Pagine

Clique para entrar

.

.

RÁDIO AMICI DEL TALIAN NO AR

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Una lètera taliana de squasi 70 ani

Ga mandà par noantri Leonardo Quaggiotto par meter qua questa lètera come una cosa par ridar, e la gà pròprio un senso umorìstico, un scherzo belo, ma se pol anca vardarla come un registro stòrico dei nostri antenati. Zera pròprio cossì, anca mi (Jaciano Eccher) go belche vardà lètere antiche che gavea parole compagne de queste. La vita zera difarente. Ze parquesto che par fin una cosa par ridar ma l'era una lètera che portava una notìssia, zera la maniera de avicinarse un p'o de piu!
Se pol vardar anca i sbàlii de scrita e se pol saver che i nostri pori taliani i gavea poco stùdio, i savea solcha laorar. Tanti dei nostri i ga imparà leser e scriver sensa scuola. Parché i zera poareti si, ma nò gnoranti!
Nantra osservassion. Questo ze un dei pochìssimi registri scriti in TALIAN del sècolo scorso, si anca meso sbalià l'é un tesoro.



Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

El di dela imigrassion taliana. E ti? Ga ancora onore de esser fiol de talian?

Nel di 21 de frebràio ntel Brasil ze el di dela imigrassion taliana, ze el di de fermarse e ricordar la soferensa dei nostri bisnoni in svilupar un paese straniero e farlo diventar una vera Itàlia Brasiliana. Pense tu che ze stato fàcile? Lassar l'Itàlia e venir qua? Ris-ciar de tribular e trovar una povertà ancora pedo? Ma no. Lori (i nostri antenati) i zera gente de coràio e atitùdine, co'i ga dito "ndemo" i ze vignesti. E qua i ga svilupà bei posti che incói podemo veder con ciesete, molini, case tìpiche...
Alora cari taliani, non basta dir "Parabéns para nós pelo dia da imigração", prima de tuto gavemo bisogno de parlar la nostra léngoa. Secondo, gavemo de essere bravi come nostri noni, gavemo bisogno de vìver come lori, con coràio, con fede in Dio, nela Madona, dobiamo sempre ricordar a ogni di quelo che siamo e nò solche incoi.
Con el rispeto, la fede, el laoro, e el coràio nostri cari ga fato una vera cucagna par dar de regalo a noantri. La stessa cucagna che i credea trovar al rivar qua ntel Brasil e che ntel posto i ga trovà puro mato adesso i ga dato a noantri, alora el mìnimo che podemo far per ringrassiar ze badarla e guarirla parché la sìpia viva sempre nei nostri posti, nel nostro parlar e soratuto nel nostro cuore.

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Tre bastonade (três golpes) - Ademar Lizot

Talian

Altro giorno, so andato trovar el nono Fiorindo Dalberto e intanto che se bevea un bicier de vin el me ga contà sora le tre ciavade, meio dir bastonade, che el destin ga parecià ai nostri antenati. El nono con so sapiensa e dignità de novanta due ani de età, me ga dito:.

- La prima ciavada che ga patio nostri antenati la ga vignesto quando í signori della Itália, í fea bacan in piassa, par mandar nostri noni via al Brasil e fora dei pié, í ghe disea:...

- Là ghené de tuto par tuti, vin boníssimo, gasosa par í bambini, banane e la cucagna par tuti. Ì noni porigrami í se ga assà inganar par la ilusion de quele busie. Così ga scominsià la grande imigrassion italiana ntel Brasil ntel ano de 1875 e quando í ga imbarcà nel bastimento par el grando viàio, í ga sentisto nel cuor che í ghe cavea via la Pàtria Itália de rento del cuor, come cavar un pupin de so mama.

La seconda bastonada ga vignesto drita ntea dignità dei nostri bravi, ntei ani trenta del sècolo trascorsso, quando a rason de tanto laoro, tanti ani de sforso, se stea tuti anca ben, dopo che í ga fato su la Itália brasiliana qua in Brasil, quando í zera drio goderla, alora el governo brasilian ga metesto le òngie de fora e el ga cambià í nomi dei nostri posti e cità, fati su co`l sudor del nostro sàngue e che tanti í ga perso la vita par tirarli sú. Nova trento, Dona Isabel, Nova Vicenza e tanti altri posti che í ga fato cambiar el nome che dopo no se savea mea gnanca pronunsiar.

La tersa bastonada, penso mi , la più dolorosa, compagno de un pianto tristo che`l vegneva del fondo dela ànima, le stato quando gavemo visto la nostra cultura esser strassinada e gnente poder far.

Ntel mese de agosto del ano 1942, el governo brasilian ga fato la dechiarassion de guera a la Germania e Itália e insieme ga vignesto la proibission de parlar nel idioma dei paese nimighi. Alora el talian el ze diventà na léngua maledeta, no se podea pi doperarla, se parlea a scondion. L`era come ciapar el cortel e taiar via la nostra léngua. Così ga scominsià la soferansa dei nostri antenati, soratuto í pori coloni che nò í gavea ancora imparà de parlar el idioma brasilian par colpa del governo che no mandea mea í maestri insegnarli e anca no gavea mea scole e tanti ga tocà andar in prission sensa delito. L`era tempo de guera, í militari e el governo brasilian, í penseva che tuti í dissendente i fusse fassisti, “quinta coluna” e spioni che mandea segni ai sotomarini tedeschi, par dopo sfondar l`nave del brasil. Questa l'e stato una dele più grade imbecilità de quei tempi de stupidità, parvia che í pori coloni no ì savea mea cosa zera un sotomarino e anca no í savea gnente de Benito Mussolini el Duce d`Itália. Dopo ntel transcorsso dea guera, quando í fioi dei imigranti í ga servio nela FEB, la trupa brasilaina e í ga disbarcà nel porto de Nàpoli e dopo fato la guera sensa spaventarse de le canonade tedesche e ritornati casa vincitori, se anca tanti í ga perso la vita in onor a la Pàtria Brasiliana. Dopo de questi ati de braura, í matussei del governo e tanti altri rabiosi, no í ga più dito che zèrimo “quinta coluna”.

Cosí me ga contà el nono Fiorindo, novanta due ani de età, ma ancora in gamba e sempre con la
fàcia iluminata de serenità e pace. Bisogna dir che no l'e mia mio nono de sàngue, magari ghe sicuro
che el ze mio nono de cuor e questa stòria che el ga racontà, ze anca una dechiarassion de chi ga vivesto in quei tempi e ga scrito la stòria dea so vita con onor e dignità.

Nte quel giorno go ritornà casa con`aria de contantessa nel cuor, parvia dea compagnia gradévole
del nono e par scoltar so parole de sapiensa. Ntea me testa gavea la fedùcia de poder dir a tuti:..Che
bela la stòria de coràio, umiltà e onorabilità dea nostra gente, che bel el so esémpio de vita.

Ademar Lizot.

Tradução para português


Outro dia fui visitar o avô Fiorindo e enquanto degustávamos um vinho ele me contou sobre os três
golpes que o destino preparou para nossos antepassados. O nono com sua sabedoria e dignidade de
noventa e dois anos de idade, me disse;

O primeiro golpe que atingiu nossos avós, foi desferido quando os representantes do governo Italiano faziam a propaganda para a emigração ao Brasil, eles diziam:... La tem de tudo para todos, vinho, gasosa para as crianças, bananas e a sorte grande esperando. Nossos avós inocentes se deixaram enganar por mentiras. Assim começou a grande imigração Italiana ao Brasil no ano de 1875 e quando eles embarcaram no navio para a grande viagem, sentiram que naquele momento lhes tiravam a Pátria Italiana do coração, como uma criança de sua mãe.

O segundo golpe foi desferido na dignidade de nossos bravos, foi nos anos trinta do século passado,
quando depois de tanto trabalho, tantos esforços, todos estavam bem, pois aviam conquistado a sua
Itàlia no brasil, quando a estavam desfrutando, o governo brasileiro mudou os nomes das comunidades e cidades, contruidas com o trabalho e suor dos imigrantes. Nova Viceza, Dona Isabel, nova Trento e tantas outra.

O terceiro golpe foi o mais dolorido, foi igual o pranto triste que vem da alma, foi quando vimos a
nossa cultura sem estraçalhada sem podermos fazer nada. No mês de agosto de 1942, o governo
brasileiro declarou guerra a Itália e Alemanha e junto a lei proibindo falar no idioma dos países agora
inimigos. Assim o Talian tornou-se um idioma maldito, proibido de falar, foi como se uma adaga num
golpe decepasse a nossa língua. Assim começou o sofrimento de nossa gente, principalmente os mais
humildes que ainda não tinham aprendido o idioma brasileiro, principalmente por culpa do próprio
governo que não disponibilizava professores e escolas e muitos foram presos inocentemente. Era um
tempo de guerra, os militares e o governo pensavam que os imigrantes Italianos fossem todos Facistas “Quinta Coluna” e até espiões que mandavam mensagens aos submarinos alemães. Esta foi uma das mais grandes imbecilidades daquele tempo de estupidez, pois os descendentes, a maioria nem sabia o que era um submarino e também nunca tinha ouvido falar de Benito Mussolini, o Duce Italiano. Depois no transcorrer da guerra, quando os filhos dos imigrantes italianos, servirão na FEB, Força Expedicionária Brasileira e desembarcaram no porto de Nápoles e depois combateram com coragem e vencedores retornaram, embora muitos perderam a vida em honra a Pátria Brasileira. Depois destes atos de bravura, nunca mais foram chamados de “Quinta Coluna”.

Assim me falou o nono Fiorindo, 92 anos de idade, de coração forte e sempre com a face iluminada de serenidade e paz. Não é meu avô de sangue, é mais que isso é meu avô de coração e esta estória que me contou é também uma declaração de quem viveu naqueles tempos e escreveu sua história com honra e dignidade.

Naquele dia retornei para minha casa contente, devido a companhia agradável do avô e por suas
palavras de sabedoria. Em minha mente vinha com a confiança de dizer:.. Que bela a história da minha gente, que belo o seu exemplo de vida.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

5º Encontro da Família Maccari

Em clima de Carnaval, no domingo, 11 de fevereiro, foi realizado o 5º Encontro da Família Maccari, em Cocal do Sul.
Animando a festa tivemos a nona Claudia Maccari de Bona Sartor, 
com 85 anos de trabalhos comunitários e dançando como uma "bambina".
Família Maccari, "tutti bona gente!", da colônia de Urussanga para o mundo!

Prof. Gil Karlos Ferri
Historiador - UFSC/UFFS 
Associazione Bellunesi nel Mondo - Famiglia di Urussanga  

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Provèrbio e riceta véneta - Leonardo Quaggiotto

Varda alcuni provèrbii e anca una riceta véneta che ga mandà par el Sito Brasil Talian nostro amico Leonardo Quaggiotto.





Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Festa de 50 ani de Elis Regina Trevisan

El Grupo dei Noni de Corbélia ga cantà in una festa de sinquanta ani de Elis Regina Trevisan in Corbélia-PR, la festa la gavea la decorassion tuta taliana, con cose vècie, colori dela bandiera dela Itàlia e cansone taliane par tuti i gusti. Felicità che ancora ga gente che squasi 150 ani dopo dela imigrassion ancora i se ricorda de dove semo vignesti!

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

sábado, 10 de fevereiro de 2018

El primo programa La Voce Véneta. Chi ricorda? Questa ze stata la prima preghiera

Questa preghiera chi ga fato ze stato el Prete Ivair Tonin de "Três Palmeiras". L'era nel di 20 de marso de 2014. Quando gavemo scominsià con questo programa nantri ndea ntele case dele persone piu vècie par registrar storiete alora quele imàgine che te ascolte li su son dei nostri primi programi.
Par esémpio, questa stampa a la sanca ze del Prete Ivair Tonin con so nona Delia in quel tempo con 96 ani. La nona Delia ze stata morta nel di primo de giùlio de duemiladissete (spùncia qua par veder).
E questo ritrato ze stato fato nel di 21 de màgio de 2014 nela casa dela nona, quando semo ndati registrar el Programa La Voce Véneta, un bel ricordo par noantri!
Varda el vìdeo e dopo se possìbile (spùncia qua) par inscriverse nel nostro canale.
 
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Rádio Amici del Talian no ar 24 horas

Dia 8 de fevereiro de 2018 o Site Brasil Talian está completando 6 anos e para comemorar estamos colocando em prática um sonho antigo. Com muita felicidade apresentamos a vocês a Rádio Amici del Talian que ficará no ar 24 horas por dia trazendo programação em talian, a língua de imigração italiana no Brasil.
Ainda estamos em carácter experimental, portanto pedimos desculpa se alguma coisa não sair do seu agrado nos primeiros dias. Estamos aperfeiçoando e fazendo alguns testes.
Dentro de alguns dias vamos ter uma programação bem diversificada com voz de vários locutores do talian.
Quer fazer parte da nossa programação? Entre em contato com a gente pelas formas de contato abaixo. O mesmo vale para você amigo comerciante que gostaria de divulgar seus produtos e serviços na Rádio Amici del Talian e atingir um público a nível mundial.

Para você salvar o atalho no seu android é muito fácil. É só seguir os 3 passos abaixo:

Primeiro acesse qualquer link do Site Brasil Talian de preferência esse dessa publicação e clique nos 3 pontinhos como na imagem abaixo:


Depois clique em "Adicionar a tela inicial" como na imagem abaixo:


E por fim clicar em "Adicionar" como mostra a imagem abaixo:


Pronto! Você acabou de adicionar um atalho na tela do cel celular. Ouça quando quiser. Obrigado!




Whatsapp: (54) 9 9606-8941
E-mail: jacianoradiojornalismo@gmail.com
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Mia veciàia - I sessanta ani de Ademar Lizot

El mese de otobre, del an passà, son arivà ai sessanta ani de età e ntel giorno de mio compleano, mia nipotina, co so ànima pura e franca compagno un bocon de pan fresco, me ga domandà:..
- ”Nono ancoi che scomìnsia vostra veciàia? 
In quel àtimo me ga vignesto un sgrisolon di paura ntel cuor e me ga mancà le parole. Alora in silénsio, co'í me òcii meso strachi, go varda ntel profondo de so òcii, bei compagno due grani de ua negra e la go abraciata forte insieme de mio cuor. ” dopo go scominsià a pensarghe sora la mia vita, cosa go fato in tuti questi ani, che í mei cavei ga vignesti grisi e la me testa piena de rughe. Come go alsà sú mio carater, el rispeto e onestità co'i altri? Alora me ga vignesto in cuor n'ària de contantessa, parvia che go la cossiensa neta, che no go fato gnente de mal. Magari la vita la ze na granda lission de umiltà, che impienisse l'ànima de sicatrise e el cuor de ricordi che tante volte í fa vegner na làcrima ntei òcii e dopo l`dùbia de cosa ristara de mi ntel giorno che mio sàngue de talian congelar nte l`vene? Ristarà solamente la mia amabilità co la faméia, mio vero tesoro, insieme dei ati de onestità e umiltà con le persone e le bestiolete. Pol esser che anca ristara qualcheduna dele stòriete rustiche e piene de autentissità, compagno de na feta de polenta e formàio e che go scrito de cuor e ànima. E ntel momento che qualunque dei me nipotini, che ga eredità la stirpe dea me gente, leder quelo che go scrito, el ga de veder che so nono ga eredità la stirpe de so antenati, de laoro, umiltà, credensa in Dio e speransa.

Ntel giorno dea festa de mio compleano, dopo che go sufià sessanta candele e go magnà na feta de
torta, go ciapà ntei brassi quela toseta dei òcii bei, compagno due grani de ua negra e con parole de
dolcessa ghe go dito che sempre che la ze insieme a me, me ànima ritorna ani vanti quando gavea sìnque ani de età e in quel momento mio cuor l`é de un tosatel, pien de sogni e contatessa e me par da esser nantra volta ntea casa bianca andove go nassesto e passà mia infansa, me vedo ntea cosina, sentà ntea cassa dea legna, in torno del fogon, insieme dei me genitori, el pupà sentà ntea so carega predileta, co so capel de pàia de formento drio ciuciar el simaron, la mama co so fassoleto in testa, bela e imponente come zera la so bontà, drio brustolar la polenta e taiar el formàio. Però soratuto me par de scoltar le so parole drite e giuste, parole de suavità e dolcessa de due ànime gemele che i se volea tanto ben. Questi ricordi, í me fa vegner la fedùcia de dir che le persone speciale, che gavemo sempre dentro de cuor, fa nostra vita più bela, soratuto quando insieme dea natura e de le bestiolete, con so ànima lìmpida e pura, che no le fà mal a nissun. Queste cose de simplissità e umiltà, ze anca el testimònio dea grandiosità, bontà e sapiensa sensa fin de Dio, el paron del mondo.

La domanda de quela bambina ntel giorno de mio compleano, no go mai desmentegà, sempre
ritorna in me ànima compagno de na piova che vien zo pianpianeta su par le scandole del querto dea casa e mena insieme squasi na malinconia e anca el sentimento che quela piova de serenità e pace, la me vol dir qualunque cosa che non son mia bon de capir. Alora in silénsio vardo par el viero dea finestra e remiro quela piova santìssima e bela compagno de le làcrime dea Madona, che piande parvia de questo mondo pien de persone meschigne di cuor e rabiose de ànima.

Ademar Lizot.



Tradução

 Minha Velhice


Mês de outubro do ano passado, completei 60 anos de idade e no dia do aniversário, minha
netinha, com sua alma límpida e pura me fez uma pergunta:..” Nono, é hoje que começa a tua velhice?”

Naquele momento senti um aperto no coração e me faltaram as palavras. Depois em silencio, com meus olhos meio cansados, olhei nos seus olhos belos iguais dois grãos de uva negra e a abracei forte junto de meu coração. Depois comecei a pensar sobre minha vida, o que vi e fiz durante estes 60 anos em que meus cabelos ficaram brancos e minha face enrugada, como foi que construí meu caráter, o respeito e honestidade com meus semelhantes. Então senti em meu coração conforto e na consciência, serenidade, pois jamais pratiquei o mal. Aprendi no decorrer destes anos, que a vida é uma grande lição de humildade, que enche nossa alma de cicatrizes e nosso coração de lembranças que tantas vezes fazem verter uma lágrima dos olhos e depois a dúvida de que restara de mim no dia que meu sangue congelar em minhas veias? Talvez a lembrança sagrada de meu amor com minha família, meu maior tesouro e também a lembrança de meus atos de honestidade e humildade com as pessoas e os animais.

Pode ser que também restara alguma das muitas estórias rusticas e autenticas que escrevi com alma e
coração e no sagrado momento que um dos meus netos, que herdou a estirpe de minha gente, estiver
lendo aquilo que escrevi, ele haverá de entender que seu nono também herdou a estirpe de seus
antepassados, de trabalho, humildade, fé em Deus e esperança.

No dia de meu aniversário, depois que assoprei as 60 velas e provei um pedaço de bolo, em seguida
falei com aquela criança de olhos belos e negros iguais dois grãos de uva e com palavras de carinho lhe disse que sempre que ela está junto a mim, minha alma retorna ao tempo que tinha 5 anos de idade e naquele momento meu coração é de um menino, pleno de sonhos e contentamento, me sinto como se estivesse novamente na casa branca onde nasci e passei parte de minha infância, me vejo na cozinha, sentado na caixa da lenha, atrás do fogão e junto de meus pais, meu pai sentado em sua cadeira predileta, com seu chapéu de palha de trigo e tomando chimarrão, a mãe sempre bela como era sua bondade, preparando a polenta e o queijo e os dois falando, com suas palavras de suavidade e doçura de duas almas gêmeas que se queriam tanto bem.

A pergunta daquela menina no momento de meu aniversário, jamais esqueci, ela sempre retorna em
minha mente, como a chuva que cai mansamente sobre o telhado da casa, trazendo junto uma saudade e também o sentimento que aquela chuva de paz quer me dizer alguma coisa que não sou capaz de entender. Então em silencio olho pelos vidros da janela e admiro aquela chuva santíssima e bela como as lágrimas de Nossa Senhora que chora por este mundo cheio de pessoas mesquinhas de coração e rudes de alma.
Ver toda a postagem/Vedere tutto ››

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Associação Italiani in Brasile faz festa de recepçao para Jaciano eccher e família

Nesse dia 3 de fevereiro de 2018 a associação fez um jantar ensaio e ao mesmo tempo de recepção a visita de Jaciano Eccher (primeiro presidente da entidade). Teve muita cantoria, festa e momento de recordação. Confira algumas imagens! Em breve vídeos!

Ver toda a postagem/Vedere tutto ››