que lutaram sem temer os canhões e metralhadoras do inimigo, dando assim um testemunho de sangue, coragem e honra a Pátria Brasileira e Italiana. Todavia naquela brutalidade, muitos soldados perderam a vida em combate e também devido o frio inclemente.
Foi na batalha na cidade de Montese, aos 15 de abril de 1945, que o destino preparou uma cilada aquele jovem do interior do Rio Grande do Sul, foi quando um projetil de granada explodiu em seu corpo e naquele momento em que o sangue escoria por seu peito, junto do medo veio a densidade acompanhada do silencio em meio a batalha, junto do intrépido das ordem ditas aos gritos e do espocar dos canhões, bombas e granadas, além do grito lastimoso dos feridos. Naquele instante fatal ele fechou os olhos e orou ao Pai celestial e depois daquela oração sentiu uma paz consoladora no coração que o fez retornar aos tempos em que era menino, então escutou a voz de sua avó, com palavras suaves lhe contado uma história e parecia que estavam junto também seu pai e sua mãe, acariciando seus cabelos com ternura, depois teve a sensação agradável que estava outra vez correndo pelos campos onde nasceu, la no outro lado do grande oceano, onde a natureza é majestosa e as flores são mais lindas e mais perfumadas. Assim ele foi ao encontro de seu ultimo sono
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 28 de abril de 2019

Urussanga, retratos da memória - Por Prof. Gil Karlos Ferri


Urussanga, retratos da memória

Por prof. Gil Karlos Ferri

Do núcleo colonial fundado em 1878 ao dinamismo atual, o município de Urussanga passou por intensas transformações em sua paisagem ambiental e humana.
Neste artigo, confira algumas imagens repletas de memórias da terra dos Vales da Uva Goethe e Capital Catarinense do Bom Vinho.

Urussanga 1941
Vista parcial da Praça Anita Garibaldi e Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição (em fase final de construção).
Foto: Santos Felippe,1941.
Acervo: Jornal Panorama.


Urussanga anos 40
Avenida Presidente Vargas, com Praça Anita Garibaldi e Igreja Matriz ao fundo, em dia de festa em honra a Nossa Senhora da Conceição (08 de dezembro), padroeira do município. Década de 1940.
Acervo: Vicente de Bona Filho.


Urussanga - Religião e vinho
“Religião, uva, vinho e carvão constituem a essência da história do Rio Carvão. Barulho, sinos, fogos, alegria, gritos, pessoas gesticulando e falando alto, correria, chapéus para cima, chapéus para baixo, chapéus que voavam. É mais um 21 de novembro e alguém gritava: ‘Viva La Madonna Della Salute! Viva a nossa padroeira!!’. E os demais davam um grito forte e demorado ‘Viiiivaaaaa!!!’. Identifique aqui seu nono, seu bisnono, nesta foto de homens e vinho, construtores de alicerces. Da esquerda para a direita, de pé: (Nia), (Nia), Vergínio Scarabelot, João Trento, Luiz Cesconetto, (Nia), (Nia), José Tonet, João Spada, Severino Cesconetto; agachados: Bépi Ceron, Pedro Trento, Antônio Trento, Antônio Quagliotto, João Ceron, Antônio Cimolin. (Nia: Não identificado ainda).”
Foto: Rio Carvão, Urussanga, 1929.
Fonte: MAESTRELLI, S. R. Do parreiral à taça: o vinho através da história. Urussanga: EPAGRI, 2011. p. 336.


Urussanga - Família de Giuseppe de Bona Sartor & Emilia Tramontin
Família de Giuseppe de Bona Sartor & Emilia Tramontin, tradicional família de imigrantes italianos estabelecida na colônia Urussanga em 1880.
Em pé, da esquerda para a direita: Matteo, Domenico, Elizabetta, Domenica, Luiggi e Angelo. Sentados: Lucca, Giuseppe, Diamantina, Emilia, Amadeo, Joana e Maria.
Foto: Sant’Ana do Alto Rio Carvão, Urussanga, 1914.
Acervo: Claudia Maccari de Bona Sartor.



Urussanga anos 30
Igreja Matriz de Urussanga, década de 1930.
Acervo: Paróquia Nossa Senhora da Conceição. Urussanga, SC.


Urussanga - Tropa acampada na Praça
Tropas de Getúlio Vargas acampadas na Praça Anita Garibaldi, em Urussanga, durante o golpe do Estado Novo de 1937.
Acervo: Edson João Mariot.


Urussanga - Escola de Santana
Escola elementar de Santana do Alto Rio Carvão, década de 1950.
Acervo: Michelina de Bona Sartor Piovesan.
Pesquisa: Edson João Mariot.



Urussanga - Praça Anita Garibaldi
Praça Anita Garibaldi e centro de Urussanga, final da década de 1940.
Acervo: Jornal Panorama.


Urussanga - Carvão
Escavadeira Marion, utilizada a partir da década de 1950 na extração de carvão na região de Urussanga.
Acervo: Henrique Mariot.
Pesquisa: Edson João Mariot.


Urussanga - Verginio Maccari
Verginio Maccari (1920 - 2015), filho de Antonio Maccari e Angela Tonetto. Soldado da Força Expedicionária Brasileira, combateu o nazi-fascismo na Itália durante a II Guerra Mundial. Retornou ao Brasil e casou-se com Matilde Ceron, estabelecendo-se com a família em São Joaquim, na Serra Catarinense.
Foto: FEB, 1944.
Acervo: Jaime Maccari.

Urussanga - Claudia de Bona Sartor
Claudia de Bona Sartor, nascida em Santaninha, Urussanga, aos 14 de abril de 1933. Filha de Amadeo de Bona Sartor e Maria Antonietta Maccari. Na década de 1940, assim como muitos urussanguenses, subiu a serra, estabelecendo-se e formando família no município de Anita Garibaldi. Destaca-se por sua dedicação comunitária, religiosa e social.
Acervo: Claudia de Bona Sartor.


Urussanga - Rosina Maccari Gastaldon
“Ora estimulante, ora tranquilizante, o vinho é a fonte da eterna juventude. Em Urussanga, mais precisamente na localidade de Santaninha do Alto Rio Carvão, Rosina Maccari Gastaldon, de 104 anos, tece elogios ao vinho. Imagine você que pesquisas futuras poderão confirmar que o vinho também emagrece. Que corrida às pipas!”
Fonte: MAESTRELLI, S. R. Do parreiral à taça: o vinho através da história. Urussanga: EPAGRI, 2011. p. 68-69.
Imagem: Diário Catarinense, 29 de fevereiro de 2009.  
 

Urussanga - Linha Rio Maior
Placa em homenagem aos pioneiros imigrantes italianos, que se instalaram na localidade de Linha Rio Maior, a partir de 1878.
Foto: Henry Goulart, 2017.


Urussanga - Capela De Santaninha
A primeira capela de Sant’Ana do Alto Rio Carvão foi construída em madeira, em 1898. A imagem da santa foi doada por Giuseppe de Bona Sartor, que assumiu a função de capelão por diversos anos. No local também eram ministradas as aulas para as crianças da comunidade. Por volta de 1940 foi iniciada a construção da atual igreja (foto), sendo a obra concluída em 12 de dezembro de 1948.
Foto: Mariana de Lorensi, 2016.


Urussanga - Passado Presente
Atualmente, da mesma forma que seus parreirais de uva Goethe, Urussanga continua a render bons frutos. “La Benedetta”, como é carinhosamente chamada, mantém viva a memória daqueles que contribuíram para tornar essa terra uma das mais promissoras do Estado de Santa Catarina.
Foto: Luiz Carlos Bora, 2017.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 26 de abril de 2019

La Lètera del nono - Ademar Lizot

Ascoltemo la stòria:



La lètera del Nono


Un fiol che a lontan de  casa se va!  Disdoto ani el gaveva de eta,
Al s-ciarir del di el se ga parecià... Vestito con robe de festa, capel de veludo negro in testa e ben montà nte un  caval de fedùcia e rivador.
La mama co`i òcii pieni de làcrime,  ga domandà...-Dìmelo fiol per carità andove ti va?
- Cara mama, vao via a cercare altro mondo!
- Caro fiol, che`l Signor ti benedissa e  racomando de tuti giorni dir su le preghiere,  insieme del Siquerio de Santantoni, che noantri anca pregaremo par ti.

  Transcoreva el ano de 1894 quando nostro nono Umberto Lisot el ga volesto andar via de casa,   18 ani gaveva de eta e  nte quel tempo la Provìnsia de San Piero  zera soto la brutalità dela Revolussion Federalista, mèio dir una lota de crueltà intrà de fradei, de na banda gaveva la trupa dei “maragati”, de fassoleto rosso  e de quel'altra la trupa dei “ximanghi” de fassoleto bianco nel col. L`éra un tempo in che í òmeni í fea la guera parvia de una bandiera e i se copea parvia  del color d`un fassoleto. Tempo de crueltà, che el scanamento l`éra desgrassiadamente una atitudine abituale dei  conbatenti co`i prisioneri, parvia che tanti gaussi i gaveva la cativa de esser degoladori.
Nel transcorsso de  quel tempo de brutalità, un giovenot de sàngue veneto ntele vene,   ga risolvesto andar via de casa, parvia che`l   gaveva el desidèrio de mèio cognosser el paese che ani vanti gaveva acoiesto so gente e anca imparar  el suo idioma formale. Dopo del adio, par tre ani el se ga lontanà dei genitori e fradei, tre ani co`l  cuor pien de malinconia, sempre laorando e infrontando una mùcia de dificultà.  Cossì el tempo ga passà, fin  che ntel mese de disembre de 1897,  giorno vanti del nadal el ga ricevesto  una lètera  co la caligrafia bruta d`un cantadin, però piena de parole de dolcessa e cossì scrita:...
  “- Caro fiol, felice nadal,  tre ani fà che  ti sei partisto, tre ani e no gavemo mai desmentegá  el giorno dela to partensa e nel trancorsso de questo tempo  la mama povereta la ga pianzesto tanto che gnanca pi làcrime la ga più. Sempre ricordo  quela domènega de matina che piovea e quela piova  che   vignea zo pimpianeto la zera compagno el nostro pianto quando te ga dito:..  "- Vao via a cercare altro mondo!"  Quel giorno anca mi go pianzesto nel profondo de me ànima.  Adesso con  questa caligrafia bruta d`un contadin scrivo par domandar, par farte el invito de cuor e ànima  de ritornar a casa insieme dei fradei e genitori.  Mi e la mama semo belche vècii de cavei grisi e el viso pien de rughe e  gavemo tanti laori de far, e par portar la vita avanti, bisognemo dela to testa, dei  to brassi e del tuo soriso de fedùcia, de chi no ga mea paura de gniente.  Vanti de finir, bisogna dirte che ga La fiola de nostro visin el signor Lanfredi, de cuor e ànima la te aspeta.  Adesso la ga disdoto ani de eta, l`é na tosa belíssima, de ànima lìmpida e pura e parona d`un caráter pien de bontà che rento del cuor   porta la speransa del tuo ritorno, par  insieme a te  alsar su una nova  faméia, piena de amor,  laoro e credensa   in Dio.”
Caro fiol, Felice nadal, insime de San Giuseppe, la Madona e el bambin Gesù.
De to vècio pupà, Giosuè Lisot.

(TRD.)                      A Carta Do Avô

  Um filho que sai de casa e pra bem longe se vai.
  Dezoito anos completou, clareava o dia se aprontou!
 A mãe perguntou:...-Diga meu filho para onde vais?
 Com sua benção minha mãe, vou conhecer o mundo!
 Que Deus te abençoe meu filho e não te esqueças de todos os dias fazer tuas orações, pois nós também estaremos orando por ti.
 Transcorria o ano de 1894 quando nosso avô saiu de casa, 18 anos tinha de idade e naquele tempo o Rio grande do Sul estava sob a brutalidade da Revolução Federalista, uma luta cruel entre irmãos, de um lado os Maragatos de lenço vermelho e de outro os Chimangos de lenço branco no pescoço. Era um tempo em que os homens lutavam por uma bandeira e matavam pela cor de um lenço. Tempo de barbáries em que a degola era desgraçadamente uma atitude comum dos combatentes para com os prisioneiros de guerra.
 Pois foi no transcorrer daquele tempo brutal que nosso avô resolveu sais de casa, pois ele tinha o desejo de melhor conhecer o pais que anos atrás havia acolhido sua gente e também aprender seu idioma oficial. Assim por três anos ele viveu distante dos pais e irmãos, trabalhando e enfrentando muitas dificuldades com tristeza no coração. Assim o tempo passou até que no mês  de dezembro de 1897, véspera de natal, ele recebeu uma carta, com letra rustica de colono, porem repleta de palavras fraternas e assim escrita:...
  Querido filho, Feliz Natal, três anos fazem que partiste, três anos em que ainda não esquecemos o dia de tua partida e no transcorrer deste tempo tua mãe chorou tanto que nem lágrimas tem mais. Sempre lembro daquele domingo que chovia e aquela chuva que caia suave, era igual a nossas lágrimas no momento que tu dizes-te...-Vou em busca de um outro mundo! Neste dia eu também chorei o pranto que vinha de m`alma. Hoje com esta letra rustica de colono te escrevo para convidar-te de alma e coração que retornes a tua casa, junto dos pais e irmãos. Nos agora estamos velhos, de cabelos brancos e face cheia de rugas, também temos ainda muito trabalho a fazer e para levar a vida adiante necessitamos de tua cabeça, de teus braços fortes e principalmente daquele teu sorriso de confiança quem não tem medo de nada. Antes de finalizar quero dizer-te que a filha de nosso vizinho Sr. Lanfredi, também te espera. É uma bela moça que agora completou 18 anos de idade e possuidora de caráter pleno de bondade que traz no coração a esperança de junto a ti formar uma nova família baseada no amor, trabalho e fé em Deus.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 16 de abril de 2019

La quarèsima - Fidùcie dele persone

Cari fioi, siamo n'tela quarèsima, tempo de pregar e non fare bacan parché el Diaolo ze in giro!

Questa frase li su, son sicuro che i piu vècii tuti ga ascoltà la mama, el papà o la nona dir arquante volte n'tela quarèsima. I di de incoi se ga perso el vero senso dela quarèsima. I ghe fa bali, festa, i ghe magna carne, i ghe ride dele persone che ancora rispeta. Ma se incoi ze pochi che fa atension a queste cose a ani indrio zera ben difarente.
Se credea che n'tela quarèsima el Diaolo ze lìbero parché Gesù el ze la n'tel diserto drio sofrir par dopo morir.
Non si dve far bacan, festa e dispeti par rispeto al nostro Signor che el ze la quaranta giorni drio tribular. Non si puo andare a far la càcia parché se vede el Diaolo, non si magna carne n'tele vendre soratuto n'tel Vendre Sacro parché l'è la carne del pròprio Gesù.
Ndar far filò n'tela quarèsima anca non se lo feva, ma se magari lo feva sempre sucedea qual'cosa de bruto e spaurante. I nostri vècii i sempre gavea una stòria par racontar sora questo. L'era el Sanguanel che lighea le grene dei cavai, la strega che fea qualche maledission e cossì a vanti.

Anca soratuto n'tel Mèrcole de Sendre e Vendre Sacro non se feva la colassion a la matina. Se feva el gigiugno fen el disnar che dopo se magnea pessi.

Se ga mancà qualche ricordo scrivete qua soto cari amici!
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Par la colònia vai - Nilso Ziglioli e Jacir Luiz Grando


Para ver letra e tradução de outras músicas, clique aqui
Para baixar essa música, clique aqui



Par la colònia vai 
Talian
 Nilso Ziglioli e Jacir Luiz Grando

I dise che par la colònia vai
col poco lucro che resta refrão
fin de stimana sensa soldi
mi vao stesso a far festa

Domènega go fato un sorasco
la meio carne che ghenera
tanto fogo che mi go fato
go detonà fin la soraschera
*mi gavea invità ei amici
par giugar la mora e le carte
bever vin, cantar e rider
contar stòrie, fròtole e arte

Son tornà criar galine
par ciapar soldi mi speto
son stà un maestro nte a vita
ben educà e con rispeto
*go gravà anca un cd
no sò se le restà bon
incoi mi son aposentà
canto e sono el me violon


Rit + introdussion

Una granda verità
un amigo el me ga dito
se la ze piena de busi
la vita non va polito
e quei che i ze pi furbi
i se pica nte una teta
se i cognosse ben de distante
i ga un carimbo nte a paleta

Cada volta sempre pi vode
le ze le scarsele mie
squasi che moro de voia
ndar te a casa de le zie
là ghen’è tosate bele
vìver momenti de alegria
far festa e bever bira
sensa soldi no da mia

Rit

Tradução

PRA COLÔNIA VAI
Autor: NilsoZiglioli
Refrão

E dizem que pra colônia vai,
Às vezes a coisa aperta
Fim de semana sem dinheiro
Mesmo assim eu vou pra festa

Domingo eu fiz um churrasco
A carne era de primeira
De tanto fogo que eu fiz
Até detonei a churrasqueira
Na roça eu planto de tudo
Às vezes eu faço besteira
Até treinei um bode
No trator pra cortar parreira

Eu voltei a criar frangos
Pegar dinheiro não tem mais jeito
Fui um professor na vida
Educado e com respeito
Eu já gravei um cd
Sei lá se ficou perfeito
Hoje estou aposentado
E vivendo do meu jeito

Refrão:

Eu falei pro meu amigo
Têm estradas sem valeta
Os que vão bem na vida
Cada um tem a sua teta
Fui fala com um sujeito
Disse ele não se meta
Sou colono bem moderno
Tenho um carinho na paleta

Quando eu saio de casa
Minha carteira quase vazia
Fico louco de vontade
De ir na casa das tias
Lá têm lindas garotas
Adoram tomar cerveja
É a receita pra alegria
E acabar com a tristeza





Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 6 de abril de 2019

I boari(Os boiadeiros) - Leonardo Quaggiotto

Giusi Zenere – I boari

Ma io, girando da ormai vent'anni l'Italia, go fato 'na distinsion fra i nostri boari veneti, i padovani son gran dotori, i venesiani xè gran signori, con Rovigo non m'intrigo, el veronese dà de mato, ma el vicentino, come me, resta... Magnagato!

A Milano fasso gnanca tempo vardarlo, gnanca ciamarlo, el me core par soto.

Sfatiamo questa cosa, non è vero, a Vicenza i gatti non li mangiamo. Io c'ho un gatto a casa, sai? Se ciama
Napoleone, e mi me ciamo Giuseppina, 'ndemo d'acordo. Oto chili, na belva! No lo magno perché non rieso a ciaparlo.

E comunque io di nascita son trevigiana, quindi el gato lo taio col radicio, in boca el gusto cambia, eh!

Se poi pensi che sono minimo 5 o 6 anni che ogni volta ti ripetono che semo in crisi, che l'Italia è in crisi, che semo in crisi. Beh, i gatti si sono immolati alla causa, restano sotto le nostre tavole e smiagolano in maniera diversa: memagneo, memagneo... me magneo? Psss. Si adattano.

Il veneto te poi ciamarlo boaro, è orgoglioso! Siete mai stati alla fiera del bestiame de Montorso? Varda
che son rimasta impressionata davanti a due mucche, vache, ciò, a loro te poi dirlo, no le se rabia mia!!

Una era tuta bianca, l'altra era tuta nera. Ho chiesto al contadino: “Me scusa, quala dele do vache fa più
late?” - “Quela bianca, a bianca fa venti litri de late al giorno” - “Perbacco, venti litri, quela nera?” - “...
anca!”
“Senta, quala dele do vache magna de più?” - “Quela bianca, a bianca, a magna venti chili de fien al
giorno, ah, magna come un cavalo” - “Quela nera?” - “...anca!”
“Senta, n'altra domanda, quala dele do vache la pesa fisicamente de più?” - “Eh, beh, quela bianca, quela
bianca pesa tre quintali e meso .” - “Mamma, no la vedo grossa. Quela nera?” - “...anca!”



Giusi Zenere – Os boiadeiros


Mas eu, indo há vinte anos para a Itália, tenho feito uma distinção entre nossos boiadeiros vénetos, os
 de Padúa, são ótimos doutores, os de Veneza são ótimos senhores, com Rovigo não me ponho, os de Verona enlouquecem, mas os de Vicenza, como eu, continua ser.... come-gato!

Em Milão nem consigo olhar para ele, nem chama-lo, que ele corre por baixo das minhas pernas.

Dissipamos esta coisa, não é verdade, em Vicenza nos não comemos os gatos. Eu tenho um gato em casa, sabe? Ele se chama de Napoleão, eu me chamo de Giusefina, nos damos bem. Oito quilos, uma fera! Eu não o como porque não consigo pega-lo.
E, contudo, eu sou citadã de Treviso por nascimento, então eu mexo o gato com a chicória,
na boca o sabor muda, né!
Se depois você acha que há 5 ou 6 anos que cada vez eles repetem para você que estamos em crise, que a Itália está em crise. Bem, os gatos sacrificaram-se pela causa, ficam abaixo das nossa mesas e miam de um jeito diferente: memagneo, memagneo... me magneo (me comam, me comam)? Psss. Eles adaptam-se.
Você pode chamar o vêneto de boiadeiro, ele tem orgulho disso! Vocês nunca foram à feira do gado de Montorso (cidadezinha perto de Vicenza)? Olha que eu fiquei impressionada na frente das duas vacas.
Uma era toda branca, a outra toda preta. Perguntei ao agricultor: “Desculpe, qual das duas vacas produz mais leite?” - “A branca, a branca faz vinte litros de leite cada dia” - “Nossa, vinte litros. E a preta?” - “...

Também!”

“Olhe, qual das duas vacas come mais?” - “A branca, a branca come vinte quilos de feno cada dia, hum, ela come como um cavalo” - “E a preta?” - “... Também!”

“Olha, uma outra pergunta, qual das duas vacas fisicamente pesa mais?” - “Hum, bem, a branca, a
branca pesa três quintas e meio” - “Nossa, não parece assim grande. E a preta?” - “... Também!”
“Olhe, eu fiz três perguntas, você sempre respondeu-me a branca, por que?” - “Porque a branca é minha”

- “Ah, é sua? E a preta?” - “...TAMBÉM!”
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 3 de abril de 2019

La pestada del Orco - Roberto Arroque

“Chi mete el piè in te una pestada del Orco perde el rumo.”
Cosi i dizeva i nostri vècii al tempo che tuti i credeva nel Orco, un personage
mitològico de la cultura taliana, squàsi tipo un diaolo. Sto ente el se divertiva a caminar in
volta de par tuto sol par ver el gusto de far perder-se quei pori can che ghe tocava ndar par
andove chel zera passà lu. I diseva che tante volte el Orco, che'l zera gran grando, con
arcoanti metri de altessa, el se meteva in sima un passàgio con un piè par ogni banda de la
strada. E quei che ghe passava soto, sia a piè o sia a caval, dopo i se perdeva.
E Orco el zera anca bon de deventar pìcolo e meterse in fondo le fontane e i possi
sol par quei che ndava tor àqua véderlo là soto e spaventarse. Mal lu ghe piaseva più
ancora ndar caminando involta co'i so savatoni par assar de par tuto le so peste invisìbile.
Luiz De Cesaro, el “Gigion”, un dei meio cantori che Serafina gà cognossesto, el
confirmava con fati presensiadi pròpio par lu.
- Una volta, quando mi zera tosatel. Racontava Gigion. Me fradel el se gà
perso ben darente casa nostra, passando in meso un poche de piantele che lu el ghe saveva
fin el nome una a una... El ze ndato impegnarse in te un spinèr che ghe zera là. El gà osà
par aiùto, me pare el ze ndà acudirlo, e quando domanda par cosa che'l se gaveva metesto
par so voia in meso a i spini, el gà dito chel se gaveva perso. Ghe pareva de esser in te un
sarandì banda el rio Carero, e el gaveva paùra de vegner fora de là e negarse. Varda ti... El
rio el zera arcoanti chilòmetri de là. L’è stà una vita tirarlo fora de in meso el spiner.
Seguro che'l gaveva pestà ntela peca del Orco...
“Tanti ani dopo” –continuava la stòria Gigion—“quando mi romai gaveva fioi
grandi, una sera me visin el gà perso el rumo al passar a caval devanti casa mia andove
che'l gaveva passà cento mila volte. El ze ndà fermarse dentro de la me piantassion...
“El gà percoresto tute le carere de mìlio che ghe zera piantade noantri. Magari,
gavemo savesto sol al giorno drio, vardando le pestade del caval. El feniva una carera, el
fea la volta e el ndea rento par quel’altra, sensa mai rabaltar una gamba del mìlio alto.
Tuta la note, l’è stato là...
Quando che'l gà fenìo quel tragieto, l’è ndà fora dela rossa drito su par un baranco, ndove che'l se gà rabaltà e perso una sinela. Romai zera matina, co'l sol alto. Lora che’l gà recognossesto andove che'l zera. E el gà ciapà un scurton par ndar casa sua sconderse de la vergogna...

“Mi e i me fioi gavemo catà la sinela, gavemo recognossesto che la zera la sua, e
semo ndati portàrghela. Lora el visin el me gà contà come che lu la gaveva persa: el se
gaveva visto n'te una strada strània. E dopo, in meso el miliaral più grando dela so vita,
che'l ghe gà metesto tuta la note par travessarlo. Fin che'l ze cascà su pa i sassi e el se gà
catà n'tei fondi de la me tera.
“Tuti savèvino che, par lu gaverse perso de quele maniere là, zera parché el gaveva
passà co'l caval su de una peca del Orco. E anca se la zera la sata del caval e nò la sua,
quela pestada là la lo gà fato perder el rumo.
“Quel caso el gà sucedesto de verità!” –el feniva de contarla Gigion. “Magari che nissuni confonda con le pestade del Orco quei che perde la diression e i scomìssia a ndar a torno pena che i vien fora de la bodega. A quel fato se ghe ciama nantra cosa...”
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Nova Trento


Ascoltemo el Lizot parlar:



  NOVA TRENTO. LA CITÀ DE SANTA PAOLINA


 La cità de Nova Trento ntea Provìnsia de Santa Catarina, ze la cità de  Santa Paolina del Cuor in Agonia de Gesù  e de suo santùario. La  stòria de questa bela cità,  ga scomìnsia na`mùcia de ani vanti dei primi emigranti Trentini rivar nel paeselo.
            El primo registro che se ga dela ocupassion  ze del ano de 1834, quando la bela e selvàdega region, dela  bassada del fiume “tijucas” zera abità solamente per í bùlgheri e l`é bèstie de ferossità, alora nte che`l ano ga vignesto al paeselo na`mùcia de persone, mèio dir sploradori dela Mèrica del nord, che`i gaveva la intenssion de rissercar legno dele piante dela floresta  che gaveva in abondansa in tuta la region. Cossì i ga parecia un ingegno de segar torade, andove di de ancoi le localizata la piassa del munìssipio.  Í ga fato la splorassion dela floresta fin el ano de 1838 quando í ga sbandona el imprendimento parvia del infrontamento de na`mùcia de dificultà. 
             El corso dela stòria del paeselo se ga fermà del  1838 fin al 1875, ano che  ga scominsia  rivar el primo grupo de fameie dela region del Trentino-Alto Àdige, che fin al 1920, l`era teritòrio  del impero Austro-Ungarese e nò d`Itália. Ì zera tuti quanti Trentini, mèio dir tirolesi che parlea el idioma talian. Dopo nel 1900 ga scominsia a rivar na mùcia de fameie anca dela Lombardia e del Veneto, che dopo de desbarcadi nel porto de Itajai, i dimorea due giorni par rivar al paeselo, 70 km a lontan.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      Di de ancoi Nova Trento ga el titolo de  onorabilità de esser la cità  più italiana de Santa Catarina e so bandiera sgorla al vent co`i medèsimi colori dela bandiera d`Itália.  L`é  anca la cità parona del secondo polo turìstico religioso del Brasil, parvia dela pelegrinassion dei fedeli che vien trovar la cità, con  so credensa in Santa Paolina e  dir preguiere nel  santuário  in omàgio ala  prima Santa Brasiliana.  Cossì l`é Nova Trento, soratuto parvia dela determinassion al laoro deiso gente,  bravi imigranti e dissendenti, che la ga alsada sú co`l sudor che ghe scoreva par el viso. L`é una region abità par persone de gratanta credensa,  religiossità e caráter pien de bona fede.  

Ademar Lizot.

(TRAD.)    NOVA TRENTO, A CIDADE DA SANTA MADRE PAULINA

 
A cidade de nova Trento em Santa Catarina, é o município onde está localizado o Santuário em homenagem a Santa Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus. A história desta bela cidade começa muitos anos antes primeiros emigrantes trentinos chegarem na região.
   O primeiro registro que temos da ocupação é do ano de 1834, quando a bela e selvagem região do vale do rio tijucas era habitada somente pelos bugres a animais ferozes. Foi naquele ano que chegaram a localidade alguns exploradores da América do Norte, com a intenção de retirar madeira da floresta que havia em abundancia na região. Eles exploraram as madeiras da floresta até o ano de 1838, quando devido a dificuldades intransponíveis tiveram que abandonar o empreendimento. Então o curso da história do munícipio estancou de 1838 até 1875, quando começou a chegar o primeiro grupo de famílias da região do trentino-alto àdige, que até 1920 era território do império Austro-Hungaro e não italiano. Eram famílias Trentinas melhor dizer tirolezas que falavam o idioma italiano. Depois de 1900 começaram a chegar várias famílias da lombardia e do venêto, que desembarcavam no porto de Itajai e demoravam depois 2 dias para chegar ao seu destino, 70 km distante.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 29 de março de 2019

Arivadi a 800 mila visualisassion - 800 mil visualizações no site

27 de marso de 2019 ze stato el di che el sito Brasil Talian ga rivà a 800 mila visulisassion.
L'é sicuramente un bon nùmero però gavemo bisogno de tanto de piu parché no'l ga mia un ano. El Sito Brasil Talian ga fato 7 ani el di 8 febràio.
Complimenti par tuti i scritori del sito, le persone che giuta mantegner, quei cha fa la so divulgassion dela so maniera....
Fin al fine de 2019 rivaremo a la "panòcia grande"? Rivaremo el primo milion de visualisassion?
L'è possìbile che si ma gavemo bisogno de meterghe legho ntel fogo tuti i dìi, tute le stimane.
Qua te trovi tante cose bele, un laoro fato par non ciapar nissun fiorin, laoro fato con amore. Mi imagino el Sito Brasil Talian come una gran scàtola de oro, el ze una scàtola grande de cucagna che noantri scritori impienimo di dopo di par dassarla piena par i nostri fioi e nipoti dopo quando noantri saremo in paradiso.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 26 de março de 2019

Dei bótoli a la carta igiénica - Roberto Arroque e Ademar Lizot

Stòria de Roberto Arroque
Tradussion de Ademar Lizot

La abitùdini de igiéne dela populassion atual del nostro paese , adesso la ze compagno
dei popoli del primo mondo. Tutavia nò le mia stato sempre cossì, parvia che fin la carta
igiénica, sti ani nò la zera mea recognossuta come indispensàbile.
Ancora nel fine dei ani sincoanta, sempre intra meso í preparative d`na granda festa in
so casa, í Signori contadini, se anca í fussi pieni de abondansa, í pareciea na stragranda
quantità de bòtoli de milio, tuti neti e pieni de teneressa, par fornir la “patente”, che zera
come se ciamea la caseta sanitária nte che`i ani. Però sti bòtoli i gaveva anca na granda
concorensa e la carta-igiènica squase gnanca particepea, zera l`é foie “lengua de vaca”,
gratanto prestìgiade par tutiquanti e gaveva anca altre erbe de altre qualità. Però el mistier de
netarse el cul nte che`i ani, bisognea anca sapiensa, parvia che tante de quele erbe le podeva
menar brute ricordi d`una cussolada ntea caponera a la maniera de sti ani, come parla ntei so
versi el grando poeta Jayme Caetano Braum, -“che zera netar el cul con careson nel stilo dei
gaussi”. Ricordo che nte na volta el grando contador de stòrie Nelson Ribeiro, quando el zera
ancora tossatel dela scola maestro Zambenedetti, che la zera andove di de ancoi l`é localizà el
club Gausso, nel centro dela cità de Serafina Correa, alora na volta quando el ga sentisto el
sonido dela campanela anunciando el finimento del recreio e lu ancora incuciado zo ntel
careson davanti la scola, nte quel s-ciantin el ga ciapà in man co sveltessa, par netar el cul, un
massolin de erbe che zera darente. Però par desgrassia quele erbe zera de quele rabiose, più
cognossesta come erbe “brusa cul”. Dopo de quela “netada ala gaussa”, el ga vivesto na
situassion dramàtica, tanto che`l maestro Zambenedetti ghe ga toca de menarlo a so casa par
so femena pareciarghe un bagno de “aqua-malva” e dopo anca na compressa de àqua de rose,
che ga permesso el ritorno a la scola, co meno dolori.
Í bòtoli de milio e erbe í gaveva de concorrente strassete vècie de pano e foie de carta.
Dopo ntei ani 40 e 50, quando el giornal l´éra el distaco nela region, nò solamente par leder,
però anca pica sù nte un ciodo ntea parede dela patente.
Alora ntei ani 50 quela maniera primitiva de igiene la ga buto la concorensa dela carta
igienica(papel higiênico), però el zera bruto, gratanto seco e pien de ruspeghessa, própio
descòmodo par netarse, che ancora zera mèio doperar l`é foie del giornal, taiade nela
longhessa dela culata e se assea la carta igienica solamente par l`é visìte.
Se anca gavea carta igiènica più civilisà, quelo scuro e aspro ga neta par tanto tempo el cul.
Ricordo che ancora nei ani 80, la carta igiènica che gavea nel antico INPS, zera de un tipo pien
de aspressa, che de pi spaliea che netea. L`é persone dizea che:... Fa finta che`l ze de veludo, se
anca el te tira fia un toco, e questa carta la ze tanto bruta, par fin che la ze riforsà co`l
filamento de asso temperà.
Co`l passar dei ani, conforme el cul ga vignesto più sensìbele, la indùstria dele carte igièniche
ga meliora la tecnologia, cossì l`é persone se ga convento de che una carta più soave zera soldi
ben gasti. Però la abitùdini del “ OFF LABLE” dei giornai nò le me astato nostra invension,
parvia che anca ntea civilità Spagna dei ani 70, quando el giornal El País, zera soto la censura
dei governi fassisti, quelo giornal gaveva ancora granda stima parvia de so qualità sanitária.
Anca in Cuba, el popolo dedica grando rispeto al giornal e nò parvia de so scriti. El giornal
Granma, l`é anca gratanto stima parvia de so foie de soavità. El gional Tribuna de Havana ga la
carta piena de ruspeghessa, cossì el ze meno stimà ntea comunità. Tutavia el giornal Juventud

Rebelde, l`é solamente stimà ntei bagni dele stassion rodoviarie, parvia dela ruspeghessa de so
foie e soratuto parche la so tintura blu ga el costume de stampar notìssie nte le culate.

Português

.
Os hábitos de higiene da população atual poderiam situar a nossa região entre os
povos do Primeiro Mundo. Porém nem sempre foi assim. E até mesmo o papel higiênico muito
teve que “ralar” –em vários sentidos— antes de ser reconhecido como indispensável.
Ainda no final dos anos Cinqüenta, dentro dos preparativos de uma grande festa na
casa algum senhor rural abastado, fazia parte a escolha cuidadosa de uma grande quantidade
de sabugos de milho, limpos e macios, para abastecer a “patente”, como se chamava a casinha
sanitária comum naquela época.
Mas no dia a dia o sabugo tinha uma grande concorrência, da qual o papel higiênico
quase não participava. Folhas como as da língua-de-vaca eram, então, muito prestigiadas.
Punhados de ervas macias diversas também. Só que a arte de bem limpar-se era para
iniciados, visto que algumas plantinhas podiam deixar tristes recordações de uma acocorada
na capoeira à moda antiga --como a dos versos atribuídos ao grande pajador Jayme Caetano
Braun, que ensinavam que “é só limpar como macega no velho estilo gaúcho...” Pois foi numa
dessas que o grande contador de histórias Nelson Ribeiro, quando ainda era uma criança da
escola do professor Zambenedetti –que se situava onde hoje está o Clube Gaúcho, no centro
de Serafina--, ao ouvir a sineta anunciando o final do recreio, e ainda acocorado num macega
próxima à escola, passou a mão rapidamente em um maço das ervas que cresciam ao seu
redor e limpou-se de modo rápido mas vigoroso. Eis que uma súbita e terrível ardência o fez
dar-se conta que aquela era a erva que atendia pelo nome de “brusa-cul”(“queima-cu”)!
Nelson Ribeiro contava que viveu momentos dramáticos em seguida àquela “limpada a la
gaúcha”. A ponto do professor Zambenedetti levá-lo para a sua própria casa, atrás da escola,
para a esposa preparar logo um banho de água de malva e, em seguida, uma compressa de
água-de-rosas, que permitiu voltar à escola em condições ainda dolorosas mas já toleráveis.
Os sabugos e as ervas tinham como concorrentes os trapos velhos e, cada vez mais, os
papéis de diversas origens. Nos anos Quarenta e Cinqüenta o jornal adquiriu grande destaque
em nossa região, e não somente para a leitura. Foi quando surgiu a dúvida, até hoje não
adequadamente esclarecida, de quanto tempo duraria a antiga –e muito volumosa-- edição
dominical do jornal Correio do Povo pendurada no “prego da patente”...
Em algum momento da década de Cinqüenta todos esses modos primitivos de higiene
passaram a ter a concorrência séria do papel higiênico. Mas o de uso costumeiro, um papel
escuro e enrugado, muito seco e áspero, era considerado tão desconfortável que ainda se
considerava vantajoso cortar cuidadosamente quadrados de folhas de jornal de tamanho
proporcional aos bumbuns da casa e deixar o papel higiênico apenas para as visitas...
Mesmo que existisse papel mais civilizado, aquele escuro e áspero imperou por muito
tempo. Lembro que, já nos anos Oitenta, o papel higiênico que as repartições do antigo INPS
dispunham era de um tipo muito cruel --e acusado pelos funcionários de ser mais espalhador
do que limpador. Um dia uma tira dele apareceu, fixada na parede, com um poema escrito:
“Finja que é de veludo/ nem que lhe tire pedaço/pois este papel tão coiudo/que
agüenta metralha e balaço/é de couro do ouriço espinhudo /reforçado com fibras de aço.”
À medida que as nádegas foram ficando mais sensíveis e a indústria papeleira
melhorou sua tecnologia, as pessoas foram gradualmente se convencendo de que um papel
que tivesse mais consideração pelo “forever” seria um dinheiro bem gasto.

Porém o uso “off label” do jornal não foi invenção nossa. Na civilizada Espanha dos
anos Setenta o jornal El País, censurado pelo fascismo, mantinha grande prestígio graças à sua
qualidade sanitária. Dizem que em Cuba o povo tem imenso respeito pelos jornais, ainda que
nem tanto pelo seu texto. E que muito apreciado é o diário Granma, pela maciez de suas
folhas, muito disputadas --até porque são poucas: o jornal só tem 8 páginas. Que o semanário
Tribuna de La Habana tem papel mais áspero e por isso é um jornal menos conceituado. Já o
diário Juventud Rebelde só tem vez nos banheiros das estações rodoviárias porque, além da
crueldade do papel, sua tinta azul tem o péssimo costume de imprimir notícias nas nádegas...
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

txt

google.com, pub-2838464224155337, DIRECT, f08c47fec0942fa0